A perfeição de Spike Lee | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
Mais Recentes
>>> Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futuro de Humberto Mariotti pela Atlas (1999)
>>> Python e Mercado Financeiro de Marco Antonio Leonel Caetano pela Blucher (2021)
>>> Um Longo e Solitário Tempo de Airton Marques de Oliveira pela Razão da Terra (1996)
>>> Equações Diferenciais - Volume 2 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Equações Diferenciais - Volume 1 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Processos de Transmissão de Calor de Kern pela Guanabara Koogan (1987)
>>> Transformações de Valéria Torres pela Litteris (1999)
>>> Sobrenatural: Impressões sobre os lençóis Maranhenses de Meireles Junior pela Do Autor (2016)
>>> Poesia em Serenata de Margarida Marques pela Evsa (1998)
>>> Panelas em transe de Cassio Machado pela B&b (2005)
>>> Vade Mecum 2008- 6ª Edição - Contém CD de Saraiva (Organizador) pela Saraiva (2008)
>>> Pizzolato: Não Existe Plano Infalível de Fernanda Odilla pela Leya (2014)
>>> Air Gear nº 21 de Oh! Great pela Panini Comics (2011)
>>> Constitution of United States of America de David Osterlund e outros pela Barnes & Noble (1995)
>>> Poder-saber ética da escola de Sandra Mara Corazza pela Unijuí (1995)
>>> Como fazer um disco independente de Chico Mário pela Vozes (1986)
>>> Suagh'Leng'hor de Milton José de Almeida pela Cortez (1990)
>>> As Ideias de Marx de David McLellan pela Cultrix (1993)
>>> Südkurier de Antoine de Saint-Exupery pela Karl Rauch (1949)
>>> Discurso de Metafísica e Outros Textos Gottfried Wilhelm Leibniz de Gottfried Wilhelm Leibniz pela Martins Fontes (2004)
>>> Interview with the vampire de Anne Rice pela Ballantine (1997)
>>> L'horizon Des Esprits de Joseph Moreau pela Presses Universitaires De France (1960)
>>> Paixão india de Javier Moro pela Planeta (2006)
>>> Imperio dos vampiros alma e sangue de Nazarethe Fonseca pela Aleph (2010)
>>> Ciclo da Vida de Paulo Casella pela Massao Ohno (1993)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/4/2006
A perfeição de Spike Lee
Marcelo Miranda
+ de 7500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

1.
Filmes de assalto não são novidade no cinema. Na verdade, eles existem desde os primórdios, inclusive do faroeste, com O Grande Roubo do Trem (1902). Não admira, então, que esse subgênero esteja tão desgastado. Apesar de ter nos proporcionado obras-primas absolutas (com Um Dia de Cão saindo na frente), não é de hoje que os assaltos na tela grande não têm mais tanta força. Claro, há exceções aqui e ali, mas, no geral, o subgênero agoniza.

O diretor americano Spike Lee

Talvez devêssemos dizer agonizava. Porque o improvável Spike Lee (de Faça a Coisa Certa, Malcom X e A Última Noite) acaba de dar fôlego renovado aos assaltos cinematográficos. O que há de atraente em O Plano Perfeito, mais recente filme do cineasta americano, em cartaz no Brasil, não é necessariamente a sua história, que, apesar de intensa, por si só não causaria impacto. O que provoca a inquietação do espectador e a subida da produção do patamar de "bom entretenimento" para "grande filme" é a forma (e o que mais seria?) como Lee desenvolve sua trama. Basicamente, o segredo da perfeição de O Plano Perfeito (Inside Man, no original) é a visão extremamente particular impressa na película. É o primeiro trabalho de Lee assumidamente comercial e com larga distribuição. E estão ali, naquelas duas horas, marcas indeléveis de seu cinema, travestidas numa proposta de chamar atenção do público através da linguagem clássica, de lances surpreendentes e elenco famoso.

Porém, Spike Lee impregna seu assalto com elementos que o fazem o controvertido e significativo diretor que ele é. A característica mais presente em O Plano Perfeito é o choque racial decorrente do crime narrado no filme. Qualquer diálogo de dois minutos envolvendo raças e credos no filme é imensamente mais carregado de complexidade, intensidade e relevância do que toda a metragem do engodo chamado Crash - No Limite, de Paul Haggis e ganhador do Oscar 2006 de melhor filme. Lee faz com categoria, classe e conhecimento de causa, com poucos personagens em cena, o que Haggis cospe no seu roteiro envolvendo dezenas de pessoas.

Denzel Washington em cena do filme O banco onde acontece a ação de O Plano Perfeito é um micro-universo de variações humanas, em cores de pele, crenças religiosas e costumes. Um caldeirão prestes a explodir, algo que o filme não chega a desenvolver diretamente, mas o qual Lee trata com sutileza ao usar o assalto como símbolo dessa explosão e, claro, criar o ambiente claustrofóbico e sem saída no interior do local - processo que lembra Faça a Coisa Certa, um dos grandes exemplares de Spike Lee, em que o calor insuportável de uma Nova York fervilhante tornava tudo mais difícil de se resolver.

Também engrandece O Plano Perfeito o contraponto que o diretor faz entre os policiais e os bandidos: os primeiros são tidos como abobalhados, engambelados pelo vilão (Clive Owen) por meio de gravações telefônicas, jogos de adivinhação, aparente morte de reféns e negociações infrutíferas; já os criminosos são apresentados como mestres na arte do assalto, nem tanto pelo plano mirabolante arquitetado, mas sim pela frieza e segurança com que o fazem. Paralelo a isso, Spike Lee insere outra de suas temáticas: o abuso de poder, ponto em que ele entra na esfera política. O presidente do banco (Christopher Plummer) se envolve no crime por meio de uma mulher influente (Jodie Foster) na tentativa de recuperar algo de valor escondido no lugar. Ele mobiliza o prefeito da cidade para convencer o policial responsável pela negociação (Denzel Washington) a permitir a entrada da mulher no banco assaltado e cheio de reféns. Ela consegue, e ela mesma será a chave para a resolução do conflito. Se o chefão do banco achava que estaria se salvando, a balança será invertida a partir do instante em que o ladrão percebe a força daquilo em que ele se envolveu. O poder que antes era do empresário passa a ser do subalterno, da classe mais desfavorecida - inversão também típica do cinema de Lee, em que nem sempre é o branco que discrimina o negro, nem o cristão que faz joça do judeu.

Clive Owen como o misterioso líder dos assaltantes As relações de poder estão no centro de O Plano Perfeito (não apenas na trama do banqueiro, mas nos interrogatórios na sede policial), tornando o filme ainda mais indispensável e uma quase-anomalia entre os filmes de assalto recentes - em que as "sacadas" de roteiro sobre como se dão os crimes (vide Onze Homens e Um Segredo, Armadilha, Thomas Crown - A Arte do Crime e Uma Saída de Mestre, entre vários e vários outros) sempre ficavam acima de qualquer outra coisa. Não que inexista engenhosidade no longa de Spike Lee. Há, e muita. Porém, ele utiliza essa engenhosidade e uma estrutura de roteiro batida e cansada não para dar rasteiras no espectador e fazê-lo sair da sala de cinema pensando no quanto os planos armados na tela eram fantasticamente inteligentes e infalíveis, mas sim para inserir questionamentos muito pessoais e bastante reveladores acerca dos conflitos do homem urbano moderno em meio ao caos social dos novos tempos. Não é pouca coisa. E não é pra qualquer um.

2.
A coluna passada sobre filmes extremos e filmes extremistas teve mais audiência do que eu podia esperar. Acho que o assunto pode ter, sim, algum interesse em ser discutido. E houve alguns comentários altamente pertinentes, que respondiam à pergunta lançada ao final do texto - como dois filmes com pontos de partida semelhantes, como Sobre Meninos e Lobos e Desejo de Matar, conseguiam ser tão diferentes e opostos? O leitor Marcelo Souza matou a charada de forma sucinta, e é reproduzindo um trecho do comentário dele que eu encerro o assunto, ao menos por ora: "[nos extremistas] há o maniqueímo expresso. De um lado, heróis sofridos e, de outro, vilões odiosos; e, no outro caso [nos extremos ou não-extremistas], personagens de caráter indefinido, que buscam, por vezes, a redenção e, na maioria da vezes, jamais irão encontrar".

3.
Já saiu há algum tempo, mas o registro é extremamente válido. Em 1986, a jornalista Ana Maria Bahiana foi responsável por uma pequena revolução na imprensa cultural brasileira. Criou, em O Globo, o Rio Fanzine, coluna sobre manifestações ditas "alternativas" em praticamente todas as vertentes - da música ao cinema, das artes às baladas noturnas. Fez história. O Rio Fanzine foi se desenvolvendo ao longo dos anos, ganhou e perdeu espaço, foi assumido por novos responsáveis, enfrentou dificuldades e nunca deixou de captar o que se fazia de mais notável no underground, em especial o carioca, mas também de vários outros pontos do país e fora dele.

Um pouco dessa história pode ser constatada no indispensável Rio Fanzine: 18 Anos de Cultura Alternativa (2004, Record, 271 páginas). É uma compilação de dezenas de artigos da coluna, em que se sente a paixão dos que ali escreviam e o faro para descobrir o que havia de relevante na cultura fora do grande circuito. Como comentado no prefácio, de autoria dos organizadores Carlos Albuquerque e Tom Leão, o Rio Fanzine foi responsável, por exemplo, pela "descoberta" do Planet Hemp e do Skank e adiantou a ascensão e influência da música eletrônica. O livro reúne textos e algumas imagens separados por anos, de 1986 até 2004. Não bastasse a oportunidade de ter esses registros, conhecer o livro é testemunhar a transformação do alternativo em artigo de atenção primária.

Para ir além






Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 3/4/2006

Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
02. Tabus do Orkut - 6/2/2006
03. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
04. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/4/2006
14h20min
Meu comentário é sobre o filme, ou melhor, sobre os fenômenos do filme, pensei em assistir porque o diretor era o spike lee, mas o que me fez decidir mesmo foi o clive owen. E, realmente, o filme é incrível, o roteiro é quase perfeito, a diréção é magnífica, mas insuperável mesmo é o clive owen. Na minha opinião, é claro. Quero dizer que o emocional é muito importante, talvez até o essencial em alguns casos. Sou uma cinéfila, escrevo roteiros, assisto curtas em alemão com legendas em espanhol e tb. vou ao cinema pra ver o gostosao do clive owen. Isso nos faz pensar no quanto de emoção há na venda de um produto, quantas donas de casas estão pouco se lixando pra gordura trans e estão comprando a margarina porque lembram daquele modelo fantástico dando uma mordidinha no pão? Tb sou publicitária e acho válido pensar no assunto. E tem mais: quanto mais racional for uma pessoa, maior será seu prazer ao ser guiada por um instinto. Concordam? Ou preferem concordar só com o Clive Owen?
[Leia outros Comentários de Gisela Cesario]
28/4/2006
05h11min
"(...) pela 'descoberta' do Planet Hemp e do Skank, e adiantou a ascensão e [a] influência da música eletrônica (...)" Há controversias quanto a essa afirmação... Leitor durante a adolescência do Rio Fanzine, sei que o Calbuque e o Tom Leao (ou seu alter-ego, Ziggy) sempre lançavam moda tentando "descobrir" alguma banda rock-pop, especialmente inglesa... Qualquer bandinha que lançasse um single e fizesse rebuliço no NMR era imediatamente chamada 'a tona na publicação. Obviamente nunca deu em nada... O melhor do Rio Fanzine foi publicar num só lugar a lista de todos eventos "alternativos" da cidade. Um grande mérito de uma das poucas publicações que fazia isso na época... Hoje em dia, o RF anda meio caido.
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mundo Hoje, O
Flavio Amaro (autor)
Rhj
(2002)



A História de Dora Voadora
Toni Brandão
Studio Nobel
(2003)



Não Tenho Palavras
Chico Caruso
Circo
(1984)



Mistérios do Coração
Roberto Shinyashiki
Gente
(1990)



Geografia do Brasil: Grande Região Leste: Volume V - Série A
Conselho Nacional de Geografia
Ibge
(1965)



Evaluación de los Aprendizados
Pedro D. Lafourcade
Kapelusz
(1969)



Exotic Tropical Fishes
Herbert R. Axelrod Cliff W. Emmens
Looseleaf Edition
(1977)



Nietzsche: o Filósofo do Niilismo e do Eterno Retorno/ Pens e Vida 1
Antonio Carlos Braga
Escala
(2011)



O Despertar da Europa - História Geral Em Documentos 13a Ed.
Maria Paes
Atual Paradidático
(2012)



Cidades Em Tempos Modernos (1995)
Maria Angela Borges Salvadori
Atual
(1995)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês