Estereótipos | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 19/6/2001
Estereótipos
Rafael Lima

+ de 5600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Mulher, negra e favelada
Conversando com meu irmão durante um filme, chegamos à uma conclusão interessante. Antigamente, sempre que havia um personagem negro em um filme qualquer, era o Sidney Poitier quem interpretava, qualquer que fosse o personagem. Hoje, há vários atores negros no cinema, atuando de acordo com o tipo de personagem que se procura. Por exemplo, se há um crioulo intelectual, quem vai interpretar é o Morgan Freeman. Se for crioulo galã, o papel é do Denzel Washington. Crioulo presepeiro é o Eddie Murphy, ou o Chris Tucker. Crioulo folgado: Cuba Gooding Jr. Crioulo ativista, Spike Lee. Crioulo macho-pra-caramba? Samuel L. Jackson. Arrumaram até um Shwarzenegger preto, o Wesley Snipes, crioulo só para filmes de pancadaria. Quer dizer, houve a seguinte evolução(?): antes, qualquer que fosse o personagem, ele seria interpretado pelo mesmo ator (uniformizando tudo pelo preconceito: não importa o que o crioulo era, importa que era crioulo); hoje, existem vários atores diferentes para cada papel, mas apesar das diferenças, a impressão que fica é a que estamos sempre vendo a mesma pessoa: um crioulo. Porque vai ser o crioulo folgado, o crioulo galã, o crioulo ativista, etc. Tá vendo, seu Luther King, para isso que o senhor morreu. Para que a tolerância se traduzisse em estereótipos mais maleáveis (stereos, do grego: sólido). Só isso.

Para quem não entendeu o título: as 3 palavras lá de cima foram extensamente utilizadas pela ex-senadora e atual vice-governadora Benedita da Silva como plataforma de governo e política eleitoral enquanto candidata no Rio de Janeiro. Assim como Hollywood, a Bené sabe muito bem como jogar com estereótipos.


Gays, Lésbicas e Similares
Giles Lascar, proprietário da boate gay Le Boy em Copacabana, avisa que já, já, vai inaugurar outra casa nos moldes desta, exclusivamente lésbica, chamada La Girl. O comentário óbvio é um trocadilho idem: é de lascar. A Le Boy completou 9 anos de funcionamento em maio, com uma clientela fixa e fiel, além de alguns eventos ultrapassando o mero gueto gay, como o show da cantora Gloria Gaynor. De vez em quando também pinta por lá alguma Vera Fischer ou Ana Paula Arósio, o único local onde elas podem dançar sem um monte de homens dando em cima. Com isso, Giles reforça a idéia de que Copacabana, atualmente, é um dos quartéis-generais gay do Rio de Janeiro, o que - opinião de morador do bairro desde o nascimento - não sei se é bom. Explico: desde o início de seu crescimento, desde que a cidade começou a crescer paralela ao mar, inclusive por causa do imenso espaço disponível, Copacabana teve o caráter de agregar em seu interior uma rica fauna de seres urbanos coexistindo num intrincado ecossistema social ao longo das décadas. Encontraram-se por aqui, entre outros espécimes, a colônia de pescadores do Posto 6; os grã-finos e turistas ricaços, no Copacabana Palace; a turma dos cafajestes, na Adega Pérola; os ratos de praia, na Miguel Lemos; os músicos da bossa nova, na boate do Hotel Plaza; as prostitutas da La Cicciolina; as hordas de aposentados, nas praças e no Bairro Peixoto, compondo um complexo e diverso quadro que motivou o compositor Fausto Fawcet a dizer que se a Bahia tinha dado régua e compasso a Gilberto Gil, Copacabana havia lhe dado a papelaria inteira...

Quando o bairro assume a bandeira do movimento gay, abre mão de toda essa histórica e conhecida vocação inclusivista e integradora. Porque, pelo que a prática mostra, o mundo gay tem muito pouco de inclusivista. Giles Lascar avisa que na nova casa a entrada de homens será, simples e objetivamente, proibida. Na Le Boy mulheres só entram acompanhadas de homens e pagam mais. A Le Boy atualmente ocupa um lugar dois números ao lado de onde foi originalmente inaugurada, que está ocupada pela Bunker 94, exemplo daquilo que jornalistas culturais chamam de boate alternativa. Pois bem, aos domingos a Bunker promove uma noite especial para lésbicas em que homem só entra acompanhado e paga o triplo, batizada como o hilariante nome de "Disckotcheca", criando a curiosa situação de alinhar uma fila só de homens exatamente ao lado outra só de mulheres, na entrada das casas noturnas. Como, apesar de tudo, ainda estamos de Copacabana, a mesma quadra que abriga a Bunker e a Le Boy ainda encontra espaço para a Mariuzzin, outra boate, essa straight e decadente há anos, e um autêntico botequim da categoria dos pé-sujos, coladinhos, um no outro. Mas se depender da turma GLS, tenho minhas dúvidas que em breve essas duas casas serão arrendadas e o que era um caso de convivência pacífica (a menos dos ovos e sacos de xixi arremessados por alguns moradores) vai se transformar num gueto social. Falo isso por dois motivos: 1) o alto poder aquisitivo dos gays, cria uma demanda sempre crescente de lugares onde se sintam à vontade - e como se sabe, os empresários só sentem atração sexual pelo verde-dólar; e 2) a tomada de Constantinopla que os gays promoveram em outros lugares do Rio, virtualmente colocando para correr quem não é do time. Cito aqui dois exemplos: o conjunto de bares e pubs na esquina da Visconde Silva com Mena Barreto em Botafogo (o extinto "baixo gay" ), invadido na segunda metade da década de 90, dizem, por causa das inúmeras obras que rolavam na cidade, mudando completamente os ambientes, e o tradicional reduto boêmio de Ipanema, o bar Bofetada, onde um dia já se reuniram para criar a mitologia da cidade Sérgio Porto, Flávio Rangel e Ferdy Carneiro, e hoje nem o emérito bebedor Jaguar põe os pés lá no turno noturno sem ser catalogado pelo menos entre os S do GLS. Por isso tudo eu me pergunto: qual o real valor de mais uma casa strictly gay em meu bairro? Será que os gays conseguirão criar uma ambiente tão aberto e integrador quanto era o bairro que elegeram para seus embalos noturnos?

Síndrome de máquina remarcadora
Apesar de não ser muito dado a esse tipo de coisa, inventei um rótulo para definir um tipo de comportamento altamente questionável que cada vez mais se encontra por aí, principalmente entre jovens profissionais urbanos: "excesso de auto-indulgência pós-moderna" (foi entre aspas para angariar mais respeito). Você provavelmente já ouviu muita coisa assim...
1. Essa música é só para dançar
2. Eu só vou lá para ganhar o meu dinheiro
3. Ué, você não vê filme ruim de vez em quando?
4. Não é obrigado, mas é altamente recomendável
5. Nós temos que atender ao cliente
6. Acho que todos aqui tem o seu valor
7. Você tem que aprender a se auto-conhecer
8. É só para passar o fim-de-semana
9. Ah, é ruim, mas é divertido
10. Um pouquinho, pode tudo

Molambo power
Guga é tri: viva "estopa", no topo do mundo! Acho que vou deixar o cabelo crescer que nem o dele. Se não posso ser campeão do mundo jogando tênis, ao menos acho consigo ficar com o cabelo daquele jeito... (nunca é demais lembrar que aquele espanhol estava de barba feita, cabelo cortado, e nem suava direito na testa).


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 19/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
02. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
03. 40 anos sem Carpeaux de Celso A. Uequed Pitol
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
05. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/5/2002
02h22min
Rafael, se você fica tão triste ao ver crioulos na tela, basta não assistir mais aos filmes americanos. Suponho que voce seja de esquerda, não? Então, veja apenas filmes nacionais... Eu, como sou crioulo, e de direita, adoro ver filmes americanos, e não perco um episódio de "Um Maluco no Pedaço", no SBT. P.S. Vou votar no candidato do FHC, o Serra, por causa da lei de cotas (mas mudo o voto, se surgir um candidato crioulo, gay ou mulher)
[Leia outros Comentários de Mauro G. Cetrone]
20/5/2002
08h59min
Mauro, eu fico triste é de ver que os crioulos americanos, historicamente, tenham interpretado estereótipos na tela de cinema, quando poderiam aproveitar muito melhor seu talento. Para entender melhor ao que me refiro, assista ao filme Bamboozled (A hora do show), do Spike Lee.
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PARA PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DE ADMINISTRAÇÃO
JOÃO BAPTISTA HERKENHOFF
FUNDO DE CULTURA
(2006)
R$ 45,00



NOVA ESCOLA Nº 216 EFEITO DOMINÓ
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2008)
R$ 5,90



E-MAIL - A COMÉDIA DOS SEM-CARÁCTER...
MATT BEAUMONT
BERTRAND BRASIL
(2005)
R$ 10,00



LAÇOS DE AMOR
ANDREIE BAKRI
MADRAS
(2001)
R$ 20,00



CENTURION
SIMON SCARROW
HEADLINE
(2007)
R$ 20,00



PARTIDO REPUBLICANO FEDERAL 1893-1897
JOSÉ S. WITTER
BRASILIENSE
(1987)
R$ 7,00



100 SEGREDOS DAS PESSOAS DE SUCESSO
DAVID NIVEN
SEXTANTE
(2002)
R$ 10,00



O MANUAL DA FELICIDADE O SERMAO DA MONTANHA
PE ALBERTO LUIZ GAMBARINI
LOYOLA
R$ 6,00



O VERDE VIOLENTOU O MURO
IGNÁCIO LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(1984)
R$ 4,00



CADERNO PEDAGÓGICO 3º TEMA GERADOR: O SENTIDO DA VIDA
PROJETO PARA O ENSINO RELIGIOSO ESCOLAS PÚBLICAS
PAULUS (SP)
(1995)
R$ 31,28





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês