A fúria do demônio | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/9/2002
A fúria do demônio
Adriana Baggio

+ de 5600 Acessos

Shakespeare já dizia que não há estrago na natureza que se compare à destruição causada pela fúria de uma mulher desprezada. Ainda mais quando essa mulher consegue o poder necessário para perseguir aqueles que a fizeram sofrer.

Este é apenas um aspecto do caráter de uma das mulheres mais fascinantes da nossa história recente: Chiang Ching, esposa do ex-ditador da China, Mao Tse-Tung. Todo o estrago causado por Chiang Ching durante o regime político de seu marido fez com que fosse conhecida como Demônio de Ossos Brancos. Um epíteto nada lisonjeiro para quem usou nomes com significados bem mais singelos, como Rio Verde (Chiang Ching) e Maçã Azul (Lan Ping).

A vida de Chiang Ching foi banida dos livros da história da China, mas agora é resgatada através do romance de Anchee Min, A construção de Madame Mao (Rocco, 2002). Jornalista e mestre em Cinema e Televisão, Anhee Min chegou a conhecer Madame Mao pessoalmente, quando trabalhava nos estúdios de cinema de Pequim, dirigidos pela esposa do ditador. Mais tarde, já vivendo nos Estados Unidos, Anchee Min relata a vida de Chiang Ching de uma maneira polêmica, apresentando uma mulher com uma vida extremamente sofrida e solitária, e que usou o poder para se vingar daqueles que atrapalharam seu caminho.

Madame Mao nasceu uma menina pobre, filha de uma concubina de um senhor rural do interior da China. Revoltada com a sina de seguir o mesmo destino da mãe - uma entre as muitas mulheres de um pequeno fazendeiro, constantemente espancada pelo marido -, Chiang, então chamada Yunhe, recusa-se a adotar os mesmos costumes das meninas de sua época. Em uma atitude rebelde, inspirada não se sabe onde, Yunhe recusa-se a ter os pés atrofiados. Depois de algumas semanas de sofrimento com os pés atados, latejantes, manchados de roxo e amarelo e encharcados de pus, a menina decide libertar-se do costume cruel e deixa os pés crescerem livremente, para desespero da mãe.

A futura Madame Mao considera-se um pavão entre galinhas, uma metáfora recorrente no texto de Anchee Min. Este conceito de si própria faz com que Yunhe abandone um casamento arranjado e vá em busca de sua liberdade. Junta-se a uma companhia de ópera, vai para Xangai, trabalha em filmes classe B até juntar-se ao Partido Comunista. Nesse meio tempo, Yunhe troca seu nome para Lan Ping e envolve-se com diversos homens. Todos os relacionamentos da jovem e bela atriz são cheios de paixão e sofrimento. Parece que Lan Ping está sempre em um palco, representando um drama. Aliás, o livro mostra claramente o quanto a personagem sente-se à vontade em situações de emoções extremas.

Lan Ping junta-se ao Partido Comunista por uma ideologia baseada no seu interesse pessoal. Por conta disso, quando é presa e acusada de colaborar com os comunistas, Lan Ping nega fervorosamente suas relações e denuncia colegas do Partido, fato que, mais tarde, será veementemente negado por ela.

A construção de Madame Mao começa quando Lan junta-se a um acampamento do Partido no interior da China. A moça bonita, de pele clara, ainda não castigada pelo tempo e pelo trabalho duro dos acampamentos, atrai o líder Mao Tsé-Tung. Para ficar com ele, Lan precisa apagar qualquer vestígio que seja desabonador para uma futura esposa do Grande Timoneiro. Com a ajuda de um dos grandes aliados de Mao, Lan constrói sua nova imagem e casa-se com o futuro ditador.

Todos os atos de Lan, que ganha do marido o nome de Chiang Ching, são realizados calculadamente para alcançar o que a atriz mais deseja: o papel de protagonista na história da China. Mas depois de alguns anos de casamento, Chiang é abandonada pelo marido, embora continue oficialmente casada com ele. Nesse ponto, o livro traça um dos retratos mais repugnantes do ditador: um homem cruel, inteligente mas ingênuo, com uma sede enorme de poder e de eternidade. Mao acreditava piamente que viveria para sempre se mantivesse constantemente relações sexuais com virgens. As virgens eram recrutadas nas aldeias pobres do interior do país e enviadas ao Palácio Imperial, como vacas para um abatedouro. Chiang Ching, impotente diante da indiferença do marido, ridicularizada em suas tentativas de obter o reconhecimento por seu auxílio na direção do país, mais uma vez pede ajuda ao homem de confiança de Mao para recuperar sua importância junto ao ditador.

Foi nessa fase turbulenta para Mao enquanto governante, e para Chiang Ching enquanto esposa, que nascem os primeiros movimentos da Revolução Cultural. A Revolução Cultural foi responsável pela perseguição e morte de intelectuais chineses, com a clássica desculpa de que eram inimigos do povo. Chiang Ching teve um papel fundamental na organização e na condução da Revolução. Nesse drama, o Demônio de Ossos Brancos assume seu maior papel. É um período de intensa satisfação para Chiang. Sendo necessária, consegue a atenção do ditador. De uma maneira doentia, o casamento deles se fortalece, e Madame Mao assegura sua posição dentro do Partido e como braço direito de Mao. Mao, por sua vez, tem a saúde cada vez mais debilitada, e Madame Mao espera substituir o marido no comando da China.

Anchee Min sugere no livro que a Revolução Cultural teve causas muito mais mesquinhas do que poderia se esperar de um movimento desta magnitude. Para Mao, a Revolução Cultural foi uma maneira de vingar-se dos intelectuais de Pequim que o desprezaram na época da universidade. Para Chiang Ching,, a Revolução foi uma maneira de se aproximar do marido, e também de eliminar as pessoas que a fizeram sofrer no passado.

É a fúria da mulher que foi maltratada na infância, desprezada por alguns amantes e que não teve o merecido reconhecimento por sua atuação no governo da China. Sem entrar no mérito das suas atitudes, na crueldade das suas armações, é preciso reconhecer Chiang Ching como uma das grandes feministas do século XX. Desde a recusa em ter seus pés amarrados até o fato de não conformar-se com o papel secundário que lhe foi delegado, Chiang Ching lutou por coisas que as feministas reivindicavam no mundo ocidental: fim da opressão e da violência física, direitos iguais, oportunidade para desenvolver um papel que não fosse somente o de esposa, mãe e dona-de-casa. Na conservadora China, foi um sacrilégio. Madame Mao foi presa em seguida a morte do marido e excluída dos livros de história. Como nunca se conformou em que tomassem as rédeas de seu destino, o Demônio suicidou-se na cadeia, em 1991.

Para ir além





Adriana Baggio
Curitiba, 12/9/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
03. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
04. Morrer, na literatura de Marta Barcellos
05. A coisa tá preta de Cassionei Niches Petry


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO INGLÊS
HUNTER BOOKS (ORG)
HUNTER
(2014)
R$ 20,00



SEM MEDO DE TER MEDO
TITO PAES DE BARROS NETO
CASA DO PSICOLOGO
(2000)
R$ 90,00



RICK E A GIRAFA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
ÁTICA
(2012)
R$ 5,00



É TUDO VERDADE - ITS ALL TRUE 2001
AMIR LABAKI (ORG.)
CCBB
(2001)
R$ 8,11



CARNAVAL E SAMBA EM EVOLUÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO
MARIA APPARECIDA URBANO
PLÊIADE
(2006)
R$ 23,00



UM MEDO POR DEMAIS INTELIGENTE, AUTOBIOGRAFIAS PESSOAIS
AMERICO LINDEZA DIOGO E ROSA SIL MONTEIRO
ANGELUS NOVUS
(1994)
R$ 33,07



CAVERNA DOS MONSTROS
STELLA CARR
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 5,00



JOGOS E BRINCADEIRAS
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 26,95



DA GORDURA À FORMOSURA EM QUALQUER IDADE
SARÍ HARRAR ALISA BAUMAN
PLÁTANO
(2000)
R$ 77,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês