Digestivo nº 173 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Nariz Detetive de Stella Carr/ Ilustrações: Avelino Guedes pela Scipione (2019)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 5/5/2004
Digestivo nº 173
Julio Daio Borges

+ de 2900 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Além do Mais >>> Detached
Caetano Veloso é uma figura cada vez mais desacreditada no cenário nacional. Uma sina triste para uma personalidade que foi uma das mais brilhantes de sua geração. Desde “Noites do Norte” (2001), em forma de protesto contra a má divulgação que tem de seus produtos musicais, inaugurou o “happening” metralhadora-giratória. Convoca a imprensa (de que tanto tem ódio) e dispara farpas verbais destiladas durante anos. De Diogo Mainardi, por exemplo, disse que era um “abacaxi com caroço” (a que Diogo respondeu, em “Veja”, de forma muito mais elaborada sem qualquer dificuldade). Outro dia, porém, Lya Luft, a presente autora de “best-sellers”, foi obrigada a desdizer Caetano Veloso, sem a menor cerimônia, no programa de Marília Gabriela, no GNT. O assunto era carnaval. O que se disse e o que se deixou de dizer, no fundo, não importa muito. Independentemente de atos ou palavras, todo um movimento (inconsciente?) corrobora para tirar do compositor de “Alegria, Alegria” a aura de gênio intocável. Caetano, ainda assim, continua proferindo seus disparates – sem o mesmo charme do “tímido espalhafatoso” de antes. Apenas como uma prima-dona velha que começa a perder a voz (como se disse, uma vez, acerca do autor da fórmula “E=mc²”). Antes, ao menos, quando não falava, Caetano cantava. Agora, parece se arrastar nas duas esferas (a musical e a pública). Seu novo disco, que é uma incursão completa no idioma de Cole Porter, peca pela extensão, peca pela falta de gosto e peca pela quase ausência de criatividade. O que pode haver de mais original no CD, para que se tenha uma idéia, é o fato dele haver gravado “Feelings” e Nirvana. O resto são lugares-comuns que vão desde as cordas até o saxofone; desde a escolha do repertório (“standards” deveriam ser proibidos pelo Ministério da Saúde) até a (re)interpretação (caricata ou monocórdia, conforme a escolha). Está bem, ele resgatou Stevie Wonder; e, está bem, ele transformou “Blue Skies” em música eletrônica. Mas será que isso basta para o autor de “Transa” (1972); e para os ouvintes que esperavam dele uma última centelha ou um último espasmo? Tudo bem que Caetano Veloso e Paula Lavigne querem conquistar o mundo, e tudo bem que Pedro Almodóvar sucumbiu aos seus encantos, mas o Brasil não parece mais disposto a se hipnotizar pelo canto da sereia de Santo Amaro da Purificação. [Comente esta Nota]
>>> A Foreign Sound - Caetano Veloso - Universal
 



Literatura >>> Experiência privada e explicação pública
A primeira associação que se faz à Alemanha do começo do século XX é com Hitler, o Nazismo e o Holocausto. É inevitável. Fritz Stern, porém, enxerga nesse período algo além do país entre guerras — ele vê, nesta mesma Alemanha, uma "Geniezeit", ou uma era do gênio. A mesma (guardadas as devidas proporções) que acometeu a terra de Goethe durante o Romantismo alemão. Só que com realizações no reino das ciências em geral, e não apenas no mundo das artes. Dele, a Companhia das Letras traduziu há pouco tempo "O Mundo Alemão de Einstein" (1999), com cinco ensaios biográficos mais alguns textos esparsos. Lá obviamente está o Pai da Relatividade, sempre uma fonte inesgotável de "insights" sobre o período, num encontro com Fritz Haber, pai da síntese do amoníaco e um dos maiores químicos do último século. Ao contrário de Einstein, que foi terrivelmente lúcido em meio ao delírio belicoso germânico, Haber, que sempre acreditou cegamente na autoridade do Estado, concentrou todas as suas energias no esforço de guerra e, naturalmente, pagou o preço depois. O que Stern mostra, na verdade, em seu livro, é que, na Alemanha guilhermina do kaiser, a linha entre o "bem" e o "mal" se mostrou bastante tênue — e muitas outras mentes brilhantes erraram de lado entre 1914 e 1945. Walther Rathenau, por exemplo: o homem que foi negociar com os Aliados depois da derrota na Primeira Guerra seria, na seqüência, assassinado — graças a uma capacidade eloqüente de mudar de posição para perseguir objetivos, às vezes, fatais. Além de Paul Ehrlich (o sujeito por trás da quimioterapia), Stern se debruça ainda sobre Chaim Weizmann, virtualmente o criador do Estado de Israel em 1948. Weizmann, inconformado em ser cidadão de "segunda classe" na Alemanha anti-semita, levou a causa sionista até os Estados Unidos e à Inglaterra, que, com a benevolência dos vencedores, "indenizaram" as vítimas do Holocausto. O século XX, que foi o século dos EUA (ninguém tem dúvida), poderia ter sido o século da Alemanha — diz Raymond Aron na introdução. E se a interação entre ciência e arte continua muito em moda nos tempos atuais, nada como estudar a vida de grandes cientistas talhados no mais puro humanismo — o humanismo germânico. [Comente esta Nota]
>>> O Mundo Alemão de Einstein - Fritz Stern - 410 págs. - Companhia das Letras
 



Música >>> Fábrica
Renato Russo tinha dias em que estava atacado e tinha dias em que estava mais atacado. É o que atesta o novo “As Quatro Estações Ao Vivo”, do Legião Urbana. Os donos do espólio já haviam lançado “Como é que se diz eu te amo” (2001), da turnê subseqüente (do álbum “V”), e quem conhecia um não deve esperar muitas novidades do outro. A justificativa fica por conta de uma ou outra versão “ao vivo”, como a de “Angra dos Reis” (antes inédita), por exemplo. Mas é pouco para quem assistiu aos porcos chafurdarem na lama de “discos-solo”, póstumos, permeados de entrevistas, e de “homenagens” tortas, como a prestada por Jerry Adriani e por um certo grupo (de cujo nome nem se tomou conhecimento) que mais soa como um “genérico” do Legião Urbana. Renato Russo foi um ídolo juvenil, com seus defeitos e qualidades, atualmente sob o jugo de grandes gravadoras que não se fartam de raspar o fundo de seu baú. Mas Renato Russo, de novo, ficou sem lugar. Quem o ouvia, nos anos 80 e 90, cresceu – e hoje compra seus discos mais por condescendência do que por qualquer outra coisa. E quem não o ouvia, naqueles anos, não vai fazê-lo depois (leia-se agora), porque muito do apelo da “Geração Coca-Cola” se foi. Trocando em miúdos, Renato Russo não é ainda um compositor atemporal. Talvez um dia seja. Tentaram, e continuam tentando, fazer isso com Cazuza (aqueles que notaram a nova versão de “Exagerado”, com Frejat e Zélia Duncan, sabem do que estamos falando), mas aparentemente não conseguiram. Uma das razões talvez seja o fato de terem morrido precocemente; outra, a eterna incapacidade de se converter rock em qualquer outro gênero que não seja “rock”. Muitos também tentaram, com orquestras e artifícios similares, mas o resultado sempre foi – irremediavelmente – pobre. Como, aliás, é o rock. OK (para usar uma gíria “roqueira”), as letras de Manfredini e Agenor se salvam – foram hinos de quem não tinha mais nada para mastigar. Renato Russo tinha achaques de literatice, como quando lançou a premonitória “Eu Sei” (1987), aos 20 e poucos anos. Era o indício de que as platéias já estavam fartas de imagens. Estas “Quatro Estações” são, contudo, nostalgia em último volume. Quem está atrás de um guru, que vá cantar “Ideologia”, de Cazuza. [Comente esta Nota]
>>> As Quatro Estações Ao Vivo - Legião Urbana - EMI
 

>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO*** RECOMENDA
(CN - Conjunto Nacional; VL - Shopping Villa-Lobos)


>>> Cafés Filosóficos
* O mito da criação segundo as tradições arcaicas - Viktor Salis
(4ª f., 5/5, 19h30, CN)

>>> Palestras
* Conversas sobre um Brasil Fora de si - José Carlos Sebe Bom Meihy, Betty Mindlin, Matthew Shirts, Fabiano Maisonnave (4ª f., 5/5, 19hrs., VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Reformas no Brasil – Balanço e agenda - Fabio Giambiagi, José Guilherme Reis e Andre Urani (2ª f., 3/5, 18hrs., CN)
* Jânio Quadros - O Prometeu de Vila Maria - Ricardo Arnt
(3ª f., 4/5, 19hrs., CN)
* Soluções em Internet - Conceitos e estratégias para facilitar a geração de negócios - Ivone Rocha (5ª f., 6/5, 18h30, VL)

>>> Exposições
* Carlos Nascibem
(3-18/5, das 9 às 22hrs., CN)

>>> Shows
* Música das Nações - Maria Lúcia Waldow e Horácio Gouveia
(2ª f., 3/5, 20hrs., VL)
* New York, Broadway e Paris - Traditional Jazz Band
(6ª f., 7/5, 20hrs., VL)

** Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos: Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional: Av. Paulista, nº 2073

*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/6/2004
12h18min
Acredito, sim, que paira um movimento para tirar de Caetano sua aura de poeta genial. E não há nada de inconsciente nisto. Diz respeito àquilo a que já me referi antes, à tal roda permanente de modismos, onde tudo que é bom vira ruim, e tudo que era ruim vira bom. Para quem (aqui me incluo) não faz a mínima questão de ostentar o rótulo de moderno e antenado na “basic t-shirt” do dia, Caetano é Caetano. Simples (e monocórdico) assim. Vai na contramão da corrente, soltando um “mesmo” quando esperavam “mais”. Regravou Peninha e Odair José, lançou um CD em inglês no momento em que o mundo execra países de língua inglesa. Sua genialidade tornou-se mais macro, mais estratégica. Mas ainda assim, defendo, genialidade. Menos tímido e nada espalhafatoso, resta a Caetano esperar que a roda incessante dos modismos resolva de novo que ele é bom, é moderno, é genial. Que as bacantes da modernidade terminem pois de degluti-lo, devora-lo, para que daqui há um tempo, Caetano possa, novamente, redentoramente, ser digerido.
[Leia outros Comentários de Cozete Gelli]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA ALTERNATIVA À REENGENHARIA
WILLIAM E. SCHNEIDER
RECORD
(1996)
R$ 11,00



THE INTERNATIONAL JOURNAL OF PSYCHOANALYSIS VOLUME 82 PART 4
VÁRIOS AUTORES
DAVID TUCKETT
(2001)
R$ 50,00



DESAFIO E PROMESSA O RIO SÃO FRANCISCO
CARLOS LACERDA
RECORD
(1964)
R$ 12,90



AS PRINCESAS E OS SEGREDOS DA CORTE
ELISABETH LOIBL
MELHORAMENTOS
(2000)
R$ 5,65



NO VERAO, A PRIMAVERA
LUCILIA DE ALMEIDA PRADO
MELHORAMENTOS
(1979)
R$ 8,00



UM SWAMI NO RIO
CLAUDIO EDINGER
E EDITORIAL
(2009)
R$ 13,00



ENCHIRIDION VATICANUM
REDAZIONE ERMINIO LORA
DEHONIANE BOLOGNA
(1977)
R$ 200,00



O EDUCADOR E A ABORDAGEM SISTEMÁTICA VOL 10 DA COL. TEMAS PEDAGÓGICOS
UNESCO
ESTAMPA
(1997)
R$ 15,86



HEPATITE C GUIA PRÁTICO PARA O CONVIVIO DIARIO COM A DOENÇA
MAVRJENRINS
MADRAS
(2001)
R$ 30,80



A BÍBLIA SAGRADA- ANTIGO E NOVO TESTAMENTO
JOÃO FERREIRA DE ALMEIDA- TRADUTOR
SOCIEDADE BÍBLICAS DO BRASIL
(1993)
R$ 59,90
+ frete grátis





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês