O ódio on-line | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
26563 visitas/dia
586 mil/mês
Mais Recentes
>>> Cursinho da Poli oferece curso gratuito de matemática
>>> Núcleo de Dança e Performance Marcos Sobrinho estreia "Prelúdio", um outro Rito de Carnaval
>>> Teatro do Incêndio promove Rodas de Conversa com mestres e comunidades tradicionais
>>> RELEASE ESPETÁCULO INFANTIL 'VOAR - UM MUSICLOWN'
>>> Êxodos: mostra sobre a luta dos refugiados, de Sebastião Salgado, retorna à Ampliart
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Longa vida à fotografia
>>> Oswald de Andrade e o
>>> Nuvem Negra*
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> Vocês, que não os verei mais
>>> Em nome dos filhos
>>> O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope'
>>> Píramo e Tisbe
>>> Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux
>>> O Natal de Charles Dickens
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Hércules e seu doutorado sanduíche com Aristóteles
>>> Caminhos
>>> Eroti(cidade)
>>> O sapo e a princesa
>>> Ato reflexo
>>> Do remoto (série: sonetos)
>>> @nuvens.
>>> "Trocatrilhos" existenciais
>>> Do nó ao laço
>>> Não terá a grandeza de Getúlio.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A pirataria, a numeração e o mercado da música
>>> Curitiba Literária
>>> Textos movediços
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> Esse Caro Objeto do Desejo
>>> Underground Grammarian
>>> Além do Mais
>>> Deus não é Grande, de Christopher Hitchens
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Trabalhar e cantar
Mais Recentes
>>> Crianças da Noite
>>> Poderes Paranormais
>>> À Primeira Vista
>>> Uma Carta de Amor
>>> A Última Música - 20ª Impressão
>>> Querido John - 26ª Impressão
>>> O Casamento
>>> O Guardião
>>> O Resgate
>>> Um Homem de Sorte - 16ª Impressão
>>> Coleção Nicholas Sparks - 4 Volumes - a Escolha; Diário de uma Paixão
>>> Jogos Vorazes: Box da Trilogia
>>> Projeto Prosa História (Ensino Fundamental ) - 5 ano
>>> Projeto Prosa História (Ensino Fundamental ) - 5 ano
>>> Meninas do Brasil
>>> A Cidade do Homem Nú
>>> Numerologia Prática
>>> Meninas Inseparáveis
>>> O Testamento
>>> A Auto-estimulação Precoce do Bebê
>>> Lorde do Deserto
>>> Sob o Sol da Toscana
>>> Formação Continuada de Docentes da Educação Básica
>>> Formação Continuada de Docentes da Educação Básica
>>> História Econômica e Administrativa do Brasil
>>> Memórias do Patrimônio
>>> Albert Einstein e Seu Universo Inflável
>>> Ciúme Zelo Doentio
>>> Ciúme Zelo Doentio
>>> Ratos
>>> O Casamento de Mentirinha de Katie Simpson
>>> Querido Diário Otário - Pois é, Acho Que Eu Tenho Superpoderes
>>> The Snoopy Ant - Story Telling Collection
>>> O Cortiço
>>> Era uma Vez no Brasil Holandês
>>> Sr. Gum e os Cristais de Poder
>>> O Chamado do Cuco
>>> Histórias Que o Rádio Não Contou
>>> Literatura de Cordel - Antologia
>>> Lunivers des Connaissances - Sociologie de Linformation
>>> Introdução ao Mundo do Romance
>>> Tarsila do Amaral - Mestres das Artes do Brasil
>>> Madame Bovary - Grandes Clássicos da Literatura Em Quadrinhos
>>> Procura-se! Galeria de Animais Ameaçados de Extinção
>>> A Menina Que Descobriu o Brasil
>>> Cartilha do Dólar
>>> O Jargão Comunista
>>> Comunicaçção, Igreja e Estado na América Latina
>>> Meu Tataravô era Africano
>>> 321 Fast Comics Vol. II
COLUNAS >>> Especial Amor na Internet

Segunda-feira, 11/5/2009
O ódio on-line
Gian Danton

+ de 4700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A internet é uma invenção fantástica. Ela permitiu que pessoas em países diferentes se encontrassem e conversassem como se estivessem uma do lado da outra. Permitiu que o conhecimento fosse compartilhado. Permitiu que amantes se reencontrassem. Mas a internet também permitiu o surgimento de um novo tipo de crápula: o troll. O troll normalmente é o tipo covarde, incapaz de atacar quem quer que seja cara a cara, mas vira valentão no anonimato da rede. No jargão da internet, troll é um indivíduo que passa o dia deixando comentários ofensivos em comunidades do Orkut, listas de discussão e blogs. Seu prazer está na dor infligida ao outro, na polêmica causada e no fato de se sentir inatingível.

Segundo a Wikipédia, um troll geralmente tem o seguinte modus operandi:

1) Jogar a isca e sair correndo: consiste em jogar fogo na lenha, fazendo um comentário polêmico, ofensivo e abandonando a discussão quando percebe que conseguiu seu objetivo: criar inimizades no grupo atacado. Como em muitos casos, eles são expulsos das comunidades e listas; o complexo de vítima é uma forma de sair correndo e, ao mesmo tempo, sentir-se coitadinho.

2) Induzir a baixar o nível: é comum os trolls apelarem para a baixaria e xingamentos. Com isso, ele consegue fazer com que pessoas sensatas baixem o nível e se vejam desmoralizadas diante das outras. Os que não apelam para xingamentos são vistos pelos trolls como alguém que não está seguindo as regras do jogo. No caso, as regras do seu jogo.

3) Repetição de falácias: falácias são argumentos que parecem lógicos, mas não o são. Por terem um verniz de falsa lógica, são muito usados por trolls como forma de desestabilizar seus oponentes. Por exemplo: "vi numa entrevista que você elogiou um roteirista de novela. Se você o elogiou é porque assiste novelas. Como novelas são feitas para mulheres, você, evidentemente, é gay!".

4) Desfile intelectual: um troll tenta mostrar um bom nível intelectual fazendo citações de obras que não conhece ou se instalando em grupos com menor leitura de mundo. Por exemplo, um troll que se acha escritor pode entrar numa comunidade de crianças que escrevem para exibir sua superioridade intelectual. Tanto nesse caso, como em outros, não é um compartilhamento de conhecimentos. É uma exibição intelectual covarde, que tem por objetivo humilhar o oponente.

Até há pouco tempo, eu conhecia apenas o lado positivo da rede. O máximo que havia sofrido foram os ataques de um troll que deixava recados ofensivos em meu blog. Quando ele deixou um recado desejando a morte de minha filha, simplesmente desabilitei a opção comentários (na época, não era permitido bloquear comentários de determinados provedores nos blogs; ou você deixava todo mundo comentar, ou não deixava ninguém). Foi um fato que me assustou, mas ignorei.

Ano passado, fui vítima de um ataque sistemático de um troll muito conhecido (tempos depois, descobri que ele era o mesmo que havia me levado a retirar os comentários de meu blog). Eu estava divulgando uma série em quadrinhos de ficção científica quando ele lançou a isca com uma crítica. Como me pareceu uma crítica honesta, eu respondi. Hoje sei que muitos trolls iniciam com uma crítica que "parece honesta", apenas como uma isca. Como nunca me rebaixei ao seu nível de baixaria e sempre mostrei a falta de fundamentação de seus argumentos (como falar de marketing sem conhecer princípios básicos, como segmentação), ele me elegeu como inimigo.

A partir de então, começou a me perseguir em outras comunidades do Orkut e com comentários em meu blog. A situação se tornou realmente preocupante quando alguém me avisou que esse indivíduo poderia passar dos ataques virtuais para os ataques reais. Nessa época recebi o link de uma página do Orkut na qual o troll pedia a um amigo para tentar descobrir onde eu trabalhava.

Foi quando percebi que a coisa podia, sim, tornar-se perigosa. Tirei todas as fotos dos meus filhos do Orkut, deletei qualquer referência mais precisa à minha vida pessoal (endereço, telefone, local de trabalho) e abandonei por um tempo comunidades do Orkut e listas de discussão, além de bloquear comentários por pessoas que não fossem amigos. Continuei com meu blog, mas não liberava nada que parecesse minimamente ofensivo (eu logo descobri que o troll usava mais de um pseudônimo).

Por esse tempo, o site da história em quadrinhos que havia ocasionado tudo foi vítima de ataques de hackers duas vezes no espaço de duas semanas. Na segunda vez, o troll comemorou em seu blog: "Parabéns, rapazes! Vocês fizeram um bom trabalho!". A experiência me fez mergulhar na mente insana e sua lógica bizarra. Ele achava, por exemplo, que os ataques pessoais feitos contra mim e outras pessoas (inclusive pessoas mortas recentemente, cujos parentes eram devidamente avisados dos ataques por ele mesmo através de recados no Orkut) iriam ajudar a promover seu livro. Ele acreditava que conseguiria algum tipo de lucro com os ataques.

Os trolls, eu logo descobri, são pessoas fracassadas, que se vingam do mundo ofendendo e difamando. Lendo os recados de seu blog, era possível identificar a maneira totalmente aleatória com a qual ele escolhia suas vítimas. Alguém dizia: "Troll, fala mal de Sicrano". E ele: "Quem é Sicrano?". Como resposta, era abastecido de links, biografias, trabalhos, que o ajudariam a colher argumentos para ataques.

Rosana Hermann, do blog Querido Leitor, teve que sair do país por causa de um troll que descobriu onde estudavam suas filhas. Em outra ocasião, ela colocou seu advogado para descobrir quem era. Ao descobrir, ligou para ele. Era um administrador de empresas desempregado, de 42 anos, que vivia com os pais e passava o dia na internet. Um "clássico covarde na vida real, que se torna o bam-bam-bam atrevido sob o manto do anonimato", definiu ela numa matéria ao G1.

Já existem casos de trolls sendo processados e condenados, embora nenhum deles esteja na cadeia, provavelmente por falta de uma legislação específica. Há ONGs especializadas em crimes de internet, como racismo e homofobia, mas a difamação sistemática por enquanto não é objeto de atenção das autoridades, embora já existam casos de trolls processados e condenados.

Enquanto a legislação não muda, o ideal é tomar alguns cuidados. Para lidar com um troll, o melhor é ignorá-lo completamente. Não responder a suas ofensas, não publicar seus comentários... um troll quer palco. Como ele não consegue chamar atenção por si mesmo, tenta fazer isso usando outros. Outra lição: cuidado com o que publica na internet. Não coloque fotos dos filhos, não diga onde eles estudam, não publique seu endereço ou seu telefone... Embora a maior parte dos trolls seja inofensivo fora da net, a verdade é que o seguro morreu de velho...

Nota do Editor
Leia também "Cyberbullying".


Gian Danton
Macapá, 11/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Proibir ou não proibir? de Cassionei Niches Petry
02. O que não fazer em época de crise de Fabio Gomes
03. O romance do 'e se...' de Cassionei Niches Petry
04. Um mês depois de Julio Daio Borges
05. A Copa mais triste de todos os tempos de Elisa Andrade Buzzo


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2009
01. Memória das pornochanchadas - 28/9/2009
02. 10 grandes - 22/6/2009
03. O Gabinete do Dr. Caligari - 13/4/2009
04. A polêmica dos quadrinhos - 25/5/2009
05. O roteirista profissional: televisão e cinema - 26/10/2009


Mais Especial Amor na Internet
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/5/2009
11h28min
Caro Gian, sim, a imbecilidade e a crueldade humanas são incomensuráveis. Bom texto, ótimos conselhos (isto é: sabedorias), e entendo que seria interessante nos unirmos progressivamente a fim de desestabilizar tais tipos de práticas na internet.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
20/5/2009
07h36min
Gian, uma das estratégias do educador para controlar a turma de alunos era localizar rapidamente o tipo conhecido como Eminência Parda. Com o líder visível, a coisa era simples, pois sua honestidade permitia o diálogo aberto com o professor. Uma das técnicas para achar o Eminência era elogiar o líder, e ficar de olho no grupo opositor, pois ele estaria lá, calado, mas manobrando os seguidores idiotas. As comunidades do Orkut são o paraíso desses covardes, que acabam por seguir o educador sem chance de receber qualquer punição. Sei que um erro não justifica outro, mas identidades secretas costumam ajudar nesses casos. Você cria uma mulher, elogia o cara, ganha a confiança dele, troca juras de amor em todas as comunidades possíveis e depois revela para todos a palhaçada. Costuma funcionar por um tempo, até o covarde fabricar um novo personagem, para agir em seu paraíso, mas, com você, ele não mexerá mais...
[Leia outros Comentários de Dalton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VEN2 LIBRO DEL ALUMNO
F. CASTRO E F. MARIN E R. MORALES E S. ROSA
EDELSA GRUPO DIDASCALIA
(2000)
R$ 25,00



VOCÊ É INSUBSTITUÍVEL
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2002)
R$ 6,00



ÚLTIMO ROUND (TOMO II)
JULIO CORTÁZAR
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2008)
R$ 25,00



SOLIDÃO - JOSÉ MARIA MAYRINK (PSICOLOGIA/SOCIOLOGIA)
JOSÉ MARIA MAYRINK
EMW EDITORES
(1983)
R$ 10,00



O ZAHIR - PAULO COELHO
PAULO COELHO
ROCCO
(2005)
R$ 10,00



A CIENTISTA QUE CUROU SEU PRÓPRIO CÉREBRO
TAYLO. JILL BOLTE
EDIOURO
(2008)
R$ 20,00



CINCO MINUTOS E A VIUVINHA
JOSÉ DE ALENCAR
CIRANDA CULTURAL
(2016)
R$ 7,00



RITOS MÁGICOS E OCULTOS
IDRIES SHAH
PLANETA/TRÊS
(1973)
R$ 33,00
+ frete grátis



FRANCISCO E OS PÁSSAROS
ANA VIEIRA PEREIRA
BOOKS AND WRITERS
(2016)
R$ 7,00



IMPÉRIO
GORE VIDAL
ROCCO
(1989)
R$ 26,60





busca | avançada
26563 visitas/dia
586 mil/mês