O Pianista e o Gueto de Varsóvia | Rodolfo Felipe Neder | Digestivo Cultural

busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO
>>> FERNANDA CABRAL SE APRESENTA NA CAIXA CULTURAL BRASÍLIA
>>> Projeto Entrecruzados lança livro e videodança documental
>>> Inscrições Abertas || Residência Artística no Jardim Botânico de Brasília
>>> Gravação de videoclipe quase provoca prisão do irmão de Gabriel o Pensador
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
>>> Nada de novo no front
>>> A Belém pulp, de Edyr Augusto
>>> Fatos contábeis
>>> Jaula de sombras
>>> Camadas tectônicas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Melhores Podcasts
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> A imprensa dos ruivos que usam aparelho
>>> Entrevista a Ademir Pascale
>>> Leitura vertical e leitura horizontal
>>> O Direito à Estupidez
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Salinger: uma vida
>>> Pessach: entre o social e o existencial
>>> Entrevista com João Moreira Salles
Mais Recentes
>>> Qual e que e. de Lalau e laurabeatriz pela Cortez (2004)
>>> Arte e Sociedade nos Cemitérios Brasileiros (2 volumes) de Clarival do Prado Valladares pela Conselho Federal de Cultura - MEC (1972)
>>> Veja--1649--o silvio que voce nunca viu. de Editora abril pela Abril (2000)
>>> Veja--2219--voo af 447--panico na cabine. de Editora abril pela Abril (2011)
>>> Revista dos curiosos--3--tira-teima das copas. de Editora europa pela Europa
>>> Tadeu Chiarelli de A Fotografia e o Tempo, Prêmio Porto Seguro 2009 pela Matavelli (2009)
>>> Galileu--7--historia--por que israel nao tem paz. de Editora globo pela Globo (2006)
>>> As Mil e Uma Noites, Contos Árabes III Volume de Anônimo pela Vademecum
>>> Introdução à Antropologia Cultural de Mscha Titiev pela Fundação Calouste Gulbenkian (1969)
>>> Tempo Brasileiro 70 Em Torno de Freud de Joel Birman, Chaim Samuel Katz e outros pela Tempo Brasileiro (1982)
>>> Vivências de Hermann Hesse pela Record
>>> Vidas Paralelas (Rainhas do Romance 52) de Linda Lael Miller pela Harlequin (2011)
>>> Caminhos da Sedução (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 53) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> O Gosto Do Pecado - Coleção Harlequin Primeiros Sucessos. Número 37 de Diana Palmer pela Harlequin (2013)
>>> Desafio de uma Vida (Harlequin Primeiros Sucessos Livro 49) de Diana Palmer pela Harlequin (2014)
>>> Amor Eterno - Special 81 de Caroline Anderson pela Harlequin (2013)
>>> Negócios À Parte - Sabrina 1618 de Fern Michaels pela Nova Cultural (2010)
>>> Se houver amanhã - Julia 1354 de Suzanne McMinn pela Nova Cultural (2005)
>>> Um Novo Amor! - Sabrina 1617 de Jerri Corgiat pela Nova Cultural (2004)
>>> Sete anos de feitiço - Coleção Desejo Novo, N° 38 de Heidi Betts pela Harlequin (2006)
>>> Amor fora-da-lei - Série Mavericks - Os Indomáveis 06 de Pat Warren pela Harlequin (2008)
>>> Beijos & Desejos - Coleção Harlequin Desejo Clássicos. Número 5 de Charlene Sands pela Harlequin (2014)
>>> Paixão e Atração - Harlequin Paixão #151 de Lucy Monroe e Trish Morey pela Harlequin (2009)
>>> Uma Noite Inesquecível / Doce Proposta - Harlequin Desejo Livro 227 de Brenda Jackson pela Harlequin (2015)
>>> Paixão Total de Jackie Braun pela Harlequin Books (2009)
>>> A ilha dos deuses de Nora Roberts pela Harper Collins (2016)
>>> Bruxa da noite de Nora Roberts pela Arqueiro (2015)
>>> Um Amor Para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer pela Intrínseca (2005)
>>> Anjos à mesa de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Nunca diga adeus de Doug Magee pela Arqueiro (2012)
>>> O amor mora ao lado de Debbie Macomber pela Novo Conceito (2013)
>>> Melhor que chocolate: Uma história sobre amor, Paris e teimosia de Laura Florand pela Única (2015)
>>> O lago místico de Kristin Hannah pela Novo Conceito (2014)
>>> O Jeito que me Olha de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> Não Posso me Apaixonar de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Quero ser seu de Bella André pela Novo Conceito (2013)
>>> Um Olhar de Amor de Bella André pela Novo Conceito (2012)
>>> Perto de Você de Bella André pela Novo Conceito (2014)
>>> A arte da ilusão de Nora Roberts pela Harper Collins (2015)
>>> O Presente do Meu Grande Amor. Doze Histórias de Natal de Stephanie Perkins pela Intrínseca (2014)
>>> Para Sempre de Kim e Krickitt Carpenter pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Perfeito Cavalheiro de Julia Quinn pela Arqueiro (2014)
>>> Felizes Para Sempre de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Bem Casados de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Mar de Rosas de Nora Roberts pela Arqueiro (2014)
>>> Álbum de Casamento de Nora Roberts pela Arqueiro (2013)
>>> Á Primeira Vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Pode Beijar a Noiva de Patricia Calbot pela Essência (2012)
>>> Professional PHP4 Programming (Programmer to programmer) Importado de Deepak Thomas pela Wrox (2002)
COLUNAS

Terça-feira, 11/3/2003
O Pianista e o Gueto de Varsóvia
Rodolfo Felipe Neder

+ de 15200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O Holocausto tem sido tema cinematográfico em muitas oportunidades, mas nada foi tão comovente, para mim, desde Nuit et Brouillard (1955) de Alain Resnais, quanto o belo filme de Roman Polanski, O Pianista roteiro cinematográfico, extraído do livro de memórias do próprio pianista Wladyslaw Szpilman, escrito logo ao final da guerra.

Parte da grande crítica trata o filme como um a mais da série "holocausto". Nada disso, O Pianista é, antes de tudo, um longo poema do sofrimento do povo polonês invadido pelo do exercito nazista em 1939, uns dos mais cruéis momentos da segunda guerra de que se tem notícia. O horror e a desesperança se instalam na Polônia, por longos seis anos.

Mas, há também, no meio do horror, o grandioso e belo gesto de compaixão provocado pelo amor a música e a admiração ao artista.

No final do outono de 1939, um jovem e promissor pianista, Wladylaw Szpilman (interpretado por Adrien Brody) no seu programa de rádio, toca o suave e belo Noturno de Chopin, enquanto a Luftwaffe hitlerista bombardeia Varsóvia. Chopin sai do ar e entra o horror nazista.

Szpilman e sua família, como todos os judeus, são expulsos de suas residências para serem isolados no ignominioso gueto de Varsóvia. Aqui, começa a difícil luta de inúmeras famílias judias para sobreviver. Neste momento, no decorrer da luta para sobreviver, aparece clara a fragilidade humana. Há, nos perseguidos, os bons e os ruins, mostrados em todos seus gestos. Há, também, nos nazistas ocupantes, uma profunda crueldade, quase que um gosto pelo extermínio e a destruição, a banalité du mal a qual, a filósofa e catedrática Hannah Arrendt, nos anos setenta, se refere em seus trabalhos, divulgados na mesma época, em que essas mesmas crueldades vieram a se repetir na América do Sul.

O Pianista é sem dúvida a obra de um cineasta europeu, mais é também, de autoria de quem, na infância, testemunhou ocupação da sua terra. Bastam repetir as doídas palavras de Polanski em recente entrevista:

"Para uma criança, nem dor física nem fome se comparam ao terror da separação dos pais. Minha dor maior foi ter perdido minha mãe. Somente a morte fechará esse capítulo".

Vemos no filme um Polanski um humanista que recria a realidade sem concessões e sem mentiras tecnológicas. Polanski é um observador atento aos gestos. As suas personagens são como eram nesses duros anos em meio a suas circunstancias e seus momentos, no melhor sentido de Ortega e Gasset.

Não procure ver no O Pianista heróis ou anti-heróis. Há, sim, uma realidade trágica para todo o povo polonês nesses anos. A cada dia, devem adaptar-se ao momento, ou morrer sumariamente. Os duros tempos tem que ser vividos em todas suas horas de todos os dias são de medo e de expectativa a os limites da crueldade humana.

Há á revolta contra a ocupação, como realmente existiu em 1943, um verdadeiro desespero suicida do Gueto de Varsóvia, e que outro polonês, Andrezj Wajda, relata em seu filme Cinzas e Diamantes (1961). O Pianista de Polanki tem, o que Wajda não colocou no seu filme, a suave e dura poesia do inferno.

O Pianista que está nas salas do Brasil, chega coroado de todos os prêmios possíveis e é candidato ao Oscar, tenho dúvidas da conquista. Caso ganhe o Oscar, o galardão da Academia, corre o risco de se transformar num prêmio sério, pelo menos, nesta temporada.

O Gueto de Varsóvia

Era quase o fim do ano de 1968. No meio da dura repressão local, seis cineastas, todos atuantes nessa época, foram convidados a participar do festival de Leipzig. Iberê Cavalcanti, Maurício Gomes Leite, Cosme Alves (diretor da Cinemateca do Rio), Sergio Muniz, Rudá Andrade e eu. Embarcamos rumo a Europa Central. Por coincidência, o diretor Andrezj Wajda estava regressando, no mesmo vôo a Polônia, depois de ter participado do Festival de Cinema no Rio de Janeiro. O adido cultural da embaixada da Polônia no Brasil também estava no avião da KLM (não lembro o nome dele, mas lembro da sua fina gentileza em ser o nosso inesperado anfitrião em Varsóvia). Finalizado o festival, fomos a Varsóvia onde ficamos por uma semana. A capital polonesa é o grande monumento urbano contra o nazismo a cidade estava sendo reconstruída ainda. A "cidade velha" que fica no centro estava totalmente restaurada das ruínas.

Nada ficou após a passagem das hordas nazistas, nem sequer os documentos e as plantas da cidade, tudo tinha sido calculadamente destruído. Varsóvia foi reconstruída a partir de gravuras de artistas locais e da memória de alguns dos sobreviventes.

O comando nazista mandou, em 1940, que fossem erguidos altos e sólidos muros, no centro da cidade para isolar as famílias judias do resto da população. Assim, nasce o Gueto de Varsóvia. Nele cabiam aproximadamente 20mil pessoas, mas instalaram 450 mil habitantes judeus, ou seja cerca de 17 famílias por casa.

A rua Mila era a rua principal do Gueto, mas tarde, quando o levante, se tornaria famosa por estar aí o quartel geral da revolta. Muitas cenas do filme de Polanski se passam na rua Mila, totalmente reconstruída para as filmagens.

A comida era racionada e as famílias judias tinham direito ao consumo de 500 calorias diárias, enquanto os eslavos tinham direito a 800 e os alemães a 1800.

Em 1943, Hitler era o principal líder europeu, com seu poderoso exercito. Porém, apesar da invencibilidade de suas forças armadas começava a ser trincado com a derrota em Stalingrado (hoje, São Petersburgo). O Exercito alemão já não era invencível. Entrar no gueto, dispostos a agir com a mesma crueldade e desmando, com que sempre o faziam, ficava mais difícil.

Um dia, os judeus encorajados receberam os soldados nazistas à bala e obrigaram as tropas alemãs a recuar e, o que foi pior para o exército ocupante, os moradores do Gueto tomaram a suas armas. A revolta durou várias semanas e a luta se travava corpo-a-corpo até nos esgotos de Varsóvia. O poderoso exército ocupante era desmoralizado novamente.

Hitler deu pessoalmente a ordem de acabar com o Gueto. A reação do comando nazista foi brutal, a batalha foi casa-a-casa com os lança-chamas que queimaram todo o bairro. Os poucos sobreviventes tiveram como destino o campo de Treblinka. O general Stroop enviou um telegrama a Hitler: "O bairro judeu de Varsóvia não existe mais".

Andamos pelas ruas do antigo Gueto, pouco falávamos, só ouvíamos as explicações de nosso anfitrião que nos guiava.

Era, um mês de novembro cinzento, frio e chuvoso e por momentos caia neve. Algumas das marcas da guerra estavam vivas, restos do muro em pé, hoje são monumentos.

Alguns tapumes enegrecidos guardavam os trabalhos de reconstrução. Estes feios tapumes eram dissimulados com belos cartazes de teatro e cinema. É bom lembrar que a Polônia se destaca também, pela excelência de seus artistas gráficos. A arte e a beleza presentes.

Nunca vi uma cidade tão silenciosa. Haviam passado 28 anos da ocupação e se notava ainda rostos e expressões medidas, sorrisos só os necessários. Os jovens estudantes nos bares, talvez os mais barulhentos e alegres.

A Varsóvia de gente linda e afetuosa estava ressurgindo, mas ainda, não era a plenitude, pois o regime desses anos não era de liberdade, foi preciso esperar até a década de 80 para que fosse derrubado o outro muro, o do Berlin.

Hoje, pelo que leio, esta maravilhosa cidade, está sua plenitude e apogeu e com uma vida universitária e cultural invejável e um intenso turismo.

Nota do Editor
Rodolfo Felipe Neder é diretor do site Millôr Online.


Rodolfo Felipe Neder
São Paulo, 11/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
02. Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração de Celso A. Uequed Pitol
03. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) de Gian Danton
04. Xadrez, poesia de Ana Elisa Ribeiro de Jardel Dias Cavalcanti
05. O Trovador, romance de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rodolfo Felipe Neder
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/12/2005
23h38min
Bom ter notícias de Rodolfo Neder, meu velho companheiro de venturas e aventuras cinematográficas. Gostaria muito que ele me escrevesse... Abr. Iberê Cavalcanti
[Leia outros Comentários de Iberê Cavalcanti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BEBÊ - MANUAL DO PROPRIETÁRIO
LOUIS BORGENICHT E JOE BORGENICHT
GENTE
(2003)
R$ 10,90



PRETTY BABY
WILLIAM HARRISON
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1977)
R$ 9,00



AGAPINHO - ÁGAPE PARA CRIANÇAS
PADRE MARCELO ROSSI
GLOCO
(2012)
R$ 10,00



EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - UMA VISÃO INTEGRADA
MICHAEL MOORE E GREG KEARSLEY
THOMSON
(2007)
R$ 39,00



SPY DOG 05 - NA COLA DO FOGUETE
ANDREW COPE
FUNDAMENTO
(2018)
R$ 12,00



O MUNDO DE JIA ZHANGKE
JEAN-MICHEL FRODON
COSAC NAIFY
(2014)
R$ 70,00
+ frete grátis



GRUNDISSE
KARL MARX
BOITEMPO
(2011)
R$ 59,00



VIVA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY / PETER LANDNESS
AFILIADA
(2015)
R$ 10,00



DICIONÁRIO UNESP DO PORTUGUÊS CONTEMPORÂNEO - NOVA ORTOGRAFIA
FRANCISCO S. BORBA (ORG.)
PIÁ
(2011)
R$ 100,00



FORÇAS & FORMAS: ASPECTOS DA POESIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA (DOS ANOS 70 AOS 90)
WILBERTH CLAYTHON FERREIRA SALGUEIRO
EDUFES
(2002)
R$ 25,00





busca | avançada
35940 visitas/dia
1,0 milhão/mês