A fúria do demônio | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Tom Wolfe
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
Mais Recentes
>>> A Inquisicção de Sonia A Siqueira pela FTD (1998)
>>> Cartas Portuguesas de Nuno Júdice (edição e prefácio) pela Sibila (2019)
>>> O Amor todas as horas de Luiz Torlei Aragão pela Andre Quice (1996)
>>> Legado de Amor de Paulo Afonso Silva pela Cefak (2018)
>>> Parasitologia Humana e Seus Fundamentos Gerais de Sérgio Cimerman; Benjamin Cimerman pela Atheneu (1999)
>>> Proteção Internacional dos Direito Humanos de Emerson Garcia pela Lumen (2009)
>>> historia abreviada da UFC de antonio martins filho pela Unb (1996)
>>> A Ronda da Noite de Agustina Bessa-Luís pela Relógio D´Água (2019)
>>> Homens Que Não Conseguem Amar de Steven Carter & Julia Sokol pela Sextante (2009)
>>> O Café de Lenine de Nuno Júdice pela D. Quixote (2019)
>>> Terras de Sombras de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> Regência de Ossos de Marcelo Paschoalin pela Letra Impressa (2013)
>>> Pensamentos sem Fronteiras de Paulo Webber Gil pela Autografia (2017)
>>> O ano sabático de João Tordo pela Companhia das Letras (2018)
>>> Fábulas italianos de Italo Calvino pela Companhia de Bolso (1990)
>>> Golpe de Vista de V J Palaoro pela Atual (2010)
>>> Trilhas para o Rio de André Urani pela Campus (2008)
>>> Hotel Memória de João Tordo pela Companhia das Letras (2021)
>>> Ler, Viver e Amar de Jennifer Kaufman pela Casa da Palvra (2011)
>>> Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Pesquisa de Marketing de Carl Mcdaniel pela Cengage (2002)
>>> A Arte dos Relacionamentos Saudáveis e Duradouros de José Augusto Lima Goldoni pela Textos & Livros
>>> Lá Fora de Pedro Mexia pela Tinta-da-China (2020)
>>> O Nosso Jeito de Wiliam V. K. de Matos Silva pela Holy Acts
>>> A Conquista da Matemática 8 : Caderno de Atividades - Bncc de Giovanni pela Didáticos
COLUNAS

Quinta-feira, 12/9/2002
A fúria do demônio
Adriana Baggio

+ de 6100 Acessos

Shakespeare já dizia que não há estrago na natureza que se compare à destruição causada pela fúria de uma mulher desprezada. Ainda mais quando essa mulher consegue o poder necessário para perseguir aqueles que a fizeram sofrer.

Este é apenas um aspecto do caráter de uma das mulheres mais fascinantes da nossa história recente: Chiang Ching, esposa do ex-ditador da China, Mao Tse-Tung. Todo o estrago causado por Chiang Ching durante o regime político de seu marido fez com que fosse conhecida como Demônio de Ossos Brancos. Um epíteto nada lisonjeiro para quem usou nomes com significados bem mais singelos, como Rio Verde (Chiang Ching) e Maçã Azul (Lan Ping).

A vida de Chiang Ching foi banida dos livros da história da China, mas agora é resgatada através do romance de Anchee Min, A construção de Madame Mao (Rocco, 2002). Jornalista e mestre em Cinema e Televisão, Anhee Min chegou a conhecer Madame Mao pessoalmente, quando trabalhava nos estúdios de cinema de Pequim, dirigidos pela esposa do ditador. Mais tarde, já vivendo nos Estados Unidos, Anchee Min relata a vida de Chiang Ching de uma maneira polêmica, apresentando uma mulher com uma vida extremamente sofrida e solitária, e que usou o poder para se vingar daqueles que atrapalharam seu caminho.

Madame Mao nasceu uma menina pobre, filha de uma concubina de um senhor rural do interior da China. Revoltada com a sina de seguir o mesmo destino da mãe - uma entre as muitas mulheres de um pequeno fazendeiro, constantemente espancada pelo marido -, Chiang, então chamada Yunhe, recusa-se a adotar os mesmos costumes das meninas de sua época. Em uma atitude rebelde, inspirada não se sabe onde, Yunhe recusa-se a ter os pés atrofiados. Depois de algumas semanas de sofrimento com os pés atados, latejantes, manchados de roxo e amarelo e encharcados de pus, a menina decide libertar-se do costume cruel e deixa os pés crescerem livremente, para desespero da mãe.

A futura Madame Mao considera-se um pavão entre galinhas, uma metáfora recorrente no texto de Anchee Min. Este conceito de si própria faz com que Yunhe abandone um casamento arranjado e vá em busca de sua liberdade. Junta-se a uma companhia de ópera, vai para Xangai, trabalha em filmes classe B até juntar-se ao Partido Comunista. Nesse meio tempo, Yunhe troca seu nome para Lan Ping e envolve-se com diversos homens. Todos os relacionamentos da jovem e bela atriz são cheios de paixão e sofrimento. Parece que Lan Ping está sempre em um palco, representando um drama. Aliás, o livro mostra claramente o quanto a personagem sente-se à vontade em situações de emoções extremas.

Lan Ping junta-se ao Partido Comunista por uma ideologia baseada no seu interesse pessoal. Por conta disso, quando é presa e acusada de colaborar com os comunistas, Lan Ping nega fervorosamente suas relações e denuncia colegas do Partido, fato que, mais tarde, será veementemente negado por ela.

A construção de Madame Mao começa quando Lan junta-se a um acampamento do Partido no interior da China. A moça bonita, de pele clara, ainda não castigada pelo tempo e pelo trabalho duro dos acampamentos, atrai o líder Mao Tsé-Tung. Para ficar com ele, Lan precisa apagar qualquer vestígio que seja desabonador para uma futura esposa do Grande Timoneiro. Com a ajuda de um dos grandes aliados de Mao, Lan constrói sua nova imagem e casa-se com o futuro ditador.

Todos os atos de Lan, que ganha do marido o nome de Chiang Ching, são realizados calculadamente para alcançar o que a atriz mais deseja: o papel de protagonista na história da China. Mas depois de alguns anos de casamento, Chiang é abandonada pelo marido, embora continue oficialmente casada com ele. Nesse ponto, o livro traça um dos retratos mais repugnantes do ditador: um homem cruel, inteligente mas ingênuo, com uma sede enorme de poder e de eternidade. Mao acreditava piamente que viveria para sempre se mantivesse constantemente relações sexuais com virgens. As virgens eram recrutadas nas aldeias pobres do interior do país e enviadas ao Palácio Imperial, como vacas para um abatedouro. Chiang Ching, impotente diante da indiferença do marido, ridicularizada em suas tentativas de obter o reconhecimento por seu auxílio na direção do país, mais uma vez pede ajuda ao homem de confiança de Mao para recuperar sua importância junto ao ditador.

Foi nessa fase turbulenta para Mao enquanto governante, e para Chiang Ching enquanto esposa, que nascem os primeiros movimentos da Revolução Cultural. A Revolução Cultural foi responsável pela perseguição e morte de intelectuais chineses, com a clássica desculpa de que eram inimigos do povo. Chiang Ching teve um papel fundamental na organização e na condução da Revolução. Nesse drama, o Demônio de Ossos Brancos assume seu maior papel. É um período de intensa satisfação para Chiang. Sendo necessária, consegue a atenção do ditador. De uma maneira doentia, o casamento deles se fortalece, e Madame Mao assegura sua posição dentro do Partido e como braço direito de Mao. Mao, por sua vez, tem a saúde cada vez mais debilitada, e Madame Mao espera substituir o marido no comando da China.

Anchee Min sugere no livro que a Revolução Cultural teve causas muito mais mesquinhas do que poderia se esperar de um movimento desta magnitude. Para Mao, a Revolução Cultural foi uma maneira de vingar-se dos intelectuais de Pequim que o desprezaram na época da universidade. Para Chiang Ching,, a Revolução foi uma maneira de se aproximar do marido, e também de eliminar as pessoas que a fizeram sofrer no passado.

É a fúria da mulher que foi maltratada na infância, desprezada por alguns amantes e que não teve o merecido reconhecimento por sua atuação no governo da China. Sem entrar no mérito das suas atitudes, na crueldade das suas armações, é preciso reconhecer Chiang Ching como uma das grandes feministas do século XX. Desde a recusa em ter seus pés amarrados até o fato de não conformar-se com o papel secundário que lhe foi delegado, Chiang Ching lutou por coisas que as feministas reivindicavam no mundo ocidental: fim da opressão e da violência física, direitos iguais, oportunidade para desenvolver um papel que não fosse somente o de esposa, mãe e dona-de-casa. Na conservadora China, foi um sacrilégio. Madame Mao foi presa em seguida a morte do marido e excluída dos livros de história. Como nunca se conformou em que tomassem as rédeas de seu destino, o Demônio suicidou-se na cadeia, em 1991.

Para ir além





Adriana Baggio
Curitiba, 12/9/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
02. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
03. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
04. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
05. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Querido, eu me rendo - 2/5/2002
05. Homens, cães e livros - 15/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Presidentes
Rodrigo Vizeu
Harper Collins
(2019)



A Poluição - Biblioteca Salvat de Grandes Temas - 1
Juan Senent
Salvat
(1979)



Tecnologia da Informação
Alberto Luiz Albertin / Rosa Maria de Moura
Atlas
(2004)



Juntos Nessa 2 - Portugues
Daniela Passos
Leya
(2014)



Do B - Crônicas Críticas para o Caderno B do Jornal do Brasil
Eugênio Bucci
Record
(2003)



O Piano e a Orquestra: Romance
Carlos Heitor Cony
Companhia das Letras
(1996)



Introdução ao Estudo da Filosofia
Antônio Xavier Teles
Ática
(1982)



Assistente de Administração 2 - Colégio Pedro II - nível médio
Emanuela Amaral de Souza
Nova Concursos
(2017)



Revista Bohemia 27 de Octubre 1989 Ano 81 No 43
Não Informado
Não Informado



Indomada
P. C. Cast e Kristin Cast
Intrínseca
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês