O sem sentido da vida de Bóris | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Designer e arquiteto brasileiro, Giovanni Vannucchi participa da VIIBienal Ibero-americana de Design
>>> Risorama anuncia retorno aos palcos com grandes nomes do humor nacional em São Paulo
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Busca ao Santo Graal
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A Arte de Odiar
>>> Três Irmãs
>>> Sempre procurei a harmonia
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> O ensaísta Machado de Assis
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> Os narradores de Eliane Caffé
>>> 7 de Setembro
Mais Recentes
>>> Princípios de Marketing de Philip Kotler pela Afiliada (1995)
>>> A Arte de Desfrutar o melhor da Vida - Rico sem Dinheiro de Alexander Von Shonburg pela Gente (2007)
>>> Administrando o Stress de Maria Amélia Vallim de Oliveira pela Gente (1996)
>>> O Mal-Estar da pós-Modenidade de Zygmunt Bauman pela Jorge Zahar (1997)
>>> A Morte da Porta Estandarte e Tati, A Garota e Outras Histórias de Aníbal Machado pela José Olympio (1977)
>>> Ilustração de Moda Masculina de Chidy Waine pela Paisagem (2011)
>>> Deus no pasto de Hermilio Borba Filho pela Civilização Brasileira (1972)
>>> Brasil - O romance (2 volumes) de Erroll Lincoln Uys pela Best Seller (1986)
>>> A metamorfose de Franz Kafka pela Nova Época (1989)
>>> Diário Intimo de Franz Kafka pela Livraria exposição do livro (1964)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (2011)
>>> Paula de Isabel Allende pela Bertrand Brasil (1997)
>>> História de lince de Claude Lavi-Strauss pela Companhia das letras (1993)
>>> Vida, universo e sabe lá o que mais de Douglas Adams pela Brasiliense (1988)
>>> Nuvens de pássaros brancos de Yasunari Kawabata pela Nova Fronteira (1993)
>>> História de Mayta de Mario Vargas Llosa pela Francisco Alves (1984)
>>> O processo de Franz Kafka pela Círculo do livro (1963)
>>> Ilustrando o Cerrado de Geni ALexandria pela IPHAN (2002)
>>> Cartas aos meus amigos de Franz Kafka pela Nova Época (1978)
>>> Josefina, a cantora de Franz Kafka pela Clube do livro (1977)
>>> As idéias de Freud de Richard Wollheim pela Círculo do livro (1971)
>>> Estudos sobre teatro de Bertold Brecht pela Nova Fronteira (1978)
>>> A ilha de Aldous Huxley pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Também o cisne morre de Aldous Huxley pela Livros do Brasil
>>> A situação humana de Aldous Huxley pela Globo (1982)
>>> O grande problema de Aldous Huxley pela Livros do Brasil (1989)
>>> As portas da percepção - O céu e o inferno de Aldous Huxley pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Noite sobre as águas de Ken Follett pela Siciliano (1992)
>>> Na toca do leão de Ken Follett pela Record (1986)
>>> A colonia penal de Franz Kafka pela Nova Época
>>> Trump - Atrás dos bastidores de Jerome Tuccille pela Siciliano (1988)
>>> Nos ombros do cão de Miguel Jorge pela Siciliano (1991)
>>> Rei, valete, dama de Vladimir Nabokov pela Artenova (1976)
>>> O que esperar quando você está esperando: Um guia completo para a gravidez de Heidi Murkoff; Arlene Eisenberg; Sandee Hathaway pela Record (2012)
>>> Eminencia parda de Aldous Huxley pela Hemus (1978)
>>> A verdadeira vida de Sebastião Knight de Vladimir Nabokov pela Civilização Brasileira (1961)
>>> Ada ou ardor de Vladimir Nabokov pela Record (1969)
>>> Os Livros e a Camiseta Listrada: Crônicas e Memórias de um Torcedor de Thiago Ingrassia Pereira pela Cirkula (2015)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela Civilização Brasileira (1959)
>>> O despertar do mundo novo de Aldous Huxley pela Hemus (1977)
>>> Adonis e o alfabeto de Aldous Huxley pela Hemus (1972)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Júlio Verne; Walcyr Carrasco pela Moderna (2012)
>>> Satãnicos e visionários de Aldous Huxley pela Cea (1975)
>>> Geração devassa de Aldous Huxley pela Hemus (1974)
>>> Somos todos arlequins de Vladimir Nabokov pela Record (1974)
>>> O mago de Vladimir Nabokov pela Nova Fronteira (1987)
>>> Desespero de Vladimir Nabokov pela Record (1966)
>>> Fogo pálido de Vladimir Nabokov pela Guanabara (1985)
>>> Do Outro Lado do Muro de Maria Paula Roncaglia pela Escrita Fina (2010)
>>> Não se Desespere! Provocações Filosóficas de Mario Sergio Cortella pela Vozes (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 17/7/2007
O sem sentido da vida de Bóris
Marcelo Spalding

+ de 3700 Acessos

Pode um dia na vida de um casal qualquer virar literatura? Pode um diálogo num café da manhã na vida de um casal qualquer virar literatura? Nas mãos de Luiz Vilela, sim. No finalista do Jabuti Bóris e Dóris (Record, 2006, 96 págs.) não temos propriamente uma narrativa, mas um longo diálogo entre Bóris, executivo de relativo sucesso que sonha ser nomeado naquele dia diretor de um conglomerado de empresas, e Dóris, sua esposa triste e solitária, questionadora dos valores do marido empreendedor e angustiada com o sem sentido da vida.

Evidentemente não se trata de um casal qualquer e nem de um dia qualquer, há entre Bóris e Dóris um conflito latente e que perdura por anos. Já no começo da conversa - e do livro -, depois de percebermos que estão num café da manhã de um hotel, ele lembra à esposa que ela não tem mais aqueles peitos empinados e aquela bunda arrebitada. Ao invés de chatear-se com a constatação (diga-se já que ele tem 60 e ela, 37), começam a filosofar sobre a vida e ele diz que "a vida é uma estrada esburacada, que começa no nada e termina no nada".

Não espere o leitor frases muito mais profundas do que essa, a intenção da narrativa parece ser exatamente contrapor a gravidade do conflito com a superficialidade do casal, espécie de sátira do pensamento médio da população. Bóris lembra muito o pai da menina de Miss Sunshine, aplicando as filosofias de manuais de empreendedorismo nas relações pessoais e sentimentais, enquanto Dóris é a caricatura da Bovary contemporânea, oscilando entre a ânsia de viver, o desejo de trair, o medo da velhice e o fascínio pelo suicídio. Em um dos trechos mais belos ela conta ao marido o que fez na tarde anterior, enquanto ele estava na convenção e ela andava solitária pelo hotel:

"- Então eu voltei para o saguão.
- Sei.
- A mulher, a mulher velha, ainda estava lá, no canto, na poltrona; a cabeça tombada, os olhos fechados, o terço...
- E aí?
- Aí? Aí eu me aproximei devagar, e então a mulher, essa hora, levantou a cabeça, olhou para mim e sorriu, o sorriso mais triste do mundo; e aí eu vi, apavorada, que aquela mulher...
- O quê?
- Aquela mulher era eu!
- Você?...
- Eu! Aquela mulher era eu! Eu daqui a vinte anos!
- Hum...
- Aí eu subi depressa para o quarto, tranquei a porta e fiquei lá, impressionadíssima. Aí eu...
- Dóris: briefing."

Assim como no momento em que ela contará ter pensado em suicídio, o marido não leva a esposa a sério, não consegue ver naquelas palavras algo além de queixas infundadas, talvez uma perturbação psíquica. Pede que a esposa seja breve utilizando-se do mais manjado dos termos, briefing, e ela respeitosamente apressa a narrativa tirando todo seu drama e ficando apenas com o inusitado, reforçando para ele sua insanidade.

Um leitor atento possivelmente conseguirá ver em Bóris e Dóris a vida de quase todos os casais de meia idade, casais que alcançaram certa estabilidade financeira e agora buscam um sentido para a vida, sentido que precisa urgentemente ser encontrado antes que a vida lhes escape. Ele é a mimese do homem contemporâneo e ela da esposa desse homem contemporâneo, ambos são também nós, aparando os exageros de qualquer caricatura.

É interessante sublinhar, nesse ponto, a opção estética de Vilela. Ao narrar apenas com diálogos, limitando-se a situar as personagens, o autor rejeita os conselhos de qualquer poética para narrativas e reproduz na forma a simplicidade da trama, uma simplicidade que pode parecer fácil e superficial mas aos poucos vai se mostrando bastante reveladora. Se fosse de outra forma, a fraqueza do discurso do casal seria vista como fraqueza do próprio novelista, ou ainda como coloquialidade exagerada, mas ao ser explicitado um diálogo, diálogo com travessão e tudo, ocorre essa simbiose entre forma e conteúdo. Deixe-me ilustrar isso com um trecho em que o casal discute sobre problemas ambientais na Alemanha:

"- Encurtando caminho: a única solução que eles encontraram para acabar com a mortandade dos sapos foi desviar a estrada; só que, para fazer isso, eles teriam de abrir um túnel numa montanha, uma obra que ficaria caríssima.
- E eles abriram.
- Abriram.
- Eu sabia... Esses gringos... Eles são assim: eles matam milhões de judeus; depois abrem um túnel na montanha para não matar sapos...
- O que tem uma coisa a ver com a outra, Bóris?
- O que tem? Tem muito a ver.
- Eu não vejo relação nenhuma.
- Tudo tem a ver com tudo. Uma coisa aqui e agora tem a ver com outra lá não sei onde e quando. Tudo tem a ver.
- A Alemanha é um país civilizado. Lá eles sabem da importância dos animais. Lá eles preservam a fauna; a fauna e a flora. Não é como aqui, no Brasil, onde as pessoas destroem tudo.
- Quem manda na natureza? O homem ou o bicho?
- Ninguém manda na natureza. A natureza é de todos e para todos.
- Quem manda na natureza é o homem. O bicho não manda nada.
- Não é assim.
- Quem manda no mundo é o homem.
- Por isso é que o mundo está do jeito que está.
- Quem você queria que mandasse? Um tamanduá?"

Para Bóris, os problemas do mundo merecem a mesma retórica e a mesma preocupação que os problemas do sentido da vida ou do seu relacionamento, qual sejam poucos minutos, os minutos que antecedem sua partida para a convenção da empresa, convenção que pode transformá-lo em diretor de um conglomerado, cargo importante o bastante para que relegue os problemas da esposa, da vida e do mundo a segundo plano.

E é assim que Vilela consegue transformar um diálogo num café da manhã na vida de um casal qualquer em literatura, e mais do que isso, figurar entre os dez finalistas do Prêmio Jabuti na categoria romance. Leitores apressados ficarão com a história aparente, acompanharão a DR do casal como acompanham a novela das oito, mas o proveito será melhor para aqueles que procurarem nas entrelinhas do texto, e nas entrelinhas das suas próprias vidas, uma explicação para o sem sentido da vida.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 17/7/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Público, massa e multidão de Gian Danton


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
03. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
04. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
05. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NEUROLOGIA - EM UMA PAGINA
JON BRILLMAN, SCOTT KAHAN.
GUANABARA KOOGAN
(2007)
R$ 60,00



PRINCIPAIS CULTURAS VOL II
INSTITUTO CAMPINEIRO DE ENSINO AGRARIO
INSTITUTO CAMPINEIRO
(1973)
R$ 7,90



OS TRABALHADORES DO MAR
VICTOR HUGO
PRINCIPIS
(2019)
R$ 14,50



ABC DA MPB
JORGE FERNANDO DOS SANTOS
PAULUS
(2005)
R$ 30,00



POLÍTICAS PÚBLICAS DE TRABALHO E RENDA NO BRASIL CONTEMPORÂNEO
MARIA OZANIRA DA SILVA E SILVA
CORTEZ
(2006)
R$ 36,00



PALSTIC AND RECONSTRTUCTIVE SURGERY OF THE FACE
FRANK W. PIRRUCELLO
THE WILLIAMS & WILKINS
(1982)
R$ 87,54



E AS ESTRELAS, QUANTAS SÃO?
GIULIA CARCASI
PLANETA DO BRASIL
(2011)
R$ 7,90



ROUBO DE ESPADAS - REVELAÇÕES DE RIYRIA - VOLUME 1
MICHAEL J. SULLIVAN
RECORD
(2011)
R$ 45,00



POR UMA NOVA CONCEPÇÃO DA SOCIEDADE * UMA ANÁLISE POLÍTICA ...
JOSCHKA FISCHER
SUMMUS
(2001)
R$ 6,90



POWER PIXELS
MIGUEL CHEVALIER
AEROPLANO
(2011)
R$ 18,00





busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês