O gosto da cidade em minha boca | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
16941 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dança de Santa Cruz e arte cigana são temas das Rodas em Conversa no Teatro do Incêndio em abril
>>> Mostra gratuita reúne obras de 14 artistas em Curitiba
>>> Livro reúne contos consagrados de João Carrascoza
>>> 'Os trabalhos da mão' traz parceria entre Alfredo Bosi e Nelson Cruz
>>> Exposição Malabaristas Urbanas de Carolina Saidenberg
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
Últimos Posts
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
>>> Sem troco
>>> Libertarias
>>> A mandioca e o canário da terra
>>> Lua nova
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Casa Arrumada
>>> Anti-Jô Soares
>>> Algo em común
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> 22 de Abril #digestivo10anos
>>> A arapuca da poesia de Ana Marques
>>> 2010 e os meus álbuns musicais
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> Apresentação
Mais Recentes
>>> Los Efectos Perversos Del Petróleo
>>> Afiliadas, a Tv Que Te Vê
>>> O Ajudante de Mentiroso
>>> Toulouse Lautrec miniguia de arte
>>> Farrapos de Lembranças
>>> Next
>>> A Expansão da Memória (Uma Sátira à Informática)
>>> O Jogo de Runas
>>> Escola Gaiola
>>> Poemas Seletos
>>> De volta à cabana
>>> O Guarda noturno da literatura brasileira vida e obra de Joaquim Osório Duque Estrada
>>> Saber Viver Pessoalmente Profissionalmente Financeiramente
>>> O feitiço da ilha do pavão
>>> Folhas da Fortuna
>>> Adube sua Carreira
>>> Marketing para negocios de sucesso Volume II
>>> O que os Ricos sabem e não contam
>>> Vai Fundo! O Guru das Midias Sociais Ensina a Ganhar Dinheiro Fazendo o que Voce Gosta
>>> Os Panzers da Morte
>>> Fissurar o Capitalismo
>>> Trauma - Condutas na abordagem inicial
>>> Cristo
>>> Os segredos de o simbolo perdido
>>> Hadoop:the Definitive Guide (inglês)
>>> Dieta Ortomolecular
>>> Tratado de Medicina Física e Reabilitação de Krusen Vol 2
>>> Tratado de Medicina Física e Reabilitação de Krusen Vol 1
>>> Dor nas costas
>>> Aspectos Biomecânicos - Cadeias Musculares e Articulares- Método GDS
>>> Exame da OAB Unificado. 1ª Fase
>>> Anatomia Funcional das Cadeias Musculares
>>> Os Doze Passos e as Doze Tradições
>>> Vivendo Sóbrio
>>> Pedra Bonita - Coleção Literatura Brasileira Contemporânea
>>> Pensão Riso da Noite - Coleção Literatura Brasileira Contemporânea
>>> Olhai os Lírios do Campo - Coleção Literatura Brasileira Contemporânea
>>> As Três Irmãs / Contos
>>> Estado de Sítio / o Estrangeiro
>>> Dicionário de Milagres
>>> Minha Fama de Mau
>>> Só É Gordo Quem Quer
>>> Feliz Aniversário - o Poder dos Dias, Estrelas e Números na Sua Vida
>>> Serafim Ponte Grande - Coleção Grandes da Literatura Brasileira
>>> Macunaíma - Coleção os Grandes da Literatura Brasileira
>>> O Fio da Navalha
>>> Os Mandarins - Volume Único
>>> História de Pobres Amantes
>>> Clarissa
>>> A Bagaceira - Coleção os Grandes da Literatura Brasileira
COLUNAS

Quinta-feira, 21/5/2015
O gosto da cidade em minha boca
Elisa Andrade Buzzo

+ de 2000 Acessos

− Purpurina negra cinza e prata, em pequenos montes ela se acumula no asfalto, nas frinchas dos viadutos, entre o meio-fio e o olho da rua, poeira poluente que ao longo do tempo se foi triturando, se espalhando com o vento em partículas finíssimas pela cidade, a cada dia mais se refinando este pó de sujeira e vida. Mais parece matéria divina aquela que não se pega com as mãos, antes se percebe a presença brilhosa que se mantém fisicamente impossível de se alcançar. E assim se concentra mais uma camada, se redensifica mais dessa grosseira substância da qual participamos, células mortas, cabelos, resíduos de combustíveis fósseis e toda a sorte de sobras solitárias. − Diariamente temos um encontro com este corpo vivo de cidade. Há uma relação de dependência na medida em que ela se faz e desfaz e nós participamos da sua efemeridade e continuidade. Passamos a mão em seu lânguido e gelado corpo em balaústres, corrimões, num contato furtivo e desinteressado. Agora será diferente. Quando encostei o corpo na cidade, foi num sábado ensolarado no Jardim Botânico. Os lagartos se refastelavam nas pedras quentes da escadaria, se escondiam nos seus buracos. E os nossos corpos tiveram um primeiro encontro na umidade da grama ainda serenada. − A minha cidade parece ter mais de um gosto. Um é etéreo, cheira a arvoredo colonial, espuma limpa de rio marulhando. O outro é áspero, poluente este gosto particulado que engolfo numa rajada de ar e estala forte na língua, indiferente este gosto refrigerado que se sente, se repudia e se vandaliza. − Neste que é um dia típico em que os olhares se encontram e se desviam desinteressados no vagão lotado, estou tão perto da porta de metal que chego quase a beijá-la, estamos em tête-à-tête, embaladas pelo rumor do movimento subterrâneo. Foi quando encostei a boca na cidade e reconhecemos um olor de metal, de coisa usada. − Então me apoio em seu peito vasto, enquanto percorremos vales e ruas nunca vistas, em vilas cercanas da serra. Pequena sou, mas mandatária de suas vontades, seguimos em sintonia, formando uma composição unitária após a devassidão dos corpos. E escorrego em sua língua áspera de ladeiras, me perco em sua boca funda, negra e obscura, para então sair, do outro lado do túnel, aguardado um outro depois outro e sempre a passagem das suas luzes magníficas.

Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 21/5/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que você vai ser quando crescer? de Fabio Gomes
02. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal
03. O primeiro e pior emprego de Marta Barcellos
04. Depois do chover de Elisa Andrade Buzzo
05. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas de Elisa Andrade Buzzo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2015
01. Rugas e rusgas - 15/1/2015
02. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas - 26/2/2015
03. Viagem aos baixos do Viaduto do Chá - 5/2/2015
04. Em noite de lua azul - 6/8/2015
05. Quero ser Marina Abramović - 7/5/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOSSO FILHO VAI SER MÃE - WALMIR AYALA (TEATRO BRASILEIRO)
WALMIR AYALA
LETRAS E ARTES
(1965)
R$ 18,00



DIETA E EMAGRECIMENTO - GUIA DE BELEZA E BOA FORMA
NÃO CONSTA
NÃO CONSTA
R$ 8,99



A CIDADES E AS SERRAS
EÇA DE QUEIROZ
GARNIER
(2018)
R$ 15,00



MILAGRES ACONTECEM DE FATO
BRIEGE MCKENNA, HENRY LIBERSAT
LOYOLA
(1997)
R$ 6,70



CARAPEÇO - POESIAS
HERMES PIRES LEÃO
BELO HORIZONTE
(1958)
R$ 169,90



OS 50 MAIORES ERROS DA HUMANIDADE
TRAJANO LEME FILHO
AXCEL BOOKS
(2004)
R$ 38,99



INFÂNCIA
GRACILIANO RAMOS
RECORD
(1976)
R$ 8,60



ARENA CONTA TIRADENTES - AUGUSTO BOAL E GIANFRANCESCO GUARNIERI (TEATRO BRASILEIRO)
AUGUSTO BOAL E GIANFRANCESCO GUARNIERI
SAGARANA
(1967)
R$ 35,00



SIGNO Y SIGNIFICACIÓN - GONZALO ABRIL (EM ESPANHOL)
GONZALO ABRIL
PABLO DEL RÍO
(1976)
R$ 8,00



A REVOLUÇÃO FRANCESA - HISTÓRIA MUNDIAL EM QUADRINHOS
DINIZ
ESCALA EDUCACIONAL
(2008)
R$ 12,00





busca | avançada
16941 visitas/dia
829 mil/mês