Novas leis de Murphy | Sérgio Augusto

busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Lewis Wolpert explica como os organismos multicelulares se formam a partir de um simples óvulo
>>> Festival Aparecida Criativa surge para transformar a produção cultural de Sorocaba
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário celebra presença da literatura nas artes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A importância da virtude
>>> Deus ex machina
>>> Mulher-Flamingo
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Marchand da resistência
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> Cinema em 2002
>>> Ser intelectual dói
Mais Recentes
>>> Garota Pare de Mentir Pra Você Mesma de Rachel Hollis pela Sextante (2018)
>>> Mundo das Sombras 1 - Vampiro Secreto de L. J. Smith pela Record
>>> It a Coisa de Stephen King pela Suma de Letras (2017)
>>> Obras Completas de Antonio Machado - Manuel Machado pela Biblioteca Nueva (1984)
>>> Iniciação à Administração Financeira de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1990)
>>> Diário de Perséfone de Heloisa Seixas pela Record (1998)
>>> Iniciação à Administração de Materiais de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1991)
>>> Iniciação à Administração de Pessoal de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1990)
>>> Estrutura e Funcionamento da Educação Básica - Leituras de Varios pela Pioneira (1999)
>>> Câncer nos Cólons e no Reto de Pedro Henrique Saraiva Leão pela Ufc (1984)
>>> As Muitas Vistas de uma Rua - histórias e políticas de uma paisagem - Curitiba e a Rua Riachuelo de Aline Fonseca Iubel - Daiana Cordova - Fabiano Stolev pela Máquina de Escrever (2014)
>>> A condição humana de Hannah Arendt pela Forense Universitaria (1995)
>>> Mar de Histórias (Antologia do Conto Mundial 4º Volume) de Aurélio Buarque de Holanda e Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coleção Só Testes – Língua Portuguesa 1.000 Exercícios Questões Simuladas de Central dos Concursos pela Degrau cultural
>>> Língua Portuguesa Ensino Fundamental Unidade II Educação de Jovens e Adultos de Ceteb 2002 pela 0 (2002)
>>> Língua Portuguesa Ensino Fundamental Unidade I Educação de Jovens e Adultos de Ceteb pela 0 (2002)
>>> Mar de Histórias (Antologia do Conto Mundial - 2º Volume) de Aurélio Buarque de Holanda e Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1979)
>>> O Século do Cinema de Glauber Rocha pela Alhambra (1983)
>>> Na diagonal do campo de Carlos Simon pela Unisinos (2004)
>>> Guia e recursos didáticos: português 7 ensino fundamental de nove anos de Áurea Regina Kanashiro pela Moderna
>>> Conversas com quem gosta de ensinar de Rubem Alves pela Cortez (1987)
>>> 8º Ano – Ensino Fundamental : Grupo 6 – Teoria e Atividade de Sistema de Ensino COC pela Coc
>>> As formas do silêncio - no movimento dos sentidos de Eni Puccinelli orlandi pela Da Unicamp (1993)
>>> 8º Ano – Ensino Fundamental : Grupo 5 – Teoria e Atividade de Sistema de Ensino COC pela Coc
>>> A estrutura das revoluções científicas de Thomas S. Kuhn pela Perspectiva (1992)
ENSAIOS

Segunda-feira, 25/11/2002
Novas leis de Murphy
Sérgio Augusto

+ de 6000 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Fazia um bom tempo que eu não ouvia falar de Arthur Bloch. Celebrizado em meados da década de 70, quando compilou em livro a Lei de Murphy e suas variáveis, parecia em hibernação permanente até que as possibilidades humorísticas do fim de século o estimularam a sair da toca com novas e sábias observações sobre este mundo cada vez mais talhado para os incrédulos. As leis de Murphy já existiam quando Bloch, hoje com mais de 50 anos, as coligiu. Conhecia as principais delas ("Se algo puder dar errado, certamente dará errado"; "O pão sempre cai com o lado da manteiga pra baixo") desde o início da década de 60, quando meu amigo Carlos Leonam as atribuía, equivocadamente, a outro nome, Brooks, cuja origem nunca apurei. Tampouco sei quem é ou foi Murphy, se algum cínico cientista ou pseudônimo de Bloch, mas isso é irrelevante. O importante é que, nas últimas décadas, Murphy, e não Pirron, Carnéades, Enesidemo ou qualquer filósofo grego dessa estirpe, virou sinônimo de ceticismo, se bem que, vou dizendo logo, sem a profundidade do nosso cético número um, Millôr Fernandes, cujos apotegmas a realidade não consegue contestar. Todo dia, por exemplo, o ser humano não dá mostras de que é mesmo, como alega Millôr, inviável?

Esperto e com a vantagem de, ao contrário do Millôr, escrever numa língua imperial, Bloch fez da murphylogia uma "ciência" de fama internacional, cheia de princípios, axiomas e corolários sobre uma infinidade de coisas, alguns dos quais recolhidos em pensadores tão ilustres como Heine ("Devemos perdoar nossos inimigos, mas só depois de mortos"), Einstein ("Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana") e Von Braun ("Pesquisa é o que fazemos quando não sabemos o que estamos fazendo"). Foi, porém, da atrevida mente de Bloch, digo, Murphy, que saíram pérolas como esta: "Só sabemos a profundidade de uma poça depois que enfiamos os pés nela." E esta Lei de Eponímia, que o isenta de qualquer acusação de apropriação indébita: "Nenhuma lei leva o nome de quem a inventou." Que, naturalmente, tem um corolário: "Não importa quem disse, mas quem pôs o nome." Um exame mais atento da murphylogia nos levaria até o grego Diógenes e detectaria discípulos em inesperadas figuras como Caetano Veloso (que, salvo engano, foi quem primeiro disse que de perto todas as pessoas são anormais) e o ex-presidente americano Lyndon B. Johnson, a quem devemos este puro murphylogismo: "Quando dois homens concordam em tudo, pode contar que só um deles é capaz de pensar." Generoso, em sua nova coleção de boutades, atualizadas à chegada do ano 2000, Bloch burla a Lei da Eponímia, identificando os verdadeiros autores de diversos conceitos por ele perfilados. Embora absorvidos pela murphylogia, o conceito de patriotismo como a predisposição de matar e morrer por razões triviais é apresentado como a Lei de Russell (de Bertrand e não de Jane), e o de progresso tecnológico como um machado nas mãos de um criminoso psicopata como a Lei de Einstein.

Com isso, o novo compêndio de Bloch faz lembrar um pouco aquelas saborosas antologias do mau humor organizadas por Ruy Castro na década de 80. Sua divisão temática, contudo, é mais genérica. Enquanto esteve hibernando, Murphy refletiu muito sobre ecologia ("Uma espécie só se encontra protegida quando ameaçada de extinção"; "Tudo que se fizer para melhorar um meio ambiente causará danos consideráveis em outro") e os avanços da tecnologia ("O progresso é a troca de uma aporrinhação por outra"; "Se no mercado competem dois sistemas tecnológicos incompatíveis, predominará o de qualidade inferior"; "O robô produz mais que um ser humano porque não fala ao telefone"). Também a informática mereceu dele especial atenção, com enunciações cuja rentura nenhum usuário de computador há de pôr em dúvida: "A probabilidade de um computador pifar é proporcional à importância do documento no qual se está trabalhando"; "O pior vírus é aquele que se instala no único arquivo que você não vacinou"; "A todo computador recém-comprado corresponde outro, recém-lançado com mais potência e mais barato"; "O disco rígido é a parte do computador que sempre fica rígida no pior momento".

Claro que tudo parte, ou melhor, recomeça da Primeira Lei de Murphy, que nesses últimos anos foi enriquecida com algumas achegas. Primeira achega: "Quando a gente sabe que algo pode dar errado e toma as devidas precauções, outra coisa fatalmente dará errado." Segunda: "A Lei de Murphy sempre espera pelo pior momento." Terceira: "Quando as coisas vão mal em algum lugar é sinal de que poderão ir mal em todos os lugares." Até a sra. Murphy criou um corolário: "Se algo tem de enguiçar, irá enquiçar justo quando seu marido não estiver em casa."

Se fôssemos lúcidos ou apenas honestos, não veríamos Bloch como um impertinente cínico, mas como um inatacável realista. Afinal de contas, se ele não foi o único a notar que as coisas desandam de repente e se resolvem gradualmente ao menos foi o primeiro a dizê-lo publicamente. E também o primeiro a afirmar que o ser humano é o único animal capaz de voltar atrás num erro e cometer outros que antes conseguira evitar. Também foi por intermédio dele que aprendi a ser mais fácil lutar por princípios do que conviver com eles. Que para cada ação nossa corresponde uma reação do governo igual e contrária. Que a entropia dispensa manutenção. Que os acidentes ocorrem quando duas pessoas resolvem ser espertas ao mesmo tempo. Que o telefone nunca toca quando estamos desocupados. Que todo dinheiro que cai do céu vem seguido de um fiscal da Receita que subiu do inferno. Que a distância mais curta entre dois pontos está sempre em obra. Que só ri por último quem pensa devagar. Que a loucura é hereditária e transmitida pelos filhos. Que a felicidade só bate à porta quando estamos no banheiro. Que a coerência é o último refúgio dos que não têm imaginação. E que sempre encontramos força suficiente para suportar a desgraça alheia.

De todas as leis de Murphy até agora conhecidas, apenas uma, a meu ver, merecia uma retificação. Vai longe o tempo em que as pessoas que trabalham sentadas ganhavam mais do que as pessoas que trabalham de pé. É só comparar o contracheque dos jogadores da NBA, dos bambas do boxe, das estrelas do futebol e dos ídolos da música pop com o de um escritor. Até quem trabalha agachado já está ganhando muito mais do quem trabalha sentado. A única exceção é o Paulo Coelho, que ainda fatura mais do que a Carla Perez.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Bravo!, em sua edição de novembro de 1999.

Para ir além






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 25/11/2002

Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/12/2002
12h19min
Fantástico artigo, Sérgio. Só tenho a edição antiga de "A lei de Murphy e outros motivos pelos quais tudo dá errado" do Bloch. Mas vou procurar, agora mesmo, a revisão. um abraço.
[Leia outros Comentários de Luis Gonzaga]
7/12/2002
19h00min
Todos os artigos de Ségio Augusto são uma apoteose!
[Leia outros Comentários de Aelius]
19/12/2002
00h47min
Espetacular este artigo!
[Leia outros Comentários de Vinicius Brown]
27/12/2002
14h12min
Artigo fantastico!!! São textos assim que fazem da leitura um grande prazer.
[Leia outros Comentários de Karla Martins]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




La Nouvelle Nationalité des Entreprises
Commissariat Général Du Plan
Editions de La Martinière
(2000)
R$ 41,28



Meu Filho é uma Bagunça
Anthony Cleaver; Martin L. Kutschere
Harper Collins Br
(2014)
R$ 9,00



Giocondo Dias, Uma Vida na Clandestinidade
Ivan Alves Filho
Mauad
(1997)
R$ 15,00



Eu e a Sorte
Cariê Lindenberg
Gryphus
(2001)
R$ 6,00



Luzia-homem
Domingos Olímpio
Moderna
(1995)
R$ 8,00



Escalado para Morrer
Trevanian
Artenova
(1974)
R$ 89,90



Livro das Sombras - Coven - Volume 1
Cate Tiernan
Galera Record
(2015)
R$ 10,00



A Revelia e a Suspensão do Processo Penal
André Felipe a da Costa Tredinnick
Lumen Juris (rj)
(1997)
R$ 24,82



Cozinha Pais a Pais Egit
Pão de Açucar
Folha de S. Paulo
R$ 5,00



Gramática Aplicada ao Texto Com Todas as Resoluções Comentadas
Fernando Moura
Vesticon
(2006)
R$ 10,00





busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês