O poeta, a pedra e o caminho | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
31563 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dinah Perry e Jorge Garcia realizam ensaio aberto do espetáculo D'arc - Dark
>>> Porto das Monções, filme de Vicentini Gomez, tem exibição grátis no Cine Olido dia 21/8
>>> DOCTOR PHEABES CONVIDA SUPLA NO ROCK IN RIO 2017
>>> Teatro Fase recebe Dedé Santana no drama 'A última vida de um gato'
>>> Galeria Bolsa de Arte apresenta Espelho (El Mensajero), de André Severo, a partir de 22 de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel
>>> Apontamentos de inverno
>>> Literatura, quatro de julho e pertencimento
>>> O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico
>>> Um caso de manipulação
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Elas por elas
>>> Ritmo binário
>>> A imagem de Haroldo Maranhão
>>> Rimas geométricas
>>> Por um cisco
>>> Em relação a ti
>>> Sobre os papéis
>>> Universo ardente
>>> Gramática geral
>>> O CIRCO ESOTÉRICO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eu só quero chocolate
>>> Conceição: enfim, nos cinemas
>>> O romance espinhoso de Marco Lacerda
>>> Tipos brasileiros
>>> Tipos brasileiros
>>> Tipos brasileiros
>>> O fim da revista Bravo!
>>> Mais pressão na caldeira
>>> Prenda-me se for capaz
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Filosofia do Direito (14) - Coleção OAB Nacional - Saraiva (2014) - Seminovo
>>> Logística Verde: Uma Abordagem Sócio-Ambiental
>>> O rei das fraudes
>>> Filipe da Espanha
>>> A Imagem Proibida + Uma História Intelectual da Iconoclastia
>>> Temas da Prática do Direito
>>> Juventude,cultura e cidadania- Edição Especial
>>> As teses de satanas
>>> Herobrine a lenda
>>> No tempo em que a televisão mandava no Carlinhos
>>> O templo interior
>>> Um amor de verdade
>>> Fundamentos de Física - Volume 1
>>> Felpo Filva
>>> Cálculo - Volume 1
>>> O Homem de Gelo - Confissões de um matador da máfia
>>> Vida espiritual
>>> O reino
>>> Cultura Organizacional
>>> Felizes para Sempre
>>> Logística Ambiental de Resíduos Sólidos
>>> Bem-Casados
>>> Mar de Rosas
>>> Álbum de Casamento
>>> Eu Sou o Mensageiro
>>> Shopping Mall
>>> Will&Will
>>> Belo Desastre
>>> Desastre Iminente
>>> Belo Casamento
>>> Um amor de cinema: Uma lista, dois caras, dez filmes
>>> A Formatura
>>> Estudo Independente
>>> O Teste
>>> Veneno
>>> Feitiço
>>> Poder
>>> Logística Reversa Meio Ambiente e Competitividade
>>> Quem é você, Alasca?
>>> A mitologia grega escrita por eles
>>> As Luzes de Setembro
>>> Extras
>>> Um Milagre Chamado Grace
>>> Ladrão De Almas
>>> Uma Longa Jornada
>>> O que está acontecenco com as nossas garotas
>>> O Que Me Faz Pular
>>> Never Sky - Sob o Céu do Nunca
>>> Extraordinário
>>> Desejo à Meia-Noite
COLUNAS

Quarta-feira, 5/8/2015
O poeta, a pedra e o caminho
Wellington Machado

+ de 11800 Acessos


Imagem: Jak Lins



Alguém foi tomado de um espanto: tinha uma pedra! Ela sempre foi uma pedra qualquer, em meio a outras, e foi percebida como obstáculo naquele momento? Ou ela sempre esteve ali, isolada, imperceptível até então?

De que tamanho era a pedra? Se era grande, do tamanho de uma bola de futebol, por exemplo, seria impossível que ela não pudesse ser notada anteriormente. Se alguém a visse, certamente a removeria dali, sob pena de um outro se machucar.

E se até aquele exato momento ninguém tivesse passado por ali e percebido que aquela grande pedra incomodava? Teria sido este o primeiro encontro entre o homem e a pedra, desde o surgimento da Terra e da humanidade? E se, ao contrário, alguém tivesse, sim, passado por ali, mas não desse a mínima para aquela pedra, nem para a possibilidade de alguém tropeçar nela e se machucar no futuro? Apesar do encontro entre o homem e pedra, portanto, ela continuava ali, sem ser notada.

Como ou por que a pedra chegou ali, no meio do caminho? Seria ela a resultante de um vulcão pré-histórico, que fez pedras de variados tamanhos se deslocarem até atingirem o estado estático? Ou: alguém teria posto aquela pedra ali, num ato intencional?

Consideremos, então, que a tal pedra não fosse tão grande como uma bola de futebol, mas do tamanho de uma batata. Não seria em princípio, convenhamos, um obstáculo em si, a ponto de exigir grandes esforços do poeta para transpô-la. O mais provável era ele ter um primeiro impulso de lançá-la longe, o mais longe possível mirando o horizonte, como se quisesse imitar um atleta olímpico lançando um dardo - ele tomaria o cuidado de imitar os movimentos do atleta para conseguir o maior êxito possível.

Mas, sorte que as retinas fatigadas não estavam tão esgotadas assim a ponto de o poeta ignorar ou não enxergar a pedra. Se assim fosse, ou o poeta transporia distraidamente a pedra - como alguém que por sorte não pisa numa casca de banana - ou iria pisar nela, causando-lhe uma dor incômoda (ele iria xingar mentalmente a pedra, soletrando palavrões horrendos). Ou: na hipótese de a pedra ser arredondada (não sabemos que formato ela tinha), poderia o poeta derrapar e cair sentado. Em ambos os casos - pisando ou transpondo a pedra - não haveria poema.

De outra forma, se a pedra fosse do tamanho de um grão de feijão, já seria um grande mérito as retinas fatigadas terem-na percebido ali. Ora, se as retinas eram fatigadas, supõe-se que o transeunte já tinha uma certa idade. E o fato dele ter se atido a uma pedrinha num caminho (hipoteticamente longo), poderíamos considerar que este fora um ato intencional: o poeta praticamente procurava uma pedra (ou outra coisa qualquer) enquanto percorria o caminho. Mas a impressão que se tem é a de que a pedra era mesmo um pouco maior, do tamanho de uma batata média.

Mas quem estava diante da pedra: o poeta ou um personagem? Se foi o primeiro, muito provavelmente ele tivesse mesmo se deparado com a tal pedra motivadora do poema, dando a ela uma importância inédita. Quem haveria até então relevado um objeto comumente ignorado, quase vil? A pedra foi, com o poeta, alçada a mesma importância do amor, dos aromas, das flores, borboletas e estrelas, exaltados por outros notáveis. Se foi o poeta quem se deparou com a pedra, o cerne do poema é o acaso que se tornou relevante. A pedra é um mote para uma condição fenomenológica, uma intencionalidade do homem [o poeta] em reconhecer a existência de um objeto [a pedra] por alguns instantes.

Agora, se considerarmos que quem se deparou com a pedra foi um personagem, a pedra é tão ficcional como o próprio. Pedra e personagem estão em pé de igualdade e são joguetes nas mãos do poeta para ilustrar possíveis questões existenciais: a pedra foi "colocada" no caminho do personagem, a fim de ilustrar um momento de espanto, de auto-questionamento do poeta (não do personagem) no sentido de "estar-em-si", consciente daquele recorte (a percepção da pedra). O espanto do "tempo perdido", da vida que se esvaiu até ali, com a percepção da sua decadência física (retinas) sem que ele tivesse se atentado devidamente aos momentos sublimes da vida, presentes na simplicidade cotidiana. Personagem e pedra são a metáfora de uma descoberta tardia.

Há indícios de que não foi o poeta quem se deparou com a pedra, mas o personagem. Partindo do pressuposto de que o poema é de 1930, ano em que o poeta tinha 28 anos - jovem, portanto -, dificilmente ele teria retinas fatigadas.

E que caminho? Se o poema é já quase centenário, podemos inferir que na sua época havia vários caminhos, digamos, rurais - tipo aqueles que desenhávamos nos cadernos sem pauta e coloríamos de amarelo ou bege a terra desgastada pelo caminhar das pessoas, e de verde, a vegetação lindeira. A palavra "caminho" remete a campo, algo primaveril. Nas cidades não há caminhos; há ruas. Quem se depara com uma pedra, inevitavelmente está a pé. O poema seria impossível ser composto por um citadino, pois quase não há pedras nas metrópoles e por ali anda-se muito de carro, ônibus, metrô ou bicicleta.

O fato de as retinas estarem fatigadas nos leva a crer que o poeta tinha visto muita vida, e percorreu o mesmo traçado durante anos, sem notar a tal pedra. Provavelmente não só as retinas estavam cansadas, mas os pés rachados. O que ele sentiu ao fitar a pedra naquela altura da vida? Culpa - por ter perdido outras coisas na vida pelo fato de não estar permanentemente atento? Compaixão - por considerar aquela pedra um ser da mesma importância de uma formiga, ainda que a pedra seja inanimada e dura?

Aparentemente o poeta/personagem deixou a pedra pra trás, sem nela tocar. A pedra virou passado, memória, pois dela ele nunca se esqueceria, como prometeu. O "obstáculo", palavra que carrega um sentido negativo intrínseco, tornou-se uma espécie de epifania, um congelamento de um instante único, fotografia de um sentimento.

Pelo visto o poeta respeitou o estado da pedra: una, dura, estática. Estaria ela lá neste exato momento?

Nota do Editor
Leia também "No meio do caminho: 80 anos"


Wellington Machado
Belo Horizonte, 5/8/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
02. Gabo, os escritores e a política de Wellington Machado
03. Retrato do Leitor enquanto Anotação de Duanne Ribeiro
04. O Mito da Eleição de Marilia Mota Silva
05. Proust, rugas e colesterol de Wellington Machado


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
02. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
04. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
05. Marcador de página inteligente - 3/9/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MÁSCARA DE APOLO (ROMANCE SOBRE O TEATRO CLÁSSICO E A VIDA NA GRÉCIA ANTIGA)
MARY RENAULT
NOVA FRONTEIRA
(1985)
R$ 10,00



NO CAMINHO DAS COMUNIDADES - ATOS DOS APÓSTOLOS
CENTRO BÍBLICO VERBO
PAULUS
(2001)
R$ 8,00



SANDUÍCHES DE REALIDADE E OUTROS ESCRITOS
ARNALDO JABOR
OBJETIVA
(1997)
R$ 3,00



HIPNOSE PARA INICIANTES -TÉCNICAS PASSO-A PASSO PARA HIPNOTIZAR PESSOAS E REALIZAR A AUTO-HIPNOSE
WILLIAM W. HEWITT
UNIVERSO DOS LIVROS
(2009)
R$ 39,90



EM CASA: UMA BREVE HISTÓRIA DA VIDA DOMÉSTICA
BILL BRYSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2011)
R$ 30,00



JUSTICEIRO MAX - MERCENÁRIO
MARVEL COMICS
PANINI
(2015)
R$ 15,00



A VIDA ACIDENTADA DE UM VAMPIRINHO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
CARLOS QUEIROZ TELLES E ENEAS CARLOS PEREIRA
FTD
(1994)
R$ 9,00



SOMBRAS DE REIS BARBUDOS - JOSÉ J. VEIGA (LITERATURA BRASILEIRA)
JOSÉ J. VEIGA
DIFEL
(1983)
R$ 5,00



UM SORRISO, POR FAVOR
ROQUE SCHNEIDER
EDIÇÕES LOYOLA
(1980)
R$ 4,00



A IMPORTÂNCIA DE VIVER
LING YUTANG
GLOBO
(1997)
R$ 20,00





busca | avançada
31563 visitas/dia
1,1 milhão/mês