Estereótipos | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS

Terça-feira, 19/6/2001
Estereótipos
Rafael Lima

+ de 6100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Mulher, negra e favelada
Conversando com meu irmão durante um filme, chegamos à uma conclusão interessante. Antigamente, sempre que havia um personagem negro em um filme qualquer, era o Sidney Poitier quem interpretava, qualquer que fosse o personagem. Hoje, há vários atores negros no cinema, atuando de acordo com o tipo de personagem que se procura. Por exemplo, se há um crioulo intelectual, quem vai interpretar é o Morgan Freeman. Se for crioulo galã, o papel é do Denzel Washington. Crioulo presepeiro é o Eddie Murphy, ou o Chris Tucker. Crioulo folgado: Cuba Gooding Jr. Crioulo ativista, Spike Lee. Crioulo macho-pra-caramba? Samuel L. Jackson. Arrumaram até um Shwarzenegger preto, o Wesley Snipes, crioulo só para filmes de pancadaria. Quer dizer, houve a seguinte evolução(?): antes, qualquer que fosse o personagem, ele seria interpretado pelo mesmo ator (uniformizando tudo pelo preconceito: não importa o que o crioulo era, importa que era crioulo); hoje, existem vários atores diferentes para cada papel, mas apesar das diferenças, a impressão que fica é a que estamos sempre vendo a mesma pessoa: um crioulo. Porque vai ser o crioulo folgado, o crioulo galã, o crioulo ativista, etc. Tá vendo, seu Luther King, para isso que o senhor morreu. Para que a tolerância se traduzisse em estereótipos mais maleáveis (stereos, do grego: sólido). Só isso.

Para quem não entendeu o título: as 3 palavras lá de cima foram extensamente utilizadas pela ex-senadora e atual vice-governadora Benedita da Silva como plataforma de governo e política eleitoral enquanto candidata no Rio de Janeiro. Assim como Hollywood, a Bené sabe muito bem como jogar com estereótipos.


Gays, Lésbicas e Similares
Giles Lascar, proprietário da boate gay Le Boy em Copacabana, avisa que já, já, vai inaugurar outra casa nos moldes desta, exclusivamente lésbica, chamada La Girl. O comentário óbvio é um trocadilho idem: é de lascar. A Le Boy completou 9 anos de funcionamento em maio, com uma clientela fixa e fiel, além de alguns eventos ultrapassando o mero gueto gay, como o show da cantora Gloria Gaynor. De vez em quando também pinta por lá alguma Vera Fischer ou Ana Paula Arósio, o único local onde elas podem dançar sem um monte de homens dando em cima. Com isso, Giles reforça a idéia de que Copacabana, atualmente, é um dos quartéis-generais gay do Rio de Janeiro, o que - opinião de morador do bairro desde o nascimento - não sei se é bom. Explico: desde o início de seu crescimento, desde que a cidade começou a crescer paralela ao mar, inclusive por causa do imenso espaço disponível, Copacabana teve o caráter de agregar em seu interior uma rica fauna de seres urbanos coexistindo num intrincado ecossistema social ao longo das décadas. Encontraram-se por aqui, entre outros espécimes, a colônia de pescadores do Posto 6; os grã-finos e turistas ricaços, no Copacabana Palace; a turma dos cafajestes, na Adega Pérola; os ratos de praia, na Miguel Lemos; os músicos da bossa nova, na boate do Hotel Plaza; as prostitutas da La Cicciolina; as hordas de aposentados, nas praças e no Bairro Peixoto, compondo um complexo e diverso quadro que motivou o compositor Fausto Fawcet a dizer que se a Bahia tinha dado régua e compasso a Gilberto Gil, Copacabana havia lhe dado a papelaria inteira...

Quando o bairro assume a bandeira do movimento gay, abre mão de toda essa histórica e conhecida vocação inclusivista e integradora. Porque, pelo que a prática mostra, o mundo gay tem muito pouco de inclusivista. Giles Lascar avisa que na nova casa a entrada de homens será, simples e objetivamente, proibida. Na Le Boy mulheres só entram acompanhadas de homens e pagam mais. A Le Boy atualmente ocupa um lugar dois números ao lado de onde foi originalmente inaugurada, que está ocupada pela Bunker 94, exemplo daquilo que jornalistas culturais chamam de boate alternativa. Pois bem, aos domingos a Bunker promove uma noite especial para lésbicas em que homem só entra acompanhado e paga o triplo, batizada como o hilariante nome de "Disckotcheca", criando a curiosa situação de alinhar uma fila só de homens exatamente ao lado outra só de mulheres, na entrada das casas noturnas. Como, apesar de tudo, ainda estamos de Copacabana, a mesma quadra que abriga a Bunker e a Le Boy ainda encontra espaço para a Mariuzzin, outra boate, essa straight e decadente há anos, e um autêntico botequim da categoria dos pé-sujos, coladinhos, um no outro. Mas se depender da turma GLS, tenho minhas dúvidas que em breve essas duas casas serão arrendadas e o que era um caso de convivência pacífica (a menos dos ovos e sacos de xixi arremessados por alguns moradores) vai se transformar num gueto social. Falo isso por dois motivos: 1) o alto poder aquisitivo dos gays, cria uma demanda sempre crescente de lugares onde se sintam à vontade - e como se sabe, os empresários só sentem atração sexual pelo verde-dólar; e 2) a tomada de Constantinopla que os gays promoveram em outros lugares do Rio, virtualmente colocando para correr quem não é do time. Cito aqui dois exemplos: o conjunto de bares e pubs na esquina da Visconde Silva com Mena Barreto em Botafogo (o extinto "baixo gay" ), invadido na segunda metade da década de 90, dizem, por causa das inúmeras obras que rolavam na cidade, mudando completamente os ambientes, e o tradicional reduto boêmio de Ipanema, o bar Bofetada, onde um dia já se reuniram para criar a mitologia da cidade Sérgio Porto, Flávio Rangel e Ferdy Carneiro, e hoje nem o emérito bebedor Jaguar põe os pés lá no turno noturno sem ser catalogado pelo menos entre os S do GLS. Por isso tudo eu me pergunto: qual o real valor de mais uma casa strictly gay em meu bairro? Será que os gays conseguirão criar uma ambiente tão aberto e integrador quanto era o bairro que elegeram para seus embalos noturnos?

Síndrome de máquina remarcadora
Apesar de não ser muito dado a esse tipo de coisa, inventei um rótulo para definir um tipo de comportamento altamente questionável que cada vez mais se encontra por aí, principalmente entre jovens profissionais urbanos: "excesso de auto-indulgência pós-moderna" (foi entre aspas para angariar mais respeito). Você provavelmente já ouviu muita coisa assim...
1. Essa música é só para dançar
2. Eu só vou lá para ganhar o meu dinheiro
3. Ué, você não vê filme ruim de vez em quando?
4. Não é obrigado, mas é altamente recomendável
5. Nós temos que atender ao cliente
6. Acho que todos aqui tem o seu valor
7. Você tem que aprender a se auto-conhecer
8. É só para passar o fim-de-semana
9. Ah, é ruim, mas é divertido
10. Um pouquinho, pode tudo

Molambo power
Guga é tri: viva "estopa", no topo do mundo! Acho que vou deixar o cabelo crescer que nem o dele. Se não posso ser campeão do mundo jogando tênis, ao menos acho consigo ficar com o cabelo daquele jeito... (nunca é demais lembrar que aquele espanhol estava de barba feita, cabelo cortado, e nem suava direito na testa).


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 19/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
02. Vai lavar uma pia de louça que passa de Adriana Baggio
03. Don Juan de mIRC de Rafael Rodrigues
04. Razoavelmente desinteressante de Eduardo Mineo
05. Sobre Parar de Escrever Para Sempre de Andréa Trompczynski


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/5/2002
02h22min
Rafael, se você fica tão triste ao ver crioulos na tela, basta não assistir mais aos filmes americanos. Suponho que voce seja de esquerda, não? Então, veja apenas filmes nacionais... Eu, como sou crioulo, e de direita, adoro ver filmes americanos, e não perco um episódio de "Um Maluco no Pedaço", no SBT. P.S. Vou votar no candidato do FHC, o Serra, por causa da lei de cotas (mas mudo o voto, se surgir um candidato crioulo, gay ou mulher)
[Leia outros Comentários de Mauro G. Cetrone]
20/5/2002
08h59min
Mauro, eu fico triste é de ver que os crioulos americanos, historicamente, tenham interpretado estereótipos na tela de cinema, quando poderiam aproveitar muito melhor seu talento. Para entender melhor ao que me refiro, assista ao filme Bamboozled (A hora do show), do Spike Lee.
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês