Desglobalização | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
40570 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Martie sobe ao palco ao lado do pianista Marcos Nimrichter
>>> Embaixador croata lança livro de poemas no Brasil
>>> Cia. Sansacroma dança a loucura em Sociedade dos Improdutivos
>>> Jornalista lança primeiro livro com crônicas inspiradas em percepções sobre as relações humanas
>>> Livro revisita a popularização da fotografia amadora
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Omissão
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Fazendo a coisa certa
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Lembrança de Plínio Zalewski
>>> Que tal fingir-se de céu?
>>> As crianças do coração do Brasil
>>> Três filmes sobre juventude no novo século
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
Últimos Posts
>>> Marola
>>> Quando algo está para acabar, chove. Foi testado.
>>> Tem café?
>>> Ferreira Gullar (1930-2016)
>>> 4 de Dezembro de 2016
>>> Carta aberta ao povo brasileiro
>>> Que bela lição a Colômbia está dando ao mundo
>>> No rastro de Augusto dos Anjos (série: sonetos)
>>> Taxi Driver 40 anos - um retrovisor do presente.
>>> Rio, ontem e hoje
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Contos de imaginação e mistério
>>> Circulação dos jornais caindo
>>> Perguntas sagradas
>>> A fragilidade da literatura
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Fazer conta de cabeça e a calculadora
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> Crônicas do DC em livro
>>> A fúria do demônio
>>> Ler em voz alta
Mais Recentes
>>> Sandman - Versão Definitiva Vol. 4
>>> A honra do poderoso Prizzi
>>> Sandman - Edição Definitiva Vol. 3
>>> Sandman - versão definitiva vol. 2
>>> Os intocáveis
>>> Bandidos
>>> Sandman - versão definitiva vol. 1
>>> Os pecados cardeais
>>> Preparation Course for the TOEFL test
>>> Hitler
>>> Ser e Tempo - edição em alemão e português
>>> The Complete Fiction of H.P. Lovecraft
>>> Introdução a Filosofia
>>> Cérebro
>>> Raízes do Brasil
>>> O oitavo mandamento
>>> Eichmanm em Jerusalém
>>> Le Capital au XXI siècle
>>> Carapau
>>> Xaviera
>>> Menos Que Nada - Hegel é a Sombra do Materialismo Dialético
>>> Suave é a noite
>>> Minha Luta
>>> Rebecca, a mulher inesquecível
>>> Grimms Märchen - Vollständige Ausgabe
>>> Expresso do Oriente
>>> Tempo para a paz
>>> O Morro dos ventos uivantes
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século
>>> À Espreita das Estrelas
>>> A História de Biafra
>>> O Ano Em Que Sonhamos Perigosamente
>>> O milagre de Lázaro
>>> Fausto - Uma Tragédia PRIMEIRA PARTE
>>> Os dez dias que abalaram o mundo
>>> The Introduction of Nazism into Philosophy
>>> Homo Sacer
>>> Os velhos marinheiros.
>>> Era dos Extremos O breve século XX 1914-1991
>>> Dicionário alemão-português-alemão
>>> História da Loucura
>>> Curso de Alemão
>>> The Call of Cthulhu and other weird stories
>>> Dicionário alemão-português
>>> 1000 years of annoying the French
>>> Harry Potter and the Deathly Hallows
>>> Guia de conversação langenscheidt
>>> O que é economia política?
>>> Dicionário Filosófico
>>> O banquete e Do amor
COLUNAS >>> Especial Crise

Quarta-feira, 18/3/2009
Desglobalização
Luiz Rebinski Junior

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Depois de exatos 20 anos da derrocada do sistema socialista russo, quando o Muro de Berlin virou pó, o espectro comunista volta a assombrar o mundo capitalista. O capital, quem diria, se rende aos dogmas do comunismo. Essa é a face mais contraditória e curiosa da atual crise econômica que atinge os países mais ricos do mundo, os periféricos e os subdesenvolvidos ― ou seja, todos. Bancos sendo "resgatados" pelos governos em veladas operações de nacionalização e empresas privadas socorridas pela mão forte do estado. É o receituário socialista fazendo escola nos já escolados senhores neoliberais. É a tônica do momento, em que, entre alarmistas e otimistas em excesso, ora o mundo se acaba em barranco, ora se livra de mais um pequeno resfriado, incômodo, é verdade, mas que logo irá embora sem deixar rastro ou sequela.

Bem provável que nem uma coisa nem outra. Se é possível confiar em economistas, que seja nos menos radicais, muito mais por fé do que outra coisa. Pelo menos a crise econômica está servindo para ressuscitar gente que estava esquecida entre estantes cheias de ácaro. Sim, a volta de Keynes tem servido não só para rechear publicações que se debruçam sobre nossos atuais problemas financeiros, mas também para que nacionalistas enrustidos saiam do armário para dizer: "estão vendo, nosso amigo Keynes estava certo, só o estado salva!". E é o que tem acontecido, haja vista a dinheirama rolando nos Estados Unidos, na Europa, no Japão e até na Europa pobre, no Leste Europeu, onde países como a Ucrânia não conseguiram nem sentir o gostinho das benesses do capitalismo e já caíram em desgraça novamente, lembrando os anos de perrengue em que esteve sob o jugo russo.

E o caso da Ucrânia é emblemático de como os emergentes e subdesenvolvidos, mesmo estando distante do epicentro do terremoto, vão sofrer consequências graves. Afinal, a corda sempre arrebenta para os mais fracos, diz o chavão popular ― ainda que, neste caso em particular, os mais fortes também tenham ido ao chão. Além dos bilhões de dólares, euros e libras, a economia dos países mais ricos terá a seu favor muito protecionismo e, consequentemente, uma espécie de nacionalismo que se tornará cada vez mais intolerante com os imigrantes e seus subempregos ― haja vista Berlusconi e sua lei de imigração ilegal.

E os emergentes, como o Brasil, vão ter que se virar com seus mercados internos, porque suas commodities não terão mais os euros e dólares dos Estados Unidos e da Europa. É o "Buy american" fechando as portas ao nosso aço e ferro. Para a ministra da Fazenda da França, um "mal necessário". Para nós, apenas uma forma de deixar os pobres ainda mais pobres enquanto os ricos ganham fôlego.

É o sinal mais claro de que a tão propalada globalização não aguenta cinco minutos de recessão. Ao primeiro sinal de escassez, fecham-se as portas para o livre comércio ― que nunca foi tão livre assim ― e todo mundo volta a defender o seu quintal, no caso americano e francês, com muitos bilhões destinados a agricultores que ganham para não plantar.

A essa altura do campeonato integração comercial e cultural é coisa do passado. E, por ironia, a melhor definição para o momento vivido hoje veio de quem menos se esperava. Gordon Brown disse que "essa forma de desglobalização vai levar ao protecionismo comercial se não for interrompida". Com essa frase, ou melhor, com o termo desglobalização, o bonachão primeiro-ministro inglês captou o estado de coisas da atual economia mundial. Não interessa mais aproximar mercados, agora é cada um por si e quem tiver mais fôlego se salvará, já quem não tiver gordura para queimar vai, inevitavelmente, sucumbir e andar algumas casas para trás.

E as multinacionais seguem a mesma toada. As que não quebraram e foram socorridas pelos governos de seus países, sangram suas linhas de produção sem remorso algum. Muitas nem prejuízo tiveram, apenas lucros menores. Mesmo assim, haja demissão. Afinal, uma empresa acostumada a render lucros exorbitantes não pode se contentar, mesmo em um momento atípico de turbulência, com receitas menores. Os trabalhadores? É uma pena, mas é assim que se joga o jogo. A responsabilidade social virou apenas um bom mote para publicações internas coloridas e bem diagramadas. E assim o marketing se revela agora como apenas uma forma rasteira de propaganda enganosa. É a face mais cruel do capitalismo selvagem. Um capitalismo que, ao que tudo indica, será cada vez mais regido pelo estado, contrariando o movimento que há muitas décadas prega a não-intervenção no mercado.

Se nos serve de consolo, neste período de incertezas e névoa, a produção cultural tem grande chance de ganhar novo ânimo, independentemente de o mecenato estar mais pobre. Damian Hirst, pelo visto, continuará mantendo sua linha de produção artística e colecionado cada vez mais dólares e euros. E, como bem lembrou o colega Marcelo Spalding, a seca e a penúria talvez até sejam boa oportunidade para que Steinbecks e afins surjam para mostrar às gerações subsequentes como foi difícil nossa época.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 18/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo
02. Fragmentos de Leituras e Sentido de Ricardo de Mattos
03. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - II de Elisa Andrade Buzzo
04. Um safra de documentários de poesia e poetas de Elisa Andrade Buzzo
05. Sarkozy e o privilégio de ser francês de Celso A. Uequed Pitol


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
04. A literatura em perigo - 1/4/2009
05. O primeiro parágrafo - 24/6/2009


Mais Especial Crise
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/3/2009
00h41min
É preciso sempre lembrar que o processo de globalização resume-se em explorar a mão-de-obra do mundo, pagar salários de misérias e distribuir os produtos pelo mundo. A lógica é repensar o trabalhador, que não tem o seu direito internacionalizado, que não tem seu salário unificado mundialmente. E enquanto houver a exploração do ser humano por outro ser humano, sempre será tempo de repensar o socialismo, de rever apontamentos. É preciso que lembrar que Lenin dizia que os princípios da teoria marxista enriquecem-se continuamente com as experiências do desenvolvimento social e as novas conquistas científicas, pois o Marxismo é uma doutrina criadora em desenvolvimento.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SELETA DE AUTORES PERNAMBUCANOS I (POESIA E CONTOS)
AUDÁLIO ALVES, HUMBERO VASCONCELOS, ORLANDO PARAHYM E ROBERTO BENJAMIM
JORNAL DAS LETRAS
(1987)



O FIM DE SEMANA
PETER CAMERON
RECORD
(1996)



A PACIÊNCIA DA ARANHA
ANDREA CAMILLERI
RECORD
(2011)



E AGORA, MÃE?
ISABEL VIEIRA
MODERNA
(2003)



THE VAMPIRE DIARIES THE AWAKENING
L. J. SMITH
HARPER TEEN
(1991)
+ frete grátis



À MARGEM DE ALICE
JOANNA HERSHON
BEST SELLER
(2005)
+ frete grátis



HQ MÔNICA 2 + EDIÇÃO ESPECIAL DE NATAL 1996
MAURÍCIO DE SOUZA
GLOBO
(1996)
+ frete grátis



INSIGHT 2
DANIEL C. LUZ
DVS
(2002)
+ frete grátis



O REI DO INVERNO: AS CRÔNICAS DE ARTHUR - VOLUME I
BERNARD CORNWELL
RECORD
(2004)
+ frete grátis



OS VERBOS DIZER, ESTAR E FAZER NO VOCABULÁRIO DO PORTUGUÊS MEDIEVAL
ANTÔNIO GERALDO DA CUNHA
FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA
(1995)
+ frete grátis





busca | avançada
40570 visitas/dia
957 mil/mês