Ausências no Oscar deste ano... | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Oscar 2002

Segunda-feira, 1/4/2002
Ausências no Oscar deste ano...
Arcano9

+ de 2500 Acessos
+ 2 Comentário(s)


A cerimônia do Oscar passou. Ufa! Depois de uma semana para deixar a cabeça e a poeira assentarem, e comemorar a justiça feita aos artistas negros da sétima arte (tim tim, Denzel Washington!), dá agora para refletir melhor sobre algumas ausências sentidas na festa deste ano.

Sabe, eu tenho que confessar que, se o negócio do Oscar não tem mesmo nada a ver com premiar os melhores filmes do ano e sim a ver com aquelas idissincrasias eternamente questionáveis da academia, não sei como pude errar tanto. Quando pensei em escrever um textinho sobre os filmes indicados, nem olhei direito as indicações. Tinha, por exemplo, certeza de que Russell Crowe iria concorrer - porque a academia gosta desse tipo de coisa, atores que tentam mostrar que tem grande capacidade dramática, mas que na verdade sempre torcem o nariz dos mais críticos, tentando ano após anos levar a estatueta. Além disso, Uma Mente Brilhante é um filme piegas de doer (desculpe, mas é isso que eu acho) e Hollywood gosta de pieguiçe. Tinha certeza que Assassinato em Gosford Park iria concorrer a alguma coisa, também, porque Altman sempre foi um cara que teve a admiração de alguns eleitores em Hollywood, e porque ele fez tanta coisa memorável que ele sempre é forte candidato. Entre Quatro Paredes, por ser um drama bonzinho, também, assim como o ma-ra-vi-lho-so como Pearl Harbour (isto é uma ironia...), que certamente iria levar alguma indicação por efeitos visuais, assim como Falcão Negro em Perigo. Ainda falando de aventuras e combates épicos, era sabido e foi confirmado que a academia tem preconceito com o gênero fantasia e não premiou o glorioso O Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel nas principais categorias. Mulholland Drive? Bom, veja e me diga o que você acha. David Lynch voltando às suas origens, um cinema enigmático, arcano, impenetrável, histórias que se mesclam e não parecem ter sentido, inconsciente versus consciente, sexualidade ambivalente, Freud, enfim, nada que realmente represente o gosto popular ou da academia (ainda que as atrizes sejam sensacionais e o filme tenha me deixado refletindo por dias, como há muito tempo não ocorria). Não, não estou inconformado com nada disso... era tudo, tudo esperado. Agora, eu tenho várias perguntas sem nenhuma resposta.

Primeira, e mais óbvia... o Brasil teve um ano sensacional em matéria de cinema. Olha só: não estou falando apenas de Abril Despedaçado, que está fazendo um sucesso surpreendente em Londres (recomendado pelo Times, pela Time Out e pelo Metro e tomando de assalto o Curzon Soho, um dos cinemas-cabeça mais freqüentados de Londres). Nem de Eu, Tu, Eles, que também fez sucesso por aqui. Estou me referindo do esperadíssimo e dolorosamente e artesanalmente construído Lavoura Arcaica. Não, ora direis vós, trata-se de um filme muito longo, muito difícil e não digestivo para a academia. Ok, ok, mas estou frustrado. Assim como estou frustrado em relação ao esquecimento de O Invasor, premiado em Sundance (clique aqui para ler o texto do colega Fabio Danesi Rossi sobre o filme). Está certo que O Fabuloso Destino de Amélie Poulin concorreu ao Oscar, e ainda que tenha sido preterido por Terra de Ninguém - repetindo o sucesso do Globo de Ouro - a presença de Amélie no Kodak Auditorium colaborou para colocar um sorriso no meu rosto.

Outra dúvida... Gente, sou eu o único sujeito no mundo que gostou de Do Inferno e achou uma injustiça tremenda o filme não aparecer em nenhuma indicação? Convenhamos, parece que o fato do filme ter nascido de uma história em quadrinhos deve ter assustado muitos intelectualóides cinematófilos, que acham que esse tipo de (como eles devem chamar os quadrinhos) "subarte" não poderia produzir algo descente. Mas, mesmo que Hollywood decida ter mantido os olhos fechados para o esforço titânico de pesquisa de Alan Moore, ainda restam no filme a fotografia, a ambientação, as sombras, o trabalho bastante honesto de Johnny Depp. Mas nada, nada, nem sombra de indicação da festa do Oscar. Tsc, tsc...

Terceira injustiça que não quer calar: O que dizer de The Shipping News? Ainda falando do fato de eu nem ter olhado a indicação dos filmes ao Oscar, eu esperava com tanta certeza que Kevin Spacey (foto acima, em cena do filme, com Julianne Moore) fosse indicado para o prêmio de melhor ator ou que o filme fosse indicado ao de melhor roteiro adaptado, que simplesmente não consegui acreditar quando, ao botar minha bunda na cadeira para escrever este texto, não vi nada na listagem. The Shipping News - que pelo jeito ainda não tem nem nome em português nem data de estréia no Brasil, me corrija se minhas pesquisas na internet estiverem erradas - é o último trabalho do diretor sueco Lasse Hallström (de Minha Vida de Cachorro, Regras da Vida e Chocolate), indicado nos últimos dois anos para prêmios da academia, conhecido pela predileção em descrever a vida e os infortúnios de desajustados sociais e por gostar de adaptar romances para o cinema. No caso, The Shipping News foi escrito por Annie Proulx e tinha grande potencial para estourar nas telas, já que o romance já havia sido premiado - com o prêmio Pulitzer, em 1994. O próprio Hallström deixou claro em entrevistas, antes do filme estrear, que esse era um projeto "desafiador" e que ele havia procurado por inúmeros roteiristas dispostos a topar o desafio e adaptar o conteúdo do romance. O temor era compreensível - Annie Proulx tem uma narrativa rica em textura descritiva, leia e não te arrependerás.

O filme conta a história de um sujeito um tanto limitado intelectualmente, John Quoyle (Spacey, de Seven e Beleza Americana), que, traumatizado pelo jeito com que seu pai insistiu para que ele aprendesse a nadar quando pequeno, acaba escorregando para uma vida de medo e mediocridade, como se todos os seus anos neste planeta se passassem com ele no meio de um lago batendo os bracinhos e morrendo de medo por não saber nadar. Em dado momento, ele encontra uma mulher (Cate Blanchett, morena e suja) muito egoísta e muito gostosa que o seduz e que decide casar com ele. Levado pelo vento do destino, ele mantém-se fiel e apaixonado, mas a mulher, depois de parir o filho do sujeito, decide abandoná-lo. O preço que ela paga por isso é a morte num acidente de carro, em que ela estava junto com o amante. Ao mesmo tempo, Quoyle fica sabendo que seu pai também morre. Arrasado, Quoyle recebe a visita de Judi Dench (de Chocolate e Iris), encarnando uma tia distante, que o leva para esquecer dos fatos recentes e conhecer o passado de sua própria família numa região remota do leste do Canadá, a ilha de Newfoundland. Com a filha de 10 anos a tiracolo, Quoyle e a tia desembarcam na ilha e iniciam uma jornada pelo passado dos Quoyle, tocando em feridas profundas mas, ao mesmo tempo, curando-as.

O que você acha? Todos os ingredientes hollywoodianos estão lá. Conte comigo (saravá, Nick Hornby!): Trata-se da adaptação de um romance de sucesso (2 pontos); esse resuminho que fiz deixa claro que é um drama um tanto piegas (2 pontos); tem criança no meio (1 ponto); tem dois atores aclamadíssimos (Spacey e Dench, 2 pontos); Tem locações belíssimas em Newfoundland, em uma região fria, enevoada e fantasmagórica (1 ponto); Tem uma história bem amarrada (2 pontos); é dirigido por um diretor que já foi indicado ao Oscar (2 pontos) e, por fim, foi indicado a prêmios em outras importantes cerimônias, como a dos Baftas ou a Screen Actors Guild de Hollywood (2 pontos). Ou seja, de acordo com esta minha contabilidade simplista, o filme tem pelo menos 14 pontos na escala Richter de sucesso e de potencial sísmico na cerimônia do Oscar.

O que houve, me pergunto. Eu gostei de The Shipping News - de 0 a 10 (ainda usando a linguagem de números e notas), eu lhe dou um sete. Gostei muito da ambientação, gosto de locais ermos, frios e enevoados. Gostei da fotografia, da interpretação de Spacey, acho que ele convence bastante em alguns momentos, mais do que o Russell Crowe coçando a cabeça para forçar um tique nervoso. Dench, como de costume, está ótima. Mas entendo as críticas que lhe vem sendo feitas. Como outros trabalhos de Hallström, este não é um cinema dos mais eletrizantes do mundo. Na verdade, temos um filme entendiante, em certos momentos arrastado, em certos momentos sonâmbulo. O encontro de Quoyle com os desconhecidos fantasmas de seu passado na ilha ocorre ao mesmo tempo em que outros personagens na ilha, ou todos os personagens na ilha, travam contato com seus próprios fantasmas. E haja fantasma! A tia Judi Dench foi estuprada... O colega de trabalho de Quoyle sonhou a vida inteira em deixar a ilha em um barco que ele vem construindo com zelo há anos.... O chefe de Quoyle tem um sétimo sentido.... Dá para perceber que se trata claramente de uma adaptação de um romance, porque todos esses personagens aparecem no filme meio como icebergs - mostrando mais ou menos as toneladas de gelo escondidas abaixo da linha da superfície - o que frustra um pouco. Não que o filme devesse contar a história de todos, o que é impraticável, mas acho que os roteiristas tentaram satisfazer demais as pessoas que leram o livro, e o resultado é discutível - você não gosta, eu gostei. O silêncio de Quoyle, um cara de pouca articulação e que vira um jornalista na ilha, também é uma faca de dois gumes. O personagem é assim, e Spacey segue a risca o enredo. Mas em dados momentos o que parece é que estamos em algum tipo de peça de teatro russa frustrada. Imagine um Tchecov que, de repente, rompe o silêncio e enumera todos os traumas e conflitos na sua família. Senti que o diretor ou os atores não estavam prontos para desafiar o público com o silêncio. Se o fizessem, talvez se tornassem ainda mais entediantes. Há vários momentos de silêncio desconfortável em cenas entre Julianne Moore e Kevin Spacey. Tchecovs frustrados. Eu detestei a tentativa de Julianne Moore de encarnar uma mãe solteira que se muda para a ilha e que, como é de se esperar, tem um romance com Quoyle (tem que haver algum romance, não é? E de preferência com um beijo na chuva pesada, após uma briga, como aconteceu. Uma briga que começa com Quoyle bêbado, outro clichê). Moore parece muito acomodada e muito calma para ser uma mulher com tantos traumas. Não sei, algo cheira mal, como peixe podre, trazido em mais um dia de pesca na costa de Newfoundland.

Não sei se o filme, afinal, possui tantos problemas que justificassem que ele não fosse indicado a nada. Veja e me conte, foi injustiça ou não? Com a pergunta no ar, uma coisa é certa - o diretor Hallström deve estar neste momento refletindo sobre o que deu errado no seu esforço há tanto esperado para adaptar o romance de Annie Proulx. Vamos ver as mudanças no próximo trabalho - já anunciado - a adaptação de outro romance, A Conspiracy of Paper, de David Liss. A história eu já posso adiantar. No cenário do submundo de Londres em 1719, um detetive particular se envolve num mistério de assassinatos e tramas financeiras. Você leu esse romance? É bom?


Arcano9
Londres, 1/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
04. O bom e velho formato site de Fabio Gomes
05. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2002
01. It’s my shout - 18/3/2002
02. Bom esse negócio de Hit Parade - 7/1/2002
03. Sua empresa faz festa de Natal? - 27/12/2002
04. Quatro nomes para o êxtase britânico - 10/6/2002
05. Ganha-pão - 29/4/2002


Mais Especial Oscar 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/4/2002
17h45min
Legal sua crítica! Porém não sei se concordas vanilla sky que é uma adaptação do original, me rendeu um bom tempo de reflexão, achei um ótimo filme. E você?
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
1/4/2002
18h46min
Oi Vinicius, infelizmente não vi Vanilla Sky! Tenho certeza que deve ser um filme bom, vi muitas críticas boas a respeito. Mas você levantou uma coisa importante - há muitas outras ausências que são sentidas e que eu nem mencionei. Eu falei só por cima no texto, mas o novo filme do David Lynch, Mulholland Drive, é maravilhoso (estréia em abril no Brasil). Pelo menos para fãs do Lynch. Eu fico muito triste de ver que não foi tão premiado quanto merecia... Mas, como disse, não se pode esperar muito da academia, mesmo...
[Leia outros Comentários de Arcano9]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A DESINTEGRAÇÃO DO LESTE: URSS, IUGOSLÁVIA, EUROPA ORIENTAL
NELSON BACIC OLIC
MODERNA
(1993)
R$ 15,00
+ frete grátis



RELIGIÃO
DIÁLOGO COM OS HOMENS
EDIÇÕES 70
(1990)
R$ 22,22



PERIQUITOS: COMPORTAMENTO. ALIMENTAÇÃO. CUIDADOS.
KURT KOLAR
MELHORAMENTOS
(2001)
R$ 10,00



WALKABOUT
JAMES VANCE MARSHALL
HEINEMANN
(1997)
R$ 93,50



FÍSICA PARA O ENSINO MÉDIO - 2 - TERMOLOGIA, ÓPTICA, ONDULATÓRIA
KAZUHITO YAMAMOTO; LUIZ FELIPE FUKE
SARAIVA
(2010)
R$ 8,00



AUTO AJUDA
101 MANEIRAS PARA AUMENTAR A SUA MOTIVAÇÃO PESSOAL
LIVROS HORIZONTE
(2000)
R$ 44,78



REVISTA FLAP INTERNACIONAL Nº 293 - ANO 34 - FEVEREIRO 1997
CARLOS ANDRÉ SPAGAT DIRETOR
EDITORIAL SPAGAT
(1997)
R$ 7,00



CINEMA INDIANO CONTEMPORÂNEO
CINEMA INDIANO CONTEMPORÂNEO
CAIXA CULTURAL
R$ 19,28



ENDGAME - O CHAMADO - VOL 1
JAMES FREY
INTRÍNSECA
(2014)
R$ 21,00



ANÁLISE ECONÔMICA
C J WATES
FIFEL
(1976)
R$ 10,99





busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês