Moderno antes do Modernismo | Sergio Amaral Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Amor platônico
>>> 80 (Melhores) Blogs na Época
>>> Nordeste Oriental
>>> Entrevista com Flávia Rocha
>>> Clint: legado de tolerância
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Nicolau Sevcenko & jornalismo
>>> 25 de Julho #digestivo10anos
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Jornais do futuro?
Mais Recentes
>>> Bíblia Sagrada Nova Versão Transformadora de Equipe Nvt pela Mundo Cristão (2016)
>>> A Mão e a Luva - Coleção Prestígio de Machado de Assis pela Ediouro (1987)
>>> Introdução à Teologia Fundamental de Rino Fisichella pela Loyola (2012)
>>> O Mulato - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Uma Lágrima de Mulher - Coleção Prestígio de Aluísio Azevedo pela Ediouro (1987)
>>> Filosofia Política e Liberdade de Roland Corbisier pela Paz e Terra (1975)
>>> Civilização e Cultura. Volume 1 de Luis da Câmara Cascudo pela Livraria José Olympio (1973)
>>> Antologia do Folclore Brasileiro - 2 Volumes de Luis da Câmara Cascudo pela Martins (1965)
>>> Alguém Que Anda por Aí de Julio Cortázar pela Nova Fronteira (1981)
>>> Revolução na América Latina de Augusto Boal pela Massao Ohno (1961)
>>> Arte de Amar e Contra íbis de Ovídio pela Cultrix (1962)
>>> História Concisa da Literatura de Alfredo Bosi pela Cultrix (1979)
>>> Por Que Almocei Meu Pai de Roy Harley Lewis pela Companhia das Letras (1993)
>>> A Filosofia de Descartes de Ferdinad Alquié pela Presença / Martins Fontes (1969)
>>> A . Comte - Sociologia de Evaristo de Moraes Filho; Florestan Fernandes pela Ática (1983)
>>> The Pedants Return de Andrea Barham pela Bantam Books (2007)
>>> O Ser e o Tempo da Poesia de Alfredo Bosi pela Companhia das Letras (2004)
>>> Thomas Hobbes de Os Pensadores: Hobbes pela Abril Cultural (1979)
>>> Introdução ao Filosofar de Gerd Bornheim pela Globo Livros (2003)
>>> O Caneco de Prata de João Carlos Marinho pela Global (2000)
>>> Berenice Contra o Maníaco Janeloso de João Carlos Marinho pela Global (1997)
>>> Conceptual Issues in Evolutionary Biology de Elliott Sober pela Mit Press (1993)
>>> A History Their Own Women in Europe - 2 Volumes de Bonnie S. Anderson; Judith P. Zinsser pela Harper & Rowpublishers (1988)
>>> Revelações de Uma Bruxa de Marcia Frazão pela Bertrand Brasil (1994)
>>> Eu, Malika Oufkir: Prisioneira do Rei de Malika Oufkir; Michèle Fitoussi pela Companhia das Letras (2000)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/6/2002
Moderno antes do Modernismo
Sergio Amaral Silva

+ de 7100 Acessos

Conhece a obra de Alexandre Marcondes Machado? (não confundir com Antônio de Alcântara Machado...). E o jornalista e escritor Juó Bananére? Se você respondeu não às duas perguntas, aqui vai uma pista: trata-se da mesma pessoa, aliás, criador e criatura; ou melhor, vamos por partes...

Alexandre Ribeiro Marcondes Machado (Pindamonhangaba, 1892 - São Paulo, 1933) era engenheiro formado pela Escola Politécnica e foi sócio de um escritório de arquitetura. Publicou só um livro, sobre as construções barrocas de Minas Gerais (A arquitetura colonial no Brasil, de 1919), além de uns poucos artigos de jornal. Mesmo entre seus contemporâneos, era praticamente um desconhecido, já que costumava escrever com o pseudônimo de Juó Bananére.

Bananére foi o cronista mais popular de São Paulo entre 1911 e 1915, sendo a principal atração da revista semanal O Pirralho, criada por Oswald de Andrade. O fato de que, hoje, poucos o conhecem, tem algumas explicações além do tempo que passou.

Primeiro, porque a maior parte de sua obra, o conjunto de crônicas publicadas em O Pirralho, ainda está por organizar; segundo, pela dificuldade de acesso do leitor atual ao livro La divina increnca, só agora relançado: a obra, de 1915, teve outras oito edições até 1925 e a décima, hoje rarissima, somente em 1966; outro motivo: o fato de ter sido um escritor humorista e satírico, gênero em geral sub-valorizado em relação aos considerados "sérios".

Entre as características de Bananére, que escreveu crônicas, poesia e teatro, destaca-se a originalidade. A começar pela linguagem: ele criou seu próprio idioma, combinando italiano e português, como se imitasse a fala dos primeiros imigrantes europeus que se concentravam nos bairros paulistanos do Brás, Bexiga, Barra Funda e Bom Retiro. A essa mistura proposital de duas línguas para fazer uma paródia literária, chama-se macarronismo.

Assim, quando se diz que o dialeto inventado por Bananére era "macarrônico" , o termo, embora de origem italiana, não se aplica exclusivamente aos ítalo-paulistas. Também se costuma chamar de inglês ou francês "macarrônico" à língua falada por quem não a conhece bem. Já o macarronismo como técnica literária, intencional e criativa, exige o domínio dos dois idiomas. No caso de Marcondes Machado, o conhecimento do italiano foi um dos atributos emprestados a Bananére, segundo depoimento de Mário Leite, seu colega de turma.

A nova edição de La divina increnca reproduz integralmente o texto original de 1915. No abrangente estudo que a acompanha, intitulado Juó Bananére - o abuso em blague, Cristina Fonseca ressalta o pioneirismo do autor. Seus textos, ainda na primeira metade da década de 1910, já incorporam inovações formais de vanguardas européias como o futurismo, o dadaísmo ou o cubismo, que seriam mais difundidas no Brasil a partir da Semana de Arte Moderna de 1922. Entre os autores que influenciou, está Oswald de Andrade.

Críticas e Paródias

Juó Bananére foi um crítico ferino da política brasileira do início do século passado. Seu alvo preferencial, o presidente da República entre 1910 e 1914, marechal Hermes da Fonseca (que tratava por "Maresciallo", "Hermese" ou "Dudú"), a quem não poupava também a noiva, a caricaturista Nair de Teffé (a "Nairia"). Ironizava ainda a eminência parda do governo, o político gaúcho Pinheiro Machado (o "Pignêro"). Essas três personagens aparecem no poema O Dudú, que no trecho final os denuncia como responsáveis pelo desvio de dinheiro público:

"O Maresciallo co'a Nairia i co Pignêro
Azuláro cos dignêro
Gá du Banco da Naçô.
I un restigno che scapô distu pissoalo
O ermó du Maresciallo
Passô a mó, abafô !

I o Brasile goitado !
Ficô pilado, pilado !!..."

Outra faceta notável da poesia de Bananére é representada pelas versões populares de fábulas de La Fontaine, bem como pelas paródias de escritores consagrados, como Gonçalves Dias, Castro Alves, Casimiro de Abreu, Luís de Camões, Edgar Allan Poe ou Olavo Bilac. Este último, segundo Cristina Fonseca, era das únicas personalidades brasileiras do início do século 20 "sobre as quais pouca gente, mesmo os humoristas, se arriscaria, em sã consciência, a fazer críticas ou piadas, por desfrutarem de um sólido respeito popular". Pois o famoso soneto Via Láctea XIII, do "príncipe dos poetas", ("Ora, direis, ouvir estrelas, certo perdeste o senso... ") inspirou a Bananére o divertido Uvi strella:

"Che scuitá strella, né meia strella !
Vucê stá maluco ! e io ti diró intanto,
Chi p'ra iscuitalas moltas veiz livanto,
I vô dá una spiada na gianella.

I passo as notte acunversáno c'oella,
Inguanto che as otra lá d'un canto
Stó mi spiano. I o sol come un briglianto
Naçe. Oglio p'ru çéu: - Cadê strella !?

Direis intó: - Ó migno inlustre amigo !
O chi é chi as strellas ti dizia
Quano illas viéro acunversá contigo ?

E io te diró: - Studi p'ra intendela,
Pois só chi giá studô Astrolomia,
É capaiz di intendê istas strella."

Resgatar os textos do autor, colocando-os ao alcance das novas gerações de leitores, já seria um mérito deste lançamento duplo. Mas não é o único: em sua análise, Cristina Fonseca demonstra que Juó Bananére não foi apenas um autor "exótico" ou "folclórico", mas um dos escritores mais importantes do Pré-Modernismo brasileiro.

Quanto a La divina increnca, a reprodução das "Notas" da edição de 1966 teria facilitado ao leitor de hoje, identificar as personagens citadas nos poemas, com as quais por certo não está familiarizado. Fica faltando ainda outro trabalho: a compilação dos demais escritos de Bananére, abrangendo as crônicas publicadas na imprensa e seu teatro, de modo a permitir uma avaliação, pelo público, do conjunto de sua admirável obra.

Para ir além

La Divina Increnca, de Juó Bananére, 72 págs.; Juó Bananére - O Abuso em Blague, de Cristina Fonseca, 208 págs., Editora 34, R$ 29 os dois volumes.





Sergio Amaral Silva
São Paulo, 3/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alguns momentos com Daniel Piza de Eduardo Carvalho
02. As vidas de Chico Xavier de Gian Danton
03. O detetive Alyrio e as paisagens noturnas de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Sergio Amaral Silva
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Próximo Destino Marte
Marina Vigial
Panda Books
(2005)



Bicentenário de Campinas a Saga Que a Cidade Amou - Autografado
Rubem Costa
Komedi
(2013)



As Ostras Estão Morrendo
Walmir Ayala
Leitura
(2007)



Concepção de Frases Em Ninhos de água
Pedro Cezar
7 Letras
(2002)



A Cultura como Crença
J. Rogério Lopes
Cabral
(1995)



Umbanda Gira! - 1ª Edição
Gisela Darruda
Pallas
(2010)



Terapia do Ser Mulher
Karen Katafiasz
Paulus
(1998)



Osso - na Cabeceira das Avalanches - Autografado
Bruno Cattoni
7 Letras
(2005)



A culpa é das estrelas
John Green
Intrínseca
(2012)



Come and Get Me and Other Ghost Stories
Peter Bullard
Longman
(1983)





busca | avançada
86662 visitas/dia
2,4 milhões/mês