Três tragédias | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Circomuns Com Circo Teatro Palombar
>>> Prêmio AF de Arte Contemporânea abre inscrições para a edição comemorativa de 10 anos
>>> Inscrições abertas para o Prêmio LOBA Festival: objetivo é fomentar o protagonismo de escritoras
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Os dois lados da cerca
>>> A primeira vez de uma leitora
>>> Se eu fosse você 2
>>> Banana Republic
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Construção de um sonho
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> A crise dos 28
Mais Recentes
>>> Coleção Enciclopédia Disney - 8 Volumes de Disney pela Planeta (2001)
>>> Fórum dos Coordenadores de Joaquim Barbosa / Bárbara Sicardi pela Metodista (2003)
>>> O Último Portal de Eliana Martins / Rosana Rios pela Seguinte (2003)
>>> Batman Planetary - Edição de Luxo de Warren Ellis - John Cassaday - Dc Comics pela Panini (2014)
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes de Joyce Meyer pela Thomas Nelson (2001)
>>> Democracia Francesa de V Giscard D Estaing pela Difel (1977)
>>> Esperança Viva - Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora (2016)
>>> Manual Merck de Veterinaria de Merck pela Roca (2001)
>>> Conjugar Es Fácil En Español De España Y De América (spanish Edition) de González Hermoso, Alfredo pela Edelsa Grupo Didascalia (1997)
>>> Amy, Minha Filha - Amy, My Daughter de Micht Winehouse pela Record (2012)
>>> Avaliação da Inteligência de Marília Ancona-Lopez pela E.p.u (1987)
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela Jose Olympio (1973)
>>> Contos E Lendas - Os Doze Trabalhos De Hércules de Christian Grenier - Carlos Fonseca ilustrador pela Cia Das Letrinhas (2013)
>>> Educação do Olhar Vol2 de Vários Autores pela Mec (1998)
>>> Tres Sombras de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos Na Cia (2019)
>>> Federico Garcia Lorca - Obra Poetica Completa de Federico Garcia Lorca pela Unb - Martins Fontes (1990)
>>> Postura Profissional do Educador de Ana Maria Santana Martins pela Jcr (1999)
>>> Fale Tudo Em Inglês! - Inclui Cd Audio de José Roberto A. Igreja pela Disal (2007)
>>> Prazeres da Docência de Magalli B. Picchi pela Arte & Ciência (2003)
>>> Pequeno Dicionário Ilustrado Palavras Inventadas de Marcelo Godoi pela Sagui (2007)
>>> O que é Música de J. Jota de Moraes pela Brasiliense (1983)
>>> Para os Filhos dos Filhos dos Nossos Filhos de José Pacheco pela Papirus (2008)
>>> Liderando Crianças com Excelêcia de Márcia S.Ribeiro pela Videira (2008)
>>> Linguagem e Escola: Uma Perspectiva Social de Magda Soares pela Atica (1986)
>>> Regras Oficiais De Voleibol de Vários Autores pela Nd-sprint (1998)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/7/2002
Três tragédias
Adriana Baggio
+ de 6200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Tragédias urbanas não são privilégio de nenhuma cidade em especial. É claro que, por uma questão de oportunidade, cidades grandes têm um maior número de acontecimentos funestos do que cidades menores. Existe ainda o fator proporcionalidade, mas que não vem ao caso agora. Todo este preâmbulo é para justificar que abordar o universo canino metafórico de João Pessoa não significa dizer que essas coisas só acontecem aqui. Mas como eu moro aqui e leio os jornais daqui (o que, por si só, já é uma tragédia), vou acabar falando daqui mesmo.

Algum tempo atrás houve uma onda de suicídios em João Pessoa. Pode parecer estranho para moradores de outros locais do país, menos dotados pela natureza, que as pessoas se matem em uma terra onde o sol brilha quase o ano todo, onde as frutas são sempre doces e é feriado no dia de São João. Pois é, mas a vida não é só isso. Essa constatação deve ter atormentado as quatro pessoas que, num espaço de 15 dias, resolveram se matar. Além desta concentração de suicídios em um mesmo período, o método utilizado também chocou a opinião pública. Todos eles pularam do alto de edifícios. Eram todas pessoas que, em um país como Brasil, são consideradas privilegiadas: estudavam ou já tinham feito faculdade, tinham profissão, família e não passavam fome. Em um lugar onde roubo de carro sai no jornal, dá para imaginar o frisson da imprensa ao tratar destes casos. As notícias foram seguidas por reportagens sobre o aspecto psicossocial das tragédias, e a especulação sobre o que teria motivado essas pessoas não só a tirar a própria vida, mas fazê-lo da mesma maneira, como se seguissem uma espécie de moda. Depois de um tempo, como acontece com todas as tragédias, essa também foi esquecida. Não se leu mais nada nos jornais sobre suicidas.

A segunda tragédia, mais recente, é o assassinato do prefeito de Santa Luzia, cidade do interior do estado famosa pelas comemorações do São João. Parece história de cangaceiro, mas é bem realidade. Mataram o prefeito, e os acusados são figurinhas ligadas ao poder público, às instituições que, teoricamente, deveriam proteger os cidadãos. Por conta do assassinato, a festa de São João, que atrai milhares de pessoas para a cidade, foi cancelada. A molecada passou direto por Santa Luzia e foi bater em Patos, uma cidade bonita, agradável, também conhecida pelos agitos da festa matuta. A cidade, que organiza sozinha o São João, sem o apoio do governo do estado, nesse ano teve que aturar a presença do vice, candidato a governador da Paraíba. Em troca de shows de bandas do chamado forró cearense, ou forró universitário, aquele tipo de música detestável que de forró não tem nada, o povo teve que agüentar o blá-blá-blá dos políticos empoleirados no palanque. Mas deve ter descido pior para o prefeito, adversário político do candidato ao governo, que acabou ficando apagado como anfitrião da festa.

A pior das tragédias é a pior porque tem um lado cômico. Um suicídio não dá margem para se achar graça. Um assassinato político não dá vontade de rir. Mas uma tragédia que tem o lado cômico faz com que a gente esqueça o que pode estar por trás daquilo que se vê e que provoca risos. Isso é o pior. Se agarrar na possibilidade do riso para não refletir o que motivou o acontecimento. Pois um homem andando nu no meio da rua, calmamente, não provoca riso? E ao mesmo tempo, não causa um desconforto? Considerações sobre o naturalismo à parte, é incômodo ver alguém andando nu no meio da rua, na hora do almoço, porque esse não é um comportamento comum, não é aceitável, não é permitido. Quem andaria dessa maneira, completamente pelado, sob o sol forte de meio-dia? Um tarado? Difícil acreditar, já que o homem não parecia um exibicionista. Ele andava de maneira calma, sem estar atrás de alguém, sem olhar para os lados. Seguia reto pelo asfalto, ignorando a calçada e os carros que paravam para apreciar o espetáculo. Um louco, talvez? É a explicação mais plausível. Só uma pessoa fora do que concebemos como juízo normal andaria dessa maneira pela rua. No momento em que o choque passou e o raciocínio voltou, exigindo uma atitude que, neste caso, era chamar a polícia, ouve-se uma sirene se aproximando. Pelo retrovisor deu para ver os médicos encaminhando o homem para a ambulância, delicadamente, graças a Deus ao contrário do que eu temia. Como todas as tragédias, pequenas e grandes, essa também foi comentada, depois assimilada e digerida pelos mecanismos que nos fazem capazes de conviver com esse tipo de coisa sem maiores prejuízos psicológicos. Enfim, foi esquecida, até o dia de hoje.

Ao ver o homem nu andando na rua, e depois de decidir que 1) ele não deveria ser um tarado, 2) portanto deveria ser louco, passamos para o estágio de tentar descobrir de onde ele poderia ter saído. Avaliando as possibilidades da região lembramos 3) de uma clínica para doentes mentais que fica nas imediações do local onde o pelado apareceu. Assim, depois desse exercício de lógica, acabou-se o mistério e o assunto perdeu seu interesse. Qual não foi minha surpresa ao saber que o homem tinha saído do 16º Batalhão de alguma coisa? Dizem os soldados que ele tirou a roupa, comeu merda (literalmente) e saiu andando pelas ruas do bairro. É ou não é uma tragédia? Se fosse louco, não seria tão trágico. Mas um militar? O que andam fazendo com esses moços dentro dos quartéis? Quem quiser, que aproveite a deixa, e faça uma reflexão sobre o estado da segurança pública do nosso país.


Adriana Baggio
Curitiba, 18/7/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e... de Renato Alessandro dos Santos
02. God save the newspapers! de Rafael Rodrigues
03. A Marie Antoinette de Sofia Coppola de David Donato
04. Mademoiselle Colette de Helena Vasconcelos
05. Quando Paris era uma festa de Helena Vasconcelos


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Querido, eu me rendo - 2/5/2002
04. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
05. Homens, cães e livros - 15/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/7/2002
16h55min
Bem, num dia de ensolarado um rapaz convida seu primo para ir ao estádio assistir uma partida de futebol. Durante o jogo e arremesado um pedaço de cartolina num policial, este se indigna pula o alambrado em direção ao público e começa a empurrar a tudo e a todos em busca de quem arremessou... Infeliz por não achar quem jogou a pesadissima cartolina , resolve agredir pelas costas o primeiro que encontra pela frente ... Resultado uma cacetete de madeira abre um rombo na cabeça de qualquer um , o agredido fui eu, o rapaz que levou o primo mais novo... já faz um ano do ocorrido e com o policial maluco, não aconteceu nada, nenhuma punição... Eu que não sou louco de entrar na justiça contra essa gente... Um abraço
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
21/7/2002
19h01min
Aqui em Belo Horizonte, há muitos anos a imprensa fez um pacto de não noticiar suicídios. Um repórter descobriu naquela ocasião que após a notícia de um deles, seguia-se uma série de mortes e a estratégia deu certo. Apenas quando se consegue evitar a morte é que vemos a notícia nos jornais ou TV.
[Leia outros Comentários de luiz fernando]
22/7/2002
15h19min
Não sou psicóloga, Luiz, mas já ouvi dizer que uma das motivações para o suicídio é a possibilidade de chamar a atenção para a pessoa ou para os problemas que esteja/estava passando. Quando um suicídio aparece na TV, o suicida teve sua cota de atenção, e isso pode motivar outros a fazer o mesmo. É lógico que esse deve ser apenas um dos motivos, uma das diversas molas que impulsionam alguém para um ato desses. Mas se em BH a política de não-divulgação está dando certo, pode ser que exista algum fundamento.
[Leia outros Comentários de Adriana]
23/7/2002
10h57min
Quem é politicamente correto,ou acredita em alguma religião deveria dar uma olhadinha na obra extraordinária de Albert Camus o Mito de Sísifo que aborda com muita lucidez o suicídio.Agora que deve ser chato,é você passar debaixo de um prédio e um maluco cair bem em cima de você.
[Leia outros Comentários de heraldo vasconcellos]
23/7/2002
18h55min
Já que estamos politicamente incorretos, poderia dizer que, antes de pular, normalmente os suicidas esperam a TV chegar e acumular bastante gente embaixo. Ou seja, é mais fácil você ser atingido por um cocô de pomba do que por alguém pulando de um prédio.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Gestão de Custos e Formação de Preços: Com Aplicações
Adriano Leal Bruni, Rubens Famá
Atlas
(2002)



New English File Workbook Elementary Level Com Cd
Clive Oxenden
Oxford
(2004)



Marechal Eurico Gaspar Dutra: O dever da verdade
Mauro Renault Leite & Novelli Júnior (Org.)
Nova Fronteira
(1983)



Os Imigrantes
Howard Fast
Record
(1977)



Schaum's Outlines of Biochemistry
Philip W. Kuchel
McGraw Hill
(2010)



Dentro Do Escuro Mora Um Segredo
Alessandra Roscoe
Gaivota
(2019)



James Joyce
Edna Obrien
Penguin Usa
(2011)



Regras Oficiais de Basquetebol e Manual dos Árbitros 2001
Sistema de Ensino Coc
Coc
(2001)



Shabush e os Três Fios Mágicos
Amina Shah
Kadyc
(1999)



Arte é... Música
Núria Roca; Rosa Curto
Escala
(2006)





busca | avançada
45137 visitas/dia
2,3 milhões/mês