A alma boa de Setsuan e a bondade | Milena Carasso | Digestivo Cultural

busca | avançada
33839 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Boituva recebe cantor Jean William e grupo Jazz Trio em apresentação gratuita
>>> Exibição do documentário "ECO - Cantos da Terra" no Lab Mundo Pensante
>>> Sesc Birigui apresenta por+vir e A Mão do Meio - sinfonia lúdica com a Cia de Danças de Diadem
>>> "Orfãos de São Paulo" é tema de evento com entrada franca
>>> Sesc Ipiranga recebe Cris Narchi
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
>>> Lugar comum
>>> Chaleira
>>> O que sei do tempo III
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Arena sangrenta
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Literatura pop: um gênero que não existe
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> Apresentação
>>> The Accidental Billionaires, de Ben Mezrich
>>> Saudades da pintura
Mais Recentes
>>> O Círio perfeito
>>> Gênesis Volume I
>>> A Origem do Universo
>>> Restaurando o lugar da Habitação de Deus
>>> Estudo Vida de Gênesis Volume dois
>>> A Ligação
>>> Cahiers du Brésil contemporain Nº75/76
>>> A aventura grega
>>> História da guerra do Paraguai
>>> Fazer e Compreender
>>> Historia de Egipto
>>> A guerra do Peloponeso
>>> Travessias dificeis
>>> História da América Latina - Vol.1 América Latina Colonial
>>> Pobre Nação
>>> O império imóvel ou o choque dos mundos
>>> Lendas e Tradições
>>> Guerreiros e Camponeses
>>> Evolução agrária e pressão demográfica
>>> Nugae - teoría de la traducción
>>> Passagens da antiguidade ao feudalismo
>>> Nazismo: política, cultura e holocausto
>>> O templo da Aurora - Volume 3
>>> Getulio Vargas (coleção Perfis brasileiros)
>>> Bairros rurais paulistas
>>> Breve história de Africa
>>> O hino homérico a Apolo
>>> Israel At The Pools - The Knesset Elections of 1977
>>> The Teaching of politics
>>> A Cidade Antiga
>>> O Médico e o Monstro
>>> Código Brasileiro de Defesa do Consumidor - Comentado Pelos Autores do Anteprojeto
>>> Fundamentos de Direito da Seguridade Social
>>> A Luz da Ioga
>>> Direito Constitucional
>>> O Retrato de Dorian Gray
>>> Lei Orgânica Do Município De São Paulo
>>> Constituição Do Estado De São Paulo
>>> Dos Crimes Contra os Costumes Aos Crimes Contra a Administração
>>> A. w. pink ( Deus é soberano )
>>> O Tempo dos Assassinos- Um Estudo sobre Rimbaud
>>> Pierre Teilhard de Chardin
>>> Legislação Penal Especial - Fundamentos Jurídicos
>>> A Defesa Dos Interesses Difusos em Juízo
>>> Yoga Para o Corpo, a Respiração e a Mente
>>> As Mais Belas Técnicas de Reiki
>>> Manual de Petições Cíveis - Criminais - Trabalhistas
>>> A Arte Da Estratégia
>>> Perguntas e Respostas de Direito Penal
>>> Os Pensadores - Hume
COLUNAS

Terça-feira, 30/3/2010
A alma boa de Setsuan e a bondade
Milena Carasso

+ de 11200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A alma boa de Setsuan trata-se de um texto de Brecht escrito nos anos 40 e que agora toma lugar em uma montagem de Marco Antônio Braz, em temporada popular, no Teatro Tuca.

O enredo começa quando os deuses vêm à Terra a fim de encontrar uma alma boa. Acreditam eles que no nosso mundo isto está tornando-se cada vez mais raro, o que é, logicamente (?), preocupante.

Na montagem em questão os deuses são apresentados de forma cômica e descompromissada de uma figura religiosa no sentido institucional.

Ao chegarem à província de Setsuan, procuram um lugar para pernoitar e não encontram, a princípio, ninguém que os acolha, confirmando suas suspeitas iniciais de que os homens tornaram-se egoístas e incapazes de dividir. Já quase desistindo, porém, deparam-se com Chen Tê, a prostituta da cidade, que lhes dá um lugar para dormir deixando assim, para isto, de atender a um cliente. Convencidos de que se trata este de um inquestionável e incomum caso de generosidade desinteressada, os deuses oferecem à moça uma alta quantia em dinheiro. Feliz com seu prêmio, Chen Tê deixa de ser prostituta e abre uma tabacaria, no intento de mudar de vida.

Aí começam os conflitos. O povo da cidade, antes acostumado a vê-la como uma mulher pouco digna de respeito, agora quer sua ajuda. Vendo que ela se encontra numa situação diferenciada, em que está provida de uma série de recursos, vão até ela pedindo abrigo, comida, favores. A índole boa de Chen Tê a impede de negar. Sempre disponível, ela atende a todos que a solicitam, metendo, assim, em palavras simples, os pés pelas mãos.

Numa situação limite, decide então compor uma persona falsa. Inventa um primo, veste-se de homem, engrossa a voz, e reveza-se entre este personagem e ela mesma. Como o primo Chui Tá, a ex-prostituta consegue, disfarçada, ter a dureza que em sua forma tradicional é incapaz de demonstrar. Nega, exige direitos, e, em último caso, torna-se mesmo antiética e revela capacidade para os atos maus.

A partir daí a peça se desenrola com muitas situações e uma evolução interessante, incluindo um elemento literário precioso, o amor. Entretanto, este motivo inicial é já suficiente para levantar uma reflexão que requer tempo e, por que não, coragem.

A questão ética que o belíssimo texto de Brecht levanta é a da bondade e generosidade, não em seu aspecto mais óbvio e clichê, mas sim discutindo a liberdade que se tem ou não em ser bom e generoso e a viabilidade destas virtudes no mundo real e moderno. Será possível ser bom num mundo em que se passa fome? E, acima de tudo, qual é o tamanho da fome que justifica cruzar o limite da ética? A resposta pretendida por Brecht, ao que parece, é positiva, mas não ingênua.

A generosidade, embora um valor indiscutivelmente louvável, deve ser acrescida de firmeza. Sim, a gentileza deve ser firme para que possa sustentar-se e, em ação, promover produtos e não perdas.

Aquele que é gentil e que compromete assim sua própria integridade, acaba por desistir da bondade ou perder sua capacidade material e psicológica de exercê-la. Dando tudo e ficando, consequentemente, desprovido de recursos, o gentil torna-se inútil até para si mesmo, além de promover a manutenção perversa das relações de ingratidão e abuso. O que consegue ser gentil, porém firme, pode, no entanto, continuar exercendo generosidade sem que para isso precise dar mais do que tem, ou ainda, o que é importante, do que quer dar.

Falar em alguém bom, ou pior, bonzinho, é quase um desrespeito. A bondade perdeu seu valor social há muito tempo, quando em lugar do gentil passou a ser valorizado o truculento. Aquele que se apresenta socialmente como bom é frequentemente visto como fraco, quando não bobo. A ele não se defere respeito, porque, em detrimento da bondade, prefere-se respeitar o que desperta medo, o que ameaça.

Assim, um empregador, por exemplo, quando conhece sua equipe de trabalho, seus funcionários, terá mais chance de êxito, aparentemente, se demonstrar dureza em vez de docilidade.

A dúvida que fica é: precisa ser assim? Será que não seríamos todos coniventes com isso, no movimento de respeitar quem ameaça e abusar do que oferece, tornando a bondade quase impraticável?

É possível que seja simplesmente uma escolha. De exercício diário e difícil, é verdade, mas exequível e real quando intencionado. O segredo talvez resida em não ter medo de ser gentil e, em consequência, ser abusado. O medo da velha história de estender a mão e ver arrancado o braço. Não será possível estender a mão, firme, sólida, generosa, e, ao mesmo tempo, se necessário for, impor sua necessidade de respeito e a integridade do tal braço, que, neste momento, não pode ser doado?

É provável que o limite seja tênue e que um elemento imponha-se no caminho; o narcisismo do bom. É comum que aquele que faz bondades não possa aceitar ser rejeitado, decepcionar e, assim, quem sabe, despertar ódio e frustração. Mais comum ainda é que esta necessidade de prover ao outro e ser pelo outro visto como um verdadeiro redentor implique em uma falta de capacidade de prover a si mesmo.

A resposta para a pergunta de "o que justifica a falta de ética?" pode ser tudo ou nada. Por isso, pensar diariamente nas escolhas, sobretudo naquelas que concernem às relações, é uma prática de caráter e sabedoria.

Deve haver, acredito, um equilíbrio saudável. O que não parece possível é dar sequência a um estilo de vida, aparentemente o vigente, em que a bondade torna-se rara e desvalorizada, e não seja mais pretensão de ninguém. "O mundo é dos espertos". Será?

Por último, é interessante lembrar que ser bom não consiste em atos grandiloquentes de esforços homéricos. Trata-se apenas, muitas vezes, de disponibilidade. Estar disponível para o outro é já uma ação coerente com o fato de que vivemos num mesmo espaço e tempo.

"Prefiro ser otimista e estar errado a ser pessimista e estar certo."

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado em seu blog, Sobre mentiras e fatos.


Milena Carasso
São Paulo, 30/3/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry
02. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti
03. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
04. O regresso, a última viagem de Rimbaud de Eugenia Zerbini
05. Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Milena Carasso
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/4/2010
03h39min
Todo o texto que apresenta-se muito cômico é bem mais sério do que espera-se, pois por tras do riso da ficção, está o desejo de uma realidade bem diferente de um presente.Encabule isto.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO DESENVOLVER SEU MAGNETISMO PESSOAL
PAUL-CLEMENT JAGOT
PENSAMENTO
R$ 120,00



O MARIDO PERFEITO MORA AO LADO
FELIPE PENA
RECORD
(2010)
R$ 15,00
+ frete grátis



SABERES E INCERTEZAS SOBRE O CURRÍCULO
JOSÉ GIMENO SACRISTÁN
PENSO
(2013)
R$ 90,00



MOVIMENTO & PERCEPÇÃO (VOL. 1, Nº 1), REVISTA DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍ
AUTOR VÁRIOS
CREUPI
(2002)
R$ 7,90



O DIA DO CHACAL
FREDERICK FORSYTH
ABRIL
(1980)
R$ 7,00



MATEMATICA PARA CONCURSOS PUBLICOS E VESTIBULARES
JORGE ALBERTO
DIGERATI
(2000)
R$ 35,00



FUNDAMENTOS CIENTÍFICOS DE TEILHARD DE CHARDIN
LOUIS BARRAL
MORAIS (PORTUGAL)
(1965)
R$ 12,00



OTIMISMO - 1ª EDIÇÃO
DIVALDO P. FRANCO
LEAL
(1983)
R$ 10,00



HORÓSCOPO CHINÊS
MARLENE DEON
ZOHAR
(1991)
R$ 9,00



PROGRAMA DO ESPETÁCULO: ALMAS MORTAS - NICOLAI GOGOL - TBC TEATRO BRASILEIRO DE COMÉDIAS
TBC TEATRO BRASILEIRO DE COMÉDIAS
TBC TEATRO BRASILEIRO DE COMÉDIAS
(1961)
R$ 15,00





busca | avançada
33839 visitas/dia
1,0 milhão/mês