O prazer da literatura em perigo | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
31576 visitas/dia
586 mil/mês
Mais Recentes
>>> Cia de Danças de Diadema apresenta-se na CAIXA Cultural Rio de Janeiro
>>> Confraria do Vinil chega ao Cachaça Social Club na Lapa
>>> Windsor Marapendi apresenta Companhia Estadual de Jazz
>>> CarnaRock KISS FOR KIDS
>>> Para compreender a filosofia de Schopenhauer
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Imprimam - e repensem - suas fotografias
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Longa vida à fotografia
>>> Oswald de Andrade e o
>>> Nuvem Negra*
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> Vocês, que não os verei mais
>>> Em nome dos filhos
>>> O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope'
>>> Píramo e Tisbe
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Fotógrafa da Amazônia é destaque na Europa
>>> Matiz carmim (série: Sonetos)
>>> Gente que corre
>>> Inventário de provas
>>> Escrever, escrever, escrever...
>>> Políticos e suas politicas
>>> Marceneiro
>>> Hércules e seu doutorado sanduíche com Aristóteles
>>> Caminhos
>>> Eroti(cidade)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Allegremente
>>> Reflexões a respeito de uma poça d´água
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Há vida inteligente fora da internet?
>>> As melhores capas de 2008
>>> Por uma lógica no estudo da ortografia
>>> Píramo e Tisbe
>>> A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte
>>> A vida se elabora no Ano Novo
>>> Pais e filhos, maridos e esposas II
Mais Recentes
>>> O ingles sem auxílio do professor - vol.2
>>> Amazônia Reino da Fantasia
>>> É fácil matar
>>> Assassinato na casa do pastor - Miss Marple
>>> Por que não pediram a Evans?
>>> Ouse Dançar com Deus
>>> Exposição sintética da Filosofia Teosófica- a Sabedoria Antiga
>>> 20 Poemas de Amor e uma canção desesperada
>>> Cartas de Amor a LIlja Brik
>>> A droga da obediência
>>> A droga do amor
>>> Anjo da morte
>>> Anjo da morte
>>> Robin Hood
>>> A marca de uma lágrima
>>> Rick e a girafa
>>> Julinho, o sapo
>>> Como se fosse dinheiro
>>> O homem que sabia javanês
>>> O reizinho mandão
>>> O catador de papel II
>>> O código polinômio
>>> História de sinais
>>> Judy Moody Salva o Mundo!
>>> História econômica Agricultura, indústria e populações
>>> A Questão Pneumatológica em Yves Marie-Joseph Congar- O Espírito e o Verbo- As duas Mãos do Pai
>>> A testemunha ocular do crime
>>> Morte na Mesopotâmia
>>> O mistério do trem azul
>>> Spharion
>>> Os crimes A B C
>>> Uma Exposição das Sete Eras da Igreja
>>> Vovó tem Alzha... o quê?
>>> Física - Volume Único - Curso Completo
>>> A menina que roubava livros
>>> Sonhos de Volúpia
>>> Ciprestre Triste
>>> CLT - Consolidação das Leis do Trabalho
>>> Autobiografia de um Iogue
>>> Lazarillo de Tormes + Cd - Nível 3 - Colección Leer En Español
>>> O manual da fotografia digital
>>> Gabriela, cravo e canela
>>> O Morro dos Ventos Uivantes
>>> Calendário do Poder
>>> Uma Longa Jornada
>>> O Futuro da Democracia - 7ª Edição Revista e Ampliada
>>> O espírito de empresa
>>> Sucesso sem Stress
>>> O Agente Infiitrado
>>> A arte da seduçaõ
COLUNAS

Terça-feira, 11/8/2009
O prazer da literatura em perigo
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O que leva alguém a amar a literatura? O que leva alguém, mais do que simplesmente ler literatura por amor, a se especializar querendo teorizá-la e ensiná-la? E que problemas isso pode gerar, inclusive colocando a literatura em perigo?

Para o ensaísta Tzvetan Todorov, autor do livro A literatura em perigo (Difel, 2009, 96 págs.), traduzido este ano para o português, a primeira pergunta é fácil de responder: "Porque ela me ajuda a viver. Em lugar de excluir as experiências vividas, ela me faz descobrir mundos que se colocam em continuidade com estas experiências e me permite melhor compreendê-las. Mais densa e mais eloquente que a vida cotidiana, mas não radicalmente diferente, a literatura amplia o nosso universo, incita-nos a imaginar outras maneiras de concebê-lo e organizá-lo. Ela nos proporciona sensações insubstituíveis que fazem o mundo real se tornar mais pleno de sentido e mais belo. Longe de ser um simples entretenimento, uma distração reservada às pessoas educadas, ela permite que cada um responda à sua vocação de ser humano".

Talvez esta seja a relação mais fecunda que alguém possa vir a ter com a literatura. Mas não é a única, já que cacarecos diversos vão se aderindo ao universo do prazer da leitura e sua consequente ampliação da sensibilidade humana. E esses cacarecos é que são o problema e o tema discutido pelo livro de Todorov.

Na orelha do livro, escrita pelo historiador da arte Jorge Coli, aparece o diagnóstico da problemática levantada por Todorov ao longo do seu texto. A partir dos anos 60, correntes teóricas literárias formalistas, estruturalistas e/ou sociólogo-marxistas fizeram com que o prazer da literatura fosse substituído pelo prazer da engenhosidade analítica. A teoria triunfou sobre o prazer. A literatura poderia existir (como na República de Platão), desde que submetida aos procedimentos cirúrgicos invasivos da racionalidade teórica que não só a compreenderiam, dissecando-a, mas controlariam seus efeitos sobre os leitores. Ulisses amarrado ao mastro para não sucumbir ao encanto perigoso do canto das Sereias.

A consequência mais imediata dessa tragédia é que nas escolas e universidades ensina-se e discute-se mais o que os críticos pensam das obras literárias do que o que as obras comunicam por si mesmas. Todorov levanta questões relativas aos rumos que o ensino de literatura tomou: devemos estudar, em primeiro lugar, os métodos de análise, ilustrados com as diversas obras, ou estudarmos obras consideradas como essenciais?

Nesse questionamento há uma crítica ao valor excessivo que a teoria tomou no mundo das letras e no mundo acadêmico: "Todos esses objetos de conhecimento são construções abstratas, conceitos forjados pela análise literária, a fim de abordar as obras; nenhuma diz respeito ao que falam as obras em si, seu sentido, o mundo que evocam".

A arrogância teórica é o alvo de Todorov. Por isso, ele vaticina: "Nós ― especialistas, críticos literários, professores ― não somos, na maior parte do tempo, mais do que anões sentados em ombros de gigantes". Pois, continua o ensaísta, "Rosseau, Stendhal e Proust permanecerão familiares aos leitores, muito tempo depois de terem sido esquecidos os nomes dos teóricos atuais ou suas construções conceituais". E, finalmente, conclui: "há mesmo evidências de falta de humildade no fato de ensinarmos nossas próprias teorias acerca da obra em vez de abordar a própria obra em si mesma".

Uma boa paulada na cabeça desses castrati que se arrogam o poder de conhecedores da arte quando na verdade mal fruíram o objeto, mal foram contaminados pela sua corrente sensual interna, sua riqueza irracional e abismal. Claro, psicanaliticamente falando, criamos uma cultura cartesiana-defensiva que teme a paixão e usa a teoria como forma de defesa contra os sentimentos perigosos produzidos pela literatura.

No livro A eloquência dos Símbolos, Edgar Wind afirma que "Platão sacrifica os direitos do artista às exigências da sociedade, quando pretende que o legislador force o artista por meio da ameaça de expulsão da cidade a representar os temas que promovam a admiração dos feitos heroicos e o desejo de imitá-los, e a empregar somente os meios de expressão que revigorem a alma e não a façam adormecer, desejando assim eliminar de Homero e Hesíodo todas as passagens que possam pôr em perigo a adequada educação dos moços".

Ora, a teoria agora substituiu o totalitarismo da República de Platão, que não suportava as liberdades imaginativas da poesia. O que a teoria faz é negar o prazer do texto, dizendo que ele é algo impuro, subjetivo, do reino das trevas (em oposição ao racionalismo iluminador e esclarecedor da teoria). Teoria: o prazer cognitivo substitui o prazer estético, ler a receita substitui o prazer de saborear o bolo, passar os olhos pelo guia turístico substitui o prazer da viagem, a masturbação substitui o ato sexual.

Não se trata de simplesmente massacrar a teoria, mas de colocá-la no seu devido lugar. O estudo dos meios de acesso às obras não pode substituir o sentido da obra, que é o fim. Conhecer as teorias literárias (de que natureza sejam, sociológicas ou estruturalistas etc.) não pode, portanto, ser um fim em si mesmo, "sem falar que dificilmente poderá ter como consequência o amor pela literatura", avisa Todorov.

A autonomia da arte gerou também a autonomia do prazer gerado pela arte ― o gozo desinteressado ou estético, como anotava Kant (não se ama mais o Cristo de Velásquez por razões religiosas, mas pela paixão estética que ele nos causa).

Como afirma Todorov, a partir do século XVIII a arte passa a encarnar tanto a liberdade do criador quanto a sua soberania, sua autossuficiência e sua transcendência em relação ao mundo. "Cada um dos movimentos consolida o outro: a beleza se define como aquilo que, no plano funcional, não tem fim prático, e também como o que, no plano estrutural, é organizado com o rigor de um cosmo. A ausência de finalidade externa é, de algum modo, compensada pela densidade das finalidades internas, ou seja, pelas relações entre as partes e os elementos da obra. Graças à arte, o ser humano pode atingir o absoluto".

Os românticos sabiam que a arte é conhecimento do mundo por outras vias que não as da razão e do empirismo (como nas ciências). O que faz de Shakespeare um grande dramaturgo é o fato de ele possuir uma visão profunda sobre a essência do homem. O conhecimento que ele nos transmite, no entanto, não vem de forma explicativa, mas como efeito de sua arte sobre nós.

A função da arte (se é que ela tem função), diz Todorov, é nos educar para descobrirmos facetas ignoradas dos objetos e dos seres que nos cercam. Turner não inventou o fog londrino, mas foi o primeiro a percebê-lo e tê-lo mostrado em seus quadros ― de algum modo ele nos abriu os olhos.

Para Todorov "o objetivo da literatura é a própria condição humana, aquele que a lê e a compreende se tornará não um especialista em análise literária, mas um conhecedor do ser humano. E ter como professores Shakespeare, Dostoiévski e Proust não é tirar proveito de um ensino excepcional?".

Como dizia Malevitch, devemos considerar a pintura como uma ação que tem seus objetivos próprios. Isso serve para todas as artes, e conhecer esses "objetivos próprios" só é possível ouvindo a própria obra dizer o que eles são, da forma que ela mesma sabe e quer dizer. É preciso, então, naufragar no reino da Sereias encantadoras.

E como nos ensinou Giambattista Vico, além da linguagem racional existe outra, que também produz conhecimento sobre o mundo, ela é a linguagem poética, com sua razão própria.

Todorov termina seu livro com uma pergunta e uma resposta: "O que devemos fazer para desdobrar o sentido de uma obra e revelar o pensamento do artista? Todos os 'métodos' são bons, desde que continuem a ser meios, em vez de se tornarem fins em si mesmos".

Afinal, para quem ama a literatura ou qualquer arte, o fim é a própria obra em si e a liberdade que ela nos transmite. Como anotou Starobinsky em A Invenção da Liberdade, "a obra de arte é o ato por excelência da consciência livre".

Nota do Editor
Leia também "A literatura em perigo".

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/8/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes
02. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
03. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
04. Oswald de Andrade e o de Celso A. Uequed Pitol
05. Em defesa da arte urbana nos muros de Fabio Gomes


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2009
01. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
02. Michael Jackson: a lenda viva - 13/1/2009
03. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles - 24/11/2009
04. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? - 1/9/2009
05. A eterna Sagração da Primavera, de Stravinsky - 24/3/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/8/2009
18h35min
A literatura é uma oportunidade de você dizer verdades como se ficção fosse. É um momento em que possamos trabalhar a cultura, o preconceito, a visão popular e dar a ela outros sentidos. Na literatura você inverte o olhar e os pensamentos.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ANTIGO EVANGELHO
J. I. PACKER
FIEL
(1986)
R$ 10,00



TURMINHA DA FÉ TIMY E A FÉ
JEAN CARLOS FERREIRA
VALE DAS LETRAS
R$ 5,00



TEATRO DE LABICHE (TEATRO FRANCÊS)
LABICHE
LIVRARIA CIVILIZAÇÃO
(1968)
R$ 35,00



DOMINGOS DE GUSMÃO - O EVANGELHO VIVO
FREI FELICISSIMO MARTINEZ DIAZ
CIDAL
(1987)
R$ 31,40



GABRIELA EM CORDEL
MANOEL D ALMEIDA FILHO
LUZEIRO LTDA
(2016)
R$ 18,00



HISTÓRIA DA ETERNIDADE
JORGE LUIS BORGES
GLOBO
(2001)
R$ 35,00



PEDAÇO DO MEU CORAÇÃO
PETER ROBINSON
RECORD
(2008)
R$ 16,00



O MARANHÃO NA POESIA POPULAR
FELIX AIRES
SIOGE
(1977)
R$ 10,00



DIÁLOGOS NOTURNOS EM JERUSALÉM-SOBRE O RISCO DA FÉ
CARDEAL CARLO M. MARTINI GEORG SPORSCHILL
PAULUS
(2008)
R$ 9,50



MARVEL MILLENNIUM HOMEM-ARANHA PODER E RESPONSABILIDADE
BILL JEMAS, BRIAN MICHAEL BENDIS E MARK BAGLEY
PANINI
(2016)
R$ 30,50





busca | avançada
31576 visitas/dia
586 mil/mês