A origem da dança | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
44135 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> GABRIELZINHO DO IRAJÁ SE APRESENTA NO PAGODE DO ARRUDA & GUINÉ
>>> Caminhos da Reportagem investiga a história da tatuagem nesta quinta (5)
>>> Sesc Campo Limpo estreia projeto Leitores com participação de personalidades literárias e artísticas
>>> Já estão disponíveis 36 livros digitais gratuitos da Unesp
>>> Natália Lage recebe Marcos Veras no Revista do Cinema Brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Submissão, oportuno, mas não perene
>>> Tricordiano, o futebol é cardíaco
>>> Ação Social
>>> Antes que seque
>>> Etapas em combustão
>>> Antonia, de Morena Nascimento
>>> O suicídio na literatura
>>> 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton
>>> E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez
>>> Literatura engajada
Colunistas
Últimos Posts
>>> Temporada 2016 do Mozarteum
>>> Curso de projetos literários
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
Últimos Posts
>>> Improvável amor de São João
>>> O Samba da minha Terra
>>> Mão Inglesa
>>> A eterna valsa dos amantes
>>> Oficina em Belém em abril
>>> Assistindo ao Super-Homem com a Catarina
>>> Pedras que abrem caminhos
>>> -Habemus tocha....
>>> Ratazanas, moscas e abelhas
>>> Cabeça de Boi
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O suicídio na literatura
>>> Um estranho incidente literário
>>> Teste-se a si mesmo
>>> A canção, por Wisnik
>>> Entrevista com Paula Dip
>>> As vidas de Chico Xavier
>>> Ler é entrar num mundo de sonhos e descobertas
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Paradoxos da modernidade
>>> Dooois ou um?
Mais Recentes
>>> A ETERNA PRIVAÇÃO DO ZAGUEIRO ABSOLUTO- as melhores crônicas de futebol, cinema e literatura
>>> GESTALT-TERAPIA- Teorias, Técnicas e Aplicações
>>> Que imagem de Deus é você?- O eneagrama potencializando a espiritualidade
>>> ORTEGA Y GASSET- a aventura da razão
>>> A corte de Portugal no Brasil
>>> O ouro brasileiro e o comércio anglo-português
>>> Rinha de Gatos. Madri 1936
>>> Foi alguma coisa que você comeu?
>>> O recurso
>>> DO PAU BRASIL À ANTROPOFAGIA E ÀS UTOPIAS- Manifestos, teses de concursos e ensaios
>>> MIMESIS-A REPRESENTAÇÃO DA REALIDADE NA LITERATURA OCIDENTAL
>>> ERA DOS EXTREMOS- O breve século XX 1914-1991
>>> DICIONÁRIO ESCOLAR DA LÍNGUA PORTUGUESA- com a nova ortografia
>>> HENRI BERGSON
>>> O SEGREDO LIVRO DA GRATIDÃO
>>> FREUD conflito e cultura- ensaios sobre sua vida, obra e legados
>>> O GRITO PRIMAL- TERAPIA PRIMAL- A CURA DAS NEUROSES
>>> PROFUNDA SIMPLICIDADE- Uma Nova Consciência do Eu Interior
>>> Desembarcando o Sedentarismo
>>> NÃO PERDOE CEDO DEMAIS- estendendo as duas mãos que curam
>>> CURSO ADIANTADO DE FILOSOFIA YOGUE
>>> O DUPLO CHAMAMENTO- O Declínio e a Restauração do Testemunho de Deus
>>> NOVA GRAMÁTICA APLICADA DA LÍNGUA PORTUGUESA uma comunicação interativa
>>> A FILOSOFIA PAGÃ- Do século VI a.C ao século III d.C- Volume 1
>>> A HISTÓRIA DO NASCIMENTO DE MARIA- PROTO EVANGELHO DE TIAGO
>>> O FIM DOS EMPREGOS- O declínio inevitável dos Níveis dos empregosea Redução da Força Global de Trabalho
>>> Marxisme et theorie de la personnalité
>>> REVIVAL
>>> MR MERCEDES
>>> COMO EU ERA ANTES DE VOCE
>>> DE VOLTA AO JOGO
>>> A Louca de Maigret
>>> O Burgomestre de Furnes
>>> Maigret e o Ministro
>>> A Fuga do Sr.Monde
>>> Maigret e o Corpo Sem Cabeça
>>> Mulher no Escuro
>>> Amigos, Amantes, Chocolate
>>> Morte de Um Holandês
>>> Uma Agulha Para o Diabo e Outras Histórias
>>> Unidos Para Sempre
>>> Pedaço do Meu Coração
>>> Anatomia de Um Crime
>>> Prenda-me, Por Favor
>>> O Homem dos Círculos Azuis
>>> Serena
>>> Beco dos Mortos
>>> Getúlio 1882-1930
>>> Revista Realidade
>>> Montenegro - As Aventuras do Marechal Que Fez Uma Revolução nos Céus do Brasil
COLUNAS

Terça-feira, 14/2/2012
A origem da dança
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 9400 Acessos

No palco, o bailarino estende seu braço para além de qualquer gesto identificado no hábito da vida comum. Ele busca expressar alguma coisa, não sabemos bem o que, algo subjetivo,comunicado pela forma com que seu corpo gira, extendendo-se em posições desnecessárias à existência comum: ele dança. Porque ele precisa dançar para nos levar para essa zona obscura da nossa vida: a sensibilidade?

De uma forma geral, diversos autores, entre eles Miriam G. Mendes, Eliana Caminada, Antonio Faro, Luis Elmerich, Dalal Achaar, atestam que a essência da dança do homem primitivo surgiu de uma necessidade emocional de se expressar, percebendo as forças da natureza, o seu poder misterioso e tendo a vontade de imitar essa força, de possuir essa força. A dança teria, então, um caráter mágico, estando ligada a rituais e cerimônias, aos desdobramentos dos poderes da natureza. Essa concepção a respeito da origem da dança descarta outros componentes que poderiam ser discutidos e que explicariam o sentido do dançar.

No Período Paleolítico, quando o homem primitivo fez pinturas de animais em cavernas como forma mágica de se preparar para possuir aquele animal que iria abater na caça, traria a dança em seu corpo como parte integrante desse ritual de emanação de seus poderes? Talvez esteja aí uma grande questão a ser discutida: como o homem chegou ao desenvolvimento desses movimentos e gestos para, então, se utilizar dessa memória corporal usando-a em rituais?

É evidente que há a questão do desenvolvimento físico, do homem se tornar um bípede e na busca por dominar seu corpo, que traz essa apreensão do desenvolvimento gestual como uma memória corporal que vai se formulando:

Podemos afirmar que na busca evolutiva de libertação do corpo, a dança se instala como culminância de um longo processo. Libertar o corpo e dominá-lo parece ser o destino inexorável do homem. A dança emerge como explicitação desta conquista humana.

Essa discussão acaba por esbarrar em questões levantadas por outros autores, como Miriam G. Mendes, Mônica Dantas, Susanne Langer, que perguntam: até que ponto todo movimento e gesto é considerado dança? Fica claro que não, nem todo gesto é dança, pois o fazer-se da dança é a imaginação, pois todo gesto e movimento para ser considerado dança deve ser imaginado.

O homem primitivo já não possuiria no desenrolar de seu desenvolvimento geral e em específico, no seu pensamento, seu processo criativo, o imaginário, para ter criado posteriormente essa noção de possuir os poderes do mágico?

Vários são os pensadores que se debruçaram sobre esta importante questã: afinal o que levaria o ser humano a criar um universo paralelo à sua própria vida e que denominaria ARTE? O que estaria na origem da criação de determinado gênero artístico (música, dança, literatura, pintura, etc) é tão específico em suas origens quanto nas explicações sobre elas.

O universo de explicações à pergunta "o que levou o homem a dançar?" é grande. Cada historiador da dança, cada esteta, cada dançarino que se queira também pensador da dança, emitiu o resultado de suas reflexões sobre o tema. Em geral tantos são os pensadores quanto diferentes são suas interpretações sobre o tema.

Desde a idéia de Susanne Langer, de que "os primeiros ingredientes da arte são geralmente formas acidentais encontradas no meio ambiente cultural, que exercem atração sobre a imaginação como elementos artísticos usáveis" , passando por Rudolf Laban que diz que o gesto (elemento básico da dança) se origina do sentimento real, onde "de um golpe, como relâmpago, o entendimento torna-se plástico" , até Curt Sachs que, no seu famoso livro A world history the dance, vê que "a dança dos homens é, em seu início, uma agradável reação motora em um padrão ritmico" , as interpretações fornecem amplo material para o debate.

Para que o debate seja implementado com coerência e que as diferenças sejam avaliadas claramente, faz-se necessário chegar-se a uma conclusão necessária sobre o que seja a dança, pois na raiz das interpretações sobre a origem da dança estão expostas também as definições do que seja a dança em si enquanto arte. Quando é que um movimento torna-se arte? São perguntas importantes, pois definem a arte da dança.

Seria a dança, então, como define Camila Wedgewood, na Enciclopédia Britânica, "um fenômeno rítmico de alguma ou todas as partes do corpo para expressar emoções e idéias, segundo um esquema individual ou coletivo?"

Suzanne Langer, no seu livro Sentimento e Forma, questiona esta relevância da função biológica da dança, antes dela ter adquirido o status de arte.

Curt Sachs, por sua vez, definiu a dança como um conjunto organizado de movimentos ritmados do corpo sem nenhum aspecto utilitário, isto é, sem servir para finalidades de trabalho. Considerou-a, também, uma arte básica e prioritária em relação a todas as outras expressões de criatividade humana porque o bailarino usa o próprio corpo para elaborar o produto de sua criação. "Nenhum elemento se interpõe entre o criador e a criação contidos numa só pessoa".

O mesmo Curt Sachs diz que é perdendo seu caráter pragmático, religioso, que a dança foi elevada ao status de drama, ou seja, quando sua estrutura voltou-se para o dramáticoela tornou-se uma preocupação do campo da arte.

Idéia que também pode ser questionada, pois a dança não perdeu absolutamente seu sentido mítico (de revelar modelos exemplares de todos os ritos e atividades humanas significativas, segundo definição de Micea Eliade), agregando elementos rituais que expressam a existência de práticas da comunidade humana (casamento, trabalho, alimentação).

Povos primitivos, pelo que se pode ver através de estudos de antropólogos, arqueólogos e historiadores, procuravam expressar com o movimento e o gesto características rituais através de dramatizações dançantes, sendo esses movimentos comunicadores de seu sentido espiritual e social.

É nesse sentido que partem muitas explicações da origem da dança, cuja ênfase é cultural, ou seja, da dança como elemento organizador do trabalho e da comunidade humana.

Não resta dúvida de que a dança modificou-se, que seu sentido alterou-se dentro da história, mas a pergunta que nos ocupa aqui continua sendo relevante: afinal, o que levou o homem a criar movimentos sem fins utilitários, ou seja, simplesmente dançar?

Como em todas as artes, foi o desejo de se reinventar para além da sua existência puramente biológica, para além da simples organização prática da vida, em busca de uma transcendência que só a arte pode dar.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 14/2/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sinédoque São Paulo de Duanne Ribeiro
02. 12 tipos de cliente do revisor de textos de Ana Elisa Ribeiro
03. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
04. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti
05. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
02. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
03. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA
MICHAEL A. HITT, R. DUANE IRELAND & ROBERT E. HOSKISSON
THOMSON
(2003)



TEORIA DO EFEITO ESTÉTICO
MARIA ANTONIETA JORDÃO DE OLIVEIRA BORBA
EDUFF
(2003)



LES MYSTÈRES DE LA CATHÉDRALE DE CHARTRES
LOUIS CHARPENTIER
ROBERT LAFFONT
(1966)



A MULHER MARCADA
HAKAN NESSER
SUMA DE LETRAS
(2007)



PARA UMA NOVA INTERPRETAÇÃO DE PLATÃO
GIOVANNI REALE
EDIÇÕES LOYOLA
(2004)



REVISTA EXAME - 17-02-2016 - EDIÇÃO 1107
DIVERSOS
ABRIL
(2016)



EDUCAÇÃO: UMA ABORDAGEM RACIONAL E EMOTIVA
WILLIAM J. KNAUS
INTERLIVROS
(1976)



EXERCÍCIOS DE SANTO INÁCIO DE LOYOLA
ADAPTADOS E ATUALIZADOS POR PE HAROLDO J.RAHM E DRA NÚBIA MACIEL FRANÇA
LOYOLA
(2007)



CAMPESINATO E ESCRAVIDÃO NO BRASIL - AGRICULTORES LIVRES E POBRES NA CAPITANIA GERAL DE PERNAMBUCO (1700-1817)
GUILLERMO PALACIOS
UNB
(2004)



DELACROIX ESCAPA DAS CHAMAS
EDSON ARAN
RECORD
(2009)





busca | avançada
44135 visitas/dia
1,1 milhão/mês