Chutando bexiga de boi | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Copa 2002

Segunda-feira, 17/6/2002
Chutando bexiga de boi
Eduardo Carvalho

+ de 7400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A história do futebol brasileiro - assim como a da arquitetura, da alimentação, da música -, continua mal contada, como se tudo que fosse importante precisasse ser, necessariamente, chato: como se, enfim, as únicas histórias relevantes fossem a econômica e a política.

(Pois a influência marxista no ambiente acadêmico brasileiro parece incorrigível, hoje em dia: em vez de produzir História, analisando documentos e reescrevendo o passado, a maioria dos historiadores está mais preocupada em reler Marx & Cia e, à sua simples e ultrapassada luz, interpretar o presente. Afora competentes e marginalizados acadêmicos, que de fato existem, então, a própria História do Brasil vem sendo ultimamente recontada por jornalistas ou gente simplesmente culta e dedicada, sem o ranço que cansa ou a ideologia que envenena.)

Tostão: o futebol divulgando uma imagem do Brasil É sempre admirável, portanto, uma iniciativa como a do historiador José Moraes dos Santos Neto, que lançou recentemente pela editora Cosac & Naify o bonito livro "Visão do jogo - Primórdios do futebol no Brasil". O livro é parte da coleção Zona do Agrião, dedicada a livros sobre o esporte mais popular no Brasil, e pretende, como o nome indica, descrever como, afinal, o futebol chegou ao Brasil, e como ele foi se popularizando a ponto da seleção brasileira ser - e ter sido - talvez nosso mais importante instrumento de representação diplomática.

José Morares conta que, já no início da década de 1880, uma variação do futebol, o "bate bolão" - sem traves, times ou campo definido -, já era praticado por padres jesuítas e seus alunos no Colégio São Luís de Itu. O padre José Mantero, ainda antes de ser reitor do colégio, trouxe de uma excursão pela Europa duas bolas com câmara de borracha envolvida por uma capa de couro. As câmaras das ballon anglais, como essas bolas eram chamadas, com o uso e o tempo, desgastaram-se - e foram adequada e criativamente substituídas por bexigas de boi.

Em 1894, conta o autor, Luís Yabar, que havia jogado futebol pelas escolas européias, tornou-se o novo reitor do colégio, e introduziu regras no futebol praticado no São Luís basicamente como as que conhecemos hoje: dois times, campo dividido, traves de madeira, etc. Foram esses alunos desse tipo de escola religiosa - Arthur Ravache, Valdemar Junqueira, Vicente de Almeida Sampaio, entre outros -, e especialmente os do São Luís, então, que espalharam o futebol pelo Brasil - de São Paulo a Salvador, de Uberaba a Sorocaba. E não, como reza o senso comum, Charles Miller, que, apesar do nome, nasceu em São Paulo mesmo, filho de um engenheiro escocês, em 1874 - muito pouco antes, repare, do bate-bolão começar a divertir o pessoal em Itu.

Que Charles Miller tenha apresentado o futebol ao Brasil é um mito insistente e conveniente, mas um erro histórico que precisa ser desfeito. Miller, depois de uma temporada dedicada aos estudos na Inglaterra - onde se destacava como atacante rápido e driblador habilidoso -, voltou ao Brasil em 1894, acompanhado de um livro de regras do association football inglês, de um par de bolas e um de chuteiras. Nos clubes paulistanos que freqüentava - como o São Paulo Athletic Club, fundado por ingleses - ensinou ao pessoal o futebol que conhecia, e animou-os a montar times competitivos. Os três primeiros foram de altos executivos de empresas inglesas, a São Paulo Railway, a São Paulo Gás Company e o London Bank. A intenção de Miller nunca foi divulgar o futebol pelo Brasil inteiro, nem mesmo pela São Paulo proletária e periférica, que ele não conhecia, mas torná-lo mais praticado e competitivo dentro do próprio grupo social a que pertencia. Ele é, de fato, em grande parte responsável, ainda que não o único, pelo futebol começar a ser praticado fora de escolas religiosas - mas a verdade é que, no Brasil, os primeiros a baterem uma pelada foram mesmo os jesuítas e os seus alunos, chutando bolas improvisadas em campos enlameados.

O futebol dentro dos clubes - São Paulo Athletic Club, Associação Atlética Mackenzie, Sport Club International, Clube Atlético Paulistano -, esse incentivado por Miller, jogava entre si, mas não se misturou rapidamente com o que vinha sendo praticado, em bairros operários da cidade, por trabalhadores imigrantes europeus. Havia também alguns times de negros e mulatos, que ganhavam a vida no mercado informal da cidade, igualmente desprezados. Até 1905, os times de elite jogavam nos mesmos campos que os populares, até que, em parceria com a prefeitura, o Clube Atlético Paulistano transformou o Velódromo municipal em um campo particular. E os clubes populares, sem outra opção, mantiveram-se, entre outras regiões, na Mooca, em Cambuci e, principalmente, na várzea do Carmo - e passaram, assim, a ser conhecidos como varzeanos.

Charles Miller, o de bigode: popularização para poucos Em 1901, foi organizada a primeira competição paulista de times de futebol, mas que reuniu apenas os cinco times da elite, desprezando o futebol de qualidade jogado pelos times da várzea. Em 1912, porém, com os times populares cada vez melhores e mais importantes, a Liga acabou aceitando a participação do Ipiranga Futebol Clube. Em um episódio hoje considerado vergonhoso, Miller e sua turma do São Paulo Athletic Club desistem do campeonato, e o Paulistano, também em resposta a essa iniciativa democrática - que agredia a pose pretensiosamente aristocrática dessa elite provinciana -, abandona o grupo. Quando o Sport Club Corinthians, a melhor equipe do futebol da várzea, foi aceita na Liga, então, aí a LPF se rachou definitivamente, e foi fundada, em 1913, a Associação Paulista de Esportes Atléticos, que pretendia perpetuar a tradição do futebol inglês iniciada com Charles Miller.

Além de corrigir esse engano repetitivo, que é o de atribuir a Miller o ingresso do futebol no Brasil, José Moraes esclarece as diferenças entre a escola de dribles e a de passes. Quando o futebol, no início do século XIX, era praticado na Inglaterra, as jogadas eram muito simples e individuais. Chutava-se para frente e corria-se atrás da bola, em um esquema como o dos recreios de escolas primárias, em que jogam 25 alunos para cada lado em um campo apertado. Mas os escoceses, no último quarto do mesmo século, lembra o autor, descobriram a eficiência do toque de passes, em que a bola corre mais rápida e mais segura. Só assim foi possível organizar os jogadores em campo de uma forma inteligente, com laterais e atacantes escolhidos e treinados para a função. Claro: o futebol escocês passou a bater o inglês com facilidade - e a fazer piada dele.

No Brasil, foi o jornalista Mário Cardim que, atualizado sobre as novas tendências do futebol mundial, já em 1904 defendia a escola escocesa, apesar do modelo trazido por Miller e aderido pelos jogadores, baseado em jogadas pessoais (foi Miller, vale lembrar, que inventou o drible da vaca), só ser repensado por volta da década de 30 - e, convenhamos, ainda hoje não descartado completamente.

Leônidas, o inventor da bicicleta: a impressionante criatividade do jogador brasileiro Foi também Mário Cardim que, em 1914, fundou a Federação Brasileira de Futebol. Em 21 de julho do mesmo ano, a primeira seleção brasileira entrou em campo nas Laranjeiras para jogar contra a equipe profissional inglesa Exeter City. O estádio estava lotado, mas o árbitro também era inglês: Friedenreich, nosso principal craque, perdeu dois dentes, machucou o joelho e saiu de campo todo ensangüentado. Ainda no primeiro tempo, porém, os brasileiros conseguiram marcar dois gols e garantir a vitória nacional. Começamos com o pé direito - mesmo que, sob a condescendência do árbitro inglês, ele tenha quase se torcido.

Mas é na detalhada recomposição dos primeiros jogos entre Brasil e Argentina que José Moraes revela uma inegável vocação para historiador, narrando - com o mesmo mérito de quem descobre uma fundamental batalha esquecida - um jogo de futebol decisivo para a formação do estilo brasileiro de se jogar bola.

O jogo da Copa Júlio Roca, disputada exclusivamente entre os dois países, foi marcado para o domingo de 20 de setembro de 1914, em Buenos Aires. Mas o navio em que a seleção brasileira viajou, com data de chegada prevista para a véspera, se atrasou, e chegou em Buenos Aires no dia mesmo do jogo. A partida oficial foi adiada, mas foi marcado para o mesmo dia, apesar do cansaço dos jogadores brasileiros, um amistoso entre as duas equipes. Entre uma chuva forte e um campo alagado, a equipe brasileira perdeu de 3 a zero, mas impressionou o público argentino com a habilidade individual dos jogadores e o entrosamento técnico do time. E com razão.

A Copa Roca tinha sido marcada para o domingo seguinte, dia 27 de setembro. É impressionante como José Moraes narra minuto por minuto o jogo, em todos os seus movimentos - ataques perigosos, defesas assustadas, passes controlados e, claro, o único gol da partida, do brasileiro Rubens Salles. Foi o primeiro título disputado pelo Brasil, e o primeiro a ser conquistado. Talvez, podem argumentar os argentinos, porque Maradona ainda não estava em campo. É verdade: em uma disputa na área brasileira, Leonardi marcou o que seria o gol de empate argentino com a mão, não tivesse Galup - também argentino - assumido para o árbitro que o gol tinha sido ilegal. E recebeu aplausos de ambas as torcidas. "Não se fazem mais sportsman como antigamente", lamenta o autor. Nem torcedores.

Mas as bolas, pelo menos, acho que agora são melhores.





Eduardo Carvalho
São Paulo, 17/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
02. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
03. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
04. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
05. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


Mais Especial Copa 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/6/2002
22h06min
Gostei muito deste texto de Eduardo. Traz informações valiosas sobre a história do futebol desde a época em que se chamava football e corrige enganos históricos como o de apontar Charles Miller como o primeiro responsável pela chegada do futebol nestas terras. Aproveitando a carona do futebol vamos até a Rússia de Tolstoi. Também sou fã dos livros da Cosac & Naify - edições muito bem cuidadas e que merecem ser colecionadas. De todos até agora publicados, o mais incrível, em minha opinião é um livro de Tolstoi com uma seleção de contos muito tocantes, especialmente a estória de uma nota de dinheiro falso que é passada adiante e origina os mais horíveis crimes e as mais edificantes conversões e o relato de uma história de vida inteira, narrada pelo protagonista, um cavalo malhado. Imperdíveis.
[Leia outros Comentários de Elisa Ulhôa Cintra]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JULIETA
ANNE FORTIER
ARQUEIRO
(2014)
R$ 18,00



O REFÉM - O RISO AMARGO DA VIOLÊNCIA
LUIZ CORONEL
MECENAS
(2013)
R$ 5,00



DICIONÁRIO DE DECISÕES TRABALHISTAS
B. CALHEIROS BOMFIM
RABALHISTAS
(1995)
R$ 15,00



ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



ESCRAVAS DE CORAGEM
KATHLEEN GRISSOM; VERA RIBEIRO
ARQUEIRO
(2014)
R$ 9,00



TEX EDIÇÃO DE OURO Nº 53 - OURO DE SANGUE
G. L. BONELLI E A. GALEPPINI
MYTHOS
(2011)
R$ 10,00



A ARTE DE RECLAMAR
RONALDO JOSÉ NEVES DE CARVALHO
N/D
(1995)
R$ 14,99



PROJETO ARARIBÁ CIÊNCIAS 8ª ANO
JOSÉ LUIZ CARVALHO DA CRUZ
MODERNA
(2007)
R$ 13,00



EXECUTIVE TOUGHNESS
JASON SELK
MCGRAW HILL PROFESSI
(2011)
R$ 120,91



GRANDES CLUBES DO FUTEBOL BRASILEIRO... CORAÇÃO CORINTHIANO VOL. II
LOURENÇO DIAFÉRIA
FUNDAÇÃO NESTLÉ DA CULTURA
(1992)
R$ 250,00





busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês