Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de A L Antunes | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
48338 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/8/2004
Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de A L Antunes
Ricardo de Mattos

+ de 5400 Acessos

porque o inferno consiste em lembrarmo-nos a eternidade inteira não é verdade? (Lobo Antunes)

Na entrevista que o historiador e professor Joaquim Romero de Magalhães concedeu à revista Nossa História de Junho de 2.004, perguntou-se-lhe acerca da presença de livros de historiadores portugueses no mercado editorial brasileiro e de brasileiros em Portugal. O entrevistado respondeu jesuiticamente com outras duas perguntas, nas quais revela uma crítica: "Onde é que estão os escritores portugueses no Brasil? E onde estão os escritores brasileiros em Portugal?". Ele não se restringiu à literatura historiográfica em particular, sua interrogação abrangeu a literatura geral. Felizmente, além de Saramago, Eça de Queiroz e Camilo - sem tocar nos nomes dos poetas -, o leitor brasileiro já pode incluir em sua lista António Vieira, Miguel de Sousa Tavares e António Lobo Antunes. Se quiser outros nomes, e fará bem querer, pode procurá-los enquanto ataca as mais de mil páginas resultantes da somatória dos romances d'estes dois últimos, recém lançados no Brasil.

O escritor português António Lobo Antunes (1.942) nasceu em Lisboa, filho primogênito de família com numerosos membros e no seio da qual recebeu amplos e variados estímulos intelectuais. Embora desde cedo desejasse ser escritor, formou-se primeiro em Medicina. Exerceu inicialmente a profissão de médico na então província portuguesa de Angola, já iniciada a guerra pela independência. Conta em entrevista que iniciava suas operações tendo ao lado a um tratado de cirurgia e ao outro um auxiliar apavorado com o sangue. Contanto mantenha suas visitas aos hospitais, sua dedicação definitiva à literatura deu-se a partir de 1.985. Indica como influências a literatura - Faulkner, Hemingway, Scott Fitzgerald, Thomas Wolf - e o cinema norte-americanos, o cinema italiano e autores que o acompanham desde a juventude, como Céline, Sartre, Camus, Malraux, Júlio Verne, Simenon bem como outros que lhe chegaram mais tarde, como os russos Tolstoi e Chekov. Afirma ser a escrita um instrumento a permitir-lhe a fuga e o equilíbrio. Entre seus temas destacam-se a morte, a solidão a frustração e, mormente nos primeiros, a guerra colonial luso-angolana. A burguesia urbana é freqüente nas suas páginas. Já tem escritos os livros: Memória de Elefante, Os Cus de Judas, Conhecimento do Inferno, A Explicação dos Pássaros, Fado Alexandrino, Auto dos Danados, As Naus, Tratado das Paixões da Alma, A Ordem Natural das Coisas, A Morte de Carlos Gardel, Crônicas, Manual dos Inquisidores e O Esplendor de Portugal. A obra Os Cus de Judas já fez parte da lista de livros indicados para o vestibular d'uma universidade paulista. O mais novo romance é Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de 2.003.

Eis um livro peculiar, começando pela forma de escrita escolhida. Formado por um prólogo, três livros com dez capítulos cada um e um epílogo, n'um total de 32 partes. Cada uma d'estas partes é formada por uma só frase. Como o volume possui 565 páginas, cada uma das "frases capítulos" ocupa em torno de dezessete d'elas. A disposição do texto, entretanto, não permite a esta especificidade da pontuação atrapalhar a leitura, que pode ser lenta e pouco objetiva, mas ao final satisfatória e surpreendente. Lendo com atenção, os fatos encaixam-se e o entendimento tem lugar. Nem as citações de diários ou cartas possuem pontuação convencional e são por isso incorporadas ao "texto principal" (página 104, v.g.). Talvez a única coisa a causar maior dificuldade seja o amplo emprego de metáforas e as citações de fatos históricos e referências culturais angolanas. No primeiro caso, a metáfora do "vestido vermelho" aplica-se à comparação feita por uma menina de manchas de sangue com as vestes de sua mãe. O "alvo" pode significar tanto o ponto de mira quanto o português - branco - a ser expulso de Angola ou morto. No segundo caso, a referência ao "soba", termo que no idioma quimbundo significa chefe, pequeno rei. Quando o escritor narra o tratamento destinado ao soba, ao qual se ordenou que se ocupasse da costura para os brancos, pode-se entender duas coisas: ou a humilhação do indivíduo obrigado a ocupar-se de trabalhos desprezados pelos colonizadores - "Ficou mulher também" -, ou a humilhação dos nativos em geral, soberanos em sua terra, mas reduzidos à escravidão pelos estrangeiros. O mesmo diz-se dos "mabecos": ou são os cães selvagens cercando vilas abandonadas atrás de comida, ou são soldados sorrateiros preparando-se para atacar os "alvos". Repare-se por fim, nas constantes repetições de expressões - Esta era a casa -, onomatopéias - Pseps, Cuá Cuá - e perguntas - Ele é preto?; Sua filha não cresce?.

"ignorando que a gente em Angola não chora, nunca teve lágrimas, deixamos isso aos telhados, depois das chuvas, por nós"

Deve-se partir dos princípios de que se não trata da visão portuguesa do conflito, e que a nacionalidade da testemunha em nada influi. Angola é um país de longas batalhas anteriores e posteriores à proclamação da independência, em 1.975. Primeiro lutou-se para decidir quem não mais deveria governar e depois a quem caberia assumir a liderança. A data oficial da luta armada pela sua autonomia é quatro de fevereiro de 1.961, quando a casa de reclusão, um quartel e a Emissora Nacional foram atacados por membros da "União das Populações de Angola" - UPA. Este o partido mais antigo, depois transformado na "Frente Nacional de Libertação de Angola" - FNLA -, partido do qual alguns dissidentes afastaram-se para formar a UNITA. Obtida a independência, iniciou-se a guerra civil tendo, grosso modo, a um lado o Movimento Popular Para Libertação de Angola - MPLA -, partido governante de orientação marxista. Ao outro lado a UNITA, oposição apoiada pela África do Sul e pelos Estados Unidos da América. Até o Brasil esteve envolvido, pois o novo país, além de ter pertencido no século XVII à jurisdição da Bahia, era o principal fornecedor de escravos. O desenvolvimento da guerra interna estendeu-se até meados da década de noventa do século passado e suas conseqüências não serão apuradas tão cedo. O número de minas explosivas é ignorado. Um dado constantemente repetido é a emigração de 400 mil portugueses, o que significou o colapso da economia. Estes são dados históricos, encontráveis em qualquer enciclopédia. Boa Tarde às Coisas Aqui Em Baixo alterna, capítulo a capítulo, o testemunho de membros da população e de representantes governamentais de Lisboa. O primeiro governador, Seabra, equipara-se a um touro destinado a substituir na arena outro já abatido.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 12/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ninguém é dono da (boa) história de Marta Barcellos
02. 13º Porto Alegre em Cena de Guilherme Conte


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. O Livro Impresso e O Livro Virtual - 26/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BLESSINGS: A NOVEL
BELVA PLAIN
DELL
(1990)
R$ 19,90



OS SABORES DA BORGONHA
EMMANUEL BASSLEIL
SENAC
(2007)
R$ 10,00



AS CILADAS DA CIDADE
EDUARDO KALINA / SANTIAGO KOVADLOFF
BRASILIENSE
(1978)
R$ 7,90



ESTUDO DE TEMPOS PARA SUPERVISORES
GIUSEPPE MICHELINO
PUBLICAÇÕES EDUCACIONAIS
(1964)
R$ 5,00



A MÃO E A LUVA
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
(1997)
R$ 5,00



CONFISSÕES DE UMA IRMÃ DE CINDERELA
GREGORY MAGUIRE, ROBERTO MUGGIATI
JOSÉ OLYMPIO
(2006)
R$ 27,00



LITERATURA ESTRANGEIRA
CAFÉ CENTRAL
PUBLICAÇÕES DOM QUIXOTE
(1998)
R$ 14,98



O JOGADOR SECRETO
PANDA BOOKS
PANDA BOOKS
(2015)
R$ 30,00



THE DIARY OF A PICK UP ARTIST
ADAM LYANS
CREATESPACE INDEPENDENT PUBLIS
(2009)
R$ 11,90



HUMANS
PAT WELCH
SIMON & SCHUSTER
(1985)
R$ 7,00





busca | avançada
48338 visitas/dia
1,3 milhão/mês