A origem da dança | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
32010 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Estação Plural recebe a cantora Maria Alcina nesta sexta (29) na TV Brasil
>>> Mortos Sem Sepultura
>>> Caminhos da Reportagem investiga rotina de mães que criam filhos com microcefalia
>>> Ferreira Gullar reflete sobre a poesia no cotidiano em entrevista ao Estúdio Móvel
>>> Leda Nagle entrevista cantor Zeca Baleiro e ator Adriano Garib no Sem Censura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O que vai ser das minhas fotos?
>>> Dheepan, uma busca por uma nova vida
>>> São Paulo e o medo no cinema
>>> Pokémon Go, você foi pego
>>> Notas confessionais de um angustiado (IV)
>>> A Imagem do Som
>>> A noite do meu bem, de Ruy Castro
>>> Quando (não) li Ana Cristina César
>>> Elon Musk
>>> Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
Últimos Posts
>>> *Sátiros e Ninfas*, etapas da criação (GIF)
>>> Confissões
>>> A Mulher-mais-ou-menos
>>> Pensamento do dia
>>> *Sátiros e Ninfa*, etapas da criação
>>> Atrito amoroso
>>> Reverberações
>>> Preservativo para a inconveniência
>>> Se eterno fosse o amor
>>> A história da canção: entrevista Paulinho Moska
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre o hábito de cutucar o nariz
>>> Por uma arquitetura melhor
>>> As histórias magras de Rubem Fonseca
>>> Mestres do blablablá
>>> You want the moon
>>> O lugar certo
>>> Só a macarronada justifica o casamento
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês
>>> A verdade na Flip
Mais Recentes
>>> A firma
>>> A lista de Schindler
>>> Os vinhedos de Salomão
>>> Teia de segredo
>>> Desvio
>>> A última façanha do Major Pettigrew
>>> Pacto sinistro
>>> Hara- centro vital del hombre
>>> Crimes cruzados
>>> Até que a morte os separe
>>> Receita para a morte
>>> Vida roubada
>>> Emboscada no Forte Bragg
>>> Bíblia sagrada letra gigante Almeida Revista e Atualizada
>>> Bíblia sagrada letra gigante edição com letras vermelhas
>>> Bíblia de Estudo Plenitude
>>> Aonde quer que eu vá
>>> As Crônicas de Nárnia
>>> Jurema das Matas
>>> Hibrida / série Neblina e Escuridão
>>> O Poder dos Gatos na Cura das Doenças - Da Coleção Linguagem do Corpo
>>> Linguagem do Corpo vol. 3 A cura pelo Amor
>>> Linguagem do Corpo Beleza e Saúde Com Encarte Com Mapa do Corpo
>>> Linguagem do Corpo . vol. 1
>>> Quatro
>>> Time Riders
>>> A Queda Dos Cinco
>>> A Menina Que Roubava Livros
>>> Estranha Perfeição
>>> O Teatro Épico
>>> O grotesco
>>> O Dom de Curar
>>> As Parábolas de Jesus
>>> Filosofias em luta
>>> A Visão Celestina- Vivendo a nova consciência espiritual
>>> Procuro meus irmãos-Lectio divina sobre José do Egito
>>> O Teatro Épico
>>> Melodrama - O Cinema de Lágrimas da América Latina
>>> O Melodrama
>>> Uma Anatomia do Drama
>>> Arte Retórica e Arte Poética
>>> Teoria da Tragédia - Schiller
>>> A Tragédia - Estrutura & História
>>> A Origem da Tragédia - Nietzsche
>>> La Tragedia y el Hombre
>>> A Arte Poética
>>> Para Filosofar
>>> Creio na Vida Eterna
>>> Visão Espiritual-um chamado radical para a verdadeira espiritualidade
>>> O Propósito do Pentecostes
COLUNAS

Terça-feira, 14/2/2012
A origem da dança
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 9700 Acessos

No palco, o bailarino estende seu braço para além de qualquer gesto identificado no hábito da vida comum. Ele busca expressar alguma coisa, não sabemos bem o que, algo subjetivo,comunicado pela forma com que seu corpo gira, extendendo-se em posições desnecessárias à existência comum: ele dança. Porque ele precisa dançar para nos levar para essa zona obscura da nossa vida: a sensibilidade?

De uma forma geral, diversos autores, entre eles Miriam G. Mendes, Eliana Caminada, Antonio Faro, Luis Elmerich, Dalal Achaar, atestam que a essência da dança do homem primitivo surgiu de uma necessidade emocional de se expressar, percebendo as forças da natureza, o seu poder misterioso e tendo a vontade de imitar essa força, de possuir essa força. A dança teria, então, um caráter mágico, estando ligada a rituais e cerimônias, aos desdobramentos dos poderes da natureza. Essa concepção a respeito da origem da dança descarta outros componentes que poderiam ser discutidos e que explicariam o sentido do dançar.

No Período Paleolítico, quando o homem primitivo fez pinturas de animais em cavernas como forma mágica de se preparar para possuir aquele animal que iria abater na caça, traria a dança em seu corpo como parte integrante desse ritual de emanação de seus poderes? Talvez esteja aí uma grande questão a ser discutida: como o homem chegou ao desenvolvimento desses movimentos e gestos para, então, se utilizar dessa memória corporal usando-a em rituais?

É evidente que há a questão do desenvolvimento físico, do homem se tornar um bípede e na busca por dominar seu corpo, que traz essa apreensão do desenvolvimento gestual como uma memória corporal que vai se formulando:

Podemos afirmar que na busca evolutiva de libertação do corpo, a dança se instala como culminância de um longo processo. Libertar o corpo e dominá-lo parece ser o destino inexorável do homem. A dança emerge como explicitação desta conquista humana.

Essa discussão acaba por esbarrar em questões levantadas por outros autores, como Miriam G. Mendes, Mônica Dantas, Susanne Langer, que perguntam: até que ponto todo movimento e gesto é considerado dança? Fica claro que não, nem todo gesto é dança, pois o fazer-se da dança é a imaginação, pois todo gesto e movimento para ser considerado dança deve ser imaginado.

O homem primitivo já não possuiria no desenrolar de seu desenvolvimento geral e em específico, no seu pensamento, seu processo criativo, o imaginário, para ter criado posteriormente essa noção de possuir os poderes do mágico?

Vários são os pensadores que se debruçaram sobre esta importante questã: afinal o que levaria o ser humano a criar um universo paralelo à sua própria vida e que denominaria ARTE? O que estaria na origem da criação de determinado gênero artístico (música, dança, literatura, pintura, etc) é tão específico em suas origens quanto nas explicações sobre elas.

O universo de explicações à pergunta "o que levou o homem a dançar?" é grande. Cada historiador da dança, cada esteta, cada dançarino que se queira também pensador da dança, emitiu o resultado de suas reflexões sobre o tema. Em geral tantos são os pensadores quanto diferentes são suas interpretações sobre o tema.

Desde a idéia de Susanne Langer, de que "os primeiros ingredientes da arte são geralmente formas acidentais encontradas no meio ambiente cultural, que exercem atração sobre a imaginação como elementos artísticos usáveis" , passando por Rudolf Laban que diz que o gesto (elemento básico da dança) se origina do sentimento real, onde "de um golpe, como relâmpago, o entendimento torna-se plástico" , até Curt Sachs que, no seu famoso livro A world history the dance, vê que "a dança dos homens é, em seu início, uma agradável reação motora em um padrão ritmico" , as interpretações fornecem amplo material para o debate.

Para que o debate seja implementado com coerência e que as diferenças sejam avaliadas claramente, faz-se necessário chegar-se a uma conclusão necessária sobre o que seja a dança, pois na raiz das interpretações sobre a origem da dança estão expostas também as definições do que seja a dança em si enquanto arte. Quando é que um movimento torna-se arte? São perguntas importantes, pois definem a arte da dança.

Seria a dança, então, como define Camila Wedgewood, na Enciclopédia Britânica, "um fenômeno rítmico de alguma ou todas as partes do corpo para expressar emoções e idéias, segundo um esquema individual ou coletivo?"

Suzanne Langer, no seu livro Sentimento e Forma, questiona esta relevância da função biológica da dança, antes dela ter adquirido o status de arte.

Curt Sachs, por sua vez, definiu a dança como um conjunto organizado de movimentos ritmados do corpo sem nenhum aspecto utilitário, isto é, sem servir para finalidades de trabalho. Considerou-a, também, uma arte básica e prioritária em relação a todas as outras expressões de criatividade humana porque o bailarino usa o próprio corpo para elaborar o produto de sua criação. "Nenhum elemento se interpõe entre o criador e a criação contidos numa só pessoa".

O mesmo Curt Sachs diz que é perdendo seu caráter pragmático, religioso, que a dança foi elevada ao status de drama, ou seja, quando sua estrutura voltou-se para o dramáticoela tornou-se uma preocupação do campo da arte.

Idéia que também pode ser questionada, pois a dança não perdeu absolutamente seu sentido mítico (de revelar modelos exemplares de todos os ritos e atividades humanas significativas, segundo definição de Micea Eliade), agregando elementos rituais que expressam a existência de práticas da comunidade humana (casamento, trabalho, alimentação).

Povos primitivos, pelo que se pode ver através de estudos de antropólogos, arqueólogos e historiadores, procuravam expressar com o movimento e o gesto características rituais através de dramatizações dançantes, sendo esses movimentos comunicadores de seu sentido espiritual e social.

É nesse sentido que partem muitas explicações da origem da dança, cuja ênfase é cultural, ou seja, da dança como elemento organizador do trabalho e da comunidade humana.

Não resta dúvida de que a dança modificou-se, que seu sentido alterou-se dentro da história, mas a pergunta que nos ocupa aqui continua sendo relevante: afinal, o que levou o homem a criar movimentos sem fins utilitários, ou seja, simplesmente dançar?

Como em todas as artes, foi o desejo de se reinventar para além da sua existência puramente biológica, para além da simples organização prática da vida, em busca de uma transcendência que só a arte pode dar.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 14/2/2012


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2012
01. A morte de Sardanapalo de Delacroix - 31/7/2012
02. Roland Barthes e o prazer do texto - 21/8/2012
03. Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional - 6/3/2012
04. A origem da dança - 14/2/2012
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte II) - 31/1/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIVER COM SÃO BENTO AO LONGO DO ANO-INCENTIVOS BENEDITINOS
JOHANNA DOMEK
SUBIACO-MOSTEIRO DE SANTA CRUZ
(2009)



BELAS MENTIRAS
LISA UNGER
ARX
(2006)



A TRAGÉDIA - ESTRUTURA & HISTÓRIA
LIGUA MILITZ DA COSTA E MARIA LUIZA RITZEL REMÉDIOS
ÁTICA
(1988)
+ frete grátis



ESTUDOS DE HISTÓRIA JAGUARIBANA 
CICINATO FEREIRA NETO
PREMIUS
(2003)
+ frete grátis



TEX Nº 248 - DIABOS VERMELHOS 
SERGIO BONELLI
GLOBO
(1990)
+ frete grátis



ADRIENNE MESURAT
JULIEN GREEN
NOVA FRONTEIRA
(1983)
+ frete grátis



VOCÊ ESTÁ OK?- ANÁLISE TRANSACIONAL- GAMES PEOPLE PLAY OS JOGOS DA VIDA
ERIC BERNE
ARTENOVA
(1974)
+ frete grátis



POR QUE FAZER TERAPIA ?
LUIZ CARLOS TEIXEIRA DE FREITAS
ÁGORA
(1985)
+ frete grátis



O MONGE E O EXECUTIVO- UMA HISTÓRIA SOBRE A ESSÊNCIA DA LIDERANÇA
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE
(2004)
+ frete grátis



SOUND MIND, SOUND BODY
DR. KENNETH R. PELLETIER
SIMON SCHUSTER
(1994)
+ frete grátis





busca | avançada
32010 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server