E eu mais ainda! | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> Livro - A Ararajuba - Série natureza brasileira 2 de Rubens Matuck pela Biruta (2003)
>>> Arsène Lupin e Victor, da Brigada Anticrime (como novo) de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> Livro - Os Pássaros - Coleção Infanto Juvenil de Germano Zullo Albertine pela 34 (2013)
>>> Livro - Betina de Nilma Lino Gomes pela Maza (2009)
>>> Agente em campo (como novo) de John le Carré pela Record (2021)
>>> Fantasma sai de cena (muito bom) de Philip Roth pela Cia das letras (2008)
>>> Gota d’água - Coleção Teatro Hoje de Chico Buarque (Autor), Paulo Pontes (Autor) pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Privação Cultural e Educação Pré-Primária de Maria Helena Souza Patto pela Livraria José Olympio (1977)
>>> Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins pela Planeta (2015)
>>> A Franco Maçonaria. Origem Historia e Influencia (raro exemplar) de Robert Ambelain pela Gnose (1990)
>>> O Desmonte de Amarildo Felix pela Patuá (2021)
>>> Diário de um Ladrão de Jean Genet pela Nova Fronteira (2005)
>>> Comédias para se ler na escola de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2001)
>>> Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira Auto da Índia de Gil Vicente pela Atica (2005)
>>> Eu não disse? (muito bom) de Mauro Chaves pela Perspectiva (2004)
>>> Os Sofrimentos Do Jovem Werther de Johann Wolfgang Von Goethe pela Martins Fontes (1998)
>>> O Quarto Reich (capa dura- ótimo estado) de M. A. Costa pela Livros de guerra (2018)
>>> A Inocência do Padre Brown (raro exemplar) de G. K. Chesterton pela Record
>>> Ventos de Quaresma (muito bom) de Leonardo Padura Fuentes pela Cia das letras (2008)
>>> Perseguido (muito bom) de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Cia das letras (2003)
>>> O Rei De Girgenti (muito bom) de Andrea Camilleri pela Record (2004)
>>> D. Pedro I (Perfis Brasileiros) de Isabel Lustosa pela Companhia das Letras (2006)
>>> Quatro Estações de Stephen King pela Objetiva (2001)
>>> Wicca Gardneriana de Mario Martinez pela Gaia (2005)
>>> O Feitiço do Cinema Ensaios de Griffe Sobre a Sétima Arte de Juan Guillermo D. Droguett e Flavio F. A. Andrade pela Saraiva (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 14/8/2001
E eu mais ainda!
Rafael Lima

+ de 5900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Tava demorando...
Rodinha de samba no botequim, ambiente democrático porém respeitador: quem não sabe a letra não canta, quem não tem instrumento não batuca na mesa. Em meio a apreciadores da música simples, gente da noite e boêmios, amadores ou profissionais, aquela menina. Jeito de recém chegada de Arembepe há 30 anos. A estampa pop art na camiseta e o discreto piercing no nariz fazem o contraponto estético moderno-tradicional, cujas leis são recitadas milimetriamente por cada peça que compõe seu vestuário. Os cabelos são escorridos, não tem maquiagem e é bonito ver como ela se assanha quando toca uma música que conhece. O papo com a amiga, alter ego, roda por Santa Teresa e bares da Lapa.... Apesar dos olhares cúmplices e 2 beijinhos no rosto aqui e ali, fica a impressão de que ela tem, ou não tem alguma coisa que a impede de se misturar à fauna local, não se sabe bem o que. Até que ela saca o celular da bolsa.

Como aquele livro do Veríssimo: As mentiras que os homens contam
Diálogo entreouvido no mesmo bar, na mesma noite, entre, Coroa, com idade para ser o senhor seu pai, mas apesar disso dando em cima:
- Qual é a sua religião?
Moça bonita, o mesmo jeito de recém saída de Arembepe, a voz duas oitavas acima do normal porque a parte de seu superego que cuidava disso já foi completamente dissolvida em álcool:
- Eu sou atéia.
Coroa: Mas atéia, não acredita em nada?
Moça: Em nada. Quer dizer. Eu acredito em energia. As pessoas têm energia.
Coroa, de bate pronto: E eu mais ainda!

Eu sou normal!
Justiça seja feita: Fernanda Young cumpriu os passos com rigor exemplar. Escreveu 3 livros, um pior do que o outro; só falou besteira ao responder as 20 perguntas da Playboy; criou aquele tipo de polêmica vazia em torno de si que só enche os olhos de editor de suplemento feminino de jornal do bairro, mas é consumível e suficiente para lhe angariar um rótulo como o de escritora pop. Era uma questão de tempo até que, por sua atitude moderninha, fosse alçada ao posto de formadora de opinião. Tanto era que ganhou uma coluna semanal, no JB. A única coisa que pode redimir uma biografia - porque isso não é currículo - dessas é a sua obra. E quem viu os primeiros episódios de Os Normais, nas noites de sexta na Globo, já sabe do que estou falando. Não são as interpretações padrão de Fernandinha Torres ou Luís Fernando Guimarães, nem o "senso de típico" (© Paulo Salles) para as situações estranhas & cotidianas de classe média, nem o ritmo cinematográfico dos programas do núcleo Guel Arraes o que deixa aquela sensação, mais do que satisfação, de... desconforto. É a disposição de Fernanda Young para ir além, retratando um naturalismo sem par na Tv até agora: a mulher que após ver seu noivo lhe traindo fica puta e diz: "Vou dar para o primeiro babaca que aparecer!"; o casal enojado quando descobre que o amigo come os restos de comida presos no fio dental; a mulher, irritada com o parceiro que desligou a luz do quarto enquanto ela lia: "liga essa bosta!". Nesses termos. Detalhes constrangedores do convívio íntimo: o namorado que vem para a cama com um sujo de xixi na cueca; uma certa "dança boba" convidando ao sexo; chupar o dedão do pé da parceira; o "beijo com boca de homem elefante". Duas amigas e o noivo de uma discutindo no carro as regras do ménage à trois que vai rolar quando eles chegarem em casa. A palavra para isso é transgressão. É, a falta de tato verbal de Fernanda Young acabou inovando a liguagem televisiva ao levar o padrão globo de qualidade a limites outrora proibidos. Quem sabe, algum dia, até aparece alguém tranquilamente tirando meleca do nariz. Como qualquer motorista distraído.

9 rainhas, 2 valetes e 1 curinga
O filme 9 rainhas é argentino, mas seu roteiro poderia perfeitamente ter sido ambientado no Rio de Janeiro da década de 80. Não bastasse ter que aturar a seleção deles na cabeça do grupo, e ver o dólar levantar vôo por conta dos coices do ministro Cavallo, a gente ainda tem que engolir o fato de não ter conseguido produzir uma leitura tão correta do momento em que vivem, vivemos, no cinema, o meio perfeito para esse tipo de retrato. Juan e Marcos são 2 pilantras, tambiqueiros, safados, punguistas que ganham a vida escorregando entre as brechas no sistema e enganando velhinhas indefesas. A maneira solidária com que ambos são tratados no roteiro remonta à eterna tradição literária, particularmente de esquerda, de glorificar os marginais, os excluídos do sistema, porque vítimas de um status quo injusto. Incapazes de realizar produtivamente seu potencial, acabam voltando-se para o crime, como bem exemplifica Carlinhos Oliveira na novela Terror e Êxtase. Ainda que preceba-se certo esquematismo na constução dos personagens - Valeria é a ética do trabalho, que "rala a bunda 12 horas por dia" na baixa gerência de um hotel de luxo, contraste ao imoral Marcos, que elogia a bunda da própria irmã e não vacila em se valer de uma situação de inferioridade para arrancar uma porcentagem maior do botim; já Juan é o canalha com culpa, o que aplica golpes, mas com o "nobre objetivo" de arrumar dinheiro para a operação de seu pai - ela foge do maniqueísmo fácil: apesar da falta de escrúpulos, é possível nutrir certa simpatia pelo jeito cínico de Marcos, pronto a negar com a cara mais limpa do mundo as acusações mais óbvias contra ele; também é possível implicar definitivamente com Juan, a despeito de suas "boas intenções", porque ele não vacila em mentir descaradamente para conquistar a confiança de velhinhas. Quando a situação limite do grande golpe pinta, o filme decola, colocando o espectador para desconfiar de cada coadjuvante novo que entra na história: qual é o papel daquele assaltante gordo na trama? quem está armando para cima de quem?, sem saber que sutilmente já foi envolvido no rolo, passando a fazer parte do jogo. A memória lembra de imediato Golpe de Mestre (o filme que reabilitou o ragtime de Scott Joplin) e aquele filme antigo do Mamet, mas se agora não temos Paul Newman e Robert Redford, contamos com malandros à vera, e se o final não é tão inventivo quanto o roteiro pedia - devia ter acabado 2 takes antes, na cena do banco - pelo menos guarda o mérito de manter a expectativa do público ao deixar o desenlace para literalmente a última cena.

Porque nasci, nasci para bailar
O lançamento da primeira biografia de Nara Leão pelo Sérgio Cabral, que parece realmente disposto a contar a história da MPB, refrescou uma dúvida que nunca consegui responder: como é que Nara Leão foi alçada à musa da bossa nova? Qualquer livro sobre o período se refre a ela assim. Mas eu sempre me recusei a acreditar que ela o merecesse. Aquele cabelo chanel, aquele olhar de mormaço, aquele sorriso dentuço, sem graaaaaça... Definitivamente, ela não era bonita - muito pelo contrário, aliás, para quem nasceu irmã de Danuza Leão. Basta dizer que ela foi a única musa até hoje cuja parte mais badalada do corpo eram... os joelhos. Musa não tem que ser bonita? Fazia um certo charme diferente, afeito a intelectuais (gente que nunca foi muito boa para escolher musa); Jeanne Moreau não precisa de mais do que um certo olhar perdido em Paris chuvosa à noite, em Ascensor ao Cadafalso, para arregimentar uma legião de fãs. Mas Nara Leão também era sem graça; tímida e sua presença de palco ou cênica é o sem jeito em pessoa. Sua atuação em Quando o Carnaval Chegar é uma aula de anti-interpretação, e olha que ela concorria com os caramujos Maria Bethânia e Chico Buarque. No livro que escreveu, Nelson Mota se vale do jargão anos 90 para explicar o magnetismo que ela exercia: "Nara tinha atitude". Nesse dias em que Attitude é o nome de uma revista mensal inglesa (o que eu mais queria era trabalhar na agência de propaganda detentora da conta dela para fazer um anúncio com o slogan: "Compre a sua Attitude, todo mês, nas bancas"), eu desconfio desse tipo de justificativa, mesmo reconhecendo que seu jeito despojado, rosto sem maquiagem, fizesse uma diferença naqueles tempos ainda bicudos - Lenny Bruce ainda ia em cana por contar piada com palavrão. Feia, sem graça, xôxa... mas por que musa, gente? Qual o motivo? Um amigo de família ligada à bossa nova foi mais pragmático: "Ela era musa porque dava, pô! As outras não davam!" Faz sentido. A Danuza sempre foi conhecida como mulher liberal e liberada, comportamento herdado da criação descontraída de seus pais. Mesmo assim, é de se perguntar: bastava isso, um comportamento anti-usual, para naquela época sempre risível que é o passado recente ("Olha como nós éramos magros, Valdir!") transformar uma moça de família em musa, mesmo que musa de praia e botequim? Que o Cabral me ajude a descobrir essa.

Aspas novamente para meu chapinha João Marcelo, o (de)formador de opinião
"No inverno do Rio a temperatura cai de 38 para 28 graus e tem gente que sai na rua de touca. E de crochê. Voz de prisão para todo mundo!"


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 14/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que fazer com este corpo? de Ana Elisa Ribeiro
02. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes
03. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
04. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
05. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/5/2002
16h36min
VOCÊ NÃO SABE NADA DE TC, FALANDO QUE A FERNANDA YOUNG NÃO TEM TALENTO...VC QUE NÃO TEM.....RECEBE SALÁRIO SÓ PRA FALAR MAL DOS OUTROS...TEM FACULDADE PRA ISSO?
[Leia outros Comentários de Fernandinha]
20/5/2002
09h08min
Olha, eu nem recebo salário para falar mal dos outros nem acho que seja preciso ter feito faculdade para isso.
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Procura- Se Hugo / 8ª Ed
Diléa Frate
Ediouro
(2002)



II Simposio Estadual do Café
Cetcaf
Cetcaf
(1996)



Cenas Brasileiras
Rachel de Queiroz
ática
(2002)



Alice no País das Maravilhas
Lewis Carroll; Adaptado por Débora J. Durães
Abril
(2011)



Não Faça Tempestade Em Copo DÁgua no Trabalho
Richard Carlson
Rocco
(1999)



Meditação dos Guias Interiores
Edwin C. Steinbrecher
siciliano
(1990)



Os Mestres Secretos do Tempo
Jacques Bergier
hemus
(1974)



Guia Prático para a Ascensão
Tony Stubbs
pensamento
(2004)



Antologia Poética
Manuel Bandeira
Global
(2013)



Inocência
Visconde Te Taunay
Escala
(1992)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês