Digestivo nº 223 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
>>> Acervo digital documenta a história da Cantina da Lua - símbolo de resistência cultural
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max, Iggor e Gastão
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O mal no pensamento moderno
>>> Empreender é...
>>> A paisagem é o homem
>>> Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad
>>> Regras de civilidade (ou de civilização)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O segredo da Crise
>>> Os melhores do cinema brasileiro em 2003
>>> As deliciosas mulheres de Gustave Courbet
>>> Entrevista com Luis Eduardo Matta
Mais Recentes
>>> A Menina Que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> 1889 Como um Imperador Cansado, um Marechal Vaidoso e um Professor Injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a Proclamação da República no Brasil de Laurentino Gomes pela Globo (2013)
>>> Por Trás do Véu de Ísis de Marcel Souto Maior pela Planeta (2004)
>>> A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen de Eugen Herrigel pela Pensamento
>>> Fragmentos de um Ensinamento Desconhecido Em Busca do Milagroso de P. D. Ouspensky pela Pensamento
>>> Projeto para o Destino de Edward Russell pela Pensamento
>>> Balaio Livros e Leituras de Ana Maria Machado pela Nova Fronteira (2007)
>>> A Casa da Paixão de Nélida Piñon pela Sabiá (1972)
>>> Os Meninos de Jo 4 de Louisa May Alcott pela Principis (2021)
>>> Gestão Contemporânea a Ciência e a Arte de Ser Dirigente de Paulo Roberto Motta pela Record (1996)
>>> Arsène Lupin e a Garota de Olhos Verdes de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> A Princesinha de Frances Hogson Burnett pela ciranda Cultural (2019)
>>> O Médico e o Monstro Em Quadrinhos de Robert Louis Stevenson pela Principis (2021)
>>> A Guerra dos Mundos de H. G. Wells pela Principis (2021)
>>> O Dorminhoco de H. G. Wells pela Principis (2021)
>>> O Sagrado de Nilton Bonder pela Rocco (2007)
>>> Uma Utopia Moderna de H. G. Wells pela Principis (2021)
>>> Sanditon de Jane Austin pela Principis (2021)
>>> Arsène Lupin e o Estilhaço de Obus de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> Relato da Vida de Frederick Douglass um Escravo Americano de Frederick D. pela Principis (2021)
>>> Úrsula de Maria Firmina dos Reis pela Principis (2020)
>>> Rapazinhos 3 de Louisa May Alcott pela 9786555521764 (2021)
>>> A Melhor Amiga de Anne de Kallie George pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Chamado Selvagem de Jack London pela Principis (2021)
>>> Robin Hood Em Quadrinhos de Howard Pyle pela Principis (2021)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 20/4/2005
Digestivo nº 223
Julio Daio Borges

+ de 3200 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Literatura >>> Carta ao amigo ausente
2004 foi, de certa forma, o ano Hélio Pellegrino. No ano em que completaria 80 anos, o psicanalista mineiro, membro da trupe mais badalada da nossa literatura em Minas Gerais, recebeu duas grandes homenagens. Uma foi a caixa, largamente comentada por Ignácio de Loyola Brandão, mas pouco encontrável nas livrarias, lançada pela editora Bem-te-vi. A outra foi a coletânea de escritos de Hélio ao longo do tempo, organizada por sua neta e, de alguma maneira, herdeira literária, Antonia Pellegrino. Antonia, que é também escritora, integra a geração internet e prepara um romance, enfurnou-se nos arquivos do avô, em jornais, revistas e materiais de época, para encontrar esse homem que se recusou tenazmente a publicar. No volume, Lucidez Embriagada, com bela capa de Joca Reiners Terron, pela editora Planeta, há, inclusive, uma entrevista de Hélio a Clarice Lispector, em que ela, incisivamente, pergunta de sua recusa em publicar. Pellegrino sai pela tangente e confessa manter esse pudor, de virar livro, pelo simples prazer de cultivar, intimamente, uma possibilidade inexplorada em sua vida: a de, justamente, virar escritor. (Como uma reserva de tempo extra, a que poderia recorrer a qualquer momento...) Ao contrário de seus amigos, poetas, cronistas e romancistas devidamente publicados: Fernando Sabino, Otto Lara Resende e Paulo Mendes Campos. Eles estão, obviamente, presentes ao longo das páginas. E algumas das mais comoventes, e valiosas, passagens se referem a essa ligação de décadas. A amizade evolui texto a texto, carta a carta, bilhete a bilhete, foto a foto. Nas palavras de Hélio Pellegrino. Hélio também aparece apaixonado, envolvido em causas políticas e até psicanalíticas, ao lado de, por exemplo, Eduardo Mascarenhas. Afinal, fora a faceta íntima, lírica, havia, igualmente, a perene preocupação com o outro (palavra muito presente, que ele gostava de grafar com letra maiúscula). Embora ao final da leitura, os pruridos de Hélio Pellegrino, de não estar entre capas, talvez se revelem justificados, é a Antonia Pellegrino que devemos esse resgate. Numa investigação atrás de suas origens de escritora, ela enriqueceu seu trabalho e a perspectiva de todos nós. [Comente esta Nota]
>>> Lucidez Embriagada - Antonia Pellegrino (org.) - 200 págs. - Planeta | Carta ao pai morto
 



Música >>> Lamento no morro
Pode até ser lugar-comum, mas muita gente ainda não sabe que a bossa-nova se caracterizou por aquele cantar econômico, por uma poesia lírica mas contida, por um acompanhamento rítmico e minimalista. Vinicius de Moraes, que se derramou na vida, foi um grande letrista para João Gilberto e Tom Jobim porque, apesar dos diminutivos excessivos, captou o espírito da alegria dos 50/60 e a quase imposição modernista do mot juste. De “Chega de Saudade” até “Garota de Ipanema”, principalmente quando interpretadas pelo baiano de Juazeiro, a impressão é a de que não falta nada e, mais do que isso, de que não sobra nada. E todo mundo sabe que Caetano Veloso foi um dos maiores discípulos de João Gilberto, mormente no que concerne ao canto. E que Gal Costa foi considerada, no princípio, um João Gilberto de saias. Agora, tomando tudo isso, o que não dá pra entender, no conjunto, é a recente homenagem de Maria Bethânia a Vinicius de Moraes. Bethânia, que vinha acertando sucessivamente, muito mais do que seus colegas baianos, de repente se descuidou e embarcou num repertório que não tem mais (se é que um dia teve) a sua cara: as canções do Poetinha do Itamaraty. Bethânia, claro, ao contrário de Nara Leão, nunca foi uma intérprete clássica de bossa-nova; e Bethânia, claro, tem toda a liberdade para recriar esse cancioneiro à sua moda. Acontece que se a sua releitura não for genial, por ser Bethânia a dona de um vozeirão, de poderosos gestos cênicos e de grandiloqüência orquestral, dificilmente vai se adaptar aos preceitos do legado de Vinicius & Tom. Toda essa teoria se confirma no álbum Que falta você me faz, pela Biscoito Fino. Onde deveria haver um banquinho e um violão, há um maestro e um manto de cordas (“Minha namorada”); onde deveria haver a pronúncia seca, mínima, inaudita, há o eco, a extensão, o vibrato (“A felicidade”); onde deveria haver a celebração da existência, a festa, a cantoria, há a tensão, o baixo astral, o drama fácil (“Eu não existo sem você”). A gente sabe, óbvio, que Bethânia excursionou com o mestre e que não é, justamente, marinheira de primeira viagem; e igualmente sabe que ela sempre se deu muito bem com Fernando Pessoa (modernista de primeira água). Ocorre, infelizmente, que o resultado final desse CD, computados alguns bons momentos, não é digo nem dela, nem dele, nem da MPB. Bethânia não merece ser apedrejada – porque hoje é quase impossível revisitar Vinicius e não soar banal –, mas, ao mesmo tempo, tem de admitir que, dessa vez, errou. [Comente esta Nota]
>>> Que falta você me faz - Maria Bethânia - Biscoito Fino
 



Imprensa >>> Eu sei o que você comeu no verão passado
Parece impossível que alguém consiga produzir uma revista masculina legível, mas a editora Escala conseguiu, com a sua Romano. Ao menos no primeiro número (esperamos que continue). Como o próprio nome já diz, a editora trabalha com escala, então tascou David Beckham na capa, o metrossexual por excelência – um dos homens contemporâneos que, aliás, inspiraram o enigmático termo. Beckham, apesar de jogador de futebol (ou talvez por isso mesmo), está para o mundo, ou para a Europa, ou para a Inglaterra mais especificamente, assim como Gisele Bündchen está para o Brasil: é célebre, integra o grupo do beautiful people (mesmo) e – concomitantemente – é milionário, é referência e é cool. Óbvio que, com tantas funções, na mídia, acaba que tem sua imagem desgastada. Como Gisele. No Brasil, no entanto, Beckham é pouco ou mal conhecido, por quem não entende nada de futebol (talvez porque, desde a ressaca de ídolos latinos bregas, os ídolos internacionais não emplacam mais no Brasil – ao menos, não com a mesma força dos ídolos da própria indústria tupiniquim). Enfim, a Romano foge ao estilo Caras de abordar personalidades e produz uma matéria adulta sobre o semideus Beckham. Essa abordagem não tão evidente de temas até convencionais permeia, felizmente, as demais páginas: o psicólogo Ailton Amélio da Silva fala de – claro – sexo; a repórter Ana Holanda escreve sobre saúde; o repórter Fernando Inocente pesquisa sobre cervejas especiais e seus refinados sabores, etc. E assim vai: gastronomia, mulher, compras, tecnologia, dicas de cultura... A receita, bastante conhecida no meio para quem visa as bancas, não pode falhar. Traduzindo: não há muito o que inventar. Se a Romano não fosse mais inteligente, ao falar dessas mesmas coisas, seria apenas uma revista a mais no bolo. Afinal de contas, a sofisticação plástica – em termos de projeto gráfico – já virou commodity, e os assuntos, de tão abordados, só podem oferecer vantagem se forem explorados com maior profundidade. A sua permanência, inevitavelmente, depende da resposta do público. Se ficar provado que existe uma fatia menos viciada ao velho formato (burro), a Romano prossegue. Caso contrário, seguimos condenados à abordagem medíocre para executivos, empresários wannabes e similares. [Comente esta Nota]
>>> Romano
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/4/2005
10h23min
Desde que avistei, de passagem, a capa dessa revista - masculina? - fiquei me perguntando por que cargas d´água o título era esse, o qual não remete absolutamente ao conteúdo da mesma. A maior loja virtual brasileira recebe o nome de submarino e, como comentou um amigo, tinha tudo para naufragar, mas está aí, lucrativa. A escolha do adjetivo designativo do habitante da capital italiana talvez contenha uma mensagem subliminar, coisa da semiótica. No passado beeeeem antigo, os romanos tinham um império, algo como esse que Bush quer criar à força. Roma era o centro cultural do mundo, logo os romanos eram cool como Beckham. Respeitada a extemporaneidade, talvez seja um bom título. Os romanos eram extremamente machistas: naquela civilização as mulheres eram relegadas ao segundo plano, a ponto das relações homosexuais masculinas serem bastante comuns. Toda a riqueza do império fluía naturalmente para Roma, o que permitia uma vida luxuosa e totalmente preenchida com lazer, já que os povos dominados se tornavam escravos, algo como o ideal do imaginário de cada um: muita diversão, luxo e nenhuma obrigação profissional. Os romanos comiam e bebiam deitados nas avós das chaise-longue atuais, além de fazerem sexo nos intervalos da comilança, seguida do regurgitamento, para então reiniciar o processo todo, nos famosos bacanais. Como se vê, o título é extremamente apropriado para um momento de supervalorização do lazer, um desencantamento com o patrimonialismo, uma verdadeira revolução de costumes masculinos, acuados que estamos ao vermos preenchidos nossos espaços por mulheres mais preparadas, insubmissas e independentes. Realmente, dá saudade de Roma.
[Leia outros Comentários de Marcelo Zanzotti]
28/4/2005
20h25min
Sobre seu comentário sobre ser impossível revisitar Vinícius sem soar banal, digo a você que é plenamente possível, sim. Leny Andrade gravou uma composição de Vinícius de Moraes e Alaíde Costa, que se chama "Amigo Amado" no CD "Native Brazil Guitar" do violonista Ezequiel Piaz que é de arrepiar, só voz e violão. Ouça e me diga.
[Leia outros Comentários de Joana Darc Menezes]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Twentieth Century History the World Since 1900
Tony Howarth
Longman
(1987)



Quem Conta um Conto Aumenta um Ponto
Paulo Afonso Caruso Ronca
Edesplan
(1996)



Dicionário Crítico de Sociologia
R doudon & F Bourricaud
Ática
(2001)



O Que é Ideologia - Coleção Primeiros Passos
Marilena Chaui
Brasiliense
(1989)



A Riqueza de Todos
Jefferey Sachs
Nova Fronteira
(2008)



La Psychologie de Intelligence
J. Piaget
Armando Colin (paris)
(1967)



Rezando Com Jesus
George Martin
Pensamento
(2006)



Os Homens do Mundaú
Valter Pedrosa
Rotero Editorial
(1984)



Os TextÍculos de Ary Toledo
Ary Toledo
Novo Século
(2010)



A Moscou on Rit Jusqu Aux Larmes
Armand Miff
La Table Ronde (paris)
(1970)





busca | avançada
100 mil/dia
2,5 milhões/mês