Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de A L Antunes | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
47718 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo teatral Odila chega ao interior de Caxias do Sul
>>> Empresário caxiense que instalou complexo de energia em aldeia indígena no Acre lança documentário
>>> Fernanda Porto lança música e videoclipe em homenagem a Gal Costa
>>> 75% dos líderes de marketing veem a IA generativa como ferramenta criativa essencial
>>> Printed Editions Online Print Fair
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
>>> Ira! no Perdidos na Noite (1988)
>>> Legião Urbana no Perdidos na Noite (1988)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Flip 2005
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Arte sem limites
>>> BBB, 1984 e FEBEAPÁ
>>> Costume Bárbaro
>>> Infinitely Fascinating People
>>> Era uma vez um inverno
>>> A Auto-desajuda de Nietzsche
Mais Recentes
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Martin Claret (2008)
>>> The Landmark Dictionary - para estudantes brasileiros de inglês de Richmond pela Richmond (2008)
>>> Sherlock Holmes: Um Estudo em Vermelho de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Sherlock Holmes: O Signo dos Quatro de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Bíblia Sagrada - Ed. de Promessas de Vários pela King's Cross
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela José Olympio (2016)
>>> A Casa 7ª edição. de Ronald Claver pela Ed Lê (1998)
>>> Oferenda Lírica - Gitanjali de Rabindranath Tagore pela Coordenada (1969)
>>> Glands Our Invisible Guardians de Glands Our Invisible Guardians M. W. Kapp pela a: Grand Lodge Amorc (1954)
>>> Death in the Afternoon de Ernest Hemingway pela Scribner (2003)
>>> Look at it This Way Capa dura de Justin Cartwright pela McMillan (1990)
>>> Banguê de José Lins do Rego pela José Olympio (2011)
>>> O Espantalho - coleção festa do livro de Luciana Maria Marinho Passos pela Scipione (1995)
>>> Borges em diálogo de Jorge Luis Borges; Osvaldo Ferrari pela Rocco (1986)
>>> Oréstia; Agamêmnon; Coéforas; Eumênides de Ésquilo pela Zahar (1991)
>>> Film Stars Don't Die in Liverpool de Peter Turner pela Penguin (1988)
>>> Théatre - Tango de Slawomir Mrozek pela Albin Michel (1966)
>>> O Cinema Americano dos Anos Cinquenta de Olivier-rené Veillon pela Martins Fontes (1993)
>>> O Cinema de Hollywood de Philippe Paraire pela Martins Fontes (1994)
>>> Cinema e Humanismo de Alberto Silva pela Pallas (1975)
>>> Estudo dirigido agtravés de metodos ativos - Geografia do Brasil de Celso Antunes pela Do Brasil
>>> Manifesto verde de Ignácio e Loyola Brandão pela Global (2014)
>>> Competência - Repertório de jurisprudência e doutrina de Arruda Alvim pela Revista dos Tribunais (1986)
>>> Regras oficiais de atletismo 1985-1988 de Confederação Brasileira de Atletismo pela Sprint (1985)
>>> A questão do indio de Fernando Portela pela Ática (1995)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/8/2004
Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de A L Antunes
Ricardo de Mattos
+ de 7200 Acessos

porque o inferno consiste em lembrarmo-nos a eternidade inteira não é verdade? (Lobo Antunes)

Na entrevista que o historiador e professor Joaquim Romero de Magalhães concedeu à revista Nossa História de Junho de 2.004, perguntou-se-lhe acerca da presença de livros de historiadores portugueses no mercado editorial brasileiro e de brasileiros em Portugal. O entrevistado respondeu jesuiticamente com outras duas perguntas, nas quais revela uma crítica: "Onde é que estão os escritores portugueses no Brasil? E onde estão os escritores brasileiros em Portugal?". Ele não se restringiu à literatura historiográfica em particular, sua interrogação abrangeu a literatura geral. Felizmente, além de Saramago, Eça de Queiroz e Camilo - sem tocar nos nomes dos poetas -, o leitor brasileiro já pode incluir em sua lista António Vieira, Miguel de Sousa Tavares e António Lobo Antunes. Se quiser outros nomes, e fará bem querer, pode procurá-los enquanto ataca as mais de mil páginas resultantes da somatória dos romances d'estes dois últimos, recém lançados no Brasil.

O escritor português António Lobo Antunes (1.942) nasceu em Lisboa, filho primogênito de família com numerosos membros e no seio da qual recebeu amplos e variados estímulos intelectuais. Embora desde cedo desejasse ser escritor, formou-se primeiro em Medicina. Exerceu inicialmente a profissão de médico na então província portuguesa de Angola, já iniciada a guerra pela independência. Conta em entrevista que iniciava suas operações tendo ao lado a um tratado de cirurgia e ao outro um auxiliar apavorado com o sangue. Contanto mantenha suas visitas aos hospitais, sua dedicação definitiva à literatura deu-se a partir de 1.985. Indica como influências a literatura - Faulkner, Hemingway, Scott Fitzgerald, Thomas Wolf - e o cinema norte-americanos, o cinema italiano e autores que o acompanham desde a juventude, como Céline, Sartre, Camus, Malraux, Júlio Verne, Simenon bem como outros que lhe chegaram mais tarde, como os russos Tolstoi e Chekov. Afirma ser a escrita um instrumento a permitir-lhe a fuga e o equilíbrio. Entre seus temas destacam-se a morte, a solidão a frustração e, mormente nos primeiros, a guerra colonial luso-angolana. A burguesia urbana é freqüente nas suas páginas. Já tem escritos os livros: Memória de Elefante, Os Cus de Judas, Conhecimento do Inferno, A Explicação dos Pássaros, Fado Alexandrino, Auto dos Danados, As Naus, Tratado das Paixões da Alma, A Ordem Natural das Coisas, A Morte de Carlos Gardel, Crônicas, Manual dos Inquisidores e O Esplendor de Portugal. A obra Os Cus de Judas já fez parte da lista de livros indicados para o vestibular d'uma universidade paulista. O mais novo romance é Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de 2.003.

Eis um livro peculiar, começando pela forma de escrita escolhida. Formado por um prólogo, três livros com dez capítulos cada um e um epílogo, n'um total de 32 partes. Cada uma d'estas partes é formada por uma só frase. Como o volume possui 565 páginas, cada uma das "frases capítulos" ocupa em torno de dezessete d'elas. A disposição do texto, entretanto, não permite a esta especificidade da pontuação atrapalhar a leitura, que pode ser lenta e pouco objetiva, mas ao final satisfatória e surpreendente. Lendo com atenção, os fatos encaixam-se e o entendimento tem lugar. Nem as citações de diários ou cartas possuem pontuação convencional e são por isso incorporadas ao "texto principal" (página 104, v.g.). Talvez a única coisa a causar maior dificuldade seja o amplo emprego de metáforas e as citações de fatos históricos e referências culturais angolanas. No primeiro caso, a metáfora do "vestido vermelho" aplica-se à comparação feita por uma menina de manchas de sangue com as vestes de sua mãe. O "alvo" pode significar tanto o ponto de mira quanto o português - branco - a ser expulso de Angola ou morto. No segundo caso, a referência ao "soba", termo que no idioma quimbundo significa chefe, pequeno rei. Quando o escritor narra o tratamento destinado ao soba, ao qual se ordenou que se ocupasse da costura para os brancos, pode-se entender duas coisas: ou a humilhação do indivíduo obrigado a ocupar-se de trabalhos desprezados pelos colonizadores - "Ficou mulher também" -, ou a humilhação dos nativos em geral, soberanos em sua terra, mas reduzidos à escravidão pelos estrangeiros. O mesmo diz-se dos "mabecos": ou são os cães selvagens cercando vilas abandonadas atrás de comida, ou são soldados sorrateiros preparando-se para atacar os "alvos". Repare-se por fim, nas constantes repetições de expressões - Esta era a casa -, onomatopéias - Pseps, Cuá Cuá - e perguntas - Ele é preto?; Sua filha não cresce?.

"ignorando que a gente em Angola não chora, nunca teve lágrimas, deixamos isso aos telhados, depois das chuvas, por nós"

Deve-se partir dos princípios de que se não trata da visão portuguesa do conflito, e que a nacionalidade da testemunha em nada influi. Angola é um país de longas batalhas anteriores e posteriores à proclamação da independência, em 1.975. Primeiro lutou-se para decidir quem não mais deveria governar e depois a quem caberia assumir a liderança. A data oficial da luta armada pela sua autonomia é quatro de fevereiro de 1.961, quando a casa de reclusão, um quartel e a Emissora Nacional foram atacados por membros da "União das Populações de Angola" - UPA. Este o partido mais antigo, depois transformado na "Frente Nacional de Libertação de Angola" - FNLA -, partido do qual alguns dissidentes afastaram-se para formar a UNITA. Obtida a independência, iniciou-se a guerra civil tendo, grosso modo, a um lado o Movimento Popular Para Libertação de Angola - MPLA -, partido governante de orientação marxista. Ao outro lado a UNITA, oposição apoiada pela África do Sul e pelos Estados Unidos da América. Até o Brasil esteve envolvido, pois o novo país, além de ter pertencido no século XVII à jurisdição da Bahia, era o principal fornecedor de escravos. O desenvolvimento da guerra interna estendeu-se até meados da década de noventa do século passado e suas conseqüências não serão apuradas tão cedo. O número de minas explosivas é ignorado. Um dado constantemente repetido é a emigração de 400 mil portugueses, o que significou o colapso da economia. Estes são dados históricos, encontráveis em qualquer enciclopédia. Boa Tarde às Coisas Aqui Em Baixo alterna, capítulo a capítulo, o testemunho de membros da população e de representantes governamentais de Lisboa. O primeiro governador, Seabra, equipara-se a um touro destinado a substituir na arena outro já abatido.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 12/8/2004

Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fundamentos de Nutricion En El Deporte
Marcia Onzari
Grupo Ilhsa Sa
(2004)



La Corza Blanca 289
Gustavo Adolfo Bécquer
Moderna



A Interpretação dos sonhos 1 e 2
Freud
Imago
(2023)



Normas da Abnt Comentadas para Trabalhos Cientìficos
Jamil Ibrahim Iskandar
Jurua
(2010)



Programa 5s
Reginaldo Pedreira Lapa
Qualitymark
(1997)



Pequena História do Mundo Contemporâneo
David Thomson
Zahar
(1971)



Repensar os Estados Unidos
Daniel Lins
Papirus
(2003)



Ariel Ou La Vie de Shelley
André Maurois
Calmann-levy
(1923)



Os Funerais da Mamãe Grande
Gabriel García Márquez
Record
(2014)



Terra Formars 2
Yu Sasuga
JBc
(2015)





busca | avançada
47718 visitas/dia
1,7 milhão/mês