Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de A L Antunes | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Há um corpo estendido no chão
>>> A Viagem de Klimt
>>> Fazendo Amigos e Influenciando Pessoas
>>> A internet não é nada
>>> Hellbox
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> One Click, a História da Amazon, de Richard L. Brandt
>>> Anos Incríveis
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Filas
Mais Recentes
>>> Mulher Brasileira Em Primeiro Lugar de Ludenbergue Góes pela Ediouro (2007)
>>> O que a Bíblia realmente ensina? de Watch Tower Bible Society Of Pennsylvania pela Watch Tower Bible (2013)
>>> Branca de Neve e o Caçador de Lily Blake pela Novo Conceito (2012)
>>> Matéria dos Sonhos de Johannes Mario Simmel pela Círculo do Livro (1988)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ática (1992)
>>> Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda pela Companhia das Letras (1999)
>>> Para Sempre de Alyson Noël pela Intrínseca (2009)
>>> Como Se Dar Bem Com as Pessoas de M. K. Rustomji pela Summus (1975)
>>> As Mentiras que os Homens Contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> Raiva e Paciência - Ensaios Sobre Literatura Política e Colonialismo de Hans Magnus Enzensberger pela Paz e Terra (1985)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Arqueiro (2012)
>>> Comunicar Para Liderar de Leny Kyrillos e Mílton Jung pela Contexto (2016)
>>> O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brontë pela Círculo do Livro (1994)
>>> O Essencial no Amor: as diferentes faces da experiência amorosa de Catherine Bensaid e Jean-Yves Leloup pela Vozes (2006)
>>> Deus Castiga? de Helena Craveiro pela Petit (1998)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia Roza pela Record (2001)
>>> O Silêncio dos Amantes de Lya Luft pela Record (2008)
>>> História Viva de um Ideal - uma Orquestra uma Família uma Profissão de Hélio Brandão pela Do Autor (1996)
>>> Álbum de Família de Danielle Steel pela Record (1998)
>>> Tragédia o Mal de Todos os Tempos Como Suavizar a Voz Nesses Conflitos de Glorinha Beuttenmüller pela Instituto Montenegro Raman (2009)
>>> Educação corporativa fundamentos e praticas de Ana Paula Freitas Mundim/ Eleonora Jorge Ricardo pela Qualitymark (2004)
>>> Fontes para a educação infantil de Alex Criado pela Cortez (2003)
>>> Uma Mulher Inacabada de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Caim e Abel de Jeffrey Archer pela Difel (1983)
>>> Não enviem orquideas para miss blandish de James Hadley Chase pela Globo Rs (1967)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/8/2004
Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de A L Antunes
Ricardo de Mattos

+ de 6000 Acessos

porque o inferno consiste em lembrarmo-nos a eternidade inteira não é verdade? (Lobo Antunes)

Na entrevista que o historiador e professor Joaquim Romero de Magalhães concedeu à revista Nossa História de Junho de 2.004, perguntou-se-lhe acerca da presença de livros de historiadores portugueses no mercado editorial brasileiro e de brasileiros em Portugal. O entrevistado respondeu jesuiticamente com outras duas perguntas, nas quais revela uma crítica: "Onde é que estão os escritores portugueses no Brasil? E onde estão os escritores brasileiros em Portugal?". Ele não se restringiu à literatura historiográfica em particular, sua interrogação abrangeu a literatura geral. Felizmente, além de Saramago, Eça de Queiroz e Camilo - sem tocar nos nomes dos poetas -, o leitor brasileiro já pode incluir em sua lista António Vieira, Miguel de Sousa Tavares e António Lobo Antunes. Se quiser outros nomes, e fará bem querer, pode procurá-los enquanto ataca as mais de mil páginas resultantes da somatória dos romances d'estes dois últimos, recém lançados no Brasil.

O escritor português António Lobo Antunes (1.942) nasceu em Lisboa, filho primogênito de família com numerosos membros e no seio da qual recebeu amplos e variados estímulos intelectuais. Embora desde cedo desejasse ser escritor, formou-se primeiro em Medicina. Exerceu inicialmente a profissão de médico na então província portuguesa de Angola, já iniciada a guerra pela independência. Conta em entrevista que iniciava suas operações tendo ao lado a um tratado de cirurgia e ao outro um auxiliar apavorado com o sangue. Contanto mantenha suas visitas aos hospitais, sua dedicação definitiva à literatura deu-se a partir de 1.985. Indica como influências a literatura - Faulkner, Hemingway, Scott Fitzgerald, Thomas Wolf - e o cinema norte-americanos, o cinema italiano e autores que o acompanham desde a juventude, como Céline, Sartre, Camus, Malraux, Júlio Verne, Simenon bem como outros que lhe chegaram mais tarde, como os russos Tolstoi e Chekov. Afirma ser a escrita um instrumento a permitir-lhe a fuga e o equilíbrio. Entre seus temas destacam-se a morte, a solidão a frustração e, mormente nos primeiros, a guerra colonial luso-angolana. A burguesia urbana é freqüente nas suas páginas. Já tem escritos os livros: Memória de Elefante, Os Cus de Judas, Conhecimento do Inferno, A Explicação dos Pássaros, Fado Alexandrino, Auto dos Danados, As Naus, Tratado das Paixões da Alma, A Ordem Natural das Coisas, A Morte de Carlos Gardel, Crônicas, Manual dos Inquisidores e O Esplendor de Portugal. A obra Os Cus de Judas já fez parte da lista de livros indicados para o vestibular d'uma universidade paulista. O mais novo romance é Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de 2.003.

Eis um livro peculiar, começando pela forma de escrita escolhida. Formado por um prólogo, três livros com dez capítulos cada um e um epílogo, n'um total de 32 partes. Cada uma d'estas partes é formada por uma só frase. Como o volume possui 565 páginas, cada uma das "frases capítulos" ocupa em torno de dezessete d'elas. A disposição do texto, entretanto, não permite a esta especificidade da pontuação atrapalhar a leitura, que pode ser lenta e pouco objetiva, mas ao final satisfatória e surpreendente. Lendo com atenção, os fatos encaixam-se e o entendimento tem lugar. Nem as citações de diários ou cartas possuem pontuação convencional e são por isso incorporadas ao "texto principal" (página 104, v.g.). Talvez a única coisa a causar maior dificuldade seja o amplo emprego de metáforas e as citações de fatos históricos e referências culturais angolanas. No primeiro caso, a metáfora do "vestido vermelho" aplica-se à comparação feita por uma menina de manchas de sangue com as vestes de sua mãe. O "alvo" pode significar tanto o ponto de mira quanto o português - branco - a ser expulso de Angola ou morto. No segundo caso, a referência ao "soba", termo que no idioma quimbundo significa chefe, pequeno rei. Quando o escritor narra o tratamento destinado ao soba, ao qual se ordenou que se ocupasse da costura para os brancos, pode-se entender duas coisas: ou a humilhação do indivíduo obrigado a ocupar-se de trabalhos desprezados pelos colonizadores - "Ficou mulher também" -, ou a humilhação dos nativos em geral, soberanos em sua terra, mas reduzidos à escravidão pelos estrangeiros. O mesmo diz-se dos "mabecos": ou são os cães selvagens cercando vilas abandonadas atrás de comida, ou são soldados sorrateiros preparando-se para atacar os "alvos". Repare-se por fim, nas constantes repetições de expressões - Esta era a casa -, onomatopéias - Pseps, Cuá Cuá - e perguntas - Ele é preto?; Sua filha não cresce?.

"ignorando que a gente em Angola não chora, nunca teve lágrimas, deixamos isso aos telhados, depois das chuvas, por nós"

Deve-se partir dos princípios de que se não trata da visão portuguesa do conflito, e que a nacionalidade da testemunha em nada influi. Angola é um país de longas batalhas anteriores e posteriores à proclamação da independência, em 1.975. Primeiro lutou-se para decidir quem não mais deveria governar e depois a quem caberia assumir a liderança. A data oficial da luta armada pela sua autonomia é quatro de fevereiro de 1.961, quando a casa de reclusão, um quartel e a Emissora Nacional foram atacados por membros da "União das Populações de Angola" - UPA. Este o partido mais antigo, depois transformado na "Frente Nacional de Libertação de Angola" - FNLA -, partido do qual alguns dissidentes afastaram-se para formar a UNITA. Obtida a independência, iniciou-se a guerra civil tendo, grosso modo, a um lado o Movimento Popular Para Libertação de Angola - MPLA -, partido governante de orientação marxista. Ao outro lado a UNITA, oposição apoiada pela África do Sul e pelos Estados Unidos da América. Até o Brasil esteve envolvido, pois o novo país, além de ter pertencido no século XVII à jurisdição da Bahia, era o principal fornecedor de escravos. O desenvolvimento da guerra interna estendeu-se até meados da década de noventa do século passado e suas conseqüências não serão apuradas tão cedo. O número de minas explosivas é ignorado. Um dado constantemente repetido é a emigração de 400 mil portugueses, o que significou o colapso da economia. Estes são dados históricos, encontráveis em qualquer enciclopédia. Boa Tarde às Coisas Aqui Em Baixo alterna, capítulo a capítulo, o testemunho de membros da população e de representantes governamentais de Lisboa. O primeiro governador, Seabra, equipara-se a um touro destinado a substituir na arena outro já abatido.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 12/8/2004


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




As Melhores Histórias de Reinos
Lidia Chaib
Publifolha
(2000)



Organizaciones Fronterizas Fronteras del Psicoanalisis
Hugo Lerner e Susana Sternbach
Lugar
(2007)



Fundamentos do Treinamento de Força Muscular
Steven J. Fleck, William J. Kraemer
Artmed
(1999)



Homens, Dinheiro e Chocolate
Menna Van Praag; Michele Gerhardt Macculloch
Fontanar
(2009)



A Crise do Mito Americano
Gerald Messadié
Ática
(1989)



Jüdisches Wien - Entdeckungsreisen
Christof Habres
Metroverlag
(2011)



Belle-É preciso coragem para perder a inocência.
Lesley Pearce
Novo Conceito
(2012)
+ frete grátis



Clavícula de Salomão: as Chaves da Magia Cerimonial - 1ª Edição
Irene Liber
Pallas
(2004)



Terminglês
E. P. Luna
Aduaneiras
(2002)



Dicionário Ediouro: Francês-português, Português-francês
Vários Autores
Ediouro





busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês