Digestivo nº 223 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Canto dos Recuados - espetáculo musical mergulha na cultura afrobarroca
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
>>> Monólogo Te Falo com Amor e Ira de Branca Messina ganha nova temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Incubus - Circles
>>> Citizen Kane
>>> Da vitrola ao microchip
>>> De onde vem a carne que você come?
>>> (Re)masterizados e (Re)mixados
>>> Um mundo além do óbvio
>>> Anarchy in the U.K.
>>> História do Ganesha
>>> A sombra de Saramago
Mais Recentes
>>> Como Cuidar do Seu Meio Ambiente de Desconhecido pela Bei (2002)
>>> Esposa 22 de Melanie Gideon pela Intrinseca (2012)
>>> Você, Líder do Seu Sucesso de Inácio Dantas pela Clube dos Autores (2018)
>>> Mundo Em Transformação de Antonio Cabral; Leonardo Coelho pela Autêntica (2006)
>>> Nós Dois na Madrugada de Sanne Munk Jensen e Ringtve pela Suma (2018)
>>> O Videogame do Rei de Ricardo Silvestrin pela Record (2009)
>>> Cinema Transcendental: um Guia de Filmes Sobre a Vida Após a Morte de Lyn, Tom Davis Genelli pela Pensamento (2014)
>>> Histórias para o Coração da Mãe de Alice Gray pela United Press (2005)
>>> Lua Nova - Formato Menor de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> O Mar de Monstros - Percy Jackson e os Olimpianos Livro Dois de Rick Riordan pela Intrinseca (2009)
>>> Amanhecer de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> Os Lusíadas de Luís de Camões pela Estadão (1995)
>>> Lua Nova de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2008)
>>> Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro Volume 321 de Vários Autores pela Imprensa Nacional (1978)
>>> Guia do Servidor Linux Edição Servidor 3 de Conectiva pela Conectiva (1999)
>>> Introdução a Teoria das Linhas de Transmissão de José Thomaz Senise pela Mauá (1979)
>>> Feijoada na Copa de Chico Anísio pela Círculo do Livro (1976)
>>> Espinhos do Tempo de Zibia Gasparetto pela Os Caminheiros (1990)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Record (1978)
>>> Catálogo Antunes 87/8 de José Manuel Antunes pela Do Autor (1988)
>>> Biologia de los Microelementos y Su Funcion de Karl H. Schutte pela Tecnos (1966)
>>> Dicionário do Antiquariato de Codex pela Codex (1968)
>>> Relais & Chateaux 2001 de Relais pela Relais (2001)
>>> Guatemala Kunst Der Maya de I. Bolz-augenstein pela Greven (1966)
>>> Julie Ou La Nouvelle Heloise de Rousseau pela Flammarion (1967)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 20/4/2005
Digestivo nº 223
Julio Daio Borges

+ de 3300 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Literatura >>> Carta ao amigo ausente
2004 foi, de certa forma, o ano Hélio Pellegrino. No ano em que completaria 80 anos, o psicanalista mineiro, membro da trupe mais badalada da nossa literatura em Minas Gerais, recebeu duas grandes homenagens. Uma foi a caixa, largamente comentada por Ignácio de Loyola Brandão, mas pouco encontrável nas livrarias, lançada pela editora Bem-te-vi. A outra foi a coletânea de escritos de Hélio ao longo do tempo, organizada por sua neta e, de alguma maneira, herdeira literária, Antonia Pellegrino. Antonia, que é também escritora, integra a geração internet e prepara um romance, enfurnou-se nos arquivos do avô, em jornais, revistas e materiais de época, para encontrar esse homem que se recusou tenazmente a publicar. No volume, Lucidez Embriagada, com bela capa de Joca Reiners Terron, pela editora Planeta, há, inclusive, uma entrevista de Hélio a Clarice Lispector, em que ela, incisivamente, pergunta de sua recusa em publicar. Pellegrino sai pela tangente e confessa manter esse pudor, de virar livro, pelo simples prazer de cultivar, intimamente, uma possibilidade inexplorada em sua vida: a de, justamente, virar escritor. (Como uma reserva de tempo extra, a que poderia recorrer a qualquer momento...) Ao contrário de seus amigos, poetas, cronistas e romancistas devidamente publicados: Fernando Sabino, Otto Lara Resende e Paulo Mendes Campos. Eles estão, obviamente, presentes ao longo das páginas. E algumas das mais comoventes, e valiosas, passagens se referem a essa ligação de décadas. A amizade evolui texto a texto, carta a carta, bilhete a bilhete, foto a foto. Nas palavras de Hélio Pellegrino. Hélio também aparece apaixonado, envolvido em causas políticas e até psicanalíticas, ao lado de, por exemplo, Eduardo Mascarenhas. Afinal, fora a faceta íntima, lírica, havia, igualmente, a perene preocupação com o outro (palavra muito presente, que ele gostava de grafar com letra maiúscula). Embora ao final da leitura, os pruridos de Hélio Pellegrino, de não estar entre capas, talvez se revelem justificados, é a Antonia Pellegrino que devemos esse resgate. Numa investigação atrás de suas origens de escritora, ela enriqueceu seu trabalho e a perspectiva de todos nós. [Comente esta Nota]
>>> Lucidez Embriagada - Antonia Pellegrino (org.) - 200 págs. - Planeta | Carta ao pai morto
 



Música >>> Lamento no morro
Pode até ser lugar-comum, mas muita gente ainda não sabe que a bossa-nova se caracterizou por aquele cantar econômico, por uma poesia lírica mas contida, por um acompanhamento rítmico e minimalista. Vinicius de Moraes, que se derramou na vida, foi um grande letrista para João Gilberto e Tom Jobim porque, apesar dos diminutivos excessivos, captou o espírito da alegria dos 50/60 e a quase imposição modernista do mot juste. De “Chega de Saudade” até “Garota de Ipanema”, principalmente quando interpretadas pelo baiano de Juazeiro, a impressão é a de que não falta nada e, mais do que isso, de que não sobra nada. E todo mundo sabe que Caetano Veloso foi um dos maiores discípulos de João Gilberto, mormente no que concerne ao canto. E que Gal Costa foi considerada, no princípio, um João Gilberto de saias. Agora, tomando tudo isso, o que não dá pra entender, no conjunto, é a recente homenagem de Maria Bethânia a Vinicius de Moraes. Bethânia, que vinha acertando sucessivamente, muito mais do que seus colegas baianos, de repente se descuidou e embarcou num repertório que não tem mais (se é que um dia teve) a sua cara: as canções do Poetinha do Itamaraty. Bethânia, claro, ao contrário de Nara Leão, nunca foi uma intérprete clássica de bossa-nova; e Bethânia, claro, tem toda a liberdade para recriar esse cancioneiro à sua moda. Acontece que se a sua releitura não for genial, por ser Bethânia a dona de um vozeirão, de poderosos gestos cênicos e de grandiloqüência orquestral, dificilmente vai se adaptar aos preceitos do legado de Vinicius & Tom. Toda essa teoria se confirma no álbum Que falta você me faz, pela Biscoito Fino. Onde deveria haver um banquinho e um violão, há um maestro e um manto de cordas (“Minha namorada”); onde deveria haver a pronúncia seca, mínima, inaudita, há o eco, a extensão, o vibrato (“A felicidade”); onde deveria haver a celebração da existência, a festa, a cantoria, há a tensão, o baixo astral, o drama fácil (“Eu não existo sem você”). A gente sabe, óbvio, que Bethânia excursionou com o mestre e que não é, justamente, marinheira de primeira viagem; e igualmente sabe que ela sempre se deu muito bem com Fernando Pessoa (modernista de primeira água). Ocorre, infelizmente, que o resultado final desse CD, computados alguns bons momentos, não é digo nem dela, nem dele, nem da MPB. Bethânia não merece ser apedrejada – porque hoje é quase impossível revisitar Vinicius e não soar banal –, mas, ao mesmo tempo, tem de admitir que, dessa vez, errou. [Comente esta Nota]
>>> Que falta você me faz - Maria Bethânia - Biscoito Fino
 



Imprensa >>> Eu sei o que você comeu no verão passado
Parece impossível que alguém consiga produzir uma revista masculina legível, mas a editora Escala conseguiu, com a sua Romano. Ao menos no primeiro número (esperamos que continue). Como o próprio nome já diz, a editora trabalha com escala, então tascou David Beckham na capa, o metrossexual por excelência – um dos homens contemporâneos que, aliás, inspiraram o enigmático termo. Beckham, apesar de jogador de futebol (ou talvez por isso mesmo), está para o mundo, ou para a Europa, ou para a Inglaterra mais especificamente, assim como Gisele Bündchen está para o Brasil: é célebre, integra o grupo do beautiful people (mesmo) e – concomitantemente – é milionário, é referência e é cool. Óbvio que, com tantas funções, na mídia, acaba que tem sua imagem desgastada. Como Gisele. No Brasil, no entanto, Beckham é pouco ou mal conhecido, por quem não entende nada de futebol (talvez porque, desde a ressaca de ídolos latinos bregas, os ídolos internacionais não emplacam mais no Brasil – ao menos, não com a mesma força dos ídolos da própria indústria tupiniquim). Enfim, a Romano foge ao estilo Caras de abordar personalidades e produz uma matéria adulta sobre o semideus Beckham. Essa abordagem não tão evidente de temas até convencionais permeia, felizmente, as demais páginas: o psicólogo Ailton Amélio da Silva fala de – claro – sexo; a repórter Ana Holanda escreve sobre saúde; o repórter Fernando Inocente pesquisa sobre cervejas especiais e seus refinados sabores, etc. E assim vai: gastronomia, mulher, compras, tecnologia, dicas de cultura... A receita, bastante conhecida no meio para quem visa as bancas, não pode falhar. Traduzindo: não há muito o que inventar. Se a Romano não fosse mais inteligente, ao falar dessas mesmas coisas, seria apenas uma revista a mais no bolo. Afinal de contas, a sofisticação plástica – em termos de projeto gráfico – já virou commodity, e os assuntos, de tão abordados, só podem oferecer vantagem se forem explorados com maior profundidade. A sua permanência, inevitavelmente, depende da resposta do público. Se ficar provado que existe uma fatia menos viciada ao velho formato (burro), a Romano prossegue. Caso contrário, seguimos condenados à abordagem medíocre para executivos, empresários wannabes e similares. [Comente esta Nota]
>>> Romano
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/4/2005
10h23min
Desde que avistei, de passagem, a capa dessa revista - masculina? - fiquei me perguntando por que cargas d´água o título era esse, o qual não remete absolutamente ao conteúdo da mesma. A maior loja virtual brasileira recebe o nome de submarino e, como comentou um amigo, tinha tudo para naufragar, mas está aí, lucrativa. A escolha do adjetivo designativo do habitante da capital italiana talvez contenha uma mensagem subliminar, coisa da semiótica. No passado beeeeem antigo, os romanos tinham um império, algo como esse que Bush quer criar à força. Roma era o centro cultural do mundo, logo os romanos eram cool como Beckham. Respeitada a extemporaneidade, talvez seja um bom título. Os romanos eram extremamente machistas: naquela civilização as mulheres eram relegadas ao segundo plano, a ponto das relações homosexuais masculinas serem bastante comuns. Toda a riqueza do império fluía naturalmente para Roma, o que permitia uma vida luxuosa e totalmente preenchida com lazer, já que os povos dominados se tornavam escravos, algo como o ideal do imaginário de cada um: muita diversão, luxo e nenhuma obrigação profissional. Os romanos comiam e bebiam deitados nas avós das chaise-longue atuais, além de fazerem sexo nos intervalos da comilança, seguida do regurgitamento, para então reiniciar o processo todo, nos famosos bacanais. Como se vê, o título é extremamente apropriado para um momento de supervalorização do lazer, um desencantamento com o patrimonialismo, uma verdadeira revolução de costumes masculinos, acuados que estamos ao vermos preenchidos nossos espaços por mulheres mais preparadas, insubmissas e independentes. Realmente, dá saudade de Roma.
[Leia outros Comentários de Marcelo Zanzotti]
28/4/2005
20h25min
Sobre seu comentário sobre ser impossível revisitar Vinícius sem soar banal, digo a você que é plenamente possível, sim. Leny Andrade gravou uma composição de Vinícius de Moraes e Alaíde Costa, que se chama "Amigo Amado" no CD "Native Brazil Guitar" do violonista Ezequiel Piaz que é de arrepiar, só voz e violão. Ouça e me diga.
[Leia outros Comentários de Joana Darc Menezes]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A 3ª Guerra
Robert J. Donovan
Nova Fronteira
(1967)



Español Sin Fronteras - Esf 1
Jesus Sanches Lobato
Sgel
(2007)



Orientação para as Mães
Seicho no Ie
Seicho-no-ie
(1988)



Liderazgo Emocional
Richard Boyatzis - Annie Mckee
Deusto
(2006)



Transpantaneira Passarela de Fauna e Flora
Marcos Vergueiro
Carlini Caniato
(2006)



Super-heróis do Cinema
Júlio Oliveira
Agir
(2015)



1000 Perguntas de Direito Tributário
Walter Garcia
Lumen Juris
(1994)



Manual do Gerente de Loja
Luiz Arnaldo de Moura Lopes
Senac
(1996)



Sociedade por Quotas de Responsabilidade Limitada
Maria do Carmo G. Drummond
Freitas Bastos
(1991)



Vida de Jesus
E. G. White
Casa Publicadora Brasileira





busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês