A perfeição de Spike Lee | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dois Dobrado - Show especial de São João
>>> Série Brasil Visual tem pré-estreia neste sábado no RJ e estreia dia 25/6, no canal Curta!
>>> Thiago Monteiro apresenta seu primeiro álbum autoral “Despretensioso”, em Rib. Preto - 25/06
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Olimpíadas sentimentais
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> O que é canção, por Luiz Tatit
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Uma jornada Musical
>>> Evan Williams por Battelle
>>> Um Furto
>>> Jovens blogueiros, envelheçam (extras)
Mais Recentes
>>> Psicopedagogia Clínica - Uma Visão Diagnóstica dos Problemas de Aprendizagem Escolar de Maria Lúcia Lemme Weiss pela Lamparina (2008)
>>> Colaboração Premiada - doutrina e prática de Clayton da Silva Bezerra - Giovani Celso Agnoletto pela Mallet (2016)
>>> Babies Love Cuidado melhor do seu Filho, da Gravidez aos 3 anos - The Carpenters de Vários Autores pela Innovant
>>> Homossexualidade sob a ótica do Espírito Imortal de Andrei Moreira pela Ame (2014)
>>> A Grande Mudança de Nicholas Carr pela Landscape (2008)
>>> Livro Calculo Aplicado Deborah Hughes Hal Ed. 2005 de Deborah Hughes-hallett pela Fisicalbook (2005)
>>> Estrelas Tortas de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Nada Easy de Tallis Gomes pela Gente (2017)
>>> A revolução de um talento de Aluizio A Silva pela Vinha (2011)
>>> As Upstarts - Como a Uber, o Airbnb e as Killer Companies do novo Vale do Silício estão mudando o mundo de Brad Stone pela Intrinseca (2017)
>>> Sem Medo de Viver de Max Lucado pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Principios De Fisica Vol 2 de Raymond A. Serway pela Cengage (2004)
>>> Filosofia Para Todos de Gianfranco Morra pela Paulus (2001)
>>> Meditando com os metres dos 7 raios de Maria Silvia pela Madras (2004)
>>> An Introduction To The Physics Of Semiconductor Devices (the Oxford Series In Electrical And Computer Engineering) de David J. Roulston pela Oxford University Press (1998)
>>> Manual De Mães E Pais Separado de Marcos Wettreich pela Ediouro (2006)
>>> Manual Para Não Morrer De Amor de Walter riso pela Academia (2017)
>>> Mães De Milhares De Milhares de Márcia Silva pela Vinha (2023)
>>> Patologia Geral - Bogliolo - 3ª Ed. de Brasileiro Filho Geraldo pela Guanabara (2004)
>>> Como Ensinar Seu Bebê A Ler: A Suave Revolução de Glenn e Janet Doman pela Madras (2018)
>>> A Face Cinza da Fé de Jader Guterres Hoffmeister pela Feic (2014)
>>> Introducao A Ciencia Da Computacao de Enrico Giulio Franco Polloni pela Cengage (2003)
>>> Para Tão Longo Amor Tão Curta a Vida de Luís de Camões pela Ftd
>>> Fundamentos de um ministério frutífero de Aluizio A Silva pela Vinha (2018)
>>> Como Passar Em Provas E Concursos de William Douglas pela Impetus (2024)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/4/2006
A perfeição de Spike Lee
Marcelo Miranda
+ de 8000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

1.
Filmes de assalto não são novidade no cinema. Na verdade, eles existem desde os primórdios, inclusive do faroeste, com O Grande Roubo do Trem (1902). Não admira, então, que esse subgênero esteja tão desgastado. Apesar de ter nos proporcionado obras-primas absolutas (com Um Dia de Cão saindo na frente), não é de hoje que os assaltos na tela grande não têm mais tanta força. Claro, há exceções aqui e ali, mas, no geral, o subgênero agoniza.

O diretor americano Spike Lee

Talvez devêssemos dizer agonizava. Porque o improvável Spike Lee (de Faça a Coisa Certa, Malcom X e A Última Noite) acaba de dar fôlego renovado aos assaltos cinematográficos. O que há de atraente em O Plano Perfeito, mais recente filme do cineasta americano, em cartaz no Brasil, não é necessariamente a sua história, que, apesar de intensa, por si só não causaria impacto. O que provoca a inquietação do espectador e a subida da produção do patamar de "bom entretenimento" para "grande filme" é a forma (e o que mais seria?) como Lee desenvolve sua trama. Basicamente, o segredo da perfeição de O Plano Perfeito (Inside Man, no original) é a visão extremamente particular impressa na película. É o primeiro trabalho de Lee assumidamente comercial e com larga distribuição. E estão ali, naquelas duas horas, marcas indeléveis de seu cinema, travestidas numa proposta de chamar atenção do público através da linguagem clássica, de lances surpreendentes e elenco famoso.

Porém, Spike Lee impregna seu assalto com elementos que o fazem o controvertido e significativo diretor que ele é. A característica mais presente em O Plano Perfeito é o choque racial decorrente do crime narrado no filme. Qualquer diálogo de dois minutos envolvendo raças e credos no filme é imensamente mais carregado de complexidade, intensidade e relevância do que toda a metragem do engodo chamado Crash - No Limite, de Paul Haggis e ganhador do Oscar 2006 de melhor filme. Lee faz com categoria, classe e conhecimento de causa, com poucos personagens em cena, o que Haggis cospe no seu roteiro envolvendo dezenas de pessoas.

Denzel Washington em cena do filme O banco onde acontece a ação de O Plano Perfeito é um micro-universo de variações humanas, em cores de pele, crenças religiosas e costumes. Um caldeirão prestes a explodir, algo que o filme não chega a desenvolver diretamente, mas o qual Lee trata com sutileza ao usar o assalto como símbolo dessa explosão e, claro, criar o ambiente claustrofóbico e sem saída no interior do local - processo que lembra Faça a Coisa Certa, um dos grandes exemplares de Spike Lee, em que o calor insuportável de uma Nova York fervilhante tornava tudo mais difícil de se resolver.

Também engrandece O Plano Perfeito o contraponto que o diretor faz entre os policiais e os bandidos: os primeiros são tidos como abobalhados, engambelados pelo vilão (Clive Owen) por meio de gravações telefônicas, jogos de adivinhação, aparente morte de reféns e negociações infrutíferas; já os criminosos são apresentados como mestres na arte do assalto, nem tanto pelo plano mirabolante arquitetado, mas sim pela frieza e segurança com que o fazem. Paralelo a isso, Spike Lee insere outra de suas temáticas: o abuso de poder, ponto em que ele entra na esfera política. O presidente do banco (Christopher Plummer) se envolve no crime por meio de uma mulher influente (Jodie Foster) na tentativa de recuperar algo de valor escondido no lugar. Ele mobiliza o prefeito da cidade para convencer o policial responsável pela negociação (Denzel Washington) a permitir a entrada da mulher no banco assaltado e cheio de reféns. Ela consegue, e ela mesma será a chave para a resolução do conflito. Se o chefão do banco achava que estaria se salvando, a balança será invertida a partir do instante em que o ladrão percebe a força daquilo em que ele se envolveu. O poder que antes era do empresário passa a ser do subalterno, da classe mais desfavorecida - inversão também típica do cinema de Lee, em que nem sempre é o branco que discrimina o negro, nem o cristão que faz joça do judeu.

Clive Owen como o misterioso líder dos assaltantes As relações de poder estão no centro de O Plano Perfeito (não apenas na trama do banqueiro, mas nos interrogatórios na sede policial), tornando o filme ainda mais indispensável e uma quase-anomalia entre os filmes de assalto recentes - em que as "sacadas" de roteiro sobre como se dão os crimes (vide Onze Homens e Um Segredo, Armadilha, Thomas Crown - A Arte do Crime e Uma Saída de Mestre, entre vários e vários outros) sempre ficavam acima de qualquer outra coisa. Não que inexista engenhosidade no longa de Spike Lee. Há, e muita. Porém, ele utiliza essa engenhosidade e uma estrutura de roteiro batida e cansada não para dar rasteiras no espectador e fazê-lo sair da sala de cinema pensando no quanto os planos armados na tela eram fantasticamente inteligentes e infalíveis, mas sim para inserir questionamentos muito pessoais e bastante reveladores acerca dos conflitos do homem urbano moderno em meio ao caos social dos novos tempos. Não é pouca coisa. E não é pra qualquer um.

2.
A coluna passada sobre filmes extremos e filmes extremistas teve mais audiência do que eu podia esperar. Acho que o assunto pode ter, sim, algum interesse em ser discutido. E houve alguns comentários altamente pertinentes, que respondiam à pergunta lançada ao final do texto - como dois filmes com pontos de partida semelhantes, como Sobre Meninos e Lobos e Desejo de Matar, conseguiam ser tão diferentes e opostos? O leitor Marcelo Souza matou a charada de forma sucinta, e é reproduzindo um trecho do comentário dele que eu encerro o assunto, ao menos por ora: "[nos extremistas] há o maniqueímo expresso. De um lado, heróis sofridos e, de outro, vilões odiosos; e, no outro caso [nos extremos ou não-extremistas], personagens de caráter indefinido, que buscam, por vezes, a redenção e, na maioria da vezes, jamais irão encontrar".

3.
Já saiu há algum tempo, mas o registro é extremamente válido. Em 1986, a jornalista Ana Maria Bahiana foi responsável por uma pequena revolução na imprensa cultural brasileira. Criou, em O Globo, o Rio Fanzine, coluna sobre manifestações ditas "alternativas" em praticamente todas as vertentes - da música ao cinema, das artes às baladas noturnas. Fez história. O Rio Fanzine foi se desenvolvendo ao longo dos anos, ganhou e perdeu espaço, foi assumido por novos responsáveis, enfrentou dificuldades e nunca deixou de captar o que se fazia de mais notável no underground, em especial o carioca, mas também de vários outros pontos do país e fora dele.

Um pouco dessa história pode ser constatada no indispensável Rio Fanzine: 18 Anos de Cultura Alternativa (2004, Record, 271 páginas). É uma compilação de dezenas de artigos da coluna, em que se sente a paixão dos que ali escreviam e o faro para descobrir o que havia de relevante na cultura fora do grande circuito. Como comentado no prefácio, de autoria dos organizadores Carlos Albuquerque e Tom Leão, o Rio Fanzine foi responsável, por exemplo, pela "descoberta" do Planet Hemp e do Skank e adiantou a ascensão e influência da música eletrônica. O livro reúne textos e algumas imagens separados por anos, de 1986 até 2004. Não bastasse a oportunidade de ter esses registros, conhecer o livro é testemunhar a transformação do alternativo em artigo de atenção primária.

Para ir além






Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 3/4/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Diogo Salles no Roda Viva de Julio Daio Borges
02. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
03. Fake-Fuck-Fotos do Face de Jardel Dias Cavalcanti
04. Sultão & Bonifácio, parte I de Guilherme Pontes Coelho
05. Criatividade é transbordamento de Carla Ceres


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
02. Tabus do Orkut - 6/2/2006
03. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
04. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/4/2006
14h20min
Meu comentário é sobre o filme, ou melhor, sobre os fenômenos do filme, pensei em assistir porque o diretor era o spike lee, mas o que me fez decidir mesmo foi o clive owen. E, realmente, o filme é incrível, o roteiro é quase perfeito, a diréção é magnífica, mas insuperável mesmo é o clive owen. Na minha opinião, é claro. Quero dizer que o emocional é muito importante, talvez até o essencial em alguns casos. Sou uma cinéfila, escrevo roteiros, assisto curtas em alemão com legendas em espanhol e tb. vou ao cinema pra ver o gostosao do clive owen. Isso nos faz pensar no quanto de emoção há na venda de um produto, quantas donas de casas estão pouco se lixando pra gordura trans e estão comprando a margarina porque lembram daquele modelo fantástico dando uma mordidinha no pão? Tb sou publicitária e acho válido pensar no assunto. E tem mais: quanto mais racional for uma pessoa, maior será seu prazer ao ser guiada por um instinto. Concordam? Ou preferem concordar só com o Clive Owen?
[Leia outros Comentários de Gisela Cesario]
28/4/2006
05h11min
"(...) pela 'descoberta' do Planet Hemp e do Skank, e adiantou a ascensão e [a] influência da música eletrônica (...)" Há controversias quanto a essa afirmação... Leitor durante a adolescência do Rio Fanzine, sei que o Calbuque e o Tom Leao (ou seu alter-ego, Ziggy) sempre lançavam moda tentando "descobrir" alguma banda rock-pop, especialmente inglesa... Qualquer bandinha que lançasse um single e fizesse rebuliço no NMR era imediatamente chamada 'a tona na publicação. Obviamente nunca deu em nada... O melhor do Rio Fanzine foi publicar num só lugar a lista de todos eventos "alternativos" da cidade. Um grande mérito de uma das poucas publicações que fazia isso na época... Hoje em dia, o RF anda meio caido.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Democracia na América
Alexis de Tocqueville
Itatiaia
(1977)



Memórias 4 Volumes
Ilya Ehrenburg
Civilização Brasileira
(1964)



Teorias de Linguagens - Pesquisa e Ensino (lacrado)
Marinalva Barbosa, Carlos Francisco de Morais
Mercado de Letras
(2017)



Conheça Miles Um Cupido Diferente
Jane May
Arx
(2007)



Cantiga de Amor Irrespondido (lacrado)
Pedro Pereira da Silva Costa
Arx
(2006)



Time Travel Stage 4
Rosana Rios
Moderna
(1998)



Destino Cativo - Nº 01
Matsuri Hino
Panini Comics
(2008)



Sai Da Frente, Sr. Montanha!
Francesca Sanna
Mil Caramilas
(2020)



Jango - a Vida e a Morte no Exílio
Juremir Machado da Silva
Lpm
(2014)



Tex no Covil da Satânia
Bonelli
Mythos





busca | avançada
90259 visitas/dia
2,3 milhões/mês