Três tragédias | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Memorial de Berlim
>>> The Good Life
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
Mais Recentes
>>> Margarida La Rocque: a Ilha dos Demônios de Dinah Silveira de Queiroz pela Record (1991)
>>> Três famílias: identidades e trajetórias transgeracionais nas classes populares de Luiz Fernando Dias Duarte e Edlaine de Campos Gomes pela FGV (2008)
>>> Crítica da Divisão do Trabalho de André Gorz pela Martins Fontes (2001)
>>> O Mais Belo País é o Teu Sonho de Flávio Moreira da Costa (autografado) pela Record (1995)
>>> O sociologo e o historiador de Pierre Bourdieu e Roger Chartier pela Autentica (2011)
>>> Em defesa da sociologia de Anthony Giddens pela Unesp (2001)
>>> Irmã Morte de Justo Navarro pela Record (2011)
>>> Caos Total de Jean-claude Izzo pela Record (2002)
>>> Medicina Sexualidade e Natalidade de Henrique Augusto Lima (autografado) pela Byk (1999)
>>> Crônicas inéditas 2 de Manuel Bandeira pela Cosac Naify
>>> Adivinhadores de água de Eduardo Escorel pela Cosac Naify (2005)
>>> Flávio de Carvalho: Espaços da Arte Brasileira de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2009)
>>> Cultura e materialismo de Raymond Williams pela Unesp (2011)
>>> O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial de Heitor de Paola pela Observatório Latino (2016)
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
>>> Da anulação ex officio do ato administrativo de João Antunes dos Santos Neto pela Fórum (2004)
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Conexões de Varios Autores pela Abril (2016)
>>> A Quarta Vítima de Théo Iemma pela Scortecci (2005)
>>> Crianças da Noite de Juliano Sasseron pela Novo Século (2011)
>>> Macunaíma de Mário de Andrade pela Ciranda Cultural (2016)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/7/2002
Três tragédias
Adriana Baggio

+ de 4900 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Tragédias urbanas não são privilégio de nenhuma cidade em especial. É claro que, por uma questão de oportunidade, cidades grandes têm um maior número de acontecimentos funestos do que cidades menores. Existe ainda o fator proporcionalidade, mas que não vem ao caso agora. Todo este preâmbulo é para justificar que abordar o universo canino metafórico de João Pessoa não significa dizer que essas coisas só acontecem aqui. Mas como eu moro aqui e leio os jornais daqui (o que, por si só, já é uma tragédia), vou acabar falando daqui mesmo.

Algum tempo atrás houve uma onda de suicídios em João Pessoa. Pode parecer estranho para moradores de outros locais do país, menos dotados pela natureza, que as pessoas se matem em uma terra onde o sol brilha quase o ano todo, onde as frutas são sempre doces e é feriado no dia de São João. Pois é, mas a vida não é só isso. Essa constatação deve ter atormentado as quatro pessoas que, num espaço de 15 dias, resolveram se matar. Além desta concentração de suicídios em um mesmo período, o método utilizado também chocou a opinião pública. Todos eles pularam do alto de edifícios. Eram todas pessoas que, em um país como Brasil, são consideradas privilegiadas: estudavam ou já tinham feito faculdade, tinham profissão, família e não passavam fome. Em um lugar onde roubo de carro sai no jornal, dá para imaginar o frisson da imprensa ao tratar destes casos. As notícias foram seguidas por reportagens sobre o aspecto psicossocial das tragédias, e a especulação sobre o que teria motivado essas pessoas não só a tirar a própria vida, mas fazê-lo da mesma maneira, como se seguissem uma espécie de moda. Depois de um tempo, como acontece com todas as tragédias, essa também foi esquecida. Não se leu mais nada nos jornais sobre suicidas.

A segunda tragédia, mais recente, é o assassinato do prefeito de Santa Luzia, cidade do interior do estado famosa pelas comemorações do São João. Parece história de cangaceiro, mas é bem realidade. Mataram o prefeito, e os acusados são figurinhas ligadas ao poder público, às instituições que, teoricamente, deveriam proteger os cidadãos. Por conta do assassinato, a festa de São João, que atrai milhares de pessoas para a cidade, foi cancelada. A molecada passou direto por Santa Luzia e foi bater em Patos, uma cidade bonita, agradável, também conhecida pelos agitos da festa matuta. A cidade, que organiza sozinha o São João, sem o apoio do governo do estado, nesse ano teve que aturar a presença do vice, candidato a governador da Paraíba. Em troca de shows de bandas do chamado forró cearense, ou forró universitário, aquele tipo de música detestável que de forró não tem nada, o povo teve que agüentar o blá-blá-blá dos políticos empoleirados no palanque. Mas deve ter descido pior para o prefeito, adversário político do candidato ao governo, que acabou ficando apagado como anfitrião da festa.

A pior das tragédias é a pior porque tem um lado cômico. Um suicídio não dá margem para se achar graça. Um assassinato político não dá vontade de rir. Mas uma tragédia que tem o lado cômico faz com que a gente esqueça o que pode estar por trás daquilo que se vê e que provoca risos. Isso é o pior. Se agarrar na possibilidade do riso para não refletir o que motivou o acontecimento. Pois um homem andando nu no meio da rua, calmamente, não provoca riso? E ao mesmo tempo, não causa um desconforto? Considerações sobre o naturalismo à parte, é incômodo ver alguém andando nu no meio da rua, na hora do almoço, porque esse não é um comportamento comum, não é aceitável, não é permitido. Quem andaria dessa maneira, completamente pelado, sob o sol forte de meio-dia? Um tarado? Difícil acreditar, já que o homem não parecia um exibicionista. Ele andava de maneira calma, sem estar atrás de alguém, sem olhar para os lados. Seguia reto pelo asfalto, ignorando a calçada e os carros que paravam para apreciar o espetáculo. Um louco, talvez? É a explicação mais plausível. Só uma pessoa fora do que concebemos como juízo normal andaria dessa maneira pela rua. No momento em que o choque passou e o raciocínio voltou, exigindo uma atitude que, neste caso, era chamar a polícia, ouve-se uma sirene se aproximando. Pelo retrovisor deu para ver os médicos encaminhando o homem para a ambulância, delicadamente, graças a Deus ao contrário do que eu temia. Como todas as tragédias, pequenas e grandes, essa também foi comentada, depois assimilada e digerida pelos mecanismos que nos fazem capazes de conviver com esse tipo de coisa sem maiores prejuízos psicológicos. Enfim, foi esquecida, até o dia de hoje.

Ao ver o homem nu andando na rua, e depois de decidir que 1) ele não deveria ser um tarado, 2) portanto deveria ser louco, passamos para o estágio de tentar descobrir de onde ele poderia ter saído. Avaliando as possibilidades da região lembramos 3) de uma clínica para doentes mentais que fica nas imediações do local onde o pelado apareceu. Assim, depois desse exercício de lógica, acabou-se o mistério e o assunto perdeu seu interesse. Qual não foi minha surpresa ao saber que o homem tinha saído do 16º Batalhão de alguma coisa? Dizem os soldados que ele tirou a roupa, comeu merda (literalmente) e saiu andando pelas ruas do bairro. É ou não é uma tragédia? Se fosse louco, não seria tão trágico. Mas um militar? O que andam fazendo com esses moços dentro dos quartéis? Quem quiser, que aproveite a deixa, e faça uma reflexão sobre o estado da segurança pública do nosso país.


Adriana Baggio
Curitiba, 18/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. It's evolution, baby de Luís Fernando Amâncio
02. O pródigo e o consumo de Eugenia Zerbini
03. A grama do vizinho de Adriane Pasa
04. Procure saber: os novos donos da história de Gian Danton
05. Mulher-Flamingo de Marilia Mota Silva


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/7/2002
16h55min
Bem, num dia de ensolarado um rapaz convida seu primo para ir ao estádio assistir uma partida de futebol. Durante o jogo e arremesado um pedaço de cartolina num policial, este se indigna pula o alambrado em direção ao público e começa a empurrar a tudo e a todos em busca de quem arremessou... Infeliz por não achar quem jogou a pesadissima cartolina , resolve agredir pelas costas o primeiro que encontra pela frente ... Resultado uma cacetete de madeira abre um rombo na cabeça de qualquer um , o agredido fui eu, o rapaz que levou o primo mais novo... já faz um ano do ocorrido e com o policial maluco, não aconteceu nada, nenhuma punição... Eu que não sou louco de entrar na justiça contra essa gente... Um abraço
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
21/7/2002
19h01min
Aqui em Belo Horizonte, há muitos anos a imprensa fez um pacto de não noticiar suicídios. Um repórter descobriu naquela ocasião que após a notícia de um deles, seguia-se uma série de mortes e a estratégia deu certo. Apenas quando se consegue evitar a morte é que vemos a notícia nos jornais ou TV.
[Leia outros Comentários de luiz fernando]
22/7/2002
15h19min
Não sou psicóloga, Luiz, mas já ouvi dizer que uma das motivações para o suicídio é a possibilidade de chamar a atenção para a pessoa ou para os problemas que esteja/estava passando. Quando um suicídio aparece na TV, o suicida teve sua cota de atenção, e isso pode motivar outros a fazer o mesmo. É lógico que esse deve ser apenas um dos motivos, uma das diversas molas que impulsionam alguém para um ato desses. Mas se em BH a política de não-divulgação está dando certo, pode ser que exista algum fundamento.
[Leia outros Comentários de Adriana]
23/7/2002
10h57min
Quem é politicamente correto,ou acredita em alguma religião deveria dar uma olhadinha na obra extraordinária de Albert Camus o Mito de Sísifo que aborda com muita lucidez o suicídio.Agora que deve ser chato,é você passar debaixo de um prédio e um maluco cair bem em cima de você.
[Leia outros Comentários de heraldo vasconcellos]
23/7/2002
18h55min
Já que estamos politicamente incorretos, poderia dizer que, antes de pular, normalmente os suicidas esperam a TV chegar e acumular bastante gente embaixo. Ou seja, é mais fácil você ser atingido por um cocô de pomba do que por alguém pulando de um prédio.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JORNADAS DE REDENÇÃO
ARMANDO FERNANDES DE OLIVEIRA
DO LAR
(1986)
R$ 6,00



A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
ANTONIO CARLOS DE QUEIROZ SILVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



BLUES YOU CAN USE + CD
JOHN GANAPES
HAL LEONARD
R$ 80,00



STRIPTIRAS, V. 2
LAERTE
L PM EDITORES
(2007)
R$ 10,00



O USO DA CHAMADA VOZ PASSIVA SINTÉTICA EM ANÚNCIOS
REGINA MARIA GONÇALVES MENDES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



DIREITO TRIBUTÁRIO VERSUS MERCADO: O LIBERALISMO NA REFORMA DO ES
MARCOS ROGÉRIO PALMEIRA
RENOVAR
(2005)
R$ 18,28



A STEAM ODYSSEY
THE RAILROAD, VICTOR HAND
NORTON
(2018)
R$ 200,00



VALORES JUDAICOS NO MUNDO EM TRANSICAO
RABINO YEHUDA AMITAL
SEFER
(2011)
R$ 12,00



BOTA DE GARRÃO 5 ED. (4268)
JAYME CAETANO BRAUN
SULINA
(1988)
R$ 18,00



BREVE SEGUNDA VIDA DE BREE TANNER: UMA HISTORIA DE
STEPHENIE MEYER
INTRINSECA
(2010)
R$ 9,20





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês