O poeta, a pedra e o caminho | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe D'arc - Dark de Dinah Perry e Jorge Garcia
>>> Última semana para prestigiar as exposições de Alex Flemming e Marcius Galan na Fundação Ema Klabin
>>> Casa da Memória Italiana realiza debate sobre fotografia
>>> Letícia Sekito, Cia Tentáculo e Marcos Moraes fazem o último Cartografia do Possível no CRDSP
>>> Duo CasaDois se apresenta no Zé do Hamburger
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
>>> Por que HQ não é literatura?
>>> Precisamos falar sobre Kevin
>>> Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila
>>> Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caindo na Real - Você Aproveitou as Oportunidades
>>> Ilustrado
>>> Fascínio cotidiano
>>> O que sei do tempo III
>>> Primeiro ato
>>> Pssica e a Amazônia de Edyr Augusto
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> Voamos Juntos
>>> Evolução, revolução e regressão
>>> Medo do futuro?
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Estranho Wittgenstein
>>> O Gene Egoísta, de Richard Dawkins
>>> Te cuida, rapaz
>>> As cores de Pamuk
>>> Morreu Vinicius de Moraes
>>> 20 anos de cultura no brasil
>>> Rua da passagem
>>> Olhando pela fresta
>>> Fragmentos de um Paulo Francis amoroso
>>> Era uma vez o conto de fadas
Mais Recentes
>>> Livro, Isto - Cartuns
>>> Quelques Sentiments de Culpabilité
>>> A Ilha Sob o Mar
>>> Criança 44 - 3ª Edição
>>> Sefarad - Um Romance de Romances
>>> Tiro no Coração - A História de Um Assassino - 1ª Edição
>>> Bartleby, O Escrevente - Uma História de Wall Street
>>> O Homem que Comeu de Tudo - 1ª Edição
>>> Como a Música Ficou Grátis - O Fim de Uma Industria... 1ª Edição
>>> Pensando o Século XX - 1ª Edição
>>> Hemorragias Elétricas
>>> Derriça Elétrica
>>> O Sequestro do Santa Maria - Um Sonho de Liberdade
>>> Artigos, Análises e Tutoriais de Telecomunicações
>>> O Desafio da Inovação - A Revolução do Conhecimento nas Empresas Brasileiras
>>> Sob O Olhar de Deus ... - 4ª Edição
>>> Lendas do Deserto - 11ª Edição
>>> Céu de Allah - 11ª Edição
>>> Lendas do Povo de Deus - 8ª Edição
>>> Minha Vida Querida - 12ª Edição
>>> Maktub (Estava Escrito) - 9ª Edição
>>> Seleções (Os Melhores Contos) - 5ª Edição
>>> O Homem que Calculava - 19ª Edição
>>> Mil Histórias Sem Fim... Volume 2 - 5ª Edição
>>> Novas Lendas Orientais - Livro Virgem
>>> Os Filósofos Pré-Socráticos
>>> O Caminho da Cura, o Chi Kung para a Energia e a Saúde
>>> Respiração, pura alquimia
>>> Nossa Senhora dos Heréticos
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo
>>> Os 100 Segredos das Pessoas Felizes
>>> O blog da família
>>> Comer, rezar, amar
>>> Sabor de vitória
>>> Tarô Madame Lenormand
>>> Foundation IELTS Masterclass
>>> Baralho Cigano Lenormand Clássico
>>> Golden Lenormand Oracle Cards
>>> Easy Lenormand: Quick Answers to Everyday Questions
>>> The Lenormand Fortune-telling Cards: The Legendary 18th-Century Oracle
>>> Aleister Crowley Thoth Tarot Deck
>>> A árvore do medo
>>> A invasão francesa do brasil
>>> Coleção 70o Aniversário da II Guerra Mundial
>>> Do outro lado do muro
>>> O advinhador
>>> Rita está crescendo
>>> Fenomenologia da Percepção
>>> A Condição Humana
>>> Carrego no peito
COLUNAS

Quarta-feira, 5/8/2015
O poeta, a pedra e o caminho
Wellington Machado

+ de 12800 Acessos


Imagem: Jak Lins



Alguém foi tomado de um espanto: tinha uma pedra! Ela sempre foi uma pedra qualquer, em meio a outras, e foi percebida como obstáculo naquele momento? Ou ela sempre esteve ali, isolada, imperceptível até então?

De que tamanho era a pedra? Se era grande, do tamanho de uma bola de futebol, por exemplo, seria impossível que ela não pudesse ser notada anteriormente. Se alguém a visse, certamente a removeria dali, sob pena de um outro se machucar.

E se até aquele exato momento ninguém tivesse passado por ali e percebido que aquela grande pedra incomodava? Teria sido este o primeiro encontro entre o homem e a pedra, desde o surgimento da Terra e da humanidade? E se, ao contrário, alguém tivesse, sim, passado por ali, mas não desse a mínima para aquela pedra, nem para a possibilidade de alguém tropeçar nela e se machucar no futuro? Apesar do encontro entre o homem e pedra, portanto, ela continuava ali, sem ser notada.

Como ou por que a pedra chegou ali, no meio do caminho? Seria ela a resultante de um vulcão pré-histórico, que fez pedras de variados tamanhos se deslocarem até atingirem o estado estático? Ou: alguém teria posto aquela pedra ali, num ato intencional?

Consideremos, então, que a tal pedra não fosse tão grande como uma bola de futebol, mas do tamanho de uma batata. Não seria em princípio, convenhamos, um obstáculo em si, a ponto de exigir grandes esforços do poeta para transpô-la. O mais provável era ele ter um primeiro impulso de lançá-la longe, o mais longe possível mirando o horizonte, como se quisesse imitar um atleta olímpico lançando um dardo - ele tomaria o cuidado de imitar os movimentos do atleta para conseguir o maior êxito possível.

Mas, sorte que as retinas fatigadas não estavam tão esgotadas assim a ponto de o poeta ignorar ou não enxergar a pedra. Se assim fosse, ou o poeta transporia distraidamente a pedra - como alguém que por sorte não pisa numa casca de banana - ou iria pisar nela, causando-lhe uma dor incômoda (ele iria xingar mentalmente a pedra, soletrando palavrões horrendos). Ou: na hipótese de a pedra ser arredondada (não sabemos que formato ela tinha), poderia o poeta derrapar e cair sentado. Em ambos os casos - pisando ou transpondo a pedra - não haveria poema.

De outra forma, se a pedra fosse do tamanho de um grão de feijão, já seria um grande mérito as retinas fatigadas terem-na percebido ali. Ora, se as retinas eram fatigadas, supõe-se que o transeunte já tinha uma certa idade. E o fato dele ter se atido a uma pedrinha num caminho (hipoteticamente longo), poderíamos considerar que este fora um ato intencional: o poeta praticamente procurava uma pedra (ou outra coisa qualquer) enquanto percorria o caminho. Mas a impressão que se tem é a de que a pedra era mesmo um pouco maior, do tamanho de uma batata média.

Mas quem estava diante da pedra: o poeta ou um personagem? Se foi o primeiro, muito provavelmente ele tivesse mesmo se deparado com a tal pedra motivadora do poema, dando a ela uma importância inédita. Quem haveria até então relevado um objeto comumente ignorado, quase vil? A pedra foi, com o poeta, alçada a mesma importância do amor, dos aromas, das flores, borboletas e estrelas, exaltados por outros notáveis. Se foi o poeta quem se deparou com a pedra, o cerne do poema é o acaso que se tornou relevante. A pedra é um mote para uma condição fenomenológica, uma intencionalidade do homem [o poeta] em reconhecer a existência de um objeto [a pedra] por alguns instantes.

Agora, se considerarmos que quem se deparou com a pedra foi um personagem, a pedra é tão ficcional como o próprio. Pedra e personagem estão em pé de igualdade e são joguetes nas mãos do poeta para ilustrar possíveis questões existenciais: a pedra foi "colocada" no caminho do personagem, a fim de ilustrar um momento de espanto, de auto-questionamento do poeta (não do personagem) no sentido de "estar-em-si", consciente daquele recorte (a percepção da pedra). O espanto do "tempo perdido", da vida que se esvaiu até ali, com a percepção da sua decadência física (retinas) sem que ele tivesse se atentado devidamente aos momentos sublimes da vida, presentes na simplicidade cotidiana. Personagem e pedra são a metáfora de uma descoberta tardia.

Há indícios de que não foi o poeta quem se deparou com a pedra, mas o personagem. Partindo do pressuposto de que o poema é de 1930, ano em que o poeta tinha 28 anos - jovem, portanto -, dificilmente ele teria retinas fatigadas.

E que caminho? Se o poema é já quase centenário, podemos inferir que na sua época havia vários caminhos, digamos, rurais - tipo aqueles que desenhávamos nos cadernos sem pauta e coloríamos de amarelo ou bege a terra desgastada pelo caminhar das pessoas, e de verde, a vegetação lindeira. A palavra "caminho" remete a campo, algo primaveril. Nas cidades não há caminhos; há ruas. Quem se depara com uma pedra, inevitavelmente está a pé. O poema seria impossível ser composto por um citadino, pois quase não há pedras nas metrópoles e por ali anda-se muito de carro, ônibus, metrô ou bicicleta.

O fato de as retinas estarem fatigadas nos leva a crer que o poeta tinha visto muita vida, e percorreu o mesmo traçado durante anos, sem notar a tal pedra. Provavelmente não só as retinas estavam cansadas, mas os pés rachados. O que ele sentiu ao fitar a pedra naquela altura da vida? Culpa - por ter perdido outras coisas na vida pelo fato de não estar permanentemente atento? Compaixão - por considerar aquela pedra um ser da mesma importância de uma formiga, ainda que a pedra seja inanimada e dura?

Aparentemente o poeta/personagem deixou a pedra pra trás, sem nela tocar. A pedra virou passado, memória, pois dela ele nunca se esqueceria, como prometeu. O "obstáculo", palavra que carrega um sentido negativo intrínseco, tornou-se uma espécie de epifania, um congelamento de um instante único, fotografia de um sentimento.

Pelo visto o poeta respeitou o estado da pedra: una, dura, estática. Estaria ela lá neste exato momento?

Nota do Editor
Leia também "No meio do caminho: 80 anos"


Wellington Machado
Belo Horizonte, 5/8/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Primavera ao ar livre de Elisa Andrade Buzzo
02. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. de Guilherme Pontes Coelho
03. Eleição para boi dormir? de Jardel Dias Cavalcanti
04. 2009 e minhas leituras de Rafael Fernandes
05. Contra reforma ortográfica de Guga Schultze


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
02. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
04. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
05. Marcador de página inteligente - 3/9/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ÍCONES DO SÉCULO XX
GIORGIO TABORELLI
SENAC, MONDADORI
(1999)
R$ 40,00
+ frete grátis



CASAIS TROCADOS
JOHN UPDIKE
CÍRCULO DO LIVRO
(1968)
R$ 3,00



COMO SALVAR SEU CASAMENTO
DR LES PARROTT E DRA LESLIE PARROT
VIDA
(1998)
R$ 18,00



A LITERATURA FRANCESA E A PINTURA - ENSAIOS CRÍTICOS
CELINA MARIA MOREIRA DE MELLO
7LETRAS
(2004)
R$ 20,30



RUMOS DOUTRINÁRIOS
INDALÍCIO MENDES
FEB
(2010)
R$ 9,25



O ENFORCADO
GEORGES SIMENON
LPM POCKET
(2004)
R$ 4,90



ESTRUTURA E FUNÇÕES DO CORPO HUMANO
GARY A. THIBODEAOU E KEVIN T. PATTON
MANOLE
(2017)
R$ 45,00



OS MANUSCRITOS PERDIDOS DOS REIS MAGOS
BRENT LANDAU
MATRIX
(2013)
R$ 9,30



ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING
PHILIP KOTLER
PRENTICE HALL
(2000)
R$ 65,00



A MAGIA DA CAMISA 10
ANDRÉ RIBEIRO & VLADIR LEMOS
VERUZ
(2006)
R$ 14,00





busca | avançada
9175 visitas/dia
1,0 milhão/mês