Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
59227 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Festival difunde filmes de entidades que usam o cinema como ferramenta de inclusão
>>> HBO LATIN AMERICA INAUGURA ESPAÇO INTERATIVO PARA O LANÇAMENTO DA SÉRIE ORIGINAL O HIPNOTIZADOR
>>> Vento em Madeira, Mônica Salmaso e Amilton Godoy fazem duas apresentações em São Paulo
>>> Emmanuel Nassar na Mul.ti.plo Espaço Arte
>>> Faculdade Souza Lima Promove Semana Musical Brasil-França
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Pantanal
>>> Por que a discussão política tem de evoluir
>>> Não olhe para trás (ou melhor, olhe sim)
>>> Fake-Fuck-Fotos do Face
>>> Silêncio
>>> Dando conta de Minas
>>> Em noite de lua azul
>>> O poeta, a pedra e o caminho
>>> O testemunho de Bernanos
>>> George Orwell e o alerta contra o totalitarismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> 16 de Agosto
>>> Elvis 2015
>>> Eugênio Christi
>>> Nosso Primeiro Periscope
>>> Monica Cotrim
>>> Solange Rebuzzi
>>> Aden Leonardo Camargos
>>> Helena Seger
>>> Camila Oliveira Santos
>>> Cassionei Niches Petry
Últimos Posts
>>> DIÁRIO
>>> Lições de vida - Crônica
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> LEITURAS
>>> Muito antes dos ipês
>>> ENSAIO BIORÍTMICO
>>> 101 anos do Grande Cronópio
>>> Quinta Sinfonia de Sibelius
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> PÁGINAS
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quase uma Tragédia Grega
>>> Influências da década de 1980
>>> Da arte opiniática
>>> Replicantes em Gotham City
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> Entrevista com Cronópios
>>> O livro dos códigos
>>> O poeta, a pedra e o caminho
>>> A pintura intempestiva de Egas Francisco
>>> Auto-ajuda e auto-engano
Mais Recentes
>>> A invenção de uma vida
>>> Maigret e il Canne Giallo
>>> Por causa da noite
>>> O morro do suicídio
>>> Corpo de delito
>>> Post-Mortem
>>> Cemitério de indigentes
>>> Restos mortais
>>> MARX
>>> Desumano e degradante
>>> Alerta negro
>>> Perspectivas da Regra de São Bento
>>> A arte do AconselhamentoPsicológico
>>> Curando nossa imagem de Deus
>>> 6 mil em espécie
>>> O macaco de pedra
>>> A lágrima do diabo
>>> A cadeira vazia
>>> Brincando com fogo
>>> Perto de casa
>>> Sangue estranho
>>> Dois assassinatos em minha vida dupla
>>> A lei do cão
>>> Caos total
>>> Um coração frio
>>> O vôo das cegonhas
>>> Alvo virtual + Uma aventura de Georgina Powers
>>> Cidade do prazer
>>> Concreto Protendido
>>> A natureza da psique8/2
>>> Benchmarking
>>> Acabe de vez com o estresse
>>> A Psiquiatria Alternativa
>>> Contabilidade e o NoVo Código Civil de 2002
>>> La Peinture Dans Le Monde de la Préhistoire à nos jours
>>> L'acupuncture Pratique
>>> Brasil Barroco
>>> TCP/IP Internet - Intranet - Extranet Completo acompanha cd-rom do sistema LINUX
>>> Java 1001 dicas de programação c/ cd
>>> Michelangelo and Raphael in the Vatican
>>> Museu Nacional de Belas Artes
>>> Judith &  Martin Miller
>>> Banco Santander 150 anos de história: 1857-2007
>>> Arte in Itália Da Valori Plastici a Corrente Opere dalla Galleria Nazionale dArte Moderna di Roma
>>> Réquiem em Los Angeles
>>> Salazar pisca!
>>> O atiçador de Wittgenstein. História de uma discussão de dez minutos entre dois grandes filósofos
>>> Os deuses malditos
>>> Van Gogh o suicida da sociedade
>>> Psicologia Cognitiva
COLUNAS

Terça-feira, 15/2/2011
Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro
Duanne Ribeiro

+ de 7800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Variando entre o entusiasmo e o desprezo, a polarização em torno de Cisne Negro se deve às diversas camadas em funcionamento no filme. O longa de Darren Aronofsky é um drama contado com elementos do suspense e do terror, assim como é uma releitura de um trabalho clássico (O Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky); possui elementos técnicos de destaque, ao passo em que seu roteiro cai por vezes no clichê. É uma narrativa que se frui pela superfície, com seu potencial de tensão e choque, e uma obra que trata de aspectos fundamentais da arte: a autodestruição como forma de criação, as frações de vida cifradas em símbolos, o (des)equilíbrio entre razão e sentimento.

O original traz a história de uma moça presa em corpo de cisne, só passível de ser libertada pelo amor verdadeiro. No entanto, seu redentor, enganado, se apaixona por outra, e a ela só resta a maldição; sem esperança, se lança ao abismo. Em Cisne Negro, um grupo de dança prepara uma nova montagem do clássico, procurando renová-lo: a atriz principal será tanto rainha cisne preterida quanto seu adversário, o cisne negro aliciador. A protagonista, Nina Sayers, interpretada por Natalie Portman, consegue a vaga de forma inesperada e frágil ― o seu esforço por se manter como estrela emula a precisão de ser notada da personagem de O Lago dos Cisnes, que só será salva se escolhida. Nesse sentido, Nina também se entrega ao precipício, morrendo de fato duas mortes simultâneas: corrói quem era para comportar um outro eu e destrói qualquer eu que haja para se fundir ao personagem.

A premissa é, então, poderosa ― como é que se conciliam dentro de si tendências a priori opostas de uma mesma personalidade? A narrativa de Cisne Negro fornece uma resposta. E é curioso como essa narrativa depende também de condescendência exterior: suas sequências ou personagens são comuns demais no cinema. Nina é a garota retraída, de pouca experiência de vida, que se entregará a excessos e será mais completa no fim. A mãe de Nina é superprotetora e impõe um cotidiano cheio de restrições à filha (a situação é algo absurda, como a de O Jardim Secreto, em que um menino não pode sair de seu quarto por, de acordo com os parentes, ser doente). O diretor do grupo de dança é artístico, sensual, em busca de certo traço de caráter, tentando fazê-lo brotar de sua atriz. Tudo isso soa repetido, mas basta catalogar clichês para esfarelar um filme? Eles não podem servir a seu efeito?

No caso de Cisne Negro, é possível que esses lugares comuns sejam mesmo úteis. Tragédia dramática que se faz como suspense, o filme trabalha com as expectativas que cria. Quando um bastão surge e é logo escondido, sabemos que algo deve ocorrer com ele. Sabemos que há conflito iminente entre mãe e filha, e que há entre o diretor e atriz tensão passional que deve se resolver de algum modo. Sabemos precisamente quando vemos certa bailarina, que ela é a antagonista, o perigo evidente às pretensões de Nina. Lily é a garota descontraída, de muita experiência de vida, que apresentará os excessos à sua amiga. Não é por serem esses traços tão marcados que podemos especular? Suspense de núcleo trágico, seus personagens não são complexos e inesperados, mas simples, nos levando do conhecido à catarse.



A recepção efusiva do filme parece ter posto algumas pessoas em guarda: de escudo e lupa seguiram para o cinema, prontos a desmistificar e a salvar a humanidade da ignorância. Porém, sem a negociação de sentido que o terror, que o suspense, que a tragédia exigem, não existe o envolvimento; e se o espectador não se deixa envolver, perde boa parte do que é a obra de Aronofsky. É uma produção menos para pensar e mais para sentir, e aqui caberia uma nota de crítica impressionista: este crítico não pôde se mexer quando tudo acabou; e já com esse texto em germe checou o público ao redor, para saber se era o único, e não era; e ouviu, no dia seguinte, de gente diversa, o mesmo relato da experiência que teve. O filme funciona, e isso é um fato. Mas além desses efeitos subjetivos, relativos, ele tem valor? Creio que sim, tanto pelo uso da técnica cinematográfica quanto pelo desenvolvimento da premissa.

Personalidade Fragmentada
Logo nas primeiras cenas, as escolhas visuais do diretor indicam a tensão paranoica em que Nina viverá e a fragmentação de sua personalidade. A câmera, aparentemente controlada na mão, a segue trêmula, por trás, como se a perseguisse, como se ela fosse seguida pelo olhar de alguém que desconhecemos. Mas ninguém a segue. Outro recurso provavelmente usado para efeito paralelo é a frequente presença de espelhos nos cenários. Quando Nina está no camarim com as outras bailarinas, por exemplo, ela é retratada apenas pelo seu reflexo ― e não pelo que seria sua imagem "real".

Claro que esse segundo recurso parece de menos valor ― espelhos para representar a dupla personalidade são usados até em Homem-Aranha. Mas quando Aronofsky faz uso deste tipo de atrativo, ele o faz com delicadeza. Os espelhos dão a sugestão de loucura, mas jamais se vê Nina má e Nina boa conversando entre si, uma real e frágil, outra no vidro e feroz. É o caso dos efeitos especiais que simulam a transformação dela em cisne monstruoso ― são poucos trechos, não há vista direta do que seria esse monstro, só o uso sutil. Retorno também à tese anterior: os clichês indicam o caminho. Por tantos usarem espelhos com esse objetivo, nós podemos supor sem demora que aqui ocorra o mesmo.

É dentro dessa estrutura de sugestão que a premissa que destaquei ― o concílio entre faces distintas de uma personalidade ― se desenvolve. O diretor exige da garota que seja menos correta em seus passos, que abandone a técnica. Essa é outra complicação: bailarina feita de técnica e precisão, Nina só pode procurar pela habilidade a se adquirir quando se pede a ela que se deixe levar. Regras aprendidas, regras cheias de lucros, como abandonar as regras? Acresça a isso a pressão para que ela seja, além da personagem, outra pessoa ― sensual na vida como devia ser na atuação. "Quando você quer viver, como você começa, aonde você vai, quem você precisa conhecer?" ― como se tornar outra pessoa? Ou ainda: há em nós outra pessoa que poderia se desenvolver sob as condições acertadas?

A mediação entre razão e sensação, ordem e caos, técnica e inspiração parece ser feita pela loucura. O peso da necessidade de adequação parece gerar a fantasia que adéqua o mundo às histórias que se esperam ― sejam boas ou ruins. No limite, dados os picos alucinatórios a que Nina chega, nada no filme pode ser estimado real sem dúvida. O quanto Nina criou?

Perfeito ao ponto do mórbido
A bailarina se autodestrói no processo de criação de sua personagem. Quando salta à morte como rainha cisne, salta à morte como Nina ― e nesse momento sua atuação é perfeita pelo sentimento, pelo modo como deixou o caos lhe conduzir; e também é perfeita pela técnica, pela reprodução precisa do gesto: havia nela, de fato, o desespero do sonho perdido, que é o cerne de sentido da peça de Tchaikovsky, segundo o próprio filme nos diz quando mostra o ensaio da cena do suicídio.

Este é o último elemento que quero destacar: o drama humano contido no símbolo, poético apenas em O Lago dos Cisnes, é posto à mostra em Cisne Negro. É esta dor e essa perdição que existe no original, mas seríamos capazes de senti-la? Talvez seja este o potencial mais valoroso da produção de Aronofsky: o sugerir que estamos, como Nina, alijados do sentido intenso da arte, que precisa do envolvimento, da aproximação deliberada: para chegar a ele, é necessário deixar que nos transforme.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 15/2/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O romance do 'e se...' de Cassionei Niches Petry
02. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait
03. Isto não é um trote de Marta Barcellos
04. O cinema de Weerasethakul de Guilherme Carvalhal
05. O fim do PT de Julio Daio Borges


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2011
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Frases que soubessem tudo sobre mim - 5/7/2011
04. Ação Afirmativa, Injustiça Insuspeita - 18/1/2011
05. Dexter Versus House - 4/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/2/2011
13h20min
Ontem fui assisti-lo, fiquei arrebatada. Nunca saberemos onde nossas aspirações, inquietações, espírito crítico... nos levarão. Mergulharmos e desbloquearmos por inteiro em um só salto: uma clássica vida poderá nos levar a processos de criação e destruição, deixando apenas alguns objetos e lembranças de quem poderíamos ter sido...
[Leia outros Comentários de Nelita Soares]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS


CAIXA DE MEMÓRIAS
ALBERTO LUIZ GASTÃO E ANA MARIA BAHIANA

De R$ 99,90
Por R$ 49,95
50% off
+ frete grátis



A ÚLTIMA DANÇA DE CHAPLIN
FABIO STASSI

De R$ 39,90
Por R$ 19,95
50% off
+ frete grátis



MINHA ALMA PARA LEVAR
RACHEL VINCENT

De R$ 39,90
Por R$ 19,95
50% off
+ frete grátis



COYUNTURA ACTUAL, LATINOAMERICANA Y MUNDIAL - TENDENCIAS Y MOVIMIENTOS
ELISABETE BORGIANNI E CARLOS MONTAÑO

De R$ 68,00
Por R$ 34,00
50% off
+ frete grátis



MILTON NA AMÉRICA
PETER ACKROYD

De R$ 45,00
Por R$ 22,50
50% off
+ frete grátis



UM PASSARINHO ME CONTOU
BIZ STONE

De R$ 30,00
Por R$ 15,00
50% off
+ frete grátis



REFERENCIAÇÃO - TEORIA E PRÁTICA
MAGALHÃES CAVALCANTE E CALIXTO DE LIMA

De R$ 46,00
Por R$ 23,00
50% off
+ frete grátis



BÍBLIA E TEOLOGIA POLÍTICA
JIMMY SUDARIO CABRAL

De R$ 47,60
Por R$ 23,80
50% off
+ frete grátis



ÊXODO
WILL ADAMS

De R$ 49,00
Por R$ 24,50
50% off
+ frete grátis



O INCONFORMISTA
ALBERTO ABADESSA

De R$ 20,00
Por R$ 10,00
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
59227 visitas/dia
1,5 milhão/mês