Três tragédias | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
>>> Does God Exist? de A.E. Taylor pela The Macmillan Company (1947)
>>> Administração Básica de Adelphino Teixeira da Silva pela Atlas (2011)
>>> Como Resolver Conflitos no Trabalho de Jerry Wisinski pela Campus (1994)
>>> Administração de Investimentos de Peter L. Bernstein pela Bookman (2000)
>>> Sistemas Organização e Métodos de Tadeu Cruz pela Atlas (1998)
>>> Os 100 melhores livros de negócios de todos os Tempos de Todd Sattersten Jack Covert pela Campus (2010)
>>> Propaganda de Plínio Cabral pela Atlas (1980)
>>> Empresa Como Organizar e Dirigir de Antônio Carlos Ferreira pela Ouro
>>> Marketing Cultural ao Vivo de Vários pela Francisco Alves (1992)
>>> A Dose Certa de John C. Bogle pela Campus (2009)
>>> Já tenho idade para saber de Michael W. Smith pela BomPastor
>>> Sobreviver não é o Bastante de Seth Godin pela Campus (2002)
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu de Mark W. Baker pela Sextante
>>> Aspectos Legais da Documentação em Meios Micrográficos Magnéticos e Ópticos de Ademar Stringher pela Cenadem (1996)
>>> Go Pro de Eric Worre pela Rumo (2019)
>>> Avaliação da aprendizagem - Componente do ato pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Pílulas do Bem-Estar de Daniel Martins de Barros pela Sextante (2019)
>>> Trilha de Diversos pela EuBlack
>>> Apostila de Vestibular Semi FGV 2 de Não Informado pela Cpv (2003)
>>> Documentos Maranhenses Pantheon Maranhense 2 Volumes de Antônio Henrique Leal pela Alhambra (1987)
>>> Economia de João Paulo de Almeida magalhães pela Não sei (2019)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/7/2002
Três tragédias
Adriana Baggio

+ de 5100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Tragédias urbanas não são privilégio de nenhuma cidade em especial. É claro que, por uma questão de oportunidade, cidades grandes têm um maior número de acontecimentos funestos do que cidades menores. Existe ainda o fator proporcionalidade, mas que não vem ao caso agora. Todo este preâmbulo é para justificar que abordar o universo canino metafórico de João Pessoa não significa dizer que essas coisas só acontecem aqui. Mas como eu moro aqui e leio os jornais daqui (o que, por si só, já é uma tragédia), vou acabar falando daqui mesmo.

Algum tempo atrás houve uma onda de suicídios em João Pessoa. Pode parecer estranho para moradores de outros locais do país, menos dotados pela natureza, que as pessoas se matem em uma terra onde o sol brilha quase o ano todo, onde as frutas são sempre doces e é feriado no dia de São João. Pois é, mas a vida não é só isso. Essa constatação deve ter atormentado as quatro pessoas que, num espaço de 15 dias, resolveram se matar. Além desta concentração de suicídios em um mesmo período, o método utilizado também chocou a opinião pública. Todos eles pularam do alto de edifícios. Eram todas pessoas que, em um país como Brasil, são consideradas privilegiadas: estudavam ou já tinham feito faculdade, tinham profissão, família e não passavam fome. Em um lugar onde roubo de carro sai no jornal, dá para imaginar o frisson da imprensa ao tratar destes casos. As notícias foram seguidas por reportagens sobre o aspecto psicossocial das tragédias, e a especulação sobre o que teria motivado essas pessoas não só a tirar a própria vida, mas fazê-lo da mesma maneira, como se seguissem uma espécie de moda. Depois de um tempo, como acontece com todas as tragédias, essa também foi esquecida. Não se leu mais nada nos jornais sobre suicidas.

A segunda tragédia, mais recente, é o assassinato do prefeito de Santa Luzia, cidade do interior do estado famosa pelas comemorações do São João. Parece história de cangaceiro, mas é bem realidade. Mataram o prefeito, e os acusados são figurinhas ligadas ao poder público, às instituições que, teoricamente, deveriam proteger os cidadãos. Por conta do assassinato, a festa de São João, que atrai milhares de pessoas para a cidade, foi cancelada. A molecada passou direto por Santa Luzia e foi bater em Patos, uma cidade bonita, agradável, também conhecida pelos agitos da festa matuta. A cidade, que organiza sozinha o São João, sem o apoio do governo do estado, nesse ano teve que aturar a presença do vice, candidato a governador da Paraíba. Em troca de shows de bandas do chamado forró cearense, ou forró universitário, aquele tipo de música detestável que de forró não tem nada, o povo teve que agüentar o blá-blá-blá dos políticos empoleirados no palanque. Mas deve ter descido pior para o prefeito, adversário político do candidato ao governo, que acabou ficando apagado como anfitrião da festa.

A pior das tragédias é a pior porque tem um lado cômico. Um suicídio não dá margem para se achar graça. Um assassinato político não dá vontade de rir. Mas uma tragédia que tem o lado cômico faz com que a gente esqueça o que pode estar por trás daquilo que se vê e que provoca risos. Isso é o pior. Se agarrar na possibilidade do riso para não refletir o que motivou o acontecimento. Pois um homem andando nu no meio da rua, calmamente, não provoca riso? E ao mesmo tempo, não causa um desconforto? Considerações sobre o naturalismo à parte, é incômodo ver alguém andando nu no meio da rua, na hora do almoço, porque esse não é um comportamento comum, não é aceitável, não é permitido. Quem andaria dessa maneira, completamente pelado, sob o sol forte de meio-dia? Um tarado? Difícil acreditar, já que o homem não parecia um exibicionista. Ele andava de maneira calma, sem estar atrás de alguém, sem olhar para os lados. Seguia reto pelo asfalto, ignorando a calçada e os carros que paravam para apreciar o espetáculo. Um louco, talvez? É a explicação mais plausível. Só uma pessoa fora do que concebemos como juízo normal andaria dessa maneira pela rua. No momento em que o choque passou e o raciocínio voltou, exigindo uma atitude que, neste caso, era chamar a polícia, ouve-se uma sirene se aproximando. Pelo retrovisor deu para ver os médicos encaminhando o homem para a ambulância, delicadamente, graças a Deus ao contrário do que eu temia. Como todas as tragédias, pequenas e grandes, essa também foi comentada, depois assimilada e digerida pelos mecanismos que nos fazem capazes de conviver com esse tipo de coisa sem maiores prejuízos psicológicos. Enfim, foi esquecida, até o dia de hoje.

Ao ver o homem nu andando na rua, e depois de decidir que 1) ele não deveria ser um tarado, 2) portanto deveria ser louco, passamos para o estágio de tentar descobrir de onde ele poderia ter saído. Avaliando as possibilidades da região lembramos 3) de uma clínica para doentes mentais que fica nas imediações do local onde o pelado apareceu. Assim, depois desse exercício de lógica, acabou-se o mistério e o assunto perdeu seu interesse. Qual não foi minha surpresa ao saber que o homem tinha saído do 16º Batalhão de alguma coisa? Dizem os soldados que ele tirou a roupa, comeu merda (literalmente) e saiu andando pelas ruas do bairro. É ou não é uma tragédia? Se fosse louco, não seria tão trágico. Mas um militar? O que andam fazendo com esses moços dentro dos quartéis? Quem quiser, que aproveite a deixa, e faça uma reflexão sobre o estado da segurança pública do nosso país.


Adriana Baggio
Curitiba, 18/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio
02. A futebolização da política de Luís Fernando Amâncio
03. 'Noé' e 'Êxodo': Bíblia, Especismo e Terrorismo de Duanne Ribeiro
04. Portas se abrindo de Marta Barcellos
05. O jornalismo na fervura de Marta Barcellos


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/7/2002
16h55min
Bem, num dia de ensolarado um rapaz convida seu primo para ir ao estádio assistir uma partida de futebol. Durante o jogo e arremesado um pedaço de cartolina num policial, este se indigna pula o alambrado em direção ao público e começa a empurrar a tudo e a todos em busca de quem arremessou... Infeliz por não achar quem jogou a pesadissima cartolina , resolve agredir pelas costas o primeiro que encontra pela frente ... Resultado uma cacetete de madeira abre um rombo na cabeça de qualquer um , o agredido fui eu, o rapaz que levou o primo mais novo... já faz um ano do ocorrido e com o policial maluco, não aconteceu nada, nenhuma punição... Eu que não sou louco de entrar na justiça contra essa gente... Um abraço
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
21/7/2002
19h01min
Aqui em Belo Horizonte, há muitos anos a imprensa fez um pacto de não noticiar suicídios. Um repórter descobriu naquela ocasião que após a notícia de um deles, seguia-se uma série de mortes e a estratégia deu certo. Apenas quando se consegue evitar a morte é que vemos a notícia nos jornais ou TV.
[Leia outros Comentários de luiz fernando]
22/7/2002
15h19min
Não sou psicóloga, Luiz, mas já ouvi dizer que uma das motivações para o suicídio é a possibilidade de chamar a atenção para a pessoa ou para os problemas que esteja/estava passando. Quando um suicídio aparece na TV, o suicida teve sua cota de atenção, e isso pode motivar outros a fazer o mesmo. É lógico que esse deve ser apenas um dos motivos, uma das diversas molas que impulsionam alguém para um ato desses. Mas se em BH a política de não-divulgação está dando certo, pode ser que exista algum fundamento.
[Leia outros Comentários de Adriana]
23/7/2002
10h57min
Quem é politicamente correto,ou acredita em alguma religião deveria dar uma olhadinha na obra extraordinária de Albert Camus o Mito de Sísifo que aborda com muita lucidez o suicídio.Agora que deve ser chato,é você passar debaixo de um prédio e um maluco cair bem em cima de você.
[Leia outros Comentários de heraldo vasconcellos]
23/7/2002
18h55min
Já que estamos politicamente incorretos, poderia dizer que, antes de pular, normalmente os suicidas esperam a TV chegar e acumular bastante gente embaixo. Ou seja, é mais fácil você ser atingido por um cocô de pomba do que por alguém pulando de um prédio.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AJUDA-TE PELA NOVA AUTO-HIPNOSE
PAUL ADAMS
IBRASA
(1978)
R$ 20,00



ADULTOS SEM FILTRO E OUTRAS CRONICAS
THALITA REBOUCAS
ROCCO
(2012)
R$ 21,87



POR QUE OS HOMENS MENTEM E AS MULHERES CHORAM?
ALLAN E BARBARA PEASE
SEXTANTE
(2003)
R$ 6,00



JUAZEIRO DO PADRE CÍCERO
M. B. LOURENÇO FILHO

R$ 44,00



VAMPIROS EM DALLAS
CHARLAINE HARRIS
ARX
(2010)
R$ 10,00



A MÁSCARA DA MORTE VERMELHA
EDGAR ALLAN POE
MELHORAMENTOS
(2013)
R$ 8,00



O JOVEM FUTEBOLISTA
GARY LINEKER
CIVILIZAÇÃO
(1994)
R$ 11,70



DEVOCIONÁRIO NOSSA SENHORA DA PAZ
MARIA DAS NEVES
SANTA MARIA
(1999)
R$ 3,00



PASSADO E FUTURO DA ERA DA INFORMAÇÃO
RICARDO RANGEL
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,60



PARADOXO GLOBAL
JOHN NAISBITT
CAMPUS
(1998)
R$ 7,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês