nem verme nem homem | J. D. Novoa

busca | avançada
63244 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COMENTÁRIOS

Segunda-feira, 20/5/2002
Comentários
Leitores


nem verme nem homem
Quero deixar de lado os aspectos mais amplos que foram discutidos:culturais,civilizatorios e historicos e discutir certos aspectos biologicos da questão.Uma celula é um ser humano?Uma gástrula(grupo de celulas embrionarias com folhetos dérmicos diferenciados) pode ser chamado de ser humano?È óbvio que há várias respostas possiveis e mesmo opostas e isso reflete a candência e importância do tema.Eu tenho uma resposta:não,não é um ser humano.Um ser humano poderia ser descrito como um arranjo extremamente complexo em que trilhoes de celulas organizam-se e produzem uma consciencia capaz de indagar de si propria quando devidamente madura.Aqueles que tem crenças religiosas dirão que a isto tudo junta-se um espirito dado por Deus.Eu julgo que é absurdo dizer que a celula,qq celula, é um ser humano seja uma somatica (do corpo) seja uma zigotica(a celula-ovo).A moderna ciência sistêmica mostra que à medida que crescem os niveis de complexidade surgem novas capacidades e propriedades e por esse motivo que não devemos esperar compreender o todo pela simples analise- quebra -das partes.É por esse motivo que uma celula nao é um tecido nem um tecido um órgão nem um órgao um homem.Pra ser mais enfatico e menos truístico: mesmo todas as celulas do meu corpo somadas não sou eu.É por isso que eu,diferentemente do Papa,não vejo empecilhos eticos em experiencias com celulas-tronco totipotentes.Dirão:uma celula não é um ser humano plenamente mas o é potencialmente,virtualmente.Ora vamos!A moderna tecnologia da clonagem demonstra que qualquer celula do corpo é um ser humano em potencial.Todas elas possuem o mesmo cariótipo de um zigoto e todas podem recuperar a totipotência transformando-se num outro ser humano.Sim,qq célula:do seu braço,da raiz do seu cabelo,etc.Se o criterio é ser humano em potencial o Papa terminará por proibir qualquer experência com células.Eu não sou a favor do aborto de fetos maduros.Quando um feto é maduro?Não sei.Penso que quando já possui seus órgãos e aparelhos formados.Talvez no segundo ou terceiro mês.Não considero o descarte de embriões em clinicas um homicidio por que não os reputo seres humanos.Mas não vou ao extremo de considera-los amebas ou vermes.Haverá sempre um pesar em tal ato,a consciencia de um gesto significativo,nunca banal.Mas não é assassinato de bebes.A igreja Romana condenou a inseminação in vitro e aí está ela ajudando casais a serem felizes e completos.Não me consta que tenha desencadeado uma crise moral em nossa civilização,nem destruido o cristianismo ou tornado a vida um bem de comercio ou semeado a imoralidade entre os homens.E ai vai um esclarecimento.Não sou cientificista e não acho que considerações éticas devem ser monopolio de cientistas.As igrejas tem algo a dizer e são bem-vindas mas uma dose de conhecimento cintifico,que nada mas é que conhecimento desabusado acerca desse mundo de Deus,não faz mal,pelo contrario,areja o ambiente e espanta superstições.Galileu o diga.

[Sobre "Regras da Morte"]

por J. D. Novoa
20/5/2002 às
18h18 200.128.28.67
(+) J. D. Novoa no Digestivo...
 
Erótico
Rafa,
Há, se não me engano, duas adaptações de "Le Diable" para o cinema, a outra, francesa, de 1947. (A imagem do casal se abraçando na capa do livro, aliás, é desse filme.) Infelizmente, não estão disponíveis nas melhores locadoras. E, ainda que fora de catálogo, a versão com Detmers encontrei classificada entre os "Eróticos". Entendo o "furor", então. Abraço,
Eduardo

[Sobre "Em busca da pureza perdida"]

por Eduardo
20/5/2002 às
18h57 200.213.203.195
(+) Eduardo no Digestivo...
 
Registro em Ata
Gustavo... o seu primeiro comentário já começa com uma agressão, ou se preferir em seu dialeto, agreção, a uma organização que você demonstra de forma gritante não conhecer a fundo. Você antes de atacar, pelo menos se deu ao trabalho de ler os grandes escritos da Igreja com o mesmo respeito que leu Hume ou – céus! – Carl Sagan? Se não leu um Santo Agostinho, uma Santa Teresa D’Ávila, um Santo Antão ou um São João da Cruz, o que você sabe sobre a tal organização maldita? Uma versão da história escrita pelos seus inimigos, isso é o que você sabe. Vamos por partes então: religiosidade e moral. Para cada uma destas atividades que você parece ter como hediondas, fazendo delas um julgamento moral, tenho um comentário a fazer. Primeiro, o abate de animais. Utilizando o mesmo raciocínio que você vai utilizar mais adiante, o boi que me alimenta hoje, se estivesse livre e em estado selvagem, alimentaria outro predador. A vida funciona assim. Não me agrada não, mas meu lado animal me faz desejar e necessitar de proteína animal. Então eu a como. Mas existem muitas religiões de desaconselham e até proíbem a ingestão de determinada carne. Então me parece que as religiões também prefeririam que o homem evoluísse e abandonasse tal prática. Mas ainda não chegamos lá. Segundo, a carrocinha é resultado da irresponsabilidade do próprio ser humano, um mesmo tipo de irresponsabilidade que prega que é mais fácil engravidar e abortar que fazer sexo seguro ou manter castidade em momentos adequados. É um raciocínio cômodo e permissivo, contra o qual eu luto, mas que parece tomar conta da maioria da humanidade. O cãozinho filhote é sempre lindinho, mas hora que cresce, pede mais comida, mais atenção, dá mais trabalho ou fica velho, acaba por ser abandonado pelas pessoas que se responsabilizaram por criá-lo. Exatamente como um feto indesejado. Terceiro, a prática de experimentos enojantes em animais não é feita por pessoas que possuem um código moral forte, que sempre acompanha uma religião, mas vem dos CIENTISTAS que você parece venerar. É o MATERIALISMO que causa isto, a noção de que as coisas e seres só têm o valor da sua aplicação prática. Como você vê, a religião não causa nenhuma destas coisas, mas a falta dela sim. Um problema maior ainda é achar que estamos tratando de coisas num mesmo nível quando abatemos um animal inferior para alimento e quando destruímos a vida de um filho nosso. Quanto a ter ou não um Eu, você não pode afirmar que não tem, e eu não posso afirmar que tem. Na dúvida, não acho que se deve arriscar. E acho menos ainda que o Estado deva facilitar a prática da matança. Seus argumentos são realmente amostra de um espírito caído na mais profunda das trevas. Toda a crença moral, meu pobre rapaz, é totalmente independente de qualquer ciência, pois é em muito superior a todas elas. As ciências não foram feitas para descrever a realidade como um todo, mas apenas um pequenino recorte dela. Elas são em sua maioria o estudo das técnicas, e incapazes de descrever um fato concreto em toda a sua amplitude e em sua totalidade. Vejamos um fato simples: o cachorro soltou um verme no tapete. Diga-me qual a ciência descreve esse fato em sua totalidade. Isso é uma impossibilidade concreta. Mas quando observamos à luz das nossas crenças, avaliamos o fato como um todo e dizemos: é bom; é ruim. É esse tipo de raciocínio – não o seu cientificismo barato e datado – que eleva o homem à categoria de animal racional, superior a todas as outras espécies animais que conhecemos. Se você se sente culpado ao ser chamado de ser superior, tem a minha permissão de assumir sua condição verdadeira de parasita intestinal. E de procurar um intestino que o aceite, deixando os seres humanos prosseguirem em paz com suas atividades. Esta versão da história de Galileu não é a única existente. Mas é ótimo marketing para cientistas ateus que querem jogar pedras na Igreja. E a época de Galileu não é mais considerada como medieval, muito menos a de Hume. Uma das histórias que ouvi contava que o Papa, que era ‘padrinho’ de Galileu, só o repreendeu porque ele estava acintosamente desafiando sua autoridade, e isto estava criando mal-estar entre os outros intelectuais da época. Uma outra versão diz que, dentro da perspectiva matemática vigente na época, as contas de Galileu não batiam... Bem, de qualquer modo não conheço o caso direito, justamente por não ser história medieval, que é o que estudo, mas posso fazer uma pesquisa mais profunda para ajudar a você. Em relação à Idade Média e a Inquisição, a mesma coisa. A Inquisição não é medieval, foi criada no século XIII – final da Idade Média – para combater a heresia cátara no sul da França. Contudo, seu auge se deu na Modernidade. Mesmo assim, a propaganda e a quantidade de material pesquisado sobre a Inquisição é bastante desproporcional ao número de pessoas queimadas. Certa vez assisti à palestra de um antropólogo baiano e gay militante, Prof. Dr. Luiz Mott, especialista no "crime nefando". Ele próprio afirmou que os casos extremos – levados à fogueira – não passavam de algumas centenas. Isso em 500 anos! Se quiser fazer uma comparação macabra Gustavo, a repressão nos campos de concentração soviéticos (os Gulags) durante 60 anos ultrapassa muitos milhões de mortos! Fora os campos de concentração nazistas, as guerras mundiais, e as outras maravilhas do nosso século. O século XX foi uma verdadeira Idade das Trevas nesse aspecto. Quanto ao Hume, também não conheço a história dele, mas uma pergunta de ordem prática cabe aqui. Digam-me os meninos todos, que certamente entendem mais de futebol que eu: por acaso algum cartola contrataria um jogador que dissesse abertamente aos jornais que era torcedor fanático do maior time adversário, e que faria qualquer coisa para que este ganhasse o campeonato? Porque é que as pessoas sempre cobram da Igreja uma passividade muito maior que a que cada um está disposto a ter em sua vida pessoal? Porque é que a Igreja quando se defende de seus atacantes está errada? Eu sei que você não vê, Gustavo, sua cegueira é aparente para quem olha desde fora, mas as tradições religiosas da nossa era, o Judaísmo e o Cristianismo, foram determinantes na eliminação de práticas extremamente desumanas, inclusive da escravidão, que era prática milenar de todas as culturas anteriores, e só foi considerado um pecado e um erro PELA CIVILIZAÇÃO CRISTÃ. Tanto que em dois mil anos, o período escravagista não passou de trezentos anos. Todo esse seu pretenso respeito à vida dos que já nasceram provém do código moral da Igreja que você despreza. Há muitos anos que não se utiliza mais o termo "Idade das Trevas". Para uma leitura (boa) que desfaça esse mal-entendido, basta consultar Regine Pérnoud. Luz sobre a Idade Média, ou Idade Média - o que não nos ensinaram. Vá ler, Gustavo, saia das trevas. Pare de cuspir frases feitas na cara dos outros. Leia os DOIS lados da questão, muito, depois tome a sua posição. Não antes. Estes questionamentos não são brincadeira, isto não é um clubinho, é do destino da civilização que estamos falando. Leia os jornais e me diga que não estamos caminhando a passos largos para a barbárie e a completa destruição de nossa cultura. Mas você já é um dos bárbaros, não é? Metaforicamente colocando a espada em meu pescoço e da minha Igreja, e desejando nossa destruição. Agora, homossexualismo. No meu dialeto, e no meu entender, a PROPENSÃO ao homossexualismo não é doença. Não pode nem deve ser comparada a doenças como o câncer ou hemofilia. É um desvio de conduta sexual, como também o são o sado-masoquismo, a tão falada pedofilia, voyeurismo, e tantas outras coisas mais estranhas que vemos todos os dias. Quem tem a intenção – ou será intensão, em seu dialeto? – de debater de forma racional e lógica, não pode começar comparando coisas que não são de uma mesma natureza. Aliás, se discute até hoje o que se quer dizer com PROPENSÃO ao homossexualismo. Você então comparou coisas incomparáveis para defender uma posição que ainda não foi definida. Assim vai bem. Eu odeio perseguições (perseguissões?) feitas a qualquer grupo social. Os homossexuais não são perseguidos por mim, nem por pessoas que conheço. Interviria, se fosse caso isolado; chamaria a polícia, caso fossem em número muito grande. E na verdade, pelo menos aqui no Rio, a dita perseguição aos gays se restringe a pessoas que têm um mau-humor existencial de tal tamanho que perseguem qualquer coisa que passar na frente deles, qual cachorro vira-lata em beira de estrada. Mas isso não impede que os gays tenham um pedaço da praia de Ipanema só para si, com direito a bandeira do arco-íris e tudo, nem que vivam na mesma relativa intranquilidade de todos nós. O que qualquer pessoa faz entre quatro paredes se torna problema nosso a partir do momento que afeta a sociedade como um todo. Ou você acha que os políticos corruptos fazem suas tramóias passeando no parque? As piores sacanagens, lato e strito senso, são as que acontecem entre quatro paredes e afetam a pessoas do lado de fora. Os resultados morais de uma prática permissiva do homossexualismo com status equivalente ao heterossexualismo amolece a moral e prepara o terreno para que aconteçam coisas menos, digamos, suaves, como abuso sexual a crianças, "golden rain" (você sabe o que é?), sado-masoquismo e práticas hedonistas das mais grosseiras. Isso tudo traz um aviltamento da consciência que acaba por produzir perversos polimorfos como você, que acham que uma vida humana é equivalente em valor a uma ameba. Isso é problema de todos. Além do que, o próprio conceito de civilização já pressupõe uma perda de liberdade individual para o bem do grupo. Porque só os homossexuais estariam isentos disto? Já comentei ad nauseum o que acho da elevação de status do gay ao nível do hetero, e acho que se extrapolarmos isso para os outros tipos de desvio de comportamento sexual, fica claro o absurdo da coisa: porque não então efetuarmos casamentos entre irmãos, se eles se amam e querem ficar juntos? Ou entre mãe e filho, ou pai e filha? Qual o problema fisiológico disto, ou mesmo biológico? Criadores em toda a parte, quando querem apurar características genéticas de determinada linhagem de animais, cruzam pai e filha, normalmente. Vamos então criar um movimento político anti-incesto? Abaixo o controle estatal das famílias! Que os pais comam suas filhas! Agora, aborto. Essa sua visão de uma gravidez não desejada ser a mesma coisa que uma infestação de parasitas é algo que eu acho tão aviltante que nem merecia comentário. Mas como já fui acusada de fugir do assunto, coloquemos uma máscara anti-gases e examinemos seu comentário. Um verme, quando se hospeda num organismo humano, causa efeito daninho à fisiologia desse, o que torna premente a erradicação dos invasores. Um feto humano causa mudanças hormonais em uma mulher QUE SÃO ALTAMENTE BENÉFICAS à sua fisiologia, sendo que alguns médicos afirmam que as mulheres que não tiveram filhos e não amamentaram têm uma propensão maior ao câncer ginecológico. Só aí, já vemos uma diferença gritante, não é? Por isso, não teria grandes problemas em tomar um remédio e expelir um verme que me ataca. Como é a mulher que decide a continuação ou a interrupção do desenvolvimento do dito embrião, acho que a reação emocional dela não é só relevante, é determinante. Já estudei biologia, já fui a laboratórios e vi slides de diverso fetos de vários bichos, de galinhas a porcos. Muito macabro. Agora me diga você: qual a importância destes fetos todos serem estruturalmente muito parecidos? Isso significa que eles têm todos o mesmo valor? Então faça isso: quando você quiser ter um filho, vá a feira e compre um pintinho, ou melhor ainda, vá à granja e compre um ovo fertilizado e acompanhe o nascimento de seu rebento em casa. O álbum do bebê vai ficar uma graça! Querido, nenhuma mulher, nem as que abortam como método contraceptivo – e eu conheço algumas que o fazem – acha que o feto que está abortando é o mesmo que um feto de frango ou um girino. Você por favor, não projete seu delírio nas mentes de outras pessoas. Como o Alexandre soares disse, se as mulheres pensassem assim, não seriam mulheres, seriam monstros genocidas, moralmente e na prática também. Matar uma pessoa aos dois meses, aos dois anos ou aos vinte e dois é apenas uma questão de um trabalho maior ou menor para fazê-lo. O ser humano de vinte e dois certamente vai brigar muito mais contra a tentativa que a criancinha ou o feto. Pode ser até que ele frustre totalmente o seu intento de matá-lo, defendendo-se de você. Por isso, matar crianças ou bebês, antes ou depois do parto, é um crime PIOR que matar seres adultos, não menor. Bom, posso dizer que meu dinheiro é meu, me pertence, trabalhei por ele e conquistei o direito a ele. Mas quem foi que disse que os nutrientes PERTENCEM à mãe?? Ela os produziu? Ou os roubou dos animais, vegetais e minerais que ingeriu, sem pedir a mínima permissão? Ou será que os vermes têm direitos, mas os legumes não? Plantas são os únicos seres vivos que produzem seus nutrientes, e poderíamos contra argumentar que elas o fazem através da apropriação destes nutrientes presentes no solo. E agora, de quem são os nutrientes? E com que direito a mãe poderia negar os nutrientes ao filho, já que ela por sua vez os roubou de outrem? Resumo da ópera: toda a vida pertence a DEUS, e Ele dispõe dela de acordo com seus desígnios. Se eu achasse mesmo que distribuir dinheiro acabaria com a fome, daria todo mês grande parte de meu salário para isso. Só que a fome não se resolve com dinheiro. Se resolve com consciência. Que você não tem. Oh, Deus Santíssimo, ele agora encarna Grouxo Marx em sua memorável frase: "Jamais frequentaria um clube que me aceitasse como sócio". Quer dizer que é melhor a morte que ser um filho seu? Sabe que eu estou quase inclinada a concordar? Mas então faça o seguinte, vá ao médico e faça logo uma vasectomia. Corte o mal pela raiz. Assim, você jamais terá filhos, desejados ou não. Quanto ao que eu penso de seus métodos educacionais, se eles têm o mesmo teor destes seus comentários, acho que você devia ser proibido por lei de passar a menos de cem metros de qualquer escola, que dirá educar crianças como pai! Como a maioria das crianças que nasce no mundo é indesejada em algum nível, você acabou de decretar a destruição da espécie humana. Aperte então o botão vermelho. KABUM!!!!!! Ai, ai... acho que já mostrei porque você É uma criatura imatura. Porque trata a coisa como uma disputa entre amigos e inimigos, não como um debate de idéias. Também já falei porque acho seus argumentos bidimensionais, pois não imagino que você seja fininho feito uma folha de papel. Acho seus argumentos bidimensionais, porque ficam apenas na superfície do problema, sem se aprofundar nele. Isto é não ter profundidade, ou seja, usar de argumentos bidimensionais. Ignorante, meu caro, não é uma ofensa, mas a descrição do estado de uma pessoa. Você IGNORA completamente a verdade a respeito da Igreja, e a ataca com slogans e palavras de ordem. Isso é ser um ignorante de carteirinha. Indicação de bibliografia não é uma ‘tática diversionária’ (sic), mas sim uma tentativa delicada de abrir seus horizontes. Se você prefere uma escovada pública, que seja feita sua vontade. Uma última pergunta: no quê exatamente estou ignorante?

[Sobre "Regras da Morte"]

por Assunção Medeiros
20/5/2002 às
17h03 200.184.36.94
(+) Assunção Medeiros no Digestivo...
 
Diabo no corpo
Eduardo, "Com o Diabo no Corpo" deu origem a um filme italiano que causou bastante furor, em 1987, por causa da interpretação de Maruschka Detmers. Mas diabo no corpo bom mesmo era aquele de Miss Jones.

[Sobre "Em busca da pureza perdida"]

por Rafael Lima
20/5/2002 às
17h05 200.179.78.2
(+) Rafael Lima no Digestivo...
 
Falta de Cultura e Democracia
Caro Júlio, Abstraindo-se da discussão sobre qual seja o papel do Estado na criação - e manutenção de uma televisão de qualidade, não podemos nos esquecer que o nível da programação é meramente o reflexo do VERDADEIRO nível cultural dos telespectadores, por mais lugar que seja essa afirmação. Quero acreditar que a inexistência de bons programas de debates é o resultado do puro desinteresse das "massas" por esse tipo de programa, porque, se for por absoluta falta de profissionais capazes de engendrar boas discussões, estamos mais mal do que pensamos. Abs, Bernardo

[Sobre "Do Manhattan Connection ao Saia Justa"]

por Bernardo
20/5/2002 às
12h35 200.193.230.205
(+) Bernardo no Digestivo...
 
Então tá então
Gustavo, se você pretende mesmo comparar um humano a um animal, aí realmente não há o que fazer. O que me deixou mesmo intrigado foi a sua explicação sobre a acentuação. Você não tem um editor de textos em português? Ou não sabe programar o idioma do teclado no Windows? De fato, esta vida, como diz João Ubaldo Ribeiro, é mesmo muito dura e prenhe de percalços.

[Sobre "Regras da Morte"]

por Alexandre Ramos
20/5/2002 às
10h12 200.179.45.130
(+) Alexandre Ramos no Digestivo...
 
Faculdade para falar mal
Olha, eu nem recebo salário para falar mal dos outros nem acho que seja preciso ter feito faculdade para isso.

[Sobre "E eu mais ainda!"]

por Rafael Lima
20/5/2002 às
09h08 200.179.78.2
(+) Rafael Lima no Digestivo...
 
Estereótipos
Mauro, eu fico triste é de ver que os crioulos americanos, historicamente, tenham interpretado estereótipos na tela de cinema, quando poderiam aproveitar muito melhor seu talento. Para entender melhor ao que me refiro, assista ao filme Bamboozled (A hora do show), do Spike Lee.

[Sobre "Estereótipos"]

por Rafael Lima
20/5/2002 às
08h59 200.179.78.2
(+) Rafael Lima no Digestivo...
 
Acumulando insultos diversos
Assuncao: Nao irei responder a seus insultos juvenis, posto que sua ultima mensagem nada acrescentou a discussao. Ramos: Embora seja completamente irrelevante, creio que voce nao percebeu, ou finjiu que nao percebeu, que a ausencia de acentos em minhas mensagens e proposital, uma vez que os teclados nao possuem suporte intuitivo a eles (lingua inglesa nao contem acentos) e eu nao tenho a menor intencao de decorar sequencias absurdas como alt + 110. Mesmo porque, ausencia de acentos nao prejudica em nada o entendimento da mensagem. Mas vamos deixar de picuinha e ir direto ao cerne da questao, sim? Um humano adulto, no caso um escravo negro, e obviamente uma forma de vida consciente, que responde a estimulos, demonstra capacidade de sentir, contem memorias em seu cerebro e portanto um senso de identidade. O mesmo pode ser dito acerca de um embriao ou feto jovem? E digamos que eu considere moralmente incorreta a criacao de animais em fazendas, cruelmente enclausurados e genocidados apenas para atender aos nossos interesses. O que eu deveria fazer a respeito, proibir a pratica da pecuaria ou me abster de pratica-la? Se voce realmente cre que "toda forma de vida com o potencial para a existencia consciente tem rigorosamente o direito de ter sua vida preservada desde a concepcao", entao o que voce tem a dizer quanto a todas essas formas de vida obviamente conscientes, que demonstram, como ja disse, capacidade de sentir todas as emocoes conhecidas por nos, do odio ao amor, e que sao tratadas virtualmente como judeus em maos nazistas, pela nossa tao honrada e altruista especie? Ou sera que a sua definicao de ser consciente inclui apenas individuos de uma certa especie, que, "obviamente" que por pura e absoluta coincidencia, e a especie a qual vossa senhoria pertence? Se voce realmente leva a serio o que disse, meu caro, entao prevejo uma ardua e indigna existencia para voce, tentando inutilmente manter tal lei absurda que garante direito a vida a todo ser consciente. Talvez voce viaje ate o fundo dos oceanos para salvar os peixinhos da boca do tubarao. Quem sabe um tour pela Africa salvando veadinhos das garras de leoes famintos? E nem pense em atirar no felino quando este resolver que voce e um jantar melhor, afinal de contas ele e apenas um ser consciente que tem seu direito a vida garantido desde a concepcao. Oh, mas estas criaturas nao possuem o DNA da especie ariana, logo ate mesmo um embriao inconsciente, sem memorias e sem sistema nervoso deve ser considerado superior a elas. Outra coisa: Pelo seu raciocinio, se voce possui renda superior ao minimo necessario a sua subsistencia, a mesma deveria ser confiscada para alimentar individuos que nesse momento morrem de fome em algum lugar do mundo. Voce pode dizer "Mas a renda e minha, e se eu escolher nao cede-la para alimentar os tais mortos de fome, estou em meu direito." Creio que ninguem iria discordar e tentar tomar seus bens a forca, correto? Bom, e como e que um embriao cresce e se desenvolve? Ele o faz sugando nutrientes que PERTENCEM a mae, atraves do cordao umbilical e utilizando-se da infra-estrutura propiciada pelo seu utero. A mae nao teria o direito de se recusar a fornecer esses recursos, mesmo que isso implique na morte do embriao, da mesma forma que nos preferimos comprar carros, computadores e bebidas alcoolicas a fornecer recursos que certamente evitariam a morte por inanicao de outras pessoas? O exemplo e ainda mais grave, uma vez que um embriao nao aparenta ser possuidor de uma consciencia, mas uma crianca africana certamente o e. Dessa forma, concluo que seu raciocinio e incoerente e impraticavel e que voce faz vista grossa as implicacoes desagradaveis do mesmo, preservando apenas a parte que lhe convem. Soares: Voce me considera um monstro pelas minhas opinioes. Bom, considere que amanha eu engravide uma moca que pensa exatamente como eu e que nos resolvamos unanimemente que nao desejamos a crianca. Voce acha realmente que tal crianca deveria nascer e ser educada por pessoas como eu? Como voce supoe que a crianca ira se sentir ao crescer sem receber o afeto que merece e ao descobrir que so veio ao mundo gracas a um "acidente" e a uma lei absurda? Como ela ira se sentir ao saber que o projeto de vida de seus pais foi arruinado por sua concepcao e que eles se ressentem dela por isso? Se voce pudesse optar por vir ao mundo na pele dessa crianca, ou jamais existir, qual seria sua escolha? Por essas questoes e que defendo veementemente que NENHUMA crianca indesejada deveria jamais por os pes nesse mundo. Ja temos criancas abandonadas demais e nossa populacao nao para de crescer. Alem disso, nao posso deixar de me ultrajar quando o governo se decide no direito de controlar ate o que nos podemos ou nao fazer com nossas proprias entranhas! (bom, eu nao sou mulher, mas enfim... :) )

[Sobre "Regras da Morte"]

por Gustavo Alckmin
19/5/2002 às
22h32 200.189.2.5
(+) Gustavo Alckmin no Digestivo...
 
As mulheres que abortam
Sinceramente, não acho que o sujeito da mensagem 7 esteja sendo justo nem mesmo com as mulheres que abortam. Não acho que na maioria elas sejam tão, tão horríveis, que realmente encarem seus fetos como parasitas. Querendo defender o aborto, ele fez da mulher que aborta algo pior do que uma assassina- porque pelo menos uma assassina pode perceber o que fez e (quem sabe?) se arrepender. Mas essa hipotética mulher que aborta com a indiferença sem-medo-de-ser-feliz de quem se livra de uma lombriga- essa sim é realmente um monstro que só esta época tão pouco medieval (em outras palavras, tão inumana) poderia conceber. Se é para defender o aborto, é preciso fazer um pouco melhor do que isso- e um pouco melhor também do que usar o argumento "se acha que algo é crime, não o pratique, mas deixe os outros praticarem"; algo que por caridade prefiro achar que saiu sem querer- como uma tênia num banheiro público. Alexandre: gostei muito do texto, mesmo não concordando com uma ou outra coisa. Um abraço, Alexandre Soares.

[Sobre "Regras da Morte"]

por Alexandre Soares
19/5/2002 às
17h12 200.205.157.155
(+) Alexandre Soares no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SEGUNDO ENSINAMENTO
RÉGIS DE MORAIS
ALLAN KARDEC
(2014)
R$ 34,00



A NOVA ALQUIMIA
OSHO
CULTRIX
(2007)
R$ 21,82



A GUERRA DOS PARAFUSOS
ANTONIO BARRETO
JOSE OLYMPIO
(1992)
R$ 6,90



BANG-BANG NA ITALIANA
GANYMÉDES JOSÉ / TERESA NORONHA
ATUAL
(1988)
R$ 6,80



ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING VOL 2
PHILIP KOTLER
ATLAS
(1975)
R$ 10,00



O VENCEDOR
FREI BETTO
ÀTICA
(2008)
R$ 14,90



COMO ENTENDER A BIBLIA HERMENEUTICA
ANTONIO RENATO GROSSO
AD SANTOS
(2004)
R$ 17,90



CÁLCULO VOLUME 1
GEORGE B. THOMAS; MAURICE D., JOEL HASS
PEARSON
(2012)
R$ 108,00



A HERDEIRA - COLEÇÃO SARAIVA 82
HENRY JAMES
SARAIVA
(1955)
R$ 7,00



MEIOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA
JÉSUS BARBOSA DE SOUZA
SCIPIONE
(1996)
R$ 6,90





busca | avançada
63244 visitas/dia
2,6 milhões/mês