Paulinho da Viola: o melhor do Rio | José Nêumanne

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
Mais Recentes
>>> O Que os Homem Não Contam Sobre Negócios para Mulheres de Cristopher V Flett pela Novo Conceito (2010)
>>> O Japão como Primeira Potencia de Ezra F Vogal pela Unb (1982)
>>> Um Passarinho Me Contou de Biz Stone pela Best Seller (2014)
>>> 101 Perguntas Que as Crianças Fazem Sobre Deus de Vários Autores pela United Press (1999)
>>> Mundo Psíquico de Grauben Barreto pela Asharam
>>> O Fantasma que Falava Espanhol de Luiz Galdino pela FTD (1989)
>>> Vida Conjugal-um Caminho para Se Construir a Dois de José Junior e Ielane de Mendonça pela Palavra da Fe (2007)
>>> Surfando as Ondas do Mercado de Raimar Richers pela RR&ca (1996)
>>> Tô P... da Vida Dicas Valiosas para Pessoas Que Explodem à Toa de William Gray Defoore pela Landscape (2005)
>>> O Menino do Pijama Listrado de John Boyne; Augusto Pacheco Calil pela Seguinte (2007)
>>> Halo: um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Céu e do Inferno de Alexandra Adornetto pela Agir (2010)
>>> Cidade dos Ossos de Cassandra Clare; Rita Sussekind pela Galera Record (2010)
>>> Memorial de Aires de Machado de Assis pela 00
>>> Àgape de Padre Marcelo Rossi pela Globo (2010)
>>> O Que e Administração de Paulo Roberto Raymundo pela Brasiliense (2006)
>>> Acontecências de Vilma Guimaraes pela Jose Olympio (1968)
>>> Principais Temas Em Dermatologia para Residência Médica de Inaê Cavalcanti pela Medcel (2008)
>>> Information Tecnology For Management - Transforming Organizations in T de Vários Autores pela Wiley (2004)
>>> Chang e Eng de Darin Strauss pela Companhia das Letras (2001)
>>> Grande Dicionário de Sinônimos e Antônimos de Ediouro pela Ediouro (1996)
>>> Auto da Barca do Inferno - Coleção L&pm Pocket de Gil Vicente pela L&pm (2014)
>>> O Último Êxodo - Final dos Tempos - Terceiro Milênio de Mauro Fonseca pela Lorenz (1996)
>>> Treze Noites de Terror de Luiz Roberto Guedes pela Brasil (2000)
>>> Corpos Frágeis Mulheres Poderosas de María Martoccia; Javiera Gutiérrez pela Ediouro Sinergia (2003)
>>> Poesia de Fray Luis de Leon pela Alianza Editorial (1986)
ENSAIOS

Segunda-feira, 6/10/2003
Paulinho da Viola: o melhor do Rio
José Nêumanne

+ de 5600 Acessos

Houve um tempo - e não faz tanto tempo assim - que se chamava o Rio de Janeiro de Cidade Maravilhosa. Não se tratava apenas do resultado espetacular do sucesso da marchinha de carnaval de André Filho. Não, era o resultado de toda uma imagem construída por belas paisagens com lindas canções, falando de sol e mar, o amor, o sorriso e a flor. O que poderia parecer uma desvantagem era visto como um benefício: os pobres, obrigados a subir as encostas dos morros para erguer suas moradias precárias com péssima qualidade de vida, na verdade estavam morando "mais pertinho do céu". Essa mentalidade - definida jocosamente como "macumba para turistas", muito tempo atrás, pelo poeta paulista Oswald de Andrade - teve seu símbolo máximo no filme Orfeu do Carnaval, do francês Marcel Camus.

Atualmente, apesar de se ter tornado comum até fazer turismo nas favelas cariocas, essa mentalidade está completamente fora de moda. O Rio deixou de ser a "cidade maravilhosa" desde que os morros deixaram de ficar "pertinho do céu" e se tornaram a própria forja do inferno depois que passaram a ser dominados pelos traficantes de drogas. Ao contrário daquele tempo em que era o símbolo da beleza e do charme, da saúde e do prazer, a antiga Capital Federal tornou-se sinônimo do perigo e da dor.

Nem tanto ao mar nem tanto à terra. Nem o Rio daqueles "anos dourados" era o Éden transplantado para os Trópicos nem o de hoje em dia se transformou súbita e exclusivamente numa sucursal do inferno. Da mesma forma que há meio século, também havia feiúra e dor às margens plácidas da Baía de Guanabara, há ainda hoje recantos de paz, beleza e harmonia numa cidade sitiada pela violência. A cineasta Izabel Jaguaribe mostra isso com simpatia, sensibilidade e competência em seu documentário Meu Tempo É Hoje, sobre o sambista Paulinho da Viola.

O filme retrata com vigor e mão leve a vida de um príncipe. Paulo César Baptista de Faria é um carioca exemplar. Filho de César Faria, violonista do conjunto Época de Ouro, que fez história no choro sob a liderança de Jacob do Bandolim, compôs e interpretou sambas geniais e canções que entraram pela porta da frente nas galerias da História de nosso cancioneiro popular. Com seu estilo suave de cantar, encanta o público. E com seu porte de cidadão reto e cumpridor de seus deveres, dá um exemplo de ética numa sociedade corrompida pela necessidade da ascensão social obtida por meio da competição a todo custo e permanentemente seduzida pelos apelos vulgares ao prazer fácil de um onanismo narcísico. Com seu taco de sinuca, suas artes de mestre marceneiro e suas manias de montador de engrenagens, tanto as de relógios quanto as de motores de automóveis, Paulinho da Viola transporta o espectador do documentário em que sua vida e sua obra são o centro a um mundo pacato, onde os valores são o sossego e a solidariedade, opondo-se à pressa egocêntrica que o cerca.

Pode um crítico mais severo de cinema encontrar no documentário lacunas de informação, como, por exemplo, o pouco destaque dado a um grande parceiro de vida e música do protagonista, o poeta Hermínio Bello de Carvalho. Mas esses eventuais defeitos são compensados pela descoberta que a câmera faz de um burgo oculto que se esconde atrás da névoa de sangue que omite a visão completa da antiga Cidade Maravilhosa. A desprezada zona norte, isolada e esquecida da nata da sociedade que festeja e badala nas Praias de Copacabana, Ipanema e Leblon, empresta sua alma comovida e generosa ao filme nos encontros do sambista com seus colegas de arte e seus familiares em torno de peixadas e rodas de samba, na quadra da Portela, no sítio de Zeca Pagodinho no Xerém e na intimidade do lar do cantor. É uma alma que "canta", como no inspirado Samba do Avião, do maestro Tom Jobim, e que também chora e faz chorar, mas um choro suave e terno, como aqueles de Pixinguinha, ídolo maior do País e de seu príncipe negro, que o filme revela.

Quando o coração de Paulinho da Viola se deixou levar pelo rio que passou pela vida dele e de todo o seu público fiel, a Cidade Maravilhosa era uma espécie de noiva encantada e encantadora do País inteiro. Nestes tempos de chumbo em que agora vivemos, o moço vem nos aconselhar a fazer como o velho marinheiro, que durante o nevoeiro leva o barco devagar. Como o intérprete aprendeu na letra do samba de Wilson Batista, que gosta de cantar, seu tempo é seu mundo. Ou, melhor ainda, como ele próprio se expressa se dirigindo a todos nós numa lição perene sobre a evolução e a transitoriedade da vida:

"Eu não vivo no passado, o passado vive em mim."

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no "Caderno2" do jornal O Estado de S.Paulo.


José Nêumanne
São Paulo, 6/10/2003

Mais José Nêumanne
Mais Acessados de José Nêumanne
01. A Trilogia de João Câmara - 12/1/2004
02. O prazer, origem e perdição do ser humano - 29/4/2002
03. O CNJ e a Ancinav - 20/9/2004
04. O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard - 12/5/2003
05. Retrato de corpo inteiro de um tirano comum - 17/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Seguinte historia
Cees Nootboom
nova fronteira
(2008)



O crepúsculo do macho: depoimento
Fernando Gabeira
Codecri
(1980)



O Misterioso Sr. Quin
Agatha Christie
Nova Fronteira
(1978)



360° Física - Caderno de Infográficos
Lauri Cericato
Ftd
(2015)



A Amizade
Francesco Alberoni
Rocco
(1989)



Uma Vida Inventada: Memorias Trocadas e Outras Historias
Maite Proenca
Agir
(2008)



O Batedor de Faltas
Claudio Lovato Filho
Record
(2008)



Inglês Volume único
Edilza Perri
Ftd
(1992)



O Vento de Oalab
João G. Luiz
9788517768910
(2016)



Castro Alves Poesia
Eugênio Gomes
Agir
(1990)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês