Desglobalização | Digestivo Cultural

busca | avançada
57061 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Paco de Lucía (1947-2014)
>>> A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton
>>> Em Busca da Terra do Nunca... e Johnny Depp
>>> A aquisição do Whatsapp, pelo Facebook, por 19 bilhões de dólares
>>> Django Unchained, de Quentin Tarantino
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> The Zen of Bennett, com Tony Bennett
>>> Philip Seymour Hoffman (1967-2014)
Temas
Mais Recentes
>>> Essa tal de Dança Contemporânea
>>> A nova classe média
>>> Os 60
>>> O Mito da Eleição
>>> Como sobreviver ao Divórcio de Ricardo Lísias
>>> Era uma vez
>>> Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2)
>>> Histórias de superação que não fazem sucesso
>>> Proust, rugas e colesterol
>>> Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad
Colunistas
Mais Recentes
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
>>> Daniel Piza (1970-2011)
>>> Steve Jobs (1955-2011)
Últimos Posts
>>> García Márquez 1982
>>> Gabo: Discurso do Nobel
>>> García Márquez, o filme (1999)
>>> García Márquez na CNN
>>> García Márquez no Digestivo
>>> Someday My Prince Will Come
>>> Redigir com Ana Elisa Ribeiro
>>> Erudito nas igrejas de SP
>>> As Quatro Estações 2003
>>> Filosofia e Jornalismo
Mais Recentes
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
>>> 2 Milhões de Pageviews
>>> 40 mil seguidores no Twitter
>>> Comentários via Facebook
Mais Recentes
>>> Eu Não Consigo Emagrecer
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Para Escrever Bem
>>> Na terra de Asterix (e na de Hércules também)
>>> O Ritual dos Chrysântemos
>>> Como Tirar Proveito de Seus Inimigos
>>> Um blog sem conteúdo
>>> Cézanne: o mito do artista incompreendido
>>> Literatura é para os feios e malvados
>>> Música para olhar
LIVROS
Mais Recentes
>>> Viver Para Contar
>>> Crônica de Uma Morte Anunciada
>>> Álbum da Copa do Mundo 2014 - Fifa World Cup Brasil - Capa Dura
>>> Gossip Girl - Me Dê Uma Chance
>>> A Filha da Tsarina
>>> O Evangelho Segundo Judas
>>> O Dominador
>>> Corvo Negro
>>> Almanaque 1964
>>> As Sombras de Longbourn
>>> O Silêncio do Algoz
>>> Poesia e Polícia
>>> A paixao medida
>>> Um Outro Amor
>>> Nova Gramática Finlandesa
>>> O Mesmo Mar
>>> Eu Sou Proibida
>>> Dias Perfeitos
>>> Romance com pessoas
>>> Quarenta dias
>>> Cavaleiros
>>> Casa de Segredos
>>> Cartografia da Justiça no Brasil
>>> Homens Difíceis
>>> A Capitoa
>>> Caninos Em Família
>>> O Caminho de Ida
>>> No Caminho da Vitória
>>> O Caminho da Paz
>>> A Guerra que Matou Aquiles
>>> Um Bom Rapaz
>>> O Bispo
>>> Biomecânica Básica do Sistema Musculoesquelético
>>> Biologia Vegetal
>>> Biologia Molecular Básica
>>> Biologia celular e molecular
>>> Bilhões e lágrimas
>>> O Bicho Alfabeto
>>> Belleville
>>> Beco dos Mortos
>>> Bazinga!
>>> As Aventuras de Pedro Coelho
>>> Lira Grega - Antologia de Poesia Arcaica
>>> A Filosofia como Crítica da Cultura
>>> Humor é Coisa Séria
>>> Pensar o Contemporâneo
>>> Arquitetura Grega e Romana
>>> As Neurociências - Questões Filosóficas
>>> Aventuras de Alice no País das Maravilhas
>>> Autodesk Revit Architecture 2014
COLUNAS >>> Especial Crise

Quarta-feira, 18/3/2009
Desglobalização
Luiz Rebinski Junior

+ de 2400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Depois de exatos 20 anos da derrocada do sistema socialista russo, quando o Muro de Berlin virou pó, o espectro comunista volta a assombrar o mundo capitalista. O capital, quem diria, se rende aos dogmas do comunismo. Essa é a face mais contraditória e curiosa da atual crise econômica que atinge os países mais ricos do mundo, os periféricos e os subdesenvolvidos ― ou seja, todos. Bancos sendo "resgatados" pelos governos em veladas operações de nacionalização e empresas privadas socorridas pela mão forte do estado. É o receituário socialista fazendo escola nos já escolados senhores neoliberais. É a tônica do momento, em que, entre alarmistas e otimistas em excesso, ora o mundo se acaba em barranco, ora se livra de mais um pequeno resfriado, incômodo, é verdade, mas que logo irá embora sem deixar rastro ou sequela.

Bem provável que nem uma coisa nem outra. Se é possível confiar em economistas, que seja nos menos radicais, muito mais por fé do que outra coisa. Pelo menos a crise econômica está servindo para ressuscitar gente que estava esquecida entre estantes cheias de ácaro. Sim, a volta de Keynes tem servido não só para rechear publicações que se debruçam sobre nossos atuais problemas financeiros, mas também para que nacionalistas enrustidos saiam do armário para dizer: "estão vendo, nosso amigo Keynes estava certo, só o estado salva!". E é o que tem acontecido, haja vista a dinheirama rolando nos Estados Unidos, na Europa, no Japão e até na Europa pobre, no Leste Europeu, onde países como a Ucrânia não conseguiram nem sentir o gostinho das benesses do capitalismo e já caíram em desgraça novamente, lembrando os anos de perrengue em que esteve sob o jugo russo.

E o caso da Ucrânia é emblemático de como os emergentes e subdesenvolvidos, mesmo estando distante do epicentro do terremoto, vão sofrer consequências graves. Afinal, a corda sempre arrebenta para os mais fracos, diz o chavão popular ― ainda que, neste caso em particular, os mais fortes também tenham ido ao chão. Além dos bilhões de dólares, euros e libras, a economia dos países mais ricos terá a seu favor muito protecionismo e, consequentemente, uma espécie de nacionalismo que se tornará cada vez mais intolerante com os imigrantes e seus subempregos ― haja vista Berlusconi e sua lei de imigração ilegal.

E os emergentes, como o Brasil, vão ter que se virar com seus mercados internos, porque suas commodities não terão mais os euros e dólares dos Estados Unidos e da Europa. É o "Buy american" fechando as portas ao nosso aço e ferro. Para a ministra da Fazenda da França, um "mal necessário". Para nós, apenas uma forma de deixar os pobres ainda mais pobres enquanto os ricos ganham fôlego.

É o sinal mais claro de que a tão propalada globalização não aguenta cinco minutos de recessão. Ao primeiro sinal de escassez, fecham-se as portas para o livre comércio ― que nunca foi tão livre assim ― e todo mundo volta a defender o seu quintal, no caso americano e francês, com muitos bilhões destinados a agricultores que ganham para não plantar.

A essa altura do campeonato integração comercial e cultural é coisa do passado. E, por ironia, a melhor definição para o momento vivido hoje veio de quem menos se esperava. Gordon Brown disse que "essa forma de desglobalização vai levar ao protecionismo comercial se não for interrompida". Com essa frase, ou melhor, com o termo desglobalização, o bonachão primeiro-ministro inglês captou o estado de coisas da atual economia mundial. Não interessa mais aproximar mercados, agora é cada um por si e quem tiver mais fôlego se salvará, já quem não tiver gordura para queimar vai, inevitavelmente, sucumbir e andar algumas casas para trás.

E as multinacionais seguem a mesma toada. As que não quebraram e foram socorridas pelos governos de seus países, sangram suas linhas de produção sem remorso algum. Muitas nem prejuízo tiveram, apenas lucros menores. Mesmo assim, haja demissão. Afinal, uma empresa acostumada a render lucros exorbitantes não pode se contentar, mesmo em um momento atípico de turbulência, com receitas menores. Os trabalhadores? É uma pena, mas é assim que se joga o jogo. A responsabilidade social virou apenas um bom mote para publicações internas coloridas e bem diagramadas. E assim o marketing se revela agora como apenas uma forma rasteira de propaganda enganosa. É a face mais cruel do capitalismo selvagem. Um capitalismo que, ao que tudo indica, será cada vez mais regido pelo estado, contrariando o movimento que há muitas décadas prega a não-intervenção no mercado.

Se nos serve de consolo, neste período de incertezas e névoa, a produção cultural tem grande chance de ganhar novo ânimo, independentemente de o mecenato estar mais pobre. Damian Hirst, pelo visto, continuará mantendo sua linha de produção artística e colecionado cada vez mais dólares e euros. E, como bem lembrou o colega Marcelo Spalding, a seca e a penúria talvez até sejam boa oportunidade para que Steinbecks e afins surjam para mostrar às gerações subsequentes como foi difícil nossa época.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 18/3/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad de Duanne Ribeiro
02. Era uma vez de Carina Destempero
03. Proust, rugas e colesterol de Wellington Machado
04. Beijo surdo de Ana Elisa Ribeiro
05. Lamartine Babo e futebol, uma simbiose de Marco Garcia


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
03. A literatura em perigo - 1/4/2009
04. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


Mais Especial Crise
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/3/2009
00h41min
É preciso sempre lembrar que o processo de globalização resume-se em explorar a mão-de-obra do mundo, pagar salários de misérias e distribuir os produtos pelo mundo. A lógica é repensar o trabalhador, que não tem o seu direito internacionalizado, que não tem seu salário unificado mundialmente. E enquanto houver a exploração do ser humano por outro ser humano, sempre será tempo de repensar o socialismo, de rever apontamentos. É preciso que lembrar que Lenin dizia que os princípios da teoria marxista enriquecem-se continuamente com as experiências do desenvolvimento social e as novas conquistas científicas, pois o Marxismo é uma doutrina criadora em desenvolvimento.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




>>> São Caetano do Sul recebe homenagem a Charlie Brown Jr.
>>> Flavio Venturini faz show na CAIXA Cultural SP
>>> Letras do alfabeto ganham metáforas visuais criativas em livro infantil
>>> Oh os belos dias em cartaz no Sesc Santana
>>> Por acaso, navalha estreia em São Paulo
>>> Shakespeare à brasileira
* clique para encaminhar

Cortez Editora
Editora Conteúdo
Best Seller
Bertrand Brasil
Companhia das Letras
Editora Perspectiva
Editora Record
Hedra
Editora Contexto
Nova Fronteira
Intrínseca
Madras Editora
Arquipélago Editorial
WMF Martins Fontes
José Olympio
Globo Livros
Civilização Brasileira
LIVROS


A FILHA DA TSARINA
Por R$ 41,95
+ frete grátis



A HISTÓRIA DAS CAMISAS DE TODOS OS JOGOS DAS COPAS
Por R$ 54,95
+ frete grátis



INFOGRÁFICOS DAS COPAS
Por R$ 38,95
+ frete grátis



OBSTINADA
Por R$ 28,95
+ frete grátis



DIAS PERFEITOS
Por R$ 35,95
+ frete grátis



1930 - ÁGUAS DA REVOLUÇÃO
Por R$ 41,95
+ frete grátis



AIOSA - APARELHO DENTÁRIO QUE EMAGRECE PELA REEDUCAÇÃO ALIMENTAR
Por R$ 52,95
+ frete grátis



ANDY WARHOL - O GÊNIO DO POP
Por R$ 58,95
+ frete grátis



FARÓIS ESTRÁBICOS NA NOITE
De R$ 38,00
Por R$ 17,90
Economize R$ 20,10



BYRON APAIXONADO
De R$ 50,00
Por R$ 39,95
Economize R$ 10,05



busca | avançada
57061 visitas/dia
2,2 milhões/mês