Chutando bexiga de boi | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> O primeiro mico para o resto de nossas vidas
>>> O feitiço do tempo
>>> Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Artificial
>>> Uma análise sociossemiótica do trabalho
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Poesia em Xadrez, BH
>>> O filósofo da contracultura
Mais Recentes
>>> Mônica 113 - Maio/1996 - Mônica, Não Mande... Peça! de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Mônica 176 - Abril/2001 - Eterna Criança de Maurício de Sousa pela Globo (2001)
>>> A Avaliação Psicopedagogica numa Abordagem Institucional de Carolina Provvidenti pela Qualidade (2010)
>>> Revista Uniclar - Ciências da Religião - ano 8 nº 1 de Vários Autores pela Faculdades Claretianas (2006)
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
>>> Saúde na Terceira Idade de Hermógenes pela Nova Era (1996)
>>> Estudar História - das origens do homem á era digital - 9º de Patrícia Ramos Braick e Anna Barreto pela Moderna (2018)
>>> Geografia 9º ano de Fernando dos Santos Sampaio e Marlon Clovis Medeiros pela Edições SM (2019)
>>> Logistica e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição de Novaes Antonio Galvão pela Campus (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 8 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
>>> Matemática 9º ano de Luiz Roberto Duarte e Fernando Viana pela Ática (2019)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 7 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
>>> Literaturas Brasileira e Portuguesa – Volume Único de Samira Yousself Campedelli pela Saraiva (2010)
>>> Fazendo meu filme - 1 A estreia de Fani de Paula Pimenta pela Gutenberg (2012)
COLUNAS >>> Especial Copa 2002

Segunda-feira, 17/6/2002
Chutando bexiga de boi
Eduardo Carvalho

+ de 8000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A história do futebol brasileiro - assim como a da arquitetura, da alimentação, da música -, continua mal contada, como se tudo que fosse importante precisasse ser, necessariamente, chato: como se, enfim, as únicas histórias relevantes fossem a econômica e a política.

(Pois a influência marxista no ambiente acadêmico brasileiro parece incorrigível, hoje em dia: em vez de produzir História, analisando documentos e reescrevendo o passado, a maioria dos historiadores está mais preocupada em reler Marx & Cia e, à sua simples e ultrapassada luz, interpretar o presente. Afora competentes e marginalizados acadêmicos, que de fato existem, então, a própria História do Brasil vem sendo ultimamente recontada por jornalistas ou gente simplesmente culta e dedicada, sem o ranço que cansa ou a ideologia que envenena.)

Tostão: o futebol divulgando uma imagem do Brasil É sempre admirável, portanto, uma iniciativa como a do historiador José Moraes dos Santos Neto, que lançou recentemente pela editora Cosac & Naify o bonito livro "Visão do jogo - Primórdios do futebol no Brasil". O livro é parte da coleção Zona do Agrião, dedicada a livros sobre o esporte mais popular no Brasil, e pretende, como o nome indica, descrever como, afinal, o futebol chegou ao Brasil, e como ele foi se popularizando a ponto da seleção brasileira ser - e ter sido - talvez nosso mais importante instrumento de representação diplomática.

José Morares conta que, já no início da década de 1880, uma variação do futebol, o "bate bolão" - sem traves, times ou campo definido -, já era praticado por padres jesuítas e seus alunos no Colégio São Luís de Itu. O padre José Mantero, ainda antes de ser reitor do colégio, trouxe de uma excursão pela Europa duas bolas com câmara de borracha envolvida por uma capa de couro. As câmaras das ballon anglais, como essas bolas eram chamadas, com o uso e o tempo, desgastaram-se - e foram adequada e criativamente substituídas por bexigas de boi.

Em 1894, conta o autor, Luís Yabar, que havia jogado futebol pelas escolas européias, tornou-se o novo reitor do colégio, e introduziu regras no futebol praticado no São Luís basicamente como as que conhecemos hoje: dois times, campo dividido, traves de madeira, etc. Foram esses alunos desse tipo de escola religiosa - Arthur Ravache, Valdemar Junqueira, Vicente de Almeida Sampaio, entre outros -, e especialmente os do São Luís, então, que espalharam o futebol pelo Brasil - de São Paulo a Salvador, de Uberaba a Sorocaba. E não, como reza o senso comum, Charles Miller, que, apesar do nome, nasceu em São Paulo mesmo, filho de um engenheiro escocês, em 1874 - muito pouco antes, repare, do bate-bolão começar a divertir o pessoal em Itu.

Que Charles Miller tenha apresentado o futebol ao Brasil é um mito insistente e conveniente, mas um erro histórico que precisa ser desfeito. Miller, depois de uma temporada dedicada aos estudos na Inglaterra - onde se destacava como atacante rápido e driblador habilidoso -, voltou ao Brasil em 1894, acompanhado de um livro de regras do association football inglês, de um par de bolas e um de chuteiras. Nos clubes paulistanos que freqüentava - como o São Paulo Athletic Club, fundado por ingleses - ensinou ao pessoal o futebol que conhecia, e animou-os a montar times competitivos. Os três primeiros foram de altos executivos de empresas inglesas, a São Paulo Railway, a São Paulo Gás Company e o London Bank. A intenção de Miller nunca foi divulgar o futebol pelo Brasil inteiro, nem mesmo pela São Paulo proletária e periférica, que ele não conhecia, mas torná-lo mais praticado e competitivo dentro do próprio grupo social a que pertencia. Ele é, de fato, em grande parte responsável, ainda que não o único, pelo futebol começar a ser praticado fora de escolas religiosas - mas a verdade é que, no Brasil, os primeiros a baterem uma pelada foram mesmo os jesuítas e os seus alunos, chutando bolas improvisadas em campos enlameados.

O futebol dentro dos clubes - São Paulo Athletic Club, Associação Atlética Mackenzie, Sport Club International, Clube Atlético Paulistano -, esse incentivado por Miller, jogava entre si, mas não se misturou rapidamente com o que vinha sendo praticado, em bairros operários da cidade, por trabalhadores imigrantes europeus. Havia também alguns times de negros e mulatos, que ganhavam a vida no mercado informal da cidade, igualmente desprezados. Até 1905, os times de elite jogavam nos mesmos campos que os populares, até que, em parceria com a prefeitura, o Clube Atlético Paulistano transformou o Velódromo municipal em um campo particular. E os clubes populares, sem outra opção, mantiveram-se, entre outras regiões, na Mooca, em Cambuci e, principalmente, na várzea do Carmo - e passaram, assim, a ser conhecidos como varzeanos.

Charles Miller, o de bigode: popularização para poucos Em 1901, foi organizada a primeira competição paulista de times de futebol, mas que reuniu apenas os cinco times da elite, desprezando o futebol de qualidade jogado pelos times da várzea. Em 1912, porém, com os times populares cada vez melhores e mais importantes, a Liga acabou aceitando a participação do Ipiranga Futebol Clube. Em um episódio hoje considerado vergonhoso, Miller e sua turma do São Paulo Athletic Club desistem do campeonato, e o Paulistano, também em resposta a essa iniciativa democrática - que agredia a pose pretensiosamente aristocrática dessa elite provinciana -, abandona o grupo. Quando o Sport Club Corinthians, a melhor equipe do futebol da várzea, foi aceita na Liga, então, aí a LPF se rachou definitivamente, e foi fundada, em 1913, a Associação Paulista de Esportes Atléticos, que pretendia perpetuar a tradição do futebol inglês iniciada com Charles Miller.

Além de corrigir esse engano repetitivo, que é o de atribuir a Miller o ingresso do futebol no Brasil, José Moraes esclarece as diferenças entre a escola de dribles e a de passes. Quando o futebol, no início do século XIX, era praticado na Inglaterra, as jogadas eram muito simples e individuais. Chutava-se para frente e corria-se atrás da bola, em um esquema como o dos recreios de escolas primárias, em que jogam 25 alunos para cada lado em um campo apertado. Mas os escoceses, no último quarto do mesmo século, lembra o autor, descobriram a eficiência do toque de passes, em que a bola corre mais rápida e mais segura. Só assim foi possível organizar os jogadores em campo de uma forma inteligente, com laterais e atacantes escolhidos e treinados para a função. Claro: o futebol escocês passou a bater o inglês com facilidade - e a fazer piada dele.

No Brasil, foi o jornalista Mário Cardim que, atualizado sobre as novas tendências do futebol mundial, já em 1904 defendia a escola escocesa, apesar do modelo trazido por Miller e aderido pelos jogadores, baseado em jogadas pessoais (foi Miller, vale lembrar, que inventou o drible da vaca), só ser repensado por volta da década de 30 - e, convenhamos, ainda hoje não descartado completamente.

Leônidas, o inventor da bicicleta: a impressionante criatividade do jogador brasileiro Foi também Mário Cardim que, em 1914, fundou a Federação Brasileira de Futebol. Em 21 de julho do mesmo ano, a primeira seleção brasileira entrou em campo nas Laranjeiras para jogar contra a equipe profissional inglesa Exeter City. O estádio estava lotado, mas o árbitro também era inglês: Friedenreich, nosso principal craque, perdeu dois dentes, machucou o joelho e saiu de campo todo ensangüentado. Ainda no primeiro tempo, porém, os brasileiros conseguiram marcar dois gols e garantir a vitória nacional. Começamos com o pé direito - mesmo que, sob a condescendência do árbitro inglês, ele tenha quase se torcido.

Mas é na detalhada recomposição dos primeiros jogos entre Brasil e Argentina que José Moraes revela uma inegável vocação para historiador, narrando - com o mesmo mérito de quem descobre uma fundamental batalha esquecida - um jogo de futebol decisivo para a formação do estilo brasileiro de se jogar bola.

O jogo da Copa Júlio Roca, disputada exclusivamente entre os dois países, foi marcado para o domingo de 20 de setembro de 1914, em Buenos Aires. Mas o navio em que a seleção brasileira viajou, com data de chegada prevista para a véspera, se atrasou, e chegou em Buenos Aires no dia mesmo do jogo. A partida oficial foi adiada, mas foi marcado para o mesmo dia, apesar do cansaço dos jogadores brasileiros, um amistoso entre as duas equipes. Entre uma chuva forte e um campo alagado, a equipe brasileira perdeu de 3 a zero, mas impressionou o público argentino com a habilidade individual dos jogadores e o entrosamento técnico do time. E com razão.

A Copa Roca tinha sido marcada para o domingo seguinte, dia 27 de setembro. É impressionante como José Moraes narra minuto por minuto o jogo, em todos os seus movimentos - ataques perigosos, defesas assustadas, passes controlados e, claro, o único gol da partida, do brasileiro Rubens Salles. Foi o primeiro título disputado pelo Brasil, e o primeiro a ser conquistado. Talvez, podem argumentar os argentinos, porque Maradona ainda não estava em campo. É verdade: em uma disputa na área brasileira, Leonardi marcou o que seria o gol de empate argentino com a mão, não tivesse Galup - também argentino - assumido para o árbitro que o gol tinha sido ilegal. E recebeu aplausos de ambas as torcidas. "Não se fazem mais sportsman como antigamente", lamenta o autor. Nem torcedores.

Mas as bolas, pelo menos, acho que agora são melhores.





Eduardo Carvalho
São Paulo, 17/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait
02. Have a nice day de Adriane Pasa
03. O Subjuntivo Subiu no Telhado de Marilia Mota Silva
04. Barba ensopada de sangue: a ilusão é humana de Isabella Ypiranga Monteiro
05. A odisseia do homem tecnomediado de Guilherme Mendes Pereira


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


Mais Especial Copa 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/6/2002
22h06min
Gostei muito deste texto de Eduardo. Traz informações valiosas sobre a história do futebol desde a época em que se chamava football e corrige enganos históricos como o de apontar Charles Miller como o primeiro responsável pela chegada do futebol nestas terras. Aproveitando a carona do futebol vamos até a Rússia de Tolstoi. Também sou fã dos livros da Cosac & Naify - edições muito bem cuidadas e que merecem ser colecionadas. De todos até agora publicados, o mais incrível, em minha opinião é um livro de Tolstoi com uma seleção de contos muito tocantes, especialmente a estória de uma nota de dinheiro falso que é passada adiante e origina os mais horíveis crimes e as mais edificantes conversões e o relato de uma história de vida inteira, narrada pelo protagonista, um cavalo malhado. Imperdíveis.
[Leia outros Comentários de Elisa Ulhôa Cintra]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Odeio Reuniões
Stephen Baker
Melhoramentos
(1987)
R$ 5,00



Ouvindo a Voz do Cliente Interno
Luiz C. Barçante / Guilherme C. de Castro
Qualitymark
(1995)
R$ 18,08



Estudos Sociais (2ª Parte) e Conhecimentos Gerais
Vários Autores
Educacional Brasileira
(1974)
R$ 8,00



Elogio Dellimperfezione
Rita Levi Montalcini
Garzantia
(1987)
R$ 41,28



Physiologie Der Bewegung 2 Vols 1 e 2
R. Du Bois Reymond
Nd
R$ 312,62



Código Comercial - 5° Edição
Edições Saraiva
Saraiva
(1999)
R$ 5,00



Comics Starwars - Clássicos 2
Roy Thomas e Outros
Planeta Deagostini
(2015)
R$ 40,00



Mi Aeroplano y Yo 9953
Charles a Lindbergh
Mentora
(1927)
R$ 98,00



Diário mínimo
Umberto Eco
Difel
(1985)
R$ 12,00



Verso e reverso--o outro lado das historias.
Rosane pamplona
Brinque-book
(2008)
R$ 20,00





busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês