Digestivo nº 234 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
45848 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 8/7/2005
Digestivo nº 234
Julio Daio Borges

+ de 5500 Acessos




Literatura >>> Maître à penser
Numa época em que as referências se acumulam e mais desorientam do que orientam, alguns raros autores nos servem de bússola. Entre eles, está, hoje, George Steiner. Um dos poucos com uma preocupação de dar um contexto às coisas, de conduzir a conversa ao longo da história, de mostrar de onde se veio e — mais do que para onde se vai — onde se está. Percorrer suas páginas é tomar a mão segura do mestre e se deixar levar. Algo que não existe mais. Aliás, trata disso seu novo livro pela editora Record. Lições dos Mestres explora, justamente, a relação mestre-discípulo — revelando como ela pode ser sofisticada, enriquecedora e plena em sutilezas que se perderam, por exemplo, na era do assédio sexual. Nesse pormenor, apenas para entrar num detalhe, Steiner acredita que nos isolamos na senda do politicamente correto. Reduzir, digamos, o relacionamento de Heidegger e Arendt a uma questão de sexual harassment é limitar demais as possibilidades. Afinal, como disse Colm Tóibín, qual a graça de ser professor (e de acumular mestrados e doutorados), se não se puder nem mais dormir com os estudantes? A verdade é que o comezinho não tem lugar na prosa de George Steiner. Ele não engrossa o coro populista de elevar, vá lá, a cultura popular à categoria de grande arte — porque, apesar do apelo irresistível, simplesmente o lowbrow nunca vai chegar lá. Por outro lado, Steiner tem uma das linguagens acadêmicas mais límpidas de que se tem notícia e pode-se lê-lo, sem prejuízo da compreensão, no trem, no metrô ou no ônibus. Ele é tão agradável falando dos Pré-Socráticos quanto da ligação entre Virgílio e Dante, quando de Kepler e Tycho Brahe. A sensação, ao percorrer cada capítulo de Lições dos Mestres é que nada mais importa; e a constatação, eterna, de como perdemos tempo com assuntos menores, quando existe um mundo maravilhoso de homens e idéias que o nosso tempo insiste em deixar para trás. A batalha de George Steiner não deve ser solitária, contudo; engrossar suas fileiras é um imperativo não apenas seu mas da civilização. [Comente esta Nota]
>>> Lições dos Mestres - George Steiner - 240 págs - Record
 



Música >>> Meu trabalho é te traduzir
Dentro do quase boom de talentosos pianistas brasileiros, como Marcos Nimrichter e Leo Mitrulis, surge também Heloísa Fernandes com seu CD Fruto, pela gravadora Maritaca. A exemplo de seus habilidosos colegas de instrumento, Heloísa tem a abertura, antes praticamente inédita, para rechear o álbum de composições próprias, alternando uma ou outra interpretação de outro autor. No caso, “Rosa”, conhecidíssima, de Pixinguinha, e uma esplendorosa versão de “Trilhos Urbanos”, de Caetano Veloso. Talvez para nos lembrar que, antes de personalidade midiática (e “multimídia”), Caetano foi compositor, e dos bons. Por mais que seja injusto com a produção da própria Heloísa, “Trilhos Urbanos”, talvez por ser, exatamente, conhecida, nos oferece uma chave de interpretação, para seu trabalho, como poucas. Ela recria o tema de Caetano Veloso em crescendos e diminuendos, oscilando entre a pujança da “banda toda” (ainda que nesta faixa específica esteja apenas acompanhada do percussionista Ari Colares) e o minimalismo de execuções quase infantis (não é à toa que ela dedica o disco a seus filhos, “total inspiração” e “razão de vida”). Aliás, se vale aqui uma crítica – não para “Trilhos Urbanos” e, sim, para as demais– ela se coloca no sentido de que, a exemplo de Heloísa, os nossos instrumentistas, e principalmente os nossos instrumentistas-compositores, deveriam tentar recuperar a noção perdida de melodia, hoje meio escondida entre “climas” e “ambiências” sedutores, e até bonitos, mas restritos, precisamente, ao registro autoral. Mesmo tendo domínio completo de sua ferramenta, às vezes parece que nossos artífices são incapazes de legar uma frase, um – vá lá – refrão, uma – pecado! – canção. É provável que isso guarde relação com a hoje quase extinta forma-canção... (mas fica pra outra tertúlia). Louvamos, então, Heloísa e sua realização – tão grande e elogiável quanto a de seus predecessores (ou colegas, melhor dito) – mas gostaríamos que se tomasse a composição, novamente, como diálogo com o público. Coisa que os compositores populares, inclusive, compreenderam (e assimilaram), até demais. Como Caetano Veloso – melhor quando tímido do que quando espalhafatoso. [Comente esta Nota]
>>> Fruto - Heloísa Fernandes - Maritaca
 



Imprensa >>> Menos fé e mais razão
Também para quem acha que só blogueiro da internet pode ser dândi, a revista da Argumento preparou uma edição com Antonio Callado na capa. Antes de começar, vale tentar chamar a atenção para a presença da livraria Argumento no Rio – algo, naturalmente, inapreensível para quem nunca foi lá, principalmente para leitores de outros estados. O charme que inspirou Manuel Carlos, entre outros (apesar da Globo), talvez não esteja 100% refletido nas páginas da revista – o que, por outro lado, justifica a atitude, digamos, “superior” de não fazer concessões e de não se pautar, at all, pelas publicações de agora. A revista Argumento, embora plena em bons momentos, insiste – talvez por convencimento, talvez por comedimento (quem sabe?) – em fechar-se numa cápsula. “Não é pra todo mundo? Azar de todo mundo”, a frase de Paulo Francis sobre Harold Pinter parece ecoar da primeira à quarta capa. Assim, entender a Argumento – e suas razões – pode ser um exercício de paciência, evidentemente, nada imediato. Mas compensador. Sempre uma rememoração do inconseqüente Jaguar e do até anacrônico Moacir Werneck de Castro; sempre uma crônica erudita ou um artigo mais livre de Ruy Castro e Sérgio Augusto; sempre um papo com um “correspondente internacional” (que, no número 9, pode ser Sílio Boccanera) e sempre um texto republicado que vale a pena (como, atualmente, um Baudelaire poderoso) – todos, em seções que nunca falham, já bastariam para justificar a Argumento e seus esforços (ou o do leitor imagético de hoje). Na presente edição, para entrar num tema contingente, como já se disse, desfilam os dândis: de Cole Porter a Oscar Wilde; de João do Rio a Beau Brummell – e por aí vai. O termo andava esquecido, ou, por outra, gasto, e o time da revista vem em nosso socorro para provar que dândi pode ser até uma coisa boa e não um janota perdido entre aparências e gostos do século passado (ou retrasado). Talvez o dandismo, no que ele tem de mais positivo, se aplique, também, à publicação da mais célebre livraria do Rio. Que ela permaneça nesse impulso, mas que ela, igualmente, busque se comunicar com as novas gerações – são os nossos votos. [Comente esta Nota]
>>> Argumento
 
>>> E O CONSELHEIRO TAMBÉM VAI À FLIP

Não perca, a qualquer momento (entre 6 e 10 de julho), um novo post de Julio Daio Borges, no Blog do Digestivo, sobre a Flip 2005.

>>> E O CONSELHEIRO TAMBÉM PUBLICA NO LEGENDÁRIO "CADERNO FIM DE SEMANA" DA GAZETA MERCANTIL

Na última edição do "Caderno Fim de Semana" da Gazeta Mercantil, confira um texto inédito de Julio Daio Borges sobre o filme (e a peça e o DVD) Dois Perdidos Numa Noite Suja, de Plínio Marcos.

>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Palestras
* O mal da literatura
Enrique Vila-Matas
(Qui., 14/7, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Comédias
Jandira Martini e Marcos Caruso
(Seg., 11/7, 19hs., CN)

>>> Shows
* Duke Ellington II - Traditional Jazz Band
(Sex., 15/7, 20hs., VL)
* Espaço Aberto - Sociedade do Choro
(Dom., 17/7, 18hs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTANDARTES DAS TRIBOS DE ISRAEL
PLÍNIO MARTINS FILHO
ATILIÊ EDITORIAL
(2001)
R$ 15,42



DICIONÁRIO DOS LIVROS SENSÍVEIS
JULIETA MONGINHO
CAMPO DAS LETRAS
(2000)
R$ 48,00



SER E TEMPO - 10ª EDIÇÃO - VOLUME ÚNICO - COLEÇÃO PENSAMENTO HUMANO
MARTIN HEIDEGGER
VOZES
(2015)
R$ 107,95



VILA DOS CONFINS
MÁRIO PALMÉRIO
EDIOURO
(1994)
R$ 49,90
+ frete grátis



LIÇÕES DE GEOLOGIA
ANTONIO DE BARROS BARRETO
TYP DO DIÁRIO OFICIAL
(1922)
R$ 34,30



DESCARTES: OBRAS ESCOLHIDAS - 1ª EDIÇÃO
J. GUINSBURG & ROBERTO ROMANO & NEWTON CUNHA (ORG)
PERSPECTIVA
(2010)
R$ 100,80



MESTRES DO MODERNISMO
MARIA ALICE MILLIET
IMESP
(2005)
R$ 40,00



ARQUITETURA
W R DALZELL
MELHORAMENTOS
(1969)
R$ 8,64



DIABETES
DR. THIERRY BRUE
LAROUSSE
(2007)
R$ 16,85



REPRODUÇÃO ASSISTIDA - ATÉ ONDE PODEMOS CHEGAR?
DEBORAH ALVAREZ DE OLIVEIRA
GAIA
(2000)
R$ 8,49





busca | avançada
45848 visitas/dia
1,4 milhão/mês