Uma nota sobre a leveza do ser | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 9/11/2006
Uma nota sobre a leveza do ser
Marcelo Maroldi

+ de 4700 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Em diversos e desgastantes momentos, caro leitor, meu peito pesou tanto que me custava em demasia carregá-lo junto de mim. Nessas ocasiões, as noites eram bastante longas, às vezes duravam dois ou três dias inteiros, e eu ficava ali, solitário, estirado na cama, pensando em tudo (e em todos), contemplando o teto, cozinhando em banho-maria o que nem sempre eu compreendia tão bem, ruminando feito um bovino quixotesco aquele resto de frustração e de indagação metafísica que me sufocava. Mas, isso fora em outros tempos...

Foi em um dia ordinário de primavera. Não chovia, nem fazia frio, pelo contrário. O sol nascente castigava sem piedade a minha pele alva e inexperiente, por vezes tola. A cortina cinza não protegeu meu rosto barbudo como deveria e acordei incomodado com mais um dia em que nada de novo aconteceria debaixo deste céu. Antes de me atentar ao fato, ainda tive tempo de maldizer rapidamente o surgimento do perverso astro-rei, totalmente arrogante, a competir comigo, quase. Quase. No instante em que o relógio marcou precisos 08h12 de uma terça ou quarta-feira qualquer, descobri, pela segunda vez em minha vida, a leveza do ser, da qual confecciono esta singela e descompromissada nota. Eu era outro; leve - levíssimo! - e com o coração tão feliz e transbordante que, acredite, custei a crer que era eu mesmo que lá estava, sorrindo, respirando, e não algum espírito zombeteiro que se apoderara a revelia de meu corpo e mente antagônicos e sonhadores. Ah, eu estava tão lúcido!

Pensei: morri e não me avisaram, desgraçados...

Claro, claro, mantive-me contente na seqüência, não negarei. Porém, não ouso dizer que entendia minimamente o que ocorria. O ser não é leve por natureza, pelo contrário. Os que se julgam assim, eu os tinha por insanos. A vida é complicada, difícil, custosa, não tem absolutamente nada de leveza! E não me canso de afirmar: a ignorância é uma benção, não restam dúvidas. Pensar dói, meu amigo, machuca, estraçalha, veja aí o que sobra dos pobres dos filósofos, por eles mesmos já fartamente descritos. Dá pena olhar aqueles homens, curvados sobre os livros, sobre suas corcundas salientes, barbas longuíssimas e desordenadas, uma cara de pensativo ou louco, um rosto de (alguma) tristeza, um coração pesado. Pensar até mata, sabia? Ignorante não sofre, não bebe cicuta e não se suicida, nem chora, acho. Quem foi que inventou esse negócio de leveza?, dá pra me explicar! Certamente não foi um pensador! (e aquele negócio de existencialismo então, hein? Que maluquice, rapaz, coisa de gente triste, não é? (sic))

Levantei e bebi água. Bastante e de uma vez só. Esta, surpreendentemente, não fervilhou enquanto descia vagarosa pela minha garganta, chegando ao local em que viria a se depositar em seguida de maneira quase natural. Estranhei. Torci o nariz. Eu não tinha dores nas costas, os meus ombros não estavam curvados, o meu cabelo até acordou penteado, acredita? Meus pés flutuaram um instante. E então aconteceu. Estava ali, diante de mim... As nuvens eram azuis, já havia me esquecido da tonalidade exata. As pessoas caminhavam pela rua ligeiras - olhei da varanda, a maioria sorria. Alguns mais estranhos até cantarolavam. Uma senhora magrinha estendia tranqüilamente a roupa no varal, inesquecível a cena. Era uma camisa amarela, ligeiramente surrada, que ficou presa ali por dois pequenos prendedores de madeira de vinte e cinco centavos o par. O cão pulava agitado sobre a senhora, anunciando mais um bom dia. O sol agradava a ambos. E eu não tinha o direito de desafiá-los...

Pensei: afinal, que diabos estou fazendo?

Nenhum deles tinha o direito de agir assim. Ou tinham?, vai saber. Respirei fundo, fundo..., tão profundamente que senti toda a leveza do ser percorrendo minhas entranhas renascidas. O sangue começou a circular. O peito iniciou um formigamento, bem como as demais partes onde o combustível vermelho da vida estivera ausente nos últimos tempos. Como a gente complica a vida, não é? A felicidade é um negócio que existe, é verdade. E então, obter essa leveza torna-se a maior medalha que alguém possa vir a conquistar nessa vida. É encostar a cabeça no travesseiro e dormir, até sonhar pode, se quiser. Depois, é percorrer o dia sem medo que ele se encerre, sem medo que a escuridão se apresente. Mas também sem esperar que o dia se eternize. E, por fim, não temer o dia de amanhã, nem desejar domá-lo ou direcioná-lo. Seguir em frente. Sempre. E de novo. Não, não, não, isso não. Mil vezes não! "O imponderável pertence a Deus, o importante é a gente fazer a nossa parte" (José de Morais, poeta).

Depois, os dias passaram a ser menos custosos. Descobri que os pássaros ainda não haviam sido extintos do planeta. As horas duravam apenas os sessenta minutos pré-estabelecidos. Havia outros poetas que não os sofredores. Mais opções que não a de esperar por ela. Um amigo me explicou que isso era um estágio de evolução pessoal e que aprender a ser feliz era uma disciplina que alguns deixavam de cursar na escola da vida. Aprendiam tarde e depois a praticavam, ou não. A euforia momentânea poderia ser cultivada pelo resto dos dias, e isso deveria ser definido simploriamente como felicidade. E quando se toma gosto pela coisa toda, fica difícil voltar para trás. Feito um vício assassino, passa ela a controlar sua vida, dirigir os seus passos, guiar as suas ações, até te moldar. Irradia aos que te cercarem, contamina-os. Pensar dói, ser sentimental então, nem se fala!, mas ser feliz, sentir e pensar podem ser conciliáveis, parece. Evoluir é preciso para evitar o olhar muito distante e o rosto sempre cansado, e para que seja entendido o que te impedia de sentir a saborosa e consoladora leveza do ser...

Marcelo Maroldi
São Paulo, 9/11/2006



Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
02. Não quero ser Capitu de Cassionei Niches Petry
03. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
04. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2006
01. Receita para se esquecer um grande amor - 3/8/2006
02. Dos amores possíveis - 20/3/2006
03. A educação atual de nossas crianças - 27/2/2006
04. A crise dos 28 - 30/1/2006
05. Orkut way of life - 13/2/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/11/2006
16h39min
Depois da tempestade... os olhos se abrem para novos horizontes. E como o dia parece mais belo então... Assim a gente vai aprendendo a enfrentar as tormentas da vida. Concordo com você, Marcelo, quando diz que "pensar dói" e que "ser feliz, sentir e pensar podem ser conciliáveis". Parabéns mais uma vez! É sempre um prazer ler os seus textos.
[Leia outros Comentários de Rose Peixer]
9/11/2006
23h00min
Uma vez uma li uma reportagem sobre a flauta mágica de Mozart, onde o autor, embevecido com a beleza da música, atestava o seu puder curativo contra a depressão. Esse ensaio, Marcelo, também é curativo pela leveza da vida que você transmite com as palavras. Tenho que agradecer-lhe e felicitá-lo. Uma beleza!
[Leia outros Comentários de cissa lafayette]
10/11/2006
17h50min
Eu também gostei bastante. Sou novo por aqui: Achei hoje. Estou adorando!
[Leia outros Comentários de thiago]
13/11/2006
07h40min
Ótimo texto. Parabéns mais uma vez.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
13/11/2006
08h58min
Oi, Marcelo, então você já acomodou as coisinhas dentro de você. Nós, leitores, nos deliciamos com esse seu maravilhoso acordar. Boa sorte!
[Leia outros Comentários de Iza]
14/11/2006
21h30min
se a ignorância fosse a mãe da felicidade, neguinho não seqüestrava ônibus, não dava seis tiros na cabeça dos outros. infelizes podem ser os pensantes e os não-pensantes. E você tá de parabéns pela sua recém adquirida felicidade - que ela dure pra sempre.
[Leia outros Comentários de lea freire]
29/11/2006
20h05min
Feliz em ler voce aqui de novo, de volta, com mais um texto apaixonante. Leveza, calmaria...
[Leia outros Comentários de Luciana]
2/12/2006
10h25min
Parafraseando Euclides da Cunha "ou progredimos ou desapareceremos". Eu acho vital o ato do questionamento. Se alguém não o faz, é como você disse: prefiro a solidão pensante do que ficar na companhia de pessoas que não tem nada acrescentar a vida.
[Leia outros Comentários de Elvis Mutti]
2/12/2006
10h51min
Tudo vai da maneira como vemos as coisas... É preciso ver o que há de bom. Ser feliz não é facil, tem que insistir.
[Leia outros Comentários de Dri]
9/2/2007
15h33min
Adorei seus textos, mas em uma coisinha me incomodou: moro em uma cidade em que o sol brilha quase que os 365 dias do ano. E adoro ao acordar e ver o "astro rei" brilhando e me dando um caloroso bom dia. Basta isso para iluminar o meu dia. Bjs
[Leia outros Comentários de Crica]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SANGUE DE AMOR CORRESPONDIDO
MANUEL PUIG
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 6,00



OLHOS DE ESPANTO
NINA SCHILKOWSKY
JAGUATIRICA
(2015)
R$ 29,00



PISCICULTURA AO ALCANCE DE TODOS (AUTOGRAFADO)
ALCIDES RIBEIRO TEIXEIRA FILHO
NOBEL
(1992)
R$ 15,00



O HOMEM DO CAVALO BRANCO E OUTRAS NOVELAS
THEODOR STORM
BOA LEITURA
R$ 5,70



O EXERCÍCIO DISCIPLINADO DO OLHAR
DIANA GONÇALVES VIDAL
UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO
(2001)
R$ 150,00



ANUÁRIO - NACIONAL DE LIVRARIAS 2008-2010
VARIOS AUTORES
ANL
(2008)
R$ 30,00



CONHECER OS 5 SENTIDOS - COLEÇÃO PRIMEIRAS DESCOBERTAS
EURO IMPALA
IMPALA
(2011)
R$ 25,00



O QUE VOCÊ QUISER
SARA FAWKES; JULIO DE ANDRADE FILHO
PLANETA DO BRASIL
(2013)
R$ 15,00



O VENDEDOR DE ARMAS
HUGH LAURIE
PLANETA
(2010)
R$ 6,28



POR UM FIO
DRAUZIO VARELLA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 10,00





busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês