Imprimam - e repensem - suas fotografias | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
23758 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Segundas de julho têm sessões extras do espetáculo À Espera
>>> Circo dos Sonhos, do ator Marcos Frota, desembarca no Shopping Metrô Itaquera
>>> Startup brasileira levará pessoas de baixa renda para intercâmbio gratuito fora do país
>>> Filho de suicida, padre lança livro sobre o tema
>>> LANÇAMENTO DO LIVRO "DIALÓGOS DE UM RABINO REFLEXÕES PARA UM MUNDO DE MONÓLOGOS" DE MICHEL SCHLESI
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Blog precisa ser jornalismo?
>>> Blog precisa ser jornalismo?
>>> Paulo Coelho para o Nobel
>>> 2008, o ano de Chigurh
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Onde fica o interruptor?
>>> Era uma vez
Mais Recentes
>>> A Colônia- (nova Ortografia)
>>> 1356 - 4ª ed. (Nova Ortografia)
>>> História e Arte no Mundo Ibérico - Tempo brasileiro- 184
>>> Limites: três dimensões educacionais - 1ª ed.
>>> Arcanjos e Mestres Ascensos
>>> Mentiras no divã
>>> Never, more forever: a poesia na modernidade, ou Shelley versus Peacock ...
>>> Mistérios Desvelados - Ensinamentos do Mestre Saint Germain
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 25 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 18 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 17 (RARIDADE) - Guerra do Vietnã
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 16 (RARIDADE) - Igraja e Marxismo
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 14 (RARIDADE) - Mulheres, a revolução mais longa
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 13: China - Uma revolução dentro da Revolução - (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Números 9-10 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 7 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Números 5-6 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 3 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 1 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Caderno Especial 1: A Revolução Russa - Cinquenta Anos de História
>>> O Homem e o Universo
>>> O Judaísmo- do Exílio ao Tempo de Jesus
>>> Direito Penal - Parte Geral ( V. 7)
>>> O Exército de Cavalaria
>>> The Golden Treasury
>>> Surdez e linguagem- Aspectos e implicações neurolinguísticas (Nova Ortografia)
>>> El Libro Supremo de Todas las Magias - Magia Blanca - Negra - Roja
>>> Rituais e Egrégoras para a Era de Aquário
>>> O Despertar da Consciência
>>> Sic Questões Comentadas
>>> Sic Questões Comentadas
>>> Código Civil - 7ª Edição Atualizada
>>> Fonética e Ortografia - Coleção Linguagem Jurídica vol. 1
>>> Dicionário Jurídico
>>> Introdução Ao Direito
>>> Debate Sobre a Constituição de 1988
>>> Noções de Prevenção e Controle de Perdas Em Segurança do Trabalho 7ª edição revista e atualizada
>>> Vire a Página - Estratégias para Resolver Conflitos 6ª edição
>>> Tópicos de Administração Aplicada à Segurança do Trabalho 9ª edição
>>> Doenças Profissionais Ou do Trabalho 10ª edição
>>> Epidemiologia
>>> Cipa - Comissao Interna de Prevençao de Acidentes uma Nova Abordagem 14ª edição
>>> Prevenção e Controle de Risco Em Máquinas, Equipamentos e Instalações 3ª edição
>>> Os 10 Mandamentos: Princípios Divinos para Melhorar seus Relacionamentos
>>> Mini Código Saraiva Civi
>>> Mini Aurélio da Língua Portuguesa 7ª Edição
>>> Guia da Sexualidade - Reedição Ampliada e Ilustrada
>>> A Rosa do Povo
>>> Quando o Sofrimento Bater à Sua Porta
>>> Cura das Emoções Em Cristo
COLUNAS

Sexta-feira, 24/2/2017
Imprimam - e repensem - suas fotografias
Ana Elisa Ribeiro

+ de 1900 Acessos

Outro dia, mandaram um link para que eu lesse com carinho. Era um texto dizendo que o "pai da internet", Vint Cerf, recomendava que imprimíssemos nossas fotografias. O problema seria a tal da "obsolescência programada", essa invenção malévola e espertinha que nos transforma em consumidores compulsórios de equipamentos novos em substituição a outros sempre, e rapidamente, desatualizados.

Aconteceu outro dia, e outro e outro: usei um celular por muitos anos, insistentemente, até que não consegui baixar mais nenhum aplicativo nele. Pronto, passava da hora de trocar de aparelho. Vai durar. Doce ilusão.

Comprei outro e outro, e cada um, num belo dia diferente, mas não a espaços muito largos, deixava de funcionar por algum motivo. Mas a coisa era predeterminada. Em alguns casos, a máquina não funcionava nem com aplicativos fabricados pela própria empresa. Mas vá lá, tenhamos paciência ou bobiça suficientes.

Analógicas

Num mundo assim, imaginem o que seja manter certo hábito de tirar fotografias analógicas. Exótico, não? E sempre perguntam: mas existem ainda filmes? Alguém vende isso? Onde? É caro? E depois? Onde são revelados?

Fato é que, dia desses, revelei um filme. Escaneei as fotos e enviei algumas a pessoas a quem não darei uma foto de papel. Não foi exatamente caro revelá-las, mas fazer as cópias me daria bem mais trabalho. Geralmente, exceto pela minha mãe, as pessoas ficam satisfeitas ao receberem digitalizações. Mas que precariedade.

Eis que enviei uma foto digitalizada de uma matriz impressa de foto ao grupo de irmãos. Logo, minha irmã perguntou sobre o assunto: Quando foi isso? E me dei conta de que os lapsos das fotos analógicas pertencem mesmo ao fotógrafo. Logo informei, imprecisamente: acho que dia dos pais. Era uma lembrança difusa, de um dia comemorativo, um lugar, uns ladrilhos, a presença de certas pessoas, um almoço. Dia dos pais, talvez. Ela não disse mais nada. Aceitou.

O lapso de tempo que aquela câmera e aquele filme provocavam. Já pensou? Um filme de 36 poses ou menos, porque ele durou até as 30. E ficou dentro da máquina por meses e meses. Quando revelado, mostrou mais de três ou quatro eventos diferentes, lugares muito diversos, pessoas muito seletas. Estavam lá, justapostos, mas sem se comunicar, o dia dos pais, um passeio no Instituto Inhotim, umas fotos à beira do muro da fábrica de tecidos que será extinta (e dará lugar a um microshopping com nome em inglês). Também havia fotos de um evento no campus universitário, uma delas desfocada, quase perdida. O que se há de fazer? Jogar fora? Não é deletável.E ainda fotografias de um dia, no ensaio para um espetáculo poético-musical.

Sim, era um filme, muitos meses, cinco ocasiões muito diferentes, tempos diversos, sempre à luz do dia, porque, como sabem todos, fotografar é desenhar com luz.

O grão da foto é lindíssimo. As pessoas estão paradas diante de um clique que virá. Não pudemos testar, jogar poses ou chapas fora. Gostamos das fotos? Não? Já era.

O grão do tempo

Pensei por horas sobre a característica do filme analógico de guardar-se para ocasiões muito especiais e ser econômico na seleção das fotografias. Muitos eventos quase esquecidos ressurgiram para as pessoas, diante daquelas fotos. Até nem lembrávamos mais daquelas ocasiões. Por isso é importante escrever atrás das fotografias. Escrever, por datas, relembrar: 14 de agosto de 2016, dia dos pais. Caso contrário, não saberemos mais nos distinguir naquele passado em registro.

Um filme aguarda, pacientemente, para ser gasto. Disso decorre que o timing das fotos analógicas é paciente, é moroso, é seletivo, é cuidadoso. É preciso pensar sobre a foto, sobre a revelação e sobre como mostrar as fotos às pessoas.

Certa vez, fotografei o bebê de uma amiga, em dada ocasião, em uma livraria. Muitos meses depois, enviei-lhe a digitalização da foto. O grão do momento. Ela reconheceu o chão, o deck de madeira, a ocasião. Mas o bebê não era mais o mesmo. Uma lembrança de quando ele tinha alguns meses. Já não era mais o mesmo.

Dupla exposição

Vint Cerf alerta sobre as fotografias que se perderão entre bits, arquivos incompatíveis, máquinas inoperantes, obsolescências programadas, pessoas pouco cuidadosas com a memória. Mas não é só isso. Além de imprimirmos as fotos, como que a resguardá-las de um perigo evidente - mais que iminente -, é importante que alguns de nós resistam ao operar máquinas que deixam matrizes, negativos, filmes.

Não à toa nossa emoção, quando um pequeno grupo de amigos resolvemos conversar sobre o que fazer com duas caixas grandes de câmeras analógicas simples que seriam jogadas fora. Uma centena delas. E enquanto triávamos os equipamentos, observando se alguma já não funcionava, encontramos três com filmes dentro.

Filmes usados? Fotografados? Presos ali? Esquecidos? O que fazer? Vamos revelá-los? Festas de família ou nudes? Vamos removê-los e jogar no lixo, preservando a privacidade de alguém? Vamos mostrar ao mundo as fotografias que estão ali? Vamos procurar seus donos? Não.

Decidimos reusá-los: Cada um de nós escolheu um, por qualquer motivo. Retirados das câmeras originais, vão para dentro de nossos equipamentos e faremos dupla exposição. Dessa forma, quando revelados, talvez saibamos, apenas parcialmente, o que ali estava, quase revelado, mas não por inteiro.



Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 24/2/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Predadores humanos de Gian Danton
02. Saia curta, liberdade longa. de Adriane Pasa
03. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) de Marilia Mota Silva
04. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade de Marilia Mota Silva
05. A metade da vida de Guilherme Pontes Coelho


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
03. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
04. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
05. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TRILOGIA DO ASFALTO
DÊNISSON PADILHA FILHO
P55 EDIÇÕES
(2016)
R$ 22,00



QUANDO EM ROMA
GEMMA TOWNLEY
RECORD
(2005)
R$ 12,35



THE TKT COURSE - FIRST EDITION
MARY SPRATT E OUTROS
CAMBRIDGE
(2008)
R$ 84,90



CORAÇÕES FERIDOS
LOUISA REID
NOVO CONCEITO
(2013)
R$ 25,00



VITÓRIA - COLEÇÃO 2ª GUERRA MUNDIAL - VOL. 3
EDITORA ABRIL
ABRIL
(2007)
R$ 15,00



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 2
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,90



FOLCLORE NORDESTINO - LENDAS E CANTIGAS
ANNA FROTA MENDES
HORIZONTE
R$ 49,90



TERTÚLIA DOS VALES
RAFAEL AVELINO (ORG.)
ALBATROZ
(2018)
R$ 30,00



DOIS CLÁSSICOS - A HORA DO PESADELO INTRIGA INTERNACIONAL
HUGH PENTECOSTE SAMUEL FULLHER
NOVA CULTURAL
(1989)
R$ 8,04



COMO FAZER SUA PROPAGANDA FUNCIONAR
KENNETH ROMAN / JANE MAAS
NOBEL
(1994)
R$ 8,00





busca | avançada
23758 visitas/dia
773 mil/mês