O sem sentido da vida de Bóris | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
>>> BATA ANTES DE ENTRAR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
>>> Guimarães Rosa em Buenos Aires
>>> Festival de Curitiba 2010
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> O INVISÍVEL
>>> Meu reino por uma webcam
>>> De louco todos temos um pouco
>>> Doces Cariocas
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Weezer & Tears for Fears
Mais Recentes
>>> Administração e Eficaz de Ellen G. White pela Religião
>>> Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco pela Martin Claret Pocket (1999)
>>> A Chance de uma Bola de Neve no Inferno da Natureza de Fronhas e Lenço de Fabio Brandi Torres pela Patuá (2014)
>>> Noite-égua de Nelson Rego pela Terceiro Selo (2015)
>>> Direito Constitucional - Décima Nona de Alexandre de Moraes pela Atlas (2006)
>>> Bar Don Juan de Antônio Callado pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Passagem para Ravena de José Ricardo Moreira pela Formato (2004)
>>> Moderna Plus - Geografia - Parte II de Lygia Terra pela Moderna (2011)
>>> Revolução do Caráter de Peter Howard pela Palácio dos Livros (1964)
>>> Pippi Longstocking de Astrid Lindgren; Louis S. Glanzman pela Puffin Usa
>>> Woyzeck. Leonce e Lena de Georg Büchner pela Ediouro
>>> Tanto Barulho por Tullia de Ilaria Borrelli pela Globo
>>> Ratos e Homens - Edição de Bolso - Texto Integral de John Steinbeck pela L&pm Pocket (2007)
>>> Doing Business in Brazil (versão Em Português) de Vários Autores pela Britcham (2007)
>>> Negociação Total de José Augosto Wanderley pela Gente (1998)
>>> A Cama Desfeita de François Sagan pela Circulo do Livro
>>> Minha Vida Indecisa de Jessica Brody pela Novo Seculo (2012)
>>> Seu Léo e o Pintadinho de Odette de Barros Mott pela Atica (1987)
>>> Manual Merck de Informação Médica: Saúde para a Família de Robert Berkow pela Manole (2002)
>>> Aventuras do Cara de Macaco, as - V. 3 de Knife & Packer; Marcia Regina Frai pela Fundamento (2016)
>>> Etica Empresarial - 3ªrevista de Robert Henry Srour pela Campus (2008)
>>> As Digitais das Sombras de Wilker Sousa pela Patuá
>>> Os Pensadores: Wittgenstein de Victor Civita pela Nova Cultura
>>> Uma Canção Nas Trevas de Edgar Wallace pela Abril Cultural (1982)
>>> A Mula de Juan Eslava Galán pela Benvira (2010)
COLUNAS

Terça-feira, 17/7/2007
O sem sentido da vida de Bóris
Marcelo Spalding

+ de 4000 Acessos

Pode um dia na vida de um casal qualquer virar literatura? Pode um diálogo num café da manhã na vida de um casal qualquer virar literatura? Nas mãos de Luiz Vilela, sim. No finalista do Jabuti Bóris e Dóris (Record, 2006, 96 págs.) não temos propriamente uma narrativa, mas um longo diálogo entre Bóris, executivo de relativo sucesso que sonha ser nomeado naquele dia diretor de um conglomerado de empresas, e Dóris, sua esposa triste e solitária, questionadora dos valores do marido empreendedor e angustiada com o sem sentido da vida.

Evidentemente não se trata de um casal qualquer e nem de um dia qualquer, há entre Bóris e Dóris um conflito latente e que perdura por anos. Já no começo da conversa - e do livro -, depois de percebermos que estão num café da manhã de um hotel, ele lembra à esposa que ela não tem mais aqueles peitos empinados e aquela bunda arrebitada. Ao invés de chatear-se com a constatação (diga-se já que ele tem 60 e ela, 37), começam a filosofar sobre a vida e ele diz que "a vida é uma estrada esburacada, que começa no nada e termina no nada".

Não espere o leitor frases muito mais profundas do que essa, a intenção da narrativa parece ser exatamente contrapor a gravidade do conflito com a superficialidade do casal, espécie de sátira do pensamento médio da população. Bóris lembra muito o pai da menina de Miss Sunshine, aplicando as filosofias de manuais de empreendedorismo nas relações pessoais e sentimentais, enquanto Dóris é a caricatura da Bovary contemporânea, oscilando entre a ânsia de viver, o desejo de trair, o medo da velhice e o fascínio pelo suicídio. Em um dos trechos mais belos ela conta ao marido o que fez na tarde anterior, enquanto ele estava na convenção e ela andava solitária pelo hotel:

"- Então eu voltei para o saguão.
- Sei.
- A mulher, a mulher velha, ainda estava lá, no canto, na poltrona; a cabeça tombada, os olhos fechados, o terço...
- E aí?
- Aí? Aí eu me aproximei devagar, e então a mulher, essa hora, levantou a cabeça, olhou para mim e sorriu, o sorriso mais triste do mundo; e aí eu vi, apavorada, que aquela mulher...
- O quê?
- Aquela mulher era eu!
- Você?...
- Eu! Aquela mulher era eu! Eu daqui a vinte anos!
- Hum...
- Aí eu subi depressa para o quarto, tranquei a porta e fiquei lá, impressionadíssima. Aí eu...
- Dóris: briefing."

Assim como no momento em que ela contará ter pensado em suicídio, o marido não leva a esposa a sério, não consegue ver naquelas palavras algo além de queixas infundadas, talvez uma perturbação psíquica. Pede que a esposa seja breve utilizando-se do mais manjado dos termos, briefing, e ela respeitosamente apressa a narrativa tirando todo seu drama e ficando apenas com o inusitado, reforçando para ele sua insanidade.

Um leitor atento possivelmente conseguirá ver em Bóris e Dóris a vida de quase todos os casais de meia idade, casais que alcançaram certa estabilidade financeira e agora buscam um sentido para a vida, sentido que precisa urgentemente ser encontrado antes que a vida lhes escape. Ele é a mimese do homem contemporâneo e ela da esposa desse homem contemporâneo, ambos são também nós, aparando os exageros de qualquer caricatura.

É interessante sublinhar, nesse ponto, a opção estética de Vilela. Ao narrar apenas com diálogos, limitando-se a situar as personagens, o autor rejeita os conselhos de qualquer poética para narrativas e reproduz na forma a simplicidade da trama, uma simplicidade que pode parecer fácil e superficial mas aos poucos vai se mostrando bastante reveladora. Se fosse de outra forma, a fraqueza do discurso do casal seria vista como fraqueza do próprio novelista, ou ainda como coloquialidade exagerada, mas ao ser explicitado um diálogo, diálogo com travessão e tudo, ocorre essa simbiose entre forma e conteúdo. Deixe-me ilustrar isso com um trecho em que o casal discute sobre problemas ambientais na Alemanha:

"- Encurtando caminho: a única solução que eles encontraram para acabar com a mortandade dos sapos foi desviar a estrada; só que, para fazer isso, eles teriam de abrir um túnel numa montanha, uma obra que ficaria caríssima.
- E eles abriram.
- Abriram.
- Eu sabia... Esses gringos... Eles são assim: eles matam milhões de judeus; depois abrem um túnel na montanha para não matar sapos...
- O que tem uma coisa a ver com a outra, Bóris?
- O que tem? Tem muito a ver.
- Eu não vejo relação nenhuma.
- Tudo tem a ver com tudo. Uma coisa aqui e agora tem a ver com outra lá não sei onde e quando. Tudo tem a ver.
- A Alemanha é um país civilizado. Lá eles sabem da importância dos animais. Lá eles preservam a fauna; a fauna e a flora. Não é como aqui, no Brasil, onde as pessoas destroem tudo.
- Quem manda na natureza? O homem ou o bicho?
- Ninguém manda na natureza. A natureza é de todos e para todos.
- Quem manda na natureza é o homem. O bicho não manda nada.
- Não é assim.
- Quem manda no mundo é o homem.
- Por isso é que o mundo está do jeito que está.
- Quem você queria que mandasse? Um tamanduá?"

Para Bóris, os problemas do mundo merecem a mesma retórica e a mesma preocupação que os problemas do sentido da vida ou do seu relacionamento, qual sejam poucos minutos, os minutos que antecedem sua partida para a convenção da empresa, convenção que pode transformá-lo em diretor de um conglomerado, cargo importante o bastante para que relegue os problemas da esposa, da vida e do mundo a segundo plano.

E é assim que Vilela consegue transformar um diálogo num café da manhã na vida de um casal qualquer em literatura, e mais do que isso, figurar entre os dez finalistas do Prêmio Jabuti na categoria romance. Leitores apressados ficarão com a história aparente, acompanharão a DR do casal como acompanham a novela das oito, mas o proveito será melhor para aqueles que procurarem nas entrelinhas do texto, e nas entrelinhas das suas próprias vidas, uma explicação para o sem sentido da vida.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 17/7/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. A compra do Twitter por Elon Musk de Julio Daio Borges
03. Apontamentos de inverno de Elisa Andrade Buzzo
04. O Palácio de Highclere de Ricardo de Mattos
05. Manual prático do ódio de João Luiz Peçanha Couto


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
02. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
03. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
04. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
05. Pequena poética do miniconto - 20/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cal - um Diário de Amor e Terrorismo na Irlanda.
Bernard Mac Laverty
Brasiliense
(1986)



Équitation Classique Expliquée (cavalos)
Henri Decelle
Crépin Leblond
(1988)



Concubinato União Estavel
Irineu Antonio Pedrotti
Leud
(1997)



Carta a Proba e a Juliana. Direção espiritual
Santo Agostinho
Paulinas
(1987)



Projeto Universos - História - 9º Ano - 2º
Ediçoes Sm
Sm
(2012)



Revista Careta Nº 2745
Tarso de Castro
Três
(1981)



El Libro de las Tintas
Ruth Rocha e Otávio Roth
Melhoramentos
(1992)



Açucar: Amigo Ou Vilão?
Yotaka Fukuda
Manole
(2004)



Nova Enciclopédia da Família Vol. 5
Diário de São Paulo
Visor
(2004)



A adúltera
Adelaide Carraro
A L Oren





busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês