Desglobalização | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
33225 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Cidade São Paulo celebra seu primeiro ano com apresentação especial da orquestra Baccarelli
>>> Anna Muylaert debate produções da sétima arte no Estação Plural
>>> FERNANDO MARTINS - Commedia dell´Arte
>>> Fórum ampliado do PMLLB.Rio
>>> São Caetano do Sul recebe a primeira ABC Comic-Con em 7 de maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Tricordiano, o futebol é cardíaco
>>> Ação Social
>>> Antes que seque
>>> Etapas em combustão
>>> Antonia, de Morena Nascimento
>>> O suicídio na literatura
>>> 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton
>>> E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez
>>> Literatura engajada
>>> O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Temporada 2016 do Mozarteum
>>> Curso de projetos literários
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
Últimos Posts
>>> O Cárcere
>>> d'EUS
>>> 5 coisas que o escritor iniciante precisa saber
>>> Passando o Caixa
>>> Rito e mito, falando serio.
>>> A diferença entre um mestre e um doutor
>>> Blow up: depois daquele beijo
>>> Uma propina da mesma Orcrim quando apareceu
>>> Born To Be Wild
>>> O Autorretrato
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O poeta, a pedra e o caminho
>>> Curso de Criação Literária
>>> Ação e Reação, de Jean Starobinski
>>> Espectador idiota
>>> Lauryn Hill no Tom Brasil
>>> Agnaldo Farias no Supertônica
>>> No InterCon 2009 I
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> Ninguém sabe nada
Mais Recentes
>>> A MATRIZ DIVINA- Uma jornada através do tempo, do espaço, dos milagres e da fé
>>> OS SINOS DA AGONIA
>>> MISSA DO GALO- variações sobre o mesmo tema
>>> VIVENTES DAS ALAGOAS
>>> O LIVREIRO DE CABUL / EU SOU O LIVREIRO de CABUL
>>> FRONTEIRAS DA LITERATURA- DISCURSOS TRANSCULTURAIS VOLUME 2
>>> SACRO SPECO DE SAN BENITO- el Santuario del Sacro Speco de San Benito yel Monasterio de Santa Escolastica.
>>> O HOMEM ESPIRITUAL- Volume II
>>> Acerca del Alma
>>> Las Formas Elementales de la Vida Religiosa
>>> UM BRASIL PARA CRIANÇAS-para conhecer a literatura infantil brasileira:histórias, autores e textos
>>> Abraçado ao meu rancor
>>> Rimbaud da América e Outras Iluminações
>>> Contos, Fábulas e Aforismos
>>> A Força da Palavra
>>> Lavoura Arcaica
>>> Os Contos de Belazarte
>>> À Margem da Linha
>>> O Avesso dos Dias
>>> O Estaleiro
>>> Divisão Hollywood
>>> A Morte de um Holandês
>>> Os Filhos da Noite
>>> A Lua É um Balão
>>> Cavalos de Raça e Mulheres de Classe
>>> As Moscas Azuis
>>> Os Demônios Morrem Duas Vezes
>>> O Livro Roubado
>>> O Poder do Ouro - A história de uma obssesão
>>> Também o Cisne Morre
>>> Desengano
>>> Pensadores da Liberdade - Em torno de um conceito V1
>>> 1.280 Almas
>>> Tudo Para Entrar no Guiness - A jornada de um homem para entrar no Livro dos Recordes
>>> O Aviso na Muralha - A China e o Ocidente no Século XXI
>>> Zoom - A Corrida Global para Abastecer o Carro do Futuro
>>> Dinheiro Fácil
>>> As Duas Faces de Janeiro
>>> Longe de Manaus
>>> Ascensão e Queda do Imperio X
>>> América Aracnídea
>>> Abel Sánchez - Uma história de paixão
>>> O Senhor Ventura
>>> Meu Marido
>>> Pelas Pedras do Caminho Mineral
>>> O Coração da Floresta
>>> O Petróleo e a Glória - A corrida pelo Império e a fortuna do Mar Cáspio
>>> O Bandido da Chacrete - Ascensão e Queda de um Fundador do Comando Vermelho
>>> Cupom Zero
>>> Descanse em Paz - Histórias Sobre os Últimos Dias de Poe, Dickinson, Twain, Jmaes e Hemingway
COLUNAS >>> Especial Crise

Quarta-feira, 18/3/2009
Desglobalização
Luiz Rebinski Junior

+ de 2900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Depois de exatos 20 anos da derrocada do sistema socialista russo, quando o Muro de Berlin virou pó, o espectro comunista volta a assombrar o mundo capitalista. O capital, quem diria, se rende aos dogmas do comunismo. Essa é a face mais contraditória e curiosa da atual crise econômica que atinge os países mais ricos do mundo, os periféricos e os subdesenvolvidos ― ou seja, todos. Bancos sendo "resgatados" pelos governos em veladas operações de nacionalização e empresas privadas socorridas pela mão forte do estado. É o receituário socialista fazendo escola nos já escolados senhores neoliberais. É a tônica do momento, em que, entre alarmistas e otimistas em excesso, ora o mundo se acaba em barranco, ora se livra de mais um pequeno resfriado, incômodo, é verdade, mas que logo irá embora sem deixar rastro ou sequela.

Bem provável que nem uma coisa nem outra. Se é possível confiar em economistas, que seja nos menos radicais, muito mais por fé do que outra coisa. Pelo menos a crise econômica está servindo para ressuscitar gente que estava esquecida entre estantes cheias de ácaro. Sim, a volta de Keynes tem servido não só para rechear publicações que se debruçam sobre nossos atuais problemas financeiros, mas também para que nacionalistas enrustidos saiam do armário para dizer: "estão vendo, nosso amigo Keynes estava certo, só o estado salva!". E é o que tem acontecido, haja vista a dinheirama rolando nos Estados Unidos, na Europa, no Japão e até na Europa pobre, no Leste Europeu, onde países como a Ucrânia não conseguiram nem sentir o gostinho das benesses do capitalismo e já caíram em desgraça novamente, lembrando os anos de perrengue em que esteve sob o jugo russo.

E o caso da Ucrânia é emblemático de como os emergentes e subdesenvolvidos, mesmo estando distante do epicentro do terremoto, vão sofrer consequências graves. Afinal, a corda sempre arrebenta para os mais fracos, diz o chavão popular ― ainda que, neste caso em particular, os mais fortes também tenham ido ao chão. Além dos bilhões de dólares, euros e libras, a economia dos países mais ricos terá a seu favor muito protecionismo e, consequentemente, uma espécie de nacionalismo que se tornará cada vez mais intolerante com os imigrantes e seus subempregos ― haja vista Berlusconi e sua lei de imigração ilegal.

E os emergentes, como o Brasil, vão ter que se virar com seus mercados internos, porque suas commodities não terão mais os euros e dólares dos Estados Unidos e da Europa. É o "Buy american" fechando as portas ao nosso aço e ferro. Para a ministra da Fazenda da França, um "mal necessário". Para nós, apenas uma forma de deixar os pobres ainda mais pobres enquanto os ricos ganham fôlego.

É o sinal mais claro de que a tão propalada globalização não aguenta cinco minutos de recessão. Ao primeiro sinal de escassez, fecham-se as portas para o livre comércio ― que nunca foi tão livre assim ― e todo mundo volta a defender o seu quintal, no caso americano e francês, com muitos bilhões destinados a agricultores que ganham para não plantar.

A essa altura do campeonato integração comercial e cultural é coisa do passado. E, por ironia, a melhor definição para o momento vivido hoje veio de quem menos se esperava. Gordon Brown disse que "essa forma de desglobalização vai levar ao protecionismo comercial se não for interrompida". Com essa frase, ou melhor, com o termo desglobalização, o bonachão primeiro-ministro inglês captou o estado de coisas da atual economia mundial. Não interessa mais aproximar mercados, agora é cada um por si e quem tiver mais fôlego se salvará, já quem não tiver gordura para queimar vai, inevitavelmente, sucumbir e andar algumas casas para trás.

E as multinacionais seguem a mesma toada. As que não quebraram e foram socorridas pelos governos de seus países, sangram suas linhas de produção sem remorso algum. Muitas nem prejuízo tiveram, apenas lucros menores. Mesmo assim, haja demissão. Afinal, uma empresa acostumada a render lucros exorbitantes não pode se contentar, mesmo em um momento atípico de turbulência, com receitas menores. Os trabalhadores? É uma pena, mas é assim que se joga o jogo. A responsabilidade social virou apenas um bom mote para publicações internas coloridas e bem diagramadas. E assim o marketing se revela agora como apenas uma forma rasteira de propaganda enganosa. É a face mais cruel do capitalismo selvagem. Um capitalismo que, ao que tudo indica, será cada vez mais regido pelo estado, contrariando o movimento que há muitas décadas prega a não-intervenção no mercado.

Se nos serve de consolo, neste período de incertezas e névoa, a produção cultural tem grande chance de ganhar novo ânimo, independentemente de o mecenato estar mais pobre. Damian Hirst, pelo visto, continuará mantendo sua linha de produção artística e colecionado cada vez mais dólares e euros. E, como bem lembrou o colega Marcelo Spalding, a seca e a penúria talvez até sejam boa oportunidade para que Steinbecks e afins surjam para mostrar às gerações subsequentes como foi difícil nossa época.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 18/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (III) de Cassionei Niches Petry
02. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio
03. Para que serve a poesia? de Ana Elisa Ribeiro
04. Predadores humanos de Gian Danton
05. Rugas e rusgas de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
04. A literatura em perigo - 1/4/2009
05. O primeiro parágrafo - 24/6/2009


Mais Especial Crise
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/3/2009
00h41min
É preciso sempre lembrar que o processo de globalização resume-se em explorar a mão-de-obra do mundo, pagar salários de misérias e distribuir os produtos pelo mundo. A lógica é repensar o trabalhador, que não tem o seu direito internacionalizado, que não tem seu salário unificado mundialmente. E enquanto houver a exploração do ser humano por outro ser humano, sempre será tempo de repensar o socialismo, de rever apontamentos. É preciso que lembrar que Lenin dizia que os princípios da teoria marxista enriquecem-se continuamente com as experiências do desenvolvimento social e as novas conquistas científicas, pois o Marxismo é uma doutrina criadora em desenvolvimento.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CASABLANCA: A CRIAÇÃO DE UMA OBRA-PRIMA INVOLUNTÁRIA DO CINEMA
RENZO MORA
ESTRONHO
(2015)
+ frete grátis



O CASO MOREL
RUBEM FONSECA
GLOBO
(2003)
+ frete grátis



MEMÓRIA DE MINHAS PUTAS TRISTES
GABRIEL GARCÍA MÁRQUEZ
RECORD
(2006)
+ frete grátis



AS CHAVES DO REINO O FURIOSO QUINTA-FEIRA
GARTH NIX
FUNDAMENTO
(2011)
+ frete grátis



NÃO CHORE, MINHA BELA
MARY HIGGINS CLARK
ROCCO
(1989)
+ frete grátis



SUBMUNDO,MUNDO E SUPRAMUNDO
FIGANIÈRE
TRÊS
(1973)
+ frete grátis



EXISTENCIALISMO E ALIENAÇÃO NA LITERATURA NORTE-AMERICANA
SIDNEY FINKELSTEIN
PAZ E TERRA
(1969)
+ frete grátis



SERPENTE
REX STOUT
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
+ frete grátis



DEUS TE CHAMA PELO NOME
MICHEL HUBAUT
LOYOLA
(2005)
+ frete grátis



UMA BUSCA INTERIOR EM PSICOLOGIA E RELIGIÃO
JAMES HILLMAN
PAULINAS
(1984)
+ frete grátis





busca | avançada
33225 visitas/dia
1,3 milhão/mês