Digestivo nº 200 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 10/11/2004
Digestivo nº 200
Julio Daio Borges

+ de 2500 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Imprensa >>> Mutatis mutandis
E a reforma gráfica do Estadão pegou todo mundo de surpresa. Quando foi anunciada, nas publicações especializadas, estava a alguns dias de ser implementada. E foi. Muita gente caiu da cadeira e não entendeu, pelo menos no primeiro dia, um domingo, como é que o periódico mais sóbrio do País de repente aparecia jovial e arejado. Muitos não gostaram. Outros, ao ver a cara de seus colunistas preferidos, não simpatizaram e simplesmente pararam de “freqüentá-los”. Mas o que há de realmente relevante nesta transformação, inicialmente, plástica? Em primeiro lugar, a tomada de decisão na direção de um certo “modernismo”, de uma certa “contemporaneidade”: o Estadão fica mais parecido com o Valor Econômico, quase um jornal de vanguarda no início dos anos 2000, e isso é bom. Depois, o Estadão abre espaço para novos nomes – ou nem tão novos, mas que vem renová-lo; salvo raríssimas exceções, seus colaboradores andavam muito vetustos (alguns – se se permite a baixeza da expressão – com o pé, literalmente, na cova). Foi refrescante, por exemplo, abrir o “Cultura/Caderno2” nas últimas semanas e encontrar gente como Marçal Aquino e Luiz Ruffato – às vezes, fisicamente – dando as caras. E o tal do “Link”, que é ambicioso até não poder mais? Quem esteve pela internet e/ou pelo Orkut deve ter recebido convites para a comunidade “Link” antes do caderno “ir ao ar”. Parece uma idéia interessante: promover o cross media entre jornal, rádio (Eldorado) e a WWW. Que as intenções não fiquem apenas nesse primeiro ensaio, de Orkut caboclo, e em colunistas como o batido Marcelo Tas. Conforme dito, as intenções soam boas. E o caderno “Aliás,” (com vírgula), nem lá nem cá – interessante também: flertando com os semanários, mas encartado dentro de um diário. Mais um bom motivo, até agora, para ler, mais uma vez, o Sérgio Augusto, e para mergulhar em entrevistas mais aprofundadas. E, last but not least, uma vedete da reforma: o “Guia”, quase autônomo, muito mais prático e eficaz – sempre no socorro dos desorientados de fim de semana. Enfim, pontos para o Estadão – é o que dá para avaliar. Claro que as mudanças, aos trancos e solavancos, assustam um pouco – mas o ar é de boas novas (algo que não se deve desconsiderar). [Comente esta Nota]
>>> Estadão
 



Música >>> Roll over Beethoven
Mozart, que ficou conhecido por elevar o piano a outro patamar, talvez tivesse gostado das versões acústicas que Alex Masi gravou de suas composições. Masi, um músico egresso do universo pop rock, não resistiu ao tentar tornar o grande compositor de Salzburg ainda mais palatável e optou por alguns trechos, ou movimentos, em vez de interpretar peças inteiras. Ouve-se uma guitarra e o que parece ser um baixo e/ou uma guitarra base. Todo mundo sabe que a proposta de qualquer acústico é utilizar instrumentos, “desplugados” ou não-eletrificados, mas, além da forma ter se tornado mais maleável, a completa ausência de efeitos nas cordas de Masi evoca uma execução de câmara – se é que isso é possível no rock. A transposição de partituras mozartianas tão intrincadas é cuidadosa e os arranjos, mais do que a execução, deve(m) ter sido a parte mais trabalhosa. Por mais insólito que possa parecer, inclusive algumas passagens sugestivamente contrapontísticas foram preservadas – evocando um diálogo agora travado entre guitarra solo, lead guitar e baixo. O momento virtuosístico (em matéria de Mozart, não poderia faltar), fica por conta de um alegro em dó maior (K. 545), em que solistas acelerados chegam a duelar em arpejos de fazer inveja a Yngwie Malmsteen. Malmsteen, sintomaticamente e durante muito tempo, jactava-se de executar obras de Paganini, o violinista do século XVIII que, com suas acrobacias, virou sinônimo de habilidade e técnica. E quem disse que a orquestra não poderia conversar com Alex Masi e seu ensemble? Ela se faz presente no Concerto para piano nº 24 (K. 491), onde o mesmo é substituído evidentemente pelas seis cordas e pelos dedos velozes de Masi. Para quem sente falta de um opus mais popular, consta da seleção o infalível Rondo alla Turca (K. 331), preferido entre os maestros que querem, mais do que executar elegantemente o programa, apelar aos corações dos leigos no bis. E In the Name of Mozart, o álbum, abre com “Eine Kleine Nachtmusik”, mais conhecida como o tema para os perfumes de Vinólia (que os eruditos perdoem aqui a referência chula, mas a imagem das donzelas desfilando por entre árvores, ao som de Amadeus, está mais do que impregnada no inconsciente coletivo). Masi não parece o tipo que se aproveita do atual crossover entre gêneros, como Rod Stewart, mas, embora tenha tido uma iniciativa louvável, vai ter de transpor uma barreira cultural entre o rock’n’roll e a música clássica. Uma barreira considerável, como se vê. [Comente esta Nota]
>>> In the Name of Mozart - Alex Masi - Hellion Records
 



Literatura >>> Cenas de abril
A partir dos anos 60, a impressão que se tem é de que o Brasil sempre foi da música. A mensagem de compositores populares atravessou por décadas barreiras que as outras artes, apesar de bem realizadas, não conseguiram superar. Assim, a imagem que se tem da cultura brasileira, e com a qual se cresce desde o meio do século XX, é a da música. Nos anos 80, não foi diferente. Qualquer adolescente (hoje e na época) evoca(va) os nomes de Cazuza e de seus contemporâneos, mas dificilmente vai(ia) saber alguma coisa sobre a poeta Ana Cristina Cesar. Talvez para preencher essa lacuna, nos bancos escolares, Laura Sandroni incluiu a “Ana C” no rol de autores que compõem a coleção Novas Seletas da editora Nova Fronteira. E Ana Cristina, apesar de ter feito parte da geração aparentemente despojada da “literatura de mimeógrafo”, mereceu agora ensaio de Silviano Santiago (o prefaciador das obras completas de Carlos Drummond de Andrade), e obviamente apresentação de seu amigo Armando Freitas Filho. O que chama a atenção hoje, para aqueles que já passaram da fase da influência, é, mais que a poética, os insights e as percepções argutas da poetisa, como esta: “A gente sempre acha que é/ Fernando Pessoa”. Ou, antecipando a problemática dos relacionamentos pós-modernos, que permanece: “Nós estamos em plena decadência (...) Quando duas pessoas chegam a se dizer isso tranqüilamente, é sinal de terra à vista”. Ou ainda sobre a consagração precoce: “Assinei meu nome tantas vezes/ e agora viro manchete de jornal”. Ana Cristina Cesar se suicidou aos 31 anos e, nesse sentido, são comoventes os testemunhos de seus familiares incluídos no volume. Tentam alguma comunicação depois de mais de 20 anos (ela se foi em 1983) ou enfileiram lembranças da juventude, da infância, num exercício livre de interpretação da escritora e de seu “duplo”. Como observa Freitas Filho, a graça da sua poesia, mais que qualquer coisa, é que ela “ia à praia, às festas, jogava bola, suava”. Portanto, seus parentes têm razão em aproximar a artista da pessoa Ana Cristina Cesar. Cazuza reina soberano no rol de preferências dos conjuntos destes anos 00, mas talvez fosse igualmente importante conhecer a fonte inspiradora de autores como Ana Elisa Ribeiro, a “ana e”. [Comente esta Nota]
>>> Ana Cristina Cesar - 144 págs. - Nova Fronteira
 
>>> CHARGE DA HORA: "RACHADURAS" POR DIOGO



Clique aqui para ver outras charges no diogosalles.com.br


>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Cafés Filosóficos
* Sobre a alma e sobre o mal: de Sócrates a Santo Agostinho
Marcelo Perine e Rachel Gazolla
(Qua., 10/11, 19h30, CN)

>>> Noites de Autógrafos
* Cartas a um jovem terapeuta - Contardo Calligaris
(Ter., 9/11, 18h30, CN)
* Moda contemporânea - Cristiane Mesquita
(Ter., 9/11, 18h30, CN)
* A arte de gerir pessoas - José Wilson Paschoal
(Ter., 9/11, 19hrs., VL)
* Façam a festa por mim - Maria Lúcia Quaresma
(Qui., 11/11, 18h30, VL)

>>> Shows
* Musica das Nações - Raïff Dantas Barreto
(Seg., 8/11, 20hrs., VL)
* O jazz branco - Traditional Jazz Band
(Sex., 12/11, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Mario Eugênio
(Dom., 14/11, 18hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/11/2004
07h42min
Olá Júlio, ótimo o seu artigo sobre o Estadão. Li o artigo e o Estadão. Há tempos que o jornal vinha precisando dessa modernização. Não só seus colaboradores estavam com o pé na cova como o próprio jornal que vinha perdendo espaço para jornalismos mais modernos e dinâmicos. Uma coisa que você citou e que amei foi o Guia que sai às sextas feiras. O mais é comprar o jornal e conferir!
[Leia outros Comentários de vera carvalho]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE DWELLINGS OF ETERNITY
ALBERTO SILIOTTI
CHARTWELL BOOKS;
(2002)
R$ 125,00



HOW TO LIVE LARGE ON A SMALL PLANET
SOLARA
STAR BORNE
(1996)
R$ 35,00



CENAS DE UM CASAMENTO
INGMAR BERGMAN
CÍRCULO DO LIVRO
(1975)
R$ 23,31



O POVO MAIS FELIZ DA TERRA
DEMOS SHAKARIAN - JOHN E ELIZABETH DHERRILL
ADHONEP
(1992)
R$ 5,00



O QUE É O MARXISMO ?
V. I. LÉNINE
ESTAMPA
(1978)
R$ 8,00



DOMINGO DIA DE CACHIMBO
GISELDA LAPORTA NICOLELIS
SALESIANA DOM BOSCO
(1985)
R$ 5,00



SOCIEDADE & ESPAÇO
J. WILLIAM VESENTINI
ÁTICA
(2003)
R$ 6,00



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA
LIMA BARRETO
CERED
R$ 5,00



MUSICA AO LONGE
ERICO VERISSIMO
ED. GLOBO
(1939)
R$ 5,00



OPERAÇAO CAVALO DE TROIA 2 - MASSADA
J. J. BENÍTEZ
PLANETA DO BRASIL
(2014)
R$ 30,00





busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês