Fielding, a prosa da razão sensual | Daniel Piza

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 14/5/2007
Fielding, a prosa da razão sensual
Daniel Piza

+ de 3400 Acessos

No capítulo 35 de Tom Jones, de Henry Fielding (1707-1754), o protagonista é assediado por uma mulher mascarada. “Jones nunca se sentira menos inclinado a galanteios do que então”, informa a narrativa, “mas ser galante com as mulheres era um dos seus princípios de honra, e ele achava que tanto devia aceitar um desafio para o amor quanto um desafio para um duelo.” Esse tipo de humor, brincalhão e sensual – irônico ao contrapor termos como “galanteio” e “honra” –, é a marca de Fielding, cujo tricentenário se comemora hoje. E, se ele se tornou um dos maiores romancistas de todos os tempos, em grande parte foi porque não levou esse gênero tão a sério.

Romances, afinal, ele escreveria apenas cinco – o primeiro deles aos 34 anos, depois de ter feito nada menos que 25 peças de teatro nos mais variados estilos, de adaptações de Molière, farsas e comédias a operetas e sátiras políticas. Poemas, artigos, ensaios e manifestos também seriam produzidos em sua prolífica e conturbada carreira, que ainda passaria pela política e pela advocacia. Mas é basicamente por Tom Jones (1749; adaptado no Brasil por Clarice Lispector, em livro reeditado agora pela Ediouro) que seu nome é e deve ser lembrado; a única outra obra de interesse atual é Joseph Andrews (1742), seu segundo romance, que o tornou popular em sua época e em que muitos elementos daquela obra-prima são adiantados.

Ele nasceu no interior, perto de Glastonsbury, e foi educado em casa e mais tarde em Eton, um dos colégios mais reputados da Inglaterra. Chegou a Londres aos 18 anos e pouco tempo depois já publicava poemas e comédias. Até 1737 seguiu na carreira de dramaturgo, quando ela foi interrompida por um ato do primeiro ministro conservador Robert Walpole, enfurecido com uma sátira de Fielding. Casado com Charlotte Cradock, que seria modelo para seu último romance, Amélia (1751), ele então tentou carreira como advogado, mas foi como ficcionista que fez sucesso. Também produziu muito jornalismo político, depois da queda de Walpole, e voltou a escrever sátiras. Ainda trabalhou como juiz e se tornou uma autoridade importante, numa ascensão interrompida pelas doenças, das quais tentou se recobrar em Lisboa antes de morrer.

Seu primeiro romance se chama Shamela, um trocadilho entre Pamela, título do romance de Samuel Richardson, e “shame”, vergonha. Fielding o escreveu para zombar desse tipo de história, em que uma empregada doméstica se casa com o filho do seu rico empregador. O subtítulo do romance de Richardson é Virtude recompensada. Em Fielding, não é sempre a virtude que é recompensada. Tom Jones tem um final feliz, mas está longe de ser um personagem virtuoso. Num ensaio famoso, “A ascensão do romance”, o crítico inglês Ian Watt comparou os dois autores e, em defesa de Richardson, notou que em sua ficção há um trabalho mais minucioso e envolvente de caracterização; os personagens são descritos em detalhes, e conhecemos seus motivos íntimos ao ter contato com suas vozes em cartas e diálogos.

No entanto, os personagens de Fielding são plenos de vida, e é essa aparente contradição que lhe faz superior como escritor. Seu romance seguinte, Joseph Andrews, também começou com a intenção de parodiar a ficção da época, que começava a cair no gosto da classe média por transportar os leitores para microcosmos desconhecidos, novos, de onde deriva o termo “novel” (romance, em inglês). A intenção do livro era expor sua idéia sobre o que deveria ser um romance, mas Fielding foi além da tese e fez uma narrativa em que o leitor se envolve com a história, mesmo que interrompida por comentários e análises. Andrews, que é obrigado a deixar o emprego porque não quer namorar a patroa e parte com um companheiro de viagem, Parson Adams, tenta a todo custo manter a virtude, mas as experiências que vive se tornam mais importantes. O mesmo vale para Jonathan Wild, seu livro de 1743.

Seus romances, portanto, nasceram com a missão de satirizar os romances – dos quais desconfiava desde os tempos em que era comediógrafo. Desconfiança, por sinal, é um dos temas de Tom Jones, que no capítulo 23 faz a distinção entre aquela que vem do impulso, sem provas sólidas, e a que vem da “faculdade de vermos o que está diante dos nossos olhos”, como o marido que surpreende a esposa nos braços de um jovem conquistador... Não é a desconfiança como medo ou maledicência, mas como dúvida inteligente.

Fielding, evidentemente, pertence à linhagem de Miguel de Cervantes, dos ficcionistas “picarescos”, assim como Lesage (Gil Blas), Laurence Sterne (Tristram Shandy) e, mais tarde, o brasileiro Machado de Assis, que leu todos esses autores e, depois de quatro romances mais “richardsonianos”, saltou para outro patamar ao escrever Brás Cubas. Cada um, porém, tem sua peculiaridade. A de Fielding é uma narrativa de viagem cômica em que, embora não haja um triunfo heróico – Jones apanha tanto quanto Quixote ao longo de suas andanças –, a peroração melancólica é trocada por um senso de prazer, uma alegria vital que põe em segundo plano o pessimismo. Ele tira sarro, enfim, dos heróis de romance que enfrentam o mundo para atingir seu ideal e vencem. Mas dá a seu protagonista, por uma sucessão de incidentes e acasos, a realização ainda que tardia de seu desejo maior.

Em certo sentido, o leitor quer ser Jones, o bonitão que perambula por seu país e se envolve numa série de aventuras; ninguém quer ser Quixote, com seus delírios e derrotas. Os capítulos são curtos, o ziguezague da história é intenso, as desventuras são muitas, a humanidade não é vista com bons olhos – mas nem por isso Jones se deixa abater. Disto decorre o sucesso da versão em cinema, dirigida em 1963 por Tony Richardson (por ironia, o sobrenome do rival de Fielding), com Albert Finney e Susannah York. Finney é o perfeito Tom Jones, quase um “playboy” do século 18. Tom Jones é neto de Quixote, mas é também avô de Huckleberry Finn, em sua abertura para o imprevisto.

O escritor Anthony Burgess (Laranja Mecânica), em sua história da literatura inglesa, diz que Fielding é o maior romancista inglês daquele século. E olhe que nele estiveram, além de Sterne, Richardson e Smollet, dois autores que considero difícil dizer inferiores a ele: Jonathan Swift, de Viagens de Gulliver (1726), e Daniel Defoe, de Robinson Crusoe (1719). Por sinal, como se escrevia bem na Inglaterra daquele tempo! Prosadores de ficção desse porte conviviam com jornalistas culturais como Richard Steele e Joseph Addison, homens de letras como Samuel Johnson e historiadores como Edward Gibbon. Burgess classifica esse time sob o nome genérico de “prosa na Era da Razão”, afinal estamos na ante-sala do Romantismo; mas não se trata apenas de uma escrita lógica, lúcida, pois é também colorida, lúdica – o que a de Fielding demonstra em especial.

Nele há um modo de pensar que se pode dizer “iluminista”, tanto é que Jones não cessa de se espantar com a irracionalidade dos que se aproximam, cheios de interesses egoístas e descontroles emocionais; ao mesmo tempo, Fielding não está de acordo com visões otimistas sobre a bondade inata do ser humano, corrompido pela sociedade e recuperável pela educação, e sabe que o comportamento moral não tem regras fixas. O conceito de “razão” como frieza é uma invenção posterior; Fielding, como os outros prosadores citados, não acha que tudo se explica por relação de causa e efeito, num processo mecânico. Seu toque libertário, ou até libertino, não combina com a imagem do racionalista. E é ele que põe fogo em sua prosa e na sensibilidade de seu leitor.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente n’O Estado de São Paulo, em 22 de abril deste ano.

Para ir além






Daniel Piza
São Paulo, 14/5/2007

Mais Daniel Piza
Mais Acessados de Daniel Piza
01. Arte moderna, 100 anos - 10/9/2007
02. Como Proust mudou minha vida - 15/1/2007
03. Saudades da pintura - 16/5/2005
04. A pequena arte do grande ensaio - 15/4/2002
05. André Mehmari, um perfil - 20/11/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês