Em tempos de China, falemos de Cuba | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A LPB e o thriller verde-amarelo
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
Mais Recentes
>>> Vista Da Janela de Rosali Michelsohn pela Reflexão
>>> Sem Medo De Ser Feliz de Isabel Losada pela Alaúde (2013)
>>> Socorro, Meu Filho Nao Quer Comer! - Um Guia Pratico Para As Maes de Branca Sister pela Alegro (2004)
>>> Dona Beija Feiticeira do Araxá de Thomas leonardos pela Record (1986)
>>> Cura Pelas Mãos, Ou, A Prática Da Polaridade de Richard Gordon pela Pensamento (1978)
>>> Onde Esta Tereza ? de Zíbia Gasparetto / Lucius pela Vida E Consciencia (2007)
>>> Assombrassustos de Stella Carr pela Pioneia (1973)
>>> Uma Viagem ao Mundo Maravilhoso do Vinho de José Wilson Ciotti / Regina Lúcia Ciotti pela Barbacena (2003)
>>> A. Criança em Desenvolvimento de Helen Bee pela Harbra (1977)
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 17/1/2008
Em tempos de China, falemos de Cuba
Marcelo Spalding
+ de 5500 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Você já ouviu falar de O lado frio do travesseiro (Mundo Editorial, 2006, 296 págs.)? Vamos lá, esforce-se: não leu nada no Estadão, na Folha, n'O Globo? Possivelmente não, e talvez não seja por acaso: O lado frio do travesseiro, romance da espanhola Belén Gopegui, ousa, numa só tacada, questionar o papel da mídia, acusar os Estados Unidos de manter organizações golpistas e assassinas e ainda saudar a permanência do Estado socialista de Cuba, o que não impediu que se tornasse best-seller na Espanha.

Lançado em 2004, o romance vendeu incríveis 18.000 exemplares em apenas dois meses, permanecendo várias semanas na lista dos mais vendidos e provocando debates nas principais cidades espanholas, sempre avalizados pelos meios de comunicação que, segundo a irônica apresentação de Iroel Sánchez, "cometeram o erro de entrevistar, ainda que apenas com perguntas maniqueístas, quem não aceita curvar-se ao discurso dominante".

Mas não pense que a autora saúda Fidel Castro ou Che, louva as conquistas da revolução, o analfabetismo zero, a saúde pública: a grande ousadia de Belén é simplesmente lembrar de Cuba, da pequenina ilha, do seu regime e dos sonhos que ainda agarram-se em suas margens. Em tempos de China pseudo-comunista, de uma China exemplar para o capitalismo e atemorizadora para o grande Tio Sam, a autora assume o papel da personagem mártir Laura Bahia e permite dizer, por exemplo, que Cuba é "a possibilidade de um lugar não submetido à lógica dos benefícios, que sempre traz atrelada a lógica da beneficiência".

A ponta desse iceberg é uma trama simples, entre romântica e policial, em que uma agente secreta da segurança do Estado de Cuba e um agente internacional norte-americano são escolhidos para intermediar determinada operação, supostamente para ajudar a derrubar o regime de Castro, já que os norte-americanos não sabem que Laura, a agente cubana, trabalha para o Estado de Cuba. Em meio aos encontros secretos, apaixonam-se e vivem tórridas noites de amor antes do final surpreendente, trágico, frio:

"Não foi o orgasmo em sua intensidade nem em sua certeza, escafandro de mergulhador, bola de neve arremessada que num momento explode, e os flocos, muito lentamente, se dispersam. Foi logo depois. (...) Laura observava a pele muito branca de Hull, e não queria se mexer. Foi então que começaram a compreender que precisavam um do outro; que se passassem muitos dias sem se ver, os corpos, soltos, perdidos, ficariam à deriva."

Não trata-se, exatamente, de uma história original, tampouco surpreende o arranjo político e todas as suas artimanhas, mesmo reveladas de forma tão cruel, ainda que verossímil. O leitor sabe desde o início que Laura foi morta, mas o leitor precisará entender o porquê, em nome do quê, e sem dúvidas o leitor que não perceber os intertextos políticos da trama fechará o romance sem entender o que representava para Laura aquela operação, aquela ilha, aquela idéia.

Talvez fosse útil ou aconselhável, nesse ponto, que o leitor conhecesse um pouco sobre a história recente de Cuba, especialmente depois da queda da URSS, que seria a financiadora do projeto de Fidel. A pequena ilha, de 11 milhões de habitantes, entrou em grande crise para se estabilizar razoavelmente, em meados da década de 90, a partir de acordos comerciais e certa abertura política, apoiando-se principalmente na ascensão política da China. Dessa forma, os Estados Unidos voltam a olhar para a ilha ― quando sobra tempo, ocupados que estão com o Oriente Médio ― e chega aos noticiários informações de espionagens e execuções sumárias por parte de Fidel, amplamente repudiadas pela grande imprensa, que as classificou como afronta aos Direitos Humanos. E Belén, aliás, não se furta a inserir esse episódio no romance.

Verdade que a literatura contemporânea ou não é muito afeita a romances desse feitio, debruçados na história, ou os transforma em best-sellers pasteurizados como os intermináveis Cabuls, mas houve um tempo, no começo do século XX, especialmente, que os romances debruçavam-se nos fatos reais com naturalidade e seus escritores eram verdadeiros atores do jogo social. No Brasil, Monteiro Lobato talvez seja o exemplo mais célebre, mas Viana Moog com Um rio imita o reno é o caso mais singular: tratando do espinhoso tema do racismo germânico, foi publicado em 1939, no calor da hora, da dramática hora em que uma guerra está ocorrendo. É ao mesmo tempo uma peça de ficção, uma reflexão e uma obra de arte, um romance que enfrenta os riscos de discutir o mundo tal como este se apresenta.

Naturalmente, uma análise da obra, ainda que breve e rasteira, não poderia deixar de abordar os aspectos estéticos, as opções da autora para contar a história de uma e não de outra forma, mas comentar sua escolha é, de certa forma, antecipar seu final, um final de epílogos seqüentes. Talvez O lado frio do travesseiro ficasse mais potente se narrado como Pessach, de Cony (olha outro exemplo de romance debruçado na realidade político-social do seu tempo), em primeira pessoa, ou a partir de um narrador em terceira como o proposto no começo da obra. A mescla de ambas as soluções talvez apenas enrede ainda mais uma trama já complexa e não se justifica nem pela tal polifonia, pois vemos em ambos os momentos a autora, sua ideologia e suas bandeiras. O que muda é que, quando narrando a partir das cartas de Laura, Belén permite-se maior lirismo, talvez excessivo, enquanto o "escritor espanhol classe média" que conta a história da heroína a pedido de um amigo e colega dela é bem mais concreto e atento às conspirações políticas.

Muitos acusariam, e acusarão, O lado frio do travesseiro de panfletário, mesmo com a escrita habilidosa e a trama fluente de Belén. Muitos achariam graça, e acharão, do romantismo ingênuo de Laura Bahia. Muitos desdenhariam a obra, e desdenharam, por considerar o tema fora de moda, inadequado. Ou assunto para páginas de jornais e revistas, não para livros, muito menos para romances literários. Mas talvez seja exatamente pela ideologia, pela ingenuidade romântica e pelo anacronismo do debate que faz-se um romance e não uma grande reportagem ou um vídeo pro YouTube. Mas a idéia de resgatar o romance enquanto meio de comunicação social, enquanto instrumento de luta na arena política, fortalece o texto de Belén e o torna, no mínimo, instigante. Foge do pensamento único ao mesmo tempo em que se apóia no que há de mais clássico no romance europeu e no cinema hollywoodiano, a intriga, o amor, a traição, o crime. Contraditório tal qual sua protagonista, tal qual a ilha, tal qual o homem e seus sistemas políticos. Sejam quais forem.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 17/1/2008

Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2008
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha - 6/3/2008
02. O melhor de Dalton Trevisan - 27/3/2008
03. Nossa classe média é culturalmente pobre - 21/8/2008
04. Cartas a um jovem escritor - 31/1/2008
05. Literatura é coisa para jovem? - 11/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/11/2007
01h25min
bom texto, Marcelo. acho que ninguém discorda que Cuba precisa de democracia. agora, pra que serve, por exemplo, o tal do bloqueio econômico (além de angariar votos dos cubanos da Flórida para os candidatos que o defendem?)? essa medida é uma besteira, como atestam as votações na ONU. na última, apenas EUA, Israel, Palau e uma ilha dessas votaram pelo bloqueio. nem a França de Sarkosy, nem a Arábia Saudita aliada do W. votaram a favor. ridículo.
[Leia outros Comentários de Daniel]
17/1/2008
15h19min
Nunca entendi muito bem o encanto de Cuba, o fascínio que a ilha exerce sobre alguns intelectuais, escritores, essa turma. A não ser a Cuba dos anos quarenta, cinqüenta, ou antes ainda, dos casinos e night-clubs, praias, rumbas e mambos. Alguém já me disse que isso só existiu na cabeça de imperialistas e pequenos burgueses de m. Ok, sem problemas. Mas política cubana... não aguento 5 minutos de um Renan Calheiros, quanto mais as 6 horas de praxe de um discurso de Fidel. De forma que meu interesse por Cuba é quase nulo. Ainda que o livro dessa espanhola seja ótimo (assim como é o texto do Spalding), me parece carta marcada, num jogo que já terminou.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
18/1/2008
10h11min
Me dá revolta no estômago ler essas coisas escritas por gente que precisava ter nascido cubana, ser condenada a jamais sair da ilha. Só aceito ler as maravilhas de Cuba a partir dos cubanos que estão lá e que lá ficaram. Dos demais, para mim não dá para nem considerar. Não sei se considero cretino ou patético, no mínimo hipócrita e desonesto. A ditadura prossegue. O cárcere prossegue. Justificativas prosseguem de gente que não vive e não viverá, muito menos para sempre, lá.
[Leia outros Comentários de Rita Cytryn]
20/1/2008
11h52min
A Ilha, uma pedra no caminho de muitos. Não sei até que ponto a ditadura de Fidel seja justificada, mas que é fascinante ver um pedaço de terra tão pequeno incomodar a tantos é inegável. Não me sinto disposta a ler esse livro, embora seu texto seja bem convincente. Cuba, com sua magia à Las Vegas, antes da revolução, e sua história de resistência-pós Fidel, não deixa de ser encantadora, sem dúvida, um mistério. Mesmo com a China, o Oriente Médio e os países em ascensão Cuba não deixará nunca de ser referência na história da humanidade. Não creio que o tema Cuba seja anacrônico, talvez menos midiático, no momento. Parabéns pelo texto. Um abraço, Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Maçons Livres e Aceitos - Pensando e Trabalhando por um Mundo Melhor
Síntese Maçônica
Desconhecido



Coleção Sapeca 3 Livros O Manto Mágico + O Servo Fiel + Os Brinquedos Animados
Darly Nicolanna Sconaienchi
Oesp



Bandeira do Brasil: Educação e Civismo
Antonio Calandriello
São Jose



Caminhos de libertação
Valentim Lorenzetti
Aliança



Manual de Pronto-Atendimento - Pediatra 24 Horas
Emanuel Sávio Sarinho
Lemos
(2002)



Compêndio de Lectio Divina 2022 - A Responsabilidade - Ninguem me tira a vida, eu a dou livremente
Georges Henri Bonneval
Sementes do verbo
(2022)



Filósofo em 5 Minutos
Gerald Benedict
Best Seller
(2014)



Mente corpo e destino
Katsumi Tokuhisa
Seicho NO IE
(1994)



Qualidade Em Redes de Suprimentos
João Gilberto Mendes dos Reis, Mário Mollo Neto
Atlas
(2015)



Marco Altberg: Muitos Cinemas
Roberta Canuto
Imprensa Oficial do Estado ...
(2010)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês