Desglobalização | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
34984 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> Alcorão
>>> Buenos Aires: guia de viagem
>>> 'Noé' e 'Êxodo': Bíblia, Especismo e Terrorismo
>>> Como ser um Medina
>>> Rugas e rusgas
>>> A metade da vida
>>> Por um 2015 sem carteiradas
>>> Paixões e baratas
>>> Amores, truques e outras versões, de Alex Andrade
>>> A Dama Dourada, de Anne-Marie O'Connor
Colunistas
Mais Recentes
>>> Copa 2014
>>> Copa 2010
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> Selva de Pedra (1986)
>>> Um sonho a mais (1985)
>>> Neste ano
>>> Uma página na Amazon
>>> Nietzsche reloaded
>>> Venina no Fantástico
>>> Obrigado, vida
>>> Dia do Ram
>>> Escrever e defender o governo
>>> Mozart 11 com Barenboim
Mais Recentes
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> O segundo e-book do Digestivo
>>> Momento cívico
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
Mais Recentes
>>> O melhor de Dalton Trevisan
>>> Engenheiros da Vitória
>>> Dona Brazi - Cozinha Tradicional Amazônica
>>> Snoopy no Dia dos Namorados
>>> O Drible
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Minha história com Cássia Eller
>>> Entrevista com Sheila Leirner
>>> História da leitura (II): o códice medieval
LIVROS
Mais Recentes
>>> Max Perkins
>>> Listografia
>>> Arte como Terapia
>>> Flash Boys
>>> O Presente do Meu Grande Amor - Doze Histórias de Natal
>>> Elena
>>> O Pai dos Burros
>>> O Segredo do Sucesso é ser Humano
>>> O que restou de mim
>>> Caça ao Homem
>>> Pássaro da Tempestade
>>> A Humanidade e Suas Fronteiras
>>> Os Grandes Impostores
>>> Como Gata e Rato, Como Cão e Gata
>>> Os Fidalgos da Casa Mourisca
>>> O Príncipe
>>> Conversas
>>> Os piores dias de minha vida foram todos
>>> Coração de Mãe
>>> Entre o Silêncio e a Obra
>>> Transportes - História, Crises e Caminhos
>>> Embuscadoamor.com
>>> Um tal Lucas
>>> O Outono do Patriarca
>>> Um Corpo na Neve
>>> Cinquenta Anos Esta Noite
>>> Pedagogia dos Sonhos Possíveis
>>> Enquanto Deus não Está Olhando
>>> O Sopro dos Deuses
>>> A Viagem Iniciática ou Os 33 Graus de Sabedoria
>>> The Rolling Stones - A Biografia Definitiva
>>> O Legado
>>> O Trovador
>>> Prisioneiro da Sorte
>>> O Pergaminho Sagrado
>>> Pergunte a Deepak Chopra Sobre Amor e Relacionamentos
>>> Amor até debaixo d'água
>>> Viagem à Calábria
>>> Quase Casados
>>> Ter e não ter
>>> A Lei do Triunfo
>>> Panteão
>>> O Guerreiro do Oeste
>>> Katherine
>>> A Vingança da Amante
>>> Em Nome do Mal
>>> Por onde você anda?
>>> Os 13 Segredos
>>> Herança de Sangue
>>> O Mistério dos Deuses
COLUNAS >>> Especial Crise

Quarta-feira, 18/3/2009
Desglobalização
Luiz Rebinski Junior

+ de 2600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Depois de exatos 20 anos da derrocada do sistema socialista russo, quando o Muro de Berlin virou pó, o espectro comunista volta a assombrar o mundo capitalista. O capital, quem diria, se rende aos dogmas do comunismo. Essa é a face mais contraditória e curiosa da atual crise econômica que atinge os países mais ricos do mundo, os periféricos e os subdesenvolvidos ― ou seja, todos. Bancos sendo "resgatados" pelos governos em veladas operações de nacionalização e empresas privadas socorridas pela mão forte do estado. É o receituário socialista fazendo escola nos já escolados senhores neoliberais. É a tônica do momento, em que, entre alarmistas e otimistas em excesso, ora o mundo se acaba em barranco, ora se livra de mais um pequeno resfriado, incômodo, é verdade, mas que logo irá embora sem deixar rastro ou sequela.

Bem provável que nem uma coisa nem outra. Se é possível confiar em economistas, que seja nos menos radicais, muito mais por fé do que outra coisa. Pelo menos a crise econômica está servindo para ressuscitar gente que estava esquecida entre estantes cheias de ácaro. Sim, a volta de Keynes tem servido não só para rechear publicações que se debruçam sobre nossos atuais problemas financeiros, mas também para que nacionalistas enrustidos saiam do armário para dizer: "estão vendo, nosso amigo Keynes estava certo, só o estado salva!". E é o que tem acontecido, haja vista a dinheirama rolando nos Estados Unidos, na Europa, no Japão e até na Europa pobre, no Leste Europeu, onde países como a Ucrânia não conseguiram nem sentir o gostinho das benesses do capitalismo e já caíram em desgraça novamente, lembrando os anos de perrengue em que esteve sob o jugo russo.

E o caso da Ucrânia é emblemático de como os emergentes e subdesenvolvidos, mesmo estando distante do epicentro do terremoto, vão sofrer consequências graves. Afinal, a corda sempre arrebenta para os mais fracos, diz o chavão popular ― ainda que, neste caso em particular, os mais fortes também tenham ido ao chão. Além dos bilhões de dólares, euros e libras, a economia dos países mais ricos terá a seu favor muito protecionismo e, consequentemente, uma espécie de nacionalismo que se tornará cada vez mais intolerante com os imigrantes e seus subempregos ― haja vista Berlusconi e sua lei de imigração ilegal.

E os emergentes, como o Brasil, vão ter que se virar com seus mercados internos, porque suas commodities não terão mais os euros e dólares dos Estados Unidos e da Europa. É o "Buy american" fechando as portas ao nosso aço e ferro. Para a ministra da Fazenda da França, um "mal necessário". Para nós, apenas uma forma de deixar os pobres ainda mais pobres enquanto os ricos ganham fôlego.

É o sinal mais claro de que a tão propalada globalização não aguenta cinco minutos de recessão. Ao primeiro sinal de escassez, fecham-se as portas para o livre comércio ― que nunca foi tão livre assim ― e todo mundo volta a defender o seu quintal, no caso americano e francês, com muitos bilhões destinados a agricultores que ganham para não plantar.

A essa altura do campeonato integração comercial e cultural é coisa do passado. E, por ironia, a melhor definição para o momento vivido hoje veio de quem menos se esperava. Gordon Brown disse que "essa forma de desglobalização vai levar ao protecionismo comercial se não for interrompida". Com essa frase, ou melhor, com o termo desglobalização, o bonachão primeiro-ministro inglês captou o estado de coisas da atual economia mundial. Não interessa mais aproximar mercados, agora é cada um por si e quem tiver mais fôlego se salvará, já quem não tiver gordura para queimar vai, inevitavelmente, sucumbir e andar algumas casas para trás.

E as multinacionais seguem a mesma toada. As que não quebraram e foram socorridas pelos governos de seus países, sangram suas linhas de produção sem remorso algum. Muitas nem prejuízo tiveram, apenas lucros menores. Mesmo assim, haja demissão. Afinal, uma empresa acostumada a render lucros exorbitantes não pode se contentar, mesmo em um momento atípico de turbulência, com receitas menores. Os trabalhadores? É uma pena, mas é assim que se joga o jogo. A responsabilidade social virou apenas um bom mote para publicações internas coloridas e bem diagramadas. E assim o marketing se revela agora como apenas uma forma rasteira de propaganda enganosa. É a face mais cruel do capitalismo selvagem. Um capitalismo que, ao que tudo indica, será cada vez mais regido pelo estado, contrariando o movimento que há muitas décadas prega a não-intervenção no mercado.

Se nos serve de consolo, neste período de incertezas e névoa, a produção cultural tem grande chance de ganhar novo ânimo, independentemente de o mecenato estar mais pobre. Damian Hirst, pelo visto, continuará mantendo sua linha de produção artística e colecionado cada vez mais dólares e euros. E, como bem lembrou o colega Marcelo Spalding, a seca e a penúria talvez até sejam boa oportunidade para que Steinbecks e afins surjam para mostrar às gerações subsequentes como foi difícil nossa época.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 18/3/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Leblon de Marta Barcellos
02. Uma Viagem à Índia, de Gonçalo M. Tavares de Carina Destempero
03. livros não salvam o mundo. nem as pessoas. de Ítalo Puccini
04. A vida muda no ponto de Elisa Andrade Buzzo
05. A Escolha de Alice de Marilia Mota Silva


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
03. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
04. A literatura em perigo - 1/4/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


Mais Especial Crise
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/3/2009
00h41min
É preciso sempre lembrar que o processo de globalização resume-se em explorar a mão-de-obra do mundo, pagar salários de misérias e distribuir os produtos pelo mundo. A lógica é repensar o trabalhador, que não tem o seu direito internacionalizado, que não tem seu salário unificado mundialmente. E enquanto houver a exploração do ser humano por outro ser humano, sempre será tempo de repensar o socialismo, de rever apontamentos. É preciso que lembrar que Lenin dizia que os princípios da teoria marxista enriquecem-se continuamente com as experiências do desenvolvimento social e as novas conquistas científicas, pois o Marxismo é uma doutrina criadora em desenvolvimento.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




>>> Festa carioca PARADISO completa 14 anos dia 07 no Solar Botafogo
>>> Companhia de Danças de Diadema lea 'A Mão do Meio' ao Sesc Vila Mariana
>>> Show de viola marcará abertura da 10ª Semana da Cultura Popular
>>> Entre o Céu e a Terra aborda organização social em comunidades
>>> Livro de Henfil sobre humor político é relançado, 30 anos após primeira edição
>>> Meditação no Museu da República RJ
* clique para encaminhar

Best Seller
Editora Perspectiva
Hedra
Globo Livros
Civilização Brasileira
Editora Conteúdo
Primavera Editorial
Companhia das Letras
Arquipélago Editorial
Editora Record
José Olympio
Bertrand Brasil
Intrínseca
Cortez Editora
WMF Martins Fontes
Nova Fronteira
Busca Sebos
LIVROS


KATHERINE
De R$ 65,00
Por R$ 45,49
Economize R$ 19,51



THE ROLLING STONES - A BIOGRAFIA DEFINITIVA
De R$ 50,00
Por R$ 29,74
Economize R$ 20,26



TRANSPORTES - HISTÓRIA, CRISES E CAMINHOS
De R$ 42,00
Por R$ 27,29
Economize R$ 14,71



O SOPRO DOS DEUSES
De R$ 55,00
Por R$ 35,79
Economize R$ 19,21



DIABLO III - LIVRO DE TYRAEL
De R$ 100,00
Por R$ 58,56
Economize R$ 41,44



SEGREDOS E MENTIRAS
Por R$ 29,95
+ frete grátis



CUPCAKES ESPECIAIS
Por R$ 38,95
+ frete grátis



GUIA SANFORD PARA TERAPIA ANTIMICROBIANA
Por R$ 74,95
+ frete grátis



A BANDEIRA VERMELHA
Por R$ 68,95
+ frete grátis



O BEIJO INFAME
Por R$ 39,95
+ frete grátis



busca | avançada
34984 visitas/dia
1,4 milhão/mês