Dez obras da literatura latino-americana | Digestivo Cultural

busca | avançada
63615 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> A aquisição do Whatsapp, pelo Facebook, por 19 bilhões de dólares
>>> Django Unchained, de Quentin Tarantino
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> The Zen of Bennett, com Tony Bennett
>>> Philip Seymour Hoffman (1967-2014)
>>> Toda Poesia, de Paulo Leminski
Temas
Mais Recentes
>>> Os 60
>>> O Mito da Eleição
>>> Como sobreviver ao Divórcio de Ricardo Lísias
>>> Era uma vez
>>> Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2)
>>> Histórias de superação que não fazem sucesso
>>> Proust, rugas e colesterol
>>> Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad
>>> Eu podia estar matando, podia estar roubando
>>> Quem Resenha as Resenhas de Som?
Colunistas
Mais Recentes
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
>>> Daniel Piza (1970-2011)
>>> Steve Jobs (1955-2011)
Últimos Posts
>>> García Márquez, o filme (1999)
>>> García Márquez na CNN
>>> García Márquez no Digestivo
>>> Someday My Prince Will Come
>>> Redigir com Ana Elisa Ribeiro
>>> Erudito nas igrejas de SP
>>> As Quatro Estações 2003
>>> Filosofia e Jornalismo
>>> Grieg, Chopin e Saint-Saëns
>>> O homem ideal
Mais Recentes
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
>>> 2 Milhões de Pageviews
>>> 40 mil seguidores no Twitter
>>> Comentários via Facebook
Mais Recentes
>>> Entre o Curtir e o Trollar
>>> Por uma arquitetura melhor
>>> Antes da filosofia
>>> Séries? Que papo é esse?
>>> Cinema é filosofia
>>> Philip Seymour Hoffman (1967-2014)
>>> Então, você quer escrever um livro...
>>> Casa Grande & Senzala
>>> Contabilidade Intermediária
>>> Como escrever bem — parte 1
LIVROS
Mais Recentes
>>> Viver Para Contar
>>> Crônica de Uma Morte Anunciada
>>> Álbum da Copa do Mundo 2014 - Fifa World Cup Brasil - Capa Dura
>>> Gossip Girl - Me Dê Uma Chance
>>> A Filha da Tsarina
>>> O Evangelho Segundo Judas
>>> O Dominador
>>> Corvo Negro
>>> Almanaque 1964
>>> As Sombras de Longbourn
>>> O Silêncio do Algoz
>>> Poesia e Polícia
>>> A paixao medida
>>> Um Outro Amor
>>> Nova Gramática Finlandesa
>>> O Mesmo Mar
>>> Eu Sou Proibida
>>> Dias Perfeitos
>>> Romance com pessoas
>>> Quarenta dias
>>> Cavaleiros
>>> Casa de Segredos
>>> Cartografia da Justiça no Brasil
>>> Homens Difíceis
>>> A Capitoa
>>> Caninos Em Família
>>> O Caminho de Ida
>>> No Caminho da Vitória
>>> O Caminho da Paz
>>> A Guerra que Matou Aquiles
>>> Um Bom Rapaz
>>> O Bispo
>>> Biomecânica Básica do Sistema Musculoesquelético
>>> Biologia Vegetal
>>> Biologia Molecular Básica
>>> Biologia celular e molecular
>>> Bilhões e lágrimas
>>> O Bicho Alfabeto
>>> Belleville
>>> Beco dos Mortos
>>> Bazinga!
>>> As Aventuras de Pedro Coelho
>>> Lira Grega - Antologia de Poesia Arcaica
>>> A Filosofia como Crítica da Cultura
>>> Humor é Coisa Séria
>>> Pensar o Contemporâneo
>>> Arquitetura Grega e Romana
>>> As Neurociências - Questões Filosóficas
>>> Aventuras de Alice no País das Maravilhas
>>> Autodesk Revit Architecture 2014
COLUNAS >>> Especial O que ler

Terça-feira, 10/7/2007
Dez obras da literatura latino-americana
Marília Almeida

+ de 25100 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Não é demais afirmar que a literatura latino-americana está no auge: muitas obras de seus principais autores estão sendo relançadas pela Companhia das Letras e Alfaguara, editora espanhola que se uniu à Objetiva e desembarcou no Brasil para ocupar um nicho carente, pois muitas delas não eram reeditadas no Brasil com novas traduções desde os anos 70, o que é surpreendente se tratando de um país no centro do continente e que tem essa literatura como a mais próxima de sua realidade.

Ao contrário do que muitos pensam, não é somente de histórias fantásticas, que teve seus máximos representantes no argentino Jorge Luis Borges e Gabriel García Márquez, com seu já clássico Cem Anos de Solidão, que essa literatura é composta. Mesmo Márquez tem seus momentos de puro realismo, como no surpreendente Notícia de um seqüestro. Fazem ainda parte desse grupo que retrata a realidade e diversidade da região autores peruanos como Mario Vargas Llosa e Alonso Cueto. Possui até mesmo uma raiz existencialista, com autores como Ernesto Sabato e Mario Benedetti.

Para se embrenhar nessa literatura que está se renovando com novas vozes, a exemplo do chileno Roberto Bolaño, confira a lista de dez livros que procura abranger todas as suas ramificações e dar um panorama geral de sua história.

Conversa na Catedral — Mario Vargas Llosa
Escrito em 1969 e reeditado pela editora Arx, o livro é permeado por um tom épico, esse livro do escritor e também jornalista, que esteve recentemente no país para promover a reedição de dois de seus livros, A cidade e os cachorros e Pantaleão e as visitadoras, ambos pela Alfaguara, e que lançou seu novo romance no ano passado, Travessuras da menina má, conta a história do Peru em plena ditadura de Manuel Odría (1948-1956) apenas a partir de um diálogo entre dois personagens de realidades distintas que, muitas vezes, se cruzam: o motorista Ambrosio e Zavalita, um jovem jornalista. O primeiro trabalha e o segundo é o filho de um empresário influente que tem negócios com o governo.

A história se destaca pela amarração de narrativas: em tom de suspense, vai delineando aos poucos os personagens e histórias de um cenário desolador e corrupto e, mais do que isso, a exemplo de Balzac, de Ilusões Perdidas (aliás, é em autores franceses, como Flaubert e Sartre, que reside a maior inspiração de Mario), consegue resumir o fim das utopias não só de um país, mas de um continente com uma permanente crise de ideais.

Cem anos de solidão — Gabriel García Márquez
Agora relançado também pela Alfaguara em parceria com a editora Sudamericana, em uma edição especial em sua língua original que comemora seus quarenta anos, não há mais o que discutir e falar dessa obra-prima após 25 anos do Prêmio Nobel de seu autor e 60 anos de sua carreira literária. Apenas que ela é uma obra que deve ser degustada aos poucos, nos mínimos detalhes de seu universo, a saga da família Buendía em Macondo, uma cidade imaginária isolada, que pode contar anos em apenas uma página.

São encontros, desencontros, mortes, nascimentos, violência, guerra, misticismo e amores, muitos amores. Algumas vezes pode ser difícil ligar os personagens, que podem possuir o mesmo nome que seus pais e desaparecerem e reaparecerem mais adiante na narrativa. Mas isso não faz falta, pois logo percebemos que estamos sendo carregados e novamente envolvidos por mistérios mágicos que rondam o destino de seus protagonistas. E somente um autor como Márquez, enfático e que não faz rodeios, poderia ter a habilidade de costurar diversos mundos e épocas em apenas um livro. No final, a única coisa que transborda em Cem anos... é uma saborosa riqueza de detalhes.

Notícia de um seqüestro — Gabriel García Márquez
Este é um livro para encarar a outra face de Márquez, sem metáforas da realidade e baseada em uma apuração extensa. Ele conta a história do seqüestro da jornalista Maruja Pachón, em 1990, por traficantes, chefiados por Pablo Escobar e temerosos pela extradição para os Estados Unidos. Podendo ser incluído no jornalismo literário, ele mostra como se pode contar a vida em um cativeiro em seis meses e elevá-lo ao patamar de uma perfeita literatura policial. Muitas vezes, ao lê-la, nos perguntamos até que ponto a guerra descrita é verdadeira. O fato é que é, completamente, e ocorre bem do nosso lado, senão em nosso próprio país. A sua última reedição foi lançada em 1996 pela Editora Record.

Todos os fogos o fogo — Júlio Cortazar
A literatura do argentino Cortazar, apesar de falecido em 1984, respira modernidade, tanto na linguagem como em seus enredos. Apesar de seu romance mais reconhecido ser O jogo da amarelinha, essa coletânea de contos de 1966 contém histórias marcantes, como "A ilha ao meio-dia" e "A auto-estrada do sul". O primeiro dá arrepios ao contar uma história de destino surpreendente e o segundo descreve perfeitamente a fragilidade das relações humanas em um improvável congestionamento que dura dias. Aliás, o universo fantástico de Cortazar é delicado e possui imagens tão fortes que só podem ser produzidas por uma narrativa que revela, mas não entrega o ouro de cara e sempre surpreende, característica, enfim, essencial de contos.

Sobre heróis e tumbas — Ernesto Sabato
Não é possível esquecer a imagem surreal e aterrorizante de Escolástica, que não sai do seu quarto há oitenta anos e guarda o cadáver de seu noivo, ou os ataques angustiantes de Alejandra, membro de uma família de aristocratas decadentes da Argentina da década de 50. A melancolia de Sabato é demasiada densa no começo, mas acaba por nos envolver em três narrativas diferentes: a história de amor de Martín e Alejandra, os bastidores de uma seita e uma história de um soldado que se confunde com a do próprio país. Sua mais nova reedição data de 2002, pela Companhia das Letras. Em 1963, Sabato publicou O escritor e seus fantasmas, no qual analisa a literatura, especialmente a tantas vezes anunciada morte do romance, além de explicar para que resolveu escrever ficção, boa dica para iniciantes.

Pedro Páramo — Juan Rulfo
Colocado na mesma corrente fantástica de Gabriel García Márquez, o mexicano Juan Rulfo se diferencia bastante de seu estilo, a não ser pelo tom místico e fantástico de suas histórias. Nesse seu único romance, de 1955 (Rulfo apenas publicou contos, talvez daí venha sua narrativa curta e condensada), inexiste o tom épico. Ele é muito mais uma história intimista onde o protagonista retorna a um vilarejo em busca de seu pai e logo descobre que ele está povoado por fantasmas. Com imagens poéticas, Rulfo inovou e deu a base para a consagração do realismo fantástico. Daí sua importância nesse cenário.

O Aleph — Jorge Luís Borges
Compilação de 17 contos do escritor argentino que tratou de temas como filosofia, crítica e até metafísica em suas histórias cheias de experimentalismo, que exploraram o fantástico. Contos como "O Zahir", "Os Imortais" e o que leva o nome do livro, uma história de um homem que não irá conseguir terminar um poema se sua casa ser demolida porque nela há um Aleph, um dos pontos de um espaço que contém todos os pontos, e no qual o narrador é o próprio Borges (essa coletânea, aliás, o próprio autor disse ser autobiográfica), é uma chance de conhecer a obra em prosa de um dos mais homenageados escritores latino-americanos, que também tem uma vasta produção de poesia, com destaque para Fervor de Buenos Aires, seu primeiro livro, publicado em 1923.

A Trégua — Mario Benedetti
Com nova reedição pela Alfaguara, o romance narrado em forma de diário consagrou o escritor uruguaio. Ele conta a história de Martin Salomé, viúvo com três filhos que está prestes a se aposentar aos cinqüenta anos e que se defronta com a tristeza e tédio que as lembranças e o envelhecer suscitam. Mas sua vida mudará de rumo quando conhecer a jovem Laura. Com uma linguagem informal e limpa, Benedetti faz uma crônica do cotidiano e, apesar de publicado originalmente em 1960, parece incrivelmente atual. Além de romances, publicou ensaios e poesias.

A hora azul — Alonso Cueto
De uma geração mais jovem que a de Mario Vargas Llosa, a quem dedicou um livro, o também peruano herdou o seu realismo. Nesse romance baseado em fatos reais, conta a história do advogado Adrián Ormache, que descobre os crimes de seu pai no exército, durante o conflito contra a guerrilha do Sendero Luminoso, nos anos 80. Sua vida vira de ponta cabeça quando descobre a existência de uma índia, que seu pai estuprou e se apaixonou. Contada em primeira pessoa, com referências modernas de um ambiente do começo dos anos 90, Cueto, assim como Benedetti, é informal e realista tanto na linguagem como nos elementos de sua história, atendendo a uma tendência autobiográfica e com tom de confissão da literatura contemporânea. O livro foi reeditado pela Objetiva no ano passado.

Os detetives selvagens — Roberto Bolaño
Morto em 2003, o chileno vem sendo elogiado e colocado no patamar de maior escritor da nova geração latino americana. Assim como só está sendo novamente homenageado após sua morte, mesmo em vida demorou a ser descoberto, o sendo apenas aos 40 anos. Vale conferir se toda essa homenagem tem eco nesse romance, que narra a busca dos poetas Ulisses Lima e Arturo Belano por uma poeta mexicana, desaparecida no século passado. Um enredo sob medida para produzir metáforas e traçar um panorama do continente em diversas épocas, além de analisar criticamente a produção literária de outrora, sem meias palavras, que atinge até postulados como Borges. A reedição mais recente do livro é da Companhia das Letras, que também lançou recentemente outra obra do autor: A pista de gelo.


Marília Almeida
São Paulo, 10/7/2007

Mais Marília Almeida
Mais Acessadas de Marília Almeida em 2007
01. Dez obras da literatura latino-americana - 10/7/2007
02. A trilogia da vingança de Park Chan-Wook - 22/5/2007
03. Nouvelle Vague: os jovens turcos - 30/1/2007
04. Cinema é filosofia - 28/8/2007
05. 10º Búzios Jazz e Blues - 14/8/2007


Mais Especial O que ler
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/6/2007
19h04min
Boa lista. Só acho que ficou faltando meu latino favorito, Juan Carlos Onetti. A Vida Breve é obra-prima. Juan José Saer, pelos ótimos A Pesquisa e A Ocasião, também poderia estar aí.
[Leia outros Comentários de Jonas]
10/7/2007
13h42min
As indicações não poderiam ser melhores. Muito bom, Marília.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
11/7/2007
13h13min
Tem também o cubano Pedro Juan Gutiérrez e o maravilhoso Bioy Casares, parceiro de todas as horas de Borges.
[Leia outros Comentários de Luiz Rebinski Junior]
11/7/2007
22h57min
Hmmm, não sei não, para uma lista que pretende abranger "todas as ramificações" e dar "um panorama geral de sua história", existem algumas ausências fundamentais: Respiração Artificial, Museo de la Novela de la Eterna, Os Sete Loucos, Wasabi, Adán Buenosaires e A Invenção de Morel, além dos escritores Saer e Cesar Aira, só para ficar nos argentinos. Do Uruguai, Felisberto Hernandez. Do Chile, Lumperica de Diamela Eltit. Da Colômbia, Fernando Vallejo. Do México, Carlos Fuentes. Enfim, acho que não dá para traçar um perfil da América Latina com apenas dez livros.
[Leia outros Comentários de Leandro Oliveira]
19/7/2007
21h50min
Eu acho que é um bom ponto de partida para conhecermos melhor os autores da america latina. Dos livros citados li apenas dois e para mim será bom, pois tenho agora novas referências para ler. Obrigado
[Leia outros Comentários de Jose Tannus]
25/5/2010
09h20min
Faltou "Como água para chocolate", sem dúvida um dos melhores livros latinos-americanos ,de Laura Esquivel... Meu livro separador de aguas!!!
[Leia outros Comentários de greicy kelly]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




>>> Chico Santa Rita lança 'Batalha Final'
>>> Matheus Brant rompe barreiras estéticas em obra multimídia
>>> 'Ressurreição' chega ao Corcovado no Domingo de Páscoa (20/4)
>>> A trajetória de Ayrton Senna é contada em quadrinhos após 20 anos do acidente de Ímola
>>> Inscrições para a MVArte 2014
>>> Páscoa no País das Maravilhas
* clique para encaminhar

José Olympio
WMF Martins Fontes
Globo Livros
Intrínseca
Nova Fronteira
Bertrand Brasil
Hedra
Cortez Editora
Companhia das Letras
Arquipélago Editorial
Madras Editora
Editora Record
Best Seller
Editora Conteúdo
Editora Perspectiva
Editora Contexto
Civilização Brasileira
LIVROS


BECO DOS MORTOS
Por R$ 61,95
+ frete grátis



O MESMO MAR
Por R$ 27,95
+ frete grátis



O AMOR CHEGOU TARDE EM MINHA VIDA
Por R$ 29,95
+ frete grátis



UMA HISTÓRIA DE FUTEBOL
Por R$ 35,95
+ frete grátis



O BISPO
Por R$ 38,95
+ frete grátis



MEU SONHO CONTIGO
De R$ 50,00
Por R$ 34,95
Economize R$ 15,05



DICIONÁRIO DO TEATRO BRASILEIRO
De R$ 80,00
Por R$ 51,95
Economize R$ 28,05



NELSON FELIX
De R$ 150,00
Por R$ 42,95
Economize R$ 107,05



AS PALAVRAS
Por R$ 38,95
+ frete grátis



CURSO DE FINANÇAS EMPRESARIAIS
De R$ 77,00
Por R$ 51,95
Economize R$ 25,05



busca | avançada
63615 visitas/dia
2,2 milhões/mês