Digestivo nº 102 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> YouTube, lá vou eu
>>> O bom, o ruim (e o crítico no meio)
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> No III Seminário da Cásper
>>> Não gaste o seu latim
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva (2)
>>> A convergência das mídias
>>> 4 de Setembro #digestivo10anos
>>> É Isto um Homem?, de Primo Levi
>>> Violões do Brasil
Mais Recentes
>>> A Nova Arte de Viver de Norman Vincent Peale pela Cultrix (1981)
>>> Mensagens Para a Vida Diária de Norman Vincent Peale - pela Cultrix
>>> É Fácil Viver Bem de Norman Vincent Peale pela Cultrix
>>> O Poder do Entusiasmo de Norman Vincent Peale pela Cultrix (1977)
>>> O Poder do Pensamento Positivo de Norman Vincent Peale pela Cultrix (1999)
>>> Vicente de Carvalho Nossos Classicos de Fausto Cunha Editor pela Agir (1977)
>>> Pílulas Para Viver Melhor de Fernando Luchese pela L&PM Pocket (2008)
>>> Desembarcando A Hipertensão de Fernando Luchese pela L&PM Pocket (2005)
>>> Desembarcando O Diabetes de Fernando Luchese pela L&PM Pocket (2002)
>>> Confissões & Conversões - 25 Regras para o Tempo de Mudar de Fernando Luchese pela L&PM (2007)
>>> Cervicobraquialgia: Espondilose e Hérnia Cervical. Diagnóstico e Tratamento. de Caio Villela Nunes pela Epuc. (1994)
>>> Te cuida! Guia para uma vida saudável. de Dr. Cláudio Domênico pela Casa da Palavra (2012)
>>> Antiguidades Modernas. Crônicas do cotidiano escolar. de Celso Antunes pela ArtMed (2003)
>>> Direito Civil. Parte Geral. Série Prova e Concursos. de Christianne Garcez pela Campus (2008)
>>> O Novo Mercado de Trabalho. Guia para iniciantes e sobreviventes. de Marco A. Oliveira pela Senac - RJ (2000)
>>> Um Grande Garoto. de Nick Hornby pela Rocco (2000)
>>> Breve Romance de Sonho. de Arthur Scgnitzler pela Globo (2003)
>>> História do Cerco de Lisboa. de José Saramago pela Globo (2003)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo. de Allan Kardec pela BesouroLux (2016)
>>> Morgoths Ring the History of Middle-earth Volume 10 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> Lugares dos Mortos na Cidade dos Vivos de Cláudia Rodrigues pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro (1997)
>>> The War of the Ring the History Ofthe Lord of the Rings Part 3 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Tolkien (2002)
>>> The Treason of Isengard the History of the Lord of the Rings Part 2 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> The Return of the Shadow 6 the History of the Lord of the Rings Part 1 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> A Idéia Republicana no Brasil Através dos Documentos de Reynaldo Carneiro Pessoa (Org.) pela Alfa-Omega (1973)
>>> The Shaping of Middle-earth the History of Middle-earth Volume 4 de J. R. R. Tolkien; Christopher Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> The Lays of Beleriand the History of Middle-earth Volume 3 de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> The Book of Lost Tales II (the History of Middle-earth, Book 2) de J. R. R. Tolkien pela Harper Tolkien (2002)
>>> The Book of Lost Tales (the History of Middle-earth, Book 1) de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (2002)
>>> Tempo de Transcendência – O Ser Humano Como um Projeto Infinito de Leonardo Boff pela Sextante (2000)
>>> Jesus Cristo Libertador de Leonardo Boff pela Vozes (1972)
>>> O Livro de Ouro da Felicidade. Um guia prático aos estágios de meditação. de Sua Santidade, o Dalai Lama. pela Agir (2003)
>>> Viver Sem Tensão de Joseph Murphy pela Record (1959)
>>> Segredos do Iching – Os Mistérios da Sabedoria Oriental de Joseph Murphy pela Record (1970)
>>> A Magia do Poder Extra-Sensorial de Joseph Murphy pela Record (1994)
>>> Direito Constitucional 19ª ed. de Alexandre de Moraes pela Atlas (2006)
>>> A Paz Interior de Joseph Murphy pela Record (1979)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (Coleção O Poder do Subconsciente) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> O Poder Do Subconsciente de Joseph Murphy pela Record (1963)
>>> Mesa & Harmonia de Editores pela Companhia União dos Refinadores (1992)
>>> Festas & Férias de Editores pela Companhia União dos Refinadores (1989)
>>> Gibi Magali N°96 O Sumiço dos panetones de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2014)
>>> Gibi Almanaque da Magali N°22 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2010)
>>> Gibi Magali N°34 A estrela cadente! de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2009)
>>> Gibi Magali. N°55. Lady Magaga. de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2011)
>>> Lições Positivas de Lauro Trevisan pela Da Mente (1993)
>>> Gibi Cebolinha N°30 de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2009)
>>> Gibi Zé Carioca N°2338 de Disney pela Abril (2009)
>>> 7 Passos Para Dar a Volta Por Cima de Lauro Trevisan pela Da Mente (2004)
>>> O Poder Infinito da Sua Mente de Lauro Trevisan pela Da Mente (1980)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 9/10/2002
Digestivo nº 102
Julio Daio Borges

+ de 4800 Acessos




Imprensa >>> Líder de audiência
Franklin Martins, o comentarista político da Rede Globo, foi entrevistado nas "páginas negras" da revista Trip. É o tipo de figura que, com a possível eleição de Lula, ganha uma dimensão insuspeitada. Como José Dirceu, combateu o militarismo nos anos 60 e 70, embrenhando-se na luta armada e recebendo treinamento de guerrilha em Cuba. Agora destila opiniões para milhões de telespectadores, ao lado de Ana Paula Padrão, deita a cabeça no travesseiro e dorme tranqüilo. Zuenir Ventura não previu, mas 1968 está voltando (de novo). Resta saber se como farsa ou como tragédia. Um raciocínio rápido para entender como a geração 1964, anos rebeldes, maio de 1968, vai assumir o poder mesmo (não tem jeito): os regimes de exceção, de Castello Branco a Figueiredo, arrasaram as organizações partidárias até então - inviabilizando, ato contínuo, a criação de novos quadros políticos. A não ser "aqueles". Por "aqueles", entenda-se o fisiologismo de Arena e MDB. Como na esfera da legalidade, a esterilidade foi implantada em caráter oficial, ascenderam nomes como Paulo Maluf e Orestes Quércia - e até mesmo Mário Covas, Tancredo Neves, Ulisses Guimarães e Fernando Henrique Cardoso. Acontece que essa geração teve sua chance, consolidou a democracia (dizem) e agora se vê obrigada a sair de cena (foi amplamente rejeitada no último pleito). Quem assume então? ("Quem sobra?" - seria mais correto perguntar.) Ora, tirando quem cresceu à sombra dos militares, resta a oposição franca ou incipiente (à época); ou seja: respectivamente, os "subversivos", de 30, 40 anos atrás (Dirceu e Martins, por exemplo), e os heróis do sindicalismo esclarecido (Lula, PT, CUT e todo o seu "entourage"). Portanto, quer se queria quer não, trata-se da marcha da História. Continua assustador, no entanto. Não apenas por uma questão de preferência pessoal ou de ideologia política, mas porque no rastro dessa geração que se confirmou na "legalidade" e agora no "mainstream", não há outra. As viúvas de 64 e 68 tendem a se revezar no poder, por muito tempo, pois quaisquer outras opções, a médio prazo, inexistem. [Comente esta Nota]
>>> Franklin Martins - Revista Trip
 



Música >>> Jah'd never let us down
Antes tarde do que nunca. Alguns discos se perdem no turbilhão de lançamentos e não são devidamente apreciados pois a fila de novidades vem espichando logo atrás. E o tempo urge. Aconteceu assim com "Kaya N'gan Daya" (2002), uma homenagem de Gilberto Gil a uma de suas admirações maiores: Robert Nesta Marley. É quase ancestral a devoção de Gil à figura máxima do reggae. Se, além de livros, devem existir álbuns de cabeceira, os do compositor baiano se restringem aos assinados por Bob Marley e João Gilberto. A crítica não deu atenção ao aspecto estritamente pessoal do projeto: ao mesmo tempo, uma deferência e um acerto de contas, de um grande artista pop para outro. Sobressaiu o aspecto lúdico da mistura de ritmos (brasileiros com jamaicanos) e o caráter duvidoso de algumas versões (como a própria "Kaya", que sacrificou a poética em nome de uma certa literalidade). O que há de notável, no entanto, não são as misturas esdrúxulas de gêneros, nem mesmo o letrista às voltas com a falta de inspiração. Talvez, no fundo, falte ao público brasileiro uma familiaridade mínima com o universo de Marley; na hora de estabelecer comparações (para melhor ou para pior), simplesmente não tem parâmetros. Afinal, os grandes momentos de "Kaya N'gan Daya" - e há muitos - são aqueles em que o Gilberto Gil Criador interfere menos, dando justamente espaço para o Gilberto Gil Intérprete. Nessa linha se encaixam: "Buffalo Soldier", "One Drop", "Waiting in Vain", "Positive Vibration", "Could You Be Loved", "Easy Shankin'" e "Turn Your Lights Down Low". Adoração e devoção extremadas sugerem quase uma missa pagã, ainda que permeada pelo sincretismo religioso (sanfona e percussão devidamente incluídas). Gilberto Gil Criador, irrefreável, até acerta o alvo com "Table Tennis Table" (uma diluição alegrinha à la Ziggy Marley), mantém o tom solene em "Não Chore Mais", derrapa na pista com o refrão abrasileirado de "Kaya N'gan Daya", supera-se forrozeiro em "Tempo Só" ("Time Will Tell") e quase põe tudo a perder com "Eleve-se Alto ao Céu" ("Lively Up Yourself"), encerrando neutro com "Lick Samba". Os convidados, célebres, não importam tanto. O tributo está pago. O julgamento fica por conta do tempo (rei). [Comente esta Nota]
>>> Kaya N'gan Daya - Gilberto Gil - Warner
 



Literatura >>> Hibakusha
Sem exagero: vale por uns dez cursos de jornalismo universitário. Somados e multiplicados. Estamos falando da coleção "Jornalismo Literário", idealizada pela Companhia das Letras, que a julgar pelo primeiro volume (recém-lançado), indicação de Matinas Suzuki Jr., vai tirar o Brasil de um atraso editorial de meio século. "Hiroshima" de John Hersey foi reportagem de capa e edição especial da lendária revista "The New Yorker", a 31 de agosto de 1946 (um ano e alguns dias depois da explosão da bomba A). Foi também aposta de Harold Ross e William Shawn, editores da era de ouro da publicação e, conseqüentemente, do jornalismo norte-americano. A edição se esgotou ainda nas bancas e o texto de Hersey se converteu na melhor matéria jamais escrita. A opção por uma narrativa factual, sem espaço para considerações morais ou para expressão de sentimentos do autor, conferiu perenidade às pouco mais de 150 páginas de "Hiroshima". Hersey preferiu se ater exclusivamente aos depoimentos dos sobreviventes e das vitimas, compondo um painel a partir de seis personagens principais. A frieza e a aridez do texto são, portanto, contrabalançadas pelo drama de cada protagonista em seu empenho particular de reconstruir a vida a partir das cinzas. Os horrores da explosão que matou mais de 100 mil pessoas, feriu outras 100 mil e inscreveu sua marca na História são descritos em detalhes. O único paralelo possível ao leitor de hoje são os atentados do 11 de setembro - com a diferença que Hiroshima foi atingida como um todo, por uma arma até então desconhecida (cujos efeitos eram imprevisíveis), tendo assistido à agonia de milhares que permaneceram dias ao léu, sem socorro. Além de ter se convertido numa das maiores bandeiras na luta pela paz, a reportagem de Hersey poderia ainda ser útil a um mundo que se lança numa conflagração sem precedentes, oriente-ocidente. Para o leitor individual, "Hiroshima" guarda, além do exemplo de estilo, as lições de seres humanos que venceram, quase sempre sozinhos, um dos maiores desastres que a humanidade já viu. [Comente esta Nota]
>>> Hiroshima - John Hersey - 176 págs. - Cia. das Letras
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
As feiras em São Paulo têm tido sua eficácia cada vez mais questionada. Se no começo esse tipo de evento juntava aficionados e profissionais do ramo, hoje a corrida pela audiência e a necessidade de produzir cifras crescentes descaracterizaram a iniciativa completamente. Os espaços são cada vez maiores (fala-se em dezenas de milhares de metros quadrados); a decoração, apenas funcional e impessoal; o visitante, por compor uma massa astronômica, sente-se, a cada ano, mais abandonado e mais impotente. E isso não é só privilégio da Boa Mesa 2002, feira gastronômica paulista ocorrida na última semana de setembro. Acontece que nesse evento algumas dessas falhas estiveram igualmente presentes. Por exemplo: o público, item fundamental, deixou há muito de ser desejado por fornecedores e fabricantes (mais preocupados com contratos no atacado do que com qualquer contato no varejo). Na Boa Mesa 2002, o consumidor final também não foi objeto da atenção de algumas marcas e lojas, que, em lugar de trazer novidades em acessórios e utilidades domésticas, apenas reproduziram uma "versão móvel" de suas filiais e matrizes nos shoppings. Nem mesmo no terreno da degustação (atividade em que o visitante aposta o preço do ingresso) a feira cumpriu o que prometeu: os comes & bebes acabaram restringidos a alguns poucos expositores generosos ou então às aulas pagas e às demonstrações dos chefs. Se no quesito "obtenção de bens e serviços", a Boa Mesa 2002 frustrou um pouco, conseguiu compensar na dita "transmissão do conhecimento". Os workshops estiveram abarrotados e os espectadores se acotovelavam do lado de fora para não perder um detalhe sequer; um gigante dos eletrodomésticos disponibilizava sua linha de utensílios para quem quisesse testar seus dotes à mesa; os superstars da gastronomia paulistana circulavam displicentemente entre a multidão. Enfim, vão dizer que foi um sucesso. E talvez até foi - mas é sempre tempo de questionar esse modelo de grandes feiras, imensos centros de convenção e megaeventos. [Comente esta Nota]
>>> Boa Mesa 2002
 



Cinema >>> Esperando Godot
Precisamos apenas de alguns minutos para perceber que estávamos saudosos do minimalismo de Gus Van Sant ("Encontrando Forrester" [2000], "Gênio Indomável" [1997], "Garotos de Programa" [1991], "Drugstore Cowboy" [1989]). Claro que depois de meia hora a simplificação ostensiva do diretor cansa, mas aí já fomos fisgados. "Gerry" (2002), em cartaz na 26ª Mostra BR de Cinema, apesar do enredo excepcional, é basicamente uma experiência estética. Muita gente vai reclamar, pois é comum sentir-se vítima de avassaladores blockbusters ou refém de grandes cineastas e seus experimentos. A segunda categoria nos remete imediatamente a David Lynch e seu "Mulholland Drive" (2001), e as lembranças não são exatamente as melhores. Desta vez, as cobaias (além da platéia) são Matt Damon e Casey (irmão de Ben) Affleck. Os dois atores são co-autores do roteiro e sua performance sinceramente nos convence de prováveis interferências. São dois amigos vagando pelos desertos de Nevada e da Califórnia, atrás de alguma coisa ("the spot"), e que depois de muitas andanças acabam fatalmente se perdendo. É aí que o longa começa de fato: quando a dupla segue em ondas de desespero crescente e a capacidade do realizador de contar histórias efetivamente se projeta. Afinal, há uma porção de aventuras (e desventuras) semelhantes; e não só no areal, mas também na neve, em terrenos pedregosos e principalmente como conseqüência de acidentes. Nem precisa dizer que Gerry e seu homônimo vão ficando sem comida e sem água, congelando no frio e ardendo no calor. Existe também um princípio de sadismo em Gus Van Sant que, enquanto registra as agruras das personagens em condições sub-humanas, fotografa como possivelmente ninguém antes as paisagens em suas variantes de cor e luminosidade. Num exercício à la Monet, troca as flores pela decomposição de restos humanos. A luta em "Gerry" é, portanto, entre a beleza e a desesperança. [Comente esta Nota]
>>> Gerry | Jornal da Mostra
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PIMBINHA - COL. GIRASSOL
PEDRO BLOCH
MODERNA
(1996)
R$ 7,00



PALHAÇOS SAGRADOS
TONY HILLERMAN
ROCCO
(1999)
R$ 12,00



POR QUE NÃO CRESCEMOS COMO OUTROS PAÍSES ? CUSTO BRASIL
JÕAO LUIZ ROTH
SARARIVA
(2006)
R$ 19,90



MATURIDADE E ESTAGNAÇÃO NO CAPITALISMO AMERICANO
JOSEF STEINDL
ABRIL CULTURAL
(1983)
R$ 49,00



O TERCEIRO MUNDO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL
ANTONIO CARLOS
ATICA
(1989)
R$ 6,90



OS SONHOS
FRANCISCO DE QUEVEDO
ESCALA
R$ 31,50



GANDHI: MENSAGEM PARA HOJE
TOMÁS TOSCHI
MUNDO 3
R$ 11,96



ELITE ONTEM, HOJE E SEMPRE
MARIA DILECTA GRIEG
OLHO DÁGUA
(2006)
R$ 8,90



LIMA BARRETO VERSUS COELHO NETO
JOSE MAURO ROSSO FIRMO
DIFEL
(2010)
R$ 32,00



PROFILAXÍA ANTI-DIFTÉRICA
CARLOS PRADO
DEPARTAMENTO ESTADUAL DE IN
(1947)
R$ 23,34





busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês