As estrelas e os mitos | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
31576 visitas/dia
586 mil/mês
Mais Recentes
>>> Cia de Danças de Diadema apresenta-se na CAIXA Cultural Rio de Janeiro
>>> Confraria do Vinil chega ao Cachaça Social Club na Lapa
>>> Windsor Marapendi apresenta Companhia Estadual de Jazz
>>> CarnaRock KISS FOR KIDS
>>> Para compreender a filosofia de Schopenhauer
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Imprimam - e repensem - suas fotografias
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Longa vida à fotografia
>>> Oswald de Andrade e o
>>> Nuvem Negra*
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> Vocês, que não os verei mais
>>> Em nome dos filhos
>>> O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope'
>>> Píramo e Tisbe
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Fotógrafa da Amazônia é destaque na Europa
>>> Matiz carmim (série: Sonetos)
>>> Gente que corre
>>> Inventário de provas
>>> Escrever, escrever, escrever...
>>> Políticos e suas politicas
>>> Marceneiro
>>> Hércules e seu doutorado sanduíche com Aristóteles
>>> Caminhos
>>> Eroti(cidade)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Há vida inteligente fora da internet?
>>> As melhores capas de 2008
>>> Por uma lógica no estudo da ortografia
>>> Píramo e Tisbe
>>> A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte
>>> A vida se elabora no Ano Novo
>>> Pais e filhos, maridos e esposas II
>>> Surviving IPO Fever
>>> Publicar em papel? Pra quê?
>>> Como uma criança
Mais Recentes
>>> A droga da obediência
>>> A droga do amor
>>> Anjo da morte
>>> Anjo da morte
>>> Robin Hood
>>> A marca de uma lágrima
>>> Rick e a girafa
>>> Julinho, o sapo
>>> Como se fosse dinheiro
>>> O homem que sabia javanês
>>> O reizinho mandão
>>> O catador de papel II
>>> O código polinômio
>>> História de sinais
>>> Judy Moody Salva o Mundo!
>>> História econômica Agricultura, indústria e populações
>>> A Questão Pneumatológica em Yves Marie-Joseph Congar- O Espírito e o Verbo- As duas Mãos do Pai
>>> A testemunha ocular do crime
>>> Morte na Mesopotâmia
>>> O mistério do trem azul
>>> Spharion
>>> Os crimes A B C
>>> Uma Exposição das Sete Eras da Igreja
>>> Vovó tem Alzha... o quê?
>>> Física - Volume Único - Curso Completo
>>> A menina que roubava livros
>>> Sonhos de Volúpia
>>> Ciprestre Triste
>>> CLT - Consolidação das Leis do Trabalho
>>> Autobiografia de um Iogue
>>> Lazarillo de Tormes + Cd - Nível 3 - Colección Leer En Español
>>> O manual da fotografia digital
>>> Gabriela, cravo e canela
>>> O Morro dos Ventos Uivantes
>>> Calendário do Poder
>>> Uma Longa Jornada
>>> O Futuro da Democracia - 7ª Edição Revista e Ampliada
>>> O espírito de empresa
>>> Sucesso sem Stress
>>> O Agente Infiitrado
>>> A arte da seduçaõ
>>> Reengenharia da informaçaõ
>>> Bases Fisiológicas da Educaçao Física e dos Desportos
>>> Reprodução Humana
>>> Enciclopédia do Patrimonio da Humidade
>>> O caminho para a paz interior
>>> Famílias feitas para vencer
>>> Um võo lendário na rota da Aéropostale
>>> Nações do Mundo
>>> Nações do Mundo
COLUNAS

Sexta-feira, 20/9/2002
As estrelas e os mitos
Gian Danton

+ de 7800 Acessos

Edgar Morin é, talvez, o mais importante filósofo vivo. Suas idéias influenciaram os mais diversos campos de saber, da metodologia científica à educação. Um reflexo de sua importância é o surgimento, em várias universidades, de núcleos de pensamento complexo, grupos que pretendem repensar a forma como vemos a ciência e educação. Mas Morin é também um apaixonado pela sétima arte e, como não poderia deixar de ser, dedicou um livro à sua paixão. A Estrelas - mito e sedução no cinema pretende analisar e compreender o fascínio que os grandes astros de Hollywood exercem sobre seu público.

Morin parte da idéia de que o cinema é o atual difusor de mitologias.

É muito comum ouvirmos pessoas que usam a palavra mito como sinônimo de algo irreal, falso: "Isso é mito, não aconteceu de verdade". Esse ponto de vista é equivocado. Os mitos são realidades psicológicas que vivem em nosso inconsciente coletivo. São como vírus de computador. Da mesma forma que um vírus precisa, para sobreviver, infectar outros computadores (através da internet ou de disquetes), os mitos precisam passar de uma pessoa para outra para continuarem existindo. Antigamente isso era feito através das narrativas orais. A tribo se reunia ao redor da fogueira e uma pessoa, geralmente um ancião, contava a história. Essa história apresentava ideais humanos de beleza, coragem, amizade, amor. Enquanto ouviam essas narrativas, os jovens entravam nelas e viviam como seus heróis. Ouvir histórias era como ter também um pouco das qualidades de seus ídolos. O desenvolvimento da sociedade de massa tornou esse tipo de encontro para contar histórias uma raridade. As pessoas simplesmente não tinham mais tempo para esse tipo de coisa. Os mitos, então, encontraram uma outra forma de se difundir: os meios de comunicação de massa. Hoje os mitos podem ser encontrados em filmes, novelas, histórias em quadrinhos e até na internet.

Morin vai se preocupar em analisar especificamente os mitos cinematográficos.

Ele percebe que ao redor das estrelas se instala um culto (como aliás, havia um culto aos deuses antigos. Hollywood é o novo Olimpo). O culto aos atores toma às vezes caráter de religião. Há papas (presidentes de fã-clubes) e até cerimônias em que os fiéis entram em estado de êxtase, como se estivessem de fato em um ambiente religioso (basta lembrar a reação histérica das meninas nos shows do Beatles).

Da mesma forma que fiéis faziam oferendas aos deuses antigos e, em troca, faziam pedidos, os fãs fazem as mais diversas ofertas e os mais diversos pedidos para seus ídolos. Morin assinala alguns pedidos mais curiosos: o papel usado para limpar o batom da estrela, pedaço de chiclete mastigado, ceroulas autografadas, guimbas de cigarro, um pedaço do rabo de cavalo e até um cheque em branco para fazer supermecado.

As oferendas são igualmente estranhas: onze páginas com I Love you escrito 825 vezes; uma pulga que reconhece o nome da estrela... no Brasil são famosas as calcinhas que a senhoras jogam no palco durante os shows do cantor Wando...

Os fãs fazem de seus ídolos a razão de viver e, muitas vezes, interferem até mesmo em seu cotidiano. Morin conta a história de um ator que não cortou o bigode por pressão das fãs.

Outros sabem tudo sobre seus ídolos. Há uma história curiosa sobre isso, protagonizada pelo ator William Shatner, o Capitão Kirk, do seriado Jornada nas Estrelas. Ele estava em um programa de auditório quando uma pessoa da platéia lhe perguntou quantas ovelhas havia em sua fazenda. Shatner respondeu, ao que o outro retrucou: "Mentira, nasceu uma hoje". Ou seja, o fã sabia mais sobre a vida de seu ídolo do que ele mesmo.

O roteirista britânico Alan Moore (autor das graphic novels Watchmen e V de Vingança) conta que certa vez recebeu um telefonema de uma amigo parabenizando-o pelo noivado da filha. A notícia já estava correndo a internet e a filha nem havia comunicado o noivado a Moore.

Também característico dessa situação são os fãs que não conseguem distinguir o ator do personagem. Essa situação pode ser tão sufocante que o ator Leonard Limoy chegou a publicar um livro, na década de 70, com o título Eu Não Sou Spock.

Mas qual é a origem psicológica dessa idolatria, às vezes doentia, aos mitos de cinema, TV e até do futebol?

Segundo Morin, a base está num processo de projeção-identificação. O fã se identifica com seu ídolo e, ao mesmo tempo, projeta nele seus desejos, o que ele gostaria de ter ou de ser.

Assim, uma pessoa de vida monótona se projeta em um personagem que vive em meio à ação e ao mistério. Uma pessoa recatada sexualmente se projeta em uma atriz de sexualidade exacerbada, como a Madona.

Na verdade, esse processo ocorre toda vez que assistimos a um filme. Nós escolhemos um personagem com o qual nos identificamos e "vivemos" com ele as situações ocorridas no filme. Quando ele corre perigo, nós corremos perigo junto com ele, quando ele ama, nós amamos junto com ele.

O ídolo é sempre um referencial para o seu fã. Ele se encontra acima dos mortais, em um Olimpo de beleza e perfeição.

Mas não basta a projeção. As estrelas precisam ser também um pouco humanas para que seu público possa se identificar com elas. O Super-homem é um belo exemplo disso. O herói era tão perfeito, tão olímpico, que era impossível se identificar com ele. Assim foi criado seu alter-ego, Clark Kent, um repórter tímido, que sempre é passado para trás por sua colega Lois Lane. Nós nos projetamos no Super-homem, mas nos identificamos com Clark Kent.

Segundo Edgar Morin, a Indústria Cultural se aproveita dessa necessidade do homem de se projetar em mitos e transforma isso em mercadoria. É a estrela-mercadoria.

A estrela vende tudo que tenha seu nome. A começar pelo próprio produto no qual ela está. Um filme com Tom Hanks é sucesso garantido de bilheteria. Uma novela com Tarcísio Meira é sucesso garantido.

Além disso, a estrela vende qualquer produto que se associe a ela. Adriane Galisteu vende sandálias, Pelé vende refrigerante, Xuxa vende batom. A figura da estrela agrega valor ao produto, pois, enquanto toma determinado refrigerante, o fã de futebol se identifica um pouco com Pelé.

Toda a estratégia de marketing das Havaianas tem como objetivo único convencer os consumidores que jovens atores globais usam essas sandálias.

Até a vida da estrela é um produto. Revista como Caras, Quem e Contigo não vendem nada além da vida da estrela. Através de revistas como essas o leitor se identifica um pouco com seu astro, pois ele bebe café como todos nós, mas o leitor também se projeta, afinal a estrela não toma um café qualquer, e sim um capucino de 20 dólares a xícara.

Claro que a estrela só interessa para a Indústria Cultural enquanto estiver dando lucro. Uma estrela que não faz mais sucesso, que não vende mais produtos, é uma estrela morta. Nesses casos, é melhor a morte física. Estrela que morreram jovens ou em situações trágicas viram mito puro e se eternizam, pois é possível projetar qualquer desejo ou qualquer história em uma estrela morta. Renato Russo e Raul Seixas vendem muito mais discos hoje do que quando estavam vivos. Nesse sentido tem toda razão quem diz que Elvis não morreu. Para a Indústria Cultural ele ainda está mais vivo do que nunca.

Para ir além

Livro de Morin é uma homenagem ao cinema



Gian Danton
Macapá, 20/9/2002


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2002
01. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
02. A teoria do caos - 22/11/2002
03. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002
04. Público, massa e multidão - 30/8/2002
05. Os 100 maiores cientistas - 29/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DA CULTURA TEATRAL
MAX GEISENHEYNER
HERDER
(1961)
R$ 32,00



O RETRATO DE DORIAN GRAY
OSCAR WILDE
ABRIL COLEÇÕES
(2010)
R$ 20,00



PRÉ-ESCOLA É NÃO É ESCOLA
MARIA LUCIA A. MACHADO
PAZ E TERRA
(1991)
R$ 10,00



NIETZSCHE- O FILÓSOFO DO NIILISMO E DO ETERNO RETORNO
SNTÔNIO C. BRAGA
ESCALA
(2011)
R$ 15,50



ECCE HOMO
FRIEDRICH NIETZSCHE
SARAIVA DE BOLSO
(2010)
R$ 10,00



MAPA DA VIDA
EDSON DE PAULA E MAURÍCIO SITA
SER MAIS
R$ 29,45
+ frete grátis



ANTOLOGIA DA CARIDADE UMA REFLEXAO TEOLOGICO PASTORAL
MARCIO ANATOLE DE SOUSA ROMEIRO
LOYOLA
(2002)
R$ 7,00



HQ A TURMA DO PERERÊ + ALMANAQUE 1
ZIRALDO
ABRIL JOVEM
(1991)
R$ 7,00



FESTA DE CRIANCA
LUIS FERNANDO VERISSIMO
ATICA
(2011)
R$ 8,00



ESAÚ E JACÓ / MEMORIAL DE AIRES
MACHADO DE ASSIS
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 15,00





busca | avançada
31576 visitas/dia
586 mil/mês