Corporativismo da crítica? | Mara Souza Ferreira

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
>>> Sinatra e Bennett (1988)
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
Mais Recentes
>>> Chico, Eu e a Oitava Séria de Lino de Albergaria pela Saraiva (2010)
>>> O Bicho-da-seda de Robert Galbraith; Ryta Vinagre pela Rocco (2014)
>>> Surfistas Beijos e um Pé de Pato de Carolina Cequini pela Atheneu Cultural
>>> O mundo tem de ser desse jeito? de Fernando Vaz pela FTD (1996)
>>> Pretty Little Liars, V. 7 - Heartless de Sara Shepard pela Harper Usa (2010)
>>> Lucíola de José de Alencar pela Martin Claret Pocket (2012)
>>> Vigilancia Em Saude Ambiental de Solange Papini pela Atheneu (2012)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua de Richard Carlson; Joana Mosela pela Rocco (1998)
>>> Rima do Azul Infinito de José Donizete Gonçalves pela Thesaurus (2004)
>>> O Silêncio dos Amantes de Lya Luft pela Record (2008)
>>> Principios Fundamentais e Normas Brasileiras de Contabilidade de Vários pela Cfc (2002)
>>> Filhos Para Leigos de Sandra H. Gookin pela Mandarim (1996)
>>> Cha Entre Amigas de Paula Jacome pela Multifoco (2011)
>>> Quando e Preciso Voltar de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciencia (2001)
>>> Rowan, o Guardião: Rowan e os viajantes de Emily Ronda pela Fundamento (2008)
>>> Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição de Antônio Galvão Novaes pela Campus
>>> Shibumi de Trevanian pela Círculo do Livro (1981)
>>> Metodologia do ensino Voleibol de Pedro luiz bulgarelli pela Distribuidora Educacional (2017)
>>> Escaldado Em Agua Fria de John Straley pela Globo (2001)
>>> Fire Watch de Connie Willis pela Bantam Books (1998)
>>> Organizações Inovadoras do Setor Financeiro: Teoria e Casos de Sucesso de José Carlos Barbieri/josé Carlos Barbieri pela José Carlos Barbieri (2009)
>>> Surfista, Ex-drogado, Ex Traficante de Franjaques Chulam pela Francisco Alves (2009)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Bukkyo Dendo Kyokai
>>> Um Lugar no Mundo de Alberto Aggio pela Contraponto (2015)
>>> Constituição do Estado do Rio de Janeiro de Claudio Brandão de Oliveira pela Roma Victor (2003)
COMENTÁRIOS

Quinta-feira, 23/5/2002
Comentários
Leitores


Corporativismo da crítica?
Não vejo essa riqueza na crítica atual. Ela costuma atuar sem critério, é burra mesmo. Acho que o Giron está sendo corporativista e excessivamente otimista. Entendo seu instinto de defesa. Mas acho que ele está apertando a mão dos imbecis. Espero que não. O texto é bom, ainda que tendencioso.

[Sobre "Dizem que a crítica acabou; só se foi quando o verão chegou"]

por Mara Souza Ferreira
23/5/2002 às
11h48 200.177.17.215
(+) Mara Souza Ferreira no Digestivo...
 
De que é feito um homem-bomba
A idéia de Waldemar Zusman, a quem conheço bem e admiro, publicado pelo leitor Kalman Mayer, esclarece bem a natureza desta operação que parece tão esdrúxula aos olhos ocidentais. Acho porém, que os deprimidos também manobram os políticos afim de criarem as condições propícias a justificar seu suicídio como ato heróico.

[Sobre "O Conflito do Oriente Médio"]

por Heitor De Paola
23/5/2002 às
11h48 200.255.208.190
(+) Heitor De Paola no Digestivo...
 
Letrados
Não podemos nos esquecer daqueles que lêem três livros por dia e continuam não sendo humanos.

[Sobre "Quem Não Lê Não É Humano"]

por Eduardo
23/5/2002 às
03h01 200.151.46.74
(+) Eduardo no Digestivo...
 
Comentário
Estou vistitando a página pela primeira vez, por indicação de uma amiga. O que me chamou a atenção foi a maneira de vc expressar suas idéias... Parabéns!!!!! Vc escreve muito bem...

[Sobre "ajoelhou? tem que rezar"]

por Laura
22/5/2002 às
13h12 200.193.73.111
(+) Laura no Digestivo...
 
Porreta!
O Neumanne continua excelente,como o foi desde o início de sua carreira de jornalista, agora um ensaísta de primeira. Tenho orgulho de ser seu amigo,como fui, outrora, de Paz e ainda sou de Wladir Dupont. Pena que não conheci Sade. Artigo formidável.

[Sobre "O prazer, origem e perdição do ser humano"]

por AlbertoBeuttenmüller
22/5/2002 às
11h39 200.158.28.159
(+) AlbertoBeuttenmüller no Digestivo...
 
afirmative action
Eu concordo que há nesses movimentos todos pessoas ressentidas e azedas cujos propositos são de revide e cizânia.Mas eu pergunto ao Felix:o que você propõe para diminuir as desigualddades que visivelmente,a depender da regiao do pais, excluem negros e populacoes de pele escura.Que sim, são pobres, alias continuam pobres ha quinhentos anos num processo terrivel de feedback negativo,de circulo vicioso que os confinam na sua condiçao.A pobreza na maior parte do pais tem uma cara, uma cara escura.Diante disso o que fazer?Esperar que longos ciclos de crescimento economico façam seu trabalho lentamente?O Brasil já teve ciclos de desenvolvimento e eles falharam nesse proposito.Não é chegada a hora de uma ação efetiva e direcionada?Não digo para beneficiar negros .Mas não tenho duvida que se "negros" for substituido por "pobres" a maior parte deles será negro-mestiça.Tambem acho que importar esses modismos americanos como "afro-brasileiros" é risivel,não coaduna com o espírito da nação.No fim posso concluir:o Brasil possivelmente precisa afirmative action urgentemente.Mais a versão brasileira deve ser calcada em investimentos maciços em educação basica e inclusão social o que permitirá que a renda se distribua mais uniformemente.Mas por favor não me venham com esse clichê que preconceito no Brasil é contra pobre.Eu duvido que se marcarmos uma consulta médica e ao entrar no consultorio depararmo-nos com um doutor negro como o ébano não vamos tomar um susto e ficar a partir dai com uma cisma incômoda,inconfessavel e mal-resolvida que a maioria de nos despachará para o recôndito da alma com medo de ser racista.E isso não é racismo exatamente.É uma reação reflexa,involuntaria diante da excepcionalidade do fato e do estereótipo sobre o negro:quem ele é,no que trabalha,o que pensa,onde vive.Mais não é o ideal.O ideal é que a visão de um negro médico trajado de branco passe incólume pelo nosso cérebro sem despertar qualquer espanto,qualquer sinal de alerta.Que seja trivial.Ao dizer isso penso quão longe estamos dessa condição.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por J. NÓVOA
22/5/2002 às
10h30 200.128.28.8
(+) J. NÓVOA no Digestivo...
 
Dou a palavra ao meu mestre
Farsa monstruosa Olavo de Carvalho Jornal da Tarde, 9 de maio de 2002 A onda mundial de denúncias contra o clero católico baseia-se nuns quantos casos de pedofilia registrados, ao longo de mais de uma década, em vários países. A repetição uniforme do noticiário cria na alma do público uma associação de idéias entre pedofilia e catolicismo, reforçada por pareceres supostamente abalizados que sugerem a ligação entre esse fenômeno e o celibato clerical. Para quem pense por estereótipos e frases feitas, o noticiário é impressionante, e convincente a fusão de imagens que ele veicula. Homens capazes de raciocinar com números e fatos são, em qualquer país, uma minoria irrelevante. Mas, aos olhos dessa minoria, é claro que as denúncias dizem o contrário do que pretendem: o que elas demonstram é que a pedofilia é menos freqüente entre padres católicos do que entre os membros de qualquer outro grupo social escolhido para fins de comparação. Escolho, a título de amostra, dois dos grupos que mais têm a lucrar com a desmoralização da Igreja: de um lado, os gays; de outro, a burocracia internacional que hoje substitui o clero na missão de zelar pelo bem da infância. Um estudo recente empreendido por Judith Reisman, a celebrada autora de Kinsey, Crimes & Consequences, mostra que a média de ataques sexuais a crianças cometidos por homossexuais é cinco vezes maior que a dos cometidos por heteros. Pedófilos homossexuais, em suma, são muito mais reincidentes. E, entre as vítimas de pedófilos machos, para cada menina há 20 meninos. Se mesmo uma constante estatística tão significativa não justifica uma onda mundial de alarmismo antigay, por que umas dezenas de casos pinçados pela mídia justificariam a mundial prevenção anticatólica? Mas no caso gay não há somente uma constante estatística. Há o fato bruto da indução à pedofilia por parte de publicações representativas de grupos homossexuais. No seu trabalho "Child Molestation and the Homosexual Movement", a ser publicado proximamente na Regent University Law Review, mas cujos resumos já circulam pela Internet, o jurista Steve Baldwin revela descobertas que fez na bibliografia gay disponível no mercado. Vejam estas três, colhidas a esmo no mostruário: 1) O Journal of Homosexuality, prestigiosa publicação acadêmica pró-gay, publicou recentemente todo um número especial sob o título grotescamente eufemístico "Intimidade intergeracional masculina", no qual vários artigos apresentavam a pedofilia como uma "relação de amor". 2) Larry Elder, fundador e chefe de um grupo ativista gay, escreveu no seu livro Report from the Holocaust: "Naqueles casos em que crianças fazem sexo com pessoas mais velhas homossexuais, afirmo que com freqüência, com muita freqüência, a criança deseja a atividade e talvez mesmo a solicite." 3) Uma das mais influentes revistas gays, The Advocate, publica regularmente anúncios de um boneco de borracha modelo "Menino Penetrável... disponível em três posições provocantes". Mas seria injusto dizer que a comunidade gay é recordista de pedófilos per capita. Por enquanto a taça parece estar com aquela classe auto-incumbida de velar, em lugar do antigo clero, pela proteção e formação moral das crianças do mundo: os assistentes sociais da ONU. Só em 2001 chegaram a 400, segundo dados da própria secretaria-geral da entidade, as queixas apresentadas por famílias de refugiados da África Ocidental contra esses molestadores multinacionais de crianças. Quatrocentos episódios num ano, numa única comunidade, configuram inequivocamente um caso de pedofilia em massa. E com o detalhe especialmente repugnante: as vítimas não foram colhidas nas ruas ou nas escolas, mas entre as massas de miseráveis, famintos e doentes que, no extremo do desespero, se entregaram nas mãos desses monstros confiando na sua promessa de socorro. Isso, sim, é um escândalo de proporções mundiais, um crime contra a Humanidade no sentido mais estrito em que esta expressão foi definida em Nuremberg. Mas os assistentes sociais da ONU são intocáveis. São o novo clero, incumbido de espalhar no mundo o evangelho "politicamente correto" da Humanidade de amanhã. Denunciá-los seria promover o desmanche imediato da ideologia "humanista" que inspira os ataques da mídia internacional ao clero católico. Por isso a imprensa mundial se cala, desviando as atenções do público para casos seletivamente escolhidos onde figure, como emblema do crime, a palavra "padre". Afinal, a Igreja não existe para arcar, como o próprio Cristo, com os pecados do mundo?

[Sobre "Regras da Morte"]

por Assunção Medeiros
22/5/2002 à
00h03 200.184.36.88
(+) Assunção Medeiros no Digestivo...
 
Jô Soares
Suely, desculpe a demora, mas quis pensar bem no que ia dizer. Minha opinião é que sim, Jô Soares é inteligente- que tem muitos defeitos, que são bem visíveis, mas que burrice não é um deles. Ele é repetitivo, satisfeito consigo mesmo, frequentemente sem graça, e um tantinho filisteu- mas burro não. Ele lê, me parece- mas eu não leria os livros que ele lê (política, memórias de músicos de jazz, memórias de "artistas" da década de 20...- e nada, nunca, que tenha o menor valor literário). Um abraço, Alexandre.

[Sobre "Quem Não Lê Não É Humano"]

por Alexandre
21/5/2002 às
15h36 200.205.157.155
(+) Alexandre no Digestivo...
 
Alguém tem a receita do bolo?
É aquela velha história, não existem maus alunos e sim maus professores. A veiculação de maus programas, se deve muito provavelmente ao criador dos quadros, dos assuntos e organizadores(?) (não sei o nome deste profissional). Um programa considerado 'chato' pelos telespectadores como no caso do Big Brother que várias pessoas reclamaram, e inclusive sugeriram um Big Brother pensante, segundo Mario Senise do O Globo, com este grupo “teríamos diálogos inteligentes e papos de alto nível, com participação de: Lígia Fagundes Telles, A Fernanda Montenegro, A Marina Colasanti, a Adélia Prado e a Lúcia Guimarães, e O Jaguar, o Jabor, O millôr, O Hermeto Pascoal, o Nei Lopes, o Manuel de Barros, o Chico Caruso, o Zuenir e Veríssimo. Interessante saber que a audiência cresceu absurdamente, quando um humilde rapaz que não sabia se expressar direito, chorou por causa de uma boneca de sucata. O povo gostaria também de emoção e não só razão? E o que devo falar sobre o possível fim do 'saia justa'? Nada, quem sou eu? Não sou dona da razão. Estou no trabalho no horário em que é veiculado o programa. Difícil dar opiniões, hão de se espelhar em programas que estão conseguindo se manter, como no caso do programa Gabi.

[Sobre "Do Manhattan Connection ao Saia Justa"]

por Suely Coelho
21/5/2002 às
13h35 200.154.214.96
(+) Suely Coelho no Digestivo...
 
pragmatismo
Fabio, achei perfeito o racicínio que você desenvolveu para o Nóvoa. Se você desdobrá-lo até suas últimas e mais fundamentais conseqüências, verá que devemos ser contra a legalização do aborto exatamente por causa do direito inalienável à vida que o ser humano tem desde a concepção. Concordo contigo que a natureza humana é isso aí que conhecemos, mas, se pensarmos da maneira que você defende no início do teu texto, porque então não tiramos do Código Penal tantas outras coisas que estão lá, e que vão acontecer de qualquer maneira? Abraço, Alexandre

[Sobre "Regras da Morte"]

por Alexandre Ramos
21/5/2002 às
13h19 200.179.45.130
(+) Alexandre Ramos no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cadernos da Amatra IV - 13º
Varios Autores
Amatra



Almanaque Disney Nº 196
Walt Disney
Abril
(1987)



Fraudes e Golpes Em Crédito e Cobrança
Adriano Blatt
Printed
(2000)



A Arca Perdida de Noé
Charles Berlitz
Círculo do Livro
(1987)



Picchi
Picchi
Copyjet
(1988)



O Livro das Sombras
N. E. Genge
Frente
(2002)



A Abadia de Northanger
Jane Austen
Principis
(2020)



Guia turismo 10+: Orlando
Vários Autores
Dk



O Segredo da Floresta do Pânico
Gillian Summers
Bertrand Brasil
(2014)



O poder político na URSS - De Kruschev a atualidade
Jacques Tatu
Expressão e Cultura
(1970)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês