Da arte opiniática | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Copa 2002

Quinta-feira, 30/5/2002
Da arte opiniática
Evandro Ferreira

+ de 2900 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Por mais que a opinião seja um "lugar" lastimável do conhecimento, é inegável que sem ela talvez não houvesse amizades, nem identidade cultural, nem mesmo qualquer forma de identidade. Quantas vezes não entramos em um táxi e fazemos amizade com o motorista apenas pronunciando frases como: "o Romário devia ter ido para a Copa, você não acha?". Outras vezes encontramos brasileiros em uma viagem ao estrangeiro e começamos a falar: "esses gringos comem uma comida péssima". Logo nos sentimos identificados e nos tornamos amigos e, acima de tudo, brasileiros.

Alguns tentam amenizar, botar panos quentes no problema da opinião. Dizem que ela não é necessariamente sem fundamento, ou que é um "estágio" do conhecimento - o que, neste caso, insinua um caminho de evolução que aponta para a superação da opinião em um momento mais "avançado" da vida de determinado sujeito. Mas o fato é que a grande maioria dos indivíduos não trilha caminho nenhum - no sentido cognoscitivo - e nem está interessado em mudar de "estágio". Quer mesmo é se divertir, fazer amizades, compartilhar opiniões. Nesse sentido, a opinião é um "estado", um lugar onde se está e do qual não necessariamente se quer sair, em direção a um lugar mais alto, do conhecimento verdadeiro.

Além disso, falar de uma "opinião fundamentada" é falar de uma opinião baseada em outra (ou outras), ou então não é mais falar de opinião, mas de conhecimento. Quando se fundamenta uma opinião em conhecimentos sólidos e rigorosos, neste momento mesmo ela deixa de ser opinião para se tornar essa outra coisa que poucos conhecem hoje em dia - e que muitos até negam - e que se chama verdade. Com isso não quero dizer que essa coisa nova que se criou não possa ser refutada. Só quero dizer que um conhecimento verdadeiro de algo, ainda que possa ser refutado, não o será por meio de uma opinião, mas de argumentos sérios. Muitas verdades não são eternas, mas as opiniões são apenas candidatas à verdade, ou melhor, são alunas da verdade. E alunas em geral pouco aplicadas!

Mas por que estou dizendo tudo isso? É simples. Para que sejamos felizes em tempos de Copa do Mundo, precisamos fazer farto uso de nossa faculdade de opinar. Muitos não sabem, mas a palavra "estágio", que significa "situação transitória, ou de preparação", tem um sentido quase igual ao de outra: "estádio", que é período ou fase. Mas estádio também é essa outra coisa, verde, cheia de gente e de jogadores. Então, por que não dizer que a opinião é um estádio? cheio de pessoas unidas pela vontade de emitir juízos de valor? O técnico não presta, o atacante é preguiçoso, o Galvão Bueno é chato, etc etc. Quão felizes não ficamos com tudo isso? Tomar uma cerveja e concordar com opiniões dos outros! Parece até que na vida não há nada melhor que isso.

Mas a emissão de uma opinião, se for tomada seriamente como uma técnica, deve ser feita observando-se algumas regras. Estas regras visam torná-la, por assim dizer, mais legítima ou mais de acordo com a tradição de conversas de botequim.

Então, a primeira regra é usar o verbo achar. "Eu acho que...". Nenhuma opinião fica completa se não começar com essa frase. O único problema é que muitas pessoas vão bater pé e dizer: "Mas eu não acho, eu TENHO CERTEZA que o técnico da seleção não presta". Nesse caso, só resta responder com uma outra frase ainda mais comum: "Eu acho que você está sendo muito radical" ou "Não é bem por aí".

Aqui vale uma observação interessante. O leitor pode estar-se perguntando como diferenciar uma opinião de uma verdade. O ideal, caso se queira aprender a "desmascarar" um opinador, é ler "Apologia de Sócrates", de Platão. Grosso modo, pode-se identificar a opinião colocando-se um "por que?" depois de cada frase. Então o desmacarador facilmente perceberá que os argumentos subsequentes nunca serão totalmente convincentes. Nunca chegará o ponto em que se torne desnecessário perguntar "por que". Mas não vale ser desonesto e, ao ouvir que 2+2=4, continuar perguntando "por que"!

A segunda regra da opinião é sempre reforçar clichês. Não faz nenhum sentido, por exemplo, dizer que o Galvão Bueno é um ótimo narrador. Deve-se dizer o que a maioria pensa, ou seja, que o Galvão Bueno é um chato, que o futebol de antigamente era bem melhor, que os jogadores são estrelinhas etc etc.

A terceira regra é a mais importante e está por trás de todas as outras. Nunca deixar ninguém provar nada. Suponhamos que alguém diga que o Galvão Bueno é um chato. Então, a conversa se prolonga um pouco mais e cada um dos presentes faz uma observação sobre esse fato. Alguém diz, por exemplo, que ele é pau mandado da Globo e que é obrigado a ser assim, outro diz que ele já nasceu assim. Depois um primo chato - daqueles que só aparecem em época de Copa - começa a analisar empiricamente a narração, com o intuito de encontrar nela traços de que o Galvão Bueno está sendo espontâneo. Veja bem, se ele realmente encontrar o que procura, os interlocutores que disseram que o Galvão não tem culpa estariam errados, pois ficaria provado que ele tem culpa. E isso não pode acontecer de forma alguma. Ninguém pode estar errado em uma conversa "opiniática". Ninguém, com exceção do chato que quer ser mais inteligente e provar alguma coisa! Então esse chato deve ser calado. Entretanto, essa regra só deve ser usada em última instância, pois pode trazer um clima ruim para a conversa, já que o fulano que foi calado pode ficar "emburrado", de mal humor.

A quarta regra é não prolongar a conversa além do necessário. A menos que todos os participantes estejam completamente bêbados, uma conversa "opiniática" não pode durar muito tempo. Isso acontece pelo fato de que o ser humano tem em sua natureza uma característica muito inconveniente. Ele quer sempre buscar a verdade, explicar as coisas. Portanto, caso uma conversa dure muito tempo, fatalmente aparecerá um chato que entende mais do assunto e que demonstrará alguma verdade. Esse perigo está cada vez menor, pois o número de sujeitos "não opiniáticos" por metro quadrado tem diminuído em nosso país. As universidades têm trabalhado arduamente para amputar da natureza humana a tão incoveniente característica. E têm feito isso por meio da emissão de teses sobre Marx, Gramsci, Foulcault, Deleuze e Derrida, entre outros. Mas enquanto esse fim não for finalmente alcançado, precisamos tomar cuidado nas conversas de botequim. Do contrário, seríamos obrigados a por em ação a regra anterior.

A quinta e última regra é sempre falar bem alto. Desse modo alcançam-se alguns objetivos. Primeiramente, a conversa vai parecer séria e acalorada, como se os assuntos discutidos fossem de importância salutar. Além disso, ninguém vai querer provar nada de forma racional, garantindo-se assim a condição "opiniática" da conversa. E, finalmente, os indivíduos que estiverem bêbados ou distantes (do outro lado da mesa) escutarão as opiniões claramente.

Todas as regras aqui descritas servem, se adaptadas, a outros ambientes como, por exemplo, às salas onde se assiste aos jogos de futebol. Lamentavelmente, elas têm servido também para as salas de aula. Talvez isso se deva à dificuldade dos estudantes em lidar com esta duplicidade. Ora estão no boteco, ora na sala de aula de uma universidade. Precisam "trocar" de cérebro, por assim dizer, mas acabam não fazendo isso. E talvez não o façam porque seus professores não os ensinam, pelo simples fato de que também não sabem, tão cegos estão com suas teorias moderninhas.

Mas, como já dizia o meu tio, "futebol tem dessas coisas".


Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 30/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. Eu matei Marina Abramovic (Conto) de Jardel Dias Cavalcanti
03. crônica - ou ensaio - à la hatoum de Ítalo Puccini
04. A biografia possível de Marta Barcellos
05. O Palácio de Highclere de Ricardo de Mattos


Mais Evandro Ferreira

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'EF' AND colunas.ano = 2002 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. O underground e o Estado - 10/9/2002


Mais Especial Copa 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/5/2002
17h24min
Prezado Evandro, por questão de personalidade (os da "terrinha" dirão que é meu destino, meu fado) sempre fui mais solitário do que gregário. E gente com esse meu perfil costuma olhar com fascínio (e também com alguma inveja) para os "enturmados" da vida. Foi sob essa perspectiva e com esse sentimento que li inicialmente sua crônica, mesmerizado com as "regras de interação social em boteco". É claro que o seu texto é antes de tudo uma paródia, bem humorada por sinal, dos tempos que correm, concentrando a artilharia no assim chamado "corpo docente". Por todos os motivos, parabéns pelo trabalho, boa sorte e tomara que pelo menos desta vez aquele primo chato não apareça!!
[Leia outros Comentários de Toni]
4/6/2002
05h50min
Caro Evandro, seu texto é uma delícia, e as regras opiniáticas estão muito bem delineadas. Mas você esqueceu que nem Platão, nem Sócrates, podem com a "Verdade Absoluta Opiniática Feminina": se um não-opiniático tenta verificar através dos porques se o que uma mulher fala é verdade ou opinião, ela simplesmente responde - Porque sim! Fim da discussão. :o) Beijos da Sue
[Leia outros Comentários de Assunção Medeiros]
4/6/2002
12h14min
Tenho outra sobre mulheres. Se você não faz o que uma mulher está esperando que você faça (e da forma que ela quer que seja feito), então ela fica brava com você e te chama de insensível. Se você faz, ela também fica brava e te chama de previsível, sem criatividade! : ) Beijos!
[Leia outros Comentários de Evandro Ferreira]
5/6/2002
00h21min
Ih, Evandro, cuidado, pois o pobre Eduardo Carvalho já está levando uma coça do mulherio enlouquecido no Fórum dele "Com a calcinha aparecendo", logo, logo, elas vêm atrás de você, chamando de machista, fascista, e qualquer outro "ista" que lhes ocorrer. Até eu entrei na baila, e olha que sou mulher! Mas cá entre nós, adorei seu comentário! Beijos da Sue
[Leia outros Comentários de Assunção Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GEORGE SOROS: O MEGAINVESTIDOR INTERNACIONAL REVELA SUA VISÃO E ESTRATÉGIAS DE MERCADO
BYRON WIEN / KRISZTINA KOENEN
NOVA FRONTEIRA
R$ 12,00



IMIGRANTES ESPERANÇA EM TERRA NOVA
OSCAR PILAGALLO
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 9,80



A ARTE DE VIVER SOZINHA
DANIÈLE LAUFER
NOVA FRONTEIRA
(1990)
R$ 12,00



AS AVENTURAS DE IAKTI, O INDIOZÍNHO
IL; ROBERTO AMADO; ANDREA VILELA
ATUAL
(1998)
R$ 7,00



CURA ENERGÉTICA
SILVIO CAMARGO
PENSAMENTO
(1995)
R$ 18,56



MANUAL DE REDAÇÃO E ESTILO
EDUARDO MARTINS
O ESTADO DE S. PAULO
(1990)
R$ 1.487,00



CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
CÓDIGOS UNIVERSITARIOS
ESTÁCIO DE SÁ
(2005)
R$ 5,56



OPERAÇÃO TRINIDAD
EDUARDO CALDEIRA
MAMELUCO
(2002)
R$ 12,00



PSICOLOGIA INDUSTRIAL - 2 VOLUMES
JOSEPH TIFFIN E ERNEST J. MCCORMICK
HERDER
(1969)
R$ 15,90



COMO MELHORAR A SUA MEMÓRIA
MICHAEL FIDLOW
RECORD
R$ 7,00





busca | avançada
50801 visitas/dia
2,6 milhões/mês