Cinema futuro: projeções | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Futuro do Cinema

Terça-feira, 27/4/2010
Cinema futuro: projeções
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A experiência do cinema em 3D tem causado frisson no público. A mesma vertigem que sentimos, por exemplo, diante de uma cena de Avatar, sentimos nas igrejas que adotaram o barroco como arte. Somos praticamente jogados dentro da cena, convivemos quase que fisicamente com a situação que se desenrola, estamos como que caindo precipício abaixo (em Avatar), como estamos subindo aos céus em nuvens flutuantes, fofas e aéreas, amparados por anjos (numa igreja barroca). Enfim, somos seduzidos a partir da sensorialidade. E quem não gosta de ser seduzido?

A ideia da experiência sensorial tem se acentuado no cinema como foi acentuada na arte contemporânea (vide Lygia Clarck, Oiticica, vídeo-arte etc.) e nos brinquedos eróticos vendidos em sex shops (bonecas/bonecos infláveis com calor, cheiro e movimentos produzidos por bateria ― ou seja, quase um corpo humano).

Existe um preconceito no Ocidente que brota das formulações platônico-aristotélicas contra o conhecimento irracional que nasce das experiências sensoriais. Elas são o contraponto ao conhecimento racional/intelectual-ideal. Da mesma forma que a carne-matéria, tida pelo cristianismo como fonte do pecado, foi vista como um desvio do absoluto, qualquer conhecimento sensível é visto pela tradição ocidental como "falso". Basta saber que a Estética, como disciplina, só no século XVIII foi aceita como algo sério, como um campo do conhecimento tal qual a filosofia ou outro sistema de pensamento.

E o novo cinema, principalmente o americano, que apela mais para a forma que para o conteúdo, mais para a sensação do que para o pensamento, acaba sendo visto como alienado, uma espécie de oposição ao cinema europeu intelectual.

Bom, o público médio não sabe nada disso, apenas entra no cinema e se diverte. E, para delírio e ódio dos intelectuais europeus, um filme como Avatar tem produzido mais emoção estética no seu público do que as reflexões profundas que seus intelectuais-cineastas têm fornecido em filmes-cabeça. Mas tudo está em transformação, basta visitar o Cahiers du Cinema e ver que muitos filmes considerados alienados têm sido discutidos à luz de proposições filosóficas por alguns intelectuais, aqueles menos enclausurados em velhas formas de se pensar a arte e as formulações estéticas.

Um filme como Matrix, por exemplo, foi devidamente destrinchado por intelectuais que viram ali uma séria reflexão sobre o mundo governado pelas relações virtuais. Mais profundo que a sociologia do mundo contemporâneo, foi ali que se viu francamente destrinchado o problema da virtualidade da existência. Aliás, o que se produziu de ensaios acadêmicos sobre o filme não é brincadeira.

Essa desconfiança tem seus dias contados. Não se admire se um dia desses dentro do cinema nós pudermos sentir o cheiro da floresta, o cheiro da terra e/ou da mistura de perfume e sexo dos personagens no ato de amor. Ainda mais, o cheiro das ruas de Nova York ou do deserto do Saara, da brisa marinha de uma praia distante ou de conhaque e cigarro num bar esfumaçado que toca jazz em Paris. Universos inalcançáveis que se produzirão artificialmente para os espectadores e dos quais poderemos tirar proveito.

É isso que um filme como Avatar anuncia. E em vez de simplesmente distribuir-se óculos, outros apetrechos serão distribuídos para os frequentadores do cinema que poderão sentir o cheiro, o gosto, a temperatura etc., dos acontecimentos que se desenrolam à sua frente na telona.

Não que aquele cinema meditativo, introspectivo, à maneira de Bergman, deixará de existir, sendo ainda uma forma, entre outras, de se pensar a vida humana e seus terríveis dramas existenciais a partir de uma inteligência particular, intelectual, meditativa.

A tecnologia, por sua rápida transformação a partir do século XX, tem causado pavor em algumas pessoas. Mas tem causado deslumbre na maioria dos usuários que se aproveitam dela para suprir faltas difíceis de se reparar, seja pela dificuldade ou o alto preço do acesso ao conhecimento. A universalização do conhecimento se acelerou. Para quem domina diferentes línguas, então, nem se fala. E mesmo os tradutores virtuais têm se mostrado bastante eficazes quando falta a cultura das línguas. Portanto, a modernidade tecnológica é, sim, uma mão na roda.

Se o cinema incorpora essas qualidades da tecnologia, que seja para bom proveito de todos e não matéria de desconfiança. Uma particularidade no mundo do entretenimento cinematográfico é que nem sempre apenas a alta tecnologia produz grandes filmes. Veja-se sucessos de baixo orçamento como A Bruxa de Blair e Guerra ao Terror (que ganhou o Oscar de Melhor Filme, derrubando o favoritismo de Avatar). Isso, por si, explica a complicada questão que existe na relação entre arte cinematográfica e mercado, entre o desejo dos espectadores e a visão do que será ou não aceito como mercadoria ou forma de comunicação estética.

O novo cinema incorpora transformações que são da ordem do desejo e da subjetividade dos indivíduos, que são produto de interesses capitalistas e que são fruto de particularidades estéticas dos artistas-cineastas. Tudo isso conjugado com os avanços das tecnologias pode auxiliar as transformações não só das proposições sociais como das estéticas.

Nessa geléia-geral, o público vai se mover, escolhendo ou sendo escolhido para esse ou aquele entretenimento. O cinema, como também a fotografia, sempre foi visto com uma certa desconfiança, como não sendo arte, sendo aceito apenas como um ligeiro entretenimento. Um pensamento equivocado e, talvez(?), já superado. E o cinema que incorpora as tecnologias é mais mal visto ainda, julgado apenas como "entretenimento ralo". Como se não houvesse possibilidade de se edificar nenhum pensamento a partir do sobrevoo rasante de uma das aves de Avatar ou a partir da sombria realidade de um Hitchcock.

Se não fosse assim, poderíamos deixar de lado toda a arte romântica e seus símbolos obscuros e elevados, agitados e irracionais (Friedrich, Goethe, Victor Hugo, Delacroix, Beethoven, Schiller), muitas vezes recuperados pelo cinema atual, mas pouco percebidos pelos espectadores mal informados sobre a história da arte e da literatura. A esse respeito relacione-se a pintura romântica de paisagem americana (e as proposições sobre o desejo como algo dominante na natureza humana) que aparece no filme O segredo de Brokeback Montain. Um diálogo fecundo entre duas culturas distantes no tempo, a do passado fecundando a contemporaneidade e vice-versa.

O cinema que vai além do conteúdo, nos proporcionando sensações afetivo-sensoriais, vai ser a marca do novo cinema que se avista.

Caros ocidentais, acomodem-se nas poltronas, pois seus cinco sentidos serão ativados. O resultado disso, pensaremos depois de aprendermos a sentir.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 27/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
02. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
03. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
04. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
05. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


Mais Especial Futuro do Cinema
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/4/2010
20h05min
Penso que o cinema está mudando, mas no ritmo das obsolescências do produto cinematográfico. Faz parte do processo globalizado.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ODISSÉIA
HOMERO
OTTO PIERRE EDITORES
(1980)
R$ 9,99



O POÇO DO VISCONDE
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
R$ 12,00



CONEXÕES COM A HISTÓRIA VOL, 2 - DA COLONIZAÇÃO DA AMÉRICA AO SÉCULO XIX
ALEXANDRE ALVES
MODERNA
(2010)
R$ 7,80



URUPÊS
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1955)
R$ 12,00



ESTADO ATUAL DA TERAPÊUTICA DA LEPRA
LAURO DE SOUZA LIMA
MINIESTERIO EDUCAÇÃO E SAUDE
(1953)
R$ 288,17



EYES OPEN 4 - WORKBOOK
VICKI ANDERSON
CAMBRIDGE
(2015)
R$ 90,00



ESTUDAR - VERBO INTRANSITIVO?
PAULO AFONSO CARUSO RONCA
EDESPLAN
(1996)
R$ 7,90



CHOQUE DE TROPICALISMO - CINEMA E TV
NEWTON CANNITO
NVERSOS
(2013)
R$ 19,00



PENSÃO RISO DA NOITE
JOSÉ CONDÉ
PRODUÇÃO CONJUNTA
(1973)
R$ 10,00



DIÁRIO DE UMA MAE VERDADEIRA
DANIELA BARROS
BB
(2012)
R$ 5,00





busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês