A perfeição de Spike Lee | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/4/2006
A perfeição de Spike Lee
Marcelo Miranda

+ de 6500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

1.
Filmes de assalto não são novidade no cinema. Na verdade, eles existem desde os primórdios, inclusive do faroeste, com O Grande Roubo do Trem (1902). Não admira, então, que esse subgênero esteja tão desgastado. Apesar de ter nos proporcionado obras-primas absolutas (com Um Dia de Cão saindo na frente), não é de hoje que os assaltos na tela grande não têm mais tanta força. Claro, há exceções aqui e ali, mas, no geral, o subgênero agoniza.

O diretor americano Spike Lee

Talvez devêssemos dizer agonizava. Porque o improvável Spike Lee (de Faça a Coisa Certa, Malcom X e A Última Noite) acaba de dar fôlego renovado aos assaltos cinematográficos. O que há de atraente em O Plano Perfeito, mais recente filme do cineasta americano, em cartaz no Brasil, não é necessariamente a sua história, que, apesar de intensa, por si só não causaria impacto. O que provoca a inquietação do espectador e a subida da produção do patamar de "bom entretenimento" para "grande filme" é a forma (e o que mais seria?) como Lee desenvolve sua trama. Basicamente, o segredo da perfeição de O Plano Perfeito (Inside Man, no original) é a visão extremamente particular impressa na película. É o primeiro trabalho de Lee assumidamente comercial e com larga distribuição. E estão ali, naquelas duas horas, marcas indeléveis de seu cinema, travestidas numa proposta de chamar atenção do público através da linguagem clássica, de lances surpreendentes e elenco famoso.

Porém, Spike Lee impregna seu assalto com elementos que o fazem o controvertido e significativo diretor que ele é. A característica mais presente em O Plano Perfeito é o choque racial decorrente do crime narrado no filme. Qualquer diálogo de dois minutos envolvendo raças e credos no filme é imensamente mais carregado de complexidade, intensidade e relevância do que toda a metragem do engodo chamado Crash - No Limite, de Paul Haggis e ganhador do Oscar 2006 de melhor filme. Lee faz com categoria, classe e conhecimento de causa, com poucos personagens em cena, o que Haggis cospe no seu roteiro envolvendo dezenas de pessoas.

Denzel Washington em cena do filme O banco onde acontece a ação de O Plano Perfeito é um micro-universo de variações humanas, em cores de pele, crenças religiosas e costumes. Um caldeirão prestes a explodir, algo que o filme não chega a desenvolver diretamente, mas o qual Lee trata com sutileza ao usar o assalto como símbolo dessa explosão e, claro, criar o ambiente claustrofóbico e sem saída no interior do local - processo que lembra Faça a Coisa Certa, um dos grandes exemplares de Spike Lee, em que o calor insuportável de uma Nova York fervilhante tornava tudo mais difícil de se resolver.

Também engrandece O Plano Perfeito o contraponto que o diretor faz entre os policiais e os bandidos: os primeiros são tidos como abobalhados, engambelados pelo vilão (Clive Owen) por meio de gravações telefônicas, jogos de adivinhação, aparente morte de reféns e negociações infrutíferas; já os criminosos são apresentados como mestres na arte do assalto, nem tanto pelo plano mirabolante arquitetado, mas sim pela frieza e segurança com que o fazem. Paralelo a isso, Spike Lee insere outra de suas temáticas: o abuso de poder, ponto em que ele entra na esfera política. O presidente do banco (Christopher Plummer) se envolve no crime por meio de uma mulher influente (Jodie Foster) na tentativa de recuperar algo de valor escondido no lugar. Ele mobiliza o prefeito da cidade para convencer o policial responsável pela negociação (Denzel Washington) a permitir a entrada da mulher no banco assaltado e cheio de reféns. Ela consegue, e ela mesma será a chave para a resolução do conflito. Se o chefão do banco achava que estaria se salvando, a balança será invertida a partir do instante em que o ladrão percebe a força daquilo em que ele se envolveu. O poder que antes era do empresário passa a ser do subalterno, da classe mais desfavorecida - inversão também típica do cinema de Lee, em que nem sempre é o branco que discrimina o negro, nem o cristão que faz joça do judeu.

Clive Owen como o misterioso líder dos assaltantes As relações de poder estão no centro de O Plano Perfeito (não apenas na trama do banqueiro, mas nos interrogatórios na sede policial), tornando o filme ainda mais indispensável e uma quase-anomalia entre os filmes de assalto recentes - em que as "sacadas" de roteiro sobre como se dão os crimes (vide Onze Homens e Um Segredo, Armadilha, Thomas Crown - A Arte do Crime e Uma Saída de Mestre, entre vários e vários outros) sempre ficavam acima de qualquer outra coisa. Não que inexista engenhosidade no longa de Spike Lee. Há, e muita. Porém, ele utiliza essa engenhosidade e uma estrutura de roteiro batida e cansada não para dar rasteiras no espectador e fazê-lo sair da sala de cinema pensando no quanto os planos armados na tela eram fantasticamente inteligentes e infalíveis, mas sim para inserir questionamentos muito pessoais e bastante reveladores acerca dos conflitos do homem urbano moderno em meio ao caos social dos novos tempos. Não é pouca coisa. E não é pra qualquer um.

2.
A coluna passada sobre filmes extremos e filmes extremistas teve mais audiência do que eu podia esperar. Acho que o assunto pode ter, sim, algum interesse em ser discutido. E houve alguns comentários altamente pertinentes, que respondiam à pergunta lançada ao final do texto - como dois filmes com pontos de partida semelhantes, como Sobre Meninos e Lobos e Desejo de Matar, conseguiam ser tão diferentes e opostos? O leitor Marcelo Souza matou a charada de forma sucinta, e é reproduzindo um trecho do comentário dele que eu encerro o assunto, ao menos por ora: "[nos extremistas] há o maniqueímo expresso. De um lado, heróis sofridos e, de outro, vilões odiosos; e, no outro caso [nos extremos ou não-extremistas], personagens de caráter indefinido, que buscam, por vezes, a redenção e, na maioria da vezes, jamais irão encontrar".

3.
Já saiu há algum tempo, mas o registro é extremamente válido. Em 1986, a jornalista Ana Maria Bahiana foi responsável por uma pequena revolução na imprensa cultural brasileira. Criou, em O Globo, o Rio Fanzine, coluna sobre manifestações ditas "alternativas" em praticamente todas as vertentes - da música ao cinema, das artes às baladas noturnas. Fez história. O Rio Fanzine foi se desenvolvendo ao longo dos anos, ganhou e perdeu espaço, foi assumido por novos responsáveis, enfrentou dificuldades e nunca deixou de captar o que se fazia de mais notável no underground, em especial o carioca, mas também de vários outros pontos do país e fora dele.

Um pouco dessa história pode ser constatada no indispensável Rio Fanzine: 18 Anos de Cultura Alternativa (2004, Record, 271 páginas). É uma compilação de dezenas de artigos da coluna, em que se sente a paixão dos que ali escreviam e o faro para descobrir o que havia de relevante na cultura fora do grande circuito. Como comentado no prefácio, de autoria dos organizadores Carlos Albuquerque e Tom Leão, o Rio Fanzine foi responsável, por exemplo, pela "descoberta" do Planet Hemp e do Skank e adiantou a ascensão e influência da música eletrônica. O livro reúne textos e algumas imagens separados por anos, de 1986 até 2004. Não bastasse a oportunidade de ter esses registros, conhecer o livro é testemunhar a transformação do alternativo em artigo de atenção primária.

Para ir além






Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 3/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A maldade humana de Gian Danton
02. Se a vida começasse agora de Luís Fernando Amâncio
03. Jornalista e empreendedor? de Marta Barcellos
04. A morte do homem comum de Jonas Lopes
05. Esqueçam o velho jornalismo de Tais Laporta


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/4/2006
14h20min
Meu comentário é sobre o filme, ou melhor, sobre os fenômenos do filme, pensei em assistir porque o diretor era o spike lee, mas o que me fez decidir mesmo foi o clive owen. E, realmente, o filme é incrível, o roteiro é quase perfeito, a diréção é magnífica, mas insuperável mesmo é o clive owen. Na minha opinião, é claro. Quero dizer que o emocional é muito importante, talvez até o essencial em alguns casos. Sou uma cinéfila, escrevo roteiros, assisto curtas em alemão com legendas em espanhol e tb. vou ao cinema pra ver o gostosao do clive owen. Isso nos faz pensar no quanto de emoção há na venda de um produto, quantas donas de casas estão pouco se lixando pra gordura trans e estão comprando a margarina porque lembram daquele modelo fantástico dando uma mordidinha no pão? Tb sou publicitária e acho válido pensar no assunto. E tem mais: quanto mais racional for uma pessoa, maior será seu prazer ao ser guiada por um instinto. Concordam? Ou preferem concordar só com o Clive Owen?
[Leia outros Comentários de Gisela Cesario]
28/4/2006
05h11min
"(...) pela 'descoberta' do Planet Hemp e do Skank, e adiantou a ascensão e [a] influência da música eletrônica (...)" Há controversias quanto a essa afirmação... Leitor durante a adolescência do Rio Fanzine, sei que o Calbuque e o Tom Leao (ou seu alter-ego, Ziggy) sempre lançavam moda tentando "descobrir" alguma banda rock-pop, especialmente inglesa... Qualquer bandinha que lançasse um single e fizesse rebuliço no NMR era imediatamente chamada 'a tona na publicação. Obviamente nunca deu em nada... O melhor do Rio Fanzine foi publicar num só lugar a lista de todos eventos "alternativos" da cidade. Um grande mérito de uma das poucas publicações que fazia isso na época... Hoje em dia, o RF anda meio caido.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MULHER DE TRINTA ANOS
BALZAC
NOVA CULTURA
(1995)
R$ 9,00



VINHOS - UMA FESTA DOS SENTIDOS
ROGERIO DARDEAU
MAUAD
(2002)
R$ 10,51



UMA BREVE HISTÓRIA DO CRISTIANISMO
GEOFFREY BLAINEY
FUNDAMENTO
(2012)
R$ 20,00



ARREBENTAÇÃO
CLAUDIE GALLAY
OBJETIVA
(2010)
R$ 20,00



MACAPACARANA
GISELDA NICOLELIS
ATUAL
R$ 9,36



QUE FIM LEVOU BRODIE ?
ANTONIO F. BORGES
RECORD
(1996)
R$ 20,00



SINAIS DE VIDA NO PLANETA MINAS
FERNANDO GABEIRA
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 6,00



O ASSASSINATO E OUTRAS HISTÓRIAS
ANTON PAVLOVICH TCHEKHOV
COSACNAIFY
(2003)
R$ 5,00



A HISTÓRIA DA GALINHA
NINA AMARANTE
GLOBAL
(2009)
R$ 33,00



O ESPIÃO QUE SAIU DO FRIO
JOHN LE CARRÉ
ABRIL CULTURAL
(1980)
R$ 6,28





busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês