As deficiências do jornalismo não são só aquelas que vocês conhecem | Sérgio Augusto

busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 28/4/2003
As deficiências do jornalismo não são só aquelas que vocês conhecem
Sérgio Augusto

+ de 7400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Um clássico do jornalismo no cinema: 'A Primeira Página' ('The Front Page', 1974), de Billy Wilder, com Jack Lemmon

“Você conhece alguém mais infeliz do que eu?”

Pelas aspas dá para notar que a pergunta não é minha. Quem vive (ou vivia) perguntando isso aos amigos é o Millôr Fernandes. Na primeira vez em que ele me lançou esse repto, meu primeiro impulso foi responder: “Sim, conheço. Eu.” Mas segurei as pontas, disse outra coisa ou apenas sorri, pois nem de brincadeira ou por delicadeza eu consigo me dizer infeliz.

Será isso um carma, uma maldição às avessas, uma forma branda de esquizofrenia, uma manifestação de autismo incipiente? Ou apenas uma ilusão, uma defesa para ocultar a profunda sensação de infelicidade que me devora sem que eu, idiota, me tenha dado conta disso? Nunca fiz análise, a não ser sintática, mas já me consultei, informalmente, com vários psicanalistas, e mais de um deles me disse que a razão da minha felicidade foram uma infância e adolescência sem traumas memoráveis (não tenho culpa de ter sido filho único e neto único na Santa Teresa dos anos 40 e 50) – e, acima de tudo, a ventura de haver decidido na mais tenra idade o que iria ser quando crescesse.

Salvo por um fugaz flerte, ali pelos quatro, cinco anos, com a sedutora profissão de motorneiro de bonde, o jornalismo sempre foi a minha meta; tanto que aos dez eu já co-editava um tablóide mimeografado, a que demos o paródico nome de Sujeira da Imprensa, cujo slogan era “um jornal 0% educativo”. Não nego que adoraria ter me tornado um genial pianista, mas, como nunca estudei piano, essa fantasia jamais perturbou o meu real projeto profissional. É possível que eu tenha sofrido alguma influência do cinema americano e seus destemidos e heróicos repórteres, mas, se ela houve, foi subliminar.

Se nunca me decepcionei? Evidente que sim. Só os cretinos e conformistas não se decepcionam com a sua profissão, ao menos uma vez na vida.

Malgrado tudo, como dizem os franceses, volta e meia me assalta a paranóia de que posso ter errado de profissão, que em outra atividade eu poderia ter me saído infinitamente melhor, que escrever não é bem a minha, que poderia ter estudado biologia, por exemplo, e ser hoje uma sumidade mundial e ter até conquistado para o Brasil o seu primeiro Nobel. Agora é tarde para recomeçar o que quer que seja, muito menos biologia. E já que não dá mais para sair do jornalismo, só me resta torcer para que as circunstâncias em que o praticamos se aprimorem cada vez mais. Um nicho na Internet, só, não basta. Precisamos conquistar para a nossa profissão as mesmas regalias de outras. Pombas! Somos ou não somos o quarto poder? O futebol, a despeito de sua popularidade, não é nem o quinto.

Por que o Elio Gaspari, craque inconteste do jornalismo, não pode receber algum para sair à rua com um boné da churrascaria Tourão na cabeça e qualquer perna-de-pau do Botafogo pode? Por que o Janio de Freitas, como os automobilistas que ele tanto admira, não pode ser patrocinado por diversas empresas e até usar uma jaqueta cravejada de logomarcas?

A propósito dos 500 anos do achamento do Brasil, toquei na revista Bundas em algumas figuras, a meu ver, com perdão da palavra, emblemáticas de nossa história, como o Bacharel de Cananéia e o governador Luiz Vahia Monteiro, o Onça. Por já ter escrito sobre o Onça na revista Bravo!, fui gozado por um poeta amigo, que, sem levar em consideração os outros portugueses só mencionados no artigo de Bundas, lançou a suspeita de que eu, malandramente, contrabandeara textos de uma revista para outra. Os dois artigos eram diferentes, mas ainda que fossem idênticos, pergunto: e daí? Por que, diabos, um músico pode subir num palco e cantar pela enésima vez um tema do seu repertório – e até ser estrepitosamente aplaudido por isso – e nós, jornalistas, somos obrigados a apresentar sempre uma obra inédita? Isso não é justo.

Gostaria de poder repetir os meus modestos hits, em especial os que já caíram no esquecimento e aqueles que, porventura, tenham deixado saudade em alguns leitores. Tenho certeza de que diversos leitores de Bundas, Bravo!, do Estado de S. Paulo e onde mais venho me apresentando (viram como já incorporei o jargão dos artistas?) apóiam essa reivindicação, e não me surpreenderia se alguns deles até me fizessem pedidos, como as platéias costumam fazer com os músicos. Também lastimo não me beneficiar de um recurso equivalente ao play-back a que os músicos recorrem a torto e a direito – e sem oferecer qualquer abatimento no preço do ingresso! Se se aceita que um cantor entre em cena e, rigorosamente, nada cante, apenas acompanhe com movimentos labiais a sua própria voz pré-gravada, por que nós, jornalistas, além da obrigação de produzir sempre um texto novo, ainda temos de digitá-lo com nossos próprios dedos?

O scanner e o comando ctrl + c (vulgo control-copy) seriam o play-back do jornalista. A gente abriria e marcaria um texto na tela do monitor, teclaria ctrl + c, alt + tab + z, e o reabriria em outra página, destinando-o a outra publicação. Vou dar um exemplo:

Seus personagens favoritos foram criados por Pirandello, Molière, e Feydeau, mas ele teve de se contentar com os que autores menos nobres criaram, alguns especialmente para ele, o que não deixa de ser uma glória. Nas telenovelas de Gilberto Braga, seu mais fiel Molière, há quase sempre um papel sob medida para a sua distinta figura – geralmente um varão de fino trato, culto, inteligente, bonachão e ranzinza. Não foi esse o José Lewgoy que as gerações mais antigas aprenderam a admirar, mas, como seus amigos podem atestar, é esse o José Lewgoy que mais se casa com o perfil do ator, certamente o mais refinado e cultivé que já tivemos. O único, que eu saiba e conheça, capaz de discutir cinema, teatro, literatura, artes plásticas, balé e música de igual para igual com especialistas de cada uma dessas áreas. E às vezes levando vantagem.

Isso aí era o lead de um perfil do Lewgoy que publiquei na revista República. Quantos de vocês o leram? Quantos gostariam de ler o resto? Tsk, tsk, vão ficar na vontade. Nem em disquete ele será reeditado. E em CD, então, nem pensar. Profissãozinha limitada, essa nossa.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Bundas, em sua edição de 11 de julho de 2000.

Para ir além






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 28/4/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Só é louco quem não é de Claudia Lage
02. Sermão ao cadáver de Amy de João Pereira Coutinho
03. Legado para minha filha de Eugenia Zerbini
04. Cuidado com a Bolsa Brasileira de Rodrigo Constantino
05. O fim do editor de livros de Raphael Vidal


Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
04. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/6/2003
19h50min
Sérgio: só para lhe dizer que este seu artigo é perfeito! Existe alguém mais infeliz que você? Sim, eu, que penso o mesmo e jamais o escrevi e nem tenho onde fazê-lo, pois ando mais fora do mercado do que, como se dizia nos seus nossos tempos de chanchadas tão bem biografadas por você, umbigo de vedete......Parabéns. Seu velho introdutor no jornalismo e fã. Paulo Alberto
[Leia outros Comentários de Paulo Alberto Montei]
19/6/2003
12h42min
Sérgio: Para com isso! Parece aqueles entediados burgueses dos filmes do Bergman. Eles até podem, com aquele clima (depressão sazonal) e padrão econômico nórdico, sofrer de tédio, mas você, que tem todo o espaço para expressar suas inquietações e vive em um país ensolarado e tão cheio de vida, até pode estar infeliz, por n razões, que vão desde a indigência cultural hegemonica que, ressalte- se não é só brasileira, até a vigarice eleitoral recente que deixou perplexa e estupefata toda aqueles que esperavam por mudança. Concluindo, você - e todos nós que acreditamos em mudanças -pode estar infeliz, Proibido é ser infeliz. Um cara que é lido pela elite intelectual brasileira e escreveu um livro como Lado B (coletãnea de artigos), que li e achei fantástico, não pode cair na armadilha da depressão.
[Leia outros Comentários de Jorge Alberto Benitz]
19/6/2003
17h29min
Tudo isto é verdade, Sérgio, ou uma de suas instigantes perspectivas. Para prevenir-me de carências futuras, sou dos que recortam textos para a caixinha de guardados, os dignos de notas. Muitos jornalistas colhem em suas caixinhas os seus diletos e os republicam em livros. Agora um tanto de verdade em outra perspectiva: não gosto de shows musicais, nem de refrão, não assisto jogos, noticiário esportivo, Jô ou Faustão e, embora tenha alguns discos que escute inúmeras vezes, acho que grande parte das formas de replay que citaste é que deveria ser banida dos nossos hábitos culturais.
[Leia outros Comentários de Jean Scharlau]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AIR TIME: THE INSIDE STORY OF CBS NEWS
GARY PAUL GATES
HARPER & ROW
(1978)
R$ 40,00



MOMENTOS DECISIVOS DO PENSAMENTO FILOSÓFICO
LUIS WASHINGTON VITA
MELHORAMENTOS
(1964)
R$ 14,97



APO BOX - UMA ABORDAGEM DE INSTRUÇÃO PROGRAMADA 3 VOLS + MANUAL
WILLIAM C. GIEGOLD
MCGRAW-HILL
(1980)
R$ 25,00



LA INQUIETANTE AMBIGÜEDAD DE LA IMAGEN
EDUARDO PEÑUELA
AZCAPOTZALCO
(2004)
R$ 20,00
+ frete grátis



MILEY CYRUS SHE CAN T STOP A BIOGRAFIA
SARAH OLIVER
LUA DE PAPEL
(2014)
R$ 22,00



PRINCÍPIOS DE RECONSTRUÇÃO SOCIAL
BERTRAND RUSSELL
COMPANHIA NACIONAL
(1958)
R$ 10,00



A GLOBALIZAÇÃO SOLIDÁRIA DA SAÚDE (EDIÇÃO 2006)
JOÃO HÉLIO ROCHA (COM DEDICATÓRIA)
IMAGEM VIRTUAL (NOVA FRIBURGO)
(2006)
R$ 17,82



PODEROSA 5
SÉRGIO KLEIN
FUNDAMENTO
(2009)
R$ 21,87



OS TRÊS MOSQUETEIROS
DUMAS, ALEXANDRE
EDITORA ÉVORA
(2011)
R$ 69,90



LIXO - PROBLEMA NOSSO DE CADA DIA - CIDADANIA, RECICLAGEM E USO SUSTENTÁVEL
NEIDE SIMÕES DE MATTOS E SUZANA FACCHINI GRANATO
SARAIVA
(2009)
R$ 10,00





busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês