O diabo existe, e é bom | Alexandre Ramos | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/1/2003
O diabo existe, e é bom
Alexandre Ramos

+ de 7500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O rosto quase bonachão, calvo, a imagem de fragilidade acentuada pelos óculos, em contraste com o corpo musculoso e a sinistra máscara de couro, faz Nicolas Cage hesitar. "Machine" aproveita a chance e derruba o detetive, enquanto diz: "Eu não fui estuprado, ninguém abusou de mim quando criança, e sou perfeitamente normal. Faço o que faço porque gosto". O que ele faz, no caso, é "atuar" em filmes nos quais pessoas são estupradas e mortas de verdade.

8 mm é um dos melhores suspenses de 1999, está passando num desses canais de filmes, e retrata muito bem a questão dos chamados snuff-movies, que constituem mais um produto para a aparentemente insaciável perversão humana. Muitos deles, não obstante sua temática escabrosa, são realizados como quaisquer outros, isto é, com efeitos especiais, mas policiais americanos e europeus já acreditam que outros muitos, filmados principalmente no sudeste da Ásia, são de fato reais.

Quando alguém descarrega uma arma a esmo, ferindo e matando quem estiver por perto, num cinema, numa escola, a primeira - e talvez única - pergunta que fazemos é: por que? O horror e o absurdo são tão intensos que a racionalização aparece como a única saída: ah, o cara era louco; ah, essa ideologia, aquela religião, todos esses filmes e jogos de violência... e por aí vai. Mas no fundo, bem no fundo, talvez a resposta de "Machine" nos ponha diante de uma questão que raramente temos coragem de enfrentar: "faço porque gosto", e ponto final.

Nós, católicos, sempre que vamos à missa dizemos que pecamos muitas vezes, e de muitos modos. Poderíamos acrescentar que gostamos do que fizemos (e bastante, do contrário não haveria reincidência), e que não fizemos mais por absoluta falta de tempo, coragem e talento. Provavelmente, o que mais incomoda o leitor de O diário do farol, de João Ubaldo Ribeiro, seja justamente se reconhecer nem tanto nos atos cometidos pelo protagonista, mas na capacidade para a hipocrisia e a mentira.

Ora, o ato penitencial que acontece no início da missa expressa, para além de todas as limitações e condicionantes de ordem psicológica, cultural e outras, a realidade fundamental: naquele espaço de liberdade efetiva de que disponho, freqüentemente oriento minha vontade e meus atos para o mal, deliberadamente. Nada a ver com ideologias circulantes na sociedade, com problemas de família, genéticos e que tais, com a decadente cultura ocidental ou o último filme do Sylvester Schwarznegger. Nada disso. Apenas a minha vontade.

Nessas regiões sombrias da existência humana, em que as ciências pouco ou nada têm a dizer, move-se um personagem ao qual, creio, muita coisa foi indevidamente atribuída: o demônio. Hoje, com tantos anjos subindo e descendo por aí, não era mesmo de se espantar que alguém se lembrasse desse em especial(1). E o que estamos presenciando é um número crescente de leigos e religiosos que, sem a mínima habilitação para isso, estão diagnosticando a presença e a atuação de anjos e demônios na vida das pessoas.

Há cerca de três anos, com pouco mais de uma semana de intervalo, chegaram ao meu conhecimento o caso de uma religiosa que disse a uma pessoa que sofre de câncer que se trata de uma ação demoníaca; e o de um seminarista, desses que tomam chá diariamente com nossa Senhora, que garantiu a um casal meu conhecido que algumas dificuldades por que estão passando se devem à ação de um "espírito do mal" que está em sua casa. Há ainda uns padres que, com a maior sem-cerimônia, declaram que as pessoas por isso ou aquilo já estão previamente condenadas ao inferno; o que vem a ser, precisamente, a melhor maneira de arrumar uma passagem de primeira classe e sem escalas para as profundas do dito-cujo. Tudo isso faz lembrar frei William de Baskerville, do Umberto Eco, que diz que, freqüentemente, a única prova que temos da presença demoníaca é o intenso desejo daqueles que querem sabê-la em ação.

Bem antes disso, por volta de 1985, eu tinha um amigo que começou a namorar uma garota que freqüentava um desses empreendimentos que se autodenominam igrejas. Ela o arrastou para um culto e tudo corria em relativa paz até que, como manda o script, chegou a hora do exorcismo. Ora, sem diabo não há exorcismo, de modo que, dado o sinal, o capeta começou a se manifestar em vários dos presentes. Meu amigo viu que o sujeito ao lado dele começou a querer dar chilique, ter uns estremeções, e aí, sem que a namorada percebesse, disse baixinho no ouvido do possuído: - Olhaí, meu chapa, vai ficando bem quietinho senão te encho de pancada (o termo que ele usou realmente me foge no momento) aqui mesmo. E naquele mesmo instante o pobre homem foi liberto do demônio que o atormentava. Isso, meus caros, é que é exorcismo.

Um último caso aconteceu em 2001, pouco antes de eu deixar o mosteiro. Um grupo de jovens apareceu muito preocupado, porque um deles andava tendo uns fricotes meio estranhos durante as reuniões. Um dos irmãos levou o rapaz para um canto, teve uma longa conversa com ele e depois o trouxe de volta para o grupo, com o diagnóstico: - É um caso simples de carência afetiva. Basta vocês darem um pouco mais de atenção a ele que tudo fica bem.

Que o demônio existe e age contra nós, está na Revelação Divina e no Magistério da Igreja. Que ele é apenas uma cri-a-tu-ra (e portanto bom em si mesmo, pois tudo que Deus fez é bom; o que ele fez com sua liberdade são outros quinhentos), ainda que poderosa, também.

Portanto, não se pode reduzir o demônio a uma patologia psicológica - negando sua identidade pessoal - sem abandonar a fé católica, o mesmo acontecendo com os que praticamente o elevam à condição de antagonista de Deus, de uma espécie de princípio objetivo do mal.

E são esses os dois maiores favores que se podem fazer ao demônio: achar que ele não existe, ou dar-lhe demasiada atenção(2). Da mesma forma, a preocupação excessiva em identificar a ação do demônio nos outros talvez seja o grande sintoma de que ele está agindo, sim, mas nos inquisidores de plantão. Mais ou menos como diz o Exorcista de W. P. Blatty: "É nisso que eu acho que consiste o endemoniamento: não em guerras, como alguns tendem a crer; nem tanto assim; e muito raramente em intervenções extraordinárias... Não, eu o encontro com mais freqüência nas pequenas coisas: nas malevolências absurdas, mesquinhas; nos desentendimentos; na palavra cruel e mordaz que vem espontaneamente à língua entre amigos. Entre esposos. Basta isso, e não temos necessidade de que Satã organize nossas guerras. Destas, nós mesmos nos encarregamos".

Entretanto, falando francamente, na maior parte do tempo sou levado a pensar com o simpático demônio Anthony Crowley, de Neil Gaiman e Terry Pratchett, que nada que um demônio possa conceber se compara àquilo de que é capaz a mente humana em seu pleno funcionamento.

Notas
(1) Falando nisso, creio que o último lugar em que o demônio daria as caras seria um culto satânico. Primeiro por causa do constrangimento: ele certamente não ficaria à vontade no meio de um circo daqueles. Segundo, porque o mal que essa gente faz a si própria é infinitamente maior que o que ele lhes poderia causar, de modo que é até melhor assim. Por outro lado, ele deve se divertir à beça nesses lugares onde é "exorcizado" em três shows diários. Reparem: por uma curiosa inversão da lei de causa e efeito, o demônio só dá as caras depois que um zé-mané qualquer disse que era exorcista.

(2) C. S. Lewis diz a mesma coisa e praticamente com as mesmas palavras. Lamento ter lido o excelente livro dele - Cartas do demônio ao seu aprendiz - somente após a publicação deste artigo.


Alexandre Ramos
Teresópolis, 17/1/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo
02. O Ouro do Brasil de Marilia Mota Silva
03. Novos velhos e lagostas de Carla Ceres
04. O jornalismo na fervura de Marta Barcellos
05. Amor (in)Condicional de Marilia Mota Silva


Mais Alexandre Ramos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/1/2003
14h26min
O texto O diabo existe, e é bom, retrara exatamente como as pessoas são atraídas para as tais religiões, que acreditam ter a solução para os seus problemas, porém desconhecem o verdadeiro motivo da desordem espiritual, a falta de amor a Deus.
[Leia outros Comentários de Iracema P. de Souza]
10/1/2008
23h09min
Por vezes, Alexandre, é preciso ler bons artigos, assim como estes que você escreve. Acontece uma identificação entre o que está escrito e o que pensamos, mas não sabemos como expressar. Gostei e vou continuar a ler o que escreves.
[Leia outros Comentários de Carlos Alberto]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TESOUROS DA TERRA SANTA: DO REI DAVID AO CRISTIANISMO
ANDRÉA SAPOLNIK CALINA; LUIZ CALINA
MASP
R$ 10,98



ENSAIOS CRÍTICOS E FILOSÓFICOS
RAMÓN XIRAU
PERSPECTIVA
(1975)
R$ 8,02



IDEOLOGIA E MOBILIZAÇÃO POPULAR
MARILENA CHAUÍ; MARIA SYLVIA; CARVALHO FRANCO
CEDEC; PAZ E TERRA
(1978)
R$ 15,00



BRASIL VOL. 2 (ROMAMCE)
ERROL LINCOLN UYS
BEST SELLER
(1986)
R$ 18,00
+ frete grátis



O TEMPO DA CEIA
PEDRO FREIRE COSTA
QUETZAL
(1992)
R$ 13,70



HISTORIAS POSITIVAS: A LITERATURA (DES)CONSTRUINDO A AIDS
MARCELO SECRON BESSA (COM DEDICATÓRIA)
RECORD
(1997)
R$ 21,28



ANJOS E DEMÔNIOS
DAN BROWN; MARIA LUIZA NEWLANDS
ARQUEIRO
(2004)
R$ 8,90



INTRODUÇÃO À HISTÓRIA ECONÓMICA E SOCIAL DA EUROPA
JOSÉ VELGA TORRES
ALMEDINA
(1995)
R$ 31,26



PÉROLA E A FADA DO FLAMENGO
WENDY HARMER
FUNDAMENTO
(2015)
R$ 18,00



MURILO MENDES: O OLHAR VERTICAL
RAIMUNDO CARVALHO
EDUFES
(2001)
R$ 18,00





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês