A falta de paciência com o cinema II - O retorno | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
41233 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/5/2006
A falta de paciência com o cinema II - O retorno
Marcelo Miranda

+ de 3300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"É a intolerância do inculto. Como se diz no filme do Sganzerla sobre o Noel Rosa, do burro a gente só pode esperar o coice."

As palavras são do crítico de cinema da Folha de São Paulo Inácio Araujo, em recente entrevista à edição número 2 da revista Paisà. Ele fala sobre o fato de que o espectador médio de cinema às vezes se mostra despreparado para ir de encontro a filmes que o provoquem, que não sejam mastigados, que fujam do lugar-comum. E aí, em vez de haver a busca pela compreensão, a tolerância para se achar respostas ou a humildade para reconhecer que determinado trabalho pode guardar segredos muito mais profundos do que aparenta na superfície, há um rechaço total, quase agressivo, àquele objeto estranho.

"Quando a gente tinha cinema popular, como o Marabá, as pessoas eram culturalmente modestas, mas sabiam ver cinema. (...) Hoje o cinema virou diversão de classe média, e a classe média tem dificuldade em conviver com a imagem. Ela acredita mais na escrita."

Com sua lucidez característica, Inácio Araujo achou a nódoa exata do que vem mais pegando na recepção do cinema atualmente - em especial no Brasil, cuja classe média se acha mais acima da média do que realmente é. Muita gente ainda pensa que cinema é, basicamente, a arte de contar histórias. Balela, pura balela. Arte de contar histórias é literatura. Cinema é arte da imagem e da montagem. As "historinhas" devem surgir a partir desse princípio, e não o contrário. E é justamente esse contrário que parece estar dominando o pensamento do tal público médio. Cobra-se dos filmes que eles narrem histórias críveis, fechadas, coerentes, como se esta fosse a sua obrigação, e deixa-se de lado o gosto pela percepção das imagens.

Eu mesmo já escrevi algo sobre o assunto no Digestivo, num artigo de razoável sucesso entre os leitores chamado "A falta de paciência com o cinema". O assunto merece ser retomado, em enfoque levemente diferenciado. Agora, o que se questiona é o porquê da necessidade dos espectadores de verem no cinema o que eles querem, e não o que os filmes têm a lhes oferecer. E normalmente o que parece ser mais buscado é mesmo a "historinha". Pois o cinema será muito mais apreciado no dia em que se voltar a amar a imagem.

Essa idéia de que os filmes narram alguma coisa surgiu lá no começo do século XX, com as produções do americano David Wark Griffith, em especial O Nascimento de Uma Nação e Intolerância. Só que mesmo naquela época, o que estava em jogo não era essencialmente a preocupação em "contar", mas em "mostrar como contar": Griffith se apropriou de diversas técnicas até então pouco utilizadas e criou uma fabulação, com começo, meio e fim, através de montagem e das relações entre uma cena e outra. Mas no fundo, importava não necessariamente o que se contava, mas a forma como se contava. Esse era (é) o diferencial do cinema em comparação às outras artes. O classicismo de Griffith não tinha necessariamente como fim narrar, e sim apresentar essa narrativa e provar como ela poderia existir a partir dos artifícios da imagem.

<i>Cidadão Kane</i> Não é por nada que os filmes mais citados como essenciais na história do cinema sejam preponderantemente focados menos no enredo e mais em todo o resto. O Encouraçado Potemkin, Cidadão Kane (na foto), Roma, Cidade Aberta, Ladrões de Bicicleta, Acossado, Os Incompreendidos, Vidas Secas, Deus e o Diabo na Terra do Sol, Gritos e Sussurros, 2001 - Uma Odisséia no Espaço, para ficar apenas em alguns mais básicos e de memória imediata. Ou se formos pensar em diretores menos modernos, como Hitchcock (Um Corpo que Cai), Howard Hawks (Rio Vermelho), Sergio Leone (Três Homens em Conflito), Chaplin (Luzes da Cidade), todos, sem exceção, tinham crença muito maior na imagem do que na palavra. São gênios inesquecíveis porque souberam trabalhar essa crença dentro das estruturas que possuíam para transmitir suas próprias ambições ideológicas e artísticas.

Entre os mais recentes, Abbas Kiarostami (Gosto de Cereja), Clint Eastwood (Menina de Ouro), David Cronenberg (Marcas da Violência), até bambas do cinemão como Peter Jackson (King Kong), e tantos mais, se destacam igualmente por saberem se utilizar da expressividade e significados das imagens, mesmo em filmes que partem basicamente da "historinha". Até um cineasta verborrágico como Manoel de Oliveira (Um Filme Falado) tem no que apresenta visualmente grande parte de sua força - como o close final de John Malkovich no filme citado. Oliveira, aliás, assim como Cronenberg, Eastwood e outros, são prova de que nem sempre um filme de imagens precisa seguir essa linha cegamente. Ele pode sê-lo dentro dos padrões ditos industriais e ainda assim se tornar obra-prima puramente cinematográfica.

<i>Se Eu Fosse Você</i> Porém, o tal espectador médio parece continuar negando a essência do cinema. O imenso público de uma comédia como Se Eu Fosse Você, de Daniel Filho (mais de 3 milhões nas salas), que prega a narração acima da narrativa, que aposta num humor de boutique novelesco, é a demonstração do que Inácio Araujo falou. Não prego aqui (quem sou eu...) o fim do roteiro - se bem que há grandes cineastas que o fazem, mas é outra história. O que não pode acontecer é achar que "roteiro" significa "texto", "história", "argumento". Roteiro é um guia do filme, é o mapa pelo qual o diretor vai seguir para atingir seus objetivos, sejam eles quais forem. Mas o que vem sendo feito em muitos casos é a consideração de que roteiro é o supra-sumo do cinema, o deus-rei da narrativa, a motivação para se gostar ou não de um filme. Quantas vezes não ouvimos por aí: "ah, esse filme tem um roteiro bem fraquinho", ou "não gostei porque o roteiro é batido".

E daí se é batido? Quantas vezes já se contou uma história de assalto no cinema? E aí temos Um Plano Perfeito, de Spike Lee. Quantas vezes vimos na tela a reconstituição da colonização da América pelos europeus? Pois está em cartaz O Novo Mundo, obra-prima sensorial e emotiva de Terrence Malick. E como pedir um "bom roteiro" de um filme tão focado no choque e incômodo das imagens como Crime Delicado, de Beto Brant? Ou exigir coerência narrativa de uma viagem amalucada de cores e paixão que é 2046 - Os Segredos do Amor, de Wong Kar-wai?

<i>Escuridão</i> Quer (maus) exemplos inversos? Quando o roteiro busca se justificar por si mesmo, há o risco de surgirem anomalias como Crash - No Limite (prometo ser a última vez que toco neste filme), que, por simplesmente falar de intolerância e choque racial, recebeu láureas e o apreço de boa parte do público - será que pouco importa se tudo é feito de modo grosseiro, artificial e pedante? Ou então pensemos no roteiro tão rico e interessante como o de Escuridão (na foto), suspense pouquíssimo visto de John Fawcett, diretor que parece não saber trabalhar com a imagem e, apesar da "historinha" extremamente intrigante, aposta no excesso da edição de som e em sustos fáceis. Fosse melhor trabalhado na elaboração e encadeamento do que estava à frente da câmera e teríamos um grande filme de terror, muito mais assombroso e relevante que esses suspenses bobocas entornados no circuito semanalmente.

O assunto não esgota aqui. Na verdade, devem ter ficado vários pontos sem ser tocados e muitos outros exemplos faltosos. Se foi o que ocorreu, o leitor tem a chance de se manifestar e salvar injustiças que possam ter sido cometidas na falta de algum nome/título. O mais importante a ser destacado, porém, é que, enquanto o tal espectador médio seguir pedindo dos filmes assistidos só histórias legais e originais e rejeitar tudo que fugir daquilo que ele espera, o cinema apenas vai caminhar para trás.

Na entrevista à Paisà, Inácio Araujo questiona: "você já pensou se alguém propusesse o projeto de O Ano Passado em Marienbad hoje em dia? O cara ia ser morto, pendurado em uma árvore. (...) Acho difícil entender certas transformações, mas o público do ano 2000, talvez porque seja conservador, não está disposto a embarcar naquela aventura (...)". Ele se refere ao famoso filme do francês Alain Resnais, datado de 1961 e recentemente lançado em DVD no Brasil, uma das obras mais enigmáticas e imagéticas já realizadas. Quem conhece, entende à perfeição o que Inácio fala. E não tem como tirar-lhe a razão.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 1/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
02. Eu vejo gente morta de Marcelo Miranda
03. (Re)masterizados e (Re)mixados de Waldemar Pavan
04. A Soma de Todos os Medos de Gian Danton


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/5/2006
13h41min
Marcelo, eu gosto de 2046, eu não gosto de Blow Up, eu gosto de Marvada Carne, eu não gosto de Cidade de Deus, eu gosto de Fogo e Paixão, eu não gosto de Central do Brasil. Este exercício 'a la Buñuel, longe de propor uma demissão crítica, aposta na crítica instintiva como inteligente... e ele achava que um filme pode ser tudo, menos chato... e eu amo Buñuel quando ele não é chato (rs)... e eu gosto deste texto. Abraços do Mário!!!
[Leia outros Comentários de Mário G. Montaut]
30/5/2006
15h41min
concordo com mário, mãs não gostar de cidade de deus?
[Leia outros Comentários de frederico]
1/6/2006
13h56min
Marcelo, realmente a situação está crítica. As produções holywoodianas invadem os circuitos dos shopping-centers, não deixando a chance de ver um bom filme para quem gosta realmente de cinema-arte. Não podemos culpar os exibidores nem os produtores e diretores. O público infelizmente quer efeitos especiais, tiros, carros voando e explodindo, sem falar nos Harry Porters da vida. E vai ser sempre assim. As salas de "artes" para assistirmos um filme iraniano, espanhol ou vietnamita são poucas. Um bom exemplo é a sala da UFF (Niterói), que passa 3 filmes por semana (e ainda acho pouco). Gostaria que fossem mudados diariamente mas aí já demais. Um abraço, Ivo Samel
[Leia outros Comentários de Ivo Samel]
17/10/2009
18h10min
Marcelo, estava passeando pelo Google e vi o seu artigo. Achei interessante e comecei a ler. Já no meio eu estranhei esta diferenciação que você sugere entre contar história e a paixão pela imagem. Eu acho que entendi, e por isso mesmo pergunto onde você colocaria filmes como "Dersu Uzala", do Akira Kurosawa, "Rocco e seus Irmãos", do Visconti; também dele, "Ludwig", entre outros. Todos são grandes filmes, tanto tecnicamente falando (belas imagens, grandes montagens, plena utilização dos recursos técnicos), quanto o enredo. Eu acho que a separação que você tenta fazer é impossível, a linha que separa estas duas coisas em um filme é muito tênue. Uma imagem "X" solta, descontextualizada de sua história, pode não ser nada atraente. Mas se for colocada com precisão, e em torno dela se construir todo um significado, ela pode se tornar muito interessante. O mesmo pode acontecer ao contrário. Bom, se você quiser continuar esta conversa, podemos fazer por e-mail, aqui não cabe mais. Abraços.
[Leia outros Comentários de Bruno Beghelli]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OUTROS ASSUNTOS
ELOGIO DOS OLHOS
LITTERA MACIEL
(1989)
R$ 14,98



VAGABOND Nº 3
TAKEHIKO INOUE
CONRAD
(2001)
R$ 16,90



BRIDGET JONES: NO LIMITE DA RAZÃO
HELEN FIELDING
RECORD
(2001)
R$ 15,00



BIOGRAFIAS
VIEIRA - SERMÕES COLEÇÃO MOSSOS CLÁSSICOS 11
AGIR
(1975)
R$ 14,98



CATINGA NA PENSÃO PIRAPITINGA
CLÁUDIO MARTINS
POSITIVO
(2010)
R$ 15,00



DISCIPLINE: TRAINING THE MIND TO MANAGE YOUR LIFE
HARRIS KERN, KAREN WILLI
AUTHORHOUSE
(2003)
R$ 43,28



OS BRUZUNDANGAS
LIMA BARRETO
MARTIN CLARET
(2009)
R$ 43,24



O BRASIL DO SÉCULO XIX, NO OLHAR DE CHARLES EXPILLY
MARIA ELIZABETH CHAVES DE MELLO (ORG.)
CRV
(2017)
R$ 89,90



USO TRADICIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS
SERGIO TINOCO PANIZZA E OUTROS
CONBRAFITO
(2012)
R$ 139,00



UMBANDA
JOÃO DE FREITAS
MODERNA
R$ 50,00





busca | avançada
41233 visitas/dia
1,4 milhão/mês