As estrelas e os mitos | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
53768 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> Cidade surreal
>>> O Enriquecer é Glorioso!
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> 'Um Conto Chinês' e o absurdo da vida
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais
>>> Concurso literário, caminho para a publicação
>>> André Bazin e a crítica como militância
>>> O Público Contra Yayoi Kusama
>>> O africano e o taubateano
Colunistas
Mais Recentes
>>> O Digestivo nas Copas
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
>>> Daniel Piza (1970-2011)
Últimos Posts
>>> Uma Suíte Americana
>>> Petite Messe Solennelle
>>> Stevie Ray Vaughan em Montreux
>>> The Innovators Walter Isaacson
>>> Suassuna no Digestivo
>>> Fire Phone by Jeff Bezos
>>> Trágico e Cômico, o debate
>>> A volta do 'louco da plateia'
>>> Ascensão e queda:lançamento
>>> Bruna Beber no Sesc Palladium
Mais Recentes
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
>>> 2 Milhões de Pageviews
>>> 40 mil seguidores no Twitter
Mais Recentes
>>> O rei nu do vestibular
>>> O Salão e a Selva
>>> Um dia que mudou a história
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Blog do Reinaldo Azevedo
>>> Projeto Piano Forte, com Brad Mehldau
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Chega de Escola
>>> As noites insanas de Zizi Possi
LIVROS
Mais Recentes
>>> Half Bad
>>> Guia Paris de Bicicleta
>>> Guia Londres de Bicicleta
>>> O Guia Do Herói Para Invadir O Castelo
>>> Guia Berlim de Bicicleta
>>> Guia Barcelona de Bicicleta
>>> Guia Amsterdã de Bicicleta
>>> Guardiã dos Segredos do Amor
>>> Gourmet Sem Segredos
>>> Gestao social e trabalho social
>>> Garfield - Quebra-cabeças
>>> Ganhar Para Perder
>>> O Fantasma Vai à Guerra
>>> Fantasma
>>> Esta é a verdadeira história do Paraíso
>>> Essa Cara Não Me é Estranha E Outros Poemas
>>> O espelho do tempo
>>> Entre o Amor e o Silêncio
>>> Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana
>>> A Encantadora De Homens
>>> Educação Ambiental
>>> Duas Verdades e uma Vezes Mentira
>>> Direito Tributário e Financeiro
>>> Direito Tributário
>>> Direito Processual Penal
>>> A Dieta Parisiense
>>> O Dia em que Troque Meu Pai Por Dois Peixinhos Dourados
>>> Desenhos - passo a passo
>>> Crochê Passo a Passo
>>> Criptograma 32
>>> Cozinhar - Uma história natural de transformação
>>> A Cor Do Leite
>>> Conversas políticas, desafios públicos
>>> O Conto Do Covarde
>>> Como Treinar o Seu Trem
>>> Como ser um grande lider e influenciar pessoas
>>> Como Sair Da Friend Zone
>>> O Cavaleiro na Encruzilhada
>>> Casamento à Prova De Traição
>>> Carreiras Bancárias
>>> Equipes de Resgate - Brincando Com Meus Amigos
>>> O Bom Prefeito
>>> Bolos de Festa Para Assar e Decorar
>>> Beijos de areia
>>> Battlefield 4 - Contagem Regressiva
>>> Batman - A luta contra o crime
>>> Autonomia e Ética na Escola
>>> Assistência na Trajetória das Políticas Sociais Brasileiras
>>> Ascensão do Império
>>> O Artífice
COLUNAS

Sexta-feira, 20/9/2002
As estrelas e os mitos
Gian Danton

+ de 5500 Acessos

Edgar Morin é, talvez, o mais importante filósofo vivo. Suas idéias influenciaram os mais diversos campos de saber, da metodologia científica à educação. Um reflexo de sua importância é o surgimento, em várias universidades, de núcleos de pensamento complexo, grupos que pretendem repensar a forma como vemos a ciência e educação. Mas Morin é também um apaixonado pela sétima arte e, como não poderia deixar de ser, dedicou um livro à sua paixão. A Estrelas - mito e sedução no cinema pretende analisar e compreender o fascínio que os grandes astros de Hollywood exercem sobre seu público.

Morin parte da idéia de que o cinema é o atual difusor de mitologias.

É muito comum ouvirmos pessoas que usam a palavra mito como sinônimo de algo irreal, falso: "Isso é mito, não aconteceu de verdade". Esse ponto de vista é equivocado. Os mitos são realidades psicológicas que vivem em nosso inconsciente coletivo. São como vírus de computador. Da mesma forma que um vírus precisa, para sobreviver, infectar outros computadores (através da internet ou de disquetes), os mitos precisam passar de uma pessoa para outra para continuarem existindo. Antigamente isso era feito através das narrativas orais. A tribo se reunia ao redor da fogueira e uma pessoa, geralmente um ancião, contava a história. Essa história apresentava ideais humanos de beleza, coragem, amizade, amor. Enquanto ouviam essas narrativas, os jovens entravam nelas e viviam como seus heróis. Ouvir histórias era como ter também um pouco das qualidades de seus ídolos. O desenvolvimento da sociedade de massa tornou esse tipo de encontro para contar histórias uma raridade. As pessoas simplesmente não tinham mais tempo para esse tipo de coisa. Os mitos, então, encontraram uma outra forma de se difundir: os meios de comunicação de massa. Hoje os mitos podem ser encontrados em filmes, novelas, histórias em quadrinhos e até na internet.

Morin vai se preocupar em analisar especificamente os mitos cinematográficos.

Ele percebe que ao redor das estrelas se instala um culto (como aliás, havia um culto aos deuses antigos. Hollywood é o novo Olimpo). O culto aos atores toma às vezes caráter de religião. Há papas (presidentes de fã-clubes) e até cerimônias em que os fiéis entram em estado de êxtase, como se estivessem de fato em um ambiente religioso (basta lembrar a reação histérica das meninas nos shows do Beatles).

Da mesma forma que fiéis faziam oferendas aos deuses antigos e, em troca, faziam pedidos, os fãs fazem as mais diversas ofertas e os mais diversos pedidos para seus ídolos. Morin assinala alguns pedidos mais curiosos: o papel usado para limpar o batom da estrela, pedaço de chiclete mastigado, ceroulas autografadas, guimbas de cigarro, um pedaço do rabo de cavalo e até um cheque em branco para fazer supermecado.

As oferendas são igualmente estranhas: onze páginas com I Love you escrito 825 vezes; uma pulga que reconhece o nome da estrela... no Brasil são famosas as calcinhas que a senhoras jogam no palco durante os shows do cantor Wando...

Os fãs fazem de seus ídolos a razão de viver e, muitas vezes, interferem até mesmo em seu cotidiano. Morin conta a história de um ator que não cortou o bigode por pressão das fãs.

Outros sabem tudo sobre seus ídolos. Há uma história curiosa sobre isso, protagonizada pelo ator William Shatner, o Capitão Kirk, do seriado Jornada nas Estrelas. Ele estava em um programa de auditório quando uma pessoa da platéia lhe perguntou quantas ovelhas havia em sua fazenda. Shatner respondeu, ao que o outro retrucou: "Mentira, nasceu uma hoje". Ou seja, o fã sabia mais sobre a vida de seu ídolo do que ele mesmo.

O roteirista britânico Alan Moore (autor das graphic novels Watchmen e V de Vingança) conta que certa vez recebeu um telefonema de uma amigo parabenizando-o pelo noivado da filha. A notícia já estava correndo a internet e a filha nem havia comunicado o noivado a Moore.

Também característico dessa situação são os fãs que não conseguem distinguir o ator do personagem. Essa situação pode ser tão sufocante que o ator Leonard Limoy chegou a publicar um livro, na década de 70, com o título Eu Não Sou Spock.

Mas qual é a origem psicológica dessa idolatria, às vezes doentia, aos mitos de cinema, TV e até do futebol?

Segundo Morin, a base está num processo de projeção-identificação. O fã se identifica com seu ídolo e, ao mesmo tempo, projeta nele seus desejos, o que ele gostaria de ter ou de ser.

Assim, uma pessoa de vida monótona se projeta em um personagem que vive em meio à ação e ao mistério. Uma pessoa recatada sexualmente se projeta em uma atriz de sexualidade exacerbada, como a Madona.

Na verdade, esse processo ocorre toda vez que assistimos a um filme. Nós escolhemos um personagem com o qual nos identificamos e "vivemos" com ele as situações ocorridas no filme. Quando ele corre perigo, nós corremos perigo junto com ele, quando ele ama, nós amamos junto com ele.

O ídolo é sempre um referencial para o seu fã. Ele se encontra acima dos mortais, em um Olimpo de beleza e perfeição.

Mas não basta a projeção. As estrelas precisam ser também um pouco humanas para que seu público possa se identificar com elas. O Super-homem é um belo exemplo disso. O herói era tão perfeito, tão olímpico, que era impossível se identificar com ele. Assim foi criado seu alter-ego, Clark Kent, um repórter tímido, que sempre é passado para trás por sua colega Lois Lane. Nós nos projetamos no Super-homem, mas nos identificamos com Clark Kent.

Segundo Edgar Morin, a Indústria Cultural se aproveita dessa necessidade do homem de se projetar em mitos e transforma isso em mercadoria. É a estrela-mercadoria.

A estrela vende tudo que tenha seu nome. A começar pelo próprio produto no qual ela está. Um filme com Tom Hanks é sucesso garantido de bilheteria. Uma novela com Tarcísio Meira é sucesso garantido.

Além disso, a estrela vende qualquer produto que se associe a ela. Adriane Galisteu vende sandálias, Pelé vende refrigerante, Xuxa vende batom. A figura da estrela agrega valor ao produto, pois, enquanto toma determinado refrigerante, o fã de futebol se identifica um pouco com Pelé.

Toda a estratégia de marketing das Havaianas tem como objetivo único convencer os consumidores que jovens atores globais usam essas sandálias.

Até a vida da estrela é um produto. Revista como Caras, Quem e Contigo não vendem nada além da vida da estrela. Através de revistas como essas o leitor se identifica um pouco com seu astro, pois ele bebe café como todos nós, mas o leitor também se projeta, afinal a estrela não toma um café qualquer, e sim um capucino de 20 dólares a xícara.

Claro que a estrela só interessa para a Indústria Cultural enquanto estiver dando lucro. Uma estrela que não faz mais sucesso, que não vende mais produtos, é uma estrela morta. Nesses casos, é melhor a morte física. Estrela que morreram jovens ou em situações trágicas viram mito puro e se eternizam, pois é possível projetar qualquer desejo ou qualquer história em uma estrela morta. Renato Russo e Raul Seixas vendem muito mais discos hoje do que quando estavam vivos. Nesse sentido tem toda razão quem diz que Elvis não morreu. Para a Indústria Cultural ele ainda está mais vivo do que nunca.

Para ir além

Livro de Morin é uma homenagem ao cinema



Gian Danton
Macapá, 20/9/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inutilidades e pianos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2002
01. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
02. A teoria do caos - 22/11/2002
03. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002
04. Público, massa e multidão - 30/8/2002
05. Os 100 maiores cientistas - 29/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



>>> Bangu Shopping recebe exposição 'Ana Botafogo e sua história'
>>> Chankas se apresenta na Fundação Ema Klabin com nova formação
>>> TV Brasil exibe 'Quanto vale ou é por quilo?'
>>> Boulevard São Gonçalo celebra Dia dos Pais com exposição em miniatura
>>> Romance canadense reinterpreta a capital francesa com perspicácia e estilo próprio
>>> Estúdio Móvel traça um panorama da obra do cineasta Luiz Carlos Lacerda
* clique para encaminhar

Companhia das Letras
Editora Conteúdo
Bertrand Brasil
Intrínseca
José Olympio
Cortez Editora
Nova Fronteira
Arquipélago Editorial
Best Seller
Civilização Brasileira
Globo Livros
WMF Martins Fontes
Editora Perspectiva
Hedra
Primavera Editorial
Madras Editora
Editora Record
LIVROS


LDB/1996 CONTEMPORÂNEA - CONTRADIÇÕES, TENSÕES, COMPROMISSOS
Por R$ 62,95
+ frete grátis



BROTOS - RECEITAS DA CULINÁRIA VIVA
Por R$ 31,95
+ frete grátis



COMO TREINAR O SEU TREM
De R$ 39,50
Por R$ 33,70
Economize R$ 5,80



GLÓRIA ROUBADA
De R$ 29,90
Por R$ 25,89
Economize R$ 4,01



GUIA LONDRES DE BICICLETA
Por R$ 18,95
+ frete grátis



O SEGUNDO SUSPIRO
Por R$ 26,95
+ frete grátis



A DIETA DA MENTE
Por R$ 34,89
+ frete grátis



TRÊS VIDAS
De R$ 68,00
Por R$ 34,95
Economize R$ 33,05



NEGÓCIOS EM BOLSAS DE VALORES
Por R$ 38,95
+ frete grátis



RASHÔMON E OUTROS CONTOS
Por R$ 23,95
+ frete grátis



busca | avançada
53768 visitas/dia
2,1 milhões/mês