Digestivo nº 146 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A melhor companhia para o Natal
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Mashup Camp Day One
>>> Estranha coincidência
>>> Aula com Suassuna
>>> O pingente que deu certo
>>> Fidelio, primeira parte
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (III)
>>> Os gatos, as bibliotecas e a literatura
Mais Recentes
>>> Usina de José Lins do Rego pela Nova Fronteira (1985)
>>> O Moleque Ricardo de José Lins do Rego pela Nova Fronteira (1984)
>>> As Ilhas da Corrente de Ernest Hemingway pela Nova Fronteira (1970)
>>> Aprender e Praticar Gramática – Edição Renovada de Mauro Ferreira pela Ftd (2007)
>>> Poesia Sobre Poesia - Com Dedicatória de Affonso Romano de Santanna pela Imago (1975)
>>> A Agonia do Grande Planeta Terra de Hal Lindsey e C. C. Carlson pela Mundo Cristão (1973)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Record (1980)
>>> The Golden Tarot de Liz Dean pela Cico Books (2008)
>>> O Universo Numa Casca De Noz de Stephen Hawking pela Mandarim (2002)
>>> Novíssima Gramática Ilustrada Sacconi de Luiz Antonio Sacconi pela Nova Geração (2008)
>>> O Que Fiz para Merecer Isto? a Incompreensível Justiça de Deus de Anselm Grün pela Vozes (2007)
>>> Gramática - Português Fundamental de Douglas Tufano pela Moderna (2001)
>>> Antonio Lizárraga - Quadrados em Quadrados de Maria José Spiteri pela Edusp (2004)
>>> E se? de Randall Munroe pela Companhia das letras (2014)
>>> A outra vida de Susanne Winnacker pela Novo Conceito (2013)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> A garota que você deixou para trás de Jojo Moyes pela Intrínseca (2014)
>>> Uma longa jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> Hellsing - Volume - 1 EAN: 9788545700319 de Kohta Hirano pela Jbc (2015)
>>> Tentação sem limites de Babi Glines pela Arqueiro (2014)
>>> Diálogos III a República - Coleção Universidade de Platão pela Ediouro
>>> Uq Holder! - Vol. 1 EAN: 9788545701644 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mindful eating: Comer com atenção plena de Cynthia Antonaccio e Manoela Figueiredo pela Saúde (2018)
>>> Mitologias de Roland Barthes pela Bertrand Brasil (1989)
>>> Os Planelúpedes de Garcia de Paiva pela Brasília (1975)
>>> Uq Holder! - Vol. 3 EAN: 9788545702030 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Criando prosperidade de Deepak Chopra pela Alaúde (2009)
>>> O Cravo de Mozart é Eterno de José Lins do Rego pela José Olympio (2004)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 3 EAN: 9788545702801 de Yu Kuraishi pela Jbc (2017)
>>> O menino do pijama listrado de John Boyne pela Cai. Das letras (2013)
>>> Relato de um Náufrago de Gabriel García Márquez pela Record (1997)
>>> Educação e Mudança de Paulo Freire pela Paz e Terra (1999)
>>> Como fazer o amor dar certo de Steven Carter pela Sextante (2011)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 7 EAN: 9788545700005 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Dias e Noites de Amor e de Guerra de Eduardo Galeano pela L&pm (2014)
>>> Chobits Especial - Vol. 8 EAN: 9788545701118 de Clamp pela Jbc (2015)
>>> Bhagavad Gita de Krishna-huberto Rohden pela Martin Claret (2012)
>>> La Cabane Magique 33 - Le Secret de Léonard de Vinci de Mary Pope Osborne-philippe Masson pela Bayard Jeunesse (2007)
>>> Conversas Sobre o Invisível de Jean-claude Carrière-jean Audouze-michel Cassé pela Brasiliense (1991)
>>> Fairy Tail Gaiden - Vol. 2 EAN: 9788545703785 de Hiro Mashima pela Jbc (2018)
>>> Para Onde Vai a Educação? de Jean Piaget pela José Olympio (2011)
>>> Mansao dos lilases de Léon Tolstoi pela O Clarim (2000)
>>> Fluminense: a Breve e Curiosa História de uma Máquina de Jogar Bola de Nelson Motta pela Ediouro (2004)
>>> Uq Holder! - Vol. 8 EAN: 9788545703013 de Ken Akamatsu pela Jbc (2017)
>>> O Punho de Deus de Frederick Forsyth pela Record (1994)
>>> Dicionário de Termos Literários de Massaud Moisés pela Cultrix (1974)
>>> Btooom! - Vol. 17 EAN: 9788545700463 de Junya Inoue pela Jbc (2014)
DIGESTIVOS

Terça-feira, 28/10/2003
Digestivo nº 146
Julio Daio Borges

+ de 4900 Acessos
+ 5 Comentário(s)




Literatura >>> Desconstrução
Chico Buarque. O peso de um nome. O que se pode esperar de um livro escrito por Chico Buarque de Hollanda? Até que ponto é possível desvincular a imagem do compositor de MPB de sua literatura? Se Chico Buarque quisesse ser julgado imparcialmente pelos romances que agora comete, deveria, primeiro, ter prescindido de sua assinatura. Bem que ele tenta neste “Budapeste”. Mas não adianta inventar a história de um ghost-writer que responde por dois nomes (José Costa, no Rio, e Zsoze Kósta, na Hungria), se o cancioneiro do Julinho da Adelaide (pseudônimo do autor de “A banda”) ainda ofusca. Como seu personagem, Chico Buarque vive uma crise de identidade: não quer ser mais uma eminência parda no cenário da música brasileira; não quer ser mais o marido da Marieta Severo – quer se reinventar. Andou declarando que “música popular” é coisa para jovem e que reservou sua maturidade para a literatura. O amigo Eric Nepomuceno conta que ele se tranca num apartamento durante horas, e aparece depois barbado e encafifado com um termo. Correm lendas de que passou não sei quantos anos escrevendo esse terceiro “rebento” (contando apenas a fase que teve início com “Estorvo” [1991]; “Benjamim” [1995] depois). Mas vamos ao livro. “Budapeste”, dizem, é o mais bem realizado dos três. E, de fato, não é ilegível; chega a ser divertido e extremamente bem acabado, a partir do capítulo em que Vanda (a mulher do protagonista) se deixa seduzir por um alemão oportunista. Já a procura de José Costa por seu “duplo” é cansativa e confusa. Sua queda pelo húngaro (idioma de Kriska, sua amante) é injustificada e soa artificial, já que o seu artífice (Chico Buarque) nunca esteve por aquelas bandas... Há um ranço de Rubem Fonseca (inevitável), e chegamos a pensar que “Budapeste” foi escrito a quatro mãos. Mas será que o parceiro de Tom Jobim suportaria tal intervenção? Por causa de uma suposta “glória” literária? Parece pouco provável. Enfim, o livro é bom. Já o resultado, dúbio: Chico Buarque não tem mais tempo hábil para se tornar um “grande escritor”; em paralelo, não se livra da carga do letrista de “Bye bye, Brasil” (1980). Qual a solução para o enigma? A seguir cenas do próximo livro; ou disco... [Comente esta Nota]
>>> Budapeste - Chico Buarque - 176 págs. - Companhia das Letras
 



Música >>> Ainda somos os mesmos?
Maria Rita tem tripla filiação. É filha de Elis Regina e Cesar Camargo Mariano, e é filha de uma época em que, para aparecer, tem de ver seu nome incessantemente bombardeado pela mídia. Deve ser cansativo para quem tem mais que um sobrenome (para ostentar), e mais que uma “personalidade feminina” (para exibir: posando na “Playboy”, namorando “Big Brothers”, infestando a seção “Gente” das revistas). Felizmente, para uma audiência já enfadada depois de tantos embustes, Maria Rita sabe cantar; e legou, ao menos, um álbum digno de nota, nestes tempos de cantoras abundantes e inexpressivas. É lógico que ela não canta “igual à mãe”. (Na idade dela, nem a própria mãe cantava.) Tirando a assombrosa semelhança de timbres de voz (para quem duvidava da tal “herança genética”), as comparações são, em geral, muito perigosas. Arriscando algumas (nem todas novas): Maria Rita canta “para fora” e encerra, finalmente, o primado da “rainha dos sussurros”, Marisa Monte; Maria Rita tem suingue e, além de acertar as “entradas” (coisa que quase ninguém acerta), conduz o “instrumental” sem se deixar conduzir por ele; e Maria Rita é tão segura de sua interpretação que apresenta novos compositores (faz parte do talento reconhecer o talento alheio). Ou seja: ela tem os principais atributos para construir uma carreira consistente, saindo vitoriosa da sombra de Elis Regina. Acontece que, nesse ínterim, pode ser devorada pelo “mass media” (como hoje ocorre com 99,99% dos que atingem o “mainstream”). Para a sua sorte, porém, desde o retumbante lançamento, Maria Rita não se revelou tão popular assim (vale dizer que, em mais de 30 anos, o conceito de “popular” mudou muito; MPB é hoje coisa para “as elites”...). Enfim, num inferno cheio de boas intenções, há gente querendo reconhecê-la como uma espécie de “redentora”. Não é. Infelizmente, ninguém mais vai separar, para nós, o joio do trigo. Só nós mesmos. [Comente esta Nota]
>>> Maria Rita - Warner Music
 



Cinema >>> Minto, logo existo
Fellini é mesmo um grande mentiroso, conforme o documentário em cartaz por estas plagas. Aliás, um dos melhores momentos é quando Donald Sutherland (para os mais jovens, o pai de Kiefer Sutherland), aparece para desmascará-lo, dizendo que destratava os atores, pondo-se histérico no set de filmagem, passando por cima do roteiro e tirando cenas literalmente da cartola. É sabido que os gênios não são as pessoas mais afáveis e democráticas do mundo (se o fossem, não imporiam sua vontade – seguiriam a maioria e sucumbiriam, como quase todo mundo, à mediocridade). O diretor do documentário, Damian Pettigrew, inclusive, percebeu os estratagemas de Fellini para mentir e mentir, ao longo de décadas, e enfiando-lhe a câmera na cara, nos seus últimos anos, tentou pegá-lo “no contrapé”. Conseguiu? O resultado é discutível. Existem sobre Fellini documentários melhores. Como “Entrevista com Fellini” (2000), que esteve por aqui durante a 24ª Mostra (na Sala UOL), e que até Ignácio de Loyola Brandão prestigiou. Afinal, qual o segredo de um bom documentário? Não ser totalmente veraz... e mentir um pouco. A injunção jornalística de Damian Pettigrew torna “Fellini – sono un gran bugiardo” (2002) excessivamente investigativo, o que não combina com seu protagonista e até cansa um pouco. São obviamente destaques os trechos do mestre italiano dirigindo, com seu inglês limitadíssimo, comandando como num balé os movimentos da câmera. Nega veementemente o “improviso”, embora não faltem testemunhos sobre o seu estilo um pouco caótico de conduzir as coisas. O produtor conta que, para trabalhar com ele, era necessário estar preparado, porque Fellini exigia somas vultuosas e mudava constantemente de idéia (desperdiçando montanhas de dinheiro) sem pestanejar. Algo que é confirmado por Roberto Benigni, que reforça: diante de “il maestro” ninguém questionava nada, pois ele tinha o direito de ser quem era, e ponto. O comportamento absolutista de Fellini é, desta vez, o grande destaque – e não, surpreendentemente, o próprio. [Comente esta Nota]
>>> As mentiras verdadeiras de Federico Fellini
 



Além do Mais >>> Isn’t it a bliss, don’t you approve
Esta é para quem ainda acha que São Paulo não tem uma das melhores temporadas de concertos do mundo. No início de outubro, via Mozarteum Brasileiro, estiveram nesta capital o regente Eiji Oue e o clarinetista Paul Meyer. Quem são esses dois? Eiji Oue foi nada mais nada menos que “protégé” de Leonard Bernstein, um dos maiores maestros do século XX, e Paul Meyer, amigo de um certo Benny Goodman, mestre do clarinete que levou o jazz, em 1938, para as salas de concerto (começou pelo Carnegie Hall). E para quem considera os preços da Sala São Paulo proibitivos, vale lembrar que eles, mais a Orquestra Filarmônica da Rádio de Hannover (NDR), apresentaram-se ainda – gratuitamente – no Parque do Ibirapuera. Foi um show. São Paulo poucas vezes se divertiu tanto com a condução espirituosa de Eiji Oue, que rebolava escandalosamente durante o bis, ao comandar a execução de “Rondò Alla Turca”, de Mozart; e que, cansado de tantas idas e vindas (foram três as “canjas”), apontou para o relógio, juntou as duas mãos e pôs a cabeça de lado – indicando, delicadamente, que já era tarde e que sentia sono. Foi incansável, não apenas ao atender aos aplausos do público, mas ao executar a monumental “Sinfonia fantástica” (op.14), de Berlioz, em cinco movimentos. Isso depois de quase flutuar, ao lado de Paul Meyer, durante o “adagio” do “Concerto para clarinete em lá maior” (K. 622), também de Mozart. Encerrado esse número, os dois não puderam acreditar: foram ovacionados como “rock stars” – e não por qualquer platéia, mas pelos assinantes do Mozarteum Brasileiro. Antes do intervalo, Meyer não se furtou a conceder um “choro”, e chacoalhou mais uma vez suas melenas ao abordar “Send In the Clowns”, de Stephen Sondheum. Como diziam os Andrades no começo do século (acerca do Brasil), os paulistanos, além de acreditar que a temporada de música clássica “existe”, precisam também “vivenciá-la”. Então ela florescerá; ainda mais. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 
>>> MAU HUMOR

“A juventude é uma conquista da maturidade.” (Jean Cocteau)

* do livro Mau humor: uma antologia definitiva de frases venenosas, com tradução e organização de Ruy Castro (autorizado)
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/10/2003
09h06min
Julio, creio que, aos poucos, estamos saboreando os biscoitos finos. Não os de Oswald de Andrade, mas os da boa música clássica que chega a São Paulo. Abraços, Fabio
[Leia outros Comentários de Fabio Cardoso]
23/10/2003
08h29min
Quando Maria Rita era "pule de dez" apenas entre o rebanho-que-saca, fui vê-la num show do Chico Pinheiro (Supremo, boteco aqui de Sampa). O Chico, para quem não conhece, é um compositor e músico de qualidade superior. Maria Rita e uma outra cantora ajudavam o Chico a mostrar suas composições. O interessante é que, após cada música cantada pela Maria, a platéia rugia ensandecida, como se estivesse ouvindo a mãe, ou mais - a voz de deus, talvez. Problema da platéia, que é bicho narcisista e, no mais das vezes, aplaude mais a si própria do que ao artista. Noves fora, o seguinte: nesses dois últimos anos, não percebi a MR se deixar encantar pela patuléia que insiste em querer ouvir uma nova (velha) Elis Regina. Nem mesmo a histeria da imprensa-baba-ovo conseguiu abalar os propósitos da menina, pelo que pude perceber. Maria Rita definitivamente entrou para o reduzidíssimo panteão das mulheres que nos fazem transcender apenas com o som de suas vozes.
[Leia outros Comentários de Sérgio de Oliveira]
27/10/2003
10h52min
Maria Rita chega caminhando descalça pelos palcos da vida. Absoluta na vontade de ser própria, acendeu a luz. A energia estava lá, sempre esteve. Independente da cobrança que a compara, decerto até cantando 'atirei um pau no gato', fez Dª Chica-ca e mais toda a crítica admirarem-se. Sem abdicar mais de ser filha da mãe. E do pai. Tripulante do mesmo barco que seus guerreiros irmãos, aprendeu desse mar genético que Deus lhes deu. Sabe a que família pertence e tem uma relação em paz, com todos. Absolveu-se dos medos e enredos quando reciclou-os. Navega no dom, dando braçadas grandes também, abrindo alas a sua passagem como quem argumenta com os céus... encantadoramente. Por mais que digam de si e escrevam, escrevam e escrevam, a nota maior sai de sua santa garganta que a transforma, porque foi lagarta e estima-se borboleta. E voa. Ainda que o outono da saudade lhe aumente o público, recebe aplausos e estímulos por merecê-los. 'Desfruto o teu fruto' é a carícia e homenagem que nos convalescem por dentro e tatuam liberdade ao caminho desta herdeira de luar reflexo. Natural e necessária, Maria Rita caminha descalça para independer das pegadas de Elis. E começa bem. Acho que a mestra, aonde quer que esteja, maestra esse show. E sorri. Dá, porque empresta prá sempre.
[Leia outros Comentários de Leila Eme]
27/10/2003
16h43min
Li no caderno Folhateen o jornalista explicando à garotada o fenomeno Maria Rita: voz de Elis em repertório de Adriana Calcanhoto. Concordo com o jornalista, o repertório do disco não é tão bom, tenta acertar em vários alvos, até neste quesito MR é meio parecida com a mãe que fazia discos com músicas que se converteram em clássicas do repertório brasileiro e outras nem tanto.
[Leia outros Comentários de VValdemar Pavan]
30/10/2003
02h16min
Chico Buarque, até jogando futebol, carrega o peso de grande compositor da MPB. Mas cobrar-lhe perícia com a redonda com base em seus antecedentes musicais é injusto na mesma proporção que apostar na incapacidade política de Schwarzenegger com base em sua peformance como ator. Exageros a parte, concordo com Julio quanto à morosidade nauseante de alguns momentos da narrativa de Budapeste. Me encanta, por outro lado, o encadeamento acurado e a amarração, ao mesmo tempo precisa e delicada, dos fatos e das personagens. Concordei com Julio anteriormente, o que me permite agora uma discordância: acredito sim que Chico ainda possa se tornar um escritor da equipe principal, falta treino. PS.: quanto a Schwarzenegger acho mesmo que será um péssimo político (digo isso não com base em uma análise política, mas movido pela onda de anti-americanismo contra um não-americano, que, por excesso de massa e pela falta dela, tornou-se um americano.)
[Leia outros Comentários de André Ramos]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Peregrinação pela Província de S. Paulo
A. Emilio Zaluar
Edições Cultura
(1943)
R$ 60,00



Geografia Espaço e Vivência 8º Ano
Levon Boligian / Andressa Alves e Outros
Atual
(2016)
R$ 9,90



Reminiscências da Campanha do Paraguai
Dionísio Cerqueira
Biblioteca do Exercito
(1980)
R$ 24,64



Lago de Fogo Volume 88 da Coleção Caminho Policial
Jonathan Valin
Editorial Caminho
(1989)
R$ 28,87



Tutela Antecipada, Tutela Especifica e Tutela Cautelar
Reis Friede, Débora Maliki e Marcelo Menaged
Gz
(2012)
R$ 17,28



Curso de Sociologia & Política
Benjamim Marcos Lago
Vozes
(1996)
R$ 12,00



A Guide Great Orchestral Music
Sigmund Spaeth
Modern Library
R$ 23,00



Juntas brilhamos mais
Sueli Batista, Mariza Bazo
Literare Books International
(2019)
R$ 58,90



Revista Paulista de Medicina Vol. 46 Nª 3
Associação Paulista de Medicina
Associação Paulista de Medi
(1955)
R$ 16,00



Rare and Uncomon Books on a Variety of Subjects Catalogue 701
Argosy Book Store
Argosy Book Store
R$ 70,03





busca | avançada
84229 visitas/dia
2,4 milhões/mês