Palhaços e candidatos | Luís Antônio Giron

busca | avançada
82020 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Historiador mapeia o apoio financeiro norte-americano a governadores pré-golpe de 1964
>>> Oficina: Revisão de literatura traduzida Inglês/Português (EaD)
>>> DIA 5 DE OUTUBRO – BJÖRK DIGITAL ONLINE!
>>> Próxima Live do Grupontapé será realizada com o ator e diretor teatral do Grupo Galpão de Belo Horiz
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Klaatu barada nikto!
>>> Filosofia cai no gosto... (2)
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mudanças I
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> 7 de Setembro
>>> Vicky Cristina Barcelona
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Arco-Íris da Vida 3 de Wilma Kovalsky Oliveira pela Est (2005)
>>> Universidade Hacker - Volume 3 de Ulbrich, Henrique Cesar, Della Valle, James pela Digerati books
>>> Universidade Hacker - Volume 4 de Ulbrich, Henrique Cesar, Della Valle, James pela Digerati books
>>> Universidade Hacker - Volume 1 de Ulbrich, Henrique Cesar, Della Valle, James pela Digerati books
>>> TURMA DA MONICA - CONTOS DE ANDERSEN, GRIMM E PERRAULT de Girassol pela Girassol
>>> Arco-Íris da Vida de Wilma Kovalsky Oliveira pela Est (1996)
>>> Terminologia Em Enfermagem de Maria Aparecida Modesto Dos Santos pela Martinari
>>> Symbols and Their Meanings de Jack Tresidder pela Duncan Baird
>>> SONHANDO COM O NÚMERO CERTO de ZOLAR pela Record
>>> Sinal Verde de Andre Luiz pela Feb
>>> Livro das Manhãs de Paulo Roberto do Carmo pela Parlenda (1997)
>>> SEGREDO - THE SECRET de Rhonda Byrne pela Sextante
>>> Richthofen - O Assassinato dos Pais de Suzane de Roger Franchim pela Planeta
>>> Pride And Prejudice de Jane austen pela Penguin
>>> Um Girassol na Neblina de Luiz Coronel pela Exitus (1997)
>>> Ponto de inflexão de Flávio Augusto DA Silva pela Buzz (2019)
>>> Os Fundamentos Da Física Vol 3 Eletricidade de Ramalho Nicolau Toledo pela Moderna
>>> O Poder Do Marido Que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristao (2017)
>>> Poemando a Alma de Marcio Portal pela Revolução Cultural (2008)
>>> O Poder do Charme de Brian Tracy e Rom Arden pela Sextante (2010)
>>> O passado não importa mais de Elisa Masselli pela N/d
>>> Eclípse das Estrelas de Zé Augustho Marques pela Alcance (1997)
>>> O Livro De Jô - Uma Autobiografia Desautorizada - 2 Volumes de Jô Soares pela Cia Das Letras
>>> O CARTEIRO CHEGOU de AHLBERG, ALLAN pela Companhia Das Letras
>>> Normal People de Sally Rooney pela Random House Large Print (2019)
>>> Livro Neagle - Vivendo Um Sonho Nos Estados Unidos de Gabriel Fernandes pela Astral (2017)
>>> Plano de Navegação - Poesia de Sidnei Schneider pela Dahmer (1999)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo D'água No Trabalho de Richard Carlson pela Rocco
>>> Mentes Ansiosas - Medo E Ansiedade Além Dos Limites de Ana beatriz barbosa silva pela Fontanar (2011)
>>> O Que É Justiça Uma Abordagem Dialética de Roberto A.R. De Aguiar pela Alfa omega (1993)
>>> Itabirano Áporo Itabirano Epistolografia À Beira do Acaso de Hermínio Bello de Carvalho Carlos Drummond De Andrade pela Imprensa Oficial (2011)
>>> Manual De Sobrevivência Da Garota Descolada de Nancy Rue pela Mundo Cristao
>>> Nossa Senhora De Fátima de William Thomas Walsh pela Quadrante
>>> Financiamento do Progresso Importância da tecnologia O papel do Estado. de Hindenburgo C. Perreira Diniz pela Ele Horizonte BDG Cultural (2002)
>>> Efemérides do Arraial do Tijuco a Diamantina de Célio Hugo Alves Perreira pela Belo Horizonte (2007)
>>> O Sistema Político Brasileiro: Uma Introdução de Lúcia Avelar Antonio Octávio Cintra org. pela UNESP (2015)
>>> A Arte Gastronômica de Miguel, o Magnífico de Miguel de Carvalho pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Kundalini - O Caminho Da Auto-iluminação Para A Nova Era de Krishna, Gopi pela Record
>>> Jesus o maior psicólogo que já existiu de Mark w. baker pela Sextante
>>> Poesia na Praça - IX Antologia Poética Patrulhense de Vários Autores pela Est (1998)
>>> 150 Anos com Eça de Queirós de Elza Miné org. pela USP (1997)
>>> PEQUENO DICIONARIO HOUAISS DA LINGUA PORTUGUESA de INSTITUTO ANTONIO HOUAISS pela Moderna
>>> Harry Potter E O Calice De Fogo de J K Rowling pela Rocco
>>> Guia Totalmente ilustrado Minecraft Guia de monstros e Animais de Fábio Kataoka pela Geek
>>> Gestão de Pessoas o Novo Papel dos Recursos Humanos nas Organizações de Idalberto Chiavenato pela Campus (1999)
>>> Benedito Nunes de Clarice Lispector pela Quíron (1973)
>>> Geografia Geral e do Brasil Espaço Geográfico e Globalizaçã de Eustáquio de Sene e João Carlos Moreira pela SCIPIONE (2012)
>>> Justiça do Direito Vol.10 n.10 de Elydo Alcides Guareschi pela EDI UPF (1996)
>>> Esmeralda de Zibia Gasparetto pela N/d
>>> Pontinho Feliz de Bianca Goulart pela Calábria (2009)
ENSAIOS

Segunda-feira, 6/9/2010
Palhaços e candidatos
Luís Antônio Giron

+ de 7900 Acessos
+ 2 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Era uma vez um país cujo governo aboliu o riso. O presidente baixou uma lei que vetou a seus cidadãos fazer piadas sobre os candidatos durante a campanha eleitoral. Os humoristas profissionais se entristeceram e protestaram, fizeram passeatas e denunciaram a censura. Berraram palavras de ordem até não mais poder. De nada adiantou. Mas o riso, como a primavera, não se refreia. E assim, nesse ínterim, para saciar a sede de comédia da população, os candidatos a cargos públicos passaram a se encarregar de fazer humor durante o programa eleitoral obrigatório, veiculado por emissoras de rádio e televisão. Como que sentindo falta de quem os esculhambasse, assumiram o papel de palhaços e fizeram o povo gargalhar. Não é de espantar que um humorista se destacasse ― e deixasse seus colegas comendo poeira, embasbacados e impotentes.

Foi assim que o comediante cearense Tiririca, candidato a deputado federal por São Paulo, tomou a dianteira da campanha e lançou o bordão: "Vote no Tiririca. Pior que está, não fica". E outro: "Você sabe o que faz um deputado? Eu não sei, mas vote em mim que eu te conto!". Outras celebridades televisivas vieram se juntar à trupe do nonsense, como a Mulher Pêra, o costureiro Ronaldo Esper, o filho do apresentador Raul Gil e o lutador Maguila. Comediante ganha a eleição ― e a piada.

Indignado com a nova ordem, um bando de humoristas se reuniu no dia 22 de agosto em Copacabana, no Rio de Janeiro, para bradar contra a censura e, de quebra, a nova forma de monopólio sobre o humor. A manifestação, organizada pelo grupo Comédia em Pé, contou com as presenças de grandes humoristas, da turma dos programas Casseta & Planeta e Pânico a comediantes como Sérgio Mallandro e Bruno Mazzeo. Surgiu assim a stand-up comedy for your rights. "Humorista unido, jamais será comido!", gritaram, enquanto desfilavam à beira-mar. "Iu, iu, iu! Tiririca nos traiu!" Outra palavra de ordem: "Um, dois, três! Quatro, cinco, seis! Sete, oito, nove! Dez, onze, doze..."

O Brasil é o país em que a mascarada precede a História, ou é a essência da própria História. A querela começou em 30 de setembro de 1997, quando a Subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência da República publicou a Lei nº 9.504, que proíbe piadas e caricaturas de candidatos durante a campanha. O Artigo 45, inciso II da lei diz que é vedado a emissoras de rádio e televisão "usar trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que, de qualquer forma, degradem ou ridicularizem candidato, partido ou coligação, ou produzir ou veicular programa com esse efeito". Desde a gestão presidencial retrasada, ninguém pode fazer piadas sobre nossos governantes e nossos ínclitos candidatos. Em palavras menos jurídicas, são treze anos de censura ao exercício profissional dos humoristas. Como viver sem tirar sarro dos políticos e aspirantes a cargos executivos e legislativos? E como concorrer contra políticos palhaços, principalmente se você está amordaçado?

As histrionices de Tiririca podem ser engraçadas, mas evocam o travo do autoritarismo que arrastou o Brasil a seus momentos de maior terror. Não há lei que impeça que um político se valha de recursos jocosos para ridicularizar a si próprio e, em decorrência, à política como um todo. O que é, convenhamos, um gesto muito mais subversivo que o próprio humor profissional. O candidato que desqualifica a política age como um perfeito fascista. Ele descrê do Estado de Direito e da vida democrática. Seu gargalhar tem sabor de escárnio. O pior é que esse tipo de gente sempre encontra adeptos. Devemos respeitar suas opiniões, pois, afinal, vivemos em uma democracia, ainda que sob censura. E aí temos de aturar candidatos monstruosos e ridículos, que fazem rir ao mesmo tempo em que provocam nossa repulsa.

O brasileiro sempre fez piada com política. E a prática era bem mais saudável no passado. Em 1958, em São Paulo, o candidato a vereador Cacareco recebeu 95 mil votos e foi o vereador mais votado. Pena que se tratava de um rinoceronte. A ideia do lançamento da candidatura do rinoceronte foi de um jornalista, Itaboraí Martins, indignado com o baixo nível dos candidatos naquele pleito. Em 1988, o fenômeno se repetiu, dessa vez por obra dos comediantes do jornal Casseta & Planeta. Eles lançaram a candidatura a prefeito do Rio de Janeiro do Macaco Tião. O animal amealhou 400 mil votos e foi o terceiro candidato mais votado nas eleições municipais. Infelizmente, a urna eletrônica e as leis reguladoras acabaram com esse tipo de graça, impedindo que tais candidaturas ganhassem estatuto de realidade. Nos anos 90, veio a lei da mordaça da sátira. Progressivamente, perdemos o recurso do humor como intervenção na realidade.

Em países mais civilizados, como Estados Unidos, França, Alemanha e Argentina, jamais existiram Cacarecos e Tiões. E raramente a liberdade de expressão é impedida. A classe política desses países tem a imagem enxovalhada pelos programas de televisão. E os candidatos muitas vezes fazem questão de aparecer nesses programas, expondo-se ao ridículo, mas se defendendo como podem. Foi o que aconteceu em 2008 quando o então candidato Barack Obama apareceu em diversos shows de TV e soube usar a piada a seu favor. Também a candidata à vice-presidência dos Estados Unidos Sarah Palin foi convidada a aparecer no programa humorístico Saturday Night Live. Sarah topou e acabou contracenando com a comediante Tina Fey, que conseguiu personificar uma Sarah mais verdadeira que a candidata original. Nada pior que a censura para a reputação de um candidato democrático.

No Brasil, porém, os políticos e candidatos gozam da imunidade humorística. Podem zombar do eleitor, mas não ser alvo de pilhéria. Deu-se por aqui a separação de duas categorias que sempre viveram em saudável desarmonia: os palhaços e os políticos ou aspirantes à política. Agora quem quer ser palhaço precisa se candidatar a um cargo. Como resultado, palhaço e político atendem pelo mesmo título eleitoral. Ao contrário do bordão de Tiririca, pior que tá, fica!

Era uma vez um país que se levava demasiadamente a sério. A suposta austeridade encobria o pavor que os políticos tinham de passar por ridículos. Temiam ser desmascarados. E assim a história da sátira política daquela nação foi varrida para debaixo do tapete.

Moral da história: na estrita observância da lei, ri quem pode, cala-se quem tem a piada na ponta da língua.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no site da revista Época, antes, portanto, de o Supremo Tribunal Federal permitir que humoristas possam fazer piadas envolvendo candidatos a cargos políticos. Leia também Especial "Eleições 2010".


Luís Antônio Giron
São Paulo, 6/9/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Frankenstein de Mary Shelley de Ruy Castro


Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
03. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
04. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
05. A blague do blog - 11/8/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/9/2010
07h50min
Quer dizer que os palhaços podem se candidatar e os humoristas não podem elaborar sátiras em torno deles? Não entendi nada mesmo! Isso é o que eu chamo de PALHAÇADA EM DOSE TRIPLA!!!
[Leia outros Comentários de TELMA FAZZOLARI]
16/9/2010
09h59min
O artista Tiririca e a campanha-galhofa "Vote em Tiririca: pior do que tá, não fica", expõe a visão e conceito que seu partido, tal como outros, tem dos eleitores. Nós, enquanto "colégio eleitoral", não passamos de um aglomerado ciclópico, infantil, ingênuo, irresponsável, ignorante e tolo. O palhaço-candidato faz graça para o eleitorado palhaço... Uma falta de respeito? Um achincalhe. Palhaços, lutadores de boxe, cantores de cabaret, morubixabas etc., são cidadãos e, como tal, podem representar outros cidadãos. Basta que tenham seriedade, responsabilidade, respeito e comprometimento. O Tiririca é, apenas, o cume do monturo de candidatos "alegóricos", que estão sendo apresentados por quase todos os "partidos". O registro de candidaturas deveria considerar eliminatórias, a insanidade e/ou infantilidade, além do ficha-limpa. Quem imagina o eleitorado como um bando de idiotas, não pode fazer lei, ser deputado.
[Leia outros Comentários de Raul Almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AMOR DE SALVAÇÃO - COLEÇÃO SARAIVA Nº 165
CAMILO CASTELO BRANCO
SARAIVA
(1962)
R$ 7,00



OS DUROS DIAS, NOVELAS
CARLOS COUTINHO
ESCRITOR
(2000)
R$ 18,98



FLUGZEUGE: DIE WICHTIGSTEN FLUGZEUGTYPEN DER WELT
RICCARDO NICCOLI (CAPA DURA)
VERLEGT BEI KAISER
(2003)
R$ 55,28



O HOMEM ETERNO
LOUIS PAUWELS E JACQUES BERGIER
DIFUSÃO
(1971)
R$ 7,90



O CORAÇÃO DA ESFINGE
HOUCK COLLEEN
ARQUEIRO
(2016)
R$ 27,00



BIBIOTECA DAS MOÇAS O CASAMENTO DE ANNA
CONCORDIA MERREL
NACIONAL
(1959)
R$ 5,88



GUERRA DOS HUMILDES
REYNALDO VALINHO ALVAREZ
FTD
(1998)
R$ 7,00



SINOPSES JURÍDICAS VOL. 8 - DOS CRIMES CONTRA A PESSOA
N/D
SARAIVA
R$ 12,00



GEORGE NIKOLAJEVICH
O MESMO DO TITULO
BALCONY PRESS
(2002)
R$ 20,00



O DIREITO DE EMPRESA - À LUZ DO NOVO CÓDIGO CIVIL - AUTOGRAFADO
SÉRGIO CAMPINHO
RENOVAR
(2002)
R$ 18,95





busca | avançada
82020 visitas/dia
2,1 milhões/mês