Nas redes do sexo | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
31155 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Urban Arts sedia exposição fotográfica gratuita
>>> Programa musical Reverbera estreia na TV Brasil, Rádio MEC e web nesta sexta (23)
>>> Elian Woidello apresenta show Vinho barato e Cinema Noir no Teatro Álvaro de Carvalho (TAC)
>>> Show de lançamento do Selo Blaxtream reúne grandes nomes do jazz e da música instrumental em SP
>>> Autobiografia de George Sand ganha edição brasileira em volume único
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> A pós-modernidade de Michel Maffesoli
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> O que te move?
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Um trago com os amigos
>>> Caderneta
>>> Alfarrábios
>>> A mulher de Lot
>>> Sem palavras
>>> Objetos de desejo
>>> Matéria prima
>>> Espírito Santo
>>>
>>> Fuga em Si
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ariano Suassuna 80 anos
>>> Joana a Contragosto, Mirisola em queda livre
>>> Aquarela de um Brasil sem cor
>>> Você sabe quem é a Dilma?
>>> Baixarias
>>> Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier
>>> Estômago, com João Miguel
>>> Ao livreiro sem noção
>>> O melhor presente que a Áustria nos deu
>>> Seis meses em 1945
Mais Recentes
>>> A Guerra da Lagosta
>>> Restart - Coração na mão
>>> Isto é Gestalt
>>> Livro - Processo Avaliativo no Ensino Superior (novo)
>>> Algumas perspectivas da Educação Matemática (novo)
>>> Monetary Economics: Policy and Its Theoretical Basis
>>> Esse não é o Caminho, uma conversa sobre drogas para Crianças.
>>> Lugar de Criança é na escola
>>> A Escalada, drogas tire suas dúvidas.
>>> O Andar no Espírito O Andar no Poder
>>> Metafísica da Sensação
>>> Dicionário do Pensamento Social do Século XX
>>> O Resto é Silêncio
>>> Antropologia Filosófica- Ensaio sobre o Homem
>>> Drogas e a Família
>>> Drogas, O universo paralelo
>>> Sitiado Em Lagos
>>> O Equilíbrio do temperamento Através da Música
>>> Cultura no Mercosul: uma política do Discurso
>>> Cristo Cósmico
>>> Coleção Série Princípios
>>> Vidas descoloridas, como Paulo se perdeu para as drogas.
>>> O Livro das Virtudes Uma antologia
>>> A Espiã
>>> Quarta-feira de Cinzas
>>> Cruzando o Paraíso
>>> A poética migrante de Guimarães Rosa
>>> Obra Reunida
>>> Dicionário Latim-Português Português-Latim
>>> Contos Mineiros
>>> Box Coleção História da Vida Privada
>>> Coleção de livros
>>> A Crônica
>>> Zen Budismo e Psicanálise
>>> A Essência do Eneagrama - Manual de Autodescoberta e Teste Definitivo de Personalidade
>>> Guerra e Paz
>>> Depois da Morte
>>> Doze Reis e a Moça do Labirinto do Vento
>>> As Noites Difíceis
>>> Luxo
>>> Fome, Catástrofe Provocada pelo Homem? (Sociologia/Geografia Humana)
>>> Os Irmãos Karamázovi - Fiódor Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> Ana Karênina - Leon Tolstói (Literatura Russa)
>>> Almas Mortas - Nicolai Gogol (Literatura Russa)
>>> Pais e Filhos - Ivan Turgueniev (Literatura Russa)
>>> Os Imortais da Literatura Universal (Biografias) Volume III
>>> Processamento de Dados
>>> Teilhard e a Vocação da Mulher
>>> Falsa Identidade- A Conspiração para Reinventar Jesus
>>> Olha para Mim
COLUNAS

Quarta-feira, 25/8/2010
Nas redes do sexo
Guilherme Pontes Coelho

+ de 10300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O nome dela pode ser Renata. Suponha que formou-se aos 22 anos em secretariado executivo, numa faculdade não muito longe de casa, custeada tanto pelo auxílio dos pais quanto pelo próprio esforço. Ela teve alguns empregos durante o curso. O mais estável deles foi numa agência de eventos, onde ainda estava quando se graduou, que realizava modestas formaturas universitárias (ela foi responsável pela formatura da própria turma), casamentos em áreas pouco abastadas e festas infantis bem aquém da opulência que vemos nas novelas do horário nobre. Sempre teve o que comer, o que vestir, onde estudar, onde dormir. Sempre morou na mesma casa. É a mais velha de duas filhas. Seu pai formou-se contador e era funcionário público (aposentado), e sua mãe costura para fora.

Ela perdeu o emprego. A agência fechou. Ela aceitou o primeiro bico que apareceu. Demonstradora numa feira erótica. Manequim de lingerie. "Vamo lá, você tem o corpo bonito, não quero ir nessa sozinha", disse a ela uma amiga também desempregada. Esta amiga, 14 meses depois da tal feira erótica, passaria num concurso público ― para o qual estudou dez meses com afinco ― e seria transferida para outra cidade. Contato só virtual.

Nada de mais aconteceu durante a feira. Ao contrário do que pensou quando a amiga a convidou para o trabalho, o ambiente lá era dos mais profissionais (o que não a livrou das cantadas baratas, às quais toda mulher está sujeita, seja onde for). Mas, no segundo dia de trabalho, conheceu uma mulher educada, aparentando uns quarenta anos, que lhe elogiou a beleza e lhe deu um cartão de visitas, onde leu Fulana de Tal, caça-talentos, telefone.

Esse encontro tão despretensioso abriria um novo mundo a Renata. Um mundo no qual ela pode bancar a faculdade que faz hoje, fisioterapia; no qual ela pode morar bem, um flat só para ela; no qual ela pode ajudar a família a ter um pouco mais de conforto. Aos 25 anos de idade, Renata é garota de programa e faz aparições na indústria pornô brasileira.

Demorou para que seus pais aceitassem sua atividade profissional (eles não sabem da prostituição). Muitas brigas, muitas conversas. Mas ela deixou claro que é uma atividade temporária. Ela tem para si que o pornô é só uma maneira de "se colocar na vitrine" e poder cobrar mais caro pelos programas.

* * *

A história da nossa personagem Renata poderia ser uma das histórias reais do livro Nas redes do sexo ― Os bastidores do pornô brasileiro, de María Elvíra Díaz-Benítez (Jorge Zahar, 2010, 240 págs). Renata ilustra bem o quanto de clichê e de verdade há na vida de quem ingressa no pornô. Ela quebra o preconceito dos mais retrógrados, aqueles que desclassificam quem trabalha com pornô ― mas que não param de consumir seus filmes ― porque não há nada traumático na vida dela que a tenha feito escolher este "negócio sujo". Infelizmente, o mesmo não se pode dizer dos atores gays, em alguns casos, e, na maioria deles, dos travestis: pessoas que sofrem preconceito de forma cruel, desde dentro de casa.

Renata personifica um comportamento habitual dos performers do pornô: o de que fazer sexo por dinheiro em frente às câmeras é um meio de bancar projetos de vida ― o pornô em si não é um projeto de vida, pelo menos não é para maioria das mulheres. Renata dá exemplo de duas realidades: a de que não é tão fácil viver do pornô no Brasil e a de que a prostituição de luxo é um ramo paralelo rentável e confortável.


Terry Richardson © (http://www.terryrichardson.com/)

Não existia na nossa indústria do entretenimento a figura da porn star. Figuras como Jenna Jameson, Janine Lindemulder, Silvia Saint. São estrelas genuinamente pornôs. Recentemente, tendo por desbravador Alexandre Frota, muitas celebridades decadentes emprestaram sua fama a produções eróticas. Esta "migração", digamos, não diminuiu o desdém hipócrita em relação aos atores e atrizes pornôs, porque as tais celebridades fazem incursões rápidas nesse meio (da mesma forma como almeja Renata), deixando claro que é indigno viver disso, ou mesmo ter uma carreira longeva. Não há, no pornô nacional, atrizes genuinamente pornôs com a longevidade de uma Nina Hartley. Hoje, Mônica Mattos é a atriz pornô brasileira que encarna a porn star nos moldes profissionais como conhecemos noutros países. (Curiosamente, o status de porn star é conferido a mulheres e atores gays. Atores heterossexuais como Rocco Siffredi são exceções.)

* * *

María Elvíra Díaz-Benítez, antropóloga, a autora do Nas redes do sexo, pesquisou durante dois anos a indústria pornô brasileira onde ela é mais forte, São Paulo. Trabalhou com os três tipos principais de filmes eróticos: hétero, gay e travesti. Por meio da observação participante, Díaz-Benítez escreveu um livro esclarecedor. Um estudo antropológico, escrito em linguagem acessível e repleto de notas, sobre como funciona o milionário mundo do sexo audiovisual, desde a hora em que são recrutados novos performers até o momento em que o consumidor final verá o desempenho deles na tela.

Desempenho é a palavra-chave. É o que liga todos os elos da cadeia de produção do pornô. O espectador tem sede de desempenho, os atores e atrizes têm sede de desempenho, assim como os diretores. O filme erótico é a espetacularização do sexo, feita tanto para quem carece de desempenho quanto para quem emula o que vê na tela.

Para ir além






Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 25/8/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes
02. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
03. Mais espetáculo que arte de Guilherme Carvalhal
04. Meu querido aeroporto #sqn de Ana Elisa Ribeiro
05. A selfie e a obsolescência do humano de Marta Barcellos


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/8/2010
07h59min
Essas atividades eróticas, pornográficas, fazem parte de um comércio e de um mercado no qual o objeto da venda e o obejto do desejo do comprador é simplesmente o corpo humano.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
12/6/2012
15h50min
A galera que cresceu aprendendo sexo com vídeo pornô não sabe lidar com uma mulher de verdade na cama. Na vida real mulher não gosta de ser "pegada" nem de "pegar" do jeito que aparece nesse tipo de vídeo. Aí abrem-se as portas do brejo dentro do relacionamento. Pior - o homem também não gosta, só que, se foi assim que aprendeu, demora um tempo para desaprender e aprender a ter uma relação mais quente, bem mais quente e apimentada do que o que se mostra nesses vídeos.
[Leia outros Comentários de Débora Carvalho]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DO CERCO DE LISBOA
JOSÉ SARAMAGO
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 29,00
+ frete grátis



SURFANDO NAS ONDAS ESPIRITUAIS
RON LUCE
VIDA
(1997)
R$ 5,00



SÃO PAULO E O MISTÉRIO DE CRISTO-MESTRES ESPIRITUAIS
CLAUDE TRESMONTANT
AGIR
(1964)
R$ 13,80



PRINCÍPIOS DO DIREITO AMBIENTAL
INGO W SARLET E TIAGO FEENSTERSEIFER
SARAIVA
(2014)
R$ 38,00



PASCAL - OS PENSADORES
COLEÇÃO OS PENSADORES
ABRIL CULTURAL
(1979)
R$ 10,00



BÓRGIA: O PODER E O INCESTO
JODOROWSLY E MANARA
CONRAD
(2010)
R$ 36,00



SONHOS CUBANOS
CRISTINA GARCÍA
RECORD
(1999)
R$ 15,00



POÉSIES ET UN POÈME - STÉPHANE MALLARMÉ
STÉPHANE MALLARMÉ
INSTITUTO PROGRESSO EDITORIAL
(1947)
R$ 17,00



O HOMEM DE TERNO MARROM
AGATHA CHRISTIE
RECORD
(1999)
R$ 11,96



A CULTURA COMO ESPETÁCULO - EDUARDO SUBIRATS
EDUARDO SUBIRATS
NOBEL
(1989)
R$ 18,00





busca | avançada
31155 visitas/dia
1,1 milhão/mês