Desglobalização | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
82544 visitas/dia
757 mil/mês
Mais Recentes
>>> Piscina gigante de bolinhas e brincadeiras no Shopping Cidade São Paulo
>>> Cinecão- A Má educação:uma obra aberta
>>> Espetáculo musical cultura caipira para crianças na Fundação Ema Klabin
>>> De um Velho Amigo ao "Velho Amigo"
>>> Teatro do Incêndio realiza encontro com o Samba de Bumbo da Dona Maria Esther
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Revolusséries
>>> Mais espetáculo que arte
>>> Thoreau, Mariátegui e a experiência americana
>>> Meu querido aeroporto #sqn
>>> Essas moças de mil bocas
>>> Como uma Resenha de 'Como um Romance'
>>> Quem é mesmo massa de manobra?
>>> Imprimam - e repensem - suas fotografias
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Longa vida à fotografia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Se correr o bicho pega. Se ficar o bicho come...
>>> Suores
>>> DOIS POEMETOS E UM SONETO INÉDITO
>>> O encontro improvavel
>>> Trêmulo
>>> Arabescos
>>> Chuck Berry
>>> Os clássicos
>>> Revisitação a Raimundo Correia (série: Sonetos)
>>> Políticos - Vilões do Mundo Real
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Livro pra quem precisa
>>> Dexter Versus House
>>> Cristal
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> chatices e descobertas
>>> Fabio Gomes
>>> Entrevista com João Pereira Coutinho
>>> Lei de Imprensa, Diploma e Questões Afins
>>> Ensaio de interpretação do Orkut
>>> Philip Seymour Hoffman (1967-2014)
Mais Recentes
>>> Português sem Complicação - Concordância Aula Extra II
>>> O Mistério da Encarnação
>>> A Salvação entrou nesta Casa
>>> A Grande Promessa
>>> Comunicação & Marketing para Pequenos e Médios Negócios
>>> No Fio da Vida
>>> A Vida Oculta e Mística de Jesus-As Chaves secretas do Cristo
>>> A Empresa na Velocidade do Pensamento
>>> Vendas de Alto Impacto
>>> O Show Vai COmeçar
>>> Excelência Empresarial - Managing for Excellence
>>> Reengenharia Humana - Preparando o indivíduo para a mudança
>>> Marketing de Guerra 2
>>> O que NÃO se ensina em Harvard Business School
>>> Artilharia de Vendas
>>> A Sabedoria do Sutra de Lótus Volumes 1 e 2
>>> A Psicanálise Dos Contos De Fadas - Exemplar Novo
>>> Cultura Cabocla Ribeirinha
>>> Como Ter o Coração de Maria no Mundo de Marta
>>> O Mapa da Mina
>>> Como fazer Congressos e Eventos
>>> Métodos Criativos de Ensino
>>> Freud Básico: Pensamentos Psicanalíticos para o Século XXI
>>> O Primeiro Ano de Vida
>>> Ciência e Comportamento Humano
>>> Terapia Cognitivo-Comportamental na Prática
>>> O Caso Dos Exploradores De Cavernas
>>> Acorde, Mulher!
>>> Revista Pet World Nº 1
>>> Coleção Caras Zen - Terapias Do Movimento
>>> A Fonte não precisa perguntar pelo Caminho
>>> Nutrição de Ruminantes
>>> Nutrição de Monogástricos
>>> Cadeias Produtivas Estudos sobre competitividade e coordenação
>>> Apicultura Manejo e Produtos
>>> As intermitências da vida
>>> Paratii Entre Dois Polos
>>> Karluk A extraordinária expedição ao Ártico em 1913
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século
>>> Linha-D'Água - Entre Estaleiros e Hones do Mar
>>> A Expedição KON-TIKi
>>> Treasure of light (em inglês)
>>> The Castle of Danger
>>> Gramática ilustrada
>>> Revista Saúde Responde Tudo Nº 1
>>> Gramática da Língua portuguesa
>>> Guia prático da Ortografia
>>> Memórias De Um Sargento De Milícias
>>> Go between (em inglês)
COLUNAS >>> Especial Crise

Quarta-feira, 18/3/2009
Desglobalização
Luiz Rebinski Junior

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Depois de exatos 20 anos da derrocada do sistema socialista russo, quando o Muro de Berlin virou pó, o espectro comunista volta a assombrar o mundo capitalista. O capital, quem diria, se rende aos dogmas do comunismo. Essa é a face mais contraditória e curiosa da atual crise econômica que atinge os países mais ricos do mundo, os periféricos e os subdesenvolvidos ― ou seja, todos. Bancos sendo "resgatados" pelos governos em veladas operações de nacionalização e empresas privadas socorridas pela mão forte do estado. É o receituário socialista fazendo escola nos já escolados senhores neoliberais. É a tônica do momento, em que, entre alarmistas e otimistas em excesso, ora o mundo se acaba em barranco, ora se livra de mais um pequeno resfriado, incômodo, é verdade, mas que logo irá embora sem deixar rastro ou sequela.

Bem provável que nem uma coisa nem outra. Se é possível confiar em economistas, que seja nos menos radicais, muito mais por fé do que outra coisa. Pelo menos a crise econômica está servindo para ressuscitar gente que estava esquecida entre estantes cheias de ácaro. Sim, a volta de Keynes tem servido não só para rechear publicações que se debruçam sobre nossos atuais problemas financeiros, mas também para que nacionalistas enrustidos saiam do armário para dizer: "estão vendo, nosso amigo Keynes estava certo, só o estado salva!". E é o que tem acontecido, haja vista a dinheirama rolando nos Estados Unidos, na Europa, no Japão e até na Europa pobre, no Leste Europeu, onde países como a Ucrânia não conseguiram nem sentir o gostinho das benesses do capitalismo e já caíram em desgraça novamente, lembrando os anos de perrengue em que esteve sob o jugo russo.

E o caso da Ucrânia é emblemático de como os emergentes e subdesenvolvidos, mesmo estando distante do epicentro do terremoto, vão sofrer consequências graves. Afinal, a corda sempre arrebenta para os mais fracos, diz o chavão popular ― ainda que, neste caso em particular, os mais fortes também tenham ido ao chão. Além dos bilhões de dólares, euros e libras, a economia dos países mais ricos terá a seu favor muito protecionismo e, consequentemente, uma espécie de nacionalismo que se tornará cada vez mais intolerante com os imigrantes e seus subempregos ― haja vista Berlusconi e sua lei de imigração ilegal.

E os emergentes, como o Brasil, vão ter que se virar com seus mercados internos, porque suas commodities não terão mais os euros e dólares dos Estados Unidos e da Europa. É o "Buy american" fechando as portas ao nosso aço e ferro. Para a ministra da Fazenda da França, um "mal necessário". Para nós, apenas uma forma de deixar os pobres ainda mais pobres enquanto os ricos ganham fôlego.

É o sinal mais claro de que a tão propalada globalização não aguenta cinco minutos de recessão. Ao primeiro sinal de escassez, fecham-se as portas para o livre comércio ― que nunca foi tão livre assim ― e todo mundo volta a defender o seu quintal, no caso americano e francês, com muitos bilhões destinados a agricultores que ganham para não plantar.

A essa altura do campeonato integração comercial e cultural é coisa do passado. E, por ironia, a melhor definição para o momento vivido hoje veio de quem menos se esperava. Gordon Brown disse que "essa forma de desglobalização vai levar ao protecionismo comercial se não for interrompida". Com essa frase, ou melhor, com o termo desglobalização, o bonachão primeiro-ministro inglês captou o estado de coisas da atual economia mundial. Não interessa mais aproximar mercados, agora é cada um por si e quem tiver mais fôlego se salvará, já quem não tiver gordura para queimar vai, inevitavelmente, sucumbir e andar algumas casas para trás.

E as multinacionais seguem a mesma toada. As que não quebraram e foram socorridas pelos governos de seus países, sangram suas linhas de produção sem remorso algum. Muitas nem prejuízo tiveram, apenas lucros menores. Mesmo assim, haja demissão. Afinal, uma empresa acostumada a render lucros exorbitantes não pode se contentar, mesmo em um momento atípico de turbulência, com receitas menores. Os trabalhadores? É uma pena, mas é assim que se joga o jogo. A responsabilidade social virou apenas um bom mote para publicações internas coloridas e bem diagramadas. E assim o marketing se revela agora como apenas uma forma rasteira de propaganda enganosa. É a face mais cruel do capitalismo selvagem. Um capitalismo que, ao que tudo indica, será cada vez mais regido pelo estado, contrariando o movimento que há muitas décadas prega a não-intervenção no mercado.

Se nos serve de consolo, neste período de incertezas e névoa, a produção cultural tem grande chance de ganhar novo ânimo, independentemente de o mecenato estar mais pobre. Damian Hirst, pelo visto, continuará mantendo sua linha de produção artística e colecionado cada vez mais dólares e euros. E, como bem lembrou o colega Marcelo Spalding, a seca e a penúria talvez até sejam boa oportunidade para que Steinbecks e afins surjam para mostrar às gerações subsequentes como foi difícil nossa época.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 18/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dê uma lidinha de Elisa Andrade Buzzo
02. Patriotada às avessas de Luiz Rebinski Junior
03. A seleção de Dunga de Humberto Pereira da Silva
04. Jornais do futuro? de Fabio Silvestre Cardoso
05. O homem visto do alto de Guilherme Conte


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
04. A literatura em perigo - 1/4/2009
05. O primeiro parágrafo - 24/6/2009


Mais Especial Crise
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/3/2009
00h41min
É preciso sempre lembrar que o processo de globalização resume-se em explorar a mão-de-obra do mundo, pagar salários de misérias e distribuir os produtos pelo mundo. A lógica é repensar o trabalhador, que não tem o seu direito internacionalizado, que não tem seu salário unificado mundialmente. E enquanto houver a exploração do ser humano por outro ser humano, sempre será tempo de repensar o socialismo, de rever apontamentos. É preciso que lembrar que Lenin dizia que os princípios da teoria marxista enriquecem-se continuamente com as experiências do desenvolvimento social e as novas conquistas científicas, pois o Marxismo é uma doutrina criadora em desenvolvimento.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O BEIJO - DANIELLE STEEL (LITERATURA NORTE-AMERICANA)
DANIELLE STEEL
RECORD
(2004)
R$ 10,00



QUEM CONTA UM CONTO 2
GUILHERME CUNHA PINTO
ATUAL
(1989)
R$ 7,00



REVISTA CIÊNCIA E CULTURA VOLUME 27 - Nº 4
VÁRIOS
SBPC
(1975)
R$ 10,00



BIG BROTHER FISCAL NA ERA DO CONHECIMENTO
ROBERTO DIAS DUARTE
IDEAS@WORK
(2008)
R$ 9,90



GRANDES CLÁSSICOS DE TEX 9
SÉRGIO BONELLI
MYTHOS
(2007)
R$ 10,00



HISTÓRIA SOCIAL DA LITERATURA E DA ARTE TOMO 2
A. HAUSER
MESTRE JOU
(1972)
R$ 30,00



COLETANEA 1 A 6 DE O DIÁRIO DE UM BANANA
JEFF KINNE
V@R
(2016)
R$ 60,00



DRAGON HEART
ADRIANA GABRIEL
PENGUIN
(1999)
R$ 15,00



EU, CHISTIANE F, A VIDA APESAR DE TUDO
CHISTIANE V. FELSCHERNOW E SONJA VUKOVIC
BERTRAND BRASIL
(2014)
R$ 13,00



ÁGUA NA BOCA
ANDREA CAMILLERI
BERTRAND BRASIL
(2013)
R$ 13,90





busca | avançada
82544 visitas/dia
757 mil/mês