O Pêndulo de Mussa | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Melhor que o JB
>>> Como se faz um best-seller
>>> Manual de redação Rabisco
>>> Sobre o preço dos e-books
>>> Speak, Memory
>>> Entrevista com Noga Sklar
>>> Minhas Férias (reloaded)
>>> Poema em Linha Reta - Pessoa
>>> Perturbador e cosmogônico
>>> O Fino da Fina
Mais Recentes
>>> Contos de Machado de Assis pela Agir (1963)
>>> Contos de Machado de Assis pela L&PM Pocket (1999)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela L&PM Pocket (1998)
>>> Helena de Machado de Assis pela Tecno Print (1967)
>>> Uma mulher na escuridão de Charlie Donlea pela Faro Editorial (2017)
>>> Morte Súbita de J.K. Rowling pela Casa dos Livros (2012)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade (1962)
>>> Levando a Vida Numa Boa de Ernie J. Zelinski pela Sextante (2003)
>>> Corpos Inversos de Rodrigo Noval pela LP-Books (2017)
>>> Parábolas Eternas - Reflexões para enriquecer a vida com sabedoria, alegria e emoção de Legrand pela Soler (2004)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ciranda Cultural / W. Bucb (2007)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Abril Cultural (1981)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Ática (1976)
>>> Fundamentos em Ecologia de Colin R. Townsend, Michael Begon e JohnL. Harper pela Artmed (2006)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Zero Hora / Click (1997)
>>> Folhas do Jardim de Morya Livro 2 de Mestre Morya pela Agna Yoga (1973)
>>> O banquete dos sentidos de Lúcia faria Nascimento e Edir Nascimento e Silva pela Bei (1998)
>>> Revista da Faculdade de Direito da FMP nº 06 de Fundação Escola Superior do Ministério Público (org) pela Fmp (2011)
>>> Repartição da renda - pobres e ricos sob o regime militar de Paulo Singer pela Zahar (1986)
>>> O código Da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa (2004)
>>> Tropical Sol da Liberdade de Ana Maria Machado pela Nova Fronteira (1988)
>>> Manuscritos do Mar Morto de Adam Blake pela Novo Conceito (2013)
>>> Estudios del Trabajo - nº 37/38 de Asociación Argentina de Especisalistas en Estudios del Trabajo (org) pela Aset (2009)
>>> Contos de amor rasgados de Marina Colasanti pela Rocco (1986)
>>> Quincas Borga de Machado de Assis pela Tecno Print
>>> Ciranda de pedra de Lygia Fagundes Telles pela José Olympio (1981)
>>> Amplitude 1- Você onde se põe -só para quem quer a verdade de Gasparetto pela Vida E Consciencia (1997)
>>> O que é psicologia de Richard H. Henneman pela José Olympio (1982)
>>> Amar, verbo intransitivo de Mário de Andrade pela Ime (1980)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2010)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Estudios del Trabajo - nº 34 de Asociación Argentina de Especisalistas en Estudios del Trabajo (org) pela Aset (2007)
>>> Magno de Maria Luiza de Queiroz pela José Olympio (2007)
>>> Filhotes de Cube Book pela Sextante (2010)
>>> A extinção do crédito tributário por decurso de prazo de José Hable pela Brasília Jurídica (2004)
>>> Procedimentos Básicos em Microbiologia Clínica de Vários pela Sarvier (2000)
>>> Canine - Feline Nutricion de Vários pela Mosby (2010)
>>> Você é Insubstituível - este livro revela a sua biografia de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Da ação cautelar fiscal de Carlos Henrique Abrão pela Universitária de direito (1992)
>>> Adão e Eva Voavam em Atlântida de José Francisco pela Futurama (2013)
>>> O mundo mudou ... bem na minha vez! de Dado Schneider pela Integrare (2013)
>>> Coreção monetária: concordata e créditos fiscais de Eros roberto Grau pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> O Lugar dos Inocentes - A Trilha levava até a entrada dessa clareira de Núbia Moura Ribeiro pela Pensamento (1999)
>>> Memorial de Aires / Ressurreição de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Iaiá Garcia / Helena de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> Esaú e Jacó de Machado de Assis pela Iracema (1975)
>>> A aventura de Miguel Littin clandestino no Chile de Gabriel García Márquez pela Record (1986)
>>> A chave do tamanho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1950)
COLUNAS

Terça-feira, 17/4/2007
O Pêndulo de Mussa
Luis Eduardo Matta

+ de 5700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O adultério é uma temática imortal, tão enraizada no imaginário humano quanto a religião, o amor e a necessidade de comida e água. Eu iria mais longe e até afirmaria que o adultério já se tornou parte do inconsciente coletivo, isto é, do conjunto de valores e sensações que toda a humanidade compartilha. É um assunto que inevitavelmente mexe com as entranhas de cada um e, quando se é vítima dele, penetra fundo na alma das pessoas, sangrando-a e gerando um vórtice tempestuoso de sensações inquietantes, cujas conseqüências podem ser dramáticas. A traição amorosa, quando aliada a um sentimento de rejeição, é das mais funestas e angustiantes experiências que o ser humano pode vivenciar. Debruçar-se sobre esse tema, com profundidade, portanto, é sempre um desafio. Muitos o fizeram e ainda o fazem. O adultério existirá na literatura, enquanto existir a humanidade.

Pensei muito nisso durante a leitura de O movimento pendular (Record, 2006, 238 págs.) de Alberto Mussa, que comprei no final do ano passado, no mesmo dia em que ele chegou às livrarias. Aliás, o próprio Mussa, que coincidentemente estava na livraria naquele momento, testemunhou a compra e tudo indica que eu, Luis Eduardo Matta, se não fui o primeiro a ler o livro, certamente fui o primeiro a adquiri-lo e a receber o autógrafo do autor.

Além de uma pessoa culta e simpaticíssima, Alberto Mussa é um escritor brilhante, dono de um estilo, uma voz e uma prosa singulares dentro da literatura brasileira, sobretudo dentro da literatura brasileira contemporânea. Seus livros, de O trono da Rainha Jinga, passando por O enigma de Qaf, até este O movimento pendular, de tão ricos e múltiplos, são difíceis de serem definidos, o que está longe de ser um demérito. A meu juízo, isso serve para demonstrar a caudalosa verve criativa do autor, que não conhece limites e reinventa a literatura com consistência e espontaneidade, sem mutilá-la ou adulterá-la de forma gratuita como historicamente tem acontecido no Brasil: a reinvenção pela reinvenção, como um ato vazio de rebeldia pretensamente intelectual com resultados, muitas vezes, sofríveis.

Numa narrativa absolutamente original, O movimento pendular - que recebeu o prêmio de melhor romance da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) e o Machado de Assis, da Biblioteca Nacional, na mesma categoria - aborda a temática do adultério de uma forma inusitada. Não se trata propriamente de um romance - embora ele assim seja apresentado - mas talvez de uma simbiose entre o romance e o ensaio na forma de histórias interligadas, que acabam por formar um conjunto. A partir de casos de adultério ocorridos no decorrer da História e devidamente arrecadados pelo autor, O movimento pendular tenta demonstrar as mais variadas formas de se estabelecer um triângulo amoroso, fornecendo-nos um amplo e múltiplo panorama da infidelidade humana através dos tempos, em momentos e ambientes os mais diversos. Logo no começo do livro, Alberto Mussa instiga o leitor, ao advertir que muitas das histórias narradas foram vividas por ele e que, à exceção de uma única, todas as demais aconteceram de fato. E essa advertência nos acompanha durante todo o livro, como num enredo de mistério: afinal qual das histórias será a falsa? E quais Mussa teria vivenciado?

Para compor O movimento pendular, Mussa valeu-se da linguagem que o consagrou, que mescla erudição e fluência, com algumas doses de reflexão histórica e antropológica e de um senso de humor sofisticado, perceptível ao longo de toda a narrativa. É um livro que diverte, encanta e nos faz viajar pelos tempos e pelos desvarios da alma humana de uma forma vertiginosa. Em dado momento, não se sabe se o narrador é o próprio Mussa ou algum personagem criado por ele. O livro é um grande jogo entre realidade e ficção e essa saudável e saborosa confusão em que ele enreda o leitor é um dos seus grandes atrativos. Já os teoremas e elementos geométricos que permeiam o livro são uma atração à parte. Com eles, o narrador esquematiza alguns dos casos expostos, dando-lhes uma compleição matemática, o que torna o texto ainda mais instigante.

Alberto Mussa é, assim como eu, alguém que acredita que literatura é, sobretudo, prazer. O fato de ele pensar assim, não só o engrandece como escritor, como encoraja o mergulho na sua obra, uma vez que entre as suas intenções ao compô-la estava, seguramente, a de proporcionar ao leitor horas agradáveis e estimulantes de leitura. A mim, pelo menos, essas horas foram proporcionadas e convido os demais leitores a fazer o mesmo experimento e a conhecer o mundo extraordinário deste notável prosador brasileiro.

New Age e leitura: um casamento perfeito

2006 foi para mim um ano de singelas, porém extraordinárias descobertas, sobretudo a partir do segundo semestre. Foram descobertas no campo da literatura, no campo da criação literária (me aguardem!) e, particularmente, no campo da música.

Há muitos anos, que leio e escrevo ouvindo música. É, indubitavelmente, a minha maior fonte de criação, pois a música além de aguçar a minha criatividade e a minha sensibilidade, estabelece uma ponte entre todos os meus níveis de consciência, dá ritmo à minha escrita e embala as minhas horas solitárias de leitura. Embora eu tenha um gosto musical bastante eclético, nestes momentos, prefiro os ritmos mais suaves. Houve tempos em que eu escrevia e lia ouvindo música clássica, sobretudo Bach e Chopin. Depois, passei para o jazz de Miles Davis, Duke Ellington e Oscar Peterson's Trio. E foi em 2006 que, por acidente descobri e me apaixonei pelo New Age.

Aconteceu totalmente ao acaso. Em meados de 2006 a operadora de TV a cabo da qual sou assinante instalou o seu sistema digital em minha casa, o que me permitiu ter acesso a vários canais de áudio. Eu, que pouco ligava a televisão (a última coisa a que assisti com alguma regularidade foi a novela Belíssima e, ainda assim, via, no máximo, um ou dois capítulos por semana, se tanto) e que, ultimamente, limito-me a, quando muito, assistir a um ou outro episódio do seriado House ou as entrevistas do Sem Censura, passei a usar a TV para ouvir rádio. E, destrinchando as estações, um dia descobri a de New Age; por coincidência numa noite em que começava a ler um romance que me marcou sobremaneira. Desde então o New Age converteu-se no meu fundo musical obrigatório para a leitura de livros.

Como em qualquer rádio que se preze, as músicas, apesar de muito variadas, se repetem e isso me fez descobrir e me familiarizar com lindas canções que eu, dificilmente, conheceria de outra maneira. São músicas como "A lonely voice" do October Project, uma banda norte-americana, cuja vocalista Mary Fahl, tem uma das vozes mais belas, refinadas e arrebatadoras com as quais tive contato nos últimos tempos. Também o grupo francês Era e suas músicas, cuja sonoridade latina nos remete a uma atmosfera medieval como "Sentence" e "Misere Mani", foram me envolvendo aos poucos e, quando dei por mim, já não podia passar sem elas. Eu seria capaz de escrever parágrafos intermináveis enumerando músicas e intérpretes, mas fecho a minha listagem com o CD que estou ouvindo no momento em que escrevo estas linhas: Dreamland, de Robert Miles, que adquiri há alguns anos e redescobri agora, cujas faixas que mais me encantam são "Fable (Message version)", "Fantasya" e "Princess of light". Não me canso de ouvi-las.

Talvez eu tenha feito essas descobertas tardiamente, já que essas e outras músicas são tocadas e conhecidas por muitos há bastante tempo. Mas a verdade é que nunca é tarde para se deslumbrar com as coisas, sobretudo quando elas passam a fazer parte das nossas vidas e a nos acompanhar nas sempre imprevisíveis viagens pelas páginas mágicas da literatura, que é o que acontece comigo. Com o New Age, ler tornou-se para mim uma experiência ainda mais intensa.

Para ir além






Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 17/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Filmes de guerra, de outro jeito de Ana Elisa Ribeiro
02. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
03. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo
04. Notas confessionais de um angustiado (II) de Cassionei Niches Petry
05. No encalço do Natal de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2007
01. Recordações de Sucupira - 12/6/2007
02. O desafio de formar leitores - 15/5/2007
03. O Casal 2000 da literatura brasileira - 24/7/2007
04. A literatura, a internet e um papo com Alex Castro - 20/3/2007
05. Algumas leituras marcantes de 2007 - 18/12/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/5/2007
13h22min
Agora voce me deixou com vontade de ler o livro... É raro encontrar livros que combinem bem elementos do real com o imaginário do autor.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DIÁRIO DE SALINA - DESPERTAR DE UMA CONSCIÊNCIA
MARIATERESA ZATTONI
PAULINAS
(1996)
R$ 6,90



COMIDA DE AFETO: LEMBRANÇAS EMBALADAS PARA VIAGEM + DVD
ELZA FORTE DA SILVA CARNEIRO E LUCIANA PATRÍC
CGC - CSA
(2016)
R$ 14,82



MUU DELICIOSA SÁTIRA DO COTIDIANO DE UMA UNIVERSIDADE RURAL
JANE SMILEY
ROCCO
(2006)
R$ 6,90



NEGOCIAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS
EUGENIO DO CARVALHO E OUTROS
FGV
(2012)
R$ 7,50



ALUCINADO SOM DE TUBA
FREI BETTO
ATICA
(1997)
R$ 5,00



A FILHA PRÓDIGA
JEFFREY ARCHER
DIFEL
(1984)
R$ 5,00



A CASA DO ESCRITOR
VERA LÚCIA MARINZECK DE CARVALHO
PETIT
(1993)
R$ 8,38



PROBLEMAS BRASILEIROS: ALGUNS ASPECTOS SOBRE O PROCESSO DE ENVELHECER
FRANK PERRY GOLDMAN / DEMARISSE M GOLDMAN
FRANCISCANA
(1977)
R$ 5,00



EXPRESSO DO ORIENTE
GRAHAM GREENE
KLICK
(1997)
R$ 5,00



CONTABILIDADE GERAL - TEORIA E 1000 QUESTOES
ED. LUIZ FERRARI
CAMPUS CONCURSOS
(2008)
R$ 15,00





busca | avançada
87108 visitas/dia
2,2 milhões/mês