Simplicidade: um objetivo cultural | Ram Rajagopal | Digestivo Cultural

busca | avançada
45848 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/10/2006
Simplicidade: um objetivo cultural
Ram Rajagopal

+ de 5900 Acessos
+ 6 Comentário(s)

"O que é preciso é ser-se natural e calmo
Para ser grande, sê inteiro"
Fernando Pessoa

(A seguir, um texto inspirado numa frase dita a mim anos atrás: "Quem gosta de jazz não pode gostar de rock. Não é consistente"...)

Ser natural, ser inteiro, é sem dúvida uma busca válida em qualquer atividade criativa. A expressão artística é em parte a busca pela expressão natural de idéias, emoções, sonhos. O que não está tão claro é: como podemos chegar a esta expressão? O caminho é a simplicidade. Ser simples não significa ser simplista. Simplicidade não implica reducionismo. Pelo contrário, a simplicidade é sempre conseqüência de uma profunda compreensão, uma profunda conexão com uma idéia ou experiência.

Observo que atualmente há uma busca incessante na arte, por uma expressão sofisticada de idéias e emoções. Talvez até pela sofisticação superficial da vida moderna, com seus excessos de informação e experiências sensoriais. No entanto, esta sofisticação, em geral, esconde falta de conteúdo, ou mesmo uma expressão meramente mental e impessoal de uma idéia. Tal concepção está tão enraizada em nossa sociedade que abandonamos algumas maneiras simples de transmitir idéias e emoções, como contar uma história.

Alguns dos grandes filósofos da antigüidade expuseram seus insights filosóficos sob forma de pequenas parábolas, que podem ser lembradas, celebradas e compreendidas por qualquer pessoa que tenha um pouco de imaginação e curiosidade. A idéia por trás das parábolas nunca foi ofuscar uma idéia ou conceito. Nunca foi de se propor um significado esotérico para uma experiência concreta. Pelo contrário, a parábola é o mensageiro mais claro, mais colorido, de um conjunto de idéias que o contador deseja passar. E serve de fonte de inspiração para que cada um encontre também seu significado naquelas idéias e emoções. O fim da tradição dos grandes contadores de história no Ocidente coincide com uma excessiva intelectualização da sabedoria e conhecimento, que acaba por separar o homem comum deste mundo incrível e importante.

Sem meias palavras, se trata de uma elitização do mundo da arte e do conhecimento, para se tornar a reserva de alguns poucos que podem assim, do alto de suas torres de marfim, receber para si todos os benefícios que se observam do acesso a estes poderosos tesouros. A elitização esconde também um dano mais profundo ao nosso estilo de vida: o abandono da simplicidade. A ofuscação do pensamento, da expressão da emoção, como norma da expressão cultural e social, tem como conseqüência a formação de indivíduos com pouca capacidade para expressar o que pensam e sentem, com pouca capacidade de entenderem a si mesmos, e a partir disso construir o seu caminho para vida.

A complexidade artificial das metrópoles urbanas esconde justamente o superficialismo interior de seus habitantes. Presos a teias complexas de idéias e conceitos, de expectativas e imposições sociais, seus habitantes não encontram nem mesmo na arte, no conhecimento, a válvula de escape, ou melhor, a saída para construírem uma vida mais saudável, mais provida de cor, e mais sincera consigo mesmos. A própria idéia de que você pode ver e expressar suas idéias e emoções de maneira simples é considerado um sacrilégio, ou ao menos jamais é força motriz dos lugares onde aprendemos a aprender, como na escola, universidade e até em casa.

Ser simples, ou pensar simples, é ser capaz de extrair uma compreensão pessoal de toda idéia, de toda experiência. Simplicidade é a base para originalidade. Porque só somos originais em um campo, quando desenvolvemos nossa própria visão daquele campo. E nossa própria visão só se desenvolve, só surge, quando conseguimos estruturar dentro de nós mesmos uma compreensão simples da área, ou das idéias que a embasam. Na expressão da arte, a simplicidade tem importância maior ainda.

Todo grande artista expressa através de sua arte a sua compreensão simples de mundo. Do seu mundo e de suas emoções. A arte surge no artista não só como resultado de uma reflexão mental, intelectualizante, mas em grande parte devido a saltos intuitivos de compreensão e expressão. Ser simples é saber transmitir o que se pensa e sente de maneira que outros possam ter a mesma experiência.

Se não somos simples, raramente conseguimos entrar numa obra. Somos imediatamente contaminados por idéias e conceitos que se impõem ao impacto natural do que se observa. Os grandes momentos de contato com beleza, arte e conhecimento em minha vida aconteceram justamente na ausência momentânea de conceitos, ou de complexidade mental.

A compreensão, a absorção da arte sempre acontece em três fases. Num primeiro momento, o primeiro contato com a obra, gera emoções profundas em nós, através de um impacto que raramente é baseado em investigações analíticas. Pelo contrário, é contato simples e direto com a beleza da arte. Para se vivenciar a arte, este nível de pensamento é suficiente. Posterior a isso, criamos idéias e conceitos para tentarmos compreender melhor o impacto daquela obra particular em nós mesmos. Mergulhamos profundamente em uma teia complexa de idéias, de nomes, de conceitualização da experiência através do conhecimento existente. Ao final deste processo, um certo tom analítico, um padrão de categorização, baseado em critérios complexos e em geral verbais, é construído. É neste nível que se encontra a maior parte da expressão artística que tenho observado recentemente.

No entanto, um terceiro passo, um terceiro degrau é necessário para aqueles que desejam aprofundar o conhecimento: destruir a teia complexa e conceitual desenvolvida no passo anterior, formando uma compreensão própria e simples da experiência. Somente quando seu entendimento é baseado em simplicidade é que você consegue ser somente um apreciador da arte para se tornar um artista verdadeiro. Simplicidade é a verdadeira compreensão. Mas para artistas e apreciadores presos em intelectualismos, presos ao segundo momento de absorção da arte, a arte se torna morta. Deixa de ter o impacto emocional, que surge como apreciador, e jamais chega ter o êxtase criativo, daquele que compreendeu e simplificou a sua expressão intelectual e emocional.

Tome o caso de uma pessoa que gosta de dançar. Ao ouvir uma música, se a música a toca, a pessoa se põe a dançar no seu quarto, sem muitas regras para si, profundamente conectada com aquele primeiro impacto emocional do que ouve. Esta seria a primeira fase, a apreciação simples da arte. Talvez o interesse pela dança seja tal que a pessoa decide estudar em uma escola de dança. Aprende passos, técnicas, movimentos prontos, a origem das técnicas, a comparação entre várias técnicas. Enfim, aprende a padronização e a terminologia em que a arte da dança está sendo estudada na nossa sociedade atual. Mas se a pessoa pára aí, sem ir além, ela acaba por perder a naturalidade de dançar sem passos ou de apreciar uma dança pela emoção, e se torna uma mera intelectual na arte. Nada mais a emociona, porque há uma teia complexa de idéias de outros que contaminam sua visão própria. Ela se torna uma dançarina padrão, sem nada mais a oferecer. No entanto, quando decide desembaraçar a teia do que aprendeu com sua própria simplicidade e criatividade, quando cria sua própria visão da escola onde estudou, a pessoa é capaz de se tornar um gênio da dança, de expressar com profundidade e leveza suas emoções. Ela é capaz de dançar dentro das regras, indo além das regras. Ela passa a ser capaz de gerar a mesma emoção que sentiu, ao ouvir a música, em outros.

Justamente por termos nos tornado uma sociedade presa a esses intelectualismos, que a arte de contar histórias, a arte de emocionar por música, está cada vez mais relegada a segundo plano pela elite dos financiadores da arte. Em contrapartida, a internet permitiu, aos poucos, o surgimento dos grupos de pessoas que desejam se expressar sem estar presos a esse jogo de complexidade. Aos poucos, aqui e ali, ainda que raramente, se observam reações populares a essa verdadeira apnéia da arte. Para nos tornarmos uma sociedade universal, temos que voltar a apreciar o valor profundo da simplicidade, de contar histórias, de ouvir músicas pela emoção de se ouvir música - sem passos pré-programados, sem regras.

Uma reação negativa a essa complexificação artificial, hoje na sociedade, é o simplismo. É a destilação simplista, preto no branco, da arte, do conhecimento. São os líderes populistas que demonizam ou endeusam certas idéias em detrimento de outras. São as produtoras direcionadas para pontos no Ibope, sem se preocupar se a televisão está chegando a algum ser vivo em frente da tela. São todos aqueles que usam a arte e o conhecimento como proselitismo, para criar autômatos que comprem suas idéias e conceitos. E não pensem que isto se reduz a "arte popular" - um termo intelectual que mais discrimina do que esclarece - ou a populações menos abastadas. Pelo contrário, a lavagem cerebral, o proselitismo como meio de vida atinge principalmente a classe média, que diretamente financia pessoas que fazem isso, por pura incapacidade de desenvolver uma visão simples e própria de seus gostos e idéias.

Mas como voltar à simplicidade? Explorando por conta própria o mundo do conhecimento e da arte, sem ter respeito excessivo por nomes, títulos e opinião de especialistas. Confiando em sua própria emoção, no seu taco para entender a si mesmo, como a única bússola para navegar neste mundo fantástico. E aos poucos redescobrindo prazeres simples, como ouvir uma boa história ou ouvir uma música que toque profundamente. Não é através de uma revolução. Mas sim de uma evolução em pequenos passos, que culmina na crença profunda de que seus pensamentos e sentimentos valem a pena, que você pode ser, sim, seu próprio guia.


Ram Rajagopal
Berkeley, 9/10/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio
02. Era uma vez um inverno de Elisa Andrade Buzzo
03. A que ponto chegamos, EUA! de Celso A. Uequed Pitol
04. Caiu na rede, virou social de Fabio Gomes
05. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal


Mais Ram Rajagopal
Mais Acessadas de Ram Rajagopal em 2006
01. Sobre responsabilidade pessoal - 1/5/2006
02. Como o Google funciona - 14/3/2006
03. Como começar uma carreira em qualquer coisa - 24/4/2006
04. Música é coração, computadores, não? - 28/2/2006
05. Reflexão para eleitores - 4/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/10/2006
10h44min
Ram, quando comecei a ler o texto, pensei em fazer vários comentários. Mas você disse tudo. Simplesmente. Então, só me resta parabenizá-lo. Abraços.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
10/10/2006
18h16min
Ram, há um mestre indiano que costumava pronunciar a máxima: "vida simples, pensamento elevado". Acho que esta máxima poderia combinar com o Brasil! Quem sabe um dia... Gosto muito de seus textos. Abraço.
[Leia outros Comentários de Leonardo Valverde]
12/10/2006
03h06min
Caro Ram: navegando pela internet descobri este site e,por acaso, encontrei uma matéria intitulada "RESPONSABILIDADE PESSOAL", datada de 01/05/06, e o assunto primordial era mais relacionado à empresa aérea VARIG. Comecei a ler o texto e fui até o final, sem me importar com quem era o autor da obra. O assunto tinha tudo a ver comigo pois fui funcionário desta empresa por quase 20 anos e fui demitido devido a fechamento de quadro. Lamentei muito pelos colegas (tripulação de vôo e pessoal de terra) que tambêm perderam o emprego. O texto ficou nota 10 e resolvi enviá-lo por e-mail para vários colegas aeroviários... Sempre que o tempo permite, leio suas colunas que são ótimas. Parabéns pelo trabalho. Um grande abraço. Nilzo
[Leia outros Comentários de Nilzo da R. Marinho]
15/10/2006
19h07min
[Leia outros Comentários de juliana galvao ]
16/10/2006
09h25min
Bem lembrado, Ram - ótima coluna. Tenho lido Salinger, e esse assunto aparece de vez em quando em discussões dos personagens. Às vezes as pessoas teorizam demais as coisas, o mundo, e assim acabam quase que perdendo o contato com ele. Abçs!
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
17/10/2006
14h08min
Interressante seu texto, gostei, gosto das coisas simples, procuro nos olhares e nos gestos, infelizmente somos nós que complicamos nossa existência, discutimos por coisas banais e deixamos de dar carinho às essencialidades. Para ti, um abraço, e Deus ilumine teus caminhos e de tua família, sempre com força para agir como fala e escreve.
[Leia outros Comentários de Joao Marcos Pereira ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ENGLISH. COMMONLY MISSPELLED AND CONFUSING WORDS - COL RESUMÃO
STEVEN BERNER
BARROS FISCHER & ASSOCIADOS
(2015)
R$ 15,90



ANTOLOGIA POÉTICA
FERNANDO PESSOA
RBA
(1994)
R$ 9,70



REMEMBER BE HERE NOW BY HANUMAN FOUNDATION
HANUMAN FOUNDATION
HANUMAN FOUNDATION
(1971)
R$ 380,00
+ frete grátis



ANIMAÇÃO GRÁFICA NO PC BASEADA EM C PARA WINDOWS
EDUARD MONTGOMERY
ALTA BOOKS
(2005)
R$ 40,00



HISTORIA DA CIVILIZAÇÃO
ROBERTO ACCIOLI
MEC BLOCH
(1980)
R$ 4,00



O DESIGN DO DIA-A-DIA
DONALD A. NORMAN
ROCCO
(2006)
R$ 250,00



RIA DA MINHA VIDA ANTES QUE EU VOLTE A RIR DA SUA 2
EVANDRO A. DAOLIO
ARX
(2002)
R$ 4,70



LE CAPITAINE FRACASSE (TOME 1 E TOME 2)
THÉOPHILE GAUTIER (CAPA DURA)
NELSON
(1939)
R$ 29,82



O CÉU E O INFERNO
ALLAN KARDEC
FEB
(1982)
R$ 38,00
+ frete grátis



TEATRO BRASILEIRO VOL 6 (AUTOGRAFADO)
DIONISIO NETO/PEDRO BRICIO/SÉRGIO ROVERI/ROSANGELA
HAMDAN
(2005)
R$ 40,00





busca | avançada
45848 visitas/dia
1,4 milhão/mês