A origem da dança | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
48378 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> Ivanhoé
>>> 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2)
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Bibliotecários
>>> Saia curta, liberdade longa.
>>> Quem é o abutre
>>> Viagem aos baixos do Viaduto do Chá
>>> O Velho e Bom Complexo de Inferioridade
>>> Caminhos para a esquerda
Colunistas
Mais Recentes
>>> Copa 2014
>>> Copa 2010
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> Cind Canuto
>>> Skyscraper (1988)
>>> Mauro Henrique
>>> Raízes do Brasil
>>> Festival literário em BH
>>> Suzana Caram
>>> If Looks Could Kill (1985)
>>> Future World (1987)
>>> Edvaldo Pereira Lima
>>> Propaganda, Duel (1985)
Mais Recentes
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> O segundo e-book do Digestivo
>>> Momento cívico
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
Mais Recentes
>>> Sábado, de Ian McEwan
>>> J.M. Coetzee e o romance de formação
>>> Sábado, de Ian McEwan
>>> Dois Idiotas
>>> O homem que enfrentou Ulisses
>>> Eu podia estar matando, podia estar roubando
>>> Eleições Americanas - fatos e versões
>>> O romance espinhoso de Marco Lacerda
>>> O romance espinhoso de Marco Lacerda
>>> O romance espinhoso de Marco Lacerda
COLUNAS

Terça-feira, 14/2/2012
A origem da dança
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 6100 Acessos

No palco, o bailarino estende seu braço para além de qualquer gesto identificado no hábito da vida comum. Ele busca expressar alguma coisa, não sabemos bem o que, algo subjetivo,comunicado pela forma com que seu corpo gira, extendendo-se em posições desnecessárias à existência comum: ele dança. Porque ele precisa dançar para nos levar para essa zona obscura da nossa vida: a sensibilidade?

De uma forma geral, diversos autores, entre eles Miriam G. Mendes, Eliana Caminada, Antonio Faro, Luis Elmerich, Dalal Achaar, atestam que a essência da dança do homem primitivo surgiu de uma necessidade emocional de se expressar, percebendo as forças da natureza, o seu poder misterioso e tendo a vontade de imitar essa força, de possuir essa força. A dança teria, então, um caráter mágico, estando ligada a rituais e cerimônias, aos desdobramentos dos poderes da natureza. Essa concepção a respeito da origem da dança descarta outros componentes que poderiam ser discutidos e que explicariam o sentido do dançar.

No Período Paleolítico, quando o homem primitivo fez pinturas de animais em cavernas como forma mágica de se preparar para possuir aquele animal que iria abater na caça, traria a dança em seu corpo como parte integrante desse ritual de emanação de seus poderes? Talvez esteja aí uma grande questão a ser discutida: como o homem chegou ao desenvolvimento desses movimentos e gestos para, então, se utilizar dessa memória corporal usando-a em rituais?

É evidente que há a questão do desenvolvimento físico, do homem se tornar um bípede e na busca por dominar seu corpo, que traz essa apreensão do desenvolvimento gestual como uma memória corporal que vai se formulando:

Podemos afirmar que na busca evolutiva de libertação do corpo, a dança se instala como culminância de um longo processo. Libertar o corpo e dominá-lo parece ser o destino inexorável do homem. A dança emerge como explicitação desta conquista humana.

Essa discussão acaba por esbarrar em questões levantadas por outros autores, como Miriam G. Mendes, Mônica Dantas, Susanne Langer, que perguntam: até que ponto todo movimento e gesto é considerado dança? Fica claro que não, nem todo gesto é dança, pois o fazer-se da dança é a imaginação, pois todo gesto e movimento para ser considerado dança deve ser imaginado.

O homem primitivo já não possuiria no desenrolar de seu desenvolvimento geral e em específico, no seu pensamento, seu processo criativo, o imaginário, para ter criado posteriormente essa noção de possuir os poderes do mágico?

Vários são os pensadores que se debruçaram sobre esta importante questã: afinal o que levaria o ser humano a criar um universo paralelo à sua própria vida e que denominaria ARTE? O que estaria na origem da criação de determinado gênero artístico (música, dança, literatura, pintura, etc) é tão específico em suas origens quanto nas explicações sobre elas.

O universo de explicações à pergunta "o que levou o homem a dançar?" é grande. Cada historiador da dança, cada esteta, cada dançarino que se queira também pensador da dança, emitiu o resultado de suas reflexões sobre o tema. Em geral tantos são os pensadores quanto diferentes são suas interpretações sobre o tema.

Desde a idéia de Susanne Langer, de que "os primeiros ingredientes da arte são geralmente formas acidentais encontradas no meio ambiente cultural, que exercem atração sobre a imaginação como elementos artísticos usáveis" , passando por Rudolf Laban que diz que o gesto (elemento básico da dança) se origina do sentimento real, onde "de um golpe, como relâmpago, o entendimento torna-se plástico" , até Curt Sachs que, no seu famoso livro A world history the dance, vê que "a dança dos homens é, em seu início, uma agradável reação motora em um padrão ritmico" , as interpretações fornecem amplo material para o debate.

Para que o debate seja implementado com coerência e que as diferenças sejam avaliadas claramente, faz-se necessário chegar-se a uma conclusão necessária sobre o que seja a dança, pois na raiz das interpretações sobre a origem da dança estão expostas também as definições do que seja a dança em si enquanto arte. Quando é que um movimento torna-se arte? São perguntas importantes, pois definem a arte da dança.

Seria a dança, então, como define Camila Wedgewood, na Enciclopédia Britânica, "um fenômeno rítmico de alguma ou todas as partes do corpo para expressar emoções e idéias, segundo um esquema individual ou coletivo?"

Suzanne Langer, no seu livro Sentimento e Forma, questiona esta relevância da função biológica da dança, antes dela ter adquirido o status de arte.

Curt Sachs, por sua vez, definiu a dança como um conjunto organizado de movimentos ritmados do corpo sem nenhum aspecto utilitário, isto é, sem servir para finalidades de trabalho. Considerou-a, também, uma arte básica e prioritária em relação a todas as outras expressões de criatividade humana porque o bailarino usa o próprio corpo para elaborar o produto de sua criação. "Nenhum elemento se interpõe entre o criador e a criação contidos numa só pessoa".

O mesmo Curt Sachs diz que é perdendo seu caráter pragmático, religioso, que a dança foi elevada ao status de drama, ou seja, quando sua estrutura voltou-se para o dramáticoela tornou-se uma preocupação do campo da arte.

Idéia que também pode ser questionada, pois a dança não perdeu absolutamente seu sentido mítico (de revelar modelos exemplares de todos os ritos e atividades humanas significativas, segundo definição de Micea Eliade), agregando elementos rituais que expressam a existência de práticas da comunidade humana (casamento, trabalho, alimentação).

Povos primitivos, pelo que se pode ver através de estudos de antropólogos, arqueólogos e historiadores, procuravam expressar com o movimento e o gesto características rituais através de dramatizações dançantes, sendo esses movimentos comunicadores de seu sentido espiritual e social.

É nesse sentido que partem muitas explicações da origem da dança, cuja ênfase é cultural, ou seja, da dança como elemento organizador do trabalho e da comunidade humana.

Não resta dúvida de que a dança modificou-se, que seu sentido alterou-se dentro da história, mas a pergunta que nos ocupa aqui continua sendo relevante: afinal, o que levou o homem a criar movimentos sem fins utilitários, ou seja, simplesmente dançar?

Como em todas as artes, foi o desejo de se reinventar para além da sua existência puramente biológica, para além da simples organização prática da vida, em busca de uma transcendência que só a arte pode dar.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 14/2/2012

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ivanhoé de Gian Danton
02. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) de Marilia Mota Silva
03. Daumier, um caricaturista contra o poder de Jardel Dias Cavalcanti
04. Buenos Aires: guia de viagem de Gian Danton
05. Um menino à solta na Odisseia de Carla Ceres


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
02. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
03. A origem da dança - 14/2/2012
04. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
05. Ode à Mulher - 20/3/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



>>> Estúdio Móvel destaca a cena do rap com Projota
>>> Ver TV discute o papel da mulher na televisão brasileira
>>> Editora relança livro de poesias em homenagem ao dia Internacional da Mulher
>>> Exposição apresenta arte de Lena Bergstein no MuBE
>>> Malena Russo lança loja virtual
>>> PRAÇA VICTOR CIVITA COMEMORA O DIA INTERNACIONAL DAS MULHERES
* clique para encaminhar

Companhia das Letras
Cortez Editora
Civilização Brasileira
Best Seller
Globo Livros
Arquipélago Editorial
Nova Fronteira
Bertrand Brasil
Intrínseca
Editora Perspectiva
Primavera Editorial
Hedra
José Olympio
Editora Conteúdo
Editora Record
WMF Martins Fontes
LIVROS


PROCURA-SE UM INVENTOR
De R$ 39,00
Por R$ 19,50
Economize R$ 19,50
+ frete grátis



RÉQUIEM
De R$ 35,00
Por R$ 17,50
Economize R$ 17,50
+ frete grátis



O VERÃO E A CIDADE
De R$ 39,90
Por R$ 19,95
Economize R$ 19,95
+ frete grátis



ASA DE SEREIA
De R$ 35,00
Por R$ 17,50
Economize R$ 17,50
+ frete grátis



AFORISMOS SEM JUÍZO
De R$ 25,00
Por R$ 12,50
Economize R$ 12,50
+ frete grátis



CHEGANDO LÁ!
De R$ 19,00
Por R$ 9,50
Economize R$ 9,50
+ frete grátis



JOGO DE PAPÉIS
De R$ 33,00
Por R$ 16,50
Economize R$ 16,50
+ frete grátis



SOBRESCRITOS
De R$ 25,00
Por R$ 12,50
Economize R$ 12,50
+ frete grátis



BRANCA DE NEVE E O CAÇADOR
De R$ 29,90
Por R$ 14,95
Economize R$ 14,95
+ frete grátis



QUEBRANDO REGRAS
De R$ 40,00
Por R$ 20,00
Economize R$ 20,00
+ frete grátis



busca | avançada
48378 visitas/dia
1,4 milhão/mês