Dilúvio, de Gerald Thomas | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39165 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Sertão na Canção rememora Guimarães Rosa
>>> Atrações de sertanejo e música eletrônica participam de Carnaval no Maracanã
>>> Alexandre Grooves comemora Troféu Cata-vento, pré-indicação ao Grammy e lançamento no Japão
>>> Estreia de Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro comemora 20 anos do grupo O Buraco d'Oráculo
>>> Espetáculo 'As Filhas da Mãe' completa 35 anos.
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Sens(ações)
>>> Diamonds
>>> Anotações
>>> Nei Lopes e Mirian de Carvalho: poesia e samba
>>> Feliz 2018
>>> Boa Vista
>>> O preço
>>> Você já atualizou sua história hoje?
>>> Sorvedouro
>>> Reter ou não reter
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Novos autores na poesia brasileira
>>> Alguém para correr comigo, de David Grossman
>>> O centenário de Contos Gauchescos
>>> O que fiz com Tom Jobim
>>> Hugo Cabret exuma Georges Méliès
>>> Dois palmos de céu
>>> Dois palmos de céu
>>> Dois palmos de céu
>>> ¿que buscas con esto?
>>> O mago
Mais Recentes
>>> Tartarugas Até Lá Embaixo
>>> Diferentes Somos Todos
>>> Estudo-Vida de João Vol Um
>>> A Hora do Desconto - Fábulas Recontadas Em Versos e Comentadas
>>> Duna
>>> História da civilização vol. 2
>>> A única coisa que importa
>>> Vademecum de Clínica Médica
>>> Manual de direito penal 1
>>> Através da Barreira do Tempo- Um Estudo sobre a Precognição e a Física Moderna
>>> O Circo da Lua
>>> A Menina Que Roubava Livros
>>> Existe Sexo Após À Morte?
>>> O Réu Dos Sonhos
>>> 177 Maneiras De Enlouquecer Uma Muher Na Cama
>>> 1001 Discos para ouvir antes de morrer
>>> 1001 Discos para ouvir antes de morrer
>>> O Coelho Quincas e o Pote de Ouro
>>> Quer uma mãozinha?
>>> Vale dos Dragões
>>> Fundamentos Matemáticos Para a Ciência da Computação
>>> Introdução à organização de computadores
>>> Modelagem conceitual e projeto de banco de dados
>>> Hardware. O Guia Definitivo - Volume 2
>>> A Garota Silenciosa
>>> Kit de Treinamento MCTS. Exame 70-680. Configuração do Windows 7
>>> A Coleira do Cão
>>> UML Essencial. Um Breve Guia Para a Linguagem-Padrão de Modelagem Para Objetos
>>> SQL. O Guia Essencial. Manual De Referência Profissional
>>> O Poder dos Cristais
>>> Estruturas de dados e seus algoritmos
>>> Game over
>>> No Vai e Vem da Vida
>>> Curso de Direito Processual Civil Volume II
>>> Curso de Direito Processual Civil Volume III
>>> Vade Mecum Acadêmico de Direiro
>>> Scooby Doo O Chalé Mal Assombrado
>>> Os Fantasminhas Backyardigans
>>> Resgate no Trem Backyardigans
>>> O Pequeno Príncipe Pidão
>>> Encontro e Desencontros na Clínica da Psicose Uma Reflexão Psicanalítica LACRADO
>>> Ter ou Não Ter, eis a Questão!
>>> Atuação Parlamentar Principais Discursos 1999 a 2006
>>> Como Administrar com a Sabedoria do Amor
>>> Vicente de Carvalho Vivo
>>> Santos Dumont Genial Brasileiro sua Personalidade e seus Feito
>>> Você está Louco!
>>> Pense rápido Crise
>>> Como Prevenir e Controloar o Estresse Síndrome do Século XXI
>>> Rotinas Trabalhistas e Previdenciárias
COLUNAS

Terça-feira, 2/1/2018
Dilúvio, de Gerald Thomas
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 300 Acessos



O cenário inicial (e final) da peça Dilúvio, de Gerald Thomas, apresenta uma paisagem solitária, com um amontoado de guarda-chuvas quebrados e contorcidos num ambiente esfumaçado. Antes que qualquer ator entre em cena, já estamos diante da imagem trágica do resultado de um dilúvio: aqueles guarda-chuvas que figuram em nossa mente como símbolo da proteção contra a tempestade, agora são apenas desolação e destruição. Essa imagem pós-dilúvio é desconcertante e é com ela gravada em nossa mente que assistimos toda a peça. (Um amigo artista plástico, Fabricio Nery, que assistiu Dilúvio comigo, me disse ao pé do ouvido que apenas essa abertura já teria valido a peça – avec toutes les raisons).

O guarda-chuva quebrado e abandonado, existindo como uma espécie de símbolo do desalento, do abandono, do imprestável é uma constante na obra plástica de Gerald Thomas. E agora ele figura como personagem central na sua nova peça. Não poderia ter escolhido imagem melhor como metáfora de sua visão pessimista do mundo contemporâneo.

Dessa imagem desoladora dos guarda-chuvas, passamos para outra mais perturbadora ainda: duas atrizes aparecem penduradas, com sangue jorrando pelos seus corpos nus, postas sobre colunas gregas, que são o símbolo da Civilização Ocidental. Gerald Thomas cria uma imagem que vale por mil tratados sociológicos sobre o Ocidente.



Como numa montagem cinematográfica, em cenas seguintes a imagem do guarda-chuva já destruído retorna, agora na mão da atriz que luta contra uma ventania enfurecida nos fazendo pensar em alguma tempestade infernal e dantesca. O resultado dessa luta inglória contra as tempestades do mundo (Gerald pensa por metáforas), é a destruição do guarda-chuva e o desaparecimento da espécie humana – dada a solidão dos guarda-chuvas despedaçados no início e fim da peça.



Gerald Thomas produz a sua obra através de imagens, sons, luzes, falas e performances corporais. Seu teatro é plástico, operístico e, porque não, carregado de uma energia que vem do rock e da batida dos tambores da escola de samba. As referências que desaguam do seu inconsciente estético, sejam plásticos, musicais ou literários, passam pela convivência com criadores como Wagner, Schöenberg, Glass, Stones, Beckett, Kafka, Gertrude Stein, Godard, Eisentein, com toda a vanguarda de artes plásticas, de Duchamp até Francis Bacon, o Pop e o Minimalismo, no mínimo. A modernidade e sua desconstrução é o solo onde seus pés pisam. Outro dado importa: sua atenta, aguda e crítica observação do mundo (suas crônicas em Nada Prova Nada refletem sua tensão e insatisfação diante das contradições do mundo).

“Dilúvio” me parece uma síntese criativa (ou um ir além) desse caldo estético citado acima sem o qual não se pode falar em arte contemporânea. Gerald Thomas já reclamou do “excesso desconstrutivo” que atordoa a arte atual, sugerindo que estamos no momento de catar os cacos e criar um vitral novo a partir deles. O dramaturgo está nesse momento fazendo isso. Com Dilúvio criou a possibilidade de lidarmos com os fragmentos, agora transformados num belíssimo mosaico, que não deixa de fora a rasteira que os bons artistas sempre nos dão.

E é esse mosaico ao mesmo tempo construído por belíssimas imagens, guiadas por escolhas musicais arrepiantes e pelo desempenho notável de atrizes e performances, além de um texto “em ruína”, que faz de Gerald Thomas um dramaturgo renovador. A sensação a partir dessa obra prima que é Dilúvio é que seu teatro está se revolucionando e apontando para o futuro. D’ après Kafka: dê-lhe o machado e ele abrirá nossas cabeças.

Sua entrada na área de risco, a partir da criação de imagens metafóricas e simbólicas, que possibilitam a criação de uma obra aberta (Umberto Eco), só é possível, no entanto, porque seu inconsciente estético foi fertilizado pelas referências acima citadas.

Em Dilúvio as imagens paradoxais revelam o desgaste das existências consumidas no nosso tempo de horrores midiatizados à exaustão. Uma espécie de café da manhã com sangue nos acorda e atordoa. Diferente da famosa frase de um filósofo (Heidegger?) que dizia que para o homem moderno o jornal era sua oração matinal, o Google, Instagram, Facebook e Twitter nos oferecem um circo de horrores e imbecilidades liquidificadas no nosso suco de laranja de toda manhã.

O paradoxo das imagens: a busca pela beleza e pela poesia aparecem e logo são corrompidas. Na performance da leveza das atrizes em sua delicada conjunção amorosa, flutuando como num balanço (que lembra a atmosfera de “O Balanço” de Fragonnard e Wim Wenders em “Asas do Desejo”), até a luta que encenam em câmera lenta - como as imagens que vemos e revemos a todo momento na tela do computador, num círculo infernal e dantesco do qual não conseguimos sair.



O paradoxo das imagens: uma cena brutal de sexo entre duas mulheres -“come o meu cu”, diz uma delas desesperadamente- , onde o desejo explode, mas a frase “o meu pau não sobe mais” revela a impotência diante da oferta descartável de imagens eróticas e produção insana e aberrantes de desejos. A cena recebe a luz de uma luminária-máquina-roda-duchampiana.



A importância da concepção plástica das imagens no teatro de Gerald Thomas aparece em “Dilúvio” nos desenhos que são carregados e que passam como imagens de um museu diante dos olhos dos espectadores. São partes da peça, não apenas ilustrações, e tem seu uso conjugado na ideia wagneriana de uma “arte total”, cara a Gerald Thomas. Dessas imagens o sempre enigmático tubarão ferido e uma referência ao São Sebastião flechado – signos da violência transformada em espetáculo.

A peça se encerra com uma fala em tom comovente da atriz Maria de Lima, que está num cenário de desolação, dizendo algo como “eu até poderia achar algo positivo nisso tudo”, que ressoa a frase dita anteriormente invocando Beckett, um dos mestres da consciência artística de Gerald Thomas – “Você conhece o mundo maravilhoso e, claro, sombrio e, ainda, melancólico e, porque não dizer, um tanto cinzento, de Samuel Beckett?”.



Sobre sua condição de criador, dentro desse universo aterrador, diz Gerald Thomas: “Eu me vejo, como autor, numa terra perdida, sozinho, depois de uma guerra nuclear, com um balde de pipoca na mão. É o sinal da minha sobrevivência”.

“Teatro é Risco!!!” diz o Dramaturgo. Não apenas risco na forma do que se apresenta, mas na maneira como ele é gerado/criado. Sabemos que uma peça não existe a priori na cabeça de Gerald Thomas. Work in progress, eis o lema da arte moderna e da direção e criação do autor de Dilúvio. Nisso, Gerald Thomas é um mestre! E pode haver algum artista se se estiver aquém disso?



ELENCO: Maria de Lima, Julia Wilkins, Lisa Giobbi, Ana Gabi, Beatrice Sayd, Isabella Lemos, André Bortolanza.

APRESENTAÇÃO: SESC SP: 11 nov a 17 de dez.

Obs: A fotos foram retiradas do Blogg do Gerald Thomas


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 2/1/2018


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
03. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
04. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TRANSGRESSÃO E MUDANÇA NA EDUCAÇÃO
FERNANDO HERNANDEZ
ARTMED
(1998)
R$ 25,00



UM ASSASSINO PARA O PAPA
TAD SZULC
RECORD
(2001)
R$ 15,00



NOVELAS EXEMPLARES
MIGUEL DE CERVANTES
ABRIL CULTURAL
(1971)
R$ 7,20



HISTÓRIA DA MAGIA II
KURT SELIGMANN
SETENTA
(1974)
R$ 49,99



LA CURACIÓN NATURAL
MAHATMA GANDHI
EDITORIAL CENTRAL - BUENOS AIRES
(1976)
R$ 8,90



PLEXUS - A CRUCIFICAÇÃO ENCARNADA 2 - HENRY MILLER (LITERATURA NORTE-AMERICANA)
HENRY MILLER
CIRCULO DO LIVRO
R$ 12,00



DISSERTAÇÃO SOBRE O DIREITO DE CAÇOAR & CARTA A SALVADOR RODRIGUES DO COUTO
FILIPE ALBERTO PATRONI MARTINS MACIEL PARENTE
LOYOLA
(1992)
R$ 10,00



MORTE E ASSUNÇÃO DE MARIA. TRÂNSITO DE MARIA. LIVRO DO DESCANSO
LINCOLN RAMOS
VOZES
(1991)
R$ 12,00



LUKE THE HISTORIAN IN RECENT STUDY
C.K.BARRETT
FB
(1969)
R$ 17,10



O NARIZ & A TERRÍVEL VINGANÇA/A MAGIA DAS MÁSCARAS (LITERATURA RUSSA)
ARLETRE CAVALIERE
EDUSP
(1990)
R$ 10,00





busca | avançada
39165 visitas/dia
1,0 milhão/mês