As estrelas e os mitos | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
27897 visitas/dia
846 mil/mês
Mais Recentes
>>> Projeto com estudantes e grafiteiros destaca a importância do campo para a cidade
>>> A cantora Paula Souto lança seu disco:
>>> La Esquina apresenta especial Guns N' Roses
>>> Venha conhecer o trabalho de Daniel Lie no Programa Arte- Papo da Fundação Ema Klabin
>>> Lançamento de Paulinas Editora convida crianças a conhecerem a vida de São Francisco
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> Breve resenha sobre um livro hediondo
>>> Alice in Chains, por David De Sola
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Afinidade, maestria e demanda
>>> O Quixote de Will Eisner
>>> Era uma vez um inverno
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Uma livrada na cara
>>> YouTube, lá vou eu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
Últimos Posts
>>> Olhar perdido
>>> O que está acontecendo com elas ?
>>> Armaduras
>>> Etapas de uma pintura III (movie)
>>> Origâmis
>>> Eleições Municipais e o Efeito DunDum!
>>> Dente-de-leão
>>> MARINHA
>>> O que dizer depois da reunião de orientação
>>> Natureza do som
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com João Pereira Coutinho
>>> Manual do Publicitário
>>> Paixão e sucata
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Considerações Sobre a Segunda Divisão Poética
>>> O fim da revista Bravo!
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Perfil
>>> Rubem Fonseca e a inocência literária perdida
Mais Recentes
>>> Tem um Garoto no Meu Quarto
>>> O Caçador de Pipas
>>> A Anatomia de uma Dor- Um Luto em Observação
>>> Um Sonho na Amazônia - Volume 3
>>> Teorias da Psicopatologia e Personalidade-Ensaios e Críticas
>>> Natureza e Seres Vivos 4º edição
>>> Planejamento e Estratégia Empresarial
>>> Estação Carandiru
>>> Planejamento Estratégico: Conceitos, Metodologia e Práticas
>>> O Silêncio Amoroso de Deus
>>> Mestre Dos Mares
>>> Balzac E A Costureirinha Chinesa
>>> Che Guevara: A Vida em Vermelho
>>> Samuel Klein e Casas Bahia - Uma Trajetória de Sucesso
>>> Base teórica de crítica textual - 2ª ed.
>>> Quando A Vida Escolhe
>>> Educação, Teatro e Matemática Medievais
>>> Chá das cinco com Aristóteles e outros artigos
>>> Revolucione seu negócios
>>> O menino no espelho
>>> Factotum
>>> A condição judaica
>>> Radiônica e Radiestesia
>>> A vida na ponta dos pés
>>> Corinthians x Outros
>>> História da Música Brasileira
>>> Manual do candidato as eleições- Carta do bom administrador Público-Pensamentos Políticos
>>> Pesquisa operacional na tomada de decisões
>>> Deixados para Trás Teen - Vol. 2 - Segunda Chance
>>> Uma História De Trabalho E Superação - Votorantim 90 Anos
>>> Anjos e Demônios - A Primeira Aventura de Robert Langdon
>>> Dicionário de Nomes
>>> Memórias eróticas de Paris na Belle Epoque
>>> Ser Negro no Brasil Hoje
>>> Contos do dia a dia
>>> Direito de ser Feliz
>>> Só o Amor Consegue
>>> Giselle - A amante do inquisidor
>>> O Código da Vinci
>>> Os Homens que Não Amavam as Mulheres
>>> Primeiras Estórias
>>> Histórias e Conversas de Mulher
>>> De Moto Pela América Do Sul
>>> Humilhados E Ofendidos
>>> Memórias Perdidas
>>> Coraline
>>> A Revolução Dos Bichos
>>> Quase todos segredos de uma vida
>>> Lula É Minha Anta
>>> Moderna orientação de leitura e abordagem literária - Poesia e Prosa
COLUNAS

Sexta-feira, 20/9/2002
As estrelas e os mitos
Gian Danton

+ de 7600 Acessos

Edgar Morin é, talvez, o mais importante filósofo vivo. Suas idéias influenciaram os mais diversos campos de saber, da metodologia científica à educação. Um reflexo de sua importância é o surgimento, em várias universidades, de núcleos de pensamento complexo, grupos que pretendem repensar a forma como vemos a ciência e educação. Mas Morin é também um apaixonado pela sétima arte e, como não poderia deixar de ser, dedicou um livro à sua paixão. A Estrelas - mito e sedução no cinema pretende analisar e compreender o fascínio que os grandes astros de Hollywood exercem sobre seu público.

Morin parte da idéia de que o cinema é o atual difusor de mitologias.

É muito comum ouvirmos pessoas que usam a palavra mito como sinônimo de algo irreal, falso: "Isso é mito, não aconteceu de verdade". Esse ponto de vista é equivocado. Os mitos são realidades psicológicas que vivem em nosso inconsciente coletivo. São como vírus de computador. Da mesma forma que um vírus precisa, para sobreviver, infectar outros computadores (através da internet ou de disquetes), os mitos precisam passar de uma pessoa para outra para continuarem existindo. Antigamente isso era feito através das narrativas orais. A tribo se reunia ao redor da fogueira e uma pessoa, geralmente um ancião, contava a história. Essa história apresentava ideais humanos de beleza, coragem, amizade, amor. Enquanto ouviam essas narrativas, os jovens entravam nelas e viviam como seus heróis. Ouvir histórias era como ter também um pouco das qualidades de seus ídolos. O desenvolvimento da sociedade de massa tornou esse tipo de encontro para contar histórias uma raridade. As pessoas simplesmente não tinham mais tempo para esse tipo de coisa. Os mitos, então, encontraram uma outra forma de se difundir: os meios de comunicação de massa. Hoje os mitos podem ser encontrados em filmes, novelas, histórias em quadrinhos e até na internet.

Morin vai se preocupar em analisar especificamente os mitos cinematográficos.

Ele percebe que ao redor das estrelas se instala um culto (como aliás, havia um culto aos deuses antigos. Hollywood é o novo Olimpo). O culto aos atores toma às vezes caráter de religião. Há papas (presidentes de fã-clubes) e até cerimônias em que os fiéis entram em estado de êxtase, como se estivessem de fato em um ambiente religioso (basta lembrar a reação histérica das meninas nos shows do Beatles).

Da mesma forma que fiéis faziam oferendas aos deuses antigos e, em troca, faziam pedidos, os fãs fazem as mais diversas ofertas e os mais diversos pedidos para seus ídolos. Morin assinala alguns pedidos mais curiosos: o papel usado para limpar o batom da estrela, pedaço de chiclete mastigado, ceroulas autografadas, guimbas de cigarro, um pedaço do rabo de cavalo e até um cheque em branco para fazer supermecado.

As oferendas são igualmente estranhas: onze páginas com I Love you escrito 825 vezes; uma pulga que reconhece o nome da estrela... no Brasil são famosas as calcinhas que a senhoras jogam no palco durante os shows do cantor Wando...

Os fãs fazem de seus ídolos a razão de viver e, muitas vezes, interferem até mesmo em seu cotidiano. Morin conta a história de um ator que não cortou o bigode por pressão das fãs.

Outros sabem tudo sobre seus ídolos. Há uma história curiosa sobre isso, protagonizada pelo ator William Shatner, o Capitão Kirk, do seriado Jornada nas Estrelas. Ele estava em um programa de auditório quando uma pessoa da platéia lhe perguntou quantas ovelhas havia em sua fazenda. Shatner respondeu, ao que o outro retrucou: "Mentira, nasceu uma hoje". Ou seja, o fã sabia mais sobre a vida de seu ídolo do que ele mesmo.

O roteirista britânico Alan Moore (autor das graphic novels Watchmen e V de Vingança) conta que certa vez recebeu um telefonema de uma amigo parabenizando-o pelo noivado da filha. A notícia já estava correndo a internet e a filha nem havia comunicado o noivado a Moore.

Também característico dessa situação são os fãs que não conseguem distinguir o ator do personagem. Essa situação pode ser tão sufocante que o ator Leonard Limoy chegou a publicar um livro, na década de 70, com o título Eu Não Sou Spock.

Mas qual é a origem psicológica dessa idolatria, às vezes doentia, aos mitos de cinema, TV e até do futebol?

Segundo Morin, a base está num processo de projeção-identificação. O fã se identifica com seu ídolo e, ao mesmo tempo, projeta nele seus desejos, o que ele gostaria de ter ou de ser.

Assim, uma pessoa de vida monótona se projeta em um personagem que vive em meio à ação e ao mistério. Uma pessoa recatada sexualmente se projeta em uma atriz de sexualidade exacerbada, como a Madona.

Na verdade, esse processo ocorre toda vez que assistimos a um filme. Nós escolhemos um personagem com o qual nos identificamos e "vivemos" com ele as situações ocorridas no filme. Quando ele corre perigo, nós corremos perigo junto com ele, quando ele ama, nós amamos junto com ele.

O ídolo é sempre um referencial para o seu fã. Ele se encontra acima dos mortais, em um Olimpo de beleza e perfeição.

Mas não basta a projeção. As estrelas precisam ser também um pouco humanas para que seu público possa se identificar com elas. O Super-homem é um belo exemplo disso. O herói era tão perfeito, tão olímpico, que era impossível se identificar com ele. Assim foi criado seu alter-ego, Clark Kent, um repórter tímido, que sempre é passado para trás por sua colega Lois Lane. Nós nos projetamos no Super-homem, mas nos identificamos com Clark Kent.

Segundo Edgar Morin, a Indústria Cultural se aproveita dessa necessidade do homem de se projetar em mitos e transforma isso em mercadoria. É a estrela-mercadoria.

A estrela vende tudo que tenha seu nome. A começar pelo próprio produto no qual ela está. Um filme com Tom Hanks é sucesso garantido de bilheteria. Uma novela com Tarcísio Meira é sucesso garantido.

Além disso, a estrela vende qualquer produto que se associe a ela. Adriane Galisteu vende sandálias, Pelé vende refrigerante, Xuxa vende batom. A figura da estrela agrega valor ao produto, pois, enquanto toma determinado refrigerante, o fã de futebol se identifica um pouco com Pelé.

Toda a estratégia de marketing das Havaianas tem como objetivo único convencer os consumidores que jovens atores globais usam essas sandálias.

Até a vida da estrela é um produto. Revista como Caras, Quem e Contigo não vendem nada além da vida da estrela. Através de revistas como essas o leitor se identifica um pouco com seu astro, pois ele bebe café como todos nós, mas o leitor também se projeta, afinal a estrela não toma um café qualquer, e sim um capucino de 20 dólares a xícara.

Claro que a estrela só interessa para a Indústria Cultural enquanto estiver dando lucro. Uma estrela que não faz mais sucesso, que não vende mais produtos, é uma estrela morta. Nesses casos, é melhor a morte física. Estrela que morreram jovens ou em situações trágicas viram mito puro e se eternizam, pois é possível projetar qualquer desejo ou qualquer história em uma estrela morta. Renato Russo e Raul Seixas vendem muito mais discos hoje do que quando estavam vivos. Nesse sentido tem toda razão quem diz que Elvis não morreu. Para a Indústria Cultural ele ainda está mais vivo do que nunca.

Para ir além

Livro de Morin é uma homenagem ao cinema



Gian Danton
Macapá, 20/9/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo
02. Na hora do batismo de Marta Barcellos
03. Ação Social de Ricardo de Mattos
04. Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
05. Marcelo Mirisola: entrevista de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2002
01. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
02. A teoria do caos - 22/11/2002
03. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002
04. Público, massa e multidão - 30/8/2002
05. Os 100 maiores cientistas - 29/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIVENDO NO LIMITE
JOE CONELLY
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)



IMAGENS E IDENTIDADES DO TRABALHO
ANTÔNIO SÉRGIO GUIMARÃES MICHEL AGIER NADYA ARAÚJO CASTRO
HUCITEC
(1995)



WEAVING . THE WEB- THE ORIGINAL DESIGN AND ULTIMATE DESTINY OF THE WORLD WIDE WEB
TIM BERNERS LEE WITH MARK FISCHETTI
HARPER
(2000)



DUPLO AUTORRETRATO COM ESPELHO: POEMAS NOVOS E SELECIONADOS (1978-2014)
KATHLEEN MCCRACKEN
EX MACHINA
(2014)
+ frete grátis



O DECLÍNIO DA CULTURA OCIDENTAL
ALLAN BLOOM
BEST-SELLER
(1989)
+ frete grátis



CIDADE CORROMPIDA
ROSS MACDONALD
RECORD
(2000)
+ frete grátis



A EXPERIÊNCIA DO EVANGELHO- A COMUNIDADE CRISTÃ NO SÉCULO I
HENRI HOLSTEIN
PAULINAS
(1977)
+ frete grátis



REVISTA PÔSTER GIGANTE U2
VÁRIOS
DISCOVERY
(2006)
+ frete grátis



FRAÇÕES SEM MISTÉRIOS
LUZIA FARACO RAMOS
ÁTICA
(1995)
+ frete grátis



AUTO-ESTIMA E AUTODESCOBERTA
NATHANIEL BRANDEN
EDITORA SARAIVA
(1996)
+ frete grátis





busca | avançada
27897 visitas/dia
846 mil/mês