O Quixote de Will Eisner | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
35479 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Casa das Rosas exibe adaptação cinematográfica de poema de Carlos Drummond de Andrade
>>> Casa das Rosas realiza curso que discute a história da literatura e o desenvolvimento de SP
>>> Banda Comitatus apresenta Beatles e comemora 40 anos de estrada na Tupi
>>> Museu em família traz bate-papo sobre a gastronomia nos livros infantis e ensina receita
>>> Livro de especialista faz mapeamento de fragilidades empresariais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
>>> Entre Súcubos e Íncubos
>>> Aonde eu quero chegar
>>> A Joaninha e alguns vícios
>>> Somente o sol como sombra
>>> Brevidade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Psicodelia e colesterol
>>> Biografia de Freud em quadrinhos é exuberante
>>> Biografia de Freud em quadrinhos é exuberante
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Não li em vão
>>> A crise da pauta
>>> A crise da pauta
>>> A crise da pauta
>>> O Conto do Amor, de Contardo Calligaris
>>> Toma!
Mais Recentes
>>> A Salvação da Alma
>>> O Tiete do Agreste
>>> Guia de alimentos da Dieta de South Beach
>>> Simplesmente Zico
>>> Os 55 Maiores Jogos das Copas do Mundo
>>> Aikido e o Poder das Palavras
>>> A reencarnação de uma rainha
>>> Coisas fragéis 1
>>> Coisas fragéis 2
>>> Incal volume um
>>> Dr. Estranho Shamballa(capa dura)
>>> Nietzsche - Obras Escolhidas(3 livros em um)
>>> A República 14° Edição
>>> Música e ancestralidade na Quixabeira
>>> 50 Ideias de física quântica que você precisa conhecer
>>> Working the Light: A Photography Masterclass
>>> Within the Frame: The Journey of Photographic Vision
>>> Where's Mauriac?
>>> What If. . .?
>>> What Every Pianist Needs to Know About the Body
>>> Vygotsky em Foco - Pressupostos e Desdobramentos
>>> Vygotsky e Bakhtin Psicologia e Educação
>>> Você Sem Limites - Rompendo Barreiras no Desempenho Pessoal
>>> Viver em Vitória
>>> Vitalizando El Programa de La Iglesia
>>> Visão Panorâmica da História da Igreja
>>> Vida Discipular 1 a Cruz do Discípulo
>>> Vida Discipular 1 a Cruz do Discípulo
>>> Viagem ao Centro da Terra
>>> Vencendo a Crise
>>> Velhinho Entalado na Chaminé
>>> Un Capitán de Quince Años - Col. Biblioteca Billiken N.37
>>> Uma Vida Com Prioridades
>>> Uma Interpretação da Bíblia VT
>>> Uma Igreja Com Propósito - dedicatória do Pr Ary Velloso
>>> Uma Alternativa de Missão para a Igreja
>>> Um Por Todos, Todos Por um
>>> Um Dia de Cada Vez
>>> Ulpan Adultos 1 - Unidades 1-19 - Curso de Hebraico
>>> Turismo em Análise V.15 N.2 Novembro 2004
>>> Turismo em Análise V.15 N.1 Maio 2004
>>> Turismo em Análise V.14 N.2 Maio 2003
>>> Turismo em Análise V.14 N.1 Maio 2003
>>> Turismo e Terceira Idade
>>> Turismo e Desenvolvimento
>>> Tu Não Te Moves de Ti - 1ª Edição
>>> Tipos de Pensamento Judaico
>>> Tia, Te Amo
>>> The Quintessence Of Ibsenism
>>> The Power of Prayer in a Believer's Life
COLUNAS

Terça-feira, 20/9/2016
O Quixote de Will Eisner
Celso A. Uequed Pitol

+ de 1300 Acessos

Sobre “Dom Quixote de La Mancha”, de Miguel de Cervantes, já se debruçaram cineastas, pintores, desenhistas, músicos e muito mais. No campo dos quadrinhos, coube a Will Eisner, autor do clássico personagem “The Spirit”, elaborar a versão em arte sequencial – para muitos, a versão definitiva em arte sequencial – da história do Cavaleiro da Triste Figura. Falamos aqui de “O Último cavaleiro andante” (Editora Companhia das Letras, tradução de Carlos Sussekind).

Publicada em 1999, “O Último cavaleiro andante” tem 27 páginas e inscreve-se entre as últimas produções de Eisner, nascido em 1917, em Nova York, e morto em 2005, na mesma cidade. Àquela altura, o autor já havia publicado algumas de suas mais celebradas obras, como “Um Contrato com Deus”, que muitos consideram a primeira graphic novel de todos os tempos. Já era, portanto, um conhecido e admirado quadrinista “sério” – alguém capaz de adaptar um clássico da literatura para o formato das HQs.

No entanto, uma primeira mirada nos daria a impressão de que Eisner não tinha tanta confiança na autonomia de sua obra em relação ao clássico. O título original de “O último cavaleiro andante”, de Will Eisner, é revelador das intenções que seu autor tinha ao escrevê-lo: “An introduction to Don Quixote by Miguel de Cervantes”. Uma introdução, portanto, ao texto original, que deveria ser devidamente lido após o fruir da história em quadrinhos. Eisner parecia preocupado em preparar o terreno para o leitor jovem encarar o grosso volume de Cervantes, e nada além disso. Conforme veremos, há uma boa razão para crer que as coisas não são bem assim.

A narrativa da obra fica a cargo por Sancho Pança, o fiel escudeiro do Cavaleiro da Triste Figura, na altura já velho e contando histórias do seu tempo de juventude. O início coincide com o da obra original: em algum lugar de La Mancha vive um fidalgo chamado Alonso Quijana que é particularmente afeiçoado aos livros de cavalaria. De tanto lê-los, Alonso acaba acreditando nos ideais dos cavaleiros ali descritos e resolve por bem armar-se em um: toma uma armadura de seu bisavô, uma lança, um cavalo – ao qual batiza de Rocinante – e sai pelo mundo em busca de aventuras, lutando em prol dos necessitados, dos desvalidos, das donzelas e da honra.

A partir daí surgem algumas divergências entre a obra de Eisner e a original: para compor a HQ, foram escolhidos episódios particularmente rocambolescos da obra original, aqueles que mais deixam explícita a distância entre o sonho de Alonso Quijano e o mundo real: o capítulo da taverna que Quixote considera ser um castelo; o do menino açoitado, que ele pensa ter libertado; o da libertação dos presos, que “agradecem” agredindo-o; o da luta contra os moinhos de vento, que ele imagina serem gigantes; e assim por diante, até o fim da narrativa.

Lá pelas tantas, um diálogo entre Quixote e Sancho explicita as convicções do cavaleiro. O escudeiro pergunta-lhe o que são os ideais da cavalaria e como poderia explicá-los. Quixote afirma que o importante de tudo é acreditar: ele, Alonso Quijana, acredita que é um cavaleiro; logo é um cavaleiro, o grande Dom Quixote de La Mancha. De início, Sancho, o representante do bom senso e da sabedoria prática, acha aquilo sem sentido. Aos poucos, contudo, passará a participar do sonho do cavaleiro.

A narrativa, focada nos episódios que apontamos anteriormente, segue até o momento em que Alonso Quijana volta a si. É o momento em que deixa de ser Dom Quixote e transforma-se, novamente, no velho Alonso Quijano. Dá-se conta de que viveu um delírio – e nem os pedidos de Sancho Pança ao pé de sua cama para que volte a sonhar o fazem mudar de ideia.

No final da obra, uma inovação: surge o escritor Miguel de Cervantes com uma espada na mão e proclama: “eu o armo Dom Quixote para sempre!” E a história termina. Esta cena não consta na obra original: no último capítulo do “Dom Quixote” de Cervantes, a morte de Quijana serve para o autor tecer uma consideração crítica sobre a leitura das obras de cavalaria e dos delírios que ela acarretaria em seus aficcionados, que tenderiam a enlouquecer tal como o Quixote. A amargura cervantina, a ironia usada para descrever as ações e o fim de Dom Quixote, a crítica aos livros de cavalaria, aqui se transforma numa celebração ao sonho: em vez de ver no Quixote um homem adoentado pela leitura de obras fantasiosas e delirantes, Eisner o coloca como um mestre dos sonhadores de todos os tempos, digno de ser celebrado pela memória coletiva (na boca de Sancho, homem simples e rude do povo) e pela cultura “letrada” (representada por Cervantes), que imortalizarão o sonho e a utopia do Cavaleiro da Triste Figura.

Por isso, não me parece correto interpretar a adaptação de Eisner como mera “introdução”. Vejo “O último cavaleiro andante” como obra plena.

A beleza do traço de Eisner, com sua incomparável capacidade de dar expressão e vida às personagens, é um ponto à parte: os sonhos quixotescos são particularmente vívidos quando retratados a partir de sua pena. Quanto à narrativa, o procedimento de reduzir episódios foi correto tendo em vista o objetivo da obra: ela ficaria demasiado grande para o formato de arte sequencial .

Importante ressaltar o ano de lançamento de “O último cavaleiro andante”: foi em 1999 – dez anos após o fim do socialismo de Estado, desapontando milhões mundo afora. Era também o auge do discurso de fim da História, do neoliberalismo, dos “órfãos das utopias”, para usar a expressão de Ernildo Stein. Assim como o Quixote original aponta os últimos dias do romance de cavalaria, o Quixote de Eisner surge num contexto em que ninguém tem mais expectativas quanto ao futuro. Nos dois casos, o cavaleiro da Triste Figura percorre caminhos que já ninguém quer percorrer.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 20/9/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
02. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
03. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
04. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
05. Sultão & Bonifácio, parte III de Guilherme Pontes Coelho


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2016
01. Sarkozy e o privilégio de ser francês - 14/6/2016
02. 80 anos de Alfredo Zitarrosa - 10/5/2016
03. A coerência de Mauricio Macri - 12/1/2016
04. 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton - 12/4/2016
05. Lembrança de Plínio Zalewski - 8/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COISAS ENGRAÇADAS ACONTECERAM NO CAMINHO PARA O FUTURO
MICHAEL J. FOX
PLANETA
(2011)
R$ 12,00



GÊMEAS - NÃO SE SEPARA O QUE A VIDA JUNTOU
MÔNICA DE CASTRO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2009)
R$ 2,70



O TRISTE FIM DO MENINO OSTRA E OUTRAS HISTÓRIAS
TIM BURTON
GIRAFINHA
(2016)
R$ 25,00



PARAPSICOLOGIA EXPERIMENTAL
HERNANI GUIMARÃES ANDRADE
BOA NOVA
(1976)
R$ 20,00
+ frete grátis



STOCK IMAGE WHAT?ARE THESE THE 20 MOST IMPORTANT QUESTIONS IN HUMAN
MARK KURLANSKY
WALKER BOOKS
(2011)
R$ 20,00



AMALDIÇOADAS - AS CRÔNICAS DAS IRMÃS BRUXAS
JESSICA SPOTSWOOD
ARQUEIRO
(2014)
R$ 22,90



PROJETO BURITI GEOGRAFIA 4° ANO
MARISA MARTINS SANCHEZ
MODERNA
(2013)
R$ 9,30



O TRONO DO SOL - A MAGIA DA ALVORADA
S. L. FARRELL
LEYA
(2012)
R$ 14,99



VIVER É A MELHOR OPÇÃO - A PREVENÇÃO DO SUICÍDIO NO BRASIL E NO MUNDO
ANDRÉ TRIGUEIRO
CORREIO FRATERNO
(2015)
R$ 21,15



DIGA ME COM QUEM ANDA...
JUDITH RICH HARRIS
OBJETIVA
(1999)
R$ 70,00





busca | avançada
35479 visitas/dia
947 mil/mês