E eu mais ainda! | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
Mais Recentes
>>> Alex Vallauri - Da Gravura ao Grafite de Beatriz Rota-Rossi pela Olhares (2013)
>>> Pornografia de Witold Gombrowicz pela Companhia das Letras (2009)
>>> O Belo Perigo de Michel Foucault pela Autêntica (2016)
>>> A Grande Estrangeira - Sobre Literatura de Michel Foucault pela Autêntica (2016)
>>> Dicionário de Sinais e Sintomas no Diagnóstico de Ismar Chaves da Silveira pela Epub (2002)
>>> Contos e Poemas (seleção) de Mário de Andrade pela Expressão Popular (2017)
>>> Origem de Thomas Bernhard pela Companhia das Letras (2006)
>>> Amor Ao Pé Da Letra de Melissa Pimentel pela Paralela (2015)
>>> Plantas de Cobertura do Solo Caracteristicas e Manejo Em Pequenas . de Claudino Monegal pela Autor (1991)
>>> Os Honorários Advocatícios na Justiça do Trabalho - de Carlos Roberto Ramos pela : Conceito (2013)
>>> 1985 - o Autor de Laranha Mecânica Contesta o 1984 de Orwell e Mostra de Anthony Burgess pela Lpm (1980)
>>> Ciencias Criminais - Articulacoes Criticas Em Torno dos 20 Anos da Con de Ana C. B. de Pinho pela Lumenjuris (2009)
>>> Manual de Anestesia Em Pequenos Animais - de Paddleford pela Roca (2001)
>>> Las Investigaciones de Alvirah y Willy de Mary Higgins Clark pela Plaza & Janes (1998)
>>> Manual de Direito Constitucional - Volume Único de Marcelo Novelino pela Metodo (2014)
>>> Surfing and Health: Expert, Medial and Advice de Joel Steinman pela Meyer (2019)
>>> Competition in Global Industries de Michael E. Porter pela : Harvard Business School (1986)
>>> 22/11/63 - Novela de Stephen King pela Plaza Janés (2012)
>>> Guia Autorizado Adobe Photoshop 7. 0 - Com Cd - Livro de Treinamento de O mesmo pela Makron Books (2003)
>>> Instrumentos Musicales Precortesianos de Samuel Marti pela Inah (1968)
>>> Lo Mejor de La Siesta Inolvidable de Jorge Halperín pela Aguilar (2005)
>>> Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - Lucas de Graig A. Evans pela Vida (1996)
>>> Etiquette For Outlaws de Rob Cohen pela Harper Entertainment (2001)
>>> Caixa de Pássaros de Josh Malerman pela Intrinseca (2015)
>>> Retratos e Fotogramas: Isabelle Huppert de Sesc SP pela Sesc (2009)
>>> As minas de Salomão de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Sim Não de Jussara Braga pela do Brasil (1987)
>>> Alves & C.a de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1928)
>>> Fogo no Céu! de Mary França - Eliardo França pela Ática (1991)
>>> Contos de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1934)
>>> An Amazing Story de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1996)
>>> O crime do Padre Amaro de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> Codorna - Criação - Instalação - Manejo de Irineu Fabichak pela Nobel (1987)
>>> Guerras Secretas -Super-Heróis Marvel de Alex Irvine pela Novo Século (2016)
>>> Cartas de Inglaterra de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Cem Anos de Iberê de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2014)
>>> Dia de Aninha de Ciça Alves Pinto pela Global (1996)
>>> Lasar Segall Un Expresionista Brasileño de Ivo Mesquita, Jorge Schwartz e outros pela Takano (2002)
>>> The White Mountains de John Christopher pela Longman (1974)
>>> Laje de Santos, Laje dos Sonhos de Guilherme Kodja Tebecherani, Ana Paula Pinto e outros pela Globo (2009)
>>> Ulster Story de Michael Villeneuve pela Longman (1977)
>>> Marco Giannotti de Nelson Brissac Peixoto pela Cosac Naify (2007)
>>> Morri para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Esio Trot de Roald Dahl pela Puffin Books (2001)
>>> Laura Belém de Laura Belém e outros pela Cosac Naify (2013)
>>> Brave New World de Aldous Huxley pela Longman (1978)
>>> Favela, um Bairro de Cristiane Rose Duarte e Outros (org.) pela Pro (1996)
>>> 1/3 da Vida de Wanderley Oliveira e Ermance Dufaux pela Dufaux (2016)
>>> Quê ?! de Tião Carneiro pela Autor
>>> Conheça a Verdade de Bruce Milne pela Abu (1987)
COLUNAS

Terça-feira, 14/8/2001
E eu mais ainda!
Rafael Lima

+ de 3800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Tava demorando...
Rodinha de samba no botequim, ambiente democrático porém respeitador: quem não sabe a letra não canta, quem não tem instrumento não batuca na mesa. Em meio a apreciadores da música simples, gente da noite e boêmios, amadores ou profissionais, aquela menina. Jeito de recém chegada de Arembepe há 30 anos. A estampa pop art na camiseta e o discreto piercing no nariz fazem o contraponto estético moderno-tradicional, cujas leis são recitadas milimetriamente por cada peça que compõe seu vestuário. Os cabelos são escorridos, não tem maquiagem e é bonito ver como ela se assanha quando toca uma música que conhece. O papo com a amiga, alter ego, roda por Santa Teresa e bares da Lapa.... Apesar dos olhares cúmplices e 2 beijinhos no rosto aqui e ali, fica a impressão de que ela tem, ou não tem alguma coisa que a impede de se misturar à fauna local, não se sabe bem o que. Até que ela saca o celular da bolsa.

Como aquele livro do Veríssimo: As mentiras que os homens contam
Diálogo entreouvido no mesmo bar, na mesma noite, entre, Coroa, com idade para ser o senhor seu pai, mas apesar disso dando em cima:
- Qual é a sua religião?
Moça bonita, o mesmo jeito de recém saída de Arembepe, a voz duas oitavas acima do normal porque a parte de seu superego que cuidava disso já foi completamente dissolvida em álcool:
- Eu sou atéia.
Coroa: Mas atéia, não acredita em nada?
Moça: Em nada. Quer dizer. Eu acredito em energia. As pessoas têm energia.
Coroa, de bate pronto: E eu mais ainda!

Eu sou normal!
Justiça seja feita: Fernanda Young cumpriu os passos com rigor exemplar. Escreveu 3 livros, um pior do que o outro; só falou besteira ao responder as 20 perguntas da Playboy; criou aquele tipo de polêmica vazia em torno de si que só enche os olhos de editor de suplemento feminino de jornal do bairro, mas é consumível e suficiente para lhe angariar um rótulo como o de escritora pop. Era uma questão de tempo até que, por sua atitude moderninha, fosse alçada ao posto de formadora de opinião. Tanto era que ganhou uma coluna semanal, no JB. A única coisa que pode redimir uma biografia - porque isso não é currículo - dessas é a sua obra. E quem viu os primeiros episódios de Os Normais, nas noites de sexta na Globo, já sabe do que estou falando. Não são as interpretações padrão de Fernandinha Torres ou Luís Fernando Guimarães, nem o "senso de típico" (© Paulo Salles) para as situações estranhas & cotidianas de classe média, nem o ritmo cinematográfico dos programas do núcleo Guel Arraes o que deixa aquela sensação, mais do que satisfação, de... desconforto. É a disposição de Fernanda Young para ir além, retratando um naturalismo sem par na Tv até agora: a mulher que após ver seu noivo lhe traindo fica puta e diz: "Vou dar para o primeiro babaca que aparecer!"; o casal enojado quando descobre que o amigo come os restos de comida presos no fio dental; a mulher, irritada com o parceiro que desligou a luz do quarto enquanto ela lia: "liga essa bosta!". Nesses termos. Detalhes constrangedores do convívio íntimo: o namorado que vem para a cama com um sujo de xixi na cueca; uma certa "dança boba" convidando ao sexo; chupar o dedão do pé da parceira; o "beijo com boca de homem elefante". Duas amigas e o noivo de uma discutindo no carro as regras do ménage à trois que vai rolar quando eles chegarem em casa. A palavra para isso é transgressão. É, a falta de tato verbal de Fernanda Young acabou inovando a liguagem televisiva ao levar o padrão globo de qualidade a limites outrora proibidos. Quem sabe, algum dia, até aparece alguém tranquilamente tirando meleca do nariz. Como qualquer motorista distraído.

9 rainhas, 2 valetes e 1 curinga
O filme 9 rainhas é argentino, mas seu roteiro poderia perfeitamente ter sido ambientado no Rio de Janeiro da década de 80. Não bastasse ter que aturar a seleção deles na cabeça do grupo, e ver o dólar levantar vôo por conta dos coices do ministro Cavallo, a gente ainda tem que engolir o fato de não ter conseguido produzir uma leitura tão correta do momento em que vivem, vivemos, no cinema, o meio perfeito para esse tipo de retrato. Juan e Marcos são 2 pilantras, tambiqueiros, safados, punguistas que ganham a vida escorregando entre as brechas no sistema e enganando velhinhas indefesas. A maneira solidária com que ambos são tratados no roteiro remonta à eterna tradição literária, particularmente de esquerda, de glorificar os marginais, os excluídos do sistema, porque vítimas de um status quo injusto. Incapazes de realizar produtivamente seu potencial, acabam voltando-se para o crime, como bem exemplifica Carlinhos Oliveira na novela Terror e Êxtase. Ainda que preceba-se certo esquematismo na constução dos personagens - Valeria é a ética do trabalho, que "rala a bunda 12 horas por dia" na baixa gerência de um hotel de luxo, contraste ao imoral Marcos, que elogia a bunda da própria irmã e não vacila em se valer de uma situação de inferioridade para arrancar uma porcentagem maior do botim; já Juan é o canalha com culpa, o que aplica golpes, mas com o "nobre objetivo" de arrumar dinheiro para a operação de seu pai - ela foge do maniqueísmo fácil: apesar da falta de escrúpulos, é possível nutrir certa simpatia pelo jeito cínico de Marcos, pronto a negar com a cara mais limpa do mundo as acusações mais óbvias contra ele; também é possível implicar definitivamente com Juan, a despeito de suas "boas intenções", porque ele não vacila em mentir descaradamente para conquistar a confiança de velhinhas. Quando a situação limite do grande golpe pinta, o filme decola, colocando o espectador para desconfiar de cada coadjuvante novo que entra na história: qual é o papel daquele assaltante gordo na trama? quem está armando para cima de quem?, sem saber que sutilmente já foi envolvido no rolo, passando a fazer parte do jogo. A memória lembra de imediato Golpe de Mestre (o filme que reabilitou o ragtime de Scott Joplin) e aquele filme antigo do Mamet, mas se agora não temos Paul Newman e Robert Redford, contamos com malandros à vera, e se o final não é tão inventivo quanto o roteiro pedia - devia ter acabado 2 takes antes, na cena do banco - pelo menos guarda o mérito de manter a expectativa do público ao deixar o desenlace para literalmente a última cena.

Porque nasci, nasci para bailar
O lançamento da primeira biografia de Nara Leão pelo Sérgio Cabral, que parece realmente disposto a contar a história da MPB, refrescou uma dúvida que nunca consegui responder: como é que Nara Leão foi alçada à musa da bossa nova? Qualquer livro sobre o período se refre a ela assim. Mas eu sempre me recusei a acreditar que ela o merecesse. Aquele cabelo chanel, aquele olhar de mormaço, aquele sorriso dentuço, sem graaaaaça... Definitivamente, ela não era bonita - muito pelo contrário, aliás, para quem nasceu irmã de Danuza Leão. Basta dizer que ela foi a única musa até hoje cuja parte mais badalada do corpo eram... os joelhos. Musa não tem que ser bonita? Fazia um certo charme diferente, afeito a intelectuais (gente que nunca foi muito boa para escolher musa); Jeanne Moreau não precisa de mais do que um certo olhar perdido em Paris chuvosa à noite, em Ascensor ao Cadafalso, para arregimentar uma legião de fãs. Mas Nara Leão também era sem graça; tímida e sua presença de palco ou cênica é o sem jeito em pessoa. Sua atuação em Quando o Carnaval Chegar é uma aula de anti-interpretação, e olha que ela concorria com os caramujos Maria Bethânia e Chico Buarque. No livro que escreveu, Nelson Mota se vale do jargão anos 90 para explicar o magnetismo que ela exercia: "Nara tinha atitude". Nesse dias em que Attitude é o nome de uma revista mensal inglesa (o que eu mais queria era trabalhar na agência de propaganda detentora da conta dela para fazer um anúncio com o slogan: "Compre a sua Attitude, todo mês, nas bancas"), eu desconfio desse tipo de justificativa, mesmo reconhecendo que seu jeito despojado, rosto sem maquiagem, fizesse uma diferença naqueles tempos ainda bicudos - Lenny Bruce ainda ia em cana por contar piada com palavrão. Feia, sem graça, xôxa... mas por que musa, gente? Qual o motivo? Um amigo de família ligada à bossa nova foi mais pragmático: "Ela era musa porque dava, pô! As outras não davam!" Faz sentido. A Danuza sempre foi conhecida como mulher liberal e liberada, comportamento herdado da criação descontraída de seus pais. Mesmo assim, é de se perguntar: bastava isso, um comportamento anti-usual, para naquela época sempre risível que é o passado recente ("Olha como nós éramos magros, Valdir!") transformar uma moça de família em musa, mesmo que musa de praia e botequim? Que o Cabral me ajude a descobrir essa.

Aspas novamente para meu chapinha João Marcelo, o (de)formador de opinião
"No inverno do Rio a temperatura cai de 38 para 28 graus e tem gente que sai na rua de touca. E de crochê. Voz de prisão para todo mundo!"


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 14/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
02. A imaginação do escritor de Renato Alessandro dos Santos
03. Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil de Adriane Pasa
04. O pródigo e o consumo de Eugenia Zerbini
05. Histórias de superação que não fazem sucesso de Elisa Andrade Buzzo


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/5/2002
16h36min
VOCÊ NÃO SABE NADA DE TC, FALANDO QUE A FERNANDA YOUNG NÃO TEM TALENTO...VC QUE NÃO TEM.....RECEBE SALÁRIO SÓ PRA FALAR MAL DOS OUTROS...TEM FACULDADE PRA ISSO?
[Leia outros Comentários de Fernandinha]
20/5/2002
09h08min
Olha, eu nem recebo salário para falar mal dos outros nem acho que seja preciso ter feito faculdade para isso.
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SÉRIE CONCURSOS PÚBLICOS PROCESSO DO TRABALHO
RENATO SARAIVA
MÉTODO
(2007)
R$ 14,00



GLORINHA E O MAR
ISA SILVEIRA LEAL
BRASILIENSE
R$ 4,00



MISTERIOS DO CORAÇÃO
ROBERTO SHINIASHIKI
GENTE
R$ 6,00



RANGERS - IMPERADOR DE NIHON-JÁ - LIVRO 10
JOHN FLANAGAN
FUNDAMENTO
(2012)
R$ 55,80



PRODUÇÃO FLORESTAL EMPRESARIAL E ASSOCIATIVA
ANTÔNIO BENEDITO DE SIQUEIRA
JURUÁ
(2009)
R$ 35,00



WATERGATE: LES FOUS DU PRESIDENT
CARL BERNSTEIN E BOB WOODWARD
ROBERT LAFFONT
(1974)
R$ 26,28



A UNIFICAÇÃO DA EUROPA
VAMIREH CHACON
SCIPIONE
(1992)
R$ 7,00



VOZ DO QUE CLAMA NO DESERTO VOLUME I
DANIEL MASTRAL ISABELA MASTRAL
BV BOOKS
(2012)
R$ 30,00



MOTORES DE COMBUSTÃO VOL. 1 E 2) - 1681
FRANCO BRUNETTI
BLUCHER
(2012)
R$ 120,00



A BARCA DE GLEYRE - 2O TOMO
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1955)
R$ 6,90





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês