Serenidade e machadada | Alexandre Soares

busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
>>> Stela Nesrine é protagonista do novo episódio de 12 Histórias no canal do Festival das Marias
>>> CONTOS DE AXÉ - 18 histórias inspiradas nos arquétipos dos orixás
>>> Feriado em família no Shopping Granja
>>> Casa Flutuar apresenta agenda cultural com grandes nomes da música eletrônica brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
>>> Cuba E O Direito de Amar (2)
>>> A Velhice
>>> I know you
>>> Vanguarda e Ditadura Militar
>>> Na Campus Party 2009 II
Mais Recentes
>>> A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Globo (1974)
>>> Os testamentos de Margaret Atwood pela Rocco (2019)
>>> Asterix - O Combate dos Chefes de R. Goscinny e A. Uderzo pela Record (1985)
>>> Juventude sexualidade e espiritismo de Juventude sexualidade e espiritismo pela Ame (2013)
>>> Club Athletico Paulistano - Edição 70 Anos de Vários Autores pela Proal (1970)
>>> Club Athletico Paulistano - Edição 70 Anos de Vários Autores pela Proal (1970)
>>> Amor em São Petersburgo de Heinz G. Konsalik pela Estadão (1998)
>>> Manual prático do espirita de Ney Prieto Peres pela Pensamento
>>> O Despertar da Intuição de James Van Praagh pela Sextante (2003)
>>> Moçambique, o Brasil é Aqui de Amanda Rossi pela Record (2015)
>>> A Beleza é uma Ferida de Eka Kurniawan pela José Olympio (2017)
>>> O primeiro amor e outros perigos de Marçal Aquino pela Ática (2001)
>>> Tenda dos Milagres de Jorge Amado pela Record (1985)
>>> Carrego no peito de Fernando Vaz pela Saraiva (2014)
>>> Sexualidade na adolescência: dilemas e crescimento de Moacir Costa pela L&pm (1986)
>>> Minha Irmã Rosa de Justine Larbalestier pela Galera Record (2017)
>>> Revista Elvis Presley- O Legítimo e Único Rei Do Rock - Nº51 de Vários Autores pela Escala
>>> O Gerente Noturno de John Le Carré pela Record (2016)
>>> Vivências: diário de leituras de Martha Faermann pela Metrópole (1987)
>>> Im Your Man - a Vida de Leonard Cohen de Sylvie Simmons pela Best Seller (2016)
>>> Espelho: poesias de Ana Carolina Medeiros Assed pela Record (1987)
>>> Estação Carandiru de Dráuzio Varella pela Companhia das Letras (2000)
>>> Revista Espiritual de Umbanda Extra de Vários Autores pela Escala
>>> Repressão sexual: essa nossa (des)conhecida de Marilena Chauí pela Brasiliense (1984)
>>> Francisco Julião - uma Biografia de Cláudio Aguiar pela Record (2014)
COMENTÁRIOS

Terça-feira, 21/5/2002
Comentários
Leitores


Serenidade e machadada
O quê, ninguém convenceu ninguém de nada, depois de uma troca de emails? Que estranho.- Mas me deixem só dizer uma coisa. Sei lá eu quem está certo ou errado nisso tudo (tenho a impressão que é a Igreja Católica, mas sei lá eu); mas uma coisa eu sei, Gustavo (para comentar a sua última mensagem): serenidade não é tudo. Um maluco, por exemplo (é só um exemplo, calma) poderia muito serenamente pegar um machado e se decidir a matar uma mendiga. Pessoas à sua volta poderiam, muito serenamente, tentar dissuadí-lo com argumentos. Como poderiam também rir da falta de compostura da única pessoa que, vendo isso tudo, perdesse um pouquinho a calma e tentasse arrancar o machado da mão do maluco. Não é? Ora, para quem acha que abortar é um crime como matar uma mendiga a machadadas é um crime, é um dever perder um pouquinho a calma democrática e tentar impedir (por lei, por exagero retórico) a machadada e o aborto. Não acha? Um abraço a todos, Alexandre Soares.

[Sobre "Regras da Morte"]

por Alexandre Soares
21/5/2002 às
13h02 200.205.157.155
(+) Alexandre Soares no Digestivo...
 
sobre aborto
Pessoalmente acho aborto (seja durante a primeira semana ou no quinto mês) repugnante. Mas não tenho ilusões de mudar a natureza humana. Os homens (ou melhor, as mulheres) sempre fizeram e sempre farão aborto. A meu ver, o trabalho dos legisladores deve ser o de minimizar problemas, não de aumentá-los. Quais são as consequências da proibição do aborto? Os ricos continuam abertamente abortando, mas os pobres se ferram. O número de mulheres mortas tentando abortar (em salas de operação improvisadas ou mesmo em casa) é estarrecedor. A legalização do aborto, e a fiscalização do governo, evitariam essas mortes duplas (da mulher e do feto). Considero um enorme erro achar que a prática do aborto (que, repito, sempre existiu, existe e continuará existindo) tornará as pessoas piores do que são. Há mulheres que fazem aborto sem nenhum peso na consciência, claro, mas pra maioria a decisão de abortar é dificílima e deixa sempre uma cicatriz. Isso não mudaria caso o aborto fosse legalizado. Ao Novoa: toda célula é uma vida em potencial, certo, mas o que os religiosos dizem é que quando o processo da vida começa, você não tem o direito de interrompê-lo. Faz sentido, porque não temos como precisar exatamente o que é vida e quando ela começa. Seria quando o feto desenvolve orgãos? Quando seu sistema nervoso está funcionando plenamente? Quando ganha consciência, aos 12, 13 anos de idade? Cada um pensa de um jeito, por isso acho que, religiosos ou não, deveríamos respeitar o processo da vida, seja avançado ou incipiente.

[Sobre "Regras da Morte"]

por Fabio
21/5/2002 às
11h20 200.183.94.214
(+) Fabio no Digestivo...
 
Por favor me ajudem...
Por favor eu sou fã da série, anos incriveis e eu perdi os dois ultimos capitulos da fase de 16 anos e gostaria de saber como foi esses ultimos capitulos por favor eu imploro tem como vocês, me mandar por e-mail ? Desde já agradeço muito obrigado !!! Ass:Eduardo

[Sobre "Anos Incríveis"]

por Eduardo Alves
21/5/2002 às
10h05 200.204.109.167
(+) Eduardo Alves no Digestivo...
 
Retoques na realidade
O press book do filme diz que a cidade foi retocada mais para se aproximar da linguagem de quadrinhos (fantasia) do que propriamente para não destoar do apuro visual das outras imagens. Aquele prédio na Times Square, por exemplo, onde o Duende Verde ataca o conselho da empresa, não existe, foi "colocado" lá por computação gráfica. Assim como as cenas do alto dos edifícios foram retocadas. Os prédios ganharam terraços, cornijas e outros detalhes arquitetônicos para ficarem mais interessantes, já que, na realidade, pouca gente vê a cidade do ponto de vista do Homem Aranha. Quanto ao "Quase Famosos", a história toda foi baseada em fatos reais que aconteceram com três bandas: Led Zepellin, The Who e uma outra que não lembro agora. A cena do avião, em que no meio do pavor todo mundo confessa seus podres, diz que aconteceu de verdade com o The Who.

[Sobre "Valeu a espera"]

por Adriana
21/5/2002 às
09h49 200.191.223.245
(+) Adriana no Digestivo...
 
Palpos de aranha
Obrigado, Adriana, pelos comentários. Achei que a qualidade do filme está no equilíbrio (melhor que o filme dos X-Men) entre as doses de realidade e fantasia, tal qual os quadrinhos da Marvel, num roteiro que soube extrapolar corretamente as páginas da Hq, como essa que você cita do esboçar do uniforme. Você tem razão quanto à estética, a cidade de NY sempre foi coadjuvante das aventuras do Aranha (o primeiro trailer incluía até mesmo uma cena com o World Trade Center) e é razoável que ela tenha sido retocada para aparecer bem na tela. Já aquela cena de "Quase Famosos", outro dia eu descobri que aconteceu mesmo, com Jimmy Page, do Led Zeppelin!...

[Sobre "Valeu a espera"]

por Rafael Lima
21/5/2002 às
09h28 200.179.78.2
(+) Rafael Lima no Digestivo...
 
See ya
Nao foi so voce quem se cansou entao. :) Na verdade, se dependesse de mim, este nem seria um debate hostil. Eu tento me ater aos meritos da questao, mas se certas pessoas insistem em dizer zombeteiramente que eu fui rejeitado pelos pais, que minha ortografia e pessima, que minhas moleculas ficariam melhores como uma mesa de bilhar, que eu devia ir morar em um intestino humano, que eu sou ignorante, que eu preciso crescer e, pasmem, que EU e que sou imaturo; isso acaba nao se tornando possivel. De fato, nao tenho um "debate" nesse nivel desde que conclui a escola primaria e estou ate contente que o mesmo tenha terminado. Oh sim, se lhe interessa saber, detectei 3 erros de portugues em seus textos, um relacionado ao uso de plural, outro onde voce usa uma expressao de sentido inverso ao intencionado e um terceiro onde a expressao "desde" e empregada erroneamente. Mas nao se preocupe, querida. Ao contrario de voce, meu senso de decencia nao me permite ridicularizar meu "oponente" com coisinhas tao insignificantes. Eu ataco argumentos, nao pessoas. E nessa ultima mensagem me dou o direito de fugir a regra acima. Que algum dia voce encontre a serenidade para debater de forma verdadeiramente neutra. Deixo-os com um pensamento que recebi no email agora (deveras oportuno). Bye (sic) "If mankind minus one were of one opinion, then mankind is no more justified in silencing the one than the one--if he had the power--would be justified in silencing mankind." -John Stuart Mill

[Sobre "Regras da Morte"]

por Gustavo Alckmin
21/5/2002 às
05h26 200.189.2.128
(+) Gustavo Alckmin no Digestivo...
 
A despedida
É, Gustavo, realmente você conseguiu me cansar. Eu sempre tenho paciência com as pessoas mais teimosas, mas você não é teimoso: como dizia ministro de saudosa memória, você é imexível. Eu agora vejo com nitidez o abismo entre nós dois, e ele é intransponível. Siga seu caminho e eu sigo o meu. O meu eu não sei onde vai dar, apenas confio no Cristo, mas o seu você sabe muito bem onde acaba - no nada. E por favor, não chame seus erros de grafia de typos, porque typos são por definição involuntários. Os seus são por demais constantes e repetidos para não serem voluntários. Mas não importa, eu sei que você não gosta de humanos nem de humanidades, não é mesmo? Ler um bom livro ajudaria, mas não best-sellers ditos científicos. Enfim, é só mais um aprofundamento do abismo. Eu disse lá em cima, em algum lugar, que você deveria ler os escritos da Igreja COM O MESMO RESPEITO que lê um Carl Sagan, que você tanto gosta. Mas uma pessoa que diz que a maioria da humanidade é motivo de troça no seu culto ao nonsense (sic)não vai ler um livro religioso com um mínimo de reverência para tentar entender o que ele fala. Uma vez ouvi em um filme uma frase que me pareceu fantástica. Uma mocinha, a bela Angelina Jolie, falava sobre amor com seu paquerinha, e contou a história de um amigo músico que a repreendia sempre que ela tentava falar sobre seus sentimentos. A frase genial era a seguinte: "Talking about love is like dancing about architecture" (Falar a respeito de amor é como dançar a respeito de arquitetura). Pois é, acho que você não vai entender o que estou falando, nem que fale um milhão de anos e mostre todos os argumentos que tenho, pois você age como uma pessoa com grave deficiência de visão diante de um quadro de Monet. Ao se afastar, vê apenas uma névoa, ao se aproximar, apenas riscos sem sentido. Leia então seus livros de biologia, de física e das ciências todas que gosta, assista ao Discovery Channel e seja muito feliz no pouco tempo que lhe resta. Eu estou ocupada me preparando para a Eternidade. Tchau! P.S.: A resposta de pergunta que você me fez é: sim, acho que mesmo um filho totalmente rejeitado pelos pais deve ter uma chance de brigar por seu lugar ao sol neste mundo. Até mesmo um filho seu. Nós sempre achamos que sabemos muito sobre as consequências dos nossos atos, mas a vida sempre dá um jeito de nos surpreender. Um filho indesejado poderia bem ser a terapia que você está precisando. Bye...

[Sobre "Regras da Morte"]

por Assunção Medeiros
21/5/2002 à
01h34 200.184.36.174
(+) Assunção Medeiros no Digestivo...
 
Para Novoa
Caro Novoa, bem vindo ao fórum do Alexandre, e eu já me despeço, porque já disse quase tudo que tinha de dizer aqui. Quanto ao seus comentários, quero dizer algumas coisinhas: não estava falando de células em nenhum momento, até porque uma mulher não descobre que está grávida no momento da fecundação, nem dois ou três dias depois, a não ser que esteja fazendo tratamento para engravidar. A gravidez indesejada geralmente se descobre bem mais tarde, quando não estamos mais falando de grupos de células, mas em crianças em formação. Hoje temos no Brasil uma Norma Técnica que permite abortos em fetos de até CINCO MESES. Isso é um bebê totalmente formado, que sonha, que escuta, que chupa o dedo, que brinca com os pais, que responde a estímulos fora do corpo da mãe. Existe alguma dúvida na sua cabeça que isso é um bebê? Achei sua resposta muito equilibrada, mas você mudou de assunto. Não vou comentar nada a respeito destes outros experimentos genéticos, apesar de os rejeitar instintivamente. Não tenho conhecimento para fazer um comentário inteligente a respeito deles. Quanto aos ares novos na discussão ética, e o comentário sobre Galileu, devo comentar que ele só pôde falar o que falou porque estava amparado pela própria Igreja, que foi justamente a instituição que conseguiu salvaguardar um pouco da cultura clássica. Ele não teria de onde partir se não fossem os monges cristãos. E a superstição era da parte de todos os cientistas da época, e dizer que isso é culpa da Igreja é um argumento demasiado simplista, que não acho que você faria. Foi um prazer. Bye.

[Sobre "Regras da Morte"]

por Assunção Medeiros
21/5/2002 à
01h17 200.184.36.174
(+) Assunção Medeiros no Digestivo...
 
Sobre a Igreja
Assuncao, Nasci em familia catolica, ja frequentei os cultos dominicais, estudei 3 anos em escola catolica e desde tenra idade ja apresentava intensa resistencia quanto a engolir a doutrinacao religiosa que virtualmente todos ao meu redor ate hoje tentam me aplicar. Caso nao saiba, a esmagadora maioria da populacao e adepta de alguma religiao, sendo que aqui no Brazil (e nao venha me encher pelo "Z", e proposital), a predominante e a Catolica. Julgo inclusive que so poderia deixar de conhece-la se me isolasse completamente de qualquer contato social, visto que todos ao meu redor falam nela e nessa tal figura mitologica conhecida como "Deus" como se fosse uma verdade absoluta. Ja me cansei dos olhares assustados e reprovadores que me lancam todas as vezes que cometo o crime de dizer que nao acredito em uma so palavra daquele livro escrito por barbaros ignorantes a cerca de 2 milenios que eles veneram e que nao creio na super entidade que eles julgam estar por ai espionando e interferindo em tudo sem deixar qualquer vestigio. Ja pude assistir aos cultos e o veredicto que minha mente lancou sobre os mesmos foi o seguinte: "Nonsense em sua mais pura e absoluta forma". Ja tive aulas de "catecismo" na infancia e minha professora parecia me odiar pois era sempre eu quem lancava as perguntas que a desarmavam, enquanto os outros ze-manes engoliam todos aqueles absurdos sem dizer uma palavra. Ja li alguma coisa escrita por religiosos sim, mas confesso que nao muito e nao inteiramente, visto que o que eu cheguei a ler nao me compeliu em absoluto a buscar mais material relacionado. Afinal de contas, havia todos aqueles livros de Fisica, Biologia, Quimica e Cosmologia me aguardando e a ideia de perder tempo com nonsense nao me parecia atraente. Tudo isso lhe digo para rebatar sua nocao absurda de que nao ouvi os dois lados da questao. Na verdade, so poderia deixar de conhecer a religiao se nao fosse humano nem pertencesse a nenhuma sociedade, porque os esforcos de sua organizacao em nos doutrinar desde que nascemos sao deveras impressionantes. Uma das questoes que mais me enojavam era o tratamento que sua tao querida Biblia dava as criaturas que nao possuem DNA humano em suas celulas. "Deus criou todo o Universo unica e exclusivamente para atender aos interesses dos semideuses arianos Homo Sapiens, feitos a imagem e semelhanca do Criador "fodao" e que, por algum motivo estranho, tambem precisam comer, respirar, reproduzir-se e ate mesmo ir ao banheiro soltar montes de fluidos mal-cheirosos e asquerosos, exatamente como todas as formas de vida conhecidas. Quanto as outras criaturas, foram feitas apenas para servir a especie humana. Facam bom proveito!" Eu tenho que tirar meu chapeu para quem quer que tenha escrito essa tal Biblia, pois acho que nem Hitler faria melhor. Como o Alexandre mesmo demonstrou, o seu pessoal se sente ultrajado quando comparamos os humanos aos OUTROS animais, ignorando completamente as evidencias gritantes e percebiveis a qualquer observador isento. Se uma pessoa nao e sequer capaz de perceber que diversas criaturas nao humanas sao entidades conscientes, entao creio nao ser eu o monstro aqui afinal. Quanto a vasectomia e outras operacoes de esterilizacao, nao as considero convenientes devido a seu carater permanente e mutilatorio. Eu nao posso dizer com certeza que nao desejarei ter filhos daqui a 10 anos, por exemplo. A ideia de que o aborto substitui os metodos anticoncepcionais e erronea, uma vez que ele nada faz contra as doencas venereas. O aborto deve ser encarado como uma medida ultima, usado quando todas as outras falharem (sim, porque engana-se quem cre que esta 100% protegido usando os metodos contraceptivos atuais), da mesma forma que voce se trataria de gonorreia, ainda que a tivesse contraido em uma relacao protegida. Mas voce nao respondeu minha pergunta. Mesmo no caso em que descrevi (aonde me usei meramente como exemplo, ja que tenho sido um ima da antipatia alheia aqui ;) ), voce cre que seria melhor para a crianca nascer nas maos de pais que nao a querem nem sentem por ela qualquer empatia a permitir que os mesmos abortem? Oh, bonitinho da sua parte ficar apontando todos os meus typos(erros de digitacao), que modestia a parte, nao sao muitos. Sabe que quando eu cursava a terceira serie do primeiro grau eu fazia a mesma coisa com meus coleguinhas? Muito maduro de sua parte, de fato. E depois sou eu quem encaro o debate como um duelo entre inimigos... *ahem* ;) Bom, quando aos jargoes que voce insiste em usar, nao vou comentar. "Ficar na superficie e nao aprofundar" pra mim e algo que eu diria acerca de um individuo com problemas de potencia, me perdoe. ;) Mas brincadeiras a parte, se voce acha que minhas ideias nao abordam toda a complexidade da equacao, ha uma solucao muito simples: Mostrar quais aspectos eu ignorei, que, de acordo com voce, sao cruciais a questao. Mas e mais facil atirar insultos genericos ao meu raciocionio que demonstrar sua inadequacao, certo? Respondendo a sua pergunta acerca de em que voce e ignorante: Um requisito primordial para que uma pessoa aceite o processo de doutrinacao religiosa sem ser imediatamente acometida por crises de nausea e/ou riso incontrolavel e estar acometida por ignorancia generalizada em uma ou mais dessas areas: Fisica, Biologia, Quimica ou Matematica. Porque os mais leves conhecimentos que sejam acerca dessas ciencias seriam suficientes para que o individuo detectasse mais furos nas "teorias" religiosas expostas que em qualquer pedaco de queijo suico. Voce defende que uma gravidez nao pode ser comparada a uma infestacao por parasitas, visto que a primeira nao causa danos ao organismo, mas voce se esquece dos danos psicologicos. Ou voce vai me dizer que uma crianca indesejada na vida de um casal que tinha outros planos muito diferentes para suas vidas, planos que certamente nao incluiam sustentar um filho ate os 21 anos; nao causa qualquer tipo de transtorno psicologico? Honestamente, preferia ter que conviver com minhas lombrigas ate o ultimo dos meus dias a tal fardo! Quanto a comparar homosexualismo com pedofilia, sem comentarios. Isso e o mesmo que comparar estupro com relacao sexual. E nao me venha com essa ideia estapafurdia de que "um tras o outro". Liberar um item nao implica necessariamente em liberar tudo, assim como liberar a pecuaria nao implica em permitir pena de morte, que nao implica em permitir assassinatos isolados, que nao implica em permitir genocidios. Pelo seu raciocinio deveria ser assim, ja que matar frangos e bois aos montes e diariamente "amolece a moral e abre terreno para o resto", nao e? Novoa: Suponho que voce abrace como profissao alguma area biologica, ja que foi capaz de se expressar com maior proficiencia acerca da natureza dos embrioes e fetos jovens. Concordo com voce que a partir do ponto em que o feto possui seu sistema neurologico desenvolvido e operacional, ja pode ser tratado como entidade consciente. Tiro meu chapeu para voce. :)

[Sobre "Regras da Morte"]

por Gustavo Alckmin
20/5/2002 às
19h43 200.189.2.163
(+) Gustavo Alckmin no Digestivo...
 
Nas teias do filme
Rafael Maravilhoso seu texto. Principalmente porque você é fã, e por isso acrescenta muito mais informações do que a gente teria acesso por aí. Dá para ver o filme sob uma outra luz. Também gostei muito do Homem Aranha nas telas, mas vi pouco dele em quadrinhos. No entanto, esperava uma linguagem mais quadrinhos do que a mistura realidade-fantasia que se alterna no filme. Eu esperava, por exemplo, mais cenas como aquela onde Peter Parker esboça o uniforme. Fantástica! Quanto à "maquiagem" em Nova York, tem mais a ver com a estética cinematográfica do que com a vontade (ou necessidade) de afagar NY. Assim como em Amélie Poulain. Nos dois casos, a mistura entre realidade e fantasia é intencional, e a linguagem visual é uma das ferramentas responsáveis por esse efeito. Por último, gostaria de dizer que sinto-me lisonjeada por você ter colocado no seu texto a relação que eu fiz em uma de nossas muitas conversas: a comparação entre o personagem-suicida em delírio de LSD da edição que foi sem o selo do CCD e o roqueiro de "Quase Famosos" que ameaça pular do telhado.

[Sobre "Valeu a espera"]

por Adriana
20/5/2002 às
22h40 200.151.154.235
(+) Adriana no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Jogo das Contas de Vidro
Hermann Hesse
Best Bolso



Ah! Se Eu Soubesse...-depoimentos de Diversos Espíritos Vol 3
Rose dos Anjos
Francisco Spinelli



A casa das palavras
Marina Colasanti
Atica
(2012)



Jorge Luis Borges: O Homem No Espelho Do Livro
James Woodall
Bertrand Brasil
(1998)
+ frete grátis



O Homem Ideal- Ele é Doce . é Gostoso . e Adora Ser Mordido por Você
Dean e Merril Buckhorn
Record
(2002)



Juliette Society
Sasha Grey
Leya
(2013)



Os Sertões Volume III A Luta 2ª Parte
Euclides da Cunha
Abc
(2002)
+ frete grátis



Poesias
Olavo Bilac
Martin Claret
(2002)



Coronelismo,Enxada E Voto - Ciencias Politicas
Victor Nunes Leal
Alfa Omega



Pragmatismos, Pragmáticas e Produção de Subjetividades
Arthur Arruda, Benilton Bezerra Junior
Garamond
(2008)





busca | avançada
82307 visitas/dia
1,8 milhão/mês