A Ilíada | Denis Zanini Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
59670 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 4/7/2002
A Ilíada
Denis Zanini Lima

+ de 5600 Acessos

A Ilíada, poema épico de 24 cantos atribuído a Homero, composto entre séculos 9 e 8 a.C., narra a ira do herói grego Aquiles, filho do bravo Peleu e da deusa Tétis, e os desdobramentos de sua recusa em prosseguir na Guerra de Tróia. A ação central acontece na imediações da cidade de Ílion (Tróia), no décimo ano de combate entre aqueus (gregos) e troianos.

Como de praxe nas obras épicas, a narrativa é permeada por exaltações a areté (a excelência guerreira) das personagens, epítetos invocando a linhagem nobre dos guerreiros, tramas vingativas, a descrição pormenorizada das mortes ("A cruel pedra esmagou os dois tendões, e ele caiu no pó (...) E Peiro, que o ferira, correu até ele e atingiu-o, perto do umbigo, com uma lança, e suas entranhas se espalharam pelo chão e a escuridão velou-lhe os olhos") e o pesar pela falta de um estimado combatente.

O desencadear dos fatos está umbilicalmente ligado à defesa da timé, a honra pessoal, o mais cultuado valor humano entre os antigos. Em nome dela, argivos e troainos movimentam incessantemente o afiado bronze, forrando o chão de sangue - vale lembrar que a guerra teve início com uma afronta moral, quando Páris, príncipe de Tróia, tomou para si a mulher do rei grego Menelau.

A história começa justamente quando Aquiles, aclamado o melhor dos guerreiros gregos, tem sua timé ultrajada pelo rei dos aqueus, Agamenon. Este, inconformado em ter de devolver - por interferência do deus Apolo - Criseis, uma de suas presas de guerra, resolve amenizar seu ônus tirando de Aquiles sua mais bela mulher, Briseis.

Furioso, Aquiles, subserviente a sua posição hierárquica, cede a jovem, mas, em retaliação, retira-se dos campos de batalha. Ao saber do ocorrido, a deusa Tétis, mãe de Aquiles, roga a Zeus, o senhor do Olimpo: "Pais Zeus (...) atende o meu desejo: honra meu filho, cujo destino é bem curto. Agamenon, o rei dos homens, ultrajou-o, pois tomou a sua presa de guerra e com ela ficou. Vinga-o, Zeus olímpico, conselheiro. Torna os troianos poderosos até que os aqueus reverenciem meu filho e tributem as honras devidas".

Piedoso, Zeus cede aos apelos da deusa, por se tratar de um assunto envolvendo a honra de um nobre guerreiro. Entretanto, o fato se concretizará de maneira muito mais espinhosa do que previsto.

Ratificada a saída de Aquiles, gregos e troianos voltam a se enfrentar. Estabelece-se que um duelo entre Menelau e Páris, pivôs da guerra, decidida quanto ao destino do embate. Menelau se sai muito bem e quando estava prestes a dar o golpe de misericórdia, Afrodite salva Páris (que a elegera a mais bela entre as deusas), levando-o de volta para casa, onde encontra sua mulher, Helena.

No prosseguimento da batalha, o filho do rei Príamo de Ílion, Heitor, o mais valoroso dos troianos, e Ajax, filho de Telamônio, travam emocionante combate, que termina, contudo, sem vitorioso. No meio de tamanha carnificina, há espaço para gestos cavalheirescos, como a troca de armas entre o troiano Glauco e o aqueu Diomedes, ao constatarem que suas famílias mantiveram estreitas relações no passado.

No Panteão, os deuses não se abstêm da guerra, tomando sempre partido de um dos lados. O entrevero entre os humanos e suas conseqüências muito interessa aos imortais. Ardilosos, cada um, a sua maneira, interfere para auxiliar um guerreiro ou povo de sua preferência. Embora fosse o mais poderoso dos deuses, Zeus não podia decidir, de imediato e sozinho, o resultado da Guerra de Tróia, sem vencer oposições, estabelecer compromissos, forjar planos complexos.

Diversas são as passagens nos quais os habitantes do monte da Tessália mudam o destino das personagens. Heitor, por exemplo, teve sua pele salva em muitas ocasiões por Apolo; Enéias, quando estava prestes a sucumbir aos pés de Aquiles, contou com a intervenção de Possêidon; Hera, para lubrificar Zeus e ajudar os gregos, engendrou um audacioso plano com Possêidon, Afrodite e Sono; e Atenéia não pensava duas vezes em aparecer na forma humana para inflar o brio dos aqueus.

Em A Ilíada, excetuando-se a imortalidade e a imensurável força física, os deuses possuem características físicas e morais semelhantes aos humanos. Sentem ciúme, paixão, inveja, ódio, alegria, dor e podem até ser feridos (assim como Ares o foi por Diomedes). Há de se ressaltar que muitos guerreiros têm, em sua árvore genealógica, ramos no Olimpo, como Sárpedon e o próprio Aquiles. Além dos laços consangüíneos, o relacionamento entre eles é constante, pela própria necessidade dos humanos em fazer sacrifícios para os deuses em troca de favores.

O sacrifício às divindades olímpicas constitui a amizade entre os homens e os deuses. Os habitantes do Olimpo assistem aos sacrifícios e regozijam-se. Ao sacrifício, segue o banquete, uma refeição comum em que a repartição das carnes sanciona e legitima as hierarquias sociais, cabendo as melhores partes aos magistrados, aos sacerdotes e aos cidadãos mais eminentes.

Essa oferta inclui presentes, libações, prestigiosos edifícios de culto; todavia, o seu elemento essencial é a oferta alimentar, o sacrifício de animais. Vários são os trechos no livro ilustrando essa situação.

Um exemplo acontece quando Agamenon promove o sacrifício de vários touros e bodes a Apolo quando o Febo cessa a matança entre os gregos, logo no início do livro. O sacrifício exprime sempre a renúncia, por parte do grupo humano, a uma porção dos seus recursos alimentares mais preciosos, e a sua entrega aos poderes divinos, que devido a esse cuidado, deveriam aplacar-se e revelar-se benévolas para com os homens.

No prosseguimento da guerra, os gregos, desfalcados de Aquiles, sentem os revezes da situação. Mesmo com seus melhores homens (Menelau, os dois Ajax, Ulisses, Diomedes, Idomeneu e Meriones), o exército de Agamenon não consegue deter o avanço de Heitor e seus bravos guerreiros Enéias, Glauco, Sárpedon, Polidamas e Agenor.

No decorrer do embate, os troianos acampam perto dos navios dos aqueus e estão na iminência de queimá-los. Vendo a gravidade da situação, Agamenon envia uma embaixada de paz a Aquiles, para tentar dissuadi-lo. Recluso em sua tenda, ao lado de seu fiel companheiro Pátroclo, o herói permanece alheio aos acontecimentos. Não lhe comove os apelos para que volte, nem as oferendas de Agamenon. Os gregos teriam sido dizimados pelos troianos na terceira e mais atroz da batalhas se Possêidon e Hera não viessem rapidamente em seu auxílio.

Mas a folga dura pouco, e logo os filhos de Ílion retomam a rédeas da situação. Pátroclo roga, então, a Aquiles que o deixe endossar suas armas, que seguramente poriam o inimigo em fuga. O herói acede aos pedidos do amigo, que rechaça os troianos no exato momento em que se aprestavam para incendiar os navios.

O êxito de Pátroclo inflama a moral das tropas, que se dispõem a perseguir e trucidar o inimigo. Os troianos são acossados até os muros de Ílion, onde a batalha se acirra, com predomínio dos gregos. Pátroclo, porém, é ferido, e Heitor consegue se aproximar para desferir-lhe o golpe final.

Depois de matá-lo, Heitor toma para si a armadura de Aquiles e tenta levar o corpo para dentro da cidade, afim de que ele não tenha os rituais fúnebres, a maior humilhação a ser imposta a um guerreiro. Ajax, filho de Telamônio, e outros aqueus conseguem, porém, levar os despojos até o acampamento grego.

Aquiles, ao saber do fatídico destino do amigo, se desespera, em pranto convulsivo, e decide-se vingá-lo: "E agora, Pátroclo, não te enterrarei enquanto não trouxer para aqui a armadura e a cabeça de Heitor, teu matador, de forte coração. Doze gloriosos filhos dos troianos matarei diante de tua pira, para vingar sua morte". Este trecho é dotado de um forte caráter emotivo, propositadamente exagerado, para enfatizar a dor pela perda de uma pessoa querida.

Aquiles reconcilia-se com Agamenon, que lhe devolve Briseis e oferece-lhe inúmeras oferendas. Devidamente paramentado com as armas produzidas pelo deus Hefestos, e com a alma repleta de ódio, o filho de Peleu deixa um rastro de sangue por onde passa. "Morrei, troianos, até que tomemos a cidadela sagrada de Ílion, vós fugindo e eu, atrás de vós, matando (...) haveis de morrer de morte cruel, até que todos vós expieis a morte de Pátroclo."

Inúmeros são os gladiadores que perecem sob a lança do herói grego. Mas Aquiles, nos momentos de perigo, também conta com a benevolência dos deuses. Quando o rio Escamandro se preparava para tirar a vida do filho de Tétis, Hefestos, deus do fogo, contra-atacou, fazendo o rio recuar e deixando Aquiles prosseguir seu plano de vingança.

Temerosos, os troianos protegem-se atrás dos muros da cidade. O único que se recusa a refugiar-se, não atendendo aos apelos desesperados de seu pai, o rei Príamo, é Heitor. Este sabe que Aquiles lhe é muito superior, mas fugir significaria sua ruína pessoal. A manutenção da honra conta muito mais do que a da vida, por isso prefere ficar e enfrentar seu destino.

Esta passagem realça bem o conceito da timé, a qual os povos antigos tanto valorizavam. Na Ilíada, fica evidente que, ao guerreiro, mais valia ter uma morte digna, com direito a um enterro grandioso, do que sobreviver com a pecha de covarde.

Heitor não resiste aos ataques de Aquiles e acaba morto. Cumprido sua promessa, o herói leva os despojos para junto dos navios, para dar início às festas fúnebres em honra de Pátroclo. São realizados jogos e erguido um túmulo. O corpo de Heitor, seguindo desejo de Aquiles, fica ao léu, para ser consumido pelos cachorros e aves de rapina.

Os deuses, entretanto, comovidos com o sofrimento da família de Heitor, resolvem preservar o cadáver e embutir coragem no velho rei Príamo para que ele vá até o campo aqueu para reaver o corpo. Aquiles, ao ver o ancião implorar pelo filho para dar-lhe um enterro decente, comove-se à recordação do pai, Peleu, que não mais reverá, e entrega-lhe os despojos do filho. Hécuba, a mãe, e Andrômoca acolhem o corpo de Heitor; seu lamento encerra a obra.


Denis Zanini Lima
Santo André, 4/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quase cinquenta de Marta Barcellos
02. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte II de Gian Danton
03. As Mil e Uma Noites de Nélida de Luis Eduardo Matta
04. A Esfinge do Rock de Martim Vasques da Cunha


Mais Denis Zanini Lima
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS CRÔNICAS DE GELO E FOGO - LIVRO UM - A GUERRA DOS TRONOS
GEORGE R. R. MARTIN
LEYA
(2010)
R$ 25,00
+ frete grátis



20.000 LÉGUAS SUBMARINAS
JULES VERNE
GÊNIOS
(2005)
R$ 15,00



FÍSICA HOJE: TERMOLOGIA, ÓPTICA E ONDAS- 2° GRAU
VASCO PEDRO MORETTO
ÁTICA
(1989)
R$ 8,79



A SERVIÇO DO POVO
YAN LIANKE
RECORD
(2008)
R$ 25,00
+ frete grátis



JAMES LEE BURKE
CIMARRON ROSE
PHOENIX
(2005)
R$ 16,00



COZINHA VEGETARIANA. MAÇÃ
CAROLINE BERGEROT
CULTRIX
(2012)
R$ 20,00



GEOGRAFIA - EXPEDIÇÕES GEOGRÁFICAS - 9º ANO
MELHEM ADAS / SERGIO ADAS
MODERNA
(2016)
R$ 29,00



AQUI TEM! (AUTOGRAFADO PELO FERNANDO MELIGENI!)
FERNANDO MELIGENI; ANDRÉ KFOURI
EDIOURO
(2008)
R$ 30,00



IMPACTOS ECONOMICOS E FINANCEIROS DA UNESP PARA OS MUNICIPIOS
JOSÉ MURARI BOVO - ORG
UNESP
(2003)
R$ 5,00



PRAZER E O PENSAR, O, V. 1
MARCOS RIBEIRO
GENTE
(1999)
R$ 6,90





busca | avançada
59670 visitas/dia
1,8 milhão/mês