O Pêndulo de Mussa | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
>>> Meus Livros
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Plágio
>>> O filho eterno e seus prêmios literários
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
Mais Recentes
>>> Gestão de pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (1999)
>>> Administração de Marketing de Philip Kotler pela Atlas (1998)
>>> Cinquenta Tons de Liberdade de James,E. L. pela Intrínseca (2012)
>>> Cinquenta Tons Mais Escuros de James,E. L. pela Intrínseca (2012)
>>> Mecânica vetorial para engenheiros Estática (vol. I) de ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston, Jr. pela McGraw-Hill (1980)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de James,E. L. pela Intrínseca (2012)
>>> A quinta disciplina de Peter M. Senge pela Best Seller
>>> Marketing Internacional de Edmir Kuazaqui pela Makron Books (1999)
>>> A cozinha das crianças (espertas) de Hervé This pela Degustar (2006)
>>> O Sagrado Selvagem de Roger Bastide pela Companhia das Letras (2006)
>>> Alternativas à Crise de José Oscar Beozzo (Org.) pela Cortez (2009)
>>> Dentro da Noite Veloz (1a Edição) de Ferreira Gullar pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Poesia Comprometida com a Minha e a tua Vida de Thiago de Mello pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Que País É Este? e Outros Poemas de Affonso Romano de Sant'Anna pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Uma Razão para Respirar de Rebecca Donovan pela Pandorga (2014)
>>> Par Delà le Bien et le Mal de Frédéric Nietzsche pela Mercure de France (1907)
>>> Poesia de Alphonsus de Guimaraes pela Agir (1976)
>>> Princesa à Espera / Princesa Apaixonada de Meg Cabot pela Saraiva (2010)
>>> Portugal e seus Sabores de Angélica Santa Cruz (Org.) pela Abril (2017)
>>> La Volonté de Puissance Tome I de Frédéric Nietzsche pela Mercure de France (1909)
>>> Viagem ao Centro do Computador de Edith Modesto pela Ática (2000)
>>> A Rosa de Sarajevo de Margaret Mazzantini pela Companhia das Letras (2011)
>>> Um Pedaço de TI de Patricia Bittencourt pela Ledriprint (2017)
>>> Bala XXI - Casos, Crônicas, Piadas e Contos de Augusto José Vieira Neto pela Mandamentos (2000)
>>> Filhos Especiais Para Pessoas Especiais - O Milagre do Dia-a-dia de Neusa Maria pela Paulinas (2010)
>>> Pensées Étranglées de E. M. Cioran pela Gallimard (2014)
>>> Le Voyageur et son Ombre de F. NNietzsche pela Denoel (1979)
>>> Colder than Ice de David Patneaude pela Albert Whitman & Company (2003)
>>> Misericordiae Vultus / O Rosto da Misericórdia de Papa Francisco pela Paulinas (2015)
>>> Manual do Agricultor Brasileiro de Carlos Augusto Taunay pela Companhia das Letras (2001)
>>> O Ingenuo de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> O Evangelho Segundo O Espiritismo de Allan Kardec pela Feb (1999)
>>> A Princesa de Babilonia de Voltaire pela Dcl (2013)
>>> A Campanha Abolicionista de Jose do Patrocinio pela Dcl (2013)
>>> Zollinger - Atlas de Cirurgia de E. Christopher Ellison, Robert M. Zollinger pela Guanabara Koogan; (2017)
>>> O Hobbit: A batalha dos cinco exercítos : guia ilustrado de Jude Fisher pela WMF Martins Fontes (2014)
>>> Radiografia da Alma de Pe. Hewaldo Trevisan pela Planeta (2010)
>>> Convênios e outros instrumentos de "Administração Consensual"na Gestão Pública do século XXI - Restrições em Ano Eleitoral de Jessé Torres Pereira Junior e Marinês Restelatto Dotti pela Fórum (2010)
>>> Estalos e Rabiscos - Mãos à Obra Literária de Walter Galvani pela Novaprova (2011)
>>> Distrito Federal Paisagem, População e Poder de Marília Peluso e Washington Candido pela Harbra (2006)
>>> Parto de Mim de Vera Pinheiro pela Pallotti (2005)
>>> Deuses americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> A Ilha dos Prazeres de André Rangel Rios pela Uapê (1996)
>>> A pequena pianista de Jane Hawking pela Única (2017)
>>> Tradição e Novidade na Ciência da Linguagem de Eugenio Coseriu pela Presença- Usp (1980)
>>> Jovens Sem-Terra - Identidade em movimento de Maria Teresa Castelo Branco pela Ufpr (2003)
>>> Os Segredos das Mulheres Inteligentes de Julia Sokol e Steven Carter pela Sextante (2010)
>>> Lettres et Maximes de Épicure pela Librio (2015)
>>> Um Mundo a Construir de Marta Harnecker pela Expressão Popular (2018)
>>> Da RegenciaÀ Queda de Rozas (Rosas)/ Encadernado de Pandiá Calógeras pela Cia. Ed. Nacional (1940)
COLUNAS

Terça-feira, 17/4/2007
O Pêndulo de Mussa
Luis Eduardo Matta

+ de 5400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O adultério é uma temática imortal, tão enraizada no imaginário humano quanto a religião, o amor e a necessidade de comida e água. Eu iria mais longe e até afirmaria que o adultério já se tornou parte do inconsciente coletivo, isto é, do conjunto de valores e sensações que toda a humanidade compartilha. É um assunto que inevitavelmente mexe com as entranhas de cada um e, quando se é vítima dele, penetra fundo na alma das pessoas, sangrando-a e gerando um vórtice tempestuoso de sensações inquietantes, cujas conseqüências podem ser dramáticas. A traição amorosa, quando aliada a um sentimento de rejeição, é das mais funestas e angustiantes experiências que o ser humano pode vivenciar. Debruçar-se sobre esse tema, com profundidade, portanto, é sempre um desafio. Muitos o fizeram e ainda o fazem. O adultério existirá na literatura, enquanto existir a humanidade.

Pensei muito nisso durante a leitura de O movimento pendular (Record, 2006, 238 págs.) de Alberto Mussa, que comprei no final do ano passado, no mesmo dia em que ele chegou às livrarias. Aliás, o próprio Mussa, que coincidentemente estava na livraria naquele momento, testemunhou a compra e tudo indica que eu, Luis Eduardo Matta, se não fui o primeiro a ler o livro, certamente fui o primeiro a adquiri-lo e a receber o autógrafo do autor.

Além de uma pessoa culta e simpaticíssima, Alberto Mussa é um escritor brilhante, dono de um estilo, uma voz e uma prosa singulares dentro da literatura brasileira, sobretudo dentro da literatura brasileira contemporânea. Seus livros, de O trono da Rainha Jinga, passando por O enigma de Qaf, até este O movimento pendular, de tão ricos e múltiplos, são difíceis de serem definidos, o que está longe de ser um demérito. A meu juízo, isso serve para demonstrar a caudalosa verve criativa do autor, que não conhece limites e reinventa a literatura com consistência e espontaneidade, sem mutilá-la ou adulterá-la de forma gratuita como historicamente tem acontecido no Brasil: a reinvenção pela reinvenção, como um ato vazio de rebeldia pretensamente intelectual com resultados, muitas vezes, sofríveis.

Numa narrativa absolutamente original, O movimento pendular - que recebeu o prêmio de melhor romance da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) e o Machado de Assis, da Biblioteca Nacional, na mesma categoria - aborda a temática do adultério de uma forma inusitada. Não se trata propriamente de um romance - embora ele assim seja apresentado - mas talvez de uma simbiose entre o romance e o ensaio na forma de histórias interligadas, que acabam por formar um conjunto. A partir de casos de adultério ocorridos no decorrer da História e devidamente arrecadados pelo autor, O movimento pendular tenta demonstrar as mais variadas formas de se estabelecer um triângulo amoroso, fornecendo-nos um amplo e múltiplo panorama da infidelidade humana através dos tempos, em momentos e ambientes os mais diversos. Logo no começo do livro, Alberto Mussa instiga o leitor, ao advertir que muitas das histórias narradas foram vividas por ele e que, à exceção de uma única, todas as demais aconteceram de fato. E essa advertência nos acompanha durante todo o livro, como num enredo de mistério: afinal qual das histórias será a falsa? E quais Mussa teria vivenciado?

Para compor O movimento pendular, Mussa valeu-se da linguagem que o consagrou, que mescla erudição e fluência, com algumas doses de reflexão histórica e antropológica e de um senso de humor sofisticado, perceptível ao longo de toda a narrativa. É um livro que diverte, encanta e nos faz viajar pelos tempos e pelos desvarios da alma humana de uma forma vertiginosa. Em dado momento, não se sabe se o narrador é o próprio Mussa ou algum personagem criado por ele. O livro é um grande jogo entre realidade e ficção e essa saudável e saborosa confusão em que ele enreda o leitor é um dos seus grandes atrativos. Já os teoremas e elementos geométricos que permeiam o livro são uma atração à parte. Com eles, o narrador esquematiza alguns dos casos expostos, dando-lhes uma compleição matemática, o que torna o texto ainda mais instigante.

Alberto Mussa é, assim como eu, alguém que acredita que literatura é, sobretudo, prazer. O fato de ele pensar assim, não só o engrandece como escritor, como encoraja o mergulho na sua obra, uma vez que entre as suas intenções ao compô-la estava, seguramente, a de proporcionar ao leitor horas agradáveis e estimulantes de leitura. A mim, pelo menos, essas horas foram proporcionadas e convido os demais leitores a fazer o mesmo experimento e a conhecer o mundo extraordinário deste notável prosador brasileiro.

New Age e leitura: um casamento perfeito

2006 foi para mim um ano de singelas, porém extraordinárias descobertas, sobretudo a partir do segundo semestre. Foram descobertas no campo da literatura, no campo da criação literária (me aguardem!) e, particularmente, no campo da música.

Há muitos anos, que leio e escrevo ouvindo música. É, indubitavelmente, a minha maior fonte de criação, pois a música além de aguçar a minha criatividade e a minha sensibilidade, estabelece uma ponte entre todos os meus níveis de consciência, dá ritmo à minha escrita e embala as minhas horas solitárias de leitura. Embora eu tenha um gosto musical bastante eclético, nestes momentos, prefiro os ritmos mais suaves. Houve tempos em que eu escrevia e lia ouvindo música clássica, sobretudo Bach e Chopin. Depois, passei para o jazz de Miles Davis, Duke Ellington e Oscar Peterson's Trio. E foi em 2006 que, por acidente descobri e me apaixonei pelo New Age.

Aconteceu totalmente ao acaso. Em meados de 2006 a operadora de TV a cabo da qual sou assinante instalou o seu sistema digital em minha casa, o que me permitiu ter acesso a vários canais de áudio. Eu, que pouco ligava a televisão (a última coisa a que assisti com alguma regularidade foi a novela Belíssima e, ainda assim, via, no máximo, um ou dois capítulos por semana, se tanto) e que, ultimamente, limito-me a, quando muito, assistir a um ou outro episódio do seriado House ou as entrevistas do Sem Censura, passei a usar a TV para ouvir rádio. E, destrinchando as estações, um dia descobri a de New Age; por coincidência numa noite em que começava a ler um romance que me marcou sobremaneira. Desde então o New Age converteu-se no meu fundo musical obrigatório para a leitura de livros.

Como em qualquer rádio que se preze, as músicas, apesar de muito variadas, se repetem e isso me fez descobrir e me familiarizar com lindas canções que eu, dificilmente, conheceria de outra maneira. São músicas como "A lonely voice" do October Project, uma banda norte-americana, cuja vocalista Mary Fahl, tem uma das vozes mais belas, refinadas e arrebatadoras com as quais tive contato nos últimos tempos. Também o grupo francês Era e suas músicas, cuja sonoridade latina nos remete a uma atmosfera medieval como "Sentence" e "Misere Mani", foram me envolvendo aos poucos e, quando dei por mim, já não podia passar sem elas. Eu seria capaz de escrever parágrafos intermináveis enumerando músicas e intérpretes, mas fecho a minha listagem com o CD que estou ouvindo no momento em que escrevo estas linhas: Dreamland, de Robert Miles, que adquiri há alguns anos e redescobri agora, cujas faixas que mais me encantam são "Fable (Message version)", "Fantasya" e "Princess of light". Não me canso de ouvi-las.

Talvez eu tenha feito essas descobertas tardiamente, já que essas e outras músicas são tocadas e conhecidas por muitos há bastante tempo. Mas a verdade é que nunca é tarde para se deslumbrar com as coisas, sobretudo quando elas passam a fazer parte das nossas vidas e a nos acompanhar nas sempre imprevisíveis viagens pelas páginas mágicas da literatura, que é o que acontece comigo. Com o New Age, ler tornou-se para mim uma experiência ainda mais intensa.

Para ir além






Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 17/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da Renovação Papal de Ricardo de Mattos
02. Discos que me mudaram de Rafael Fernandes
03. O To be or not to be do escritor de Fernando Lago
04. Ivo Rodrigues, um ilustre desconhecido do rock de Luiz Rebinski Junior
05. Meditação sobre São Francisco de Adriana Carvalho


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2007
01. Recordações de Sucupira - 12/6/2007
02. O desafio de formar leitores - 15/5/2007
03. A literatura, a internet e um papo com Alex Castro - 20/3/2007
04. O Casal 2000 da literatura brasileira - 24/7/2007
05. Algumas leituras marcantes de 2007 - 18/12/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/5/2007
13h22min
Agora voce me deixou com vontade de ler o livro... É raro encontrar livros que combinem bem elementos do real com o imaginário do autor.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DO BRASIL - NOVA CONSCIÊNCIA 5ª SÉRIE
CILBERTO COTRIM
SARAIVA
(2001)
R$ 15,00



OS MORTOS PERMANECEM JOVENS
ANNA SEGHERS
VITORIA
(1956)
R$ 19,90



AS EMPRESAS E DUA ADMINISTRAÇÃO
BERTRAM M. GROSS
URGS
(1979)
R$ 8,00



ROBERTO MAGALHÃES - DESENHOS
ROBERTO MAGALHÃES
INSTITUTO MOREIRA SALLES
(2001)
R$ 10,00



CÁLCULO VOLUME 1
GEORGE B. THOMAS; MAURICE D., JOEL HASS
PEARSON
(2012)
R$ 108,00



UM CONTO DO DESTINO
MARK HELPRIN
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 8,64



MY LIFE AS A MAN
PHILIP ROTH
VINTAGE
(1993)
R$ 29,00



O ELOGIO DA PEDAGOGIA
LUIZ GONZAGA TEIXEIRA
LOYOLA
(2001)
R$ 21,00



O QUE É CANOAGEM, REMO E ESQUI AQUÁTICO
SILVIA VIEIRA
CASA DA PALAVRA
(2007)
R$ 22,00



MANUAL PARA PLANEJAMENTO DE EMBALAGENS
MINIST. IND. E COMÉRCIO
ATELIER ARTE EDIÇÕES MG
(1976)
R$ 40,00





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês