O pagode das cervejas | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
34284 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ana Marson lança livro de crônicas em São Paulo
>>> Música, dança e boa conversa na "Semana Preta" do Centro de Referência da Dança
>>> Vila Cultural Cora Coralina recebe exposição 'Tempos Líquidos'
>>> DAMA DE COPAS - O LIVRO É LANÇADO PELA SOUL EDITORA
>>> Novo livro do Padre Lício propõe reflexão para prevenção ao suicídio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Você pertence a um não lugar
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Sem lero-lero
>>> A droga da felicidade
>>> Hilda Hilst, o IPTU e a Chave da Cidade
>>> Símbolos e Identidade Nacional
>>> Animismo
>>> Um monstro que ri
>>> Lições literárias
>>> Fahrenheit 451, Oralidade e Memória
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Farra no Formigueiro
>>> Picasso - Coleção Crianças Famosas
>>> Roman Games - 3
>>> Arte para Criança Arcangelo Ianelli no Mundo das Nuvens
>>> O Santinho
>>> Raul da Ferrugem Azul
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha
>>> Meninos, Eu Conto - Contos - Vol. 2
>>> O Porta-lápis Encantado - Col. Biblioteca Marcha Criança
>>> Os Lusíadas - Série Reencontro
>>> Guia do Escoteiro Noviço
>>> The Gospel of the Kingdom
>>> Cartas ao Papa João Paulo II
>>> An Outline Of American Geography
>>> Pinheiros - Estudo Geográfico de Um Bairro Paulistano
>>> Poesia Completa de Alberto Caeiro
>>> A Oração dos Cinco Dedos com o Papa Francisco
>>> Estudo Dirigido de Microsoft Office Excel 2010. Avançado
>>> Estudo Dirigido de Microsoft Office Excel 2010
>>> Teilhard de Chardin. Ensaio de leitura crítica
>>> World Of Warcraft - Crônica - Vol. 1
>>> Reflexões e Orações no Espaço Tempo
>>> Janelas para a Vida
>>> Alimentação Moderna
>>> O Dia em que os Deuses Chegaram - 11 de Agosto de 3114 a.C
>>> Os Doze Trabalhos de Hércules - I
>>> Os Santos Evangelhos
>>> Inculta & Bela - 1
>>> Inculta & Bela - 1
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Pessoa e Amor segundo Teilhard de Chardin
>>> O Meio Divino
>>> Gramática Resumida
>>> Enfermagem em Centro Cirúrgico: atualidades e perspectivas no ambiente cirúrgico
>>> Guia completo de Procedimentos e Competências de Enfermagem
>>> PRocedimentos especializados de Enfermagem
>>> Hospitalização
>>> A psicanálise, sua imagem e seu público
>>> Estudo Dirigido para Microsoft Office Word 2010
>>> Família contemporânea e saúde: significados, práticas e políticas públicas
>>> Manual de cuidados HIV/AIDS
>>> Novo Manual de Instrumentação Cirúrgica
>>> Estudo Dirigido de Microsoft Office Powerpoint 2010
COLUNAS

Quinta-feira, 18/3/2004
O pagode das cervejas
Adriana Baggio

+ de 9200 Acessos
+ 10 Comentário(s)

A publicidade é o produto da Indústria Cultural pelo qual perpassam todos os outros, como o cinema, a música, os artistas, a novela. Normalmente, os elementos desses produtos presentes na publicidade estão em nível de conteúdo. Uma determinada música de sucesso acompanha as imagens de um anúncio de carro, os efeitos especiais de um filme são usados em um comercial, os artistas de uma novela estrelam campanhas publicitárias. Chegamos ao ponto em que, no entanto, a própria forma desses outros produtos começa a ser usada pela publicidade. É o caso da "novela das cervejas", que ganhou um novo capítulo com o filme da Brahma, cuja estréia no Jornal Nacional de sexta passada colocou no ar a "traição" de Zeca Pagodinho à Nova Schin. Intrigas, paixões, traições: tem ou não tem a forma de uma novela mexicana?

Mas apesar do divertimento de alguns e da admiração de outros, que vêem na estratégia da Brahma uma jogada de mestre, uma idéia genial, a "traição" do pagodeiro causou mal estar entre o público.

A publicidade em si não é uma atividade que angaria credibilidade. Durante muito tempo os comerciais usaram artistas e personalidades para divulgar seus produtos de forma não muito verossímil, associando estrelas a marcas que eles nunca consumiriam na realidade. O consumidor ficou mais esperto, alfabetizou-se na linguagem publicitária e percebeu que o seu artista predileto anunciava determinado produto não porque realmente aprovasse ou utilizasse-o, mas porque recebia um bom cachê para isso. Por conta disso, as marcas passaram a tomar mais cuidado com a relação entre os artistas e os produtos nas campanhas publicitárias. Procura-se tornar o mais verossímil possível essa relação. E como a publicidade hoje extrapola os intervalos entre os programas e invade o conteúdo editorial dos veículos, muitas vezes as normas da relação do garoto-propaganda com o produto regulam também sua vida real, e não somente aquela mostrada no comercial.

Essa situação é uma das desculpas dadas por aqueles que defendem a "virada de casaca" de Zeca Pagodinho. Por conta do contrato com a Schin, ele era obrigado a beber só essa cerveja em público. Não suportando mais semelhante tortura, aceitou fazer o comercial da Brahma para poder beber sua cerveja predileta em paz. Fica a pergunta: se era tão ruim assim beber Schin, porque ele não recusou o convite da empresa?

É lógico que um contrato de 1 milhão de dólares, como estão dizendo por aí, é argumento mais do que suficiente para qualquer um repensar sua lealdade. No entanto, por mais que as pessoas saibam que Zeca recebeu para estrelar as duas campanhas, dá um travo na garganta perceber a crueza dessa situação em que credibilidade se compra, não se conquista.

Concordo com Marinho, do site de notícias sobre publicidade Blue Bus, que a situação revela o posicionamento das marcas no mercado: a Nova Schin, depois de um lançamento estrondoso e da conquista de uma parcela significativa do mercado, começa a perder terreno para as marcas líderes, entre elas a Brahma. Nessa ótica, a campanha da marca da AmBev é genial. Porém, gosto sempre de frisar com meus alunos e com qualquer pessoa com quem converse sobre publicidade: existem várias maneiras de você dizer a mesma coisa, ou de comunicar seu posicionamento.

Tecnicamente a estratégia da Brahma é fenomenal. Mas e o outro lado, o lado humano da coisa? Já li outros comentários chamando de pieguice a abordagem "humana" da história, que isso é negócio, que cerveja é paixão e que por isso não cabem reflexões de ordem moral ou racional. Não me convencem. Como publicitária, acredito que a sobrevivência e o futuro dessa atividade depende da credibilidade e da honestidade. E esses são valores cada vez mais admirados pela população. A Lei de Gérson já não faz mais o mesmo efeito. O país luta por uma postura mais ética e transparente, e um dos nossos maiores veículos de ideologia, que é a publicidade, com o exemplo da Brahma parece estar indo contra essa corrente.

Muitos condenam a postura da marca e do artista. Quando aceitou associar-se com a Nova Schin, Zeca Pagodinho não estava apenas estrelando um comercial. Estava associando a essa marca sua credibilidade enquanto apreciador de cerveja. Era o apelo de um entendedor para que o público provasse a nova cerveja e visse que ela estava melhor, mais gostosa, já que a fama da marca não era lá essas coisas. Na cabeça das pessoas o mecanismo funciona assim: se ele que é um pau d'água gosta, vou experimentar. A estratégia deu tão certo que as marcas rivais, principalmente as da AmBev, passaram a atacar a Nova Schin, ao invés de abordar a qualidade de seus próprios produtos ou outro diferencial. A Kaiser, apesar de não atacar diretamente, foi lá e mudou a fórmula, lançando a Kaiser Novo Sabor. Todas elas, em suma, sentiram-se ameaçadas com a Nova Schin.

Zeca Pagodinho, ao afirmar numa campanha brilhante que sua relação com a Nova Schin não passou de um "amor de verão", representa a volubilidade do estereótipo do malandro, aquele que dá uma escapadinha, mas sempre volta para a "patroa". Se nas relações pessoais esse comportamento talvez ainda não esteja condenado, com a cerveja parece que a coisa é diferente. As pessoas tomaram as dores da cerveja abandonada e sentiram-se traídas na confiança que depositaram no aval do músico. E como brasileiro tem mania de torcer pelo coitadinho, pode ser que o tiro tenha saído pela culatra. Pieguice? Pode até ser. Mas novela também é piegas e dá a maior audiência.


Adriana Baggio
Curitiba, 18/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos brancos corredores de Mercúrio de Elisa Andrade Buzzo
02. Miguel de Unamuno e Portugal de Celso A. Uequed Pitol
03. Mulher-Flamingo de Marilia Mota Silva
04. O petista relutante de Rafael Rodrigues
05. Entre a crise e o espectro do humor a favor de Diogo Salles


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/3/2004
09h40min
Parabéns, ótima matéria. Pela busca por market share o céu é o limite. No entanto, a Jovem Pan,principalmente na figura do Milton Neves fez a mesma coisa, só que de uma forma diferente, trocou a Schin do "Nersão" pela Brahma e o efeito foi outro.
[Leia outros Comentários de Edson Nascimento]
18/3/2004
10h23min
Legal sua coluna, Adriana! Só acho que existe também um outro lado: no início achei absurdo ver o cantor "virando a casaca", mas depois me convenci de que certo estava ele. Enquanto as grandes marcas gastam milhões com suas campanhas, certo foi Zeca Pagodinho de sair ganhando. Se eu fosse ele, ligava pra Kaiser e me dispunha a mudar de novo.... Assim provava como o mundo publicitário sabe jogar fora dinheiro com idéias infelizes.
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]
18/3/2004
10h26min
Ótimo artigo e concordo em gênero, número e grau - não é possível que achemos normal a ética ser colocada de lado por um bom punhado de dinheiro. Zeca Pagodinho nunca mais!!
[Leia outros Comentários de Malu]
19/3/2004
13h33min
Campanhas publicitárias, tanto da Schin quanto da Brahma, excluindo aquelas transações financeiras... demonstram claramente o que muitas pessoas fazem ou são capazes de fazer. A atitude de se retratar (não tomando a pessoa influente do Zeca Pagodinho como exemplo) muitas vezes é rara...
[Leia outros Comentários de Mauro]
19/3/2004
14h55min
Muito legal levantar essa discussão que esta na cabeça do povo e tb nos deixa intrigados. Essa é a real, a propaganda é feita para persuadir, vender e não dizer a verdade. Triste mas é assim que funciona. E o Conar? As leis precisam realmente ser revistas.
[Leia outros Comentários de Kézia]
19/3/2004
16h39min
Oportuna a matéria sobre o traira Zeca. Assistimos, dia desses a demissão de Joelmir Betting da Rede Globo, por associar sua crédula imagem de economista ao perfil de um grande banco. A falta de ética do pagodeiro me parece estar centrada na mesma que qualificou o Gerson como o "rei" da malandragem, quando de sua campanha publicitária por uma linha de cigarros, lançando assim a "lei de Gerson" hà alguns anos. Gerson foi execrado e até hoje amarga sua postura. O povo não perdoa os trairas. Quem viver, verá.
[Leia outros Comentários de Marco Linhares]
25/3/2004
10h10min
O meu camarada Jazzmo falou uma coisa interessante e engraçada outro dia. Jazzmo entre aspas: « O Zeca tava lá, sentado, e vinha um cara e mandava ele experimentar. Saca artista quando topa fazer uma foto contigo, dando um abracinho? Pois é. Foi isso que o cara topou fazer.» « Pensem com a cabeça do cara por um segundo. Não dá pra crer que ele aceitou as condições do Fischer e depois resolveu sacanear. Ele foi apenas um cara de Xerém, que curte MUITO uma loura, e que ia ganhar uma bolada para tomar uma cerva na TV. »
[Leia outros Comentários de Augusto Sales]
28/3/2004
19h39min
E no final, quem sai ganhando é a própria cerveja, seja ela qual for, as agências de propaganda, com seus nomes em evidência e o Zeca, que ganhou na ida, na volta e ainda tomou umas e outras no caminho. Diz a mulher dele: "eu queria mesmo é que ele parasse de beber"... Só acho que realmente é uma ótima oportunidade de se discutir mais profundamente a ética no meio publicitário, deixando o Zeca de fora, porque ele é bom mesmo no Pagode. Abraços, Cecilia.
[Leia outros Comentários de Cecilia C. Almeida]
11/12/2004
22h12min
O Zeca continua fazendo sucesso, se deu bem! Conheci a irmã dele, Isabel, num show programado para a meia-noite e o Cumpadre Zeca só chegou as 4h30, depois de eu ter ido embora! Todo mundo sabia o quanto ele bebia cerveja (odiava a Kaiser). A culpa foi da Brahma que DEMOROU mais de 10 anos para reconhecer a popularidade do Zeca. O samba dele na campanha da Brahma, de autoria de dois publicitários, virou o maior sucesso nas rodas de pagode aqui no Rio. Alguém acredita que ética no Brasil vai mudar para melhor ou pior só por causa do Zeca Pagodinho? Façam-me o favor...!
[Leia outros Comentários de Fernando J. Bernardo]
3/1/2005
08h13min
Queria entender como convencer alguem a fazer algo nao-saudavel, por exemplo: beber uma bebida alcoolica pode ser abordado do ponto de vista nobre? Marketing e publicidade sao partes impreenscindiveis da nossa decada... Ate em minha profissao, muitas vezes os produtos de empresas para o qual trabalho(ei), vendem mais nao porque sao melhores mas porque a marca e' "melhor trabalhada"... Nada contra, mas em geral, como engenheiro, considero uma derrota fazer algo ruim ser mais usado (dai', as tradicionais brigas com o pessoal de marketing). Por outro lado, nenhuma empresa sobrevive sem ganhar dinheiro. E' muito dificil graduar a arte de ganhar dinheiro. O que e' etico, e o que nao e'? Vender coca-cola e' etico, mesmo sabendo dos maleficios do produto (ah, mas o consumidor deveria decidir...). Tento evitar trabalhar com coisas que eu saiba que facam mal diretamente a outras pessoas... Mas mesmo isso tem seus limites... Sei la'. Tudo muito complicado, e mostra a irrelevancia da questao Schin-Brahma. Zeca Pagodinho trocou 1 milhao por 2 milhoes. E mais, a propria Schin - uma empresa - saiu do episodio por cima (como uma pessoa). Estamos num mundo em que marcas parecem que valem bem mais do que vidas e as pessoas a quem elas pertencem.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS SETE SABERES NECESSÁRIOS À EDUCAÇÃO DO FUTURO
EDGAR MORIN
CORTEZ
(2000)
R$ 21,00



VIDA ALHEIA
ARTUR AZEVEDO
BRUGUERA
R$ 12,00



OSCAR NIEMEYER COLEÇÃO FOLHA GRANDES ARQUITETOS
GUILHERME WISNIK
FOLHA DE SÃO PAULO
(2011)
R$ 20,00



AÇÃO CULTURAL PARA A LIBERDADE E OUTROS ESCRITOS - PAULO FREIRE
PAULO FREIRE
PAZ E TERRA
(1981)
R$ 15,00



ECOLOGIA, MUNDIALIZAÇÃO, ESPIRITUALIDADE
LEONARDO BOFF
ÁTICA
(1993)
R$ 12,00



O ESTUDANTE - ADELAIDE CARRARO (LITERATURA BRASILEIRA)
ADELAIDE CARRARO
GLOBAL
(1995)
R$ 8,00



QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO
SPENCER JOHNSON
RECORD
(2003)
R$ 12,93



MUSEU DORSAY PARIS 7
DIVERSOS
FOLHA DE SP
(2009)
R$ 4,30



ECOLOGIA DO MEDO + LOS ANGELES E A FABRICAÇÃO DE UM DESASTRE
MIKE DAVIS
RECORD
(2001)
R$ 20,00



OS DOZE MANDAMENTOS
SIDNEY SHELDON
CÍRCULO DO LIVRO
(1994)
R$ 5,00





busca | avançada
34284 visitas/dia
1,1 milhão/mês