Chutando bexiga de boi | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
31129 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> Ovos e Coelhos de Chocolate de Todos os Tipos e Origens: Dicas do Pátio Higienópolis para a Páscoa
>>> João Dória doa Salário Para A Casa Hope, amanhã, terça-feira.
>>> Programa esportivo No Mundo da Bola estreia nova edição às segundas na TV Brasil
>>> Stacey Marie Brow é a nova aposta da The Gift Box Editora
>>> Coletivo Desvelo apresenta "Bando!" no Centro Cultural Casarão da Vila Guilherme
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
>>> O NAVEGANTE DO TEMPO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> estar onde eu não estou
>>> Churrascaria Ponteio Grill, 30 anos
>>> Metade da laranja ou tampa da panela?
>>> Encontro com Kurt Cobain
>>> Lula Já É Um Coitado
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> A primeira hq de aventura
>>> Professoras, maçãs e outras tentações
>>> Sionismo e resistência palestina
>>> Recordações da casa dos mortos
Mais Recentes
>>> Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Naciona Nº 16 - Ilustrado - 1967 de Renato de Azevedo Duarte Soeiro (Diretor) pela Imprensa Oficial (1967)
>>> Arquidiocese de Mariana - Subsídios para a sua História - 1º Volume - 2ª Edição de Conego Raymundo Trindade pela Imprensa Oficial (1953)
>>> Centenário do Conselheiro Rodrigues Alves - 2 Volumes - 1ª Edição de Rodrigues Alves pela Revista dos Tribunais (1951)
>>> Ensaios de História e Crítica de A. G. De Araujo Jorge pela Imprensa Nacional (1948)
>>> Memórias de um Revolucionário - 1ª Parte ... - 2ª Edição de João Alberto Lins de Barros pela Civilização Brasileira (1954)
>>> Pequena História da Inconfidência de Minas Gerais - Ilustrado - 1ª Edição de Augusto de Lima Junior pela Imprensa Oficial (1955)
>>> Acusações Injuriosas - ... - 2ª Edição de Gregoriano Canedo pela Carneiro & Cia (1957)
>>> Pontos Nos ii por um Médico do Interior de Pedro Pezzuti (Autografado) pela Jornal dos Livros (1955)
>>> Goa, Marco de Glória e de Fé - 1ª Edição de Joaquim Thomaz pela Imprensa Oficial (1957)
>>> Elementos de Genética - 1ª Edição Brasileira - Ilustrado de Edward C. Colin pela Companhia Nacional (1947)
>>> O Rio de Janeiro do Meu Tempo - 1º Volume - 2ª Edição de Luiz Edmundo pela Conquista (1957)
>>> O Demônio do Escurial - Vida e Amôres de Felipe II de Hermann Kesten pela Ibrasa (1959)
>>> A Igreja Romana Á Barra do Evangelho e da História... - 2ª Edição de Miguel G. Torres - Apóstolo de Caldas(Autográfado) pela Livraria Evangelica (1879)
>>> O Consultório Secreto da História - Primeira Série de Dr. Cabanès pela Mundo Latino (1946)
>>> O Consultório Secreto da História - Segunda Série de Dr. Cabanès pela Mundo Latino (1947)
>>> Maravilhas da Vida - ... - 3ª Edição - Páginas Seladas de Ernesto Haeckel pela Lello & Irmão (1946)
>>> Vida de Benvenuto Cellini Escrita por Ele Mesmo - 2 Volumes - Biblioteca Clássica de Benvenuto Cellini pela Athena (1939)
>>> Atualidade de D. Quixote - 1ª Edição de Francisco Campos pela Imprensa Oficial (1951)
>>> Neurose Cardíaca - Comentários - 1ª Edição de Dr. José Proença Pinto de Moura (Autográfado) pela Liceu Coração de Jesus (1938)
>>> Vida Ilustrada do V. P. José De Anchieta... - Ilustrado - 5ª Edição de V. P. José De Anchieta pela Companhia de Jesus (1957)
>>> Dicionário da Arte Contemporânea - Dicionários do Homem ... de Raymond Charmet pela Larousse do Brasil (1969)
>>> História Geral de Etiópia - a - Alta - Séc XVII de Padre Baltazar Teles pela Escolar "Progredior" (1936)
>>> Dicionario da Mitologia - ... - 3ª Edição de Luiz A. P. Vitoria pela Gertum Carneiro
>>> Livro didático teoria e questões do ENEM de Varios autores pela Pearson (2017)
>>> Complicações da Pancreatite Aguda de Cunha, José Eduardo Monteiro da ; Machado, Marcel Cerqueira Cesar pela Federação Brasileira de Gastroenterologia (2011)
>>> Harrison Manual de Medicina de Fauci, Anthony S./ Braunwald, Eugene/ Kasper, Dennis L./ Hauser, Stephen L./ Longo, Dan L./ Jameson pela Artmed (2011)
>>> Medicamentos Biológicos na Prática Médica de Organização: AMB / Interfarma pela Interfarma (2013)
>>> Manual de Gastroenterologia: para Clínicos e Residentes de Docentes e Residentes da Disciplina de Gastroenterologia da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo - EPM/Unifesp. pela Atheneu (2018)
>>> O Físico de Noah Gordon pela Rocco (1998)
>>> Anjos Rebeldes de Libba Bray pela Rocco (2010)
>>> A Mulher do Apocalipse de Felipe Rinaldo Queiroz de Aquino pela Loyola (1995)
>>> A cura interior de Pe. Haroldo J. Rahm pela Paulinas (1987)
>>> Nós pregamos Cristo crucificado de Raniero Cantalamessa pela Loyola (1996)
>>> Português 9 - Araribá Plus de Vários autores pela Moderna (2014)
>>> Ciências 9 - Araribá Plus de Maíra Rosa Carnevalle pela Moderna (2014)
>>> Geografia 9 - Araribá Plus de Cesar Brumini Dellore pela Moderna (2014)
>>> História 9 de Maria Raquel Apolinário pela Moderna (2014)
>>> Maçonaria e Espiritismo - Encontro e Desencontros - as Relações de Allan Kardec e Léon Denis com a Maçonaria de Armand Lefraise, Eduardo Monteiro Carvalho pela Madras (2007)
>>> Léon Denis e a Maçonaria de Eduardo Carvalho Monteiro pela Madras (2003)
>>> Aspectos jurídicos da internet de Gustavo Testa Corrêa pela Saraiva (2007)
>>> Direito Registral Imobiliário de Venício Salles pela Saraiva (2007)
>>> Direito Processual Civil 1. Teoria geral do processo e processo de conhecimento de Erich Bernat Castilhos pela Saraiva (2007)
>>> Direito Civil. Parte geral, obrigações e contratos de Mário Alberto Konrad & Sandra Ligian Nerling Konrad pela Saraiva (2007)
>>> Direito Administrativo de Miguel Horvath Júnior & Miriam Vasconcelos Fiaux Horvath pela Saraiva (2007)
>>> Direito Constitucional de Christiane Vieira Nogueira pela Saraiva (2007)
>>> Espanhol Essencial 4 de Daiene P. S. de Melo pela Santillana (2013)
>>> Direito do Consumidor de Belinda Pereira da Cunha pela Saraiva (2007)
>>> História do Direito de José Fábio Rodrigues Maciel & Renan Aguiar pela Saraiva (2007)
>>> Students for Peace - 4 de Eduardo Amos pela Moderna (2015)
>>> A nova etapa da reforma do Código de Processo Civil volume 3 de Cássio Scarpinella Bueno pela Saraiva (2007)
COLUNAS >>> Especial Copa 2002

Segunda-feira, 17/6/2002
Chutando bexiga de boi
Eduardo Carvalho

+ de 7000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A história do futebol brasileiro - assim como a da arquitetura, da alimentação, da música -, continua mal contada, como se tudo que fosse importante precisasse ser, necessariamente, chato: como se, enfim, as únicas histórias relevantes fossem a econômica e a política.

(Pois a influência marxista no ambiente acadêmico brasileiro parece incorrigível, hoje em dia: em vez de produzir História, analisando documentos e reescrevendo o passado, a maioria dos historiadores está mais preocupada em reler Marx & Cia e, à sua simples e ultrapassada luz, interpretar o presente. Afora competentes e marginalizados acadêmicos, que de fato existem, então, a própria História do Brasil vem sendo ultimamente recontada por jornalistas ou gente simplesmente culta e dedicada, sem o ranço que cansa ou a ideologia que envenena.)

Tostão: o futebol divulgando uma imagem do Brasil É sempre admirável, portanto, uma iniciativa como a do historiador José Moraes dos Santos Neto, que lançou recentemente pela editora Cosac & Naify o bonito livro "Visão do jogo - Primórdios do futebol no Brasil". O livro é parte da coleção Zona do Agrião, dedicada a livros sobre o esporte mais popular no Brasil, e pretende, como o nome indica, descrever como, afinal, o futebol chegou ao Brasil, e como ele foi se popularizando a ponto da seleção brasileira ser - e ter sido - talvez nosso mais importante instrumento de representação diplomática.

José Morares conta que, já no início da década de 1880, uma variação do futebol, o "bate bolão" - sem traves, times ou campo definido -, já era praticado por padres jesuítas e seus alunos no Colégio São Luís de Itu. O padre José Mantero, ainda antes de ser reitor do colégio, trouxe de uma excursão pela Europa duas bolas com câmara de borracha envolvida por uma capa de couro. As câmaras das ballon anglais, como essas bolas eram chamadas, com o uso e o tempo, desgastaram-se - e foram adequada e criativamente substituídas por bexigas de boi.

Em 1894, conta o autor, Luís Yabar, que havia jogado futebol pelas escolas européias, tornou-se o novo reitor do colégio, e introduziu regras no futebol praticado no São Luís basicamente como as que conhecemos hoje: dois times, campo dividido, traves de madeira, etc. Foram esses alunos desse tipo de escola religiosa - Arthur Ravache, Valdemar Junqueira, Vicente de Almeida Sampaio, entre outros -, e especialmente os do São Luís, então, que espalharam o futebol pelo Brasil - de São Paulo a Salvador, de Uberaba a Sorocaba. E não, como reza o senso comum, Charles Miller, que, apesar do nome, nasceu em São Paulo mesmo, filho de um engenheiro escocês, em 1874 - muito pouco antes, repare, do bate-bolão começar a divertir o pessoal em Itu.

Que Charles Miller tenha apresentado o futebol ao Brasil é um mito insistente e conveniente, mas um erro histórico que precisa ser desfeito. Miller, depois de uma temporada dedicada aos estudos na Inglaterra - onde se destacava como atacante rápido e driblador habilidoso -, voltou ao Brasil em 1894, acompanhado de um livro de regras do association football inglês, de um par de bolas e um de chuteiras. Nos clubes paulistanos que freqüentava - como o São Paulo Athletic Club, fundado por ingleses - ensinou ao pessoal o futebol que conhecia, e animou-os a montar times competitivos. Os três primeiros foram de altos executivos de empresas inglesas, a São Paulo Railway, a São Paulo Gás Company e o London Bank. A intenção de Miller nunca foi divulgar o futebol pelo Brasil inteiro, nem mesmo pela São Paulo proletária e periférica, que ele não conhecia, mas torná-lo mais praticado e competitivo dentro do próprio grupo social a que pertencia. Ele é, de fato, em grande parte responsável, ainda que não o único, pelo futebol começar a ser praticado fora de escolas religiosas - mas a verdade é que, no Brasil, os primeiros a baterem uma pelada foram mesmo os jesuítas e os seus alunos, chutando bolas improvisadas em campos enlameados.

O futebol dentro dos clubes - São Paulo Athletic Club, Associação Atlética Mackenzie, Sport Club International, Clube Atlético Paulistano -, esse incentivado por Miller, jogava entre si, mas não se misturou rapidamente com o que vinha sendo praticado, em bairros operários da cidade, por trabalhadores imigrantes europeus. Havia também alguns times de negros e mulatos, que ganhavam a vida no mercado informal da cidade, igualmente desprezados. Até 1905, os times de elite jogavam nos mesmos campos que os populares, até que, em parceria com a prefeitura, o Clube Atlético Paulistano transformou o Velódromo municipal em um campo particular. E os clubes populares, sem outra opção, mantiveram-se, entre outras regiões, na Mooca, em Cambuci e, principalmente, na várzea do Carmo - e passaram, assim, a ser conhecidos como varzeanos.

Charles Miller, o de bigode: popularização para poucos Em 1901, foi organizada a primeira competição paulista de times de futebol, mas que reuniu apenas os cinco times da elite, desprezando o futebol de qualidade jogado pelos times da várzea. Em 1912, porém, com os times populares cada vez melhores e mais importantes, a Liga acabou aceitando a participação do Ipiranga Futebol Clube. Em um episódio hoje considerado vergonhoso, Miller e sua turma do São Paulo Athletic Club desistem do campeonato, e o Paulistano, também em resposta a essa iniciativa democrática - que agredia a pose pretensiosamente aristocrática dessa elite provinciana -, abandona o grupo. Quando o Sport Club Corinthians, a melhor equipe do futebol da várzea, foi aceita na Liga, então, aí a LPF se rachou definitivamente, e foi fundada, em 1913, a Associação Paulista de Esportes Atléticos, que pretendia perpetuar a tradição do futebol inglês iniciada com Charles Miller.

Além de corrigir esse engano repetitivo, que é o de atribuir a Miller o ingresso do futebol no Brasil, José Moraes esclarece as diferenças entre a escola de dribles e a de passes. Quando o futebol, no início do século XIX, era praticado na Inglaterra, as jogadas eram muito simples e individuais. Chutava-se para frente e corria-se atrás da bola, em um esquema como o dos recreios de escolas primárias, em que jogam 25 alunos para cada lado em um campo apertado. Mas os escoceses, no último quarto do mesmo século, lembra o autor, descobriram a eficiência do toque de passes, em que a bola corre mais rápida e mais segura. Só assim foi possível organizar os jogadores em campo de uma forma inteligente, com laterais e atacantes escolhidos e treinados para a função. Claro: o futebol escocês passou a bater o inglês com facilidade - e a fazer piada dele.

No Brasil, foi o jornalista Mário Cardim que, atualizado sobre as novas tendências do futebol mundial, já em 1904 defendia a escola escocesa, apesar do modelo trazido por Miller e aderido pelos jogadores, baseado em jogadas pessoais (foi Miller, vale lembrar, que inventou o drible da vaca), só ser repensado por volta da década de 30 - e, convenhamos, ainda hoje não descartado completamente.

Leônidas, o inventor da bicicleta: a impressionante criatividade do jogador brasileiro Foi também Mário Cardim que, em 1914, fundou a Federação Brasileira de Futebol. Em 21 de julho do mesmo ano, a primeira seleção brasileira entrou em campo nas Laranjeiras para jogar contra a equipe profissional inglesa Exeter City. O estádio estava lotado, mas o árbitro também era inglês: Friedenreich, nosso principal craque, perdeu dois dentes, machucou o joelho e saiu de campo todo ensangüentado. Ainda no primeiro tempo, porém, os brasileiros conseguiram marcar dois gols e garantir a vitória nacional. Começamos com o pé direito - mesmo que, sob a condescendência do árbitro inglês, ele tenha quase se torcido.

Mas é na detalhada recomposição dos primeiros jogos entre Brasil e Argentina que José Moraes revela uma inegável vocação para historiador, narrando - com o mesmo mérito de quem descobre uma fundamental batalha esquecida - um jogo de futebol decisivo para a formação do estilo brasileiro de se jogar bola.

O jogo da Copa Júlio Roca, disputada exclusivamente entre os dois países, foi marcado para o domingo de 20 de setembro de 1914, em Buenos Aires. Mas o navio em que a seleção brasileira viajou, com data de chegada prevista para a véspera, se atrasou, e chegou em Buenos Aires no dia mesmo do jogo. A partida oficial foi adiada, mas foi marcado para o mesmo dia, apesar do cansaço dos jogadores brasileiros, um amistoso entre as duas equipes. Entre uma chuva forte e um campo alagado, a equipe brasileira perdeu de 3 a zero, mas impressionou o público argentino com a habilidade individual dos jogadores e o entrosamento técnico do time. E com razão.

A Copa Roca tinha sido marcada para o domingo seguinte, dia 27 de setembro. É impressionante como José Moraes narra minuto por minuto o jogo, em todos os seus movimentos - ataques perigosos, defesas assustadas, passes controlados e, claro, o único gol da partida, do brasileiro Rubens Salles. Foi o primeiro título disputado pelo Brasil, e o primeiro a ser conquistado. Talvez, podem argumentar os argentinos, porque Maradona ainda não estava em campo. É verdade: em uma disputa na área brasileira, Leonardi marcou o que seria o gol de empate argentino com a mão, não tivesse Galup - também argentino - assumido para o árbitro que o gol tinha sido ilegal. E recebeu aplausos de ambas as torcidas. "Não se fazem mais sportsman como antigamente", lamenta o autor. Nem torcedores.

Mas as bolas, pelo menos, acho que agora são melhores.





Eduardo Carvalho
São Paulo, 17/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. E Foram Felizes Para Sempre de Marilia Mota Silva
02. Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim) de Cassionei Niches Petry
03. Fake-Fuck-Fotos do Face de Jardel Dias Cavalcanti
04. Em noite de lua azul de Elisa Andrade Buzzo
05. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo de Gian Danton


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


Mais Especial Copa 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/6/2002
22h06min
Gostei muito deste texto de Eduardo. Traz informações valiosas sobre a história do futebol desde a época em que se chamava football e corrige enganos históricos como o de apontar Charles Miller como o primeiro responsável pela chegada do futebol nestas terras. Aproveitando a carona do futebol vamos até a Rússia de Tolstoi. Também sou fã dos livros da Cosac & Naify - edições muito bem cuidadas e que merecem ser colecionadas. De todos até agora publicados, o mais incrível, em minha opinião é um livro de Tolstoi com uma seleção de contos muito tocantes, especialmente a estória de uma nota de dinheiro falso que é passada adiante e origina os mais horíveis crimes e as mais edificantes conversões e o relato de uma história de vida inteira, narrada pelo protagonista, um cavalo malhado. Imperdíveis.
[Leia outros Comentários de Elisa Ulhôa Cintra]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REIKI - UMA HABILITAÇÃO PARA A CURA
PAULA HORAN
MADRAS
R$ 10,00



COMENTÁRIOS AO CÓDIGO TRIBUTÁRIO NACIONAL - VOLUME 2
AIRES FERNANDINO BARRETO E OUTROS
JOSÉ BUSHATSKY
(1976)
R$ 19,82



A INTERAÇÃO SOCIAL DE PRÉ ESCOLARES NA INCLUSÃO ESCOLAR
PÁTRÍCIA ANHÃO, LUZIA I. PFEIFER UND JAIR F. L. SANTOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O TESOURO DOS ALQUIMISTAS
JACQUES SADOUL
HEMUS
R$ 106,00



SELEÇÕES DE LIVROS - O DÉCIMO PRIMEIRO MANDAMENTO
READERS DIGEST
READERS DIGEST
(2001)
R$ 11,00



LIBERDADE SINDICAL NO BRASIL E EM PORTUGAL: BREVE PARALELO
WILLIANE GOMES PONTES IBIAPINA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 230,00



MATEMÁTICA FINANCEIRA - APLICAÇÕES NO MERCADO DE TÍTULOS
MILTON JUER (3ª EDIÇÃO)
IBMEC
(1985)
R$ 24,82



O ALEPH
PAULO COELHO
SEXTANTE
R$ 8,65



AMBRÓSIO: EVANGELHO E PODER
LEONARDO MEULENBERG
VOZES (PETRÓPOLIS RJ)
(2001)
R$ 22,82



A VARIAÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA BRASILEIRA ENTRE 1995 E 2005
FRANCISCO JANUÁRIO CASTRO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00





busca | avançada
31129 visitas/dia
955 mil/mês