A origem da dança | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28300 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> "A Falecida", de Nelson Rodrigues, estreia no Teatro Macunaíma
>>> Orlando Azevedo organiza evento com venda de obras e discussão sobre arte e fotografia
>>> Fotógrafo Marcelo Aniello lança livro fotografia inspirado nas cores de Trancoso
>>> Martie sobe ao palco ao lado do pianista Marcos Nimrichter
>>> Embaixador croata lança livro de poemas no Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Omissão
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Fazendo a coisa certa
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> Lembrança de Plínio Zalewski
>>> Que tal fingir-se de céu?
>>> As crianças do coração do Brasil
>>> Três filmes sobre juventude no novo século
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
Últimos Posts
>>> O santo e el-rei (série: sonetos)
>>> O sonho acabou?
>>> Marola
>>> Quando algo está para acabar, chove. Foi testado.
>>> Tem café?
>>> Ferreira Gullar (1930-2016)
>>> 4 de Dezembro de 2016
>>> Carta aberta ao povo brasileiro
>>> Que bela lição a Colômbia está dando ao mundo
>>> No rastro de Augusto dos Anjos (série: sonetos)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Sobre o show da Madonna
>>> A ideologia que faltava
>>> Preparar Para o Impacto
>>> Risos, maestro!
>>> O soldado absoluto
>>> Meu Marido, de Livia Garcia-Roza
>>> Flores Azuis, de Carola Saavedra
>>> 13 musas da literatura
>>> Palpites e Patentes
Mais Recentes
>>> Os Retratos De Oscar Wilde
>>> Futebol Ao Sol E À Sombra
>>> Prática Das Pequenas Construções - Volume 1
>>> A Condição Humana
>>> A Arte Brasileira Em 25 Quadros (1790-1930)
>>> Geográfica Universal - Jul/1994
>>> Men'sHealth - Jan/2015
>>> Men'sHealth - Nov/2014
>>> Men'sHealth - Dez/2014
>>> Scientific American Brasil 27 - Edição Especial
>>> Dás Um Banho: Roberto Alves o rádio, o futebol e a cidade
>>> Essa História Está Diferente
>>> Scientific American Brasil 8 - Edição especial fronteiras da física
>>> Scientific American Brasil - Edição Especial Física (1)
>>> História das Ideias Políticas
>>> Caim
>>> O Evangelho segundo Jesus Cristo
>>> This will make you smarter
>>> A Universe from nothing
>>> As Relaçoes diplomáticas da Ásia
>>> BRICS - As potências emergentes
>>> História da Sexualidade III - O cuidado de si
>>> A assustadora história do holocausto
>>> História das Crenças e das Ideias Religiosas - parte I: da idade da pedra aos mistérios de elêusis
>>> Microfísica do Poder
>>> A insustentável leveza do ser
>>> Os crimes do amor
>>> A ética protestante e o espirito do capitalismo
>>> A ordem do discurso
>>> Der Antichrist (Deutsch)
>>> Basic writings of Nietzsche
>>> Eu via Satanás cair como um relâmpago
>>> The greatest show on Earth
>>> O macaco e a essência
>>> Os dêmonios de Loudun
>>> Pedaços de um caderno manchado de vinho
>>> Pulp
>>> Delirios Cotidianos
>>> Factótum
>>> Super Interessante - Ago/2012 - Especial
>>> Super Interessante - Out/2010
>>> Super Interessante - Ago/2011
>>> O Elo Perdido: Classe e identidade de classe
>>> Série Reencontro: O Morro Dos Ventos Uivantes
>>> A Mulher V: Moderna, À Moda Antiga
>>> Super Interessante - Mai/2010 - Edição especial
>>> Casamento Blindado
>>> Numa fria
>>> O capitão saiu para o almoço e os marinheiros tomaram conta do navio
>>> Fabulário geral do delírio cotidiano: ereções, ejaculações e exibicionismos - Parte II
COLUNAS

Terça-feira, 14/2/2012
A origem da dança
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 10200 Acessos

No palco, o bailarino estende seu braço para além de qualquer gesto identificado no hábito da vida comum. Ele busca expressar alguma coisa, não sabemos bem o que, algo subjetivo,comunicado pela forma com que seu corpo gira, extendendo-se em posições desnecessárias à existência comum: ele dança. Porque ele precisa dançar para nos levar para essa zona obscura da nossa vida: a sensibilidade?

De uma forma geral, diversos autores, entre eles Miriam G. Mendes, Eliana Caminada, Antonio Faro, Luis Elmerich, Dalal Achaar, atestam que a essência da dança do homem primitivo surgiu de uma necessidade emocional de se expressar, percebendo as forças da natureza, o seu poder misterioso e tendo a vontade de imitar essa força, de possuir essa força. A dança teria, então, um caráter mágico, estando ligada a rituais e cerimônias, aos desdobramentos dos poderes da natureza. Essa concepção a respeito da origem da dança descarta outros componentes que poderiam ser discutidos e que explicariam o sentido do dançar.

No Período Paleolítico, quando o homem primitivo fez pinturas de animais em cavernas como forma mágica de se preparar para possuir aquele animal que iria abater na caça, traria a dança em seu corpo como parte integrante desse ritual de emanação de seus poderes? Talvez esteja aí uma grande questão a ser discutida: como o homem chegou ao desenvolvimento desses movimentos e gestos para, então, se utilizar dessa memória corporal usando-a em rituais?

É evidente que há a questão do desenvolvimento físico, do homem se tornar um bípede e na busca por dominar seu corpo, que traz essa apreensão do desenvolvimento gestual como uma memória corporal que vai se formulando:

Podemos afirmar que na busca evolutiva de libertação do corpo, a dança se instala como culminância de um longo processo. Libertar o corpo e dominá-lo parece ser o destino inexorável do homem. A dança emerge como explicitação desta conquista humana.

Essa discussão acaba por esbarrar em questões levantadas por outros autores, como Miriam G. Mendes, Mônica Dantas, Susanne Langer, que perguntam: até que ponto todo movimento e gesto é considerado dança? Fica claro que não, nem todo gesto é dança, pois o fazer-se da dança é a imaginação, pois todo gesto e movimento para ser considerado dança deve ser imaginado.

O homem primitivo já não possuiria no desenrolar de seu desenvolvimento geral e em específico, no seu pensamento, seu processo criativo, o imaginário, para ter criado posteriormente essa noção de possuir os poderes do mágico?

Vários são os pensadores que se debruçaram sobre esta importante questã: afinal o que levaria o ser humano a criar um universo paralelo à sua própria vida e que denominaria ARTE? O que estaria na origem da criação de determinado gênero artístico (música, dança, literatura, pintura, etc) é tão específico em suas origens quanto nas explicações sobre elas.

O universo de explicações à pergunta "o que levou o homem a dançar?" é grande. Cada historiador da dança, cada esteta, cada dançarino que se queira também pensador da dança, emitiu o resultado de suas reflexões sobre o tema. Em geral tantos são os pensadores quanto diferentes são suas interpretações sobre o tema.

Desde a idéia de Susanne Langer, de que "os primeiros ingredientes da arte são geralmente formas acidentais encontradas no meio ambiente cultural, que exercem atração sobre a imaginação como elementos artísticos usáveis" , passando por Rudolf Laban que diz que o gesto (elemento básico da dança) se origina do sentimento real, onde "de um golpe, como relâmpago, o entendimento torna-se plástico" , até Curt Sachs que, no seu famoso livro A world history the dance, vê que "a dança dos homens é, em seu início, uma agradável reação motora em um padrão ritmico" , as interpretações fornecem amplo material para o debate.

Para que o debate seja implementado com coerência e que as diferenças sejam avaliadas claramente, faz-se necessário chegar-se a uma conclusão necessária sobre o que seja a dança, pois na raiz das interpretações sobre a origem da dança estão expostas também as definições do que seja a dança em si enquanto arte. Quando é que um movimento torna-se arte? São perguntas importantes, pois definem a arte da dança.

Seria a dança, então, como define Camila Wedgewood, na Enciclopédia Britânica, "um fenômeno rítmico de alguma ou todas as partes do corpo para expressar emoções e idéias, segundo um esquema individual ou coletivo?"

Suzanne Langer, no seu livro Sentimento e Forma, questiona esta relevância da função biológica da dança, antes dela ter adquirido o status de arte.

Curt Sachs, por sua vez, definiu a dança como um conjunto organizado de movimentos ritmados do corpo sem nenhum aspecto utilitário, isto é, sem servir para finalidades de trabalho. Considerou-a, também, uma arte básica e prioritária em relação a todas as outras expressões de criatividade humana porque o bailarino usa o próprio corpo para elaborar o produto de sua criação. "Nenhum elemento se interpõe entre o criador e a criação contidos numa só pessoa".

O mesmo Curt Sachs diz que é perdendo seu caráter pragmático, religioso, que a dança foi elevada ao status de drama, ou seja, quando sua estrutura voltou-se para o dramáticoela tornou-se uma preocupação do campo da arte.

Idéia que também pode ser questionada, pois a dança não perdeu absolutamente seu sentido mítico (de revelar modelos exemplares de todos os ritos e atividades humanas significativas, segundo definição de Micea Eliade), agregando elementos rituais que expressam a existência de práticas da comunidade humana (casamento, trabalho, alimentação).

Povos primitivos, pelo que se pode ver através de estudos de antropólogos, arqueólogos e historiadores, procuravam expressar com o movimento e o gesto características rituais através de dramatizações dançantes, sendo esses movimentos comunicadores de seu sentido espiritual e social.

É nesse sentido que partem muitas explicações da origem da dança, cuja ênfase é cultural, ou seja, da dança como elemento organizador do trabalho e da comunidade humana.

Não resta dúvida de que a dança modificou-se, que seu sentido alterou-se dentro da história, mas a pergunta que nos ocupa aqui continua sendo relevante: afinal, o que levou o homem a criar movimentos sem fins utilitários, ou seja, simplesmente dançar?

Como em todas as artes, foi o desejo de se reinventar para além da sua existência puramente biológica, para além da simples organização prática da vida, em busca de uma transcendência que só a arte pode dar.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 14/2/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Encontros (e desencontros) com Daniel Piza de Julio Daio Borges
02. A garganta da reclamação de Eduardo Carvalho


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
02. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CHAVE DO SEGREDO
JERRY E ESTHER HICKS
EDIOURO
(2007)



OS ÚLTIMOS PASSOS DE UM VENCEDOR - ENTRE A VIDA E A MORTE, O JOSÉ...
JOSÉ ROBERTO BURNIER
GLOBO
(2011)



O FUTURO DA HUMANIDADE
J KRISHNAMURTI/ DAVID BOHM
CULTRIX
(1986)



A CONQUISTA DO PARAÍSO + CRISTÓVÃO COLOMBO E SEU LEGADO
KIRKPATRICK SALE
JORGE ZAHAR
(1992)



LIMA BARRETO
CLARA DOS ANJOS
ESCALA
(1999)



A WOMANS WORLD
CLYDE M. NARRAMORE
ZONDERVAN
(1969)
+ frete grátis



CLARO ENIGMA
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
+ frete grátis



OS ANIMAIS VÃO SALVAR A SUA PELE OU MELHOR: O SEU EMPREGO
GILBERTO MIRANDA
LANDSCAPE
(2004)
+ frete grátis



PURSUIT OF EXCELLENCE THE OLYMPIC STORY
THE ASSOCIATED PRESS AND GROLIER
GROLIER ENTERPRISES
(1979)
+ frete grátis



EL TEATRO JESUÍTICO EN EL BRASIL
JOSÉ CARLOS DE MACEDO SOARES
SNT/MEC
(1956)
+ frete grátis





busca | avançada
28300 visitas/dia
957 mil/mês