O poeta, a pedra e o caminho | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
23400 visitas/dia
586 mil/mês
Mais Recentes
>>> Confraria do Vinil chega ao Cachaça Social Club na Lapa
>>> Windsor Marapendi apresenta Companhia Estadual de Jazz
>>> CarnaRock KISS FOR KIDS
>>> Para compreender a filosofia de Schopenhauer
>>> Editora Unesp resgata textos do expoente do empirismo iluminista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Longa vida à fotografia
>>> Oswald de Andrade e o
>>> Nuvem Negra*
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> Vocês, que não os verei mais
>>> Em nome dos filhos
>>> O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope'
>>> Píramo e Tisbe
>>> Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Gente que corre
>>> Inventário de provas
>>> Escrever, escrever, escrever...
>>> Políticos e suas politicas
>>> Marceneiro
>>> Hércules e seu doutorado sanduíche com Aristóteles
>>> Caminhos
>>> Eroti(cidade)
>>> O sapo e a princesa
>>> Ato reflexo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Transei com minha mãe, matei meu pai
>>> Flip 2008 ― I
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Também somos violentos
>>> O Céu pode esperar
>>> A internet não é nada
>>> A Pérola de Galileu
>>> O humanista Edward Said
>>> Peterson e Pass 1987
Mais Recentes
>>> Nações do Mundo
>>> Enciclopédia da Humana
>>> Enciclopédia doa Hmanidade
>>> Enciclopédia da Humamanidade
>>> A Bíblia- No Princípio ( Gênesis)
>>> A espada de Siegfried
>>> As viagens de Ulisses
>>> O que é capitalismo - Primeiros Passos
>>> Métodos de Estudos Bílbicos
>>> O crime do Padre Amaro
>>> A montanha mágica
>>> O Pequeno Principe
>>> Obra completa - Dostoiévski - Vol. 03
>>> Obra completa - Dostoiévski - Vol. 02
>>> A Igreja. O Corpo de Cristo no Mundo de Hoje
>>> Obra completa - Dostoiévski - Vol. 01
>>> Obra Poética - Cecília Meireles
>>> Obra Reunida - Olavo Bilac
>>> Diretorio dos Agostinosda assunçaõ
>>> Finanças corporativas
>>> Naõ sou feliz mas tenho marido
>>> Cigarro ea Magia
>>> A banda da lua azul
>>> Corações Feridos
>>> Jardim de inverno
>>> Onde deixei meus óculos
>>> Como se relacionar melhor com as pessoas
>>> Como transformar defeitos em virtudes
>>> Viagem ao Inconsciente
>>> Sociedaqde e conscência
>>> Pais e filhos
>>> As pedras do caminha
>>> Jesus,a Galaxia
>>> Medicina alternativa de A Z
>>> o que é 0 Esspiritismo
>>> Amor de cão
>>> Lobos do Mar
>>> Serviço total ao cliente
>>> Adolescente viva em harmonia com ele
>>> Manual Compcto de Matemática
>>> Melhores Contos
>>> Oráculos dos anjos
>>> Felicidade com Deus
>>> Vivendo Plenamente
>>> Amor e sexualidade
>>> Saber desenvolver a criatividade na vida e no trabalho
>>> Traços da Face Divina
>>> Pais e Companheiros de viagem
>>> É hora de mudar
>>> Um Grito de Luz
COLUNAS

Quarta-feira, 5/8/2015
O poeta, a pedra e o caminho
Wellington Machado

+ de 8500 Acessos


Imagem: Jak Lins



Alguém foi tomado de um espanto: tinha uma pedra! Ela sempre foi uma pedra qualquer, em meio a outras, e foi percebida como obstáculo naquele momento? Ou ela sempre esteve ali, isolada, imperceptível até então?

De que tamanho era a pedra? Se era grande, do tamanho de uma bola de futebol, por exemplo, seria impossível que ela não pudesse ser notada anteriormente. Se alguém a visse, certamente a removeria dali, sob pena de um outro se machucar.

E se até aquele exato momento ninguém tivesse passado por ali e percebido que aquela grande pedra incomodava? Teria sido este o primeiro encontro entre o homem e a pedra, desde o surgimento da Terra e da humanidade? E se, ao contrário, alguém tivesse, sim, passado por ali, mas não desse a mínima para aquela pedra, nem para a possibilidade de alguém tropeçar nela e se machucar no futuro? Apesar do encontro entre o homem e pedra, portanto, ela continuava ali, sem ser notada.

Como ou por que a pedra chegou ali, no meio do caminho? Seria ela a resultante de um vulcão pré-histórico, que fez pedras de variados tamanhos se deslocarem até atingirem o estado estático? Ou: alguém teria posto aquela pedra ali, num ato intencional?

Consideremos, então, que a tal pedra não fosse tão grande como uma bola de futebol, mas do tamanho de uma batata. Não seria em princípio, convenhamos, um obstáculo em si, a ponto de exigir grandes esforços do poeta para transpô-la. O mais provável era ele ter um primeiro impulso de lançá-la longe, o mais longe possível mirando o horizonte, como se quisesse imitar um atleta olímpico lançando um dardo - ele tomaria o cuidado de imitar os movimentos do atleta para conseguir o maior êxito possível.

Mas, sorte que as retinas fatigadas não estavam tão esgotadas assim a ponto de o poeta ignorar ou não enxergar a pedra. Se assim fosse, ou o poeta transporia distraidamente a pedra - como alguém que por sorte não pisa numa casca de banana - ou iria pisar nela, causando-lhe uma dor incômoda (ele iria xingar mentalmente a pedra, soletrando palavrões horrendos). Ou: na hipótese de a pedra ser arredondada (não sabemos que formato ela tinha), poderia o poeta derrapar e cair sentado. Em ambos os casos - pisando ou transpondo a pedra - não haveria poema.

De outra forma, se a pedra fosse do tamanho de um grão de feijão, já seria um grande mérito as retinas fatigadas terem-na percebido ali. Ora, se as retinas eram fatigadas, supõe-se que o transeunte já tinha uma certa idade. E o fato dele ter se atido a uma pedrinha num caminho (hipoteticamente longo), poderíamos considerar que este fora um ato intencional: o poeta praticamente procurava uma pedra (ou outra coisa qualquer) enquanto percorria o caminho. Mas a impressão que se tem é a de que a pedra era mesmo um pouco maior, do tamanho de uma batata média.

Mas quem estava diante da pedra: o poeta ou um personagem? Se foi o primeiro, muito provavelmente ele tivesse mesmo se deparado com a tal pedra motivadora do poema, dando a ela uma importância inédita. Quem haveria até então relevado um objeto comumente ignorado, quase vil? A pedra foi, com o poeta, alçada a mesma importância do amor, dos aromas, das flores, borboletas e estrelas, exaltados por outros notáveis. Se foi o poeta quem se deparou com a pedra, o cerne do poema é o acaso que se tornou relevante. A pedra é um mote para uma condição fenomenológica, uma intencionalidade do homem [o poeta] em reconhecer a existência de um objeto [a pedra] por alguns instantes.

Agora, se considerarmos que quem se deparou com a pedra foi um personagem, a pedra é tão ficcional como o próprio. Pedra e personagem estão em pé de igualdade e são joguetes nas mãos do poeta para ilustrar possíveis questões existenciais: a pedra foi "colocada" no caminho do personagem, a fim de ilustrar um momento de espanto, de auto-questionamento do poeta (não do personagem) no sentido de "estar-em-si", consciente daquele recorte (a percepção da pedra). O espanto do "tempo perdido", da vida que se esvaiu até ali, com a percepção da sua decadência física (retinas) sem que ele tivesse se atentado devidamente aos momentos sublimes da vida, presentes na simplicidade cotidiana. Personagem e pedra são a metáfora de uma descoberta tardia.

Há indícios de que não foi o poeta quem se deparou com a pedra, mas o personagem. Partindo do pressuposto de que o poema é de 1930, ano em que o poeta tinha 28 anos - jovem, portanto -, dificilmente ele teria retinas fatigadas.

E que caminho? Se o poema é já quase centenário, podemos inferir que na sua época havia vários caminhos, digamos, rurais - tipo aqueles que desenhávamos nos cadernos sem pauta e coloríamos de amarelo ou bege a terra desgastada pelo caminhar das pessoas, e de verde, a vegetação lindeira. A palavra "caminho" remete a campo, algo primaveril. Nas cidades não há caminhos; há ruas. Quem se depara com uma pedra, inevitavelmente está a pé. O poema seria impossível ser composto por um citadino, pois quase não há pedras nas metrópoles e por ali anda-se muito de carro, ônibus, metrô ou bicicleta.

O fato de as retinas estarem fatigadas nos leva a crer que o poeta tinha visto muita vida, e percorreu o mesmo traçado durante anos, sem notar a tal pedra. Provavelmente não só as retinas estavam cansadas, mas os pés rachados. O que ele sentiu ao fitar a pedra naquela altura da vida? Culpa - por ter perdido outras coisas na vida pelo fato de não estar permanentemente atento? Compaixão - por considerar aquela pedra um ser da mesma importância de uma formiga, ainda que a pedra seja inanimada e dura?

Aparentemente o poeta/personagem deixou a pedra pra trás, sem nela tocar. A pedra virou passado, memória, pois dela ele nunca se esqueceria, como prometeu. O "obstáculo", palavra que carrega um sentido negativo intrínseco, tornou-se uma espécie de epifania, um congelamento de um instante único, fotografia de um sentimento.

Pelo visto o poeta respeitou o estado da pedra: una, dura, estática. Estaria ela lá neste exato momento?

Nota do Editor
Leia também "No meio do caminho: 80 anos"


Wellington Machado
Belo Horizonte, 5/8/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
02. Dheepan, uma busca por uma nova vida de Guilherme Carvalhal
03. Quero ser Marina Abramović de Elisa Andrade Buzzo
04. Quando as rodas param de Elisa Andrade Buzzo
05. Só por uma noite de Carina Destempero


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
04. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
05. Marcador de página inteligente - 3/9/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROCURA-SE UMA ROSA - VINICIUS DE MORAIS/PEDRO BLOCH/GLAUCO GIL (TEATRO BRASILEIRO)
VINICIUS DE MORAIS/PEDRO BLOCH/GLAUCO GIL
MASSAO ONO
(1961)
R$ 20,00



PAIS E FILHOS
IVAN TURGUÊNIEV
ABRIL CULTURAL
(1971)
R$ 7,20



MOMENTOS HUMANOS
EDWARD M. HALLOWELL
ROCCO
(2004)
R$ 15,17



-BOA-NOITE, DONA LUA
TERESINHA CAUHI DE OLIVEIRA
FTD S.A
(1997)
R$ 7,00



GEOGRÁFICA UNIVERSAL - JAN/1995
VÁRIOS
BLOCH
(1995)
R$ 7,20



DIREITOS HUMANOS DO BRASIL 2009
VV
FUNDAÇÃO HEINRICH BÖLL
(2009)
R$ 19,00



REFLEXÕES SOBRE O SERMÃO DO MONTE
LAÉRCIO MADSON DE AMORIM MONTEIRO
DO AUTOR
(2010)
R$ 14,00



REVISTA PET WORLD Nº 1
VÁRIOS
ANIMAL WORLD
(2007)
R$ 7,00



DISCIPLINA, LIMITE NA MEDIDA CERTA
IÇAMI TIBA
GENTE
(1996)
R$ 12,35



X-MEN ADVENTURES Nº2 E Nº1 DA SÉRIE II
MARVEL COMICS
ABRIL
(1995)
R$ 5,00





busca | avançada
23400 visitas/dia
586 mil/mês