Confissão da miserabilidade gastronômica | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
>>> Meu Destino é Pecar de Suzana Flag (Nelson Rodrigues) pela Ediouro
>>> Guerra Dentro do Beco de Jorge de Lima pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Avalovara de Osman Lins pela Melhoramentos (1975)
COLUNAS >>> Especial Gastronomia

Quarta-feira, 6/6/2001
Confissão da miserabilidade gastronômica
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2600 Acessos

Confesso minha total ignorância em se tratando de paladar. Não faço mea culpa, porém. Venho de uma família culturalmente pobre, que jamais me educou para as artes da mesa. Para eles, comida boa era comida farta, não importando nada desse troço de "sabor". Curiosamente, tenho um tio hoje no ostracismo familiar - como eu - que era um verdadeiro chef, sem jamais saber disso. Sabia fazer pratos maravilhosos, inventivos e, seguindo a tradição da família, fartos. Lembro-me de suas pizzas; na verdade sinto saudades delas: eram simplesmente luxuriantes em seus recheios.

Ao mesmo tempo em que éramos pobres culturalmente, vivíamos, nos anos 80, algum tipo de glória econômica. Obviamente que não falo isso para me gabar, até mesmo porque a pecha de novo-rico me cairia bem depois da sentença anterior. Apenas digo isto para situá-los no contexto daqueles que, como eu, são verdadeiros analfabetos gastronômicos. A significativa bonança na conta bancária não trouxe cultura a meus pais, mas me deu dores de cabeça que hoje recordo, por causa deste texto. Como ser discriminado por primos, tios, tias e avós por não gostar de certas coisas, por evitar algumas comidas que ao meu paladar latente não agradavam.

Deve haver alguma teoria que relaciona Freud à comida. Eu fui reprimido gastronomicamente. Não é à toa que escrevo sobre um prato ordinário, apesar de sua importância simbólica para o País: o arroz-com-feijão.

Antes de entrar no arroz-com-feijão propriamente dito, preciso dizer que a repressão me impulsiona a discutir os aspectos da repressão gastronômica num país de - não me deixam esquecer! - miseráveis. Há algum tempo uma leitora escreveu dizendo que era um verdadeiro insulto discutir livros e filmes num país onde as pessoas passavam fome, onde os políticos roubavam, onde as crianças morriam de doenças pré-históricas, et coetera. Não defendo a leitora, de modo algum, até porque livros e filmes fazem parte de algo muito mais amplo, educação, tão essencial para o país quanto comida.

Chegamos, aqui, a um ponto nevrálgico (lugares-comuns: tão cômodos, não?): comida é ou não cultura? Se for cultura - e eu acredito que seja -, comida é mais importante para o país em questão, seja ele o Brasil, a Etiópia ou a França, como cultura ou como fonte de proteínas, carboidratos e demais componentes que esqueci das aulas de biologia?

O arroz-e-feijão entra nesta parte da história porque encaixa-se em qualquer das escolhas que o leitor fizer no parágrafo anterior. Se o leitor achar que comida não é cultura, ótimo, coma arroz-com-feijão e terá uma ótima refeição, apreciada pelas pessoas ao seu redor como uma comida saborosa e nutritiva; se o leitor achar que sim, comida é cultura, perceberá certa beleza estética no arroz-com-feijão e poderá fazer incríveis viagens ao oriente e também incursões pelo passado que lhe proporcionarão um conhecimento adicional sobre a escravidão no Brasil e outros problemas que afligem, de certo modo até hoje, o País.

Uma explicação técnica, muito menos interessante, mas necessária, explica o sucesso do arroz-com-feijão no Brasil. Primeiro, há o fator econômico. A comida é de origem vegetal e, por isso, barata. Além disso, é extremamente nutritiva. A saber: o feijão é rico em uma proteína chamada lisina e o arroz em metionina. As duas juntas dão uma refeição praticamente perfeita, como me explica uma nutricionista amiga minha com cara de entediada. Continua ela dizendo que feijão faz parte dos alimentos construtores, contendo proteínas, sais minerais a vitamina do complexo B. Entre os minerais encontrados no feijão, o ferro é de maior importância, já que apresenta um elemento primordial para a formação sangüínea. Cada 250g de feijão cozido é capaz de fornecer, a uma pessoa normal, metade do ferro que o organismo necessita receber em um dia, suprindo 20% das bases protéicas. Sua casca é rica em celulose, substância indispensável ao bom funcionamento do trato gastrointestinal.

Satisfeitos nosso apetite de cientificismo barato (mea culpa), vamos ao que interessa: o feijão-com-arroz como cultura. Se você viajou pelo nordeste, deve conhecer o baião-de-dois, variedade do prato brasileiro por excelência. Amiga minha explica que o baião-de-dois é, basicamente, feijão e arroz cozidos juntos. Ao sul, temos uma variedade maravilhosa do prato que é o feijão tropeiro com arroz carreteiro. Apesar de certa distância na linha do tempo entre os dois pratos, pode-se pensar que eles representam, a um só tempo, nosso atraso econômico. Afinal, até meados deste mal acabado século XX, os bois eram levados por tropeiros de uma fazenda a outra, em viagens infindáveis: daí o feijão tropeiro. O arroz carreteiro, como o próprio nome diz, foi um aprimoramento do arroz tradicional criado pelos homens que passam às vezes meses nas estradas do País, levando, muitas vezes, arroz e feijão para as grandes cidades.

Não há como pensar em arroz-com-feijão, entretanto, sem pensar na magnifica, esplendorosa, suculenta, divina - e outros adjetivos mais - feijoada. Reza a lenda, na qual eu acredito piamente, até porque não conheço versão melhor, que a feijoada foi criada pelos escravos que recolhiam o que não era aproveitado do porco pelos seus senhores, misturavam estes "restos" ao feijão e... tchan-tchan-tchan-tchan: lá estava aquele prato asqueroso na concepção, mas que viria a se tornar, mais tarde, não só símbolo de um Brasil (que eu julgo perdido), mas também verdadeiro ponto-de-encontro nos sábados por restaurantes afora.

Deve haver mais e mais variadas perdidas pelo território nacional, que ignoro.

Como disse no início deste texto, minha ignorância em se tratando de culinária é algo que até a mim mesmo surpreende. Para finalizar, conto uma historinha, que talvez ilustre bem não só a importância deste prato no imaginário do brasileiro, como também a sub-importância que damos à culinária, o que se deve a fatores meramente econômicos, penso, me sentindo um pouco culpado, como se a mim não fosse permitido pensar sobre o assunto.

Eu estava de viagem pela Europa, o paraíso gastronômico, como muitos apontam. Na França - logo lá! - estava na rua às duas da manhã, morrendo de fome. Na minha mochila, restos de um Big Mac e algumas batatas fritas espalhadas. Ou eu achava um lugar para comer ou teria de passar a noite com o estômago roncando, mesmo depois de ter comido as indefectíveis batatas fritas e o resto de Big Mac. Nada aberto. Nada que eu pudesse pagar. Já perto do hotel, sentei-me numa esquina e chorei de raiva por estar naquele país, longe do meu feijão-com-arroz. Quis fazer uma ligação para casa, para a Air France, para a Embaixada, para qualquer lugar que me proporcionasse um simples arroz-com-feijão àquela hora. Nada. Comi ali mesmo, na rua, as batatas duras e o Big Mac gorduroso. Tomei o resto de uma garrafa de vinho, o que me deixou meio bêbado e, por isso mesmo, menos desesperado. Faltava ainda mais de um mês para voltar para casa.

Sei que a história não é empolgante. Talvez porque diga respeito a um momento especialmente solitário, ou que pode ser compartilhado apenas por quem sentiu este banzo gastronômico em pleno Jardim du Luxemburg. De qualquer forma, meu pequeno conto-de-fadas tem final feliz: cheguei em casa e comi arroz-com-feijão durante uma tarde inteira, até cair no sono, com o estômago doendo uma dor alegre, de aconchego.

Ah, sim, antes que eu me esqueça. Alguns parágrafos acima, disse que via no arroz-com-feijão beleza estética, Não me engano. É uma composição perfeita entre grãos de grosso e fino calibre. O branco e preto combinam e destoam ao mesmo tempo. Mesmo ao mais glutão o prato parece bonito: ao elevar a comida vários centímetros acima do prato, constrói o guloso uma composição que se parece com o Everest ou algo parecido. Por aí, também, pode-se pensar em Freud e numa representação fálica da comida, como elemento dominador do homem, que por sua vez pensa que é dominado, etc. Aliás, cabe a mim perguntar: por quê nenhum pintor brasileiro se dignou a retratar o feijão-com-arroz e a beleza de sua dicotomia intrínseca?

Obs.: Odeio a palavra intrínseca.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 6/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Obscura paisagem em peça de Mirisola e Oliveira de Jardel Dias Cavalcanti
02. Voto em qualquer um! de Marilia Mota Silva
03. A vida sem assento de Elisa Andrade Buzzo
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar de Adriana Baggio
05. De como alguns de nós viraram escritores de Ana Elisa Ribeiro


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


Mais Especial Gastronomia
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MORTE É CONTAGIOSA
CHARLIE HIGSON
RECORD
(2007)
R$ 25,28



MATEMATICA PROJETO MULTIPLO VOLUME 2 BOX COMPLETO
LUIZ ROBERTO DANTE
ATICA
(2014)
R$ 99,90



A GUERRA CONJUGAL
DALTON TREVISAN
RECORD
(1979)
R$ 10,00



DANÇANDO NA LUZ
SHIRLEY MACLAINE
RECORD
R$ 6,00



NO BALANCÊ DO ABECÊ
ELIAS JOS
PAULUS
(1996)
R$ 7,00



APRENDIZES COM AUSTISMO: APRENDIZAGEM POR EIXOS DE INTERESSE ...
SILVIA ESTER ORR
VOZES
(2016)
R$ 49,95



A VERDADE POR TRÁS DO GOOGLE
ALEJANDRO SUÁREZ SÁNCHEZ OCAÑA
PLANETA
(2013)
R$ 26,00



INTERVENTION
ROBIN COOK
BERKLEY NOVEL
R$ 49,16



AMAR PODE DAR CERTO - 48ª EDIÇÃO
ROBERTO T. SHINYASHIKI /ELIANA BITTENCOURT DUMET
GENTE
(1988)
R$ 6,00



MANUAL GLOBO DO AUTOMÓVEL : FUNILARIA E PINTURA
GLOBO
GLOBO
(1988)
R$ 7,90





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês