Digestivo nº 173 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 5/5/2004
Digestivo nº 173
Julio Daio Borges

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Além do Mais >>> Detached
Caetano Veloso é uma figura cada vez mais desacreditada no cenário nacional. Uma sina triste para uma personalidade que foi uma das mais brilhantes de sua geração. Desde “Noites do Norte” (2001), em forma de protesto contra a má divulgação que tem de seus produtos musicais, inaugurou o “happening” metralhadora-giratória. Convoca a imprensa (de que tanto tem ódio) e dispara farpas verbais destiladas durante anos. De Diogo Mainardi, por exemplo, disse que era um “abacaxi com caroço” (a que Diogo respondeu, em “Veja”, de forma muito mais elaborada sem qualquer dificuldade). Outro dia, porém, Lya Luft, a presente autora de “best-sellers”, foi obrigada a desdizer Caetano Veloso, sem a menor cerimônia, no programa de Marília Gabriela, no GNT. O assunto era carnaval. O que se disse e o que se deixou de dizer, no fundo, não importa muito. Independentemente de atos ou palavras, todo um movimento (inconsciente?) corrobora para tirar do compositor de “Alegria, Alegria” a aura de gênio intocável. Caetano, ainda assim, continua proferindo seus disparates – sem o mesmo charme do “tímido espalhafatoso” de antes. Apenas como uma prima-dona velha que começa a perder a voz (como se disse, uma vez, acerca do autor da fórmula “E=mc²”). Antes, ao menos, quando não falava, Caetano cantava. Agora, parece se arrastar nas duas esferas (a musical e a pública). Seu novo disco, que é uma incursão completa no idioma de Cole Porter, peca pela extensão, peca pela falta de gosto e peca pela quase ausência de criatividade. O que pode haver de mais original no CD, para que se tenha uma idéia, é o fato dele haver gravado “Feelings” e Nirvana. O resto são lugares-comuns que vão desde as cordas até o saxofone; desde a escolha do repertório (“standards” deveriam ser proibidos pelo Ministério da Saúde) até a (re)interpretação (caricata ou monocórdia, conforme a escolha). Está bem, ele resgatou Stevie Wonder; e, está bem, ele transformou “Blue Skies” em música eletrônica. Mas será que isso basta para o autor de “Transa” (1972); e para os ouvintes que esperavam dele uma última centelha ou um último espasmo? Tudo bem que Caetano Veloso e Paula Lavigne querem conquistar o mundo, e tudo bem que Pedro Almodóvar sucumbiu aos seus encantos, mas o Brasil não parece mais disposto a se hipnotizar pelo canto da sereia de Santo Amaro da Purificação. [Comente esta Nota]
>>> A Foreign Sound - Caetano Veloso - Universal
 



Literatura >>> Experiência privada e explicação pública
A primeira associação que se faz à Alemanha do começo do século XX é com Hitler, o Nazismo e o Holocausto. É inevitável. Fritz Stern, porém, enxerga nesse período algo além do país entre guerras — ele vê, nesta mesma Alemanha, uma "Geniezeit", ou uma era do gênio. A mesma (guardadas as devidas proporções) que acometeu a terra de Goethe durante o Romantismo alemão. Só que com realizações no reino das ciências em geral, e não apenas no mundo das artes. Dele, a Companhia das Letras traduziu há pouco tempo "O Mundo Alemão de Einstein" (1999), com cinco ensaios biográficos mais alguns textos esparsos. Lá obviamente está o Pai da Relatividade, sempre uma fonte inesgotável de "insights" sobre o período, num encontro com Fritz Haber, pai da síntese do amoníaco e um dos maiores químicos do último século. Ao contrário de Einstein, que foi terrivelmente lúcido em meio ao delírio belicoso germânico, Haber, que sempre acreditou cegamente na autoridade do Estado, concentrou todas as suas energias no esforço de guerra e, naturalmente, pagou o preço depois. O que Stern mostra, na verdade, em seu livro, é que, na Alemanha guilhermina do kaiser, a linha entre o "bem" e o "mal" se mostrou bastante tênue — e muitas outras mentes brilhantes erraram de lado entre 1914 e 1945. Walther Rathenau, por exemplo: o homem que foi negociar com os Aliados depois da derrota na Primeira Guerra seria, na seqüência, assassinado — graças a uma capacidade eloqüente de mudar de posição para perseguir objetivos, às vezes, fatais. Além de Paul Ehrlich (o sujeito por trás da quimioterapia), Stern se debruça ainda sobre Chaim Weizmann, virtualmente o criador do Estado de Israel em 1948. Weizmann, inconformado em ser cidadão de "segunda classe" na Alemanha anti-semita, levou a causa sionista até os Estados Unidos e à Inglaterra, que, com a benevolência dos vencedores, "indenizaram" as vítimas do Holocausto. O século XX, que foi o século dos EUA (ninguém tem dúvida), poderia ter sido o século da Alemanha — diz Raymond Aron na introdução. E se a interação entre ciência e arte continua muito em moda nos tempos atuais, nada como estudar a vida de grandes cientistas talhados no mais puro humanismo — o humanismo germânico. [Comente esta Nota]
>>> O Mundo Alemão de Einstein - Fritz Stern - 410 págs. - Companhia das Letras
 



Música >>> Fábrica
Renato Russo tinha dias em que estava atacado e tinha dias em que estava mais atacado. É o que atesta o novo “As Quatro Estações Ao Vivo”, do Legião Urbana. Os donos do espólio já haviam lançado “Como é que se diz eu te amo” (2001), da turnê subseqüente (do álbum “V”), e quem conhecia um não deve esperar muitas novidades do outro. A justificativa fica por conta de uma ou outra versão “ao vivo”, como a de “Angra dos Reis” (antes inédita), por exemplo. Mas é pouco para quem assistiu aos porcos chafurdarem na lama de “discos-solo”, póstumos, permeados de entrevistas, e de “homenagens” tortas, como a prestada por Jerry Adriani e por um certo grupo (de cujo nome nem se tomou conhecimento) que mais soa como um “genérico” do Legião Urbana. Renato Russo foi um ídolo juvenil, com seus defeitos e qualidades, atualmente sob o jugo de grandes gravadoras que não se fartam de raspar o fundo de seu baú. Mas Renato Russo, de novo, ficou sem lugar. Quem o ouvia, nos anos 80 e 90, cresceu – e hoje compra seus discos mais por condescendência do que por qualquer outra coisa. E quem não o ouvia, naqueles anos, não vai fazê-lo depois (leia-se agora), porque muito do apelo da “Geração Coca-Cola” se foi. Trocando em miúdos, Renato Russo não é ainda um compositor atemporal. Talvez um dia seja. Tentaram, e continuam tentando, fazer isso com Cazuza (aqueles que notaram a nova versão de “Exagerado”, com Frejat e Zélia Duncan, sabem do que estamos falando), mas aparentemente não conseguiram. Uma das razões talvez seja o fato de terem morrido precocemente; outra, a eterna incapacidade de se converter rock em qualquer outro gênero que não seja “rock”. Muitos também tentaram, com orquestras e artifícios similares, mas o resultado sempre foi – irremediavelmente – pobre. Como, aliás, é o rock. OK (para usar uma gíria “roqueira”), as letras de Manfredini e Agenor se salvam – foram hinos de quem não tinha mais nada para mastigar. Renato Russo tinha achaques de literatice, como quando lançou a premonitória “Eu Sei” (1987), aos 20 e poucos anos. Era o indício de que as platéias já estavam fartas de imagens. Estas “Quatro Estações” são, contudo, nostalgia em último volume. Quem está atrás de um guru, que vá cantar “Ideologia”, de Cazuza. [Comente esta Nota]
>>> As Quatro Estações Ao Vivo - Legião Urbana - EMI
 

>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO*** RECOMENDA
(CN - Conjunto Nacional; VL - Shopping Villa-Lobos)


>>> Cafés Filosóficos
* O mito da criação segundo as tradições arcaicas - Viktor Salis
(4ª f., 5/5, 19h30, CN)

>>> Palestras
* Conversas sobre um Brasil Fora de si - José Carlos Sebe Bom Meihy, Betty Mindlin, Matthew Shirts, Fabiano Maisonnave (4ª f., 5/5, 19hrs., VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Reformas no Brasil – Balanço e agenda - Fabio Giambiagi, José Guilherme Reis e Andre Urani (2ª f., 3/5, 18hrs., CN)
* Jânio Quadros - O Prometeu de Vila Maria - Ricardo Arnt
(3ª f., 4/5, 19hrs., CN)
* Soluções em Internet - Conceitos e estratégias para facilitar a geração de negócios - Ivone Rocha (5ª f., 6/5, 18h30, VL)

>>> Exposições
* Carlos Nascibem
(3-18/5, das 9 às 22hrs., CN)

>>> Shows
* Música das Nações - Maria Lúcia Waldow e Horácio Gouveia
(2ª f., 3/5, 20hrs., VL)
* New York, Broadway e Paris - Traditional Jazz Band
(6ª f., 7/5, 20hrs., VL)

** Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos: Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional: Av. Paulista, nº 2073

*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/6/2004
12h18min
Acredito, sim, que paira um movimento para tirar de Caetano sua aura de poeta genial. E não há nada de inconsciente nisto. Diz respeito àquilo a que já me referi antes, à tal roda permanente de modismos, onde tudo que é bom vira ruim, e tudo que era ruim vira bom. Para quem (aqui me incluo) não faz a mínima questão de ostentar o rótulo de moderno e antenado na “basic t-shirt” do dia, Caetano é Caetano. Simples (e monocórdico) assim. Vai na contramão da corrente, soltando um “mesmo” quando esperavam “mais”. Regravou Peninha e Odair José, lançou um CD em inglês no momento em que o mundo execra países de língua inglesa. Sua genialidade tornou-se mais macro, mais estratégica. Mas ainda assim, defendo, genialidade. Menos tímido e nada espalhafatoso, resta a Caetano esperar que a roda incessante dos modismos resolva de novo que ele é bom, é moderno, é genial. Que as bacantes da modernidade terminem pois de degluti-lo, devora-lo, para que daqui há um tempo, Caetano possa, novamente, redentoramente, ser digerido.
[Leia outros Comentários de Cozete Gelli]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMENTÁRIOS À LEI DO PETRÓLEO: LEI FEDERAL Nº 9478, DE 06/08/1997
MARIA DASSUNÇÃO COSTA MENEZELLO
JURIDICO ATLAS
(2000)
R$ 12,00



MÉTODOS EM PESQUISA SOCIAL
WILLIAM J. GOODE & PAUL K. HATT
BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA
(1972)
R$ 10,00



ESPUMAS FLUTUANTES
CASTRO ALVES
ESTADÃO
(1997)
R$ 10,00



EL CONTROL DE LA COMUNICACÍON DE MASAS
RÁMON REIG
LIBERTARIAS PRODHUFI
(1995)
R$ 60,00



PSICOTERAPIA ANALÍTICA DA CRIANÇA
F. KLEIN E R. DEBRAY
ZAHAR
(1976)
R$ 10,00



MATEMÁTICA HOJE É FEITA ASSIM 7
ANTONIO JOSÉ LOPES BIGODE
FTD
(1999)
R$ 8,90



1963 APROXIMAÇÕES DO ESPÍRITO POP 1968
CORDEIRO - DIAS - DUKE LEE - LEIRNER
MAM
(2003)
R$ 100,00



UM VELHO VELHACO E SEU NETO BUNDÃO
LOURENÇO CAZARRÉ
ATUAL/ SP.
(1993)
R$ 25,90



ÁFRICA E BRASIL: UMA PONTE SOBRE O ATLÂNTICO
PAULO MARTINEZ
MODERNA
(1992)
R$ 7,90



DE REPENTE, O AMOR.
SUSAN FOX
ÚNICA
(2013)
R$ 8,64





busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês