A origem da dança | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
34566 visitas/dia
921 mil/mês
Mais Recentes
>>> Festival Ópera na Tela traz Raphaël Sikorski para masterclass de canto lírico
>>> Empresa de tecnologia oferece prêmio de R$10.000 para a melhor resolução de case com problema real
>>> Especialistas apresentam a relação entre tradução e edição
>>> Com direção de Vivien Buckup, Ney Piacentini estreia solo com contos de Machado de Assis e Guimarães
>>> Teatro do Incêndio comemora 20 anos com nova temporada de O Santo Dialético
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> Breve resenha sobre um livro hediondo
>>> Alice in Chains, por David De Sola
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Afinidade, maestria e demanda
>>> O Quixote de Will Eisner
>>> Era uma vez um inverno
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Uma livrada na cara
>>> YouTube, lá vou eu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
Últimos Posts
>>> Último debate dos candidatos à prefeitura na Globo
>>> Olhar perdido
>>> O que está acontecendo com elas ?
>>> Armaduras
>>> Etapas de uma pintura III (movie)
>>> Origâmis
>>> Eleições Municipais e o Efeito DunDum!
>>> Dente-de-leão
>>> MARINHA
>>> O que dizer depois da reunião de orientação
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Trem Fantasma
>>> O Sociólogo Machado de Assis
>>> Os meus conflitos
>>> Obrigado, GV
>>> Ânsia
>>> Eu, hein, Rosa!
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Por que não estudo Literatura
>>> A simplicidade do humano em Pantanal
>>> Iron Maiden no Brasil. De novo
Mais Recentes
>>> Aspectos das Artes Plásticas no Brasil - Mário de Andrade
>>> Baudolino - Umberto Eco
>>> Gargântua e Pantagruel - Françoise Rabelais
>>> Revista JOAQUIM (Exemplares de 1 a 21)
>>> 80 Anos de Poesia
>>> Melhores Poemas de Paulo Leminski
>>> Oscar Wilde (Vidas Literárias)
>>> Goethe (Gigantes da Literatura Universal)
>>> Goethe 1749-1832 (Biografia)
>>> Oswald de Andrade (Biografia)
>>> Oswald de Andrade (Literatura Comentada)
>>> Greta Garbo(Biografia)
>>> Gonçalves Dias (Biografia)
>>> Nijinsky - Romola Nijinsky
>>> As Valkírias
>>> Mário Schenberg: Entre-Vidas (Biografia)
>>> Schiller (Gigantes da Literatura Universal)
>>> Villa-Lobos - Alma sonora do Brasil
>>> A Princesa que Enganou a Morte e Outros Contos
>>> Vá , Vá Ver Como Esses Negros Cultivam A Mandioca
>>> Sumri
>>> O Caneco De Prata
>>> Peste A Bordo
>>> Direito Processual Civil Brasileiro Vol 2
>>> Direito Processual Civil Brasileiro Vol. 3
>>> Fuvest Literatura
>>> Sistemas De Informações Para Tomada De Decisões
>>> Teoria Geral Da Administração
>>> A Ciociara
>>> O Cortiço
>>> De Repente , Nas Profundezas
>>> Revolução Em Mim
>>> Alice No País Das Maravilhas
>>> Office-boy Em Apuros
>>> As Sandálias Do Pescador
>>> A História Da Multiplicação Dos Pães E Dos Peixes
>>> Bobagens. Com
>>> Administração Industrial E Geral
>>> Meninos Sem Pátria
>>> Comércio Internacional E Câmbio
>>> Orientação De Leitura E Abordagem Literária Prosa
>>> O Cortiço
>>> Do Texto Ao Texto Curso Pratico De Leitura E Redação
>>> Literatura Brasileira Das Origens Aos Nossos Dias
>>> Literatura Portuguesa Da Idade Média E Fernando Pessoa
>>> Fugindo De Casa
>>> Direito Das Obrigações
>>> Roteiro Das Falências E Concordatas
>>> Triste Fim De Policarpo Quaresma
>>> O Pequeno Polegar
COLUNAS

Terça-feira, 14/2/2012
A origem da dança
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 10000 Acessos

No palco, o bailarino estende seu braço para além de qualquer gesto identificado no hábito da vida comum. Ele busca expressar alguma coisa, não sabemos bem o que, algo subjetivo,comunicado pela forma com que seu corpo gira, extendendo-se em posições desnecessárias à existência comum: ele dança. Porque ele precisa dançar para nos levar para essa zona obscura da nossa vida: a sensibilidade?

De uma forma geral, diversos autores, entre eles Miriam G. Mendes, Eliana Caminada, Antonio Faro, Luis Elmerich, Dalal Achaar, atestam que a essência da dança do homem primitivo surgiu de uma necessidade emocional de se expressar, percebendo as forças da natureza, o seu poder misterioso e tendo a vontade de imitar essa força, de possuir essa força. A dança teria, então, um caráter mágico, estando ligada a rituais e cerimônias, aos desdobramentos dos poderes da natureza. Essa concepção a respeito da origem da dança descarta outros componentes que poderiam ser discutidos e que explicariam o sentido do dançar.

No Período Paleolítico, quando o homem primitivo fez pinturas de animais em cavernas como forma mágica de se preparar para possuir aquele animal que iria abater na caça, traria a dança em seu corpo como parte integrante desse ritual de emanação de seus poderes? Talvez esteja aí uma grande questão a ser discutida: como o homem chegou ao desenvolvimento desses movimentos e gestos para, então, se utilizar dessa memória corporal usando-a em rituais?

É evidente que há a questão do desenvolvimento físico, do homem se tornar um bípede e na busca por dominar seu corpo, que traz essa apreensão do desenvolvimento gestual como uma memória corporal que vai se formulando:

Podemos afirmar que na busca evolutiva de libertação do corpo, a dança se instala como culminância de um longo processo. Libertar o corpo e dominá-lo parece ser o destino inexorável do homem. A dança emerge como explicitação desta conquista humana.

Essa discussão acaba por esbarrar em questões levantadas por outros autores, como Miriam G. Mendes, Mônica Dantas, Susanne Langer, que perguntam: até que ponto todo movimento e gesto é considerado dança? Fica claro que não, nem todo gesto é dança, pois o fazer-se da dança é a imaginação, pois todo gesto e movimento para ser considerado dança deve ser imaginado.

O homem primitivo já não possuiria no desenrolar de seu desenvolvimento geral e em específico, no seu pensamento, seu processo criativo, o imaginário, para ter criado posteriormente essa noção de possuir os poderes do mágico?

Vários são os pensadores que se debruçaram sobre esta importante questã: afinal o que levaria o ser humano a criar um universo paralelo à sua própria vida e que denominaria ARTE? O que estaria na origem da criação de determinado gênero artístico (música, dança, literatura, pintura, etc) é tão específico em suas origens quanto nas explicações sobre elas.

O universo de explicações à pergunta "o que levou o homem a dançar?" é grande. Cada historiador da dança, cada esteta, cada dançarino que se queira também pensador da dança, emitiu o resultado de suas reflexões sobre o tema. Em geral tantos são os pensadores quanto diferentes são suas interpretações sobre o tema.

Desde a idéia de Susanne Langer, de que "os primeiros ingredientes da arte são geralmente formas acidentais encontradas no meio ambiente cultural, que exercem atração sobre a imaginação como elementos artísticos usáveis" , passando por Rudolf Laban que diz que o gesto (elemento básico da dança) se origina do sentimento real, onde "de um golpe, como relâmpago, o entendimento torna-se plástico" , até Curt Sachs que, no seu famoso livro A world history the dance, vê que "a dança dos homens é, em seu início, uma agradável reação motora em um padrão ritmico" , as interpretações fornecem amplo material para o debate.

Para que o debate seja implementado com coerência e que as diferenças sejam avaliadas claramente, faz-se necessário chegar-se a uma conclusão necessária sobre o que seja a dança, pois na raiz das interpretações sobre a origem da dança estão expostas também as definições do que seja a dança em si enquanto arte. Quando é que um movimento torna-se arte? São perguntas importantes, pois definem a arte da dança.

Seria a dança, então, como define Camila Wedgewood, na Enciclopédia Britânica, "um fenômeno rítmico de alguma ou todas as partes do corpo para expressar emoções e idéias, segundo um esquema individual ou coletivo?"

Suzanne Langer, no seu livro Sentimento e Forma, questiona esta relevância da função biológica da dança, antes dela ter adquirido o status de arte.

Curt Sachs, por sua vez, definiu a dança como um conjunto organizado de movimentos ritmados do corpo sem nenhum aspecto utilitário, isto é, sem servir para finalidades de trabalho. Considerou-a, também, uma arte básica e prioritária em relação a todas as outras expressões de criatividade humana porque o bailarino usa o próprio corpo para elaborar o produto de sua criação. "Nenhum elemento se interpõe entre o criador e a criação contidos numa só pessoa".

O mesmo Curt Sachs diz que é perdendo seu caráter pragmático, religioso, que a dança foi elevada ao status de drama, ou seja, quando sua estrutura voltou-se para o dramáticoela tornou-se uma preocupação do campo da arte.

Idéia que também pode ser questionada, pois a dança não perdeu absolutamente seu sentido mítico (de revelar modelos exemplares de todos os ritos e atividades humanas significativas, segundo definição de Micea Eliade), agregando elementos rituais que expressam a existência de práticas da comunidade humana (casamento, trabalho, alimentação).

Povos primitivos, pelo que se pode ver através de estudos de antropólogos, arqueólogos e historiadores, procuravam expressar com o movimento e o gesto características rituais através de dramatizações dançantes, sendo esses movimentos comunicadores de seu sentido espiritual e social.

É nesse sentido que partem muitas explicações da origem da dança, cuja ênfase é cultural, ou seja, da dança como elemento organizador do trabalho e da comunidade humana.

Não resta dúvida de que a dança modificou-se, que seu sentido alterou-se dentro da história, mas a pergunta que nos ocupa aqui continua sendo relevante: afinal, o que levou o homem a criar movimentos sem fins utilitários, ou seja, simplesmente dançar?

Como em todas as artes, foi o desejo de se reinventar para além da sua existência puramente biológica, para além da simples organização prática da vida, em busca de uma transcendência que só a arte pode dar.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 14/2/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu blogo, tu blogas? de Fabio Gomes
02. Precisa-se de empregada feia. Bem feia. de Yuri Vieira
03. É Tabu, Ninguém Quer Saber de Marilia Mota Silva
04. Seriados made in the USA de Juliana Lima Dehne
05. Curso de gestão atabalhoada do tempo de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
02. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INTRODUÇÃO À ARQUEOLOGIA BRASILEIRA
ANGYONE COSTA
NACIONAL
(1980)



HISTÓRIAS PARA O REI
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1997)



TAO TE KING-O LIVRO QUE REVELA DEUS
LAO TSÉ
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
+ frete grátis



TEATRO CUBANO: MONÓLOGOS TEATRALES CUBANOS (ANTOLOGIA)
FRANCISCO GARZÓN CÉSPEDES (ORG.)
LETRAS CUBANAS
(1989)
+ frete grátis



PETECA Nº 05 - MUITO MAIS QUE UM LIVRO!
VÁRIOS AUTORES
MAGIA DE LER
+ frete grátis



CRISTO PROCLAMADO/O CHÃO DOS PENITENTES - FRANCISCO PEREIRA DA SILVA
FRANCISCO PEREIRA DA SILVA
AGIR
(1975)
+ frete grátis



A MARATONA DA VIDA - UM MANUAL DE SUPERAÇÃO PESSOAL
WILLIAM DOUGLAS
IMPETUS
(2010)
+ frete grátis



ENSINO DE GRAMÁTICA: DESCRIÇÃO E USO
SILVIA RORIGUES VIEIRA & SILVIA FIGUEIREDO BR
CONTEXTO
(2009)
+ frete grátis



COLONOS DO VINHO - ESTUDO SOBRE A SUBORDINAÇÃO DO TRABALHO CAMPONÊS AO CAPITAL
JOSÉ VICENTE TAVARES DOS SANTOS
HUCITEC
(1978)
+ frete grátis



ENTRE A MEMÓRIA E O MERCADO: IDENTIDADE, (RE)SIGNIFICAÇÃO E CULTURA EMPRESARIAL
LEANDRO BOECHAT
GRAMMA
(2016)
+ frete grátis





busca | avançada
34566 visitas/dia
921 mil/mês