O sem sentido da vida de Bóris | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 17/7/2007
O sem sentido da vida de Bóris
Marcelo Spalding

+ de 3600 Acessos

Pode um dia na vida de um casal qualquer virar literatura? Pode um diálogo num café da manhã na vida de um casal qualquer virar literatura? Nas mãos de Luiz Vilela, sim. No finalista do Jabuti Bóris e Dóris (Record, 2006, 96 págs.) não temos propriamente uma narrativa, mas um longo diálogo entre Bóris, executivo de relativo sucesso que sonha ser nomeado naquele dia diretor de um conglomerado de empresas, e Dóris, sua esposa triste e solitária, questionadora dos valores do marido empreendedor e angustiada com o sem sentido da vida.

Evidentemente não se trata de um casal qualquer e nem de um dia qualquer, há entre Bóris e Dóris um conflito latente e que perdura por anos. Já no começo da conversa - e do livro -, depois de percebermos que estão num café da manhã de um hotel, ele lembra à esposa que ela não tem mais aqueles peitos empinados e aquela bunda arrebitada. Ao invés de chatear-se com a constatação (diga-se já que ele tem 60 e ela, 37), começam a filosofar sobre a vida e ele diz que "a vida é uma estrada esburacada, que começa no nada e termina no nada".

Não espere o leitor frases muito mais profundas do que essa, a intenção da narrativa parece ser exatamente contrapor a gravidade do conflito com a superficialidade do casal, espécie de sátira do pensamento médio da população. Bóris lembra muito o pai da menina de Miss Sunshine, aplicando as filosofias de manuais de empreendedorismo nas relações pessoais e sentimentais, enquanto Dóris é a caricatura da Bovary contemporânea, oscilando entre a ânsia de viver, o desejo de trair, o medo da velhice e o fascínio pelo suicídio. Em um dos trechos mais belos ela conta ao marido o que fez na tarde anterior, enquanto ele estava na convenção e ela andava solitária pelo hotel:

"- Então eu voltei para o saguão.
- Sei.
- A mulher, a mulher velha, ainda estava lá, no canto, na poltrona; a cabeça tombada, os olhos fechados, o terço...
- E aí?
- Aí? Aí eu me aproximei devagar, e então a mulher, essa hora, levantou a cabeça, olhou para mim e sorriu, o sorriso mais triste do mundo; e aí eu vi, apavorada, que aquela mulher...
- O quê?
- Aquela mulher era eu!
- Você?...
- Eu! Aquela mulher era eu! Eu daqui a vinte anos!
- Hum...
- Aí eu subi depressa para o quarto, tranquei a porta e fiquei lá, impressionadíssima. Aí eu...
- Dóris: briefing."

Assim como no momento em que ela contará ter pensado em suicídio, o marido não leva a esposa a sério, não consegue ver naquelas palavras algo além de queixas infundadas, talvez uma perturbação psíquica. Pede que a esposa seja breve utilizando-se do mais manjado dos termos, briefing, e ela respeitosamente apressa a narrativa tirando todo seu drama e ficando apenas com o inusitado, reforçando para ele sua insanidade.

Um leitor atento possivelmente conseguirá ver em Bóris e Dóris a vida de quase todos os casais de meia idade, casais que alcançaram certa estabilidade financeira e agora buscam um sentido para a vida, sentido que precisa urgentemente ser encontrado antes que a vida lhes escape. Ele é a mimese do homem contemporâneo e ela da esposa desse homem contemporâneo, ambos são também nós, aparando os exageros de qualquer caricatura.

É interessante sublinhar, nesse ponto, a opção estética de Vilela. Ao narrar apenas com diálogos, limitando-se a situar as personagens, o autor rejeita os conselhos de qualquer poética para narrativas e reproduz na forma a simplicidade da trama, uma simplicidade que pode parecer fácil e superficial mas aos poucos vai se mostrando bastante reveladora. Se fosse de outra forma, a fraqueza do discurso do casal seria vista como fraqueza do próprio novelista, ou ainda como coloquialidade exagerada, mas ao ser explicitado um diálogo, diálogo com travessão e tudo, ocorre essa simbiose entre forma e conteúdo. Deixe-me ilustrar isso com um trecho em que o casal discute sobre problemas ambientais na Alemanha:

"- Encurtando caminho: a única solução que eles encontraram para acabar com a mortandade dos sapos foi desviar a estrada; só que, para fazer isso, eles teriam de abrir um túnel numa montanha, uma obra que ficaria caríssima.
- E eles abriram.
- Abriram.
- Eu sabia... Esses gringos... Eles são assim: eles matam milhões de judeus; depois abrem um túnel na montanha para não matar sapos...
- O que tem uma coisa a ver com a outra, Bóris?
- O que tem? Tem muito a ver.
- Eu não vejo relação nenhuma.
- Tudo tem a ver com tudo. Uma coisa aqui e agora tem a ver com outra lá não sei onde e quando. Tudo tem a ver.
- A Alemanha é um país civilizado. Lá eles sabem da importância dos animais. Lá eles preservam a fauna; a fauna e a flora. Não é como aqui, no Brasil, onde as pessoas destroem tudo.
- Quem manda na natureza? O homem ou o bicho?
- Ninguém manda na natureza. A natureza é de todos e para todos.
- Quem manda na natureza é o homem. O bicho não manda nada.
- Não é assim.
- Quem manda no mundo é o homem.
- Por isso é que o mundo está do jeito que está.
- Quem você queria que mandasse? Um tamanduá?"

Para Bóris, os problemas do mundo merecem a mesma retórica e a mesma preocupação que os problemas do sentido da vida ou do seu relacionamento, qual sejam poucos minutos, os minutos que antecedem sua partida para a convenção da empresa, convenção que pode transformá-lo em diretor de um conglomerado, cargo importante o bastante para que relegue os problemas da esposa, da vida e do mundo a segundo plano.

E é assim que Vilela consegue transformar um diálogo num café da manhã na vida de um casal qualquer em literatura, e mais do que isso, figurar entre os dez finalistas do Prêmio Jabuti na categoria romance. Leitores apressados ficarão com a história aparente, acompanharão a DR do casal como acompanham a novela das oito, mas o proveito será melhor para aqueles que procurarem nas entrelinhas do texto, e nas entrelinhas das suas próprias vidas, uma explicação para o sem sentido da vida.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 17/7/2007


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
03. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
04. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
05. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PEDIATRIA BÁSICA VOL. 2
EDUARDO MARCONDES PEDRO DE ALCANTARA
SARVIER
(1974)
R$ 20,00



GEOGRAFIA GERAL: O ESPAÇO NATURAL E SÓCIO-ECONÔMICO
MARCOS DE AMORIM COELHO
MODERNA
(1992)
R$ 6,00



BIBLIOGRAFIA BÍBLICA LATINO-AMERICANA 1992 V. 5
PAULO AUGUSTO DE SOUZA NOGUEIRA - COORD.
VOZES
(1992)
R$ 7,90



GEOGRAFIA E HISTORIA 1 ESO
ISAAC BUZO SANCHES
SM
(2016)
R$ 149,90



O QUE É EDUCAÇÃO
CARLOS RODRIGUES BRANDÃO
BRASILIENSE
(2006)
R$ 8,00



OS VALORES E OS FATOS O DESAFIO EM CIÊNCIAS HUMANAS
ANTONIO PASCHOAL RODOLPHO AGATTI
IBRASA
(1977)
R$ 8,90



CONTABILIDADE DE CUSTOS - GESTÃO EM SERVIÇOS, COMERCIO E INDÚSTRIA
DE ALMEIDA SANTOS, FERNANDO & WINDSOR, ESPENSER VEIGA
ALTAS
(2016)
R$ 18,50



STUPID WHITE MEN - UMA NAÇÃO DE IDIOTAS
MICHAEL MOORE
FRANCIS
(2003)
R$ 5,00



DIREITO CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO - VOLUME 2
JOAQUIM FALCÃO E OUTROS (ORGS)
FGV
(2015)
R$ 19,28



A DINÂMICA DA COMUNICAÇÃO NOS GRUPOS
GILLES AMADO E ANDRÉ GUITTET
ZAHAR
(1978)
R$ 6,90





busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês