Confissão da miserabilidade gastronômica | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Gastronomia

Quarta-feira, 6/6/2001
Confissão da miserabilidade gastronômica
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2500 Acessos

Confesso minha total ignorância em se tratando de paladar. Não faço mea culpa, porém. Venho de uma família culturalmente pobre, que jamais me educou para as artes da mesa. Para eles, comida boa era comida farta, não importando nada desse troço de "sabor". Curiosamente, tenho um tio hoje no ostracismo familiar - como eu - que era um verdadeiro chef, sem jamais saber disso. Sabia fazer pratos maravilhosos, inventivos e, seguindo a tradição da família, fartos. Lembro-me de suas pizzas; na verdade sinto saudades delas: eram simplesmente luxuriantes em seus recheios.

Ao mesmo tempo em que éramos pobres culturalmente, vivíamos, nos anos 80, algum tipo de glória econômica. Obviamente que não falo isso para me gabar, até mesmo porque a pecha de novo-rico me cairia bem depois da sentença anterior. Apenas digo isto para situá-los no contexto daqueles que, como eu, são verdadeiros analfabetos gastronômicos. A significativa bonança na conta bancária não trouxe cultura a meus pais, mas me deu dores de cabeça que hoje recordo, por causa deste texto. Como ser discriminado por primos, tios, tias e avós por não gostar de certas coisas, por evitar algumas comidas que ao meu paladar latente não agradavam.

Deve haver alguma teoria que relaciona Freud à comida. Eu fui reprimido gastronomicamente. Não é à toa que escrevo sobre um prato ordinário, apesar de sua importância simbólica para o País: o arroz-com-feijão.

Antes de entrar no arroz-com-feijão propriamente dito, preciso dizer que a repressão me impulsiona a discutir os aspectos da repressão gastronômica num país de - não me deixam esquecer! - miseráveis. Há algum tempo uma leitora escreveu dizendo que era um verdadeiro insulto discutir livros e filmes num país onde as pessoas passavam fome, onde os políticos roubavam, onde as crianças morriam de doenças pré-históricas, et coetera. Não defendo a leitora, de modo algum, até porque livros e filmes fazem parte de algo muito mais amplo, educação, tão essencial para o país quanto comida.

Chegamos, aqui, a um ponto nevrálgico (lugares-comuns: tão cômodos, não?): comida é ou não cultura? Se for cultura - e eu acredito que seja -, comida é mais importante para o país em questão, seja ele o Brasil, a Etiópia ou a França, como cultura ou como fonte de proteínas, carboidratos e demais componentes que esqueci das aulas de biologia?

O arroz-e-feijão entra nesta parte da história porque encaixa-se em qualquer das escolhas que o leitor fizer no parágrafo anterior. Se o leitor achar que comida não é cultura, ótimo, coma arroz-com-feijão e terá uma ótima refeição, apreciada pelas pessoas ao seu redor como uma comida saborosa e nutritiva; se o leitor achar que sim, comida é cultura, perceberá certa beleza estética no arroz-com-feijão e poderá fazer incríveis viagens ao oriente e também incursões pelo passado que lhe proporcionarão um conhecimento adicional sobre a escravidão no Brasil e outros problemas que afligem, de certo modo até hoje, o País.

Uma explicação técnica, muito menos interessante, mas necessária, explica o sucesso do arroz-com-feijão no Brasil. Primeiro, há o fator econômico. A comida é de origem vegetal e, por isso, barata. Além disso, é extremamente nutritiva. A saber: o feijão é rico em uma proteína chamada lisina e o arroz em metionina. As duas juntas dão uma refeição praticamente perfeita, como me explica uma nutricionista amiga minha com cara de entediada. Continua ela dizendo que feijão faz parte dos alimentos construtores, contendo proteínas, sais minerais a vitamina do complexo B. Entre os minerais encontrados no feijão, o ferro é de maior importância, já que apresenta um elemento primordial para a formação sangüínea. Cada 250g de feijão cozido é capaz de fornecer, a uma pessoa normal, metade do ferro que o organismo necessita receber em um dia, suprindo 20% das bases protéicas. Sua casca é rica em celulose, substância indispensável ao bom funcionamento do trato gastrointestinal.

Satisfeitos nosso apetite de cientificismo barato (mea culpa), vamos ao que interessa: o feijão-com-arroz como cultura. Se você viajou pelo nordeste, deve conhecer o baião-de-dois, variedade do prato brasileiro por excelência. Amiga minha explica que o baião-de-dois é, basicamente, feijão e arroz cozidos juntos. Ao sul, temos uma variedade maravilhosa do prato que é o feijão tropeiro com arroz carreteiro. Apesar de certa distância na linha do tempo entre os dois pratos, pode-se pensar que eles representam, a um só tempo, nosso atraso econômico. Afinal, até meados deste mal acabado século XX, os bois eram levados por tropeiros de uma fazenda a outra, em viagens infindáveis: daí o feijão tropeiro. O arroz carreteiro, como o próprio nome diz, foi um aprimoramento do arroz tradicional criado pelos homens que passam às vezes meses nas estradas do País, levando, muitas vezes, arroz e feijão para as grandes cidades.

Não há como pensar em arroz-com-feijão, entretanto, sem pensar na magnifica, esplendorosa, suculenta, divina - e outros adjetivos mais - feijoada. Reza a lenda, na qual eu acredito piamente, até porque não conheço versão melhor, que a feijoada foi criada pelos escravos que recolhiam o que não era aproveitado do porco pelos seus senhores, misturavam estes "restos" ao feijão e... tchan-tchan-tchan-tchan: lá estava aquele prato asqueroso na concepção, mas que viria a se tornar, mais tarde, não só símbolo de um Brasil (que eu julgo perdido), mas também verdadeiro ponto-de-encontro nos sábados por restaurantes afora.

Deve haver mais e mais variadas perdidas pelo território nacional, que ignoro.

Como disse no início deste texto, minha ignorância em se tratando de culinária é algo que até a mim mesmo surpreende. Para finalizar, conto uma historinha, que talvez ilustre bem não só a importância deste prato no imaginário do brasileiro, como também a sub-importância que damos à culinária, o que se deve a fatores meramente econômicos, penso, me sentindo um pouco culpado, como se a mim não fosse permitido pensar sobre o assunto.

Eu estava de viagem pela Europa, o paraíso gastronômico, como muitos apontam. Na França - logo lá! - estava na rua às duas da manhã, morrendo de fome. Na minha mochila, restos de um Big Mac e algumas batatas fritas espalhadas. Ou eu achava um lugar para comer ou teria de passar a noite com o estômago roncando, mesmo depois de ter comido as indefectíveis batatas fritas e o resto de Big Mac. Nada aberto. Nada que eu pudesse pagar. Já perto do hotel, sentei-me numa esquina e chorei de raiva por estar naquele país, longe do meu feijão-com-arroz. Quis fazer uma ligação para casa, para a Air France, para a Embaixada, para qualquer lugar que me proporcionasse um simples arroz-com-feijão àquela hora. Nada. Comi ali mesmo, na rua, as batatas duras e o Big Mac gorduroso. Tomei o resto de uma garrafa de vinho, o que me deixou meio bêbado e, por isso mesmo, menos desesperado. Faltava ainda mais de um mês para voltar para casa.

Sei que a história não é empolgante. Talvez porque diga respeito a um momento especialmente solitário, ou que pode ser compartilhado apenas por quem sentiu este banzo gastronômico em pleno Jardim du Luxemburg. De qualquer forma, meu pequeno conto-de-fadas tem final feliz: cheguei em casa e comi arroz-com-feijão durante uma tarde inteira, até cair no sono, com o estômago doendo uma dor alegre, de aconchego.

Ah, sim, antes que eu me esqueça. Alguns parágrafos acima, disse que via no arroz-com-feijão beleza estética, Não me engano. É uma composição perfeita entre grãos de grosso e fino calibre. O branco e preto combinam e destoam ao mesmo tempo. Mesmo ao mais glutão o prato parece bonito: ao elevar a comida vários centímetros acima do prato, constrói o guloso uma composição que se parece com o Everest ou algo parecido. Por aí, também, pode-se pensar em Freud e numa representação fálica da comida, como elemento dominador do homem, que por sua vez pensa que é dominado, etc. Aliás, cabe a mim perguntar: por quê nenhum pintor brasileiro se dignou a retratar o feijão-com-arroz e a beleza de sua dicotomia intrínseca?

Obs.: Odeio a palavra intrínseca.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 6/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do canto ao silêncio das sereias de Cassionei Niches Petry
02. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - I de Elisa Andrade Buzzo
03. O medo como tática em disputa eleitoral de Humberto Pereira da Silva
04. Como detectar MAVs (e bloquear) de Julio Daio Borges
05. Sobre e-books e caipiras de Yuri Vieira


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


Mais Especial Gastronomia
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEATRO INFANTIL
RUBEM ROCHA FILHO
LIDADOR
(1970)
R$ 12,00



O DESMONTE DE VÊNUS - CONTOS E CRÔNICAS
ALEXANDRU SOLOMON
TOTALIDADE
(2009)
R$ 15,17



A ROTA SANGRENTA
SVEN HASSEL
RECORD
(1977)
R$ 20,00



ANÁLISE DA INTELIGÊNCIA DE CRISTO: O MESTRE DA SENSIBILIDADE-LIVR
AUGUSTO JORGE CURY
ACADEMIA DE INTELIGENCIA
(2000)
R$ 10,00



MAIS FORTE EM MENOS TEMPO, EXERCÍCIOS DIÁRIOS PARA GANHAR O MÁXIM
BRIAN PAUL KAUFMAN E SID KIRCHHEIMER
LYON
(2001)
R$ 67,98



CATEGORIAS CONCEITUAIS DA SUBJETIVIDADE
FABIO THÁ
ANNABLUME
(2007)
R$ 18,00



CONTOS E CAUSOS DO RIO ARAGUAIA
FERNANDO ANTÔNIO SGRECCIA
EDIÇÃO DO AUTOR
R$ 8,00



SERVIÇO SOCIAL - DOCUMENTO HISTÓRICO
MARIA ESOLINA PINHEIRO
CORTEZ
(1985)
R$ 34,90



A QUESTÃO AMBIENTAL
LUIZ EDMUNDO DE MAGALHÃES COORDENADOR
TERRAGRAPH
(1994)
R$ 50,00



ARQUITETURA CIVIL III MOBILIÁRIO E ALFAIAS
VÁRIOS AUTORES
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
(1975)
R$ 45,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês